SlideShare uma empresa Scribd logo
Biomas Brasileiros

 Prof. Ivanilson Lima
FLORESTA AMAZÔNICA
Localização
Clima

O clima na floresta
Amazônica é
equatorial, quente
e úmido, devido à
proximidade
à Linha do
Equador
Caaigapó ou Igapó

Área
permanenteme
nte alagada,
com vegetação
de pequeno
porte.
Caaigapó ou Igapó

        Mamorana

                    Vitória-régia
Várzea

Área sujeita a
inundações
periódicas com
vegetação de
médio porte.
Várzea

         Pau-mulato   Seringueira
Caaetê ou Terra Firme

Área que nunca
se inunda com
vegetação de
grande porte
Caaetê ou Terra Firme

     Castanheira do Pará   Cedro
Fauna
Problemas Ambientais

15% - Desmatamento;
Desde 1970 – Construção de Rodovias;
Atividades Mineradoras;
Garimpeiras;
Agrícolas;
Queimadas;
Exploração Madeireira.
MATA ATLÂNTICA
Localização
Clima

Tropical -
caracterizada por
altas temperaturas;
Nebulosidade no
alto das montanhas
e umidade elevada;
Forte influência da
maritimidade.
Clima

   Distribuição das chuvas é bastante irregular;
   Período mais frio e seco vai de maio a agosto (inverno) e
o mais quente e chuvoso de novembro a março (verão);
   As médias pluviométricas variam com a altitude, com
cerca de 1.700mm na planície costeira, 2.000mm nas
encostas e 3.000mm na faixa alto montanha, o que pode
ser comparado à Amazônia;
   No inverno a temperatura mínima pode atingir menos
de 10°C e no verão, a máxima varia entre 37°C e 40°C.
Vegetação
Vegetação

Exuberância e
diversidade, é uma
das mais ricas do                 Ingá
planeta;
A Serra do Mar (SP)
contém mais de 800
espécies de árvores;


                       Orquidéa
Fauna
Problemas Ambientais

Extração de madeira;
Moradia, construção de cidades;
Agricultura;
Industrialização, e conseqüentemente poluição;
Construção de rodovia.
Pesca predatória em seus rios;
Turismo desordenado;
Comércio ilegal de plantas e animais nativos;
Exportação ilegal de material genético;
Fragmentação das áreas preservadas.
MATA DE ARAUCÁRIAS
Localização
Clima

Invernos rigorosos e
verões quentes

Índices
pluviométricos
elevados e bem
distribuídos durante o
ano
Vegetação

A cobertura vegetal tem
altitudes de 25 e 50 metros
com 2 de espessura, com
sementes conhecidas como
pinhão, não possuem flores e
possuem menor umidade que
as florestas pluviais tropicais
(sendo mais abertas).
Encontram-se nos solos
férteis chamados de terra
roxa.
Vegetação
Fauna
Problemas Ambientais

Corre risco de extinção
Extração de madeiras e ocupação agropecuária com duas
finalidades: destinada à produção de madeira -> Fabricação
de imóveis e papeis; Resinas -> Fabricação de óleos, tintas
e sabão.
Abertura de áreas para agricultura
Encontra-se em processo de degradação
MATA DOS COCAIS
Localização
Clima

A Mata dos Cocais é
uma zona de
transição entre as
florestas úmidas da
bacia Amazônica e as
terras semi-áridas do
Nordeste brasileiro.
Vegetação

As vegetações típicas
da Mata dos Cocais
são: babaçu (em maior
quantidade), carnaúba,
oiticica e buriti.
No extrato mais baixo
da mata, encontramos
diversas espécies de
arbustos e vegetações
de pequeno porte.
Fauna

A fauna é muito
diversificada, tendo,
porém, poucos mamíferos
de grande porte. Ao nível
do solo há poucos animais
(roedores, gambás,
lagartos, cobras). Nas
água dos rios podem ser
encontrados o boto e a
ariranha.
Problemas Ambientais

Embora aproveitada, em parte, de maneira ordenada por
projetos comunitários sustentáveis, a Mata de Cocais
também é seriamente ameaçada por:

Ampliação das áreas de pecuária;
Cultivo de grão para exportação.
CAATINGA
Localização
Clima

Semi – árido
Chuvas Irregulares
Temperatura med. 27
- 29º.
Precipitação med.
300 - 750 mm
Vegetação

Vegetação extremamente
diversificada.
932 espécies já foram
registradas para a região,
sendo 380 endêmicas.
Árvores baixas e arbustos.
Espécies caducifólias e
cactáceas.
Vegetação
Fauna
Problemas Ambientais

Nos últimos 15 anos, 40 mil km² de Caatinga se
transformaram em deserto.
Siderúrgicas e olarias.
Substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e
pastagens.
Desmatamento e queimadas.
Açudes atraíram fazendas de criação de gado.
Irrigação sem o uso de técnica apropriada.
Contaminação das águas por agrotóxicos
CERRADO
Localização
Clima

Predominância do
clima tropical;
2 estações bem
definidas:
Uma chuvosa, entre
outubro e abril;
Outra seca, entre
maio e setembro.
Vegetação

Semelhante à de savana
Espécies do tipo
tropófilas;
São caducifólias;
Raízes profundas;
Pequeno porte, galhos
retorcidos e folhas
grossas.
Vegetação
Fauna
Problemas Ambientais

Fauna e flora prejudicada pela caça e pelo comércio
ilegal;
Sistema ambiental;
Atividade garimpeira contaminou os rios de mercúrio;
Mineração favoreceu o desgaste e a erosão dos solos;
Pecuária extensiva, monoculturas e a abertura de
estradas destruíram boa parte do cerrado.
Menos de 2% está protegido em parques ou reservas.
PANTANAL
Localização
Clima

A pluviosidade anual
média de1100 mm;

Clima tropical úmido;
Com verão chuvoso e
inverno seco;

A temperatura média
anual é de 25°C;
Vegetação

Não é formada por uma vegetação homogênea, mas sim
por diversas espécies, formando assim o “Complexo do
Pantanal”;
Lagoas com plantas aquáticas;
As áreas não inundadas possuem vegetação de cerrado e
caatinga.
As gramíneas (plantas pequenas que compõe a
vegetação) são encontradas nas planícies, nas regiões de
médio porte são encontrados pequenos arbustos e
vegetação rasteira, contudo, nas regiões mais altas
podemos encontrar árvores de grande porte. Se
diferenciam de acordo com a altitude;
Vegetação
Vegetação
Fauna
Problemas Ambientais

A fauna tem sido destruída, através da exploração de
pele e penas de animais;
Poluição de rios, causada pelas indústrias e garimpeiros;
Processo de construção de rodovias;
Construção da hidrovia Paraguai-Paraná, para a
navegação de barco de carga;
Pesca predatória e caça ao jacaré – redução das reservas;
Turismo e migração desordenada e predatória – Fogos na
região, causando a morte das aves;
Garimpo de ouro e pedras preciosas – Processo de
erosão, contaminação dos rios;
Problemas Ambientais

Aproveitamento dos cerrados - A má administração das
lavouras causa grandes erosões no solo e a utilização de
biocidas e fertilizantes contamina os rios;
Plantio de cana-de-açúcar - Provoca dano à preservação
ambiental, trazendo grandes perigos para a contaminação
de rios;
CAMPOS
Localização
Clima

Subtropical úmido.

Verões são quentes.

Invernos são frios

Chuvas regulares
durante todo ano
Vegetação

Vegetação campestre.
Imenso tapete verde.
Predominam espécies
que medem até um
metro de altura.
comuns as gramíneas.
Fauna
Problemas Ambientais

A pecuária extensiva desgasta o solo
O plantio de soja e milho diminuem a fertilidade do
mesmo
Erosão e desertificação em conseqüência dos
desmatamentos
Avanço da agricultura e pecuária;
Queimadas;
Assoreamento e contaminação dos aquíferos;
Desertificação
VEGETAÇÃO LITORÂNEA
Localização
Clima

Por sua larga
extensão ao longo do
litoral apresenta uma
grande diversidade de
comportamentos
climáticos
Manguezais

Nichos Ecológicos
Protegidos por lei federal
Berçário da natureza
Ligação entre mar, rio, ambiente terrestre
Animais marinhos abrigam-se e reproduzem-se
Alimento em abundância
Proteção contra predadores e ressacas
Solo lamacento – decomposição de sedimentos
Pouco oxigênio e alta salinidade
O cheiro é resultado da ação de bactérias;
Decomposição de restos de animais e vegetais;
Manguezais - Vegetação

Sofreu adaptações:
Raízes externas (melhor fixação)
Raízes respiratórias (pneumatóforos)
Manguezais - Fauna
Manguezais – Problemas Ambientais

Provocam sua degradação:
Avanço da áreas urbanas e aterros;
Construção de portos, rodovias, casas, indústrias;
Pesca predatória, poluição, esgotos e turismo
desenfreado.
Restingas

Desenvolvem-se na areia - próximas à praia
Solo arenoso com alta salinidade
Superfícies baixas e pouco onduladas
Suave declínio rumo ao mar
Predominância de arbustos e algumas árvores
Transição entre dunas e Mata Atlântica
Troncos finos e entrelaçados
“Brejos” com densa vegetação aquática
Cria obstáculos – barram ou desviam os ventos que
carregam as areias
Restingas - Vegetação
Restingas - Fauna
Restingas – Problemas Ambientais

Muito exploradas até quase desaparecerem
Produção de lenha e carvão
Engenhos de açúcar, olarias

Outros principais usos:
Caixeta - tamancos, caixotes e lápis
Jacareúba –mastros, nau coloniais, postes de jangadas
Algodoeiro-da-praia – cordas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomasApresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomas
norivalfp
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
Jeisiane Veloso
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
Raquel Avila
 

Mais procurados (20)

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Apresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomasApresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomas
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Apresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos SulinosApresentação Campos Sulinos
Apresentação Campos Sulinos
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 
Ecossistemas Brasileiros
Ecossistemas BrasileirosEcossistemas Brasileiros
Ecossistemas Brasileiros
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
 
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUEMATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
 

Destaque

Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
Mata atlântica 2....
Mata atlântica 2....Mata atlântica 2....
Mata atlântica 2....
Lane Santos
 
Impactos ambientais
Impactos ambientais Impactos ambientais
Impactos ambientais
magdacostaa
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
aderly
 

Destaque (20)

Bioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata AtlânticaBioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata Atlântica
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
 
Ecologia(ppes ii)2.0
Ecologia(ppes ii)2.0Ecologia(ppes ii)2.0
Ecologia(ppes ii)2.0
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano ARecursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
 
Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Mata atlântica 2....
Mata atlântica 2....Mata atlântica 2....
Mata atlântica 2....
 
Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea
 
Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
 
Impactos ambientais
Impactos ambientais Impactos ambientais
Impactos ambientais
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
 
Os biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula pptOs biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula ppt
 

Semelhante a Biomas Brasileiros

Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
Italo Alan
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Italo Alan
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
eunamahcado
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
Bioma Semi-árido
Bioma Semi-áridoBioma Semi-árido
Bioma Semi-árido
Jade
 
Ambientes fitoclimáticos
Ambientes fitoclimáticosAmbientes fitoclimáticos
Ambientes fitoclimáticos
Mayjö .
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
CADUCOCFRENTE2
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 

Semelhante a Biomas Brasileiros (20)

Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1Biomasdobrasil 1
Biomasdobrasil 1
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Bioma Semi-árido
Bioma Semi-áridoBioma Semi-árido
Bioma Semi-árido
 
Bioma Semi áRido
Bioma Semi áRidoBioma Semi áRido
Bioma Semi áRido
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Ambientes fitoclimáticos
Ambientes fitoclimáticosAmbientes fitoclimáticos
Ambientes fitoclimáticos
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
 
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.pptbiomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
biomas-brasileiros-150221214431-conversion-gate01.ppt
 
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passamFauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
Fauna e flora brasileira, os descaminhos que passam
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Cerrado 4
Cerrado 4Cerrado 4
Cerrado 4
 

Mais de Ivanilson Lima

Mais de Ivanilson Lima (20)

Introdução a Ciência Geográfica
Introdução a Ciência GeográficaIntrodução a Ciência Geográfica
Introdução a Ciência Geográfica
 
Formação Territorial do Brasil
Formação Territorial do BrasilFormação Territorial do Brasil
Formação Territorial do Brasil
 
Capitalismo: Geopolítica, Globalização e Cidades Capitalistas
Capitalismo:  Geopolítica, Globalização e Cidades CapitalistasCapitalismo:  Geopolítica, Globalização e Cidades Capitalistas
Capitalismo: Geopolítica, Globalização e Cidades Capitalistas
 
A Nova Ordem Mundial e o Multilateralismo
A Nova Ordem Mundial e o MultilateralismoA Nova Ordem Mundial e o Multilateralismo
A Nova Ordem Mundial e o Multilateralismo
 
A Guerra Fria e o Fim da URSS
A Guerra Fria e o Fim da URSSA Guerra Fria e o Fim da URSS
A Guerra Fria e o Fim da URSS
 
Comércio Internacional e Blocos Econômicos
Comércio Internacional e Blocos EconômicosComércio Internacional e Blocos Econômicos
Comércio Internacional e Blocos Econômicos
 
Exercícios Cartografia 01
Exercícios Cartografia 01Exercícios Cartografia 01
Exercícios Cartografia 01
 
Sistematização e Correntes Geográficas
Sistematização e Correntes GeográficasSistematização e Correntes Geográficas
Sistematização e Correntes Geográficas
 
Capitalismo Informacional
Capitalismo InformacionalCapitalismo Informacional
Capitalismo Informacional
 
Aula 01 - Progressão Parcial 2016 (1ª série EMI)
Aula 01 - Progressão Parcial 2016 (1ª série EMI)Aula 01 - Progressão Parcial 2016 (1ª série EMI)
Aula 01 - Progressão Parcial 2016 (1ª série EMI)
 
Capitalismo Financeiro
Capitalismo FinanceiroCapitalismo Financeiro
Capitalismo Financeiro
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
 
Capitalismo Comercial
Capitalismo ComercialCapitalismo Comercial
Capitalismo Comercial
 
Introdução à Ciência Geográfica
Introdução à Ciência GeográficaIntrodução à Ciência Geográfica
Introdução à Ciência Geográfica
 
Relatorio dragao da-paz
Relatorio dragao da-pazRelatorio dragao da-paz
Relatorio dragao da-paz
 
Dragão da Paz - Guia do Facilitador
Dragão da Paz - Guia do FacilitadorDragão da Paz - Guia do Facilitador
Dragão da Paz - Guia do Facilitador
 
Roteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de VidaRoteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de Vida
 
Jogo Dragão da Paz - Fases Iniciais
Jogo Dragão da Paz - Fases IniciaisJogo Dragão da Paz - Fases Iniciais
Jogo Dragão da Paz - Fases Iniciais
 
Apresentação Jogo Dragão da Paz
Apresentação Jogo Dragão da Paz Apresentação Jogo Dragão da Paz
Apresentação Jogo Dragão da Paz
 
Planejamento e Práxis Pedagógica
Planejamento e Práxis PedagógicaPlanejamento e Práxis Pedagógica
Planejamento e Práxis Pedagógica
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 

Biomas Brasileiros

  • 1. Biomas Brasileiros Prof. Ivanilson Lima
  • 4. Clima O clima na floresta Amazônica é equatorial, quente e úmido, devido à proximidade à Linha do Equador
  • 5. Caaigapó ou Igapó Área permanenteme nte alagada, com vegetação de pequeno porte.
  • 6. Caaigapó ou Igapó Mamorana Vitória-régia
  • 7. Várzea Área sujeita a inundações periódicas com vegetação de médio porte.
  • 8. Várzea Pau-mulato Seringueira
  • 9. Caaetê ou Terra Firme Área que nunca se inunda com vegetação de grande porte
  • 10. Caaetê ou Terra Firme Castanheira do Pará Cedro
  • 11. Fauna
  • 12. Problemas Ambientais 15% - Desmatamento; Desde 1970 – Construção de Rodovias; Atividades Mineradoras; Garimpeiras; Agrícolas; Queimadas; Exploração Madeireira.
  • 15. Clima Tropical - caracterizada por altas temperaturas; Nebulosidade no alto das montanhas e umidade elevada; Forte influência da maritimidade.
  • 16. Clima Distribuição das chuvas é bastante irregular; Período mais frio e seco vai de maio a agosto (inverno) e o mais quente e chuvoso de novembro a março (verão); As médias pluviométricas variam com a altitude, com cerca de 1.700mm na planície costeira, 2.000mm nas encostas e 3.000mm na faixa alto montanha, o que pode ser comparado à Amazônia; No inverno a temperatura mínima pode atingir menos de 10°C e no verão, a máxima varia entre 37°C e 40°C.
  • 18. Vegetação Exuberância e diversidade, é uma das mais ricas do Ingá planeta; A Serra do Mar (SP) contém mais de 800 espécies de árvores; Orquidéa
  • 19. Fauna
  • 20. Problemas Ambientais Extração de madeira; Moradia, construção de cidades; Agricultura; Industrialização, e conseqüentemente poluição; Construção de rodovia. Pesca predatória em seus rios; Turismo desordenado; Comércio ilegal de plantas e animais nativos; Exportação ilegal de material genético; Fragmentação das áreas preservadas.
  • 23. Clima Invernos rigorosos e verões quentes Índices pluviométricos elevados e bem distribuídos durante o ano
  • 24. Vegetação A cobertura vegetal tem altitudes de 25 e 50 metros com 2 de espessura, com sementes conhecidas como pinhão, não possuem flores e possuem menor umidade que as florestas pluviais tropicais (sendo mais abertas). Encontram-se nos solos férteis chamados de terra roxa.
  • 26. Fauna
  • 27. Problemas Ambientais Corre risco de extinção Extração de madeiras e ocupação agropecuária com duas finalidades: destinada à produção de madeira -> Fabricação de imóveis e papeis; Resinas -> Fabricação de óleos, tintas e sabão. Abertura de áreas para agricultura Encontra-se em processo de degradação
  • 30. Clima A Mata dos Cocais é uma zona de transição entre as florestas úmidas da bacia Amazônica e as terras semi-áridas do Nordeste brasileiro.
  • 31. Vegetação As vegetações típicas da Mata dos Cocais são: babaçu (em maior quantidade), carnaúba, oiticica e buriti. No extrato mais baixo da mata, encontramos diversas espécies de arbustos e vegetações de pequeno porte.
  • 32. Fauna A fauna é muito diversificada, tendo, porém, poucos mamíferos de grande porte. Ao nível do solo há poucos animais (roedores, gambás, lagartos, cobras). Nas água dos rios podem ser encontrados o boto e a ariranha.
  • 33. Problemas Ambientais Embora aproveitada, em parte, de maneira ordenada por projetos comunitários sustentáveis, a Mata de Cocais também é seriamente ameaçada por: Ampliação das áreas de pecuária; Cultivo de grão para exportação.
  • 36. Clima Semi – árido Chuvas Irregulares Temperatura med. 27 - 29º. Precipitação med. 300 - 750 mm
  • 37. Vegetação Vegetação extremamente diversificada. 932 espécies já foram registradas para a região, sendo 380 endêmicas. Árvores baixas e arbustos. Espécies caducifólias e cactáceas.
  • 39. Fauna
  • 40. Problemas Ambientais Nos últimos 15 anos, 40 mil km² de Caatinga se transformaram em deserto. Siderúrgicas e olarias. Substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e pastagens. Desmatamento e queimadas. Açudes atraíram fazendas de criação de gado. Irrigação sem o uso de técnica apropriada. Contaminação das águas por agrotóxicos
  • 43. Clima Predominância do clima tropical; 2 estações bem definidas: Uma chuvosa, entre outubro e abril; Outra seca, entre maio e setembro.
  • 44. Vegetação Semelhante à de savana Espécies do tipo tropófilas; São caducifólias; Raízes profundas; Pequeno porte, galhos retorcidos e folhas grossas.
  • 46. Fauna
  • 47. Problemas Ambientais Fauna e flora prejudicada pela caça e pelo comércio ilegal; Sistema ambiental; Atividade garimpeira contaminou os rios de mercúrio; Mineração favoreceu o desgaste e a erosão dos solos; Pecuária extensiva, monoculturas e a abertura de estradas destruíram boa parte do cerrado. Menos de 2% está protegido em parques ou reservas.
  • 50. Clima A pluviosidade anual média de1100 mm; Clima tropical úmido; Com verão chuvoso e inverno seco; A temperatura média anual é de 25°C;
  • 51. Vegetação Não é formada por uma vegetação homogênea, mas sim por diversas espécies, formando assim o “Complexo do Pantanal”; Lagoas com plantas aquáticas; As áreas não inundadas possuem vegetação de cerrado e caatinga. As gramíneas (plantas pequenas que compõe a vegetação) são encontradas nas planícies, nas regiões de médio porte são encontrados pequenos arbustos e vegetação rasteira, contudo, nas regiões mais altas podemos encontrar árvores de grande porte. Se diferenciam de acordo com a altitude;
  • 54. Fauna
  • 55. Problemas Ambientais A fauna tem sido destruída, através da exploração de pele e penas de animais; Poluição de rios, causada pelas indústrias e garimpeiros; Processo de construção de rodovias; Construção da hidrovia Paraguai-Paraná, para a navegação de barco de carga; Pesca predatória e caça ao jacaré – redução das reservas; Turismo e migração desordenada e predatória – Fogos na região, causando a morte das aves; Garimpo de ouro e pedras preciosas – Processo de erosão, contaminação dos rios;
  • 56. Problemas Ambientais Aproveitamento dos cerrados - A má administração das lavouras causa grandes erosões no solo e a utilização de biocidas e fertilizantes contamina os rios; Plantio de cana-de-açúcar - Provoca dano à preservação ambiental, trazendo grandes perigos para a contaminação de rios;
  • 59. Clima Subtropical úmido. Verões são quentes. Invernos são frios Chuvas regulares durante todo ano
  • 60. Vegetação Vegetação campestre. Imenso tapete verde. Predominam espécies que medem até um metro de altura. comuns as gramíneas.
  • 61. Fauna
  • 62. Problemas Ambientais A pecuária extensiva desgasta o solo O plantio de soja e milho diminuem a fertilidade do mesmo Erosão e desertificação em conseqüência dos desmatamentos Avanço da agricultura e pecuária; Queimadas; Assoreamento e contaminação dos aquíferos; Desertificação
  • 65. Clima Por sua larga extensão ao longo do litoral apresenta uma grande diversidade de comportamentos climáticos
  • 66. Manguezais Nichos Ecológicos Protegidos por lei federal Berçário da natureza Ligação entre mar, rio, ambiente terrestre Animais marinhos abrigam-se e reproduzem-se Alimento em abundância Proteção contra predadores e ressacas Solo lamacento – decomposição de sedimentos Pouco oxigênio e alta salinidade O cheiro é resultado da ação de bactérias; Decomposição de restos de animais e vegetais;
  • 67. Manguezais - Vegetação Sofreu adaptações: Raízes externas (melhor fixação) Raízes respiratórias (pneumatóforos)
  • 69. Manguezais – Problemas Ambientais Provocam sua degradação: Avanço da áreas urbanas e aterros; Construção de portos, rodovias, casas, indústrias; Pesca predatória, poluição, esgotos e turismo desenfreado.
  • 70. Restingas Desenvolvem-se na areia - próximas à praia Solo arenoso com alta salinidade Superfícies baixas e pouco onduladas Suave declínio rumo ao mar Predominância de arbustos e algumas árvores Transição entre dunas e Mata Atlântica Troncos finos e entrelaçados “Brejos” com densa vegetação aquática Cria obstáculos – barram ou desviam os ventos que carregam as areias
  • 73. Restingas – Problemas Ambientais Muito exploradas até quase desaparecerem Produção de lenha e carvão Engenhos de açúcar, olarias Outros principais usos: Caixeta - tamancos, caixotes e lápis Jacareúba –mastros, nau coloniais, postes de jangadas Algodoeiro-da-praia – cordas