SlideShare uma empresa Scribd logo
PRINCIPAIS BIOMAS
BRASILEIROS
 Biomas são grandes estruturas ecológicas com
fisionomias distintas encontradas nos diferentes
continentes, caracterizados principalmente pelos
fatores climáticos (temperatura e umidade) e
formações vegetais relacionados à latitude.
São eles:
 Floresta Amazônica
 Floresta Pluvial Costeira (Floresta Atlântica)
 Floresta de Araucárias
 Cerrado
 Pampa
 Caatinga
 Floresta de Cocais (Babaçuais)
 Pantanal mato-grossensse
 Manguezais
FLORESTA DE COCAIS
FLORESTA DE ARAUCARIA
FLORESTA AMAZÔNICA
•Localiza-se na região norte do Brasil
•Precipitações pluviométricas superior a
1.800mm/ano
•Floresta apresenta diversos estratos
•O estrato mais alto localiza-se 30m e 40m
acima do solo
•Apresentam raízes tabulares responsáveis
pela sustentação das plantas
•Árvore mais conhecida da região é a
seringueira
•São abundantes também as epífitas
(bromélias)
 Região da bacia amazônica ostenta a maior variedade de aves,
primatas, roedores, jacarés, sapos, insetos, lagartos e peixes de
água doce de todo o planeta.
 Por ali circulam 324 espécies de mamíferos, como a onça-pintada, a
ariranha, a preguiça e o macacos.
 Vivem cerca de 25% da população de primatas do globo e 70 das
334 espécies de papagaios existentes.
 Com relação a peixe de água doce, concentra de 2500 a 3000
espécies diferentes. Só no Rio Negro podem ser encontradas 450
espécies enquanto que na Europa não se contam mais de 200.
Raizes tabulares
Plantas Epífitas
Concentram-se grandes comunidades indígenas
CERRADO
 As árvores do cerrado são muitos peculiares, com
troncos tortos, cobertos por uma cortiça grossa, e
de folhas geralmente grandes e rígidas. Muitas
plantas herbáceas têm órgãos subterrâneos para
armazenar água e nutrientes.
 Situa-se nos estados de Minas Gerais, Goiás,
Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no
oeste de São Paulo e Paraná
 Trata-se de um bioma do tipo savana, com
vegetação arbórea esparsa formada por
pequenas árvores e arbustos
 O clima do cerrado é relativamente quente (26 ºC)
e índice pluviométrico de 1600 ‘a 2000 mm/ano
concentrados no verão.
 Solo pobre em determinados minerais
 Entre a diversidade de invertebrados, os mais
notáveis são os térmitas (cupins) e as formigas
cortadeiras (saúvas)
 Cortiça grossa e estruturas subterrâneas podem ser interpretadas
como algumas das muitas adaptações desta vegetação às
queimadas periódicas.
 Acredita-se que, como em muitas savanas do mundo, os
ecossistemas de cerrado vêm co-existindo com o fogo desde tempos
remotos, inicialmente como incêndios naturais causados por
relâmpagos ou atividades vulcânicas e, posteriormente, causados
pelo homem.
 Atualmente, a região contribui com mais de 70% da
produção de carne bovina do País (Corrêa, 1989).
 É também um importante centro de produção de
grãos (soja, feijão, milho e arroz).
 Como uma atividade secundária, grandes
extensões de cerrado são ainda utilizadas na
produção de polpa de celulose para a indústria de
papel.
 Abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte,
Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e
leste do Piauí e norte de Minas Gerais.
 Possui um clima semi-árido com temperaturas médias
anuais entre 27ºC e 29ºC, e índices pluviométricos
irregulares variando de 250 a 1000mm por ano,
concentrando-se durante 3 a 5 meses. Na estação
seca a temperatura do solo, que é raso, pedregoso e
alcalino, pode chegar a 60ºC.
CAATINGA
 Está localizado na faixa sub-equatorial, entre a
floresta amazônica e a floresta atlântica,
compreendendo quase 10% da área total do
território brasileiro.
VISÃO DA CAATINGA EM ÉPOCA DE ESTIAGEM
VISÃO DA CAATINGA EM ÉPOCA DE CHUVA
 A vegetação da caatinga é extremamente diversificada proporcionando a
ocorrência de espécies adaptadas às condições do ambiente (solo e clima).
 As espécies arbóreas e arbustivas apresentam folhas pequenas (caducifolia) ou
modificadas em espinhos, outras, com raízes superficiais para absorver o
máximo de águas pluviais.
 Algumas das espécies nativas da caatinga são: barriguda, amburana, aroeira,
umbu, baraúna, maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro.
MANDACARU
FLORESTAS DE COCAIS (BABAÇUAIS)
 Localiza-se em certas áreas dos estados do
Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte
 Planta típica é o Babaçu (Orbignya martiana)
 A floresta de babaçu é economicamente
importante; das sementes da palmeira extrai-se o
óleo, as folhas são utilizadas para a cobertura de
casas e para a fabricação de utensílios domésticos
PANTANAL MATO-GROSSENSE
Tuiuiu
Veado Mateiro
 Abriga uma das mais ricas reservas de vida
selvagem do mundo
 Em alguns locais mais elevados onde o solo não
retém água a vegetação pode apresentar a
vegetação típica de caatinga como cactus
 Nas áreas que são inundadas durante as cheias
anuais crescem gramíneas formando pastagens
naturais
FLORESTA ATLÂNTICA OU MATA
ATLÂNTICA
 Apresenta um alto índice
pluviométrico chegando a
valores entre 1800 a
3600mm por ano, devido a
condensação da brisa
oceânica carregada de
vapor que é empurrada
para as regiões continentais.
 Nesse bioma a maioria dos
rios é perene, possuindo rios
de águas claras e rios de
águas pretas.
PAMPAS OU CAMPOS SULINOS
 Agricultores e pecuaristas foram atraídos para a
região devido ao seu solo fértil e condições
naturais favoráveis, o que ocasionou uma
desordenada expansão, gerando um acelerado
desgaste do solo e iniciando um processo de
desertificação em algumas áreas desse bioma.
ZONA COSTEIRA - MANGUEZAIS
 Estende-se do nordeste
até o litoral catarinenese
 É formada por plantas
com raízes respiratórias.
 Mais importantes
(Rhizophora mangle e
Avicennia tomentosa)
 Desenvolve-se em solo
lodoso e salgado
FLORESTAS DE ARAUCÁRIA
 Situa-se em certas regiões os estados do RS, SC,
PR, SP
 Índices pluviométricos em torno de 1400mm anuais
Apresenta 3 estratos bem definidos:
 Arbóreo: Pinheiro –do- paraná (Araucaria
angustifolia) e Podocarpus
Estrato Arbustivo:
 Muito denso
 Diversos tipos de arbustos e samabaias (Dicksonia)
 Os “troncos” destas samambaias são formados por
rizomas secos e compactados - o xaxim.
Estrato Herbaceo
 Vegetação rasteira, epífitas como orquídeas e
bromélias
Atividades
 Jogo Mata é o Bicho
 Bingo dos Animais de Itu
 Bingo das Aves de Itu
 Dinâmica Mariposa/Morcego
Animais da Fauna Brasileira
Cadeia Alimentar
 http://www.smartkids.com.br/jogos-educativos/cadeia-alimentar-
quiz.html
 http://www.gameseducativos.com/quem-come-o-que/ciencias
 http://jogossimples.com.br/jogar-passaros-cadeia-alimentar-
online.html?jogo
Jogos on line
http://daiaeducambiental.blogspot.com.br/2012/01/missao-bioma.html
Obrigada!!
Equipe de Educação Ambiental
Biol. Valéria Rusticci
Eng. Lívia Arruda
Gestor Antonio Carlos Andrade
Gestor Cássio Honório
Tec. Meio Ambiente Jefferson Espírito Santo
40251412
ambienteeducacao@itu.sp.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea
Maria Olandina Machado
 
Trabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia ManguesTrabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia Mangues
Carol G. Moraes
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
claraallegro
 
Apresentação do mangue
Apresentação do mangueApresentação do mangue
Apresentação do mangue
sergiojs
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano ARecursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
ColegioCanarinho
 
Leitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezalLeitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezal
emanuel
 
Manguezal 1 a
Manguezal 1 aManguezal 1 a
Projeto mangue 2010
Projeto mangue   2010Projeto mangue   2010
Projeto mangue 2010
emgraciette
 
Vegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografiaVegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografia
Luís Fernando Schilling
 
Biomas costeiros
Biomas costeirosBiomas costeiros
Biomas costeiros
Ceição Oliveira
 
A Zona Costeira
A Zona CosteiraA Zona Costeira
A Zona Costeira
Franklin Oliveira
 
Mangue de Pedra Armação dos Búzios
Mangue de Pedra Armação dos BúziosMangue de Pedra Armação dos Búzios
Mangue de Pedra Armação dos Búzios
Guarani Kayowá Anna Roberta Mehdi
 
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e TundrasAmbientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Marcelo Siqueira
 
Bioma Costeiro
Bioma CosteiroBioma Costeiro
Bioma Costeiro
Edmar Souza
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Matheus Do Nascimento
 
ECOSSISTEMA MANGUEZAL
ECOSSISTEMA MANGUEZALECOSSISTEMA MANGUEZAL
ECOSSISTEMA MANGUEZAL
estreladocevi
 

Mais procurados (19)

Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea Vegetação Litorânea
Vegetação Litorânea
 
Trabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia ManguesTrabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia Mangues
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Manguezais
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Apresentação do mangue
Apresentação do mangueApresentação do mangue
Apresentação do mangue
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Manguezais
 
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano ARecursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
Recursos naturais de Fortaleza: Manguezais. Estudo dos alunos do 3º Ano A
 
Leitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezalLeitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezal
 
Manguezal 1 a
Manguezal 1 aManguezal 1 a
Manguezal 1 a
 
Projeto mangue 2010
Projeto mangue   2010Projeto mangue   2010
Projeto mangue 2010
 
Vegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografiaVegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografia
 
Biomas costeiros
Biomas costeirosBiomas costeiros
Biomas costeiros
 
A Zona Costeira
A Zona CosteiraA Zona Costeira
A Zona Costeira
 
Mangue de Pedra Armação dos Búzios
Mangue de Pedra Armação dos BúziosMangue de Pedra Armação dos Búzios
Mangue de Pedra Armação dos Búzios
 
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
Restinga: Conceitos e Empregos do Termo no Brasil e Implicações na Legislação...
 
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e TundrasAmbientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
 
Bioma Costeiro
Bioma CosteiroBioma Costeiro
Bioma Costeiro
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
 
ECOSSISTEMA MANGUEZAL
ECOSSISTEMA MANGUEZALECOSSISTEMA MANGUEZAL
ECOSSISTEMA MANGUEZAL
 

Semelhante a Capacitação biodiversidade

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Alano Hellery Alano
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 

Semelhante a Capacitação biodiversidade (20)

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 

Mais de itamyr

Física moderna só física 3
Física moderna   só física 3Física moderna   só física 3
Física moderna só física 3
itamyr
 
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
Exercícios sobre velocidade média   mundo educaçãoExercícios sobre velocidade média   mundo educação
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educaçãoExercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educaçãoExercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
itamyr
 
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme   brasil escolaExercícios sobre movimento uniforme   brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
itamyr
 
Conteúdos só física 2
Conteúdos   só física 2Conteúdos   só física 2
Conteúdos só física 2
itamyr
 
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli   brasil escolaExercícios sobre equação de torricelli   brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
itamyr
 
Conteúdos só física 1
Conteúdos   só física 1Conteúdos   só física 1
Conteúdos só física 1
itamyr
 
Capacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidadeCapacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidade
itamyr
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
itamyr
 
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
itamyr
 
Aula 1 matéria e medição
Aula 1   matéria e mediçãoAula 1   matéria e medição
Aula 1 matéria e medição
itamyr
 
Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)
itamyr
 
Bacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 anoBacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 ano
itamyr
 

Mais de itamyr (14)

Física moderna só física 3
Física moderna   só física 3Física moderna   só física 3
Física moderna só física 3
 
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
Exercícios sobre velocidade média   mundo educaçãoExercícios sobre velocidade média   mundo educação
Exercícios sobre velocidade média mundo educação
 
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educaçãoExercícios sobre o movimento acelerado e retardado   mundo educação
Exercícios sobre o movimento acelerado e retardado mundo educação
 
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educaçãoExercícios sobre movimento uniformemente variado   mundo educação
Exercícios sobre movimento uniformemente variado mundo educação
 
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme   brasil escolaExercícios sobre movimento uniforme   brasil escola
Exercícios sobre movimento uniforme brasil escola
 
Conteúdos só física 2
Conteúdos   só física 2Conteúdos   só física 2
Conteúdos só física 2
 
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli   brasil escolaExercícios sobre equação de torricelli   brasil escola
Exercícios sobre equação de torricelli brasil escola
 
Conteúdos só física 1
Conteúdos   só física 1Conteúdos   só física 1
Conteúdos só física 1
 
Capacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidadeCapacitação biodiversidade
Capacitação biodiversidade
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
 
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust6ª aula   lei de lavoisier e lei de proust
6ª aula lei de lavoisier e lei de proust
 
Aula 1 matéria e medição
Aula 1   matéria e mediçãoAula 1   matéria e medição
Aula 1 matéria e medição
 
Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)Lei de coulomb (1)
Lei de coulomb (1)
 
Bacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 anoBacterias na vida humana 2 ano
Bacterias na vida humana 2 ano
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Capacitação biodiversidade

  • 2.  Biomas são grandes estruturas ecológicas com fisionomias distintas encontradas nos diferentes continentes, caracterizados principalmente pelos fatores climáticos (temperatura e umidade) e formações vegetais relacionados à latitude.
  • 3. São eles:  Floresta Amazônica  Floresta Pluvial Costeira (Floresta Atlântica)  Floresta de Araucárias  Cerrado  Pampa  Caatinga  Floresta de Cocais (Babaçuais)  Pantanal mato-grossensse  Manguezais
  • 5. FLORESTA AMAZÔNICA •Localiza-se na região norte do Brasil •Precipitações pluviométricas superior a 1.800mm/ano •Floresta apresenta diversos estratos •O estrato mais alto localiza-se 30m e 40m acima do solo •Apresentam raízes tabulares responsáveis pela sustentação das plantas •Árvore mais conhecida da região é a seringueira •São abundantes também as epífitas (bromélias)
  • 6.  Região da bacia amazônica ostenta a maior variedade de aves, primatas, roedores, jacarés, sapos, insetos, lagartos e peixes de água doce de todo o planeta.  Por ali circulam 324 espécies de mamíferos, como a onça-pintada, a ariranha, a preguiça e o macacos.  Vivem cerca de 25% da população de primatas do globo e 70 das 334 espécies de papagaios existentes.  Com relação a peixe de água doce, concentra de 2500 a 3000 espécies diferentes. Só no Rio Negro podem ser encontradas 450 espécies enquanto que na Europa não se contam mais de 200.
  • 9. CERRADO  As árvores do cerrado são muitos peculiares, com troncos tortos, cobertos por uma cortiça grossa, e de folhas geralmente grandes e rígidas. Muitas plantas herbáceas têm órgãos subterrâneos para armazenar água e nutrientes.
  • 10.  Situa-se nos estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no oeste de São Paulo e Paraná  Trata-se de um bioma do tipo savana, com vegetação arbórea esparsa formada por pequenas árvores e arbustos
  • 11.  O clima do cerrado é relativamente quente (26 ºC) e índice pluviométrico de 1600 ‘a 2000 mm/ano concentrados no verão.  Solo pobre em determinados minerais  Entre a diversidade de invertebrados, os mais notáveis são os térmitas (cupins) e as formigas cortadeiras (saúvas)
  • 12.  Cortiça grossa e estruturas subterrâneas podem ser interpretadas como algumas das muitas adaptações desta vegetação às queimadas periódicas.  Acredita-se que, como em muitas savanas do mundo, os ecossistemas de cerrado vêm co-existindo com o fogo desde tempos remotos, inicialmente como incêndios naturais causados por relâmpagos ou atividades vulcânicas e, posteriormente, causados pelo homem.
  • 13.  Atualmente, a região contribui com mais de 70% da produção de carne bovina do País (Corrêa, 1989).
  • 14.  É também um importante centro de produção de grãos (soja, feijão, milho e arroz).  Como uma atividade secundária, grandes extensões de cerrado são ainda utilizadas na produção de polpa de celulose para a indústria de papel.
  • 15.  Abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.  Possui um clima semi-árido com temperaturas médias anuais entre 27ºC e 29ºC, e índices pluviométricos irregulares variando de 250 a 1000mm por ano, concentrando-se durante 3 a 5 meses. Na estação seca a temperatura do solo, que é raso, pedregoso e alcalino, pode chegar a 60ºC. CAATINGA
  • 16.  Está localizado na faixa sub-equatorial, entre a floresta amazônica e a floresta atlântica, compreendendo quase 10% da área total do território brasileiro.
  • 17. VISÃO DA CAATINGA EM ÉPOCA DE ESTIAGEM
  • 18. VISÃO DA CAATINGA EM ÉPOCA DE CHUVA
  • 19.  A vegetação da caatinga é extremamente diversificada proporcionando a ocorrência de espécies adaptadas às condições do ambiente (solo e clima).  As espécies arbóreas e arbustivas apresentam folhas pequenas (caducifolia) ou modificadas em espinhos, outras, com raízes superficiais para absorver o máximo de águas pluviais.  Algumas das espécies nativas da caatinga são: barriguda, amburana, aroeira, umbu, baraúna, maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro. MANDACARU
  • 20.
  • 21. FLORESTAS DE COCAIS (BABAÇUAIS)  Localiza-se em certas áreas dos estados do Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte
  • 22.  Planta típica é o Babaçu (Orbignya martiana)
  • 23.  A floresta de babaçu é economicamente importante; das sementes da palmeira extrai-se o óleo, as folhas são utilizadas para a cobertura de casas e para a fabricação de utensílios domésticos
  • 25.
  • 26.
  • 28.  Abriga uma das mais ricas reservas de vida selvagem do mundo  Em alguns locais mais elevados onde o solo não retém água a vegetação pode apresentar a vegetação típica de caatinga como cactus  Nas áreas que são inundadas durante as cheias anuais crescem gramíneas formando pastagens naturais
  • 29. FLORESTA ATLÂNTICA OU MATA ATLÂNTICA
  • 30.  Apresenta um alto índice pluviométrico chegando a valores entre 1800 a 3600mm por ano, devido a condensação da brisa oceânica carregada de vapor que é empurrada para as regiões continentais.  Nesse bioma a maioria dos rios é perene, possuindo rios de águas claras e rios de águas pretas.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. PAMPAS OU CAMPOS SULINOS
  • 36.  Agricultores e pecuaristas foram atraídos para a região devido ao seu solo fértil e condições naturais favoráveis, o que ocasionou uma desordenada expansão, gerando um acelerado desgaste do solo e iniciando um processo de desertificação em algumas áreas desse bioma.
  • 37.
  • 38.
  • 39. ZONA COSTEIRA - MANGUEZAIS
  • 40.  Estende-se do nordeste até o litoral catarinenese  É formada por plantas com raízes respiratórias.  Mais importantes (Rhizophora mangle e Avicennia tomentosa)  Desenvolve-se em solo lodoso e salgado
  • 41. FLORESTAS DE ARAUCÁRIA  Situa-se em certas regiões os estados do RS, SC, PR, SP  Índices pluviométricos em torno de 1400mm anuais
  • 42. Apresenta 3 estratos bem definidos:  Arbóreo: Pinheiro –do- paraná (Araucaria angustifolia) e Podocarpus
  • 43.
  • 44. Estrato Arbustivo:  Muito denso  Diversos tipos de arbustos e samabaias (Dicksonia)
  • 45.  Os “troncos” destas samambaias são formados por rizomas secos e compactados - o xaxim.
  • 46. Estrato Herbaceo  Vegetação rasteira, epífitas como orquídeas e bromélias
  • 47. Atividades  Jogo Mata é o Bicho  Bingo dos Animais de Itu  Bingo das Aves de Itu  Dinâmica Mariposa/Morcego
  • 48. Animais da Fauna Brasileira
  • 49. Cadeia Alimentar  http://www.smartkids.com.br/jogos-educativos/cadeia-alimentar- quiz.html  http://www.gameseducativos.com/quem-come-o-que/ciencias  http://jogossimples.com.br/jogar-passaros-cadeia-alimentar- online.html?jogo
  • 51. Obrigada!! Equipe de Educação Ambiental Biol. Valéria Rusticci Eng. Lívia Arruda Gestor Antonio Carlos Andrade Gestor Cássio Honório Tec. Meio Ambiente Jefferson Espírito Santo 40251412 ambienteeducacao@itu.sp.gov.br