A guerra fria 1945 a 1989

1.166 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

A guerra fria 1945 a 1989

  1. 1. A Guerra Fria 1945 - 1989
  2. 2. • Guerra Fria tem início logo após a Segunda Guerra Mundial, pois os Estados Unidos e a União Soviética vão disputar a hegemonia política, econômica e militar no mundo. • A União Soviética possuía um sistema socialista, baseado na economia planificada, partido único (Partido Comunista), igualdade social e falta de democracia.
  3. 3. • Já os Estados unidos, a outra potência mundial, defendia a expansão do sistema capitalista, baseado na economia de mercado, sistema democrático e propriedade privada. Na segunda metade da década de 1940 até 1989, estas duas potências tentaram implantar em outros países os seus sistemas políticos e econômicos.
  4. 4. • A definição para a expressão guerra fria é de um conflito que aconteceu apenas no campo ideológico, não ocorrendo um embate militar declarado e direto entre Estados Unidos e URSS. Até mesmo porque, estes dois países estavam armados com centenas de mísseis nucleares.
  5. 5. • Um conflito armado direto significaria o fim dos dois países e, provavelmente, da vida no planeta Terra. Porém ambos acabaram alimentando conflitos em outros países como, por exemplo, na Coréia e no Vietnã.
  6. 6. A Paz Armada: • Na verdade, uma expressão explica muito bem este período: a existência da Paz Armada. As duas potências envolveram-se numa corrida armamentista, espalhando exércitos e armamentos em seus territórios e nos países aliados. Enquanto houvesse um equilíbrio bélico entre as duas potências, a paz estaria garantida, pois haveria o medo do ataque inimigo.
  7. 7. • Nesta época, formaram-se dois blocos militares, cujo objetivo era defender os interesses militares dos países membros. A OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte (surgiu em abril de 1949) era liderada pelos Estados Unidos e tinha suas bases nos países membros, principalmente na Europa Ocidental. O Pacto de Varsóvia era comandado pela União Soviética e defendia militarmente os países socialistas.
  8. 8. • Alguns países membros da OTAN : Estados Unidos, Canadá, Itália, Inglaterra, Alemanha Ocidental, França, Suécia, Espanha, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Áustria e Grécia. • Alguns países membros do Pacto de Varsóvia : URSS, Cuba, China, Coréia do Norte, Romênia, Alemanha Oriental, Albânia, Tchecoslováquia e Polônia.
  9. 9. A Corrida Espacial: • EUA e URSS travaram uma disputa muito grande no que se refere aos avanços espaciais. Ambos corriam para tentar atingir objetivos significativos nesta área. Isso ocorria, pois havia uma certa disputa entre as potências, com o objetivo de mostrar para o mundo qual era o sistema mais avançado. No ano de 1957, a URSS lança o foguete Sputnik com um cão dentro, o primeiro ser vivo a ir para o espaço.
  10. 10. • Sputnik:
  11. 11. • Yuri Gagarin:
  12. 12. Valentina Tereshkova:
  13. 13. • Doze anos depois, em 1969, o mundo todo pode acompanhar pela televisão a chegada do homem a lua, com a missão espacial norte- americana Apolo 11.
  14. 14. Apollo 11:
  15. 15. Neil Armstrong:
  16. 16. Edwin “Buzz” Aldrin:
  17. 17. Michael Collins:
  18. 18. • Pegada de Neil Armstrong:
  19. 19. Caça às Bruxas: • Os EUA liderou uma forte política de combate ao comunismo em seu território e no mundo. Usando o cinema, a televisão, os jornais, as propagandas e até mesmo as histórias em quadrinhos, divulgou uma campanha valorizando o "american way of life". Vários cidadãos americanos foram presos ou marginalizados por defenderem idéias próximas ao socialismo.
  20. 20. Senador Joseph McCarthy :
  21. 21. • O Macartismo, comandado pelo senador republicano Joseph McCarthy, perseguiu muitas pessoas nos EUA. Essa ideologia também chegava aos países aliados dos EUA, como uma forma de identificar o socialismo com tudo que havia de ruim no planeta.
  22. 22. Ethel e Julius Rosenberg:
  23. 23. • Na URSS não foi diferente, já que o Partido Comunista e seus integrantes perseguiam, prendiam e até matavam todos aqueles que não seguiam as regras estabelecidas pelo governo. Sair destes países, por exemplo, era praticamente impossível.
  24. 24. • Originalmente aberta em 1938, a Comissão de Atividades Anti-americanas, tinha como missão prevenir qualquer iniciativa subversiva, fascista ou comunista em solo americano. Suas atividades foram suspensas durante a Segunda Guerra Mundial. Com o fim do conflito, em 1945, e o início da disputa entre URSS e os Estados Unidos pela hegemonia mundial, no período conhecido como Guerra Fria, a perseguição aos supostos comunistas ou simpatizantes do Partido Comunista foi retomada com força pelo comitê,sob a direção de J. Parnell Thomas.
  25. 25. • Entre 1950 e 1954, os métodos da Comissão para identificar os suspeitos foram levados ao extremo por seu então diretor, Joseph McCarthy (1908-1957), que contava com o auxílio do chefe do FBI, Edgard Hoover e do então presidente Richard Nixon. Não à toa, a também chamada "caça às bruxas" foi batizada de macarthismo. McCarthy agia no limite da legalidade, pagando testemunhas e levantando acusações sem prova. A imprensa, a intelectualidade, o exército, o Congresso e, principalmente, Hollywood foram seus alvos.
  26. 26. • Nomes como Adrian Scott (produtor), John Howard Lawson, Dalton Trumbo, Sam Ornitz, Lester Cole, Ring Lardner, Alvah Bessie, Albert Maltz (roteiristas), Hebert Biberman e Edward Dmytryk integravam a lista negra do macarthismo entre os profissionais de Hollywood. Em 1947, os "Dez de Hollywood", como ficaram conhecidos, foram condenados a penas de seis meses a um ano de prisão por desrespeito ao Congresso por se recusarem a responder ao Comitê de Atividades Anti-americanas.
  27. 27. • Estar na tal "lista negra" significava que ninguém os empregaria na terra do cinema. Para garantir trabalho, alguns passaram a denunciar colegas de profissão, caso de Larry Parks e Sterling Hayden. Outros, como Charles Chaplin, se exilaram. Quem ficou escondeu-se por trás de pseudônimos. Trumbo, por exemplo, chegou a conquistar um Oscar por Arenas sangrentas (1956), assinando como Robert Rich.
  28. 28. • Os Rosenberg foram condenados à morte em 1951. Eles foram os primeiros civis americanos executados por crime de espionagem, culpados de haverem enviado para a Rússia um esboço da bomba atômica e informações sobre ela. O juiz Irving Kaufman, que os condenou, frisou que o "assassinato com premeditação e maldade torna-se pequeno ante o crime que pode significar a vida de milhões de seres, os quais talvez tenham que pagar o preço de vossa traição". O casal não admitiu revelar os detalhes passados aos soviéticos, o que poderia ter poupado as suas vidas.
  29. 29. • David e Ruth Greenglass - David, hoje com 84 anos, era irmão de Ethel Rosenberg. Trabalhava em Los Alamos como soldado-mecânico. Em 1950, suspeito de espionagem, disse que fazia tudo a mando de Julius Rosenberg, seu cunhado. Em 2001, David admitiu na rede de televisão americana CBS ter mentido ao dizer que sua irmã, Ethel, havia datilografado suas anotações de espionagem para enviá-las a Moscou, assim como de incriminar Julius de espionagem atômica, sabendo que seu perjúrio foi a grande razão que levou à condenação do casal.
  30. 30. • Klaus Fuchs (1915-1988) - físico nascido na Alemanha e naturalizado inglês. Passou segredos do Projeto Manhattan aos soviéticos para a construção de armas nucleares. Harry Gold (1910-1974) - americano de origem suíça. Atuou como mensageiro da inteligência soviética por mais de dez anos. Foi intermediário de Klaus Fuchs, em Los Alamos. Preso, na década de 1950 e, por meio dele, chegou-se a David Greenglass. Foi condenado a 30 anos de prisão. J. Edgar Hoover (1895-1972) - obcecado em localizar e eliminar do território americano todos os "subversivos," instalou um sistema de espionagem no país com o FBI (Federal Bureau of Inteligence) durante 1924 e 1972, tempo em que dirigiu o FBI. Irving Kaufmann (1910-1992) - juiz de origem judaica que liderou os trabalhos durante o julgamento do casal Rosenberg.
  31. 31. • Um sistema de investigação e espionagem foi muito usado de ambos os lados. Enquanto a espionagem norte-americana cabia aos integrantes da CIA, os funcionários da KGB faziam os serviços secretos soviéticos.
  32. 32. CIA:
  33. 33. Comitê de Segurança do Estado:
  34. 34. As Duas Alemanhas:
  35. 35. “Cortina de Ferro” • Após a Segunda Guerra, a Alemanha foi dividida em duas áreas de ocupação entre os países vencedores. A República Democrática da Alemanha, com capital em Berlim, ficou sendo zona de influência soviética e, portanto, socialista. A República Federal da Alemanha, com capital em Bonn (parte capitalista), ficou sob a influência dos países capitalistas.
  36. 36. • A cidade de Berlim foi dividida entre as quatro forças que venceram a guerra : URSS, EUA, França e Inglaterra. No final da década de 1940 é levantado Muro de Berlim, para dividir a cidade em duas partes : uma capitalista e outra socialista. É a vergonhosa "cortina de ferro".
  37. 37. Plano Marshall:
  38. 38. Comecon:
  39. 39. Plano Marshall e COMECON: • As duas potências desenvolveram planos para desenvolver economicamente os países membros. No final da década de 1940, os EUA colocaram em prática o Plano Marshall, oferecendo ajuda econômica, principalmente através de empréstimos, para reconstruir os países capitalistas afetados pela Segunda Guerra Mundial.
  40. 40. • Já o COMECON foi criado pela URSS em 1949 com o objetivo de garantir auxílio mútuo entre os países socialistas.
  41. 41. A Corrida Armamentista:
  42. 42. • A guerra da propaganda ganhou ainda mais impulso com o acirramento da corrida armamentista, nos anos 50. A corrida teve início com a explosão das bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki, em 1945. Quatro anos depois, em 49, foi a vez de a União Soviética anunciar a conquista da tecnologia nuclear. • Foi o mesmo ano da criação da Organização do Tratado do Atlântico Norte, OTAN. A resposta viria em 1955, quando a União Soviética construiu sua própria aliança, o Pacto de Varsóvia. As superpotências passaram a acumular um poder nuclear capaz de aniquilar o planeta em instantes.
  43. 43. • Com intuito de proteger os territórios de suas influências e alcançar novas áreas para dispersar suas ideologias, as duas maiores superpotências (Estados Unidos e União das Repúblicas Soviéticas Socialistas) partiram para um crescimento militar de grandes precedentes, desencadeando a corrida armamentista. • De forma gradativa EUA e URSS foram incrementando seus respectivos arsenais, para isso foram realizados investimentos de bilhões de dólares, tais recursos eram utilizados para o desenvolvimento de modernos equipamentos militares e também nucleares, além disso, houve um aumento significativo das tropas militares.
  44. 44. • Ambos os exércitos possuíam centenas de soldados, armas convencionais, armas mortais, sobretudo mísseis de todos os tipos, inclusive nucleares, direcionados para o inimigo, localizados em longas distâncias com objetivo de atingir o alvo. • Os dois países tentavam medir força, buscavam produzir cada vez mais armamentos de destruição em massa, como forma de ameaçar o inimigo. O processo da corrida armamentista resultou também na propagação da tecnologia aeroespacial e o aumento da rivalidade entre EUA (capitalista) e URSS (socialista).
  45. 45. A Guerra da Coréia :
  46. 46. • Entre os anos de 1951 e 1953 a Coréia foi palco de um conflito armado de grandes proporções. Após a Revolução Chinesa, a Coréia sofreu pressões para adotar o sistema socialista em todo seu território. A região sul da Coréia resiste e, com o apoio militar dos Estados Unidos, defende seus interesses.
  47. 47. • O mapa da Coréia dividida:
  48. 48. • A guerra dura dois anos e termina, em 1953, com a divisão da Coréia no paralelo 38. A Coréia do Norte ficou sob influência soviética e com um sistema socialista, enquanto a Coréia do Sul manteve o sistema capitalista.
  49. 49. A Revolução Chinesa:
  50. 50. • Causas: China antes da revolução • No século XIX, no contexto do imperialismo, a China era dominada e explorada pelas potências européias, principalmente pelo Reino Unido. Esta potência imperialista, além de explorar a China economicamente, interferia nos assuntos políticos e culturais da China. Os imperadores da Dinastia Manchu eram submissos à dominação européia.
  51. 51. Mao Tse Tung:
  52. 52. • A distribuição das terras produtivas chinesas também era um outro problema para o país, pois quase 90% estavam nas mãos de grandes proprietários rurais (espécies de senhores feudais). • Entre 1898 e 1900 um ato de rebeldia contra a dominação estrangeira ocorreu na China.
  53. 53. A Revolta dos Boxers:
  54. 54. • Os boxers fizeram uma revolta de caráter nacionalista que foi duramente reprimida pelas tropas estrangeiras. Este conflito ficou conhecido como Guerra dos Boxers. • Em 1908, Sun Yat-sen fundou o Partido Nacionalista (Kuomintang) cujo principal objetivo era fazer oposição à monarquia e ao domínio europeu no país.
  55. 55. A Revolução Nacionalista: • Em 1911, com o apoio de grande parte dos militares chineses, Sun Yat-sen foi proclamado primeiro presidente da República Chinesa. Porém, em várias regiões do país comandadas por grandes proprietários rurais ocorreram resistências, mergulhando a China num longo período de guerra civil.
  56. 56. • Em 1925, com a morte de Sun Yat-sen, ocorreu uma disputa pelo controle do Kuomintang, que acabou por se fundir com o Partido Comunista Chinês. • Em 1927, o general Chiang Kai-shek assumiu o poder do Kuomintang e, no comando das tropas chinesas, começou a combater os opositores da República, entre eles os grandes proprietários rurais e comunistas.
  57. 57. A longa marcha:
  58. 58. • Os conflitos entre nacionalistas e comunistas ficou suspenso apenas na Segunda Guerra Mundial, quando combateram, juntos, o Japão que tentava conquistar a China. Com o término da conflito mundial e a expulsão dos japoneses do território chinês, as tropas nacionalistas de Chiang Kai-shek voltaram a perseguir e combater os comunistas de Mao Tse-tung, reiniciando o conflito armado.
  59. 59. A Revolução Comunista: • Em outubro de 1949, os comunistas tomam o poder e proclamam a República Popular da China, com Mao Tse-tung como chefe supremo. Transformada num país comunista, a China passou por uma série de reformas como, por exemplo, coletivização das terras, controle estatal da economia e nacionalização de empresas estrangeiras.

×