Grande parte das olarias portuguesas foram obrigadas a fechar e deixaram de poder responder ás encomendas dos seus cliente...
De início, foram aplicados apenas azulejos brancos em fachadas de igrejas, mas posteriormente esta pátria estendeu-se aos ...
Esta grande azulejaria de fachada , de fabrico smi-industrial, coexistiu com outra em que estavam presentes tendências rom...
Nesta fase, distinguiu-se ferreira das tabletas , autor de composições ortamentais  aplicadas em fachadas de vários prédio...
A  Arts Deco,  que teve uma presença mais discreta na azulejaria portuguesa, foi predominantemente utilizada em vestíbulos...
Feito  por: David Leitão º7 e Gonçalo Mendes nº9<br />Professores: Leopoldina  Manteigas e Paulo  Xavier <br />Disciplina:...
Novo apresentação do microsoft office power point
Novo apresentação do microsoft office power point
Novo apresentação do microsoft office power point
Novo apresentação do microsoft office power point
Novo apresentação do microsoft office power point
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Novo apresentação do microsoft office power point

1.394 visualizações

Publicada em

Fala sobre histórias antigas dos azulejos

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novo apresentação do microsoft office power point

  1. 1.
  2. 2. Grande parte das olarias portuguesas foram obrigadas a fechar e deixaram de poder responder ás encomendas dos seus clientes habituais.<br />No Brasil, para onde desde o século XVII eram enviadas grandes quantidades de azulejos portugueses, a azulejaria vai passar a ter uma utilização diferente: o revestimento das fachadas. De início, foram aplicados apenas azulejos brancos em fachadas de igrejas, mas posteriormente esta pátria estendeu-se aos<br />
  3. 3. De início, foram aplicados apenas azulejos brancos em fachadas de igrejas, mas posteriormente esta pátria estendeu-se aos prédios urbanos que se cobririam de padronagem polícroma. A partir de meados do século XIX, esta prática estendeu-se a Portugal, trazida pelos emigrantes endinheirados que regressava ás suas terras e que ficaram conhecidos na História pelo nome de «brasileiros». As fachadas das povuações do norte (Porto, Ovar, Aveiro) e mais tarde, as do Sul, vão cobrir-se de azulejos produzidos nas fábricas surgidas após a recuperação económica que se iniciou cerca de 1840. <br />
  4. 4. Esta grande azulejaria de fachada , de fabrico smi-industrial, coexistiu com outra em que estavam presentes tendências românticas e rivalistas, marcadas por uma linguagem eclética.<br />
  5. 5. Nesta fase, distinguiu-se ferreira das tabletas , autor de composições ortamentais aplicadas em fachadas de vários prédios de Lisboa, nas quais estam presentes simbologias maçónicas. Nas primeiras décadas do século XX, o azulejo foi influenciado pela Arte Nova que aparece nos trabalhos de Rafael Bordalo Pinheiro e em numerosos forntões e faixas decorativas produzidas nas <br />fábricas de Sacavém, Desterro,<br />Carvalhino e Fonte Nova .<br />
  6. 6. A Arts Deco, que teve uma presença mais discreta na azulejaria portuguesa, foi predominantemente utilizada em vestíbulos, tabernas e num núcleo numeroso de fachadas em Vila Franca de Xira. <br />
  7. 7. Feito por: David Leitão º7 e Gonçalo Mendes nº9<br />Professores: Leopoldina Manteigas e Paulo Xavier <br />Disciplina: AP <br />

×