SlideShare uma empresa Scribd logo
Adubação OrAdubação OrAdubação OrAdubação OrAdubação Orgânicagânicagânicagânicagânica
Pelotas, RS
2006
Agro
Práticas
ecológicas
Fundação de Apoio à
Pesquisa Edmundo Gastal
Clima Temperado
Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:
Embrapa Clima Temperado
Endereço: BR 392 km 78
Caixa Postal 403 - Pelotas, RS
Fone: (53) 3275 8199
Fax: (53) 3275 8219 - 3275 8221
Home page: www.cpact.embrapa.br
E-mail: sac@cpact.embrapa.br
Comitê de Publicações da Unidade
Presidente: Walkyria Bueno Scivittaro
Secretária-Executiva: Joseane M. Lopes Garcia
Membros: Cláudio Alberto Souza da Silva, Lígia Margareth Cantarelli Pegoraro,
Isabel Helena Vernetti Azambuja, Cláudio José da Silva Freire, Luís Antônio
Suita de Castro, Sadi Macedo Sapper, Regina das Graças V. dos Santos
Suplentes: Daniela Lopes Leite e Luís Eduardo Corrêa Antunes
Revisores de texto: Sadi Macedo Sapper/Ana Luiza Barragana Viegas
Normalização bibliográfica: Regina das Graças Vasconcelos dos Santos
Editoração eletrônica: Henrique Sambrano / Oscar Castro
Arte da capa: Henrique Sambrano
1ª edição
1ª impressão 2006: 100 exemplares
Organizadores
Marimônio Alberto Weinärtner
Convênio Incra/Fapeg/
Embrapa Clima Temperado
Cézar Fernando Schiavon Aldrighi
Convênio Incra/Fapeg/
Embrapa Clima Temperado
Carlos Alberto Barbosa Medeiros
Embrapa Clima Temperado
Cartilha  -adubacão_orgânica
Apresentação
João Carlos Costa Gomes
Chefe-Geral
Embrapa Clima Temperado
Desde 2003, a Embrapa Clima Temperado e o Incra, por meio da
Superintendência Regional do Rio Grande do Sul, com apoio da Fundação de
Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento Edmundo Gastal - Fapeg, vem desenvol-
vendo um programa de apoio à Reforma Agrária no Rio Grande do Sul.
Este programa busca o desenvolvimento sustentável da agricultura
familiar da Reforma Agrária, levando tecnologias e conhecimentos produzidos
na Embrapa ou produto da experiência de técnicos e agricultores a um público
às vezes pouco privilegiado pelas políticas públicas. Durante este período
foram realizados vários treinamentos, visitas a campo, seminários técnicos e
instalação de uma rede de referência.
Foram distribuídas sementes e mudas de materiais adaptados à agri-
cultura familiar, conhecimentos sobre a produção de insumos agroecológicos,
manejo de sistemas de produção, entre outras tecnologias que contribuem
para a sustentabilidade da agricultura da reforma agrária. O conjunto das
publicações representa o coroamento do programa e grande contribuição para
a sustentabilidade da agricultura e da Reforma Agrária.
Especificamente, este documento aborda um tema de grande relevân-
cia para a agroecologia: a adubação orgânica.
Esta é uma prática que ao potencializar os ciclos internos à proprieda-
de familiar contribui para a diminuição de dependência à insumos externos e,
por conseqüência, para a redução de custos de produção.
Cartilha  -adubacão_orgânica
Sumário
1- Adubos orgânicos ..............................................................
1-1- Estercos ..............................................................................
a) Esterco de bovino e de eqüino .............................................
b) Esterco de suíno ................................................................
c) Esterco de aves .................................................................
d) Esterco líquido ...................................................................
1-2 - Húmus ..............................................................................
a) Vermicomposto ..................................................................
b) Composto fermentado .........................................................
c) Húmus enriquecido .............................................................
2 - Adubação verde .................................................................
3 - Adubos minerais ................................................................
a) Calcários ...........................................................................
b) Pó de rocha .......................................................................
c) Fosfatos naturais ................................................................
d) Cinzas ...............................................................................
7
7
10
11
11
11
13
13
13
14
15
17
18
18
18
19
Cartilha  -adubacão_orgânica
PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS
Adubação Orgânica
1 - Adubos Orgânicos
São materiais de origem animal ou vegetal, alguns
considerados resíduos ou rejeitos, que têm grande utilização na
agricultura orgânica ou ecológica. São recomendados por sua
capacidade de aumentar a fertilidade de solos “pobres”. Sua
riqueza nutricional promove a elevação da atividade biológica do
solo.
1.1- Estercos
O esterco é a fonte de matéria orgânica mais lembrada
quando se fala em adubos orgânicos. É um dos recursos naturais
que o agricultor tem a sua disposição e a sua utilização deve ser
a mais otimizada possível.
Há diferentes maneiras de utilizar o esterco e são as
condições e a realidade de cada propriedade, solo e forma de
cultivo que irão determinar qual a mais adequada a cada caso.
Os estercos são utilizados na forma liquida ou sólida,
fresco ou pré-digerido, como composto ou vermicomposto.
Marimônio Alberto Weinärtner
Cézar Fernando Schiavon Aldrighi
Carlos Alberto Barbosa Medeiros
1010101010
Agro
Práticas
ecológicas
A melhor opção vai depender do tipo de esterco, das
instalações e equipamento do agricultor e do cultivo em que
vai ser empregado.
Os estercos possuem características próprias,
dependendo do tipo de animal e mesmo oriundo da mesma
espécie animal se diferencia conforme a idade, alimentação e
manejo.
Independente da origem do dejeto, este deverá passar
por um processo de fermentação para que possa ser utilizado.
A fermentação elimina alguns organismos indesejáveis para a
saúde humana. O esterco fresco, pode também queimar a
planta.
a) Esterco bovino e eqüino - São os mais ricos em
fibras. Ajudam a desenvolver organismos que são antagonistas
de fungos causadores de doença de solo. Uma vaca produz
cerca de 15 t de esterco fresco por ano, o que corresponde a
aproxidamente a 78 kg de N (nitrogênio), 20 kg de P (fósforo), 93
kg de K (potássio) e 35 kg de Ca (cálcio) + Mg (magnésio).
1111111111
Agro
Práticas
ecológicas
c) Esterco de aves - Muito rico em nitrogênio, este tipo de
esterco é aplicado normalmente junto com a maravalha (cama)
que é colocada para acomodar frangos em aviários. Este
material quando bem curtido, apresenta-se bem farelado, escuro
e frio, sem excesso de amônia. A madeira da maravalha se
decompõe quase totalmente devido a grande quantidade de
nitrogênio do esterco. Nem sempre este insumo está disponível
ao agricultor e deve-se ter cuidado quanto à origem da madeira
que compõe a cama.
b) Esterco suíno - A composição deste dejeto é variável
em razão da quantidade de água que o acompanha, tipo de
alimentação e idade dos animais.
Este material é caracterizado pela boa quantidade de
nitrogênio (N) e de zinco (Zn). Como todos os outros dejetos,
deve ser fermentado para uso na agricultura.
1212121212
Agro
Práticas
ecológicas
A indústria moveleira, que muitas vezes fornece este
material aos aviários, utiliza um conservante de madeira de nome
Pentaclorofenol, que é extremamente cancerígeno, e que no
processo de fermentação da cama não é degradado.
d) Esterco líquido - Nas propriedades onde predomina
atividade de bovinocultura de leite e suinocultura, os agricultores
utilizam água para limpeza dos estábulos e pocilgas, fazendo
com que o material orgânico seja manejado na forma líquida para
as esterqueiras ou lagoas, onde é armazenado e posteriormente
utilizado como adubo orgânico.
A mistura de esterco + água + urina é colocada nos
tanques onde fica armazenada de 30 a 120 dias dependendo do
planejamento da distribuição do esterco no solo, em função da
área a ser cultivada pelo agricultor. É importante que as
esterqueiras sejam bem revestidas para evitar a poluição das
águas utilizadas para consumo doméstico.
Quanto maior o tempo de fermentação dos dejetos de
animais nas esterqueiras, melhor a qualidade do produto
orgânico.
1.2 - Húmus
É um adubo bastante estável, utilizado como fonte de
nutrientes para as lavouras. É um insumo muito rico que pode
ser produzido em grande quantidade e com baixo custo pelos
agricultores. É obtido através da compostagem ou
vermicompostagem do esterco, que poderá ser agregado a
outros materiais orgânicos, como palha e restos de culturas.
1313131313
Agro
Práticas
ecológicas
a) Vermicomposto
É a mistura de resíduos orgânicos de origem animal ou
vegetal, decomposta em húmus através do trabalho das
minhocas, que tem a capacidade de digerir produtos como o
esterco de animais, restos de frutas e verduras, cinza, casca de
ovos, erva-mate, serragem e parte da casca de arroz.
O processo de transformação dos resíduos em húmus,
quando feito por minhocas, é chamado vermicompostagem.
O esterco de aves e suínos deve ser utilizado sempre
misturado com outros materiais orgânicos, porque quando
usados isoladamente a alta concentração de amônia pode ser,
tóxica para as minhocas.
b) Composto fermentado
Compostagem na área: consiste na distribuição do
esterco cru na “roça”, que pode ser semi-incorporado (com grade
por exemplo), ou aplicado antes do tombamento da adubação
verde, sem incorporação. Esta é a prática mais benéfica para a
atividade microbiológica e estruturação do solo.
A primeira fase da fermentação normalmente dura 20
dias. Depois deste período a cultura desejada pode ser
implantada sem riscos. A disponibilização dos nutrientes se dá
aos poucos.
Compostagem em monte: a principal vantagem
consiste na possibilidade da aplicação direta por ocasião do
plantio podendo ser incorporado em covas, sulcos, etc... o que
torna os nutrientes mais facilmente disponíveis para a cultura.
1414141414
Agro
Práticas
ecológicas
A desvantagem refere-se à maior necessidade de mão-
de-obra e na perda de energia que poderia ser aproveitada no
aumento da atividade microbiológica e estruturação do solo.
É importante proporcionar boa aeração do monte para
que não ocorra o “apodrecimento” do composto.
c) Húmus enriquecido
O processo de produção é o mesmo da compostagem ou
vermicompostagem. A diferença é que no momento de se juntar o
esterco, mistura-se a este algum material rico em minerais, como
por exemplo cinzas de madeira, fosfato natural, farinha de ossos
ou pó de rocha. O húmus enriquecido é “mais forte” que as outras
formas, portanto a quantidade a ser utilizada é menor, além de
poder ser aplicado junto às sementes com ótimos resultados e
sem o risco de queimá-las. Outra possível variação é juntar
micronutrientes no processo como forma de “enriquecimento” do
humus.
Como exemplo e sugestão apresentamos uma fórmula de
adubo organo-mineral caseiro:
Ingredientes:
70 Kg de esterco bovino fresco
10 Kg de fosfato natural
10 Kg de cinza
5 Kg de farinha de conchas
5 Kg de farinha de ossos
1515151515
Agro
Práticas
ecológicas
Preparo / cuidados:
Sobrepor as camadas de esterco, palha, insumos;
Manter o material úmido, sem excesso de água;
Revirar quando estiver muito quente.
O composto estará pronto quando não houver cheiro
desagradável. É importante manter uma certa umidade durante o
processo.
Depois de pronto, misturar 20 Kg de cama de aviário bem
curtida para melhorar a quantidade de nitrogênio.
O composto enriquecido, por ser muito forte, é distribuído
nas linhas de cultivo.
2 - Adubação verde
Onde há pouco esterco, esta é sem dúvida, a principal e
mais barata fonte de matéria orgânica. A partir de uma pequena
quantidade de sementes, mais água e luz do sol é possível produzir
toneladas de biomassa. O uso continuado desta prática irá
melhorar as condições físicas, químicas e biológicas do solo.
A prática proporciona o aumento da matéria orgânica, o
fornecimento, a mobilização e a disponibilização de nutrientes,
ajudando no combate a nematóides, invasoras e na diminuição
de doenças e pragas. É importante destacar que na adubação
verde deve-se trabalhar com vários tipos de plantas, pertencentes
a diversas famílias botânicas, como gramíneas, leguminosas e
crucíferas, para desta forma dispor de grande diversidade de
sistemas radiculares.Além de contribuir para o aumento da
biodiversidade no sistema de produção.
1616161616
Agro
Práticas
ecológicas
Como o nitrogênio é um dos principais elementos
necessários ao desenvolvimento das plantas, a preocupação
com a sua deficiência no sistema trabalhado é muito grande,
principalmente quando se encontra um solo ainda em processo
de transição para a agroecológica.
Por sua característica de fixação de nitrogênio ao solo,
torna-se indispensável que se inclua sempre na adubação verde
espécies da família das leguminosas. As gramíneas têm sua
importância pela quantidade de biomassa que são capazes
de produzir e que no processo de decomposição liberam
nutrientes para o solo.
Principais funções da adubação verde:
Produzir alimento para a microvida (efeito semelhante
ao “pousio” em capoeira);
Fixar nitrogênio do ar através de leguminosas (feijão,
feijão miúdo, soja, trevos, ervilhaca, etc...).
Capacidade de produção de biomassa de algumas
espécies:
. Guandu: mais de 11.000 Kg/ha
· Aveia- preta: mais de 8.000 Kg/ha
· Crotalária: mais de 8.000 Kg/ha
· Feijão de porco: mais de 8.000 Kg/ha
· Nabo forrageiro: mais de 7.000 Kg/ha
· Mucunas: mais de 6.000 Kg/ha
· Trevos: mais de 6.000 Kg/ha
· Ervilhaca: mais de 5.000 Kg/ha
. Gorga: mais de 5.000 Kg/ha
1717171717
Agro
Práticas
ecológicas
3 - Adubos minerais
Todos os minerais utilizados em agroecologia possuem
baixa solubilidade e a presença da matéria orgânica no solo
permite a liberação destes elementos de forma lenta, para que a
planta possa absorvê-los de acordo com suas necessidades.
a) Calcários
Antes de falar do calcário, precisamos entender o que é
solo ácido. Trata-se de uma questão química um pouco mais
complexa; solos ácidos podem apresentar alumínio tóxico o que
dificulta o desenvolvimento das raízes, além de prejudicar a
absorção de alguns elementos do solo.
O calcário tem a função de neutralizar o excesso de acidez
do solo, contribuindo para disponibilizar seus nutrientes, que serão
absorvidos pelas raízes das plantas. Existem várias fontes de
calcário, as mais encontradas são as seguintes:
Dolomítico (bastante magnésio) e calcítico (bastante
cálcio): estes necessitam ser aplicados ao solo com
antecedência de seis meses. São originados da
moagem de rochas naturais. O calcário finamente moído
é chamado “filer” (faixa “c”), e pode ser aplicado 30 dias
antes do cultivo, por apresentar efeito mais rápido.
Calcário de conchas: também chamado de farinha de
conchas.É produzido através da moagem de conchas
marinhas. Além do cálcio e magnésio possui também
boro, molibdênio, zinco, cobre e silício. Este material tem
reação imediata no solo, podendo ser aplicado no
momento do plantio.
1818181818
Agro
Práticas
ecológicas
b) Pó de rocha
São rochas finamente moídas e utilizadas para reconstituir
os solos. Conforme o tipo de rocha, varia sua composição
química. Um dos mais conhecidos é o MB4, que é um material
composto de diversos microelementos (ferro, molibdênio, boro,
zinco, cobre, manganês, sódio, cloro) e é muito utilizado para
enriquecer biofertilizantes.
c) Fosfatos naturais
São rochas naturais moídas e muito ricas em fósforo.
As mais conhecidas são:
Fosfato de Arade - possuí 32% de P2
O5
(fósforo), sendo
9% assimilável e 37% de Ca (cálcio) assimilável.
Fosfato de Daoui - possuí 32% de P2
05,
sendo 9%
assimilável; 36% de Ca assimilável; 0,5% de Mg (magnésio);
0,1% de K (potássio). O fosfato Daoui além dos elementos
citados apresenta outros microelementos como silício, cobre,
cobalto e manganês.
Fosfatos de Minas Gerais (Araxá e Patos de Minas) -
possuem 28% de P2
05
sendo 5% assimilável e 42% de Ca.
d) Cinzas
Todos os minerais que constituíam a planta que originou a
cinza, estão presentes nela. É uma grande fonte de potássio e
muito utilizada na agricultura orgânica e na agroecologia.
A composição química das cinzas é bastante variável e
está relacionada diretamente com o tipo de material que foi
queimado. As cinzas têm cerca de 8 a 15% de potássio.
Comumente são usadas de uma a duas toneladas por hectare.
As cinzas de casca de arroz possuem aproximadamente 2% de
potássio e podem ser utilizadas até cinco toneladas por hectare.
1919191919
Agro
Práticas
ecológicas
Recomendações finais
A listagem de insumos e a forma de sua utilização
apresentadas neste documento são produtos da experiência de
técnicos e agricultores. Em cada situação, propriedade ou região
podem existir outros materiais disponiveis e conhecimentos
sobre a melhor forma de utilizá-los.
Algumas das sugestões aqui apresentadas estão sendo
objeto de pesquisa científica na Embrapa Clima Temperado e em
outras instituíções.
Sempre que existir dúvidas na utilização de manejo dos
insumos usados na agricultura de base ecológica, procure
orientação técnica.
2020202020
Agro
Práticas
ecológicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
pief2
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
marcelo otenio
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
paulo roberto
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008
Ádila Faria
 
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinosSistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
FCV - Faculdade Cidade Verde
 
8.º ano trabalho grupo iii compostagem
8.º ano trabalho grupo iii   compostagem8.º ano trabalho grupo iii   compostagem
8.º ano trabalho grupo iii compostagem
FloripeAbreu
 
Projeto compostagem
Projeto compostagemProjeto compostagem
Projeto compostagem
brainsis
 
Projeto compostagem finalizado
Projeto compostagem   finalizadoProjeto compostagem   finalizado
Projeto compostagem finalizado
Paula Bonazzi
 
Ce cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambientalCe cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambiental
João Siqueira da Mata
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
UERGS
 
23 compostagem panfleto
23 compostagem panfleto23 compostagem panfleto
23 compostagem panfleto
Eduardo Roque
 
Apresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJFApresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJF
Universidade Federal de Juiz de Fora
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
JNR
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
Sabrina Nascimento
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
marcelo otenio
 
Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)
João Siqueira da Mata
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Edimara Peri
 
1 5 i
1 5 i1 5 i
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºd
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºdOk compostagem yasmin e leticia 4ºd
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºd
4danisioprofessoraflavia
 

Mais procurados (20)

A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008
 
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinosSistema de tratamento_para_dejetos_suinos
Sistema de tratamento_para_dejetos_suinos
 
8.º ano trabalho grupo iii compostagem
8.º ano trabalho grupo iii   compostagem8.º ano trabalho grupo iii   compostagem
8.º ano trabalho grupo iii compostagem
 
Projeto compostagem
Projeto compostagemProjeto compostagem
Projeto compostagem
 
Projeto compostagem finalizado
Projeto compostagem   finalizadoProjeto compostagem   finalizado
Projeto compostagem finalizado
 
Ce cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambientalCe cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambiental
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
23 compostagem panfleto
23 compostagem panfleto23 compostagem panfleto
23 compostagem panfleto
 
Apresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJFApresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJF
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
 
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizanteTratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
Tratamento de resíduos da bovinocultura e uso como fertilizante
 
Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
1 5 i
1 5 i1 5 i
1 5 i
 
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºd
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºdOk compostagem yasmin e leticia 4ºd
Ok compostagem yasmin e leticia 4ºd
 

Destaque

Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
 
Fertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacaoFertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacao
Herbert de Carvalho
 
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte ii
Ciˆncias humanas e suas tecnologias   parte iiCiˆncias humanas e suas tecnologias   parte ii
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte ii
jullyvi
 
Critica da midia
Critica da midiaCritica da midia
Critica da midia
Thais De Mendonça Jorge
 
Comidas TíPicas Do MaranhãO
Comidas TíPicas Do MaranhãOComidas TíPicas Do MaranhãO
Comidas TíPicas Do MaranhãO
neumase
 
Novo Secretariado do Governo de Pernambuco
Novo Secretariado do Governo de PernambucoNovo Secretariado do Governo de Pernambuco
Novo Secretariado do Governo de Pernambuco
Elielson Lima
 
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
Fernando Antunes
 
TOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de NatalTOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de Natal
Cascais - Portugal
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazonia
Andrea Scabello
 
Alan_CV_geologist_2015
Alan_CV_geologist_2015Alan_CV_geologist_2015
Alan_CV_geologist_2015
Alan Patrick Bischoff
 
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
Filipo Mór
 
Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014
Fabian Mauricio Vargas Fontalvo
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
Pedro Alexandre Cabral
 
Pedagogia arte-el salvador
Pedagogia arte-el salvadorPedagogia arte-el salvador
Pedagogia arte-el salvador
ccesv
 
Catálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFSCatálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFS
Matheus Italo
 
Publicidade e propaganda
Publicidade e propagandaPublicidade e propaganda
Publicidade e propaganda
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Edital proupe
Edital proupeEdital proupe
Edital proupe
emanuelomena
 
Natal é tempo de reflexão
Natal é tempo de reflexão Natal é tempo de reflexão
Natal é tempo de reflexão
Fer Nanda
 

Destaque (20)

Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
 
Fertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacaoFertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacao
 
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte ii
Ciˆncias humanas e suas tecnologias   parte iiCiˆncias humanas e suas tecnologias   parte ii
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte ii
 
Critica da midia
Critica da midiaCritica da midia
Critica da midia
 
Comidas TíPicas Do MaranhãO
Comidas TíPicas Do MaranhãOComidas TíPicas Do MaranhãO
Comidas TíPicas Do MaranhãO
 
Novo Secretariado do Governo de Pernambuco
Novo Secretariado do Governo de PernambucoNovo Secretariado do Governo de Pernambuco
Novo Secretariado do Governo de Pernambuco
 
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
Conservação e restauro: sector da actividade económica versus domínio científ...
 
TOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de NatalTOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de Natal
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazonia
 
Alan_CV_geologist_2015
Alan_CV_geologist_2015Alan_CV_geologist_2015
Alan_CV_geologist_2015
 
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
Aula 3 - Redes de Computadores A - Administração da Internet. Modelo TCP/IP.
 
Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 
Pedagogia arte-el salvador
Pedagogia arte-el salvadorPedagogia arte-el salvador
Pedagogia arte-el salvador
 
AstronomíA
AstronomíAAstronomíA
AstronomíA
 
Catálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFSCatálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFS
 
Publicidade e propaganda
Publicidade e propagandaPublicidade e propaganda
Publicidade e propaganda
 
Edital proupe
Edital proupeEdital proupe
Edital proupe
 
Natal é tempo de reflexão
Natal é tempo de reflexão Natal é tempo de reflexão
Natal é tempo de reflexão
 
Maceió
MaceióMaceió
Maceió
 

Semelhante a Cartilha -adubacão_orgânica

Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
Alexandre Panerai
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
marcelo otenio
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
Lenildo Araujo
 
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliaresEmbrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Alexandre Panerai
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
João Siqueira da Mata
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
Lenildo Araujo
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
gimalucelli_bio
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Edson Talarico
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Idesam
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Daniel Mol
 
Circular 64
Circular 64Circular 64
Circular 64
joaoanschau
 
Compostagem domestica
Compostagem domesticaCompostagem domestica
Compostagem domestica
mvezzone
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
João Felix
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
eriksilva4587
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Instituto Besc
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
Bruno Da Montanha
 
Seminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânicaSeminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânica
Michel Santos
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 

Semelhante a Cartilha -adubacão_orgânica (20)

Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliaresEmbrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
 
Circular 64
Circular 64Circular 64
Circular 64
 
Compostagem domestica
Compostagem domesticaCompostagem domestica
Compostagem domestica
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
 
Seminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânicaSeminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânica
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Cartilha -adubacão_orgânica

  • 1. Adubação OrAdubação OrAdubação OrAdubação OrAdubação Orgânicagânicagânicagânicagânica Pelotas, RS 2006 Agro Práticas ecológicas Fundação de Apoio à Pesquisa Edmundo Gastal Clima Temperado
  • 2. Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Clima Temperado Endereço: BR 392 km 78 Caixa Postal 403 - Pelotas, RS Fone: (53) 3275 8199 Fax: (53) 3275 8219 - 3275 8221 Home page: www.cpact.embrapa.br E-mail: sac@cpact.embrapa.br Comitê de Publicações da Unidade Presidente: Walkyria Bueno Scivittaro Secretária-Executiva: Joseane M. Lopes Garcia Membros: Cláudio Alberto Souza da Silva, Lígia Margareth Cantarelli Pegoraro, Isabel Helena Vernetti Azambuja, Cláudio José da Silva Freire, Luís Antônio Suita de Castro, Sadi Macedo Sapper, Regina das Graças V. dos Santos Suplentes: Daniela Lopes Leite e Luís Eduardo Corrêa Antunes Revisores de texto: Sadi Macedo Sapper/Ana Luiza Barragana Viegas Normalização bibliográfica: Regina das Graças Vasconcelos dos Santos Editoração eletrônica: Henrique Sambrano / Oscar Castro Arte da capa: Henrique Sambrano 1ª edição 1ª impressão 2006: 100 exemplares
  • 3. Organizadores Marimônio Alberto Weinärtner Convênio Incra/Fapeg/ Embrapa Clima Temperado Cézar Fernando Schiavon Aldrighi Convênio Incra/Fapeg/ Embrapa Clima Temperado Carlos Alberto Barbosa Medeiros Embrapa Clima Temperado
  • 5. Apresentação João Carlos Costa Gomes Chefe-Geral Embrapa Clima Temperado Desde 2003, a Embrapa Clima Temperado e o Incra, por meio da Superintendência Regional do Rio Grande do Sul, com apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento Edmundo Gastal - Fapeg, vem desenvol- vendo um programa de apoio à Reforma Agrária no Rio Grande do Sul. Este programa busca o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar da Reforma Agrária, levando tecnologias e conhecimentos produzidos na Embrapa ou produto da experiência de técnicos e agricultores a um público às vezes pouco privilegiado pelas políticas públicas. Durante este período foram realizados vários treinamentos, visitas a campo, seminários técnicos e instalação de uma rede de referência. Foram distribuídas sementes e mudas de materiais adaptados à agri- cultura familiar, conhecimentos sobre a produção de insumos agroecológicos, manejo de sistemas de produção, entre outras tecnologias que contribuem para a sustentabilidade da agricultura da reforma agrária. O conjunto das publicações representa o coroamento do programa e grande contribuição para a sustentabilidade da agricultura e da Reforma Agrária. Especificamente, este documento aborda um tema de grande relevân- cia para a agroecologia: a adubação orgânica. Esta é uma prática que ao potencializar os ciclos internos à proprieda- de familiar contribui para a diminuição de dependência à insumos externos e, por conseqüência, para a redução de custos de produção.
  • 7. Sumário 1- Adubos orgânicos .............................................................. 1-1- Estercos .............................................................................. a) Esterco de bovino e de eqüino ............................................. b) Esterco de suíno ................................................................ c) Esterco de aves ................................................................. d) Esterco líquido ................................................................... 1-2 - Húmus .............................................................................. a) Vermicomposto .................................................................. b) Composto fermentado ......................................................... c) Húmus enriquecido ............................................................. 2 - Adubação verde ................................................................. 3 - Adubos minerais ................................................................ a) Calcários ........................................................................... b) Pó de rocha ....................................................................... c) Fosfatos naturais ................................................................ d) Cinzas ............................................................................... 7 7 10 11 11 11 13 13 13 14 15 17 18 18 18 19
  • 9. PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS Adubação Orgânica 1 - Adubos Orgânicos São materiais de origem animal ou vegetal, alguns considerados resíduos ou rejeitos, que têm grande utilização na agricultura orgânica ou ecológica. São recomendados por sua capacidade de aumentar a fertilidade de solos “pobres”. Sua riqueza nutricional promove a elevação da atividade biológica do solo. 1.1- Estercos O esterco é a fonte de matéria orgânica mais lembrada quando se fala em adubos orgânicos. É um dos recursos naturais que o agricultor tem a sua disposição e a sua utilização deve ser a mais otimizada possível. Há diferentes maneiras de utilizar o esterco e são as condições e a realidade de cada propriedade, solo e forma de cultivo que irão determinar qual a mais adequada a cada caso. Os estercos são utilizados na forma liquida ou sólida, fresco ou pré-digerido, como composto ou vermicomposto. Marimônio Alberto Weinärtner Cézar Fernando Schiavon Aldrighi Carlos Alberto Barbosa Medeiros
  • 10. 1010101010 Agro Práticas ecológicas A melhor opção vai depender do tipo de esterco, das instalações e equipamento do agricultor e do cultivo em que vai ser empregado. Os estercos possuem características próprias, dependendo do tipo de animal e mesmo oriundo da mesma espécie animal se diferencia conforme a idade, alimentação e manejo. Independente da origem do dejeto, este deverá passar por um processo de fermentação para que possa ser utilizado. A fermentação elimina alguns organismos indesejáveis para a saúde humana. O esterco fresco, pode também queimar a planta. a) Esterco bovino e eqüino - São os mais ricos em fibras. Ajudam a desenvolver organismos que são antagonistas de fungos causadores de doença de solo. Uma vaca produz cerca de 15 t de esterco fresco por ano, o que corresponde a aproxidamente a 78 kg de N (nitrogênio), 20 kg de P (fósforo), 93 kg de K (potássio) e 35 kg de Ca (cálcio) + Mg (magnésio).
  • 11. 1111111111 Agro Práticas ecológicas c) Esterco de aves - Muito rico em nitrogênio, este tipo de esterco é aplicado normalmente junto com a maravalha (cama) que é colocada para acomodar frangos em aviários. Este material quando bem curtido, apresenta-se bem farelado, escuro e frio, sem excesso de amônia. A madeira da maravalha se decompõe quase totalmente devido a grande quantidade de nitrogênio do esterco. Nem sempre este insumo está disponível ao agricultor e deve-se ter cuidado quanto à origem da madeira que compõe a cama. b) Esterco suíno - A composição deste dejeto é variável em razão da quantidade de água que o acompanha, tipo de alimentação e idade dos animais. Este material é caracterizado pela boa quantidade de nitrogênio (N) e de zinco (Zn). Como todos os outros dejetos, deve ser fermentado para uso na agricultura.
  • 12. 1212121212 Agro Práticas ecológicas A indústria moveleira, que muitas vezes fornece este material aos aviários, utiliza um conservante de madeira de nome Pentaclorofenol, que é extremamente cancerígeno, e que no processo de fermentação da cama não é degradado. d) Esterco líquido - Nas propriedades onde predomina atividade de bovinocultura de leite e suinocultura, os agricultores utilizam água para limpeza dos estábulos e pocilgas, fazendo com que o material orgânico seja manejado na forma líquida para as esterqueiras ou lagoas, onde é armazenado e posteriormente utilizado como adubo orgânico. A mistura de esterco + água + urina é colocada nos tanques onde fica armazenada de 30 a 120 dias dependendo do planejamento da distribuição do esterco no solo, em função da área a ser cultivada pelo agricultor. É importante que as esterqueiras sejam bem revestidas para evitar a poluição das águas utilizadas para consumo doméstico. Quanto maior o tempo de fermentação dos dejetos de animais nas esterqueiras, melhor a qualidade do produto orgânico. 1.2 - Húmus É um adubo bastante estável, utilizado como fonte de nutrientes para as lavouras. É um insumo muito rico que pode ser produzido em grande quantidade e com baixo custo pelos agricultores. É obtido através da compostagem ou vermicompostagem do esterco, que poderá ser agregado a outros materiais orgânicos, como palha e restos de culturas.
  • 13. 1313131313 Agro Práticas ecológicas a) Vermicomposto É a mistura de resíduos orgânicos de origem animal ou vegetal, decomposta em húmus através do trabalho das minhocas, que tem a capacidade de digerir produtos como o esterco de animais, restos de frutas e verduras, cinza, casca de ovos, erva-mate, serragem e parte da casca de arroz. O processo de transformação dos resíduos em húmus, quando feito por minhocas, é chamado vermicompostagem. O esterco de aves e suínos deve ser utilizado sempre misturado com outros materiais orgânicos, porque quando usados isoladamente a alta concentração de amônia pode ser, tóxica para as minhocas. b) Composto fermentado Compostagem na área: consiste na distribuição do esterco cru na “roça”, que pode ser semi-incorporado (com grade por exemplo), ou aplicado antes do tombamento da adubação verde, sem incorporação. Esta é a prática mais benéfica para a atividade microbiológica e estruturação do solo. A primeira fase da fermentação normalmente dura 20 dias. Depois deste período a cultura desejada pode ser implantada sem riscos. A disponibilização dos nutrientes se dá aos poucos. Compostagem em monte: a principal vantagem consiste na possibilidade da aplicação direta por ocasião do plantio podendo ser incorporado em covas, sulcos, etc... o que torna os nutrientes mais facilmente disponíveis para a cultura.
  • 14. 1414141414 Agro Práticas ecológicas A desvantagem refere-se à maior necessidade de mão- de-obra e na perda de energia que poderia ser aproveitada no aumento da atividade microbiológica e estruturação do solo. É importante proporcionar boa aeração do monte para que não ocorra o “apodrecimento” do composto. c) Húmus enriquecido O processo de produção é o mesmo da compostagem ou vermicompostagem. A diferença é que no momento de se juntar o esterco, mistura-se a este algum material rico em minerais, como por exemplo cinzas de madeira, fosfato natural, farinha de ossos ou pó de rocha. O húmus enriquecido é “mais forte” que as outras formas, portanto a quantidade a ser utilizada é menor, além de poder ser aplicado junto às sementes com ótimos resultados e sem o risco de queimá-las. Outra possível variação é juntar micronutrientes no processo como forma de “enriquecimento” do humus. Como exemplo e sugestão apresentamos uma fórmula de adubo organo-mineral caseiro: Ingredientes: 70 Kg de esterco bovino fresco 10 Kg de fosfato natural 10 Kg de cinza 5 Kg de farinha de conchas 5 Kg de farinha de ossos
  • 15. 1515151515 Agro Práticas ecológicas Preparo / cuidados: Sobrepor as camadas de esterco, palha, insumos; Manter o material úmido, sem excesso de água; Revirar quando estiver muito quente. O composto estará pronto quando não houver cheiro desagradável. É importante manter uma certa umidade durante o processo. Depois de pronto, misturar 20 Kg de cama de aviário bem curtida para melhorar a quantidade de nitrogênio. O composto enriquecido, por ser muito forte, é distribuído nas linhas de cultivo. 2 - Adubação verde Onde há pouco esterco, esta é sem dúvida, a principal e mais barata fonte de matéria orgânica. A partir de uma pequena quantidade de sementes, mais água e luz do sol é possível produzir toneladas de biomassa. O uso continuado desta prática irá melhorar as condições físicas, químicas e biológicas do solo. A prática proporciona o aumento da matéria orgânica, o fornecimento, a mobilização e a disponibilização de nutrientes, ajudando no combate a nematóides, invasoras e na diminuição de doenças e pragas. É importante destacar que na adubação verde deve-se trabalhar com vários tipos de plantas, pertencentes a diversas famílias botânicas, como gramíneas, leguminosas e crucíferas, para desta forma dispor de grande diversidade de sistemas radiculares.Além de contribuir para o aumento da biodiversidade no sistema de produção.
  • 16. 1616161616 Agro Práticas ecológicas Como o nitrogênio é um dos principais elementos necessários ao desenvolvimento das plantas, a preocupação com a sua deficiência no sistema trabalhado é muito grande, principalmente quando se encontra um solo ainda em processo de transição para a agroecológica. Por sua característica de fixação de nitrogênio ao solo, torna-se indispensável que se inclua sempre na adubação verde espécies da família das leguminosas. As gramíneas têm sua importância pela quantidade de biomassa que são capazes de produzir e que no processo de decomposição liberam nutrientes para o solo. Principais funções da adubação verde: Produzir alimento para a microvida (efeito semelhante ao “pousio” em capoeira); Fixar nitrogênio do ar através de leguminosas (feijão, feijão miúdo, soja, trevos, ervilhaca, etc...). Capacidade de produção de biomassa de algumas espécies: . Guandu: mais de 11.000 Kg/ha · Aveia- preta: mais de 8.000 Kg/ha · Crotalária: mais de 8.000 Kg/ha · Feijão de porco: mais de 8.000 Kg/ha · Nabo forrageiro: mais de 7.000 Kg/ha · Mucunas: mais de 6.000 Kg/ha · Trevos: mais de 6.000 Kg/ha · Ervilhaca: mais de 5.000 Kg/ha . Gorga: mais de 5.000 Kg/ha
  • 17. 1717171717 Agro Práticas ecológicas 3 - Adubos minerais Todos os minerais utilizados em agroecologia possuem baixa solubilidade e a presença da matéria orgânica no solo permite a liberação destes elementos de forma lenta, para que a planta possa absorvê-los de acordo com suas necessidades. a) Calcários Antes de falar do calcário, precisamos entender o que é solo ácido. Trata-se de uma questão química um pouco mais complexa; solos ácidos podem apresentar alumínio tóxico o que dificulta o desenvolvimento das raízes, além de prejudicar a absorção de alguns elementos do solo. O calcário tem a função de neutralizar o excesso de acidez do solo, contribuindo para disponibilizar seus nutrientes, que serão absorvidos pelas raízes das plantas. Existem várias fontes de calcário, as mais encontradas são as seguintes: Dolomítico (bastante magnésio) e calcítico (bastante cálcio): estes necessitam ser aplicados ao solo com antecedência de seis meses. São originados da moagem de rochas naturais. O calcário finamente moído é chamado “filer” (faixa “c”), e pode ser aplicado 30 dias antes do cultivo, por apresentar efeito mais rápido. Calcário de conchas: também chamado de farinha de conchas.É produzido através da moagem de conchas marinhas. Além do cálcio e magnésio possui também boro, molibdênio, zinco, cobre e silício. Este material tem reação imediata no solo, podendo ser aplicado no momento do plantio.
  • 18. 1818181818 Agro Práticas ecológicas b) Pó de rocha São rochas finamente moídas e utilizadas para reconstituir os solos. Conforme o tipo de rocha, varia sua composição química. Um dos mais conhecidos é o MB4, que é um material composto de diversos microelementos (ferro, molibdênio, boro, zinco, cobre, manganês, sódio, cloro) e é muito utilizado para enriquecer biofertilizantes. c) Fosfatos naturais São rochas naturais moídas e muito ricas em fósforo. As mais conhecidas são: Fosfato de Arade - possuí 32% de P2 O5 (fósforo), sendo 9% assimilável e 37% de Ca (cálcio) assimilável. Fosfato de Daoui - possuí 32% de P2 05, sendo 9% assimilável; 36% de Ca assimilável; 0,5% de Mg (magnésio); 0,1% de K (potássio). O fosfato Daoui além dos elementos citados apresenta outros microelementos como silício, cobre, cobalto e manganês. Fosfatos de Minas Gerais (Araxá e Patos de Minas) - possuem 28% de P2 05 sendo 5% assimilável e 42% de Ca. d) Cinzas Todos os minerais que constituíam a planta que originou a cinza, estão presentes nela. É uma grande fonte de potássio e muito utilizada na agricultura orgânica e na agroecologia. A composição química das cinzas é bastante variável e está relacionada diretamente com o tipo de material que foi queimado. As cinzas têm cerca de 8 a 15% de potássio. Comumente são usadas de uma a duas toneladas por hectare. As cinzas de casca de arroz possuem aproximadamente 2% de potássio e podem ser utilizadas até cinco toneladas por hectare.
  • 19. 1919191919 Agro Práticas ecológicas Recomendações finais A listagem de insumos e a forma de sua utilização apresentadas neste documento são produtos da experiência de técnicos e agricultores. Em cada situação, propriedade ou região podem existir outros materiais disponiveis e conhecimentos sobre a melhor forma de utilizá-los. Algumas das sugestões aqui apresentadas estão sendo objeto de pesquisa científica na Embrapa Clima Temperado e em outras instituíções. Sempre que existir dúvidas na utilização de manejo dos insumos usados na agricultura de base ecológica, procure orientação técnica.