SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
TEORIAS DE ENFERMAGEM
Pensamento Crítico na enfermagem
• Porquê… 
• Porque o pensamento crítico é um modo de pensar,
sobre qualquer tema, conteúdo ou problema...
• Porque aquele que pensa criticamente tem um
propósito claro e uma pergunta definida…
• Porque se empenha em ser claro, exato, preciso e
relevante. Procura profundidade com lógica e
imparcialidade…
• Porque aplica estas habilidades quando lê, escreve,
estuda, na sala de aula, no estágio, na vida pessoal…
• Porque pensar criticamente leva a refletir
sobre temas, problemas em enfermagem. A
prática reflexiva é frequentemente referida e
usada por estudantes de enfermagem durante
os cursos, contudo esta prática não é
continuada quando terminam o curso
(Rolfe,2005).
Praticas de enfermagem
• Idade antiga
• Trabalho
doméstico,
valorizado;

de
manual, feminino

e

cunho
pouco

– Divisão social:
– Escravos = cuidar;
– Senhores = curar;

• Cuidar X Curar

– A tarefa do cuidado era tida como
vergonhosa, domestica, subalterna;
Praticas de enfermagem...
• Idade Média
– Diaconato: apostolado de Cristo – diáconos
e diaconisas – visando a prática da caridade;
• Cuidado = conforto físico e espiritual;
• Exaltação do espirito de caridade e obediência;

– Os cuidados administrados no lar – leigos
ou religiosos;
Pratica de enfermagem...
• Século XX
– Modelo técnico cientifico
• Trabalho autônomo – cuidados em domicilio;
• Organização das técnicas de enfermagem;

– Primeiras expressões organizadas do saber
de enfermagem
– Modelo funcional = enfermeiro tarefeiro;
Prática de enfermagem no Brasil...
• Período de 1920 – 1950:
– Caráter caritativo;

• Economia cafeira – exportação – política de saneamento;
– Fundação Rockfeler;
– Manifesto Parsons;

• Guerra do Paraguai – Ana Neri;
– Primeira escola de enfermagem - 1923- escola do DNSP;

• Foco até final da década de 30 voltado para a saúde
pública;
• 1949 – regulamentação do ensino de enfermagem
– 66% - saúde pública e 32% - hospitais;
• Conselho Federal de Enfermagem
(COFEN) por meio da Resolução
358/2009
–Tem preconizado que a assistência
de
enfermagem
deve
ser
sistematizada implantando-se o
processo de enfermagem(PE)
SAE
• É fundamental por contribuir para a melhoria
da qualidade da assistência de enfermagem
(Marques; Carvalho, 2005);
• Promove caracterização do corpo de
conhecimentos da profissão (Jesus, 2002);
• Leva a desdobramentos positivos para o
paciente e para equipe de enfermagem
(Mendes; Bastos, 2003).
• Concepção de que a enfermagem
como ciência deve estar pautada
em uma ampla estrutura teórica,
aplicada à prática por meio do PE
• Deve ser guiado Teoria de
Enfermagem
–Tornar mais operacionalizáveis os
resultados da assistência
Precisamos cada vez mais de
conhecimentos a cerca de :
1.
2.
3.
4.
5.

Teorias de enfermagem
Processo de enfermagem
Semiologia
Fisiologia
Patologia + habilidades necessárias para
gerenciarem as unidades
• As tentativas de organizar o conhecimento na
enfermagem datam da década de 1950 avanço
considerável na construção e na organização dos
modelos teóricos da enfermagem
• A partir dos estudos de Horta (1979) no final da
década de 1960 que a atenção dos enfermeiros
brasileiros começou a ser direcionada para a SAE.
• Enfatizou-se o planejamento da assistência na
tentativa de tornar autônoma a profissão e de
caracterizá-la como ciência, por meio da
implantação da SAE
Conhecimentos Próprios????
• Florence Nightingale
– Enfermagem requeria conhecimentos distintos daqueles da
medicina.
• “Definiu premissas em que a profissão deveria basear-se,
estabelecendo um conhecimento de enfermagem direcionado às
pessoas, às condições em que elas viviam e em como o ambiente
poderia atuar, positivamente ou não, sobre a saúde delas.
(Nightingale, 1989)”

• Profissão embasada em reflexões e questionamentos;
– Edificada sob um arcabouço de conhecimentos científicos
diferentes do modelo biomédico;

• .... Mesmo assim a enfermagem acabou por assumir uma
orientação dirigida pelo imediatismo, baseando-se em
práticas, de modo intuitivo e não sistematizado. Centrando
ações mais na doença do que no paciente.
Conhecimento Cientifico
–
–
–
–
–
–
–

Farmacologia
Histologia;
Biologia;
Fisiologia;
Microbiologia;
Sociologia;
Anatomia;

• Prediziam o que FAZER E COMO FAZER, entretanto não
havia uma REFLEXÃO SOBRE O PQ E QUANDO FAZER...
– Guerras mundiais, movimentos feministas,
desenvolvimento de ciências levou ao questionar do
STATUS QUO da Prática de enfermagem;
Teoria de enfermagem
• Teoria:
• “Um conjunto de conceitos, definições, e propostas interrelacionadas, que apresentam uma visão sistemática dos
fenômenos, especificando relações entre variáveis, COM O
PROPÓSITO DE EXPLICAR E PREVER OS FENÔMENOS”.

• TODA CIÊNCIA...
– Apresenta conhecimentos específicos, próprios e
organizados.

• Enfermagem é uma ciência = TEORIAS DE
ENFERMAGEM
TEORIAS DE ENFERMAGEM
• Surgimento das Teorias
– A partir de 1950: necessidade de um
conhecimento específico na Enfermagem;
– As teorias foram fundamentadas na
prática profissional, através de reflexões
dessa prática;
– As teorias surgiram com a finalidade de
descrever, explicar, prever ou prescrever
o cuidado de enfermagem.
O que se espera de toda
enfermeira????
•
•
•
•
•
•

Cuidado de excelência...
Ciência da enfermagem
Ciências sociais
Ciências físicas
Politicas de saúde
Ciências biomédicas
Cuidado de Excelência...
• Cuidado Individuais;
– Atendendo as necessidades individuais e familiares
nos problemas de saúde

• Teorias = humanização e individualização do
cuidado;
– Ajuda a descrever; explicar; prever e/ou prescrever as
medidas de cuidados de enfermagem;

• Pericia de enfermagem
– Conhecimento + experiência clínica
– É necessário para interpretar as situações clinicas e
fazer julgamentos
Domínio de Enfermagem
• Perspectiva de uma profissão;
• Determina:
– Conceitos centrais;
– Valores;
– Crenças;
– Fenômenos de interesses;
– Problemas centrais de uma disciplina

• É o conhecimento da prática de enfermagem;
Paradigmas da Enfermagem
• São ideias que estabelecem a conexão entre as ciências; filosofia e
teorias aceitas e aplicadas;
– Sua função direcionar as atividades da profissão, incluindo: filosofia,
teoria, experiência educacional e prática:

• INDIVÍDUO
– É o centro do cuidado que você fornece;
– Individualizado e centrado nas necessidades do cliente;
• Clientes individuais, famílias e comunidade;

• SAÚDE
– Representa diferentes significados para casa cliente; ambiente clínico
e profissional da saúde;
– Dinâmico;
– Desafio é fornecer o melhor cuidado possível de acordo com o nível de
saúde do cliente;
Paradigmas de Enfermagem
• AMBIENTE/SITUAÇÃO
– Condições
possíveis
que
afetam
as
necessidades do cuidado
– Interação continua entre cliente e o ambiente
– Fatores presentes no lar, na escola, no local de
trabalho e comunidade;

• ENFERMAGEM
– É o diagnóstico, tratamento das respostas
humanos aos problemas de saúde;
Teoria
• Objetiva explicar um fenômeno;
– Ex.: autocuidado ou cuidar;

• É o modo de ver através de “um conjunto de conceitos
relativamente concretos, específicos e as proposições que
descrevem ou estabelecem conexões com os conceitos;
• As teorias de enfermagem são contextualizações de
aspectos da enfermagem com objetivos de descrever;
explicar; prever e/ou prescrever cuidados de enfermagem;
– Faz previsões de intervenções para promover o autocuidado do
cliente no manejo de uma doença;
– Teoria = pesquisa
Teorias de Enfermagem
• Auxilia a equipe de enfermagem a idealizar as
intervenções;
• ex.: pte com diabetes;

– Promove a perspectivas de como encara uma
situação;
– Modo de organizar;
– Método para analise e interpretação de estabilidade;
– Um guia para o planejamento as intervenções de
enfermagem individualizadas;

• “a enfermagem é uma profissão aprendida, uma
ciência e uma arte.”
Componentes da Teoria
• É composta de conceitos, definições e
pressupostos ou preposições para explicar;
– Fenômeno
• É uma aspecto da realidade que pessoas sentem ou
experimentam conscientemente;
– Ex.: cuidar; autocuidado;

– Conceitos
• Ideias inter-relacionadas, simples ou complexas que
buscam relacionar objeto ou um evento com
experiências individuais;
• Auxilia na descrição dos fenômenos e na rotulação;
Componentes da Teoria
• Definições:
– Comunicam os significados gerais dos conceitos;
– Descrevem atividades necessárias para medir os
conceitos, relacionamentos ou variáveis dentro da
teoria;

• Pressupostos:
– São afirmações que explicam a natureza dos
conceitos, definições, propósitos, relação e
estruturas de uma teoria;
– “que se pressupõem
Segundo Hickman (2000) as teorias são
classificadas em quatro níveis de acordo com
sua finalidade
• Nível I- Isolamento de fatores :
– Ex Enfermeiro descreve aparecimento de hiperemia na região
sacral do paciente

• Nível II – Relacionamento de fatores:
– Ex. Enfermeiro associa a hiperemia aos fatos de o paciente estar
acamado, ser obeso e estar fazendo uso de fármacos vasoativos.

• Nível III – Relacionamento de situações (preditivas)
– Ex. Enfermeiro prevê que é necessária uma intervenção rápida
para que haja a regressão dessa hiperemia; caso contrário a
evolução será prejudicial ao paciente.

• Nível IV – Produtora de situações (prescritiva).
– Ex. O Enfermeiro atua prescrevendo ações para a minimizar a
evolução dessa lesão, entre elas mudança de decúbito, uso de
colchão especial, hidratação da pele...
Teorias de enfermagem
Teoria Ambiental: F. Nightingale (1820/1910)
Teoria das Necessidades Básicas: Virginia Henderson (1897)
Teoria do Autocuidado: Dorothea Orem (1914)
Teoria da Adaptação: Sister Calista Roy (1939)
Teoria das Relações Interpessoais em Enfermagem: Hildegard Peplau (1952)
Teoria Holística: Myra E. Levine (1967)
Teoria do Modelo Conceitual do Homem: Martha Rogers (1970)
Teoria das Necessidades Humanas Básicas: Wanda Horta (1970)
Teoria Alcance dos Objetivos: Imogenes King (1971)
Teoria Ambientalista
• Representou o modelo inicial para enfermagem;
– Seu conceito de ambiente foi o foco dos cuidados de enfermagem;
– A enfermagem deveria saber tudo sobre patologias.
• Tentou diferenciar enfermagem e medicina;

• Acreditava que a enfermagem não estava limitadas a administração
de medicamentos e sim orientada a fornecer: AR FRESCO, LUZ,
AQUECIMENTO, HIGIENE, QUIETUDE, NUTRIÇÃO ADEQUADA;
– Sua teoria se baseada na coleta de dado através da observação;
• Condições de saúde = fatores ambientais;

– Teoria descritiva = uma maneira de pensar sobre o ambiente do
cliente e o nosso
– Processo de enfermagem = observação vital
• Objetivo: aumentar a saúde e o conforto e salvar vidas.
Teoria ambiental
Foco principal da Teoria: Ambiente
Homem: Indivíduo cujas defesas naturais são
influenciadas por um ambiente saudável ou não
Saúde: Processo reparador
Ambiente: Condições externas capazes de prevenir
doenças, suprimi-las ou contribuir para elas
Enfermagem: Modificar os aspectos não-saudáveis
do ambiente a fim de colocar o paciente na
melhor condição para ação da natureza
Wanda de Aguiar Horta
• Na segunda metade dos anos 1960;
– Primeira enfermeira brasileira a abordar teoria em campo
profissional
• Embasou-se na teoria da motivação humana de Abarham Maslow e
na teoria de João Mohana para elaborar a Teoria da Necessidade
Humanas Básicas (NHB)

– Surge no Brasil uma nova visão da Enfermagem (Horta, 1979)
Leopardi (1990) afirma que as teorias são tão importantes para
a assistência profissional quanto:
1.
2.
3.

Técnica
Comunicação
Interação

• Guia do contexto assistencial
Teoria das Necessidades Humanas Básicas
• “Enfermagem é a arte de assistir o ser
humano no atendimento de suas
necessidades básicas, de torná-lo
independente desta assistência através da
educação; de recuperar, manter e promover
sua saúde, contando para isso a participação
de outros grupos profissionais.”
• O ser humano tem necessidades básicas que
precisam ser atendidas para o seu completo
bem-estar: Fisiológicas, segurança, sociais,
auto-estima, auto-realização.
• A Enfermagem assiste o ser humano no
atendimento de suas necessidades básicas,
utilizando dos conhecimentos e princípios
científicos das ciências físico-químicas,
biológicas e psicossociais
Teoria das Necessidades Básicas

Foco: Necessidades Básicas
Homem: Indivíduos com necessidades humanas
com significado e valor singular a cada pessoa
Saúde: Capacidade para satisfazer as necessidades
humanas (Físicas, Psicológicas e Sociais)
Ambiente: Cenário em que o indivíduo aprende
padrões singulares de vida
Enfermagem: Assistência temporária a um
indivíduo que possua dificuldades para
satisfazer uma ou mais necessidades básicas
Processo de Enfermagem
• Metodologia
– Método: ordem que se deve impor aos diferentes
processos;
– Metodologia : estudo dos métodos;
– Processo: série de ações sistematizadas e progressivas
visando a determinado fim;

• Processo de Enfermagem: ações sistematizadas
e seqüenciais que visam o cuidado enfermagem
ao indivíduo, família e comunidade.
Processo de Enfermagem
• Provê um guia sistematizado para o
desenvolvimento de um estilo de pensamento
que direciona julgamentos clínicos
apropriados (Kenney,1995).
Processo de Enfermagem
Sistematização da Assistência
=
Sistema de Assistência de Enfermagem
=
Processo de Cuidar
=
Metodologia da Assistência de Enfermagem
O QUE É SISTEMATIZAÇÃO DA
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM?
Resolução COFEN nº 272/2002
“Atividade privativa do Enfermeiro, utiliza
método e estratégia de trabalho científico
para a identificação das atividades de
saúde/doença, subsidiando ações de
assistência de Enfermagem que possam
contribuir para a promoção, prevenção,
recuperação e reabilitação da saúde do
indivíduo, família e comunidade”
Sistematização da Assistência de
Enfermagem
• É a organização e aplicação de um método de
trabalho para assistir o indivíduo, a família e a
comunidade;
• Uma série de passos (histórico de
enfermagem, exame físico, diagnóstico de
enfermagem, prescrição da assistência de
enfermagem, evolução da assistência de
enfermagem, relatório de enfermagem);
• É a essência da prática de enfermagem
Relação Teoria x Processo
Teoria
geração do conhecimento de enfermagem
para uso na sua prática
Processo de Enfermagem
é o método para implementação da Teoria
ou conhecimento
Teorias
• Conjunto de conceitos que proporcionam visão
de um fato ou acontecimento;
• É a criação que organiza nossa percepção do
mundo;
É uma estrutura (conjunto) organizada de conceitos
inventada com um propósito. Explicam,
descrevem e predizem os fatos do mundo
empírico;
Fundamentada em princípio, crenças, valores e
normas tradicionalmente aceitas.
Teorias de Enfermagem
• Indicam um caminho de como ver os fatos ou
eventos e assim direcionar o planejamento e
determinar as intervenções de enfermagem;
Cronologia dos Modelos Teóricos em
Enfermagem
Ano
Teorista
1952 Hildegard E. Peplau
1960
1967
1970
1970
1971
1971
1974
1978
1989

Ênfase Principal
O processo interpessoal - maturação
para a personalidade
Faye Abdellah
Os problemas do paciente determinam o
cuidado
Myra E. Levine
O holismo - conservação da integridade
Martha Rogers
Pessoas e ambiente são campos de
energia que evoluem
Wanda de A. Horta
Necessidades humanas básicas
Dorothea E. Orem
O autocuidado mantém a integridade
Imogene M. King
Alcance dos objetivos
Irmã Callista Roy
Estímulos rompem um sistema adaptativo
Madeleine M. Leininger Cuidado transcultural
P. Benner & J. Wrubel

Cuidado essencial - ajuda mútua
Investigação

Diagnóstico

Processo

Avaliação

Planejamento

Implementação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemfnanda
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemRafael Lima
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxMirnaKathary1
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 

Destaque

Resumo teorias de enfermagem
Resumo   teorias de enfermagemResumo   teorias de enfermagem
Resumo teorias de enfermagemFelipe Justem
 
A importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagemA importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagemgrazy luz
 
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Camila Ferreira
 
Dorothea orem
Dorothea oremDorothea orem
Dorothea oremrutbert
 
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Artur Rodrigues Cunha
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importânciaCélia Costa
 
Dorothea Orem
Dorothea OremDorothea Orem
Dorothea OremVPVF
 

Destaque (15)

TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Resumo teorias de enfermagem
Resumo   teorias de enfermagemResumo   teorias de enfermagem
Resumo teorias de enfermagem
 
Teoria do autocuidado orem
Teoria do autocuidado  oremTeoria do autocuidado  orem
Teoria do autocuidado orem
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
A importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagemA importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagem
 
Protocolo de enfermagem
Protocolo de enfermagemProtocolo de enfermagem
Protocolo de enfermagem
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
 
Enfermagem
EnfermagemEnfermagem
Enfermagem
 
Dorothea orem
Dorothea oremDorothea orem
Dorothea orem
 
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Dorothea Orem
Dorothea OremDorothea Orem
Dorothea Orem
 
Dorothea Orem
Dorothea OremDorothea Orem
Dorothea Orem
 
Teorías de la enfermería
Teorías de la enfermeríaTeorías de la enfermería
Teorías de la enfermería
 

Semelhante a Teorias de Enfermagem e o Pensamento Crítico

Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - SlideTeorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slidekassyannymenedy
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxdouglas870578
 
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslow
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslowTeorias de enfermagem, pirâmide de maslow
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslowJamiliSilva3
 
As teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemAs teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemjakemarques
 
Administração em Enfermagem - aula 1.pdf
Administração em Enfermagem - aula 1.pdfAdministração em Enfermagem - aula 1.pdf
Administração em Enfermagem - aula 1.pdfvanessa270433
 
Sistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagemSistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagemSimone Lima
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliadapetsmufrn
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemAnhanguera Enfermagem A/B
 
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxSergioBSantos1
 
15629 53695-1-pb
15629 53695-1-pb15629 53695-1-pb
15629 53695-1-pbRikhardo Rk
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.pptCuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.pptGabrielaCordeiro26
 
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...Aroldo Gavioli
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalAssociação Viva e Deixe Viver
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...Eli Paula
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptxSocorro Carneiro
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaangelitamelo
 

Semelhante a Teorias de Enfermagem e o Pensamento Crítico (20)

Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - SlideTeorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
 
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslow
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslowTeorias de enfermagem, pirâmide de maslow
Teorias de enfermagem, pirâmide de maslow
 
As teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemAs teorias de enfermagem
As teorias de enfermagem
 
Administração em Enfermagem - aula 1.pdf
Administração em Enfermagem - aula 1.pdfAdministração em Enfermagem - aula 1.pdf
Administração em Enfermagem - aula 1.pdf
 
Sistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagemSistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagem
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
 
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptx
 
15629 53695-1-pb
15629 53695-1-pb15629 53695-1-pb
15629 53695-1-pb
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Bioética cuidados paliativos
Bioética   cuidados paliativosBioética   cuidados paliativos
Bioética cuidados paliativos
 
Fátima S. F. Gerolin
Fátima S. F. GerolinFátima S. F. Gerolin
Fátima S. F. Gerolin
 
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.pptCuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
 
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
 

Mais de Anhanguera Enfermagem A/B (9)

Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)
 
Cicatrização e reparo 2
Cicatrização e reparo 2Cicatrização e reparo 2
Cicatrização e reparo 2
 
Adaptações celulares
Adaptações celularesAdaptações celulares
Adaptações celulares
 
Patologia 4
Patologia 4Patologia 4
Patologia 4
 
Patologia aula 2
Patologia aula 2Patologia aula 2
Patologia aula 2
 
Hemorragia med7002 2004_2
Hemorragia med7002 2004_2Hemorragia med7002 2004_2
Hemorragia med7002 2004_2
 
Inflama o aguda
Inflama  o  agudaInflama  o  aguda
Inflama o aguda
 
Patologia3
Patologia3Patologia3
Patologia3
 
Patologia aula 1
Patologia aula 1Patologia aula 1
Patologia aula 1
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Teorias de Enfermagem e o Pensamento Crítico

  • 2. Pensamento Crítico na enfermagem • Porquê…  • Porque o pensamento crítico é um modo de pensar, sobre qualquer tema, conteúdo ou problema... • Porque aquele que pensa criticamente tem um propósito claro e uma pergunta definida… • Porque se empenha em ser claro, exato, preciso e relevante. Procura profundidade com lógica e imparcialidade… • Porque aplica estas habilidades quando lê, escreve, estuda, na sala de aula, no estágio, na vida pessoal…
  • 3. • Porque pensar criticamente leva a refletir sobre temas, problemas em enfermagem. A prática reflexiva é frequentemente referida e usada por estudantes de enfermagem durante os cursos, contudo esta prática não é continuada quando terminam o curso (Rolfe,2005).
  • 4. Praticas de enfermagem • Idade antiga • Trabalho doméstico, valorizado; de manual, feminino e cunho pouco – Divisão social: – Escravos = cuidar; – Senhores = curar; • Cuidar X Curar – A tarefa do cuidado era tida como vergonhosa, domestica, subalterna;
  • 5. Praticas de enfermagem... • Idade Média – Diaconato: apostolado de Cristo – diáconos e diaconisas – visando a prática da caridade; • Cuidado = conforto físico e espiritual; • Exaltação do espirito de caridade e obediência; – Os cuidados administrados no lar – leigos ou religiosos;
  • 6. Pratica de enfermagem... • Século XX – Modelo técnico cientifico • Trabalho autônomo – cuidados em domicilio; • Organização das técnicas de enfermagem; – Primeiras expressões organizadas do saber de enfermagem – Modelo funcional = enfermeiro tarefeiro;
  • 7. Prática de enfermagem no Brasil... • Período de 1920 – 1950: – Caráter caritativo; • Economia cafeira – exportação – política de saneamento; – Fundação Rockfeler; – Manifesto Parsons; • Guerra do Paraguai – Ana Neri; – Primeira escola de enfermagem - 1923- escola do DNSP; • Foco até final da década de 30 voltado para a saúde pública; • 1949 – regulamentação do ensino de enfermagem – 66% - saúde pública e 32% - hospitais;
  • 8. • Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) por meio da Resolução 358/2009 –Tem preconizado que a assistência de enfermagem deve ser sistematizada implantando-se o processo de enfermagem(PE)
  • 9. SAE • É fundamental por contribuir para a melhoria da qualidade da assistência de enfermagem (Marques; Carvalho, 2005); • Promove caracterização do corpo de conhecimentos da profissão (Jesus, 2002); • Leva a desdobramentos positivos para o paciente e para equipe de enfermagem (Mendes; Bastos, 2003).
  • 10. • Concepção de que a enfermagem como ciência deve estar pautada em uma ampla estrutura teórica, aplicada à prática por meio do PE • Deve ser guiado Teoria de Enfermagem –Tornar mais operacionalizáveis os resultados da assistência
  • 11. Precisamos cada vez mais de conhecimentos a cerca de : 1. 2. 3. 4. 5. Teorias de enfermagem Processo de enfermagem Semiologia Fisiologia Patologia + habilidades necessárias para gerenciarem as unidades
  • 12. • As tentativas de organizar o conhecimento na enfermagem datam da década de 1950 avanço considerável na construção e na organização dos modelos teóricos da enfermagem • A partir dos estudos de Horta (1979) no final da década de 1960 que a atenção dos enfermeiros brasileiros começou a ser direcionada para a SAE. • Enfatizou-se o planejamento da assistência na tentativa de tornar autônoma a profissão e de caracterizá-la como ciência, por meio da implantação da SAE
  • 13. Conhecimentos Próprios???? • Florence Nightingale – Enfermagem requeria conhecimentos distintos daqueles da medicina. • “Definiu premissas em que a profissão deveria basear-se, estabelecendo um conhecimento de enfermagem direcionado às pessoas, às condições em que elas viviam e em como o ambiente poderia atuar, positivamente ou não, sobre a saúde delas. (Nightingale, 1989)” • Profissão embasada em reflexões e questionamentos; – Edificada sob um arcabouço de conhecimentos científicos diferentes do modelo biomédico; • .... Mesmo assim a enfermagem acabou por assumir uma orientação dirigida pelo imediatismo, baseando-se em práticas, de modo intuitivo e não sistematizado. Centrando ações mais na doença do que no paciente.
  • 14. Conhecimento Cientifico – – – – – – – Farmacologia Histologia; Biologia; Fisiologia; Microbiologia; Sociologia; Anatomia; • Prediziam o que FAZER E COMO FAZER, entretanto não havia uma REFLEXÃO SOBRE O PQ E QUANDO FAZER... – Guerras mundiais, movimentos feministas, desenvolvimento de ciências levou ao questionar do STATUS QUO da Prática de enfermagem;
  • 15. Teoria de enfermagem • Teoria: • “Um conjunto de conceitos, definições, e propostas interrelacionadas, que apresentam uma visão sistemática dos fenômenos, especificando relações entre variáveis, COM O PROPÓSITO DE EXPLICAR E PREVER OS FENÔMENOS”. • TODA CIÊNCIA... – Apresenta conhecimentos específicos, próprios e organizados. • Enfermagem é uma ciência = TEORIAS DE ENFERMAGEM
  • 16. TEORIAS DE ENFERMAGEM • Surgimento das Teorias – A partir de 1950: necessidade de um conhecimento específico na Enfermagem; – As teorias foram fundamentadas na prática profissional, através de reflexões dessa prática; – As teorias surgiram com a finalidade de descrever, explicar, prever ou prescrever o cuidado de enfermagem.
  • 17. O que se espera de toda enfermeira???? • • • • • • Cuidado de excelência... Ciência da enfermagem Ciências sociais Ciências físicas Politicas de saúde Ciências biomédicas
  • 18. Cuidado de Excelência... • Cuidado Individuais; – Atendendo as necessidades individuais e familiares nos problemas de saúde • Teorias = humanização e individualização do cuidado; – Ajuda a descrever; explicar; prever e/ou prescrever as medidas de cuidados de enfermagem; • Pericia de enfermagem – Conhecimento + experiência clínica – É necessário para interpretar as situações clinicas e fazer julgamentos
  • 19. Domínio de Enfermagem • Perspectiva de uma profissão; • Determina: – Conceitos centrais; – Valores; – Crenças; – Fenômenos de interesses; – Problemas centrais de uma disciplina • É o conhecimento da prática de enfermagem;
  • 20. Paradigmas da Enfermagem • São ideias que estabelecem a conexão entre as ciências; filosofia e teorias aceitas e aplicadas; – Sua função direcionar as atividades da profissão, incluindo: filosofia, teoria, experiência educacional e prática: • INDIVÍDUO – É o centro do cuidado que você fornece; – Individualizado e centrado nas necessidades do cliente; • Clientes individuais, famílias e comunidade; • SAÚDE – Representa diferentes significados para casa cliente; ambiente clínico e profissional da saúde; – Dinâmico; – Desafio é fornecer o melhor cuidado possível de acordo com o nível de saúde do cliente;
  • 21. Paradigmas de Enfermagem • AMBIENTE/SITUAÇÃO – Condições possíveis que afetam as necessidades do cuidado – Interação continua entre cliente e o ambiente – Fatores presentes no lar, na escola, no local de trabalho e comunidade; • ENFERMAGEM – É o diagnóstico, tratamento das respostas humanos aos problemas de saúde;
  • 22. Teoria • Objetiva explicar um fenômeno; – Ex.: autocuidado ou cuidar; • É o modo de ver através de “um conjunto de conceitos relativamente concretos, específicos e as proposições que descrevem ou estabelecem conexões com os conceitos; • As teorias de enfermagem são contextualizações de aspectos da enfermagem com objetivos de descrever; explicar; prever e/ou prescrever cuidados de enfermagem; – Faz previsões de intervenções para promover o autocuidado do cliente no manejo de uma doença; – Teoria = pesquisa
  • 23. Teorias de Enfermagem • Auxilia a equipe de enfermagem a idealizar as intervenções; • ex.: pte com diabetes; – Promove a perspectivas de como encara uma situação; – Modo de organizar; – Método para analise e interpretação de estabilidade; – Um guia para o planejamento as intervenções de enfermagem individualizadas; • “a enfermagem é uma profissão aprendida, uma ciência e uma arte.”
  • 24. Componentes da Teoria • É composta de conceitos, definições e pressupostos ou preposições para explicar; – Fenômeno • É uma aspecto da realidade que pessoas sentem ou experimentam conscientemente; – Ex.: cuidar; autocuidado; – Conceitos • Ideias inter-relacionadas, simples ou complexas que buscam relacionar objeto ou um evento com experiências individuais; • Auxilia na descrição dos fenômenos e na rotulação;
  • 25. Componentes da Teoria • Definições: – Comunicam os significados gerais dos conceitos; – Descrevem atividades necessárias para medir os conceitos, relacionamentos ou variáveis dentro da teoria; • Pressupostos: – São afirmações que explicam a natureza dos conceitos, definições, propósitos, relação e estruturas de uma teoria; – “que se pressupõem
  • 26. Segundo Hickman (2000) as teorias são classificadas em quatro níveis de acordo com sua finalidade • Nível I- Isolamento de fatores : – Ex Enfermeiro descreve aparecimento de hiperemia na região sacral do paciente • Nível II – Relacionamento de fatores: – Ex. Enfermeiro associa a hiperemia aos fatos de o paciente estar acamado, ser obeso e estar fazendo uso de fármacos vasoativos. • Nível III – Relacionamento de situações (preditivas) – Ex. Enfermeiro prevê que é necessária uma intervenção rápida para que haja a regressão dessa hiperemia; caso contrário a evolução será prejudicial ao paciente. • Nível IV – Produtora de situações (prescritiva). – Ex. O Enfermeiro atua prescrevendo ações para a minimizar a evolução dessa lesão, entre elas mudança de decúbito, uso de colchão especial, hidratação da pele...
  • 27. Teorias de enfermagem Teoria Ambiental: F. Nightingale (1820/1910) Teoria das Necessidades Básicas: Virginia Henderson (1897) Teoria do Autocuidado: Dorothea Orem (1914) Teoria da Adaptação: Sister Calista Roy (1939) Teoria das Relações Interpessoais em Enfermagem: Hildegard Peplau (1952) Teoria Holística: Myra E. Levine (1967) Teoria do Modelo Conceitual do Homem: Martha Rogers (1970) Teoria das Necessidades Humanas Básicas: Wanda Horta (1970) Teoria Alcance dos Objetivos: Imogenes King (1971)
  • 28.
  • 29.
  • 30. Teoria Ambientalista • Representou o modelo inicial para enfermagem; – Seu conceito de ambiente foi o foco dos cuidados de enfermagem; – A enfermagem deveria saber tudo sobre patologias. • Tentou diferenciar enfermagem e medicina; • Acreditava que a enfermagem não estava limitadas a administração de medicamentos e sim orientada a fornecer: AR FRESCO, LUZ, AQUECIMENTO, HIGIENE, QUIETUDE, NUTRIÇÃO ADEQUADA; – Sua teoria se baseada na coleta de dado através da observação; • Condições de saúde = fatores ambientais; – Teoria descritiva = uma maneira de pensar sobre o ambiente do cliente e o nosso – Processo de enfermagem = observação vital • Objetivo: aumentar a saúde e o conforto e salvar vidas.
  • 31. Teoria ambiental Foco principal da Teoria: Ambiente Homem: Indivíduo cujas defesas naturais são influenciadas por um ambiente saudável ou não Saúde: Processo reparador Ambiente: Condições externas capazes de prevenir doenças, suprimi-las ou contribuir para elas Enfermagem: Modificar os aspectos não-saudáveis do ambiente a fim de colocar o paciente na melhor condição para ação da natureza
  • 32. Wanda de Aguiar Horta • Na segunda metade dos anos 1960; – Primeira enfermeira brasileira a abordar teoria em campo profissional • Embasou-se na teoria da motivação humana de Abarham Maslow e na teoria de João Mohana para elaborar a Teoria da Necessidade Humanas Básicas (NHB) – Surge no Brasil uma nova visão da Enfermagem (Horta, 1979) Leopardi (1990) afirma que as teorias são tão importantes para a assistência profissional quanto: 1. 2. 3. Técnica Comunicação Interação • Guia do contexto assistencial
  • 33. Teoria das Necessidades Humanas Básicas • “Enfermagem é a arte de assistir o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas, de torná-lo independente desta assistência através da educação; de recuperar, manter e promover sua saúde, contando para isso a participação de outros grupos profissionais.”
  • 34. • O ser humano tem necessidades básicas que precisam ser atendidas para o seu completo bem-estar: Fisiológicas, segurança, sociais, auto-estima, auto-realização. • A Enfermagem assiste o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas, utilizando dos conhecimentos e princípios científicos das ciências físico-químicas, biológicas e psicossociais
  • 35. Teoria das Necessidades Básicas Foco: Necessidades Básicas Homem: Indivíduos com necessidades humanas com significado e valor singular a cada pessoa Saúde: Capacidade para satisfazer as necessidades humanas (Físicas, Psicológicas e Sociais) Ambiente: Cenário em que o indivíduo aprende padrões singulares de vida Enfermagem: Assistência temporária a um indivíduo que possua dificuldades para satisfazer uma ou mais necessidades básicas
  • 36. Processo de Enfermagem • Metodologia – Método: ordem que se deve impor aos diferentes processos; – Metodologia : estudo dos métodos; – Processo: série de ações sistematizadas e progressivas visando a determinado fim; • Processo de Enfermagem: ações sistematizadas e seqüenciais que visam o cuidado enfermagem ao indivíduo, família e comunidade.
  • 37. Processo de Enfermagem • Provê um guia sistematizado para o desenvolvimento de um estilo de pensamento que direciona julgamentos clínicos apropriados (Kenney,1995).
  • 38.
  • 39. Processo de Enfermagem Sistematização da Assistência = Sistema de Assistência de Enfermagem = Processo de Cuidar = Metodologia da Assistência de Enfermagem
  • 40. O QUE É SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM? Resolução COFEN nº 272/2002 “Atividade privativa do Enfermeiro, utiliza método e estratégia de trabalho científico para a identificação das atividades de saúde/doença, subsidiando ações de assistência de Enfermagem que possam contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do indivíduo, família e comunidade”
  • 41. Sistematização da Assistência de Enfermagem • É a organização e aplicação de um método de trabalho para assistir o indivíduo, a família e a comunidade; • Uma série de passos (histórico de enfermagem, exame físico, diagnóstico de enfermagem, prescrição da assistência de enfermagem, evolução da assistência de enfermagem, relatório de enfermagem); • É a essência da prática de enfermagem
  • 42. Relação Teoria x Processo Teoria geração do conhecimento de enfermagem para uso na sua prática Processo de Enfermagem é o método para implementação da Teoria ou conhecimento
  • 43. Teorias • Conjunto de conceitos que proporcionam visão de um fato ou acontecimento; • É a criação que organiza nossa percepção do mundo; É uma estrutura (conjunto) organizada de conceitos inventada com um propósito. Explicam, descrevem e predizem os fatos do mundo empírico; Fundamentada em princípio, crenças, valores e normas tradicionalmente aceitas.
  • 44. Teorias de Enfermagem • Indicam um caminho de como ver os fatos ou eventos e assim direcionar o planejamento e determinar as intervenções de enfermagem;
  • 45. Cronologia dos Modelos Teóricos em Enfermagem Ano Teorista 1952 Hildegard E. Peplau 1960 1967 1970 1970 1971 1971 1974 1978 1989 Ênfase Principal O processo interpessoal - maturação para a personalidade Faye Abdellah Os problemas do paciente determinam o cuidado Myra E. Levine O holismo - conservação da integridade Martha Rogers Pessoas e ambiente são campos de energia que evoluem Wanda de A. Horta Necessidades humanas básicas Dorothea E. Orem O autocuidado mantém a integridade Imogene M. King Alcance dos objetivos Irmã Callista Roy Estímulos rompem um sistema adaptativo Madeleine M. Leininger Cuidado transcultural P. Benner & J. Wrubel Cuidado essencial - ajuda mútua