SlideShare uma empresa Scribd logo
TÓPICO
Sônia Godoy Bueno Carvalho Lopes
Fanly Fungyi Chow Ho
NOÇÕES BÁSICAS DE
SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA 4
Licenciatura em Ciências · USP/ Univesp
4.1 Introdução
4.2 Escolas de classificação baseadas em princípios evolutivos	
4.3 O método filogenético Interpretando uma árvore filogenética	
4.4 Tipos de dados utilizados em inferência filogenética
4.5 Utilização da metodologia e principais limitações
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 55
Noções básicas de sistemática filogenética 4
4.1 Introdução
Como estudamos nos tópicos anteriores, todos os organismos vivos e fósseis descendem de
um único ancestral comum.Todos evoluíram através de um processo de descendência com
modificação, dando origem às milhares de formas hoje existentes.
NoTópico 1 foi apresentado como a humanidade historicamente tentou organizar e classificar
esta incrível diversidade de animais, plantas, fungos e micro-organismos. Neste tópico, discutiremos
como se deu o desenvolvimento das técnicas modernas de reconstrução filogenética, sua utilização
para classificação e quais os principais fundamentos teóricos e metodológicos para sua prática.
Objetivos
Espera-se que o aluno compreenda:
•	 o que é sistemática filogenética: origens, principais metodologias e fundamentos
teóricos, usos e limitações deste paradigma.
4.2 Escolas de classificação baseadas em
princípios evolutivos
Há duas escolas principais que se pautam no princípio evolutivo central de descendência
com modificação: a evolutiva e a filogenética ou cladística.
Ambas partem de um aspecto simples, porém fundamental: organismos com relação de
parentesco próxima são mais semelhantes que organismos com relação de parentesco relativa-
mente mais distante.Isto porque parentes próximos tendem a herdar características que estavam
presentes em um ancestral em comum.É fácil notar como irmãos parecem mais entre si do que
quando comparados com outros parentes mais distantes ou outras pessoas.
Essas escolas divergem, no entanto, no modo como interpretam as relações de parentesco.
Na escola evolutiva, foi partindo desta simples observação que foram desenvolvidas clas-
sificações buscando simplesmente agrupar organismos semelhantes que reflitam o maior
ou menor grau de parentesco. Para tal, os pesquisadores procuraram observar caracteres
que pudessem de alguma forma auxiliar na identificação dos seres mais aparentados, ob-
servando peculiaridades ou traços discretos nos organismos como, por exemplo, estruturas,
56
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
morfologia, citologia, embriologia, etc. É importante notar dois aspectos principais neste
tipo de escola de classificação evolutiva. O primeiro é que as decisões sobre quais caracteres
são importantes ou não é feita sem nenhum método objetivo e replicável (aspecto este fun-
damental em qualquer disciplina científica), e o segundo é que ela não permite a utilização
de muitos caracteres simultaneamente.
O fato da escolha da importância dos caracteres ser relativamente arbitrária, dependendo
do pesquisador ou dela ser mais evidente e fácil de analisar, tornou-se subsequentemente uma
questão central na biologia, pois eles não necessariamente poderiam refletir as proximidades de
parentesco.Todos os caracteres têm a mesma importância? Se não, quais caracteres devem ser
utilizados em sistemas de classificação?
Estas questões só começaram a ser resolvidas com o desenvolvimento, do conceito de
homologia. O curador do Museu de História Natural de Londres, Richard Owen, foi um
dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento desse conceito.Ele argumentava que existiam
tantas semelhanças entre os membros anteriores de diferentes animais vertebrados como a
nadadeira de uma foca e a mão de um ser humano, que as estruturas deveriam ser derivadas
de uma única estrutura presente no ancestral comum de todos aqueles animais. Este conceito
entrelaça de maneira elegante e definitiva as observações provenientes da anatomia compa-
rada com o pensamento evolutivo que começava a se desenvolver ao final do século 19. Este
grande desenvolvimento intelectual resolve a primeira das questões: quais caracteres devem
ser utilizados ao fazer reconstruções evolutivas? Os caracteres homólogos, por refletirem
ancestralidade comum e, portanto, herdabilidade de caracteres, são os melhores candidatos
para a reconstrução evolutiva.
No entanto, ainda resta um problema de ordem prática. Como determinar quais caracteres
são homólogos? Que método deve ser utilizado para que possamos, de maneira objetiva e
replicável, diferenciar os caracteres homólogos?
Por muito tempo, não existiam métodos analíticos para determinar a validade dos caracteres
homólogos e eram consideradas racionalizações discursivas, ou seja, autoridades no assunto
estudavam os diversos caracteres a fim de determinar a partir de sua opinião quais deveriam
ser utilizados para reconstrução evolutiva e/ou classificação. No entanto, nas décadas de 1950
e 1960, o entomólogo alemão Willi Hennig propôs uma teoria capaz de lidar com todos
os caracteres gerados pelos morfologistas de uma vez só, e ainda determinar através de um
meio analítico quais seriam homólogos. Sua abordagem, hoje conhecida como cladística
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 57
Noções básicas de sistemática filogenética 4
ou sistemática filogenética, revolucionou o campo da sistemática. Atualmente, a técnica é
utilizada não somente para reconstruções históricas de parentesco entre os organismos, mas
também como ferramenta preditiva em estudos epidemiológicos (maiores detalhes sobre isso
será tratado ao final do tópico).
Na sistemática filogenética, entende-se que um caráter, eventualmente, poderá ser modifi-
cado na descendência, passando a se apresentar com variações, que serão subsequentemente,
herdadas nas próximas gerações. Desta maneira, o caráter está presente no ancestral exclusivo
de todos os herdeiros, e também em todos os herdeiros, mas nestes com uma modificação ou
variação. Essa nova variação ou novo estado do caráter é considerado uma condição derivada,
ou seja, surgiu a partir da modificação no estado do caráter previamente presente na linhagem
ancestral.A condição derivada tem o potencial de servir como determinante para definir um
novo grupo e é chamada apomorfia (do grego apó = longe de;morphě = forma) no paradigma
moderno. Uma apomorfia pode ser exclusiva de apenas um grupo, sendo chamada nesse caso
de autapomorfia (do grego autos = (eu) mesmo;morphě = forma),ou compartilhada por dois
ou mais grupos,chamada sinapomorfia (do grego sýnapsis = ação de juntar;morphě = forma).
Há, no entanto, casos em que o caráter é herdado sem modificação, falando-se em estado
plesiomórfico (do grego plesios = vizinho,significando próximo; morphé = forma) e não serve
para definir um novo grupo. Quando esse estado plesiomórfico é compartilhado por mais de
um agrupamento é chamado simplesiomórfico.
As analogias, ou seja, caracteres semelhantes que surgem em linhagens não aparentadas,
devem ser discriminadas nas análises filogenéticas,pois elas podem gerar interpretações errôneas
sobre relações de parentesco entre grupos de organismos. Esses caracteres análogos devem ser
identificados para evitar que equivocadamente sejam usados para unir grupos não relacionados.
Caracteres análogos são interpretados na filogenética como um tipo de homoplasia (do grego
homós = semelhante, igual; plásis = ação de modelar, dar feição): semelhança estrutural decor-
rente de paralelismo ou convergência evolutiva, e não de ancestralidade comum.
Agora é com você:
Realizar atividade online 1
58
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
Outro tipo de homoplasia que deve ser identificado nas análises filogenéticas é a perda,
condição bastante comum na evolução.Vários caracteres são perdidos na evolução e precisamos
saber se a ausência de um caráter na linhagem em estudo se deve a uma perda evolutiva (ou
seja, o caráter estava presente no ancestral e foi perdido) ou se realmente aquele caráter nunca
esteve presente na linhagem ancestral.
A diferenciação de todos esses tipos de condições é feita na sistemática filogenética com base
em uma metodologia própria.
4.3 O método filogenético
Na sistemática filogenética, os caracteres de interesse são os apomórficos: derivados de
um estado ancestral.
A questão restante, no entanto, é como diagnosticar quais caracteres são apomórficos. É
importante que exista um método objetivo e replicável para a determinação destes caracteres,
pois estas são necessidades em estudos científicos.
A abordagem de Willi Hennig se diferenciava de outras contemporâneas, pois buscava rea-
lizar a inferência histórica de maneira puramente lógica e científica.As principais linhas-guia
de seu método são:
1.	 As relações entre espécies são estritamente genealógicas, ou seja, verticais;
2.	 As apomorfias são o único tipo de evidência que identifica; ancestralidade em
comum e são elas que definem novos agrupamentos;
3.	 A máxima conformidade com a evidência deve ser determinada utilizando-se o prin-
cípio auxiliar da parcimônia.
Dentre os três princípios gerais, apenas os dois primeiros são baseados no conhecimento
biológico. O terceiro princípio é evocado da disciplina da filosofia lógica para ajudar a
resolver questões em que a evidência em mãos aponta várias possibilidades de resposta. O
princípio da parcimônia, também conhecido como “a navalha de Occam”, é enunciado
da seguinte maneira: “Se em tudo o mais forem idênticas as explicações, a mais simples
é a melhor”. Em termos filogenéticos, a explicação mais simples de relação filogenética
entre os organismos é aquela que assume o menor número de passos evolutivos, ou seja,
o menor número de mudanças de estado dos caracteres. Desta maneira, os cientistas se
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 59
Noções básicas de sistemática filogenética 4
utilizam de métodos especiais para calcular qual árvore possui o menor número de passos.
Estes métodos são em geral executados por programas de computador, mas em alguns casos,
pode-se executar até mesmo de maneira manual.
Interpretando uma árvore filogenética
As árvores filogenéticas são representadas seguindo-se uma série de convenções. Observe na
Figura 4.1 uma árvore generalizada.
Os terminais (A, B, C, D) representam as enti-
dades de estudo. A entidade de estudo pode ser um
indivíduo, populações ou até mesmo espécies intei-
ras em um único terminal. As linhas que saem dos
terminais representam os ramos. Os ramos podem
conectar um terminal à outro por um nó (como D a
C pelo nó x), ou um nó à outro mais abaixo (como x
a y para os terminais B, C e D).
Os nós representam ancestrais hipotéticos. No exemplo, o nó x representa o ancestral hipo-
tético de C e D. O nó y representa o ancestral hipotético da linhagem representada por C + D
e da linhagem representada por B.
É muito importante frisar que os nós são sempre hipotéticos, e não representam fósseis.
Um fóssil, quando encontrado, é um elemento conhecido na análise. Será representado por um
terminal na convenção de estudos filogenéticos (note que C possui uma adaga, representando
que é um indivíduo ou linhagem fóssil).
O último nó (z) designa a inserção da raiz, que é uma representação hipotética da mais
antiga linhagem do grupo.
O termo técnico utilizado para denominar todo tipo de árvore filogenética é dendrograma.
Um elemento, nem sempre representado, porém sempre implícito, é a direção do tempo. Em
todo tipo de representação em forma de árvore filogenética, a ordem de ramificação repre-
senta o momento de isolamento das linhagens, umas em relação às outras.
Agora é com você:
Realizar atividade online 2
Figura 4.1: Representação de uma árvore filogenética do
tipo cladograma, com as convenções indicadas / Fonte: Cepa
60
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
Na raiz está representado o evento evolutivo mais antigo, e os terminais representam
eventos recentes.
Em dendogramas do tipo cladograma,os comprimentos relativos dos ramos não represen-
tam unidades de tempo (veja as representações A, B e C na Figura 4.2).
As representações A, B e C nos dizem a mesma coisa em questão de relação entre os termi-
nais. No caso da representação B, no entanto, os ramos estão mais quadrados (uma modificação
puramente estética do que está em A),e na C,a única diferença é que os ramos foram alongados
para alinhar os terminais no topo (novamente, uma modificação estética de A e B), o que pode
ser feito já que os comprimentos relativos não possuem significado temporal.
Analise agora outro tipo de representação:
Figura 4.2: Representações de cladogramas
Figura 4.3: Representação
de um filograma
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 61
Noções básicas de sistemática filogenética 4
Na representação acima, há uma escala de tempo indicada por um pequeno traço ao lado
da imagem. No caso, o comprimento do traço equivale a 0,2 milhão de anos. Sendo assim,
cada ramo tem um comprimento diferente, pois leva em consideração o tempo, ou seja, cada
ramo representa a quantidade de modificação evolutiva que ocorreu desde que as linhagens se
separaram no nó.Este tipo de árvore filogenética é conhecido como filograma.Outra maneira
de reconhecer este tipo de árvore é que, em geral, diferentes ramos têm diferentes tamanhos,
enquanto o cladograma é sempre mais simétrico.
Todas as árvores filogenéticas podem ser de dois tipos: enraizadas ou não-enraizadas. As
mostradas anteriormente são todas enraizadas, pois possuem uma raiz, uma origem.
Árvores não enraizadas são muito comuns em análises baseadas somente em dados molecu-
lares,mas são usadas em outros casos também.Veja um exemplo desse tipo de árvore e note que
nela não há uma raíz: todos os ramos partem de um ponto central.
Figura 4.4: Exemplo de árvore não enraizada
62
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
Na construção de árvores enraizadas, deve-se definir o posicionamento da raiz com base
na determinação de pelo menos um grupo externo, ou seja, de pelo menos uma linhagem
que não faça parte das linhagens de interesse, chamadas grupos internos.A escolha do grupo
externo não é simples. Em geral é um grupo aparentado dos grupos internos de interesse, mas
que surgiu antes na história evolutiva. Assim, conseguimos definir homologias e comparar os
estados de cada caráter para definir as apomorfias.
As apomorfias,principalmente em estudos morfológicos,podem estar indicadas em uma árvore.
Veja no exemplo abaixo que o grupo C+D é unificado pela apomorfia 1, o grupo B+C+D
é unificado pela apomorfia 2 e assim por diante.
Os grupos unificados por apomorfias são denominados monofiléticos (do grego monos = único;
filético = refere-se à linhagem),pois contêm em uma única linhagem um ancestral e inclui todos os seus
descendentes.Desta maneira,C+D compõem um grupo monofilético definido pela apomorfia 1.Do
mesmo modo,B + o ramos que inclui (C+D) é monofilético,definindo pela apomorfia 2.
No entanto,agrupamentos que excluem uma das linhagens descendentes,são chamados parafi-
léticos (do grego para = ao lado de; filético = refere-se à linhagem).Por exemplo,se considerarmos
apenas as linhagens B+C,elas são parafiléticas,pois excluímos a linhagem D.Se o grupo excluir mais
Agora é com você:
Realizar atividade online 3
Figura 4.5: Cladograma com as
apomorfias indicadas
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 63
Noções básicas de sistemática filogenética 4
de uma das linhagens descendentes,como por exemplo,o grupamentoA+C exclui tanto B quanto
D,é denominado polifilético (do grego polýs = muito;filético = refere-se à linhagem).
No paradigma estabelecido porWilli Hennig,somente os grupos monofiléticos devem ser
considerados naturais.
Grupos que compartilham o mesmo nó exclusivo são chamados grupos-irmãos.Assim, C e
D são grupos irmãos, pois compartilham exclusivamente um nó. Por sua vez, B é grupo irmão
do conjunto formado pelos grupos (B+C), pois também compartilham um nó exclusivo.
4.4 Tipos de dados utilizados
em inferência filogenética
Tradicionalmente, dados provenientes de estudos morfológicos e anatômicos são utilizados
para a reconstrução filogenética.Tipicamente, cientistas observam uma grande quantidade de
espécimes representando diferentes linhagens (linhagens podem ser espécies ou populações).
Em cada espécime, são observados vários caracteres morfológicos e anatômicos, e estes são
registrados em uma grande tabela chamada matriz de caracteres. A matriz de caracteres é
então analisada de modo a tentar definir os estados derivados de cada caráter (apomorfias) e
transpor isso com parcimônia para um cladograma. Esta análise é feita por um algoritmo que
tenta reconciliar as mudanças de estado observadas na matriz com uma árvore filogenética que
explique tais mudanças da maneira mais simples possível.
Agora é com você:
Realizar atividade online 4
Um algoritmo é uma série de instruções dada à um computador ou a um ser
humano de maneira que permita resolver problemas de um certo tipo. Pode-se
fazer uma analogia com uma receita de bolo: o problema é fazer o bolo, o meio
de resolvê-lo é seguindo a receita.Algoritmos são, então, protocolos seguidos
passo-a-passo, em geral por um computador, para completar o problema em
questão, no caso, encontrar a árvore filogenética mais simples.
64
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
Atualmente,os cientistas analisam também caracteres moleculares,ou seja,sequências de genes.
Os dados moleculares possuem um poder comparativo muito abrangente, pois todos os
organismos vivos compartilham da mesma organização do material genético. Neste caso, cada
sítio observado em uma dada sequência é considerado um caráter.
Sequências genéticas (nucleotídeos e aminoácidos) de diferentes organismos devem primeira-
mente ser alinhadas utilizando programas (software) específicos.Após o alinhamento,e tratando cada
sítio como um caráter homólogo, utilizam-se algoritmos de reconstrução filogenética de maneira
bastante semelhante aos utilizados em reconstruções filogenéticas baseadas em dados morfológicos.
Com o advento de métodos de sequenciamento cada vez mais baratos, hoje em dia existe
enorme quantidade de organismos com seus genomas completamente sequenciados (Tabela 4.1).
Os filogeneticistas atualmente conseguem alinhar genomas inteiros em busca de sítios homólogos,
em um novo tipo de estudo chamado filogenômico, ou seja,combinando técnicas da filogenética
com a área da genômica.Estudos filogenômicos analisam milhões de sítios,para centenas de espécies
e levam meses para ser completados,mesmo utilizando os mais avançados computadores.
Outro tipo muito comum de árvore filogenética que se desenvolve hoje em dia são as
baseadas em evidência total, ou seja, combinando dados moleculares e morfológicos em uma
mesma reconstrução. Este tipo de reconstrução é o mais interessante do ponto de vista teórico,
no entanto, apresenta grande desafio computacional.
Grupo Completos Em andamento
Eucariontes 37 1170
Archaea 119 90
Bacteria 1673 5140
Total 1829 6400
Tabela 4.1: Síntese dos projetos de sequenciamento de genoma, organizados por domínio da vida /
Fonte: NCBI (Centro Nacional de Informação Tecnológica, do inglês National Center for Biotechnology Information).
Reconstruções filogenéticas em si representam um dos problemas mais difíceis de serem resol-
vidos por computadores,pois o número de árvores possíveis é literalmente astronômico.Verifique
na Tabela 4.2 como o número de árvores possíveis aumenta rapidamente conforme aumenta o
número de terminais. Para se ter uma idéia comparativa destes números, os astrônomos calculam
que o número total de corpos estelares (planetas, estrelas e asteróides) em todo o universo é por
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 65
Noções básicas de sistemática filogenética 4
volta 1024
objetos. Note na tabela que com cerca de 30 terminais já existe um número maior de
árvores possíveis.De maneira mais dramática ainda,os astrônomos calculam que existem cerca de
1080
átomos em todo o Universo. Com somente 50 terminais já existem mais possibilidades de
árvores enraizadas do que existem átomos no Universo. Hoje em dia, a maior parte das árvores
construídas tem centenas de terminais, e, algumas, até mesmo milhares.
Terminais
Árvores Possíveis
Não-enraizadas Enraizadas
3 1 3
4 3 15
5 15 105
6 105 945
7 945 10.395
8 10.395 135.135
9 135.135 2.027.025
10 2.027.025 34.495.425
15 7,91x1012
2,13x1014
20 2,22x1020
8,20x1021
30 8,69x1036
4,95x1038
50 2,84x1074
2,75x1076
80 2,18x10137
3,43x10139
Tabela 4.2: Quadro comparativo entre a quantidade possível de árvores diferentes (assumindo sempre árvores bifurcantes
completamente resolvidas) ao aumentar o número de terminais. À direita, alguns exemplos comparativos.
Os cientistas não esperam,no entanto,que os computadores construam cada uma das árvores
possíveis, para depois definir qual está correta. Na verdade, isso seria impossível – no mínimo,
levaria uma eternidade mesmo com os mais avançados dos computadores. O que se tem feito
para resolver esse problema é aplicar métodos computacionais especiais que exploram o espaço
virtual de possibilidades de maneira mais eficiente, de modo a se chegar a uma melhor solução
aproximada. Esses programas, portanto, ao invés de construir todas as árvores possíveis para
posteriormente decidir qual delas é a melhor, procuram encontrar padrões lógicos de maneira
heurística. É na busca de desenvolver estas estratégias de exploração que se concentra a maior
parte da pesquisa computacional no momento.
Pessoas vivendo em Londres 1810 (106
)
Células no corpo humano (1011
)
Corpos celestes no Universo (1024
)
Átomos no Universo (1080
)
66
VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp
4.5 Utilização da metodologia
e principais limitações
Os métodos desenvolvidos pela sistemática filogenética são muito poderosos, e hoje são
utilizados em diversas áreas do conhecimento, tanto áreas de ciência básica como de ciência
aplicada.As disciplinas da biologia molecular, genética, evolução, desenvolvimento, comporta-
mento, epidemiologia, ecologia, biologia da conservação e ciências forense são todas concei-
tualmente unificadas pela aplicação da metodologia da sistemática filogenética. Por exemplo,
alguns cientistas utilizam métodos baseados em sistemática filogenética para entender melhor
como a biodiversidade se desenvolve, aprimorando estimativas de números de espécies em
certas localidades e permitindo melhor conhecimento de causa ao criar legislação visando
conservação de espécies. Outro uso muito comum é na área de epidemiologia, para criação
de vacinas mais eficientes. Anualmente, a Organização Mundial da Saúde reformula a vacina
contra a gripe, pois o vírus tem alta taxa de mutação. Para determinar quais linhagens devem
ser utilizadas na fabricação de novas vacinas, são feitas análises filogenéticas que auxiliam no
processo de determinação de quais linhagens são mais comuns no ano em particular e,portanto,
devem ser mais representadas na mistura viral utilizada na vacina.
Ainda assim a sistemática filogenética possui algumas limitações.
Como já discutimos, a metodologia cladística assume que a herança dos caracteres (e genes)
ocorre de maneira vertical. Hoje em dia sabemos que isto não é necessariamente verdade
para uma série de genes, especialmente em bactérias, que realizam muita transferência lateral
Buscas heurísticas baseiam-se em aprendizado para encontrar uma solução.
Elas se contrapõem às buscas exaustivas, ou seja, que exploram todo o universo
possível para encontrar uma solução. Um bom exemplo de busca heurística
é o que chamamos de senso comum: ao se deparar com uma situação nova,
tendemos a nos apoiar em experiências prévias para decidir qual a melhor
reação. Como não temos como prever o futuro (o que seria equivalente à uma
busca exaustiva), tentamos imaginar que outras situações semelhantes passamos
para tomar uma decisão. Computadores utilizam uma estratégia semelhante ao
procurar árvores filogenéticas, quando se deparam com uma situação que só os
levou a construir árvores menos parcimoniosas. Eles podem mudar de direção e
explorar outra estratégia mais interessante.
Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 67
Noções básicas de sistemática filogenética 4
de genes. Eventos de hibridização (como por exemplo, a endossimbiose que deu origens às
mitocôndrias) também não podem ser computados utilizando-se métodos cladísticos. Estas
limitações tendem a ser incorporadas eventualmente, porém por enquanto, devem ser levadas
em conta ao realizar estudos filogenéticos.
Fechamento o assunto
A sistemática filogenética é uma disciplina que se desenvolveu da curiosidade humana
e, com o tempo, se tornou uma metodologia unificadora em toda a biologia.Atualmente,
alguns dos programas de computador mais potentes são desenvolvidos para resolver
problemas filogenéticos, e a metodologia já começa a ser usada em outras disciplinas. A
interpretação de árvores filogenéticas é um conceito básico para compreensão de teorias
biológicas contemporâneas, assim como um entendimento qualitativo sobre os métodos
utilizados para a reconstrução histórica.Apesar dos grandes avanços,a sistemática filogené-
tica (assim como toda metodologia científica) possui limitações, em especial em relação à
transferência lateral de genes, e deverá ser modificada nos próximos anos para incorporar
novas descobertas biológicas.A síntese evolutiva moderna, que divide a vida em três gran-
des domínios, não seria possível sem o desenvolvimento da sistemática filogenética em
conjunto com a biologia molecular.
Referências Bibliográficas
Felsenstein, J. (2003) Inferring phylogenies.
Graur, D. and Li W. H. (2000) Fundamentals of Molecular Evolution.
Hall, B. (2007) Phylogenetic trees made easy: a how-to manual.
Hennig,W, Dwight-Davis D, Zangerl R. (1999) Phylogenetic systematics.
Wiley, E. O., Lieberman B. S. (2011) Phylogenetics:Theory and Practice of
phylogenetic systematics.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2. Sistemática Biológica
2. Sistemática Biológica2. Sistemática Biológica
2. Sistemática Biológicametazoario
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos Mariana Cordeiro
 
2S- Classificação e nomenclatura fevereiro 2015
2S- Classificação e nomenclatura    fevereiro 20152S- Classificação e nomenclatura    fevereiro 2015
2S- Classificação e nomenclatura fevereiro 2015Ionara Urrutia Moura
 
Caminiculas e classificação
Caminiculas e classificaçãoCaminiculas e classificação
Caminiculas e classificaçãounesp
 
Filogenia molecular
Filogenia molecularFilogenia molecular
Filogenia molecularUERGS
 
Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Slides de Tudo
 
Sistemática e classificação dos seres vivos
Sistemática e classificação  dos seres vivosSistemática e classificação  dos seres vivos
Sistemática e classificação dos seres vivosIkaro Slipk
 
Sistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológicaSistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológicaCarlaensino
 
2S_Classificação e nomenclatura__fev_2013
2S_Classificação e nomenclatura__fev_20132S_Classificação e nomenclatura__fev_2013
2S_Classificação e nomenclatura__fev_2013Ionara Urrutia Moura
 
Caminaculida
CaminaculidaCaminaculida
Caminaculidaunesp
 
(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivosHugo Martins
 
A classificacao biologica
A classificacao biologicaA classificacao biologica
A classificacao biologicawhybells
 
A classificação biológica
A classificação biológicaA classificação biológica
A classificação biológicaFabio Costa
 

Mais procurados (20)

2. Sistemática Biológica
2. Sistemática Biológica2. Sistemática Biológica
2. Sistemática Biológica
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos
 
2S- Classificação e nomenclatura fevereiro 2015
2S- Classificação e nomenclatura    fevereiro 20152S- Classificação e nomenclatura    fevereiro 2015
2S- Classificação e nomenclatura fevereiro 2015
 
Caminiculas e classificação
Caminiculas e classificaçãoCaminiculas e classificação
Caminiculas e classificação
 
Cladística 2o.médio 2011
Cladística 2o.médio 2011Cladística 2o.médio 2011
Cladística 2o.médio 2011
 
Filogenia molecular
Filogenia molecularFilogenia molecular
Filogenia molecular
 
Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Evolução e sistemática
Evolução e sistemática
 
Sistemática e classificação dos seres vivos
Sistemática e classificação  dos seres vivosSistemática e classificação  dos seres vivos
Sistemática e classificação dos seres vivos
 
Sistemática
SistemáticaSistemática
Sistemática
 
Sistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológicaSistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológica
 
2S_Classificação e nomenclatura__fev_2013
2S_Classificação e nomenclatura__fev_20132S_Classificação e nomenclatura__fev_2013
2S_Classificação e nomenclatura__fev_2013
 
Caminaculida
CaminaculidaCaminaculida
Caminaculida
 
(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos
 
Resumo cn microsc docx
Resumo cn microsc docxResumo cn microsc docx
Resumo cn microsc docx
 
Analisando cladogramas
Analisando cladogramasAnalisando cladogramas
Analisando cladogramas
 
A classificacao biologica
A classificacao biologicaA classificacao biologica
A classificacao biologica
 
Reprodução2
Reprodução2Reprodução2
Reprodução2
 
A classificação biológica
A classificação biológicaA classificação biológica
A classificação biológica
 
Princípios de taxonomia
Princípios de taxonomiaPrincípios de taxonomia
Princípios de taxonomia
 
1 aula sobre reinos
1 aula sobre reinos1 aula sobre reinos
1 aula sobre reinos
 

Destaque

Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Helder da Rocha
 
Fósseis e História da Terra
Fósseis e História da TerraFósseis e História da Terra
Fósseis e História da TerraEduardo1
 
Répteis - A evolução dos Répteis
Répteis - A evolução dos Répteis Répteis - A evolução dos Répteis
Répteis - A evolução dos Répteis denizecardoso
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasSérgio Luiz
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseiscpfss
 
Fósseis
FósseisFósseis
FósseisCatir
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseisCatir
 
Aula citologia eja
Aula citologia ejaAula citologia eja
Aula citologia ejaFranciscaAto
 
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisHeitor de Oliveira Braga
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologiabradok157
 

Destaque (12)

Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fósseis e História da Terra
Fósseis e História da TerraFósseis e História da Terra
Fósseis e História da Terra
 
Répteis - A evolução dos Répteis
Répteis - A evolução dos Répteis Répteis - A evolução dos Répteis
Répteis - A evolução dos Répteis
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Aula citologia eja
Aula citologia ejaAula citologia eja
Aula citologia eja
 
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 

Semelhante a Bio filogenia top04

01 nomenclatura zoologica
01 nomenclatura zoologica01 nomenclatura zoologica
01 nomenclatura zoologicaDany Assis
 
(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivosHugo Martins
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De TeTic Upe
 
Mazzarolo apostila
Mazzarolo apostilaMazzarolo apostila
Mazzarolo apostilaedicléia
 
Umabordagemcontextualizada
UmabordagemcontextualizadaUmabordagemcontextualizada
UmabordagemcontextualizadaDanilo Melo
 
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdfSebbajr Junior
 
3 critérios de classificação 1
3   critérios de classificação 13   critérios de classificação 1
3 critérios de classificação 1Pelo Siro
 
Genética e cérebro
Genética e cérebroGenética e cérebro
Genética e cérebrosuperego
 
Psicologia Evolucionista - Uma Introdução
Psicologia Evolucionista - Uma IntroduçãoPsicologia Evolucionista - Uma Introdução
Psicologia Evolucionista - Uma IntroduçãoDiego Fernandes Souza
 
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER Joyce Mourão
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -margaridabt
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -margaridabt
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -margaridabt
 

Semelhante a Bio filogenia top04 (20)

01 nomenclatura zoologica
01 nomenclatura zoologica01 nomenclatura zoologica
01 nomenclatura zoologica
 
(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos(5) sistemática dos seres vivos
(5) sistemática dos seres vivos
 
2.5. filosofia e ciência
2.5. filosofia e ciência2.5. filosofia e ciência
2.5. filosofia e ciência
 
2.5. filosofia e ciência
2.5. filosofia e ciência2.5. filosofia e ciência
2.5. filosofia e ciência
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te
 
Mazzarolo apostila
Mazzarolo apostilaMazzarolo apostila
Mazzarolo apostila
 
Sistemática vegetal
Sistemática  vegetal Sistemática  vegetal
Sistemática vegetal
 
Umabordagemcontextualizada
UmabordagemcontextualizadaUmabordagemcontextualizada
Umabordagemcontextualizada
 
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf
10520-Texto do Artigo-31831-1-10-20090522.pdf
 
Tema 4 sobre gerativismo
Tema 4 sobre gerativismoTema 4 sobre gerativismo
Tema 4 sobre gerativismo
 
3 critérios de classificação 1
3   critérios de classificação 13   critérios de classificação 1
3 critérios de classificação 1
 
Biblioteca 123
Biblioteca 123Biblioteca 123
Biblioteca 123
 
Fracasso escolar
Fracasso escolarFracasso escolar
Fracasso escolar
 
Genética e cérebro
Genética e cérebroGenética e cérebro
Genética e cérebro
 
Genética e cérebro
Genética e cérebroGenética e cérebro
Genética e cérebro
 
Psicologia Evolucionista - Uma Introdução
Psicologia Evolucionista - Uma IntroduçãoPsicologia Evolucionista - Uma Introdução
Psicologia Evolucionista - Uma Introdução
 
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER
A IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA: PESQUISAR PARA SABER
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -
 
12 sistemática -
12   sistemática -12   sistemática -
12 sistemática -
 

Mais de Daiane Costa

2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042
2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_0422014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042
2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042Daiane Costa
 
Tecido epitelial em
Tecido epitelial emTecido epitelial em
Tecido epitelial emDaiane Costa
 
55299001 seminario-genetica-medica
55299001 seminario-genetica-medica55299001 seminario-genetica-medica
55299001 seminario-genetica-medicaDaiane Costa
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficialDaiane Costa
 
Manual de normalizacao
Manual de normalizacaoManual de normalizacao
Manual de normalizacaoDaiane Costa
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporteDaiane Costa
 
Excelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteExcelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteDaiane Costa
 
Apostiladeembriologiaegenetica
ApostiladeembriologiaegeneticaApostiladeembriologiaegenetica
ApostiladeembriologiaegeneticaDaiane Costa
 

Mais de Daiane Costa (8)

2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042
2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_0422014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042
2014 egrad geo1-51_egrad_nger100_042
 
Tecido epitelial em
Tecido epitelial emTecido epitelial em
Tecido epitelial em
 
55299001 seminario-genetica-medica
55299001 seminario-genetica-medica55299001 seminario-genetica-medica
55299001 seminario-genetica-medica
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 
Manual de normalizacao
Manual de normalizacaoManual de normalizacao
Manual de normalizacao
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
 
Excelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteExcelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao cliente
 
Apostiladeembriologiaegenetica
ApostiladeembriologiaegeneticaApostiladeembriologiaegenetica
Apostiladeembriologiaegenetica
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

Bio filogenia top04

  • 1. TÓPICO Sônia Godoy Bueno Carvalho Lopes Fanly Fungyi Chow Ho NOÇÕES BÁSICAS DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA 4 Licenciatura em Ciências · USP/ Univesp 4.1 Introdução 4.2 Escolas de classificação baseadas em princípios evolutivos 4.3 O método filogenético Interpretando uma árvore filogenética 4.4 Tipos de dados utilizados em inferência filogenética 4.5 Utilização da metodologia e principais limitações
  • 2. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 55 Noções básicas de sistemática filogenética 4 4.1 Introdução Como estudamos nos tópicos anteriores, todos os organismos vivos e fósseis descendem de um único ancestral comum.Todos evoluíram através de um processo de descendência com modificação, dando origem às milhares de formas hoje existentes. NoTópico 1 foi apresentado como a humanidade historicamente tentou organizar e classificar esta incrível diversidade de animais, plantas, fungos e micro-organismos. Neste tópico, discutiremos como se deu o desenvolvimento das técnicas modernas de reconstrução filogenética, sua utilização para classificação e quais os principais fundamentos teóricos e metodológicos para sua prática. Objetivos Espera-se que o aluno compreenda: • o que é sistemática filogenética: origens, principais metodologias e fundamentos teóricos, usos e limitações deste paradigma. 4.2 Escolas de classificação baseadas em princípios evolutivos Há duas escolas principais que se pautam no princípio evolutivo central de descendência com modificação: a evolutiva e a filogenética ou cladística. Ambas partem de um aspecto simples, porém fundamental: organismos com relação de parentesco próxima são mais semelhantes que organismos com relação de parentesco relativa- mente mais distante.Isto porque parentes próximos tendem a herdar características que estavam presentes em um ancestral em comum.É fácil notar como irmãos parecem mais entre si do que quando comparados com outros parentes mais distantes ou outras pessoas. Essas escolas divergem, no entanto, no modo como interpretam as relações de parentesco. Na escola evolutiva, foi partindo desta simples observação que foram desenvolvidas clas- sificações buscando simplesmente agrupar organismos semelhantes que reflitam o maior ou menor grau de parentesco. Para tal, os pesquisadores procuraram observar caracteres que pudessem de alguma forma auxiliar na identificação dos seres mais aparentados, ob- servando peculiaridades ou traços discretos nos organismos como, por exemplo, estruturas,
  • 3. 56 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp morfologia, citologia, embriologia, etc. É importante notar dois aspectos principais neste tipo de escola de classificação evolutiva. O primeiro é que as decisões sobre quais caracteres são importantes ou não é feita sem nenhum método objetivo e replicável (aspecto este fun- damental em qualquer disciplina científica), e o segundo é que ela não permite a utilização de muitos caracteres simultaneamente. O fato da escolha da importância dos caracteres ser relativamente arbitrária, dependendo do pesquisador ou dela ser mais evidente e fácil de analisar, tornou-se subsequentemente uma questão central na biologia, pois eles não necessariamente poderiam refletir as proximidades de parentesco.Todos os caracteres têm a mesma importância? Se não, quais caracteres devem ser utilizados em sistemas de classificação? Estas questões só começaram a ser resolvidas com o desenvolvimento, do conceito de homologia. O curador do Museu de História Natural de Londres, Richard Owen, foi um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento desse conceito.Ele argumentava que existiam tantas semelhanças entre os membros anteriores de diferentes animais vertebrados como a nadadeira de uma foca e a mão de um ser humano, que as estruturas deveriam ser derivadas de uma única estrutura presente no ancestral comum de todos aqueles animais. Este conceito entrelaça de maneira elegante e definitiva as observações provenientes da anatomia compa- rada com o pensamento evolutivo que começava a se desenvolver ao final do século 19. Este grande desenvolvimento intelectual resolve a primeira das questões: quais caracteres devem ser utilizados ao fazer reconstruções evolutivas? Os caracteres homólogos, por refletirem ancestralidade comum e, portanto, herdabilidade de caracteres, são os melhores candidatos para a reconstrução evolutiva. No entanto, ainda resta um problema de ordem prática. Como determinar quais caracteres são homólogos? Que método deve ser utilizado para que possamos, de maneira objetiva e replicável, diferenciar os caracteres homólogos? Por muito tempo, não existiam métodos analíticos para determinar a validade dos caracteres homólogos e eram consideradas racionalizações discursivas, ou seja, autoridades no assunto estudavam os diversos caracteres a fim de determinar a partir de sua opinião quais deveriam ser utilizados para reconstrução evolutiva e/ou classificação. No entanto, nas décadas de 1950 e 1960, o entomólogo alemão Willi Hennig propôs uma teoria capaz de lidar com todos os caracteres gerados pelos morfologistas de uma vez só, e ainda determinar através de um meio analítico quais seriam homólogos. Sua abordagem, hoje conhecida como cladística
  • 4. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 57 Noções básicas de sistemática filogenética 4 ou sistemática filogenética, revolucionou o campo da sistemática. Atualmente, a técnica é utilizada não somente para reconstruções históricas de parentesco entre os organismos, mas também como ferramenta preditiva em estudos epidemiológicos (maiores detalhes sobre isso será tratado ao final do tópico). Na sistemática filogenética, entende-se que um caráter, eventualmente, poderá ser modifi- cado na descendência, passando a se apresentar com variações, que serão subsequentemente, herdadas nas próximas gerações. Desta maneira, o caráter está presente no ancestral exclusivo de todos os herdeiros, e também em todos os herdeiros, mas nestes com uma modificação ou variação. Essa nova variação ou novo estado do caráter é considerado uma condição derivada, ou seja, surgiu a partir da modificação no estado do caráter previamente presente na linhagem ancestral.A condição derivada tem o potencial de servir como determinante para definir um novo grupo e é chamada apomorfia (do grego apó = longe de;morphě = forma) no paradigma moderno. Uma apomorfia pode ser exclusiva de apenas um grupo, sendo chamada nesse caso de autapomorfia (do grego autos = (eu) mesmo;morphě = forma),ou compartilhada por dois ou mais grupos,chamada sinapomorfia (do grego sýnapsis = ação de juntar;morphě = forma). Há, no entanto, casos em que o caráter é herdado sem modificação, falando-se em estado plesiomórfico (do grego plesios = vizinho,significando próximo; morphé = forma) e não serve para definir um novo grupo. Quando esse estado plesiomórfico é compartilhado por mais de um agrupamento é chamado simplesiomórfico. As analogias, ou seja, caracteres semelhantes que surgem em linhagens não aparentadas, devem ser discriminadas nas análises filogenéticas,pois elas podem gerar interpretações errôneas sobre relações de parentesco entre grupos de organismos. Esses caracteres análogos devem ser identificados para evitar que equivocadamente sejam usados para unir grupos não relacionados. Caracteres análogos são interpretados na filogenética como um tipo de homoplasia (do grego homós = semelhante, igual; plásis = ação de modelar, dar feição): semelhança estrutural decor- rente de paralelismo ou convergência evolutiva, e não de ancestralidade comum. Agora é com você: Realizar atividade online 1
  • 5. 58 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp Outro tipo de homoplasia que deve ser identificado nas análises filogenéticas é a perda, condição bastante comum na evolução.Vários caracteres são perdidos na evolução e precisamos saber se a ausência de um caráter na linhagem em estudo se deve a uma perda evolutiva (ou seja, o caráter estava presente no ancestral e foi perdido) ou se realmente aquele caráter nunca esteve presente na linhagem ancestral. A diferenciação de todos esses tipos de condições é feita na sistemática filogenética com base em uma metodologia própria. 4.3 O método filogenético Na sistemática filogenética, os caracteres de interesse são os apomórficos: derivados de um estado ancestral. A questão restante, no entanto, é como diagnosticar quais caracteres são apomórficos. É importante que exista um método objetivo e replicável para a determinação destes caracteres, pois estas são necessidades em estudos científicos. A abordagem de Willi Hennig se diferenciava de outras contemporâneas, pois buscava rea- lizar a inferência histórica de maneira puramente lógica e científica.As principais linhas-guia de seu método são: 1. As relações entre espécies são estritamente genealógicas, ou seja, verticais; 2. As apomorfias são o único tipo de evidência que identifica; ancestralidade em comum e são elas que definem novos agrupamentos; 3. A máxima conformidade com a evidência deve ser determinada utilizando-se o prin- cípio auxiliar da parcimônia. Dentre os três princípios gerais, apenas os dois primeiros são baseados no conhecimento biológico. O terceiro princípio é evocado da disciplina da filosofia lógica para ajudar a resolver questões em que a evidência em mãos aponta várias possibilidades de resposta. O princípio da parcimônia, também conhecido como “a navalha de Occam”, é enunciado da seguinte maneira: “Se em tudo o mais forem idênticas as explicações, a mais simples é a melhor”. Em termos filogenéticos, a explicação mais simples de relação filogenética entre os organismos é aquela que assume o menor número de passos evolutivos, ou seja, o menor número de mudanças de estado dos caracteres. Desta maneira, os cientistas se
  • 6. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 59 Noções básicas de sistemática filogenética 4 utilizam de métodos especiais para calcular qual árvore possui o menor número de passos. Estes métodos são em geral executados por programas de computador, mas em alguns casos, pode-se executar até mesmo de maneira manual. Interpretando uma árvore filogenética As árvores filogenéticas são representadas seguindo-se uma série de convenções. Observe na Figura 4.1 uma árvore generalizada. Os terminais (A, B, C, D) representam as enti- dades de estudo. A entidade de estudo pode ser um indivíduo, populações ou até mesmo espécies intei- ras em um único terminal. As linhas que saem dos terminais representam os ramos. Os ramos podem conectar um terminal à outro por um nó (como D a C pelo nó x), ou um nó à outro mais abaixo (como x a y para os terminais B, C e D). Os nós representam ancestrais hipotéticos. No exemplo, o nó x representa o ancestral hipo- tético de C e D. O nó y representa o ancestral hipotético da linhagem representada por C + D e da linhagem representada por B. É muito importante frisar que os nós são sempre hipotéticos, e não representam fósseis. Um fóssil, quando encontrado, é um elemento conhecido na análise. Será representado por um terminal na convenção de estudos filogenéticos (note que C possui uma adaga, representando que é um indivíduo ou linhagem fóssil). O último nó (z) designa a inserção da raiz, que é uma representação hipotética da mais antiga linhagem do grupo. O termo técnico utilizado para denominar todo tipo de árvore filogenética é dendrograma. Um elemento, nem sempre representado, porém sempre implícito, é a direção do tempo. Em todo tipo de representação em forma de árvore filogenética, a ordem de ramificação repre- senta o momento de isolamento das linhagens, umas em relação às outras. Agora é com você: Realizar atividade online 2 Figura 4.1: Representação de uma árvore filogenética do tipo cladograma, com as convenções indicadas / Fonte: Cepa
  • 7. 60 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp Na raiz está representado o evento evolutivo mais antigo, e os terminais representam eventos recentes. Em dendogramas do tipo cladograma,os comprimentos relativos dos ramos não represen- tam unidades de tempo (veja as representações A, B e C na Figura 4.2). As representações A, B e C nos dizem a mesma coisa em questão de relação entre os termi- nais. No caso da representação B, no entanto, os ramos estão mais quadrados (uma modificação puramente estética do que está em A),e na C,a única diferença é que os ramos foram alongados para alinhar os terminais no topo (novamente, uma modificação estética de A e B), o que pode ser feito já que os comprimentos relativos não possuem significado temporal. Analise agora outro tipo de representação: Figura 4.2: Representações de cladogramas Figura 4.3: Representação de um filograma
  • 8. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 61 Noções básicas de sistemática filogenética 4 Na representação acima, há uma escala de tempo indicada por um pequeno traço ao lado da imagem. No caso, o comprimento do traço equivale a 0,2 milhão de anos. Sendo assim, cada ramo tem um comprimento diferente, pois leva em consideração o tempo, ou seja, cada ramo representa a quantidade de modificação evolutiva que ocorreu desde que as linhagens se separaram no nó.Este tipo de árvore filogenética é conhecido como filograma.Outra maneira de reconhecer este tipo de árvore é que, em geral, diferentes ramos têm diferentes tamanhos, enquanto o cladograma é sempre mais simétrico. Todas as árvores filogenéticas podem ser de dois tipos: enraizadas ou não-enraizadas. As mostradas anteriormente são todas enraizadas, pois possuem uma raiz, uma origem. Árvores não enraizadas são muito comuns em análises baseadas somente em dados molecu- lares,mas são usadas em outros casos também.Veja um exemplo desse tipo de árvore e note que nela não há uma raíz: todos os ramos partem de um ponto central. Figura 4.4: Exemplo de árvore não enraizada
  • 9. 62 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp Na construção de árvores enraizadas, deve-se definir o posicionamento da raiz com base na determinação de pelo menos um grupo externo, ou seja, de pelo menos uma linhagem que não faça parte das linhagens de interesse, chamadas grupos internos.A escolha do grupo externo não é simples. Em geral é um grupo aparentado dos grupos internos de interesse, mas que surgiu antes na história evolutiva. Assim, conseguimos definir homologias e comparar os estados de cada caráter para definir as apomorfias. As apomorfias,principalmente em estudos morfológicos,podem estar indicadas em uma árvore. Veja no exemplo abaixo que o grupo C+D é unificado pela apomorfia 1, o grupo B+C+D é unificado pela apomorfia 2 e assim por diante. Os grupos unificados por apomorfias são denominados monofiléticos (do grego monos = único; filético = refere-se à linhagem),pois contêm em uma única linhagem um ancestral e inclui todos os seus descendentes.Desta maneira,C+D compõem um grupo monofilético definido pela apomorfia 1.Do mesmo modo,B + o ramos que inclui (C+D) é monofilético,definindo pela apomorfia 2. No entanto,agrupamentos que excluem uma das linhagens descendentes,são chamados parafi- léticos (do grego para = ao lado de; filético = refere-se à linhagem).Por exemplo,se considerarmos apenas as linhagens B+C,elas são parafiléticas,pois excluímos a linhagem D.Se o grupo excluir mais Agora é com você: Realizar atividade online 3 Figura 4.5: Cladograma com as apomorfias indicadas
  • 10. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 63 Noções básicas de sistemática filogenética 4 de uma das linhagens descendentes,como por exemplo,o grupamentoA+C exclui tanto B quanto D,é denominado polifilético (do grego polýs = muito;filético = refere-se à linhagem). No paradigma estabelecido porWilli Hennig,somente os grupos monofiléticos devem ser considerados naturais. Grupos que compartilham o mesmo nó exclusivo são chamados grupos-irmãos.Assim, C e D são grupos irmãos, pois compartilham exclusivamente um nó. Por sua vez, B é grupo irmão do conjunto formado pelos grupos (B+C), pois também compartilham um nó exclusivo. 4.4 Tipos de dados utilizados em inferência filogenética Tradicionalmente, dados provenientes de estudos morfológicos e anatômicos são utilizados para a reconstrução filogenética.Tipicamente, cientistas observam uma grande quantidade de espécimes representando diferentes linhagens (linhagens podem ser espécies ou populações). Em cada espécime, são observados vários caracteres morfológicos e anatômicos, e estes são registrados em uma grande tabela chamada matriz de caracteres. A matriz de caracteres é então analisada de modo a tentar definir os estados derivados de cada caráter (apomorfias) e transpor isso com parcimônia para um cladograma. Esta análise é feita por um algoritmo que tenta reconciliar as mudanças de estado observadas na matriz com uma árvore filogenética que explique tais mudanças da maneira mais simples possível. Agora é com você: Realizar atividade online 4 Um algoritmo é uma série de instruções dada à um computador ou a um ser humano de maneira que permita resolver problemas de um certo tipo. Pode-se fazer uma analogia com uma receita de bolo: o problema é fazer o bolo, o meio de resolvê-lo é seguindo a receita.Algoritmos são, então, protocolos seguidos passo-a-passo, em geral por um computador, para completar o problema em questão, no caso, encontrar a árvore filogenética mais simples.
  • 11. 64 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp Atualmente,os cientistas analisam também caracteres moleculares,ou seja,sequências de genes. Os dados moleculares possuem um poder comparativo muito abrangente, pois todos os organismos vivos compartilham da mesma organização do material genético. Neste caso, cada sítio observado em uma dada sequência é considerado um caráter. Sequências genéticas (nucleotídeos e aminoácidos) de diferentes organismos devem primeira- mente ser alinhadas utilizando programas (software) específicos.Após o alinhamento,e tratando cada sítio como um caráter homólogo, utilizam-se algoritmos de reconstrução filogenética de maneira bastante semelhante aos utilizados em reconstruções filogenéticas baseadas em dados morfológicos. Com o advento de métodos de sequenciamento cada vez mais baratos, hoje em dia existe enorme quantidade de organismos com seus genomas completamente sequenciados (Tabela 4.1). Os filogeneticistas atualmente conseguem alinhar genomas inteiros em busca de sítios homólogos, em um novo tipo de estudo chamado filogenômico, ou seja,combinando técnicas da filogenética com a área da genômica.Estudos filogenômicos analisam milhões de sítios,para centenas de espécies e levam meses para ser completados,mesmo utilizando os mais avançados computadores. Outro tipo muito comum de árvore filogenética que se desenvolve hoje em dia são as baseadas em evidência total, ou seja, combinando dados moleculares e morfológicos em uma mesma reconstrução. Este tipo de reconstrução é o mais interessante do ponto de vista teórico, no entanto, apresenta grande desafio computacional. Grupo Completos Em andamento Eucariontes 37 1170 Archaea 119 90 Bacteria 1673 5140 Total 1829 6400 Tabela 4.1: Síntese dos projetos de sequenciamento de genoma, organizados por domínio da vida / Fonte: NCBI (Centro Nacional de Informação Tecnológica, do inglês National Center for Biotechnology Information). Reconstruções filogenéticas em si representam um dos problemas mais difíceis de serem resol- vidos por computadores,pois o número de árvores possíveis é literalmente astronômico.Verifique na Tabela 4.2 como o número de árvores possíveis aumenta rapidamente conforme aumenta o número de terminais. Para se ter uma idéia comparativa destes números, os astrônomos calculam que o número total de corpos estelares (planetas, estrelas e asteróides) em todo o universo é por
  • 12. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 65 Noções básicas de sistemática filogenética 4 volta 1024 objetos. Note na tabela que com cerca de 30 terminais já existe um número maior de árvores possíveis.De maneira mais dramática ainda,os astrônomos calculam que existem cerca de 1080 átomos em todo o Universo. Com somente 50 terminais já existem mais possibilidades de árvores enraizadas do que existem átomos no Universo. Hoje em dia, a maior parte das árvores construídas tem centenas de terminais, e, algumas, até mesmo milhares. Terminais Árvores Possíveis Não-enraizadas Enraizadas 3 1 3 4 3 15 5 15 105 6 105 945 7 945 10.395 8 10.395 135.135 9 135.135 2.027.025 10 2.027.025 34.495.425 15 7,91x1012 2,13x1014 20 2,22x1020 8,20x1021 30 8,69x1036 4,95x1038 50 2,84x1074 2,75x1076 80 2,18x10137 3,43x10139 Tabela 4.2: Quadro comparativo entre a quantidade possível de árvores diferentes (assumindo sempre árvores bifurcantes completamente resolvidas) ao aumentar o número de terminais. À direita, alguns exemplos comparativos. Os cientistas não esperam,no entanto,que os computadores construam cada uma das árvores possíveis, para depois definir qual está correta. Na verdade, isso seria impossível – no mínimo, levaria uma eternidade mesmo com os mais avançados dos computadores. O que se tem feito para resolver esse problema é aplicar métodos computacionais especiais que exploram o espaço virtual de possibilidades de maneira mais eficiente, de modo a se chegar a uma melhor solução aproximada. Esses programas, portanto, ao invés de construir todas as árvores possíveis para posteriormente decidir qual delas é a melhor, procuram encontrar padrões lógicos de maneira heurística. É na busca de desenvolver estas estratégias de exploração que se concentra a maior parte da pesquisa computacional no momento. Pessoas vivendo em Londres 1810 (106 ) Células no corpo humano (1011 ) Corpos celestes no Universo (1024 ) Átomos no Universo (1080 )
  • 13. 66 VIDA E MEIO AMBIENTE Diversidade Biológica e Filogenia Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 4.5 Utilização da metodologia e principais limitações Os métodos desenvolvidos pela sistemática filogenética são muito poderosos, e hoje são utilizados em diversas áreas do conhecimento, tanto áreas de ciência básica como de ciência aplicada.As disciplinas da biologia molecular, genética, evolução, desenvolvimento, comporta- mento, epidemiologia, ecologia, biologia da conservação e ciências forense são todas concei- tualmente unificadas pela aplicação da metodologia da sistemática filogenética. Por exemplo, alguns cientistas utilizam métodos baseados em sistemática filogenética para entender melhor como a biodiversidade se desenvolve, aprimorando estimativas de números de espécies em certas localidades e permitindo melhor conhecimento de causa ao criar legislação visando conservação de espécies. Outro uso muito comum é na área de epidemiologia, para criação de vacinas mais eficientes. Anualmente, a Organização Mundial da Saúde reformula a vacina contra a gripe, pois o vírus tem alta taxa de mutação. Para determinar quais linhagens devem ser utilizadas na fabricação de novas vacinas, são feitas análises filogenéticas que auxiliam no processo de determinação de quais linhagens são mais comuns no ano em particular e,portanto, devem ser mais representadas na mistura viral utilizada na vacina. Ainda assim a sistemática filogenética possui algumas limitações. Como já discutimos, a metodologia cladística assume que a herança dos caracteres (e genes) ocorre de maneira vertical. Hoje em dia sabemos que isto não é necessariamente verdade para uma série de genes, especialmente em bactérias, que realizam muita transferência lateral Buscas heurísticas baseiam-se em aprendizado para encontrar uma solução. Elas se contrapõem às buscas exaustivas, ou seja, que exploram todo o universo possível para encontrar uma solução. Um bom exemplo de busca heurística é o que chamamos de senso comum: ao se deparar com uma situação nova, tendemos a nos apoiar em experiências prévias para decidir qual a melhor reação. Como não temos como prever o futuro (o que seria equivalente à uma busca exaustiva), tentamos imaginar que outras situações semelhantes passamos para tomar uma decisão. Computadores utilizam uma estratégia semelhante ao procurar árvores filogenéticas, quando se deparam com uma situação que só os levou a construir árvores menos parcimoniosas. Eles podem mudar de direção e explorar outra estratégia mais interessante.
  • 14. Licenciatura em Ciências · USP/Univesp 67 Noções básicas de sistemática filogenética 4 de genes. Eventos de hibridização (como por exemplo, a endossimbiose que deu origens às mitocôndrias) também não podem ser computados utilizando-se métodos cladísticos. Estas limitações tendem a ser incorporadas eventualmente, porém por enquanto, devem ser levadas em conta ao realizar estudos filogenéticos. Fechamento o assunto A sistemática filogenética é uma disciplina que se desenvolveu da curiosidade humana e, com o tempo, se tornou uma metodologia unificadora em toda a biologia.Atualmente, alguns dos programas de computador mais potentes são desenvolvidos para resolver problemas filogenéticos, e a metodologia já começa a ser usada em outras disciplinas. A interpretação de árvores filogenéticas é um conceito básico para compreensão de teorias biológicas contemporâneas, assim como um entendimento qualitativo sobre os métodos utilizados para a reconstrução histórica.Apesar dos grandes avanços,a sistemática filogené- tica (assim como toda metodologia científica) possui limitações, em especial em relação à transferência lateral de genes, e deverá ser modificada nos próximos anos para incorporar novas descobertas biológicas.A síntese evolutiva moderna, que divide a vida em três gran- des domínios, não seria possível sem o desenvolvimento da sistemática filogenética em conjunto com a biologia molecular. Referências Bibliográficas Felsenstein, J. (2003) Inferring phylogenies. Graur, D. and Li W. H. (2000) Fundamentals of Molecular Evolution. Hall, B. (2007) Phylogenetic trees made easy: a how-to manual. Hennig,W, Dwight-Davis D, Zangerl R. (1999) Phylogenetic systematics. Wiley, E. O., Lieberman B. S. (2011) Phylogenetics:Theory and Practice of phylogenetic systematics.