SlideShare uma empresa Scribd logo

010 efesios

1 de 13
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO
                                                 EFÉSIOS
         Autoria
         Os eruditos antigos já atribuíam ao apóstolo Paulo a autoria dessa carta à Igreja em Éfeso. Devido
       ao seu caráter eminentemente circular, alguns teólogos modernos chegaram a cogitar que a falta das
       tradicionais saudações e outros detalhes quanto ao estilo e conteúdo pudessem ser fatos questio-
       nadores da autoria paulina. Entretanto, o próprio Paulo se identifica claramente como o autor dessa
       epístola universal (1.1-15; 3.1-13; 4.1; 6.19-23).

         Propósitos
              p
         É possível que o fato de esta carta de Paulo não ter por foco nenhum erro, pecado ou heresia
       específica, o que era um traço comum nas missivas do apóstolo, tenha levado alguns estudiosos a
       suspeitar da autoria paulina.
         A primeira parte deste tratado teológico apresenta a forte e complexa base doutrinária cristã, en-
       quanto que, na segunda parte, Paulo escreve como pastor que se preocupa em encorajar seus filhos
       na fé. Entretanto, essa linha divisória não é tão simétrica e de fácil contorno. O discurso doutrinário é
       exercido mediante uma situação prática, e as exortações são iluminadas por diamantes da verdade.
       Paulo escreveu para ampliar os horizontes espirituais de seus leitores de todas as épocas e culturas,
       com o objetivo de ajudá-los a compreender um pouco melhor as dimensões do plano eterno de
       Deus Pai e da sua Graça. A profunda e abrangente iluminação que o leitor possa receber da leitura
       atenta de Efésios, o estimulará a valorizar os alvos mais sublimes que o Senhor estabeleceu para a
       Sua Igreja.
         Paulo inicia sua mensagem com um louvor que se transforma em exultação pelos propósitos de
       Deus para com seus santos, por meio da obra redentora de Jesus Cristo, o Messias, Filho de Deus,
       bem como pela ação cotidiana do Espírito Santo na vida dos crentes.
         O apóstolo faz uma pausa para duas orações (1.15-23 e 3.14-19), e segue ensinando aos seus
       leitores sobre o que está envolvido na redenção: o livramento total do poder do pecado, a vida
       regenerada e espiritualmente vitoriosa, o ministério de unidade de todos os santos (separados para
       o louvor e a adoração de Deus) e a união eterna do crente com Jesus Cristo.
         Deus, portanto, reconciliou o ser humano consigo num ato da Sua Graça leal e eterna (2.1-10). Re-
       conciliou também entre si esses indivíduos, porquanto Cristo, por meio de sua morte e ressurreição,
       rompeu todas as barreiras entre todos os povos da terra (2.11-22). E mais ainda, o Senhor uniu todas
       essas pessoas, agora devidamente reconciliadas, num único corpo: a Igreja de Jesus Cristo, a fim
       de que a Igreja seja o meio pelo qual Deus demonstra sua “multiforme sabedoria” aos “principados
       e autoridades nas regiões celestiais” (3.7-13). Portanto, fica evidente – até pela redundância propo-
       sital da expressão “nas regiões celestiais”, ao longo do texto do apóstolo – que a vida cristã não se
       restringe somente ao plano terrestre, mas igualmente tem toda a relevância no céu (lugar celestial),
       onde Cristo está entronizado à direita de Deus Pai (1.3,20; 2.6; 3.10; 6.12).
         Contudo, Paulo não nos deixa esquecer da dura realidade que todos os cristãos devem viver
       durante o tempo de sua peregrinação nesta terra, levando com coragem e galhardia o bom teste-
       munho de Jesus. O Senhor exaltado concedeu “dons” aos membros da Igreja, capacitando-os para
       cooperar uns com os outros, promovendo a união e crescendo em maturidade espiritual a cada dia
       (4.1-16). A maravilhosa unidade da Igreja, sob o governo amoroso e supremo de Cristo, prenuncia
       a universal unificação de “convergir em Cristo tudo quanto existe” (1.10). A nova vida, repleta de pu-
       reza, humildade, altruísmo e poder espiritual, entra em flagrante contraste com a velha e moribunda
       maneira de vaguear sem Cristo pela vida (4.17 – 6.9). Os realmente “fortes no Senhor” conquistam
       a plena vitória sobre Satanás e suas hostes por meio do poder da oração e da consagração pessoal
       (6.10-20).

         Data da p
                 primeira p
                          publicação
                                  ç
         Oppovo p g de Éfeso teve contato com a mensagem da salvação e com o cristianismo p meio
                pagão                                    g            ç                        por
       do ministério de evangelização realizado pelo casal Áquila e Priscila, quando Paulo teve ali uma
       breve, mas profícua, estada durante sua segunda grande viagem missionária (At 18.18-19). Em sua




EF_B.indd 1                                                                                    8/8/2007, 15:53:46
terceira viagem, o apóstolo morou na cidade p q
                  g ,       p                         por quase três anos, época em que a boa nova de
                                                                          ,
      Cristo se disseminou p toda a p
                             por        província romana da Ásia ( 19.10).
                                                                 (At     )
        Éfeso foi a cidade mais importante do oeste da Ásia Menor (atual Turquia). Possuía um porto muito
      desenvolvido e que, naquela época, dava acesso ao rio Caister, o qual desaguava no mar Egeu.
      Como a cidade, a exemplo de Corinto, fica numa espécie de encruzilhada entre as mais importantes
      rotas comerciais, logo se tornou um notável centro comercial cosmopolitano. Os efésios tinham
      orgulho do templo pagão que haviam construído em louvor à deusa romana Diana, chamada pelos
                       p
      g g
      gregos de Ártemis (At 19.23-31). Paulo logo percebeu o potencial evangelístico da cidade e acabou
                          (           )          g p           p             g
      fazendo de Éfeso seu centro avançado de evangelização e missões, durante todo o tempo em que
      esteve ensinando e discipulando naquela cidade. A Igreja logo se enraizou e floresceu ali. Entretanto,
      mais tarde, com o surgimento de falsos mestres, judaizantes e místicos de muitos lugares, o Espírito
      Santo precisou advertí-la severamente quanto ao grave perigo do esfriamento espiritual (Ap 2.1-7).
        Vários historiadores e biblistas de renome defendem a idéia de que o apóstolo Paulo escreveu
      Efésios na mesma época em que produziu sua epístola aos Colossenses, por volta do ano 60 d.C.,
      durante seu aprisionamento em Roma (3.1; 4.1; 6.20).

        Esboço geral de Efésios
           1. Saudação e louvores ao Senhor pelo Plano da Salvação (1.3-14)
              A. Objetivo maior de Deus para Sua Igreja (1.4-6)
              B. A redenção em Jesus Cristo une todos a Deus (1.7-12)
              C. O cristão é selado com o Espírito Santo (1.13,14)
           2. Oração para que os cristãos tenham uma vida santa (1.15-23)
           3. Em Cristo, todos os crentes do mundo são um só Corpo (2.1 –3.21)
              A. Plenamente livres do pecado e da morte (2.1-10)
              B. Os gentios compartilham da herança toda (2.11-22)
              C. O mistério da união dos santos em Cristo (3.1-13)
              D. Oração para que a união seja real na Igreja (3.14-19)
              E. Doxologia ao Senhor por Sua Graça infinita (3.20,21)
           4. Encorajamento para que os crentes andem em Cristo (4.1 – 6.9)
              A. Caminhando na unidade do Espírito Santo (4.1-16)
              B. Caminhando como regenerados em Cristo (4.17-32)
              C. Caminhando no exercício do amor fraternal (5.1-21)
           5. Encorajamento para que os crentes sejam fortes (6.10-17)
              A. Coragem e firmeza contra o Maligno (6.10-13)
              B. Perfeitamente capacitados para vencer (6.14-17)
           6. A oração é nossa arma mais poderosa (6.18-20)
              A. Saudações finais e bênção apostólica (6.21-24)




EF_B.indd 2                                                                                  8/8/2007, 15:53:47
EFÉSIOS
       Prefácio e saudações                                              7 Nele, temos a redenção, o perdão dos

       1  Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela
          vontade de Deus, aos santos e fiéis em
       Cristo Jesus que estão em Éfeso.1
                                                                         nossos pecados pelo seu sangue, segundo
                                                                         as riquezas da graça de Deus,5
                                                                         8 e que Ele fez derramar sobre nós com
       2 Graça a vós e paz da parte de Deus nos-                         toda a sabedoria e entendimento.
       so Pai e do Senhor Jesus Cristo.                                  9 E nos revelou o mistério da sua vonta-
                                                                         de, de acordo com o seu bom propósito
       Deus nos abençoou em Cristo                                       que Ele estabeleceu em Cristo,
       3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso                              10 isto é, de fazer convergir em Cristo
       Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou                             tudo quanto existe, todos os elementos
       com todas as bênçãos espirituais nas                              que estão no céu como os que estão na
       regiões celestiais em Cristo.2                                    terra, na dispensação da plenitude dos
       4 Porquanto, Deus nos escolheu nele antes                         tempos.6
       da criação do mundo, para sermos santos                           11 Nele, fomos também escolhidos, tendo
       e irrepreensíveis em sua presença.3                               sido predestinados conforme o plano
       5 E, em seu amor, nos predestinou para                            daquele que cria absolutamente tudo de
       sermos adotados como filhos, por inter-                            acordo com o propósito da sua própria
       médio de Jesus Cristo, segundo a benevo-                          vontade,
       lência da sua vontade,                                            12 com o objetivo de que nós, os que
       6 para o louvor da sua gloriosa graça,                            primeiro esperamos em Cristo, sejamos
       a qual nos outorgou gratuitamente no                              para o louvor da sua glória.
       Amado.4                                                           13 Nele, igualmente vós, tendo ouvido a



         1 O vocábulo grego original, aqui traduzido por “santos”, não se refere a pessoas que não erram ou não pecam, mas a pecado-
       res salvos pela misericórdia e graça de Deus, que também manifestam fé sincera (por isso fiéis) em Jesus Cristo.
         2 Paulo nos garante que os cristãos, na união com o Cristo exaltado (ressurreto e entronizado à destra do Pai), já passaram a
       ser beneficiários de todas as bênçãos que Deus destinou ao céu e aos seus habitantes. A expressão “regiões celestiais” aparece
       cinco vezes nessa carta de Paulo à Igreja em Éfeso (um dos principais centros urbanos do Império Romano na Ásia). Esta
       expressão só é encontrada em Efésios (1.3; 20; 2.6; 3.10 e 6.12), sendo que nos dois últimos versículos têm a ver com o âmbito
       das operações demoníacas. Para os cristãos, entretanto, indica um determinado lugar no mundo espiritual que, após a morte e
       ressurreição do crente com Cristo, lhes proporcionará o mais agradável e permanente acolhimento (Cl 3.1,2). A expressão “em
       Cristo” é o termo chave de toda a carta, na qual ocorre mais de dez vezes. Refere-se à vida espiritual entre Cristo e os crentes,
       que Paulo costuma simbolizar por meio da metáfora “corpo de Cristo” (v.23; 2.6; 4.4,12,16; 5.23,30).
         3 A eleição divina é um conceito teológico sempre presente nas cartas paulinas (Rm 8.29-33; 9.6-26; 11.5,7,28; 16.13; Cl 3.12;
       1Ts 1.4; 2Ts 2.13; Tt 1.1). Deus nos escolheu por meio de sua determinação soberana, na qual Ele nos deu Sua graça salvadora
       sem considerar quaisquer possíveis méritos e deméritos nas pessoas escolhidas (Jo 6.37; 17.6).
         4 A expressão original grega transliterada echaritõsen significa literalmente “manifestar Sua graça”. No NT, só aparece aqui
       e em Lc 1.28. Uma vez ligados ao “Amado” (Cristo, o Deus-Filho), somos abençoados com todo o tipo de riquezas espirituais
       provenientes do amor de Deus. Muitas vezes, contudo, não dispomos nossa vontade (fé) no sentido de percebemos os tesouros
       divinos e, por isso, vivemos na periferia do Reino de Deus. Salvos, porém, vivendo como incrédulos (1Pe 1.13-25).
         5 Paulo usa um exemplo bem dramático e conhecido dos efésios. A redenção era uma prática jurídica greco-romana por
       meio da qual alguns escravos ganhavam a liberdade mediante o pagamento de certo valor como resgate. Semelhantemente, o
       resgate necessário para libertação dos pecadores da pena de morte pela desobediência à Palavra de Deus, e sua conseqüente
       sucessão de pecados (Gn 3; Gl 3.13), era o improvável e alto custo do derramamento do sangue de um humano sem pecado.
       A única alternativa de Deus foi enviar-se à Terra, na pessoa humana de Seu Filho, Jesus, que – sem pecado algum – entregou
       sua vida em sacrifício eterno pela redenção de todos quantos crêem no poder remidor do Seu sangue na cruz do Calvário (2.13;
       1Pe 1.18,19).
         6 A expressão original grega, aqui traduzida por “convergir”, transmite a idéia de absoluta e inquestionável liderança, mas
       também a idéia de “somar uma coluna de valores”. Ou seja, a reconstituição geral do universo está em pleno curso, com Cristo
       à cabeça de todo o processo e que alcançará seu auge e estabelecimento eterno quando toda a oposição for colocada debaixo
       dos Seus pés, por ocasião do Seu iminente e glorioso retorno (v.22; Hb 2.8; Rm 8.18-21).




EF_B.indd 3                                                                                                        8/8/2007, 15:53:47
EFÉSIOS 1, 2                                                    4

      Palavra da verdade, o Evangelho da vossa                            ridade, poder e domínio, e de todo nome
      salvação, e nele também crido, fostes se-                           que possa ser pronunciado, não somente
      lados com o Espírito Santo da Promessa,                             nesta era, mas da mesma forma na que há
      14 que é a garantia da nossa herança, para                          de vir.
      a redenção da propriedade de Deus, para                             22 Também sujeitou tudo o que existe
      o louvor da sua glória.7                                            debaixo de seus pés e o designou cabeça
                                                                          sobre absolutamente tudo o que há, e o
      Paulo agradece a Deus e ora                                         concedeu à Igreja,
      15 Por esse motivo, também eu, tendo                                23 que é o seu Corpo, a plenitude daquele
      ouvido falar da fé no Senhor Jesus que                              que satisfaz tudo quanto existe, em toda
      existe entre vós, e do vosso amor frater-                           e qualquer circunstância.8
      nal para com todos os santos,
      16 não cesso de dar graças por vós, recor-                          Somente pela graça somos salvos
      dando-me de vós em minhas orações,
      17 para que o Deus de nosso Senhor Jesus
      Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito
                                                                          2   Ele vos concedeu a vida, estando vós
                                                                              mortos nas vossas transgressões e
                                                                          pecados,1
      de sabedoria e de revelação no pleno                                2 nos quais andastes no passado, con-
      conhecimento dele.                                                  forme o curso deste sistema mundial, de
      18 Oro, ainda para que os olhos do vosso                            acordo com o príncipe do poder do ar, o
      coração sejam iluminados, para que sai-                             espírito que agora está atuando nos que
      bais qual é a real esperança do chamado                             vivem na desobediência.2
      que Ele vos fez, quais são as riquezas da                           3 Anteriormente, todos nós também
      glória da sua herança nos santos                                    caminhávamos entre eles, buscando sa-
      19 e a incomparável grandeza do seu po-                             tisfazer as vontades da carne, seguindo os
      der para conosco, os que cremos, confor-                            seus desejos e pensamentos; e éramos por
      me a atuação da sua portentosa força.                               natureza destinados à ira.
      20 Esse mesmo poder que agiu em Cristo,                             4 No entanto, Deus, que é rico em mise-
      ressuscitando-o dos mortos e entronizan-                            ricórdia, por meio do grande amor com
      do-o à sua direita, nas regiões celestiais,                         que nos amou,
      21 muito acima de toda potestade e auto-                            5 deu-nos vida com Cristo, estando nós




         7 O Espírito Santo não é somente o “sinal de entrada”, pago de forma adiantada, e que confirma a legitimidade de propriedade
      por parte daquele que nos comprou e, portanto, selou (marcou), mas representa a própria garantia da qualidade de vida que
      teremos plenamente no céu e que podemos experimentar durante nossa caminhada cristã na Terra (4.30; 2Co 1.22; 5.5; Fp 1.6).
         8 No final da história da humanidade como a conhecemos, o Filho do Homem, o Cristo, reinará soberanamente sobre todos os
      elementos do universo (Sl 8.5,6; Hb 2.6-9; 10.13). A igreja é a plenitude de Cristo, especialmente no sentido de que Aquele que
      preenche todas as coisas também a satisfaz perfeitamente.
         Capítulo 2
         1 Paulo começa essa carta comentando sobre os grandes planos do Senhor, que culminam na supremacia absoluta de Cristo
      (1.10). Agora, passa a explicar as principais etapas dos propósitos de Deus para o universo, a partir da salvação do ser humano.
      A morte espiritual tem vários sentidos, por exemplo, em Adão (Rm 5.12); em nossos delitos e pecados (Cl 2.13), que podem
      levar à segunda e derradeira morte (Ap 20.6,14); com Cristo, quando Ele morreu (Gl 2.20; Rm 6.8; Cl 2.20); na simbologia do
      batismo (Rm 6.4; 2.12); durante a contínua caminhada cristã (Rm 6.11; Cl 3.5). O fim da existência é a razão porque dependemos
      completamente de Jesus, o único que pode nos dar uma nova vida e a vitória sobre a morte.
         2 Satanás é um ser criado, mas não possui qualquer característica humana. É um ser angelical, rebelado contra Deus e toda
      a criação divina. Desde a queda de Adão (Gn 3), tem domínio sobre a terra e a sociedade mundial. É o príncipe do mal, em cuja
      pessoa não existe a menor possibilidade de bem; general ardiloso e sanguinário, comanda imenso exército de anjos caídos, que
      muitas vezes se fazem passar por espíritos iluminados ou anjos de luz, a fim de levarem a efeito os planos diabólicos do seu líder.
      A matéria-prima usada pelo Diabo e seus seguidores é sempre um amálgama envolvendo dinheiro (poder econômico), prestígio
      (poder político e cultura promíscuos), e as religiões (falsos mestres e teologias). Contudo, já foi derrotado por Cristo na cruz do
      Calvário, tem conhecimento da destruição do seu reino e da sua condenação eterna, e não tem qualquer poder para resistir ao
      Espírito Santo. Paulo usa o “ar” como metáfora para significar toda a massa atmosférica que circunda a Terra, bem como para
      referir-se ao ambiente (sistema mundial) que acompanha cada novo século (Jo 12.31; 14.30; Jó 1.6; Ez 28.15; Is 14.12-15).




EF_B.indd 4                                                                                                          8/8/2007, 15:53:48
5                                                  EFÉSIOS 2

       ainda mortos em nossos pecados, por-                                 Circuncisão, feita no corpo por mãos
       tanto: pela graça sois salvos!                                       humanas;
       6 Deus nos ressuscitou com Cristo, e com                             12 estáveis naquela época sem Cristo,
       Ele nos entronizou nos lugares celestiais                            separados da comunidade de Israel,
       em Cristo Jesus,                                                     estranhos às alianças da Promessa, sem
       7 para revelar nas eras vindouras a supre-                           esperança e sem Deus no mundo.
       ma riqueza da sua graça, por intermédio                              13 Todavia, agora, em Cristo Jesus, vós que
       da sua bondade para conosco em Cristo                                antes estáveis distantes, fostes aproxima-
       Jesus.                                                               dos mediante o sangue de Cristo.6
       8 Porquanto, pela graça sois salvos, por                             14 Porquanto, Ele é a nossa paz. De am-
       meio da fé, e isto não vem de vós, é dom                             bos os povos fez um só e, derrubando o
       de Deus;3                                                            muro de separação, em seu próprio cor-
       9 não vem por intermédio das obras, a                                po desfez toda a inimizade, ou seja,7
       fim de que ninguém venha a se orgulhar                                15 anulou a Lei dos mandamentos ex-
       por esse motivo.4                                                    pressa em ordenanças, para em si mes-
       10 Pois somos criação de Deus, realizada                             mo criar dos dois um novo ser humano,
       em Cristo Jesus para vivermos em boas                                realizando assim a paz,8
       obras, as quais Deus preparou no passado                             16 e reconciliar com Deus os dois em um
       para que nós as praticássemos hoje.5                                 só Corpo, pelo ato na cruz, por intermé-
                                                                            dio do qual Ele destruiu toda a irrecon-
       A nova humanidade em Cristo                                          ciliabilidade.
       11 Portanto, lembrai-vos de que, anterior-                           17 E vindo Ele, proclamou a paz para vós
       mente, éreis gentios por natureza, chama-                            que estáveis longe e, da mesma forma,
       dos Incircuncisão pelos que se chamam                                para os que estavam perto;



         3 Definitivamente, nenhum sentimento ou esforço da parte de qualquer ser humano tem valor ou capacidade para influir em
       sua salvação pessoal. A salvação é simplesmente uma dádiva (dom) de Deus. A expressão grega original “salvos” traduz vários
       significados; incluindo, servos salvos (livres) da ira de Deus contra toda a impiedade e seus seguidores (pecadores). O tempo
       do verbo revela uma ação já concluída, cujo efeito presente é enfatizado (v.5). A única forma de acesso à justificação divina e,
       portanto, ao perdão de Deus e à salvação eterna da alma, é a sincera fé em Jesus Cristo (Rm 3.21-31).
         4 Nenhuma pessoa humana pode merecer a salvação mediante bom comportamento ou a “observância da Lei”. Essa forma
       legalista de compreender a salvação, ou mesmo o processo de santificação (separação das garras ideológicas do sistema
       mundial para uma vida de acordo com a direção do Espírito Santo), é sistematicamente condenada nas Escrituras (Rm 3.20,28).
       Portanto, ninguém pode se orgulhar da salvação como se houvesse conquistado uma medalha de honra ao mérito ou sido
       aprovado em um exame.
         5 O ser humano somente é capaz de realizar “boas obras” de acordo com a perspectiva de Deus e real valor celestial depois de
       ser transformado em “nova criação” (a expressão grega original tem o sentido de “uma nova obra de arte”), por meio do Espírito
       Santo de Cristo (2Co 5.17; Gl 5.22-25). As Escrituras conferem toda a glória a Deus por haver planejado o ser humano e seu
       desenvolvimento santo em sociedade.
         6 Depois de haver explicado o maravilhoso plano da salvação dos indivíduos, Paulo passa a argumentar sobre um outro
       aspecto fundamental da salvação: a união de todos os povos, raças e culturas diante do único Deus. A partir do sacrifício vicário
       do Deus-Filho, o Messias; judeus e não-judeus (gentios), antes hostis uns com os outros e separados de Deus, agora, em todo o
       mundo e por toda a história da humanidade, estão reconciliados entre si e com o Senhor, mediante o Cordeiro, Jesus (vv.11-16).
       Deus, portanto, uniu esses povos num só Corpo, princípio este detalhado por Paulo nos vv.19-22 e no cap.3. A distinção entre
       judeus e gentios, completamente cancelada em Cristo, tornou obsoletos os termos “Circuncisão” e “Incircuncisão” que, ao longo
       do tempo e da tradição, haviam assumido a função de títulos e nomes para distinguir (e fazer separação) entre judeus e todos
       os demais povos da terra. Apesar de muitos ainda não viverem sob a liberdade dessa nova ordem em Cristo, a separação só é
       possível no coração dos incrédulos (Cl 3.11).
         7 Paulo usa, como ilustração à sua explanação, a barreira que havia na corte dos gentios no templo em Jerusalém, e que servia
       para separar os judeus (puros) dos gentios (impuros). Arqueólogos descobriram, em meados dos séc. XX, fragmentos de pedra
       com inscrições proibindo, sob pena de morte, a entrada de gentios nas áreas destinadas aos judeus no templo.
         8 O padrão moral exigido na Lei do AT não se altera pela vinda e obra de Cristo. O que é cancelado é o efeito das ordenanças
       específicas, e que serviam para separar os judeus dos gentios que não guardassem as leis judaicas, e, por isso, os gentios não
       convertidos ao judaísmo eram considerados ritualmente impuros. O “novo ser humano”, criado em Cristo, é a Igreja, que é o Corpo
       de Cristo (4.13), a “nova criação” de Gl 6.15. Esta unidade de fé só é possível mediante o ministério do Espírito Santo (vv.18,22).




EF_B.indd 5                                                                                                          8/8/2007, 15:53:49
EFÉSIOS 2, 3                                                   6

      18 pois por meio dele tanto nós como                               5 Esse mistério não foi dado a conhecer
      vós temos pleno acesso ao Pai por um                               às pessoas de outras gerações, mas ago-
      só Espírito!                                                       ra foi revelado pelo Espírito aos santos
      19 Portanto, não sois mais estrangeiros,                           apóstolos e profetas de Deus,
      nem imigrantes; pelo contrário, sois                               6 significando que, por intermédio do
      concidadãos dos santos e membros da                                Evangelho, os não-judeus são igual-
      família de Deus,                                                   mente herdeiros com Israel, membros
      20 edificados sobre o fundamento dos                                do mesmo Corpo e co-participantes da
      apóstolos e dos profetas, sendo o próprio                          Promessa em Cristo Jesus.
      Cristo Jesus a principal pedra angular                             7 Fui nomeado ministro desse Evange-
      desse alicerce.9                                                   lho, segundo o dom da graça de Deus,
      21 Nele, o edifício inteiro, bem ajustado,                         que me foi outorgada conforme a atua-
      cresce para ser um templo santo no                                 ção do seu poder.
      Senhor,10                                                          8 Embora eu seja o menor dos menores
      22 no qual também vós, juntos, sois edifi-                          de todos os santos, foi-me concedida a
      cados para morada de Deus no Espírito.                             graça de proclamar aos gentios as inson-
                                                                         dáveis riquezas de Cristo,
      Um judeu, apóstolo dos gentios                                     9 e revelar a todos qual é a dispensação


      3   Por essa razão, eu, Paulo, sou prisio-
          neiro de Cristo Jesus por amor de vós,
      não-judeus!1
                                                                         deste mistério que, desde os séculos pas-
                                                                         sados, foi mantido oculto em Deus, que
                                                                         tudo criou.
      2 Se é que sabeis da dispensação da graça                          10 A intenção dessa graça era que agora,
      de Deus, que me foi concedida em vosso                             mediante a Igreja, a multiforme sabedoria
      favor,                                                             de Deus se tornasse conhecida dos princi-
      3 e, como por revelação, me foi manifes-                           pados e autoridades nas regiões celestiais,3
      tado o mistério, conforme vos escrevi                              11 conforme o eterno propósito de Deus
      acima de forma resumida.2                                          realizado em Cristo Jesus, nosso Senhor,
      4 Assim, quando ledes, podeis perceber                             12 por intermédio de quem temos livre
      o meu entendimento sobre o mistério                                acesso a Deus em plena confiança, pela fé
      de Cristo.                                                         na sua pessoa.



         9 Paulo continua a usar uma linguagem metafórica para comunicar o conceito teológico de uma estrutura sólida e integrada.
      Os primeiros apóstolos e profetas realizaram uma obra fundamental ao proclamar e ensinar com toda a dedicação a Palavra de
      Deus (1Co 3.10,11). Toda a estrutura, no entanto, depende de Cristo, a rocha de fundamento (alicerce), pedra angular, como em
      Is 28.16, que usa a mesma terminologia em sua tradução grega dos antigos manuscritos hebraicos (a Septuaginta), como uma
      designação messiânica (Mt 21.42).
         10 O supremo Arquiteto projetou, e Ele mesmo é a base do templo que constrói, no qual os gentios (não-judeus) fazem parte in-
      tegral do edifício, não como anexos ou simples dependências (como na tradição judaica no passado). A ilustração de um edifício
      em construção comunica perfeitamente o sentido do crescimento dinâmico da Igreja e seu propósito (4.16).
         Capítulo 3
         1 Devemos lembrar que Paulo escreveu originalmente cartas, sem as nossas tradicionais divisões em capítulos e versículos;
      aqui, faz alusão a todo o seu arrazoado anterior. Assim, devemos considerar que, por tudo o que Deus tem realizado, Paulo
      compreende que é prisioneiro de Cristo e jamais dos homens. Segundo vários historiadores e biblistas, Paulo estava sob prisão
      domiciliar na época em que escreveu essa carta (At 28.16,30), e isto, por causa da sua insistência em obedecer às orientações
      de Cristo, apesar das oposições judaicas e romanas. Curiosamente, após esse versículo, Paulo interrompe sua primeira linha de
      raciocínio para explicar “o mistério de Cristo” (v.4), mas retoma o pensamento inicial no v.14.
         2 O mistério é descrito e explicado no v.6, e pode ser assim resumido: “Cristo em vós (não-judeus ou gentios) a esperança da
      glória” (Cl 1.27).
         3 Aprouve a Deus demonstrar seu poder e sabedoria por meio do milagre de unir num único organismo: a Igreja, judeus e
      gentios convertidos a Cristo. Essa capacidade da Igreja de Cristo de unir todos os povos, raças e culturas, revela a multiforme
      sabedoria do Senhor, como as diversas facetas do mais belo e puro diamante. Paulo afirma que tanto os anjos fiéis ao Senhor
      quanto as hostes subjugadas pelo Diabo contemplam a vida da Igreja (1.21; 4.1; 6.12; Jó 1.11). A supremacia de Cristo, reve-
      lada por meio da união da sua Igreja, é uma antevisão do plano eterno de Deus: absoluto domínio de Cristo sobre o universo
      (v.11; Mt 28.18).




EF_B.indd 6                                                                                                        8/8/2007, 15:53:49

Recomendados

“Pela graça sois salvos”
“Pela graça sois salvos”“Pela graça sois salvos”
“Pela graça sois salvos”JUERP
 
Estudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboçoEstudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboçoCelia Zuany
 
Imersão em efésios
Imersão em efésiosImersão em efésios
Imersão em efésiosJorge Neves
 
Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Eid Marques
 
Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosRespirando Deus
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosRespirando Deus
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição  2 - 12 DE julho de 2015 - Lição  2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 - Tcc Final
 
Slides Epistola aos Efesios
Slides   Epistola aos EfesiosSlides   Epistola aos Efesios
Slides Epistola aos EfesiosAbdias Barreto
 
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clJUERP
 
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoPAULO RICARDO FERREIRA
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesRespirando Deus
 
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1TessalonicensesPanorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1TessalonicensesRespirando Deus
 
ÉFeso - A Cidade
ÉFeso - A CidadeÉFeso - A Cidade
ÉFeso - A CidadeEid Marques
 
Panorama do NT - 2Tessalonicenses
Panorama do NT - 2TessalonicensesPanorama do NT - 2Tessalonicenses
Panorama do NT - 2TessalonicensesRespirando Deus
 
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020Vilma Longuini
 
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2Robson Tavares Fernandes
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesUEPB
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Nehemias Santos
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesRespirando Deus
 
Panorama do NT - Romanos
Panorama do NT - RomanosPanorama do NT - Romanos
Panorama do NT - RomanosRespirando Deus
 
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemomJosé Santos
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Natalino das Neves Neves
 
3 romanos e gálatas
3 romanos e gálatas3 romanos e gálatas
3 romanos e gálatasJosé Santos
 

Mais procurados (20)

Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
 
011 colossenses
011 colossenses011 colossenses
011 colossenses
 
018 hebreus
018 hebreus018 hebreus
018 hebreus
 
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição  2 - 12 DE julho de 2015 - Lição  2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
 
Slides Epistola aos Efesios
Slides   Epistola aos EfesiosSlides   Epistola aos Efesios
Slides Epistola aos Efesios
 
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
 
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
 
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1TessalonicensesPanorama do NT - 1Tessalonicenses
Panorama do NT - 1Tessalonicenses
 
ÉFeso - A Cidade
ÉFeso - A CidadeÉFeso - A Cidade
ÉFeso - A Cidade
 
Panorama do NT - 2Tessalonicenses
Panorama do NT - 2TessalonicensesPanorama do NT - 2Tessalonicenses
Panorama do NT - 2Tessalonicenses
 
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020
Li c ao biblia adulto 2 trimestre 2020
 
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2
178 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_filipenses-parte_2
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
 
Panorama do NT - Romanos
Panorama do NT - RomanosPanorama do NT - Romanos
Panorama do NT - Romanos
 
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
3 romanos e gálatas
3 romanos e gálatas3 romanos e gálatas
3 romanos e gálatas
 

Destaque

Panels in Drupal: een EYE-opener
Panels in Drupal: een EYE-openerPanels in Drupal: een EYE-opener
Panels in Drupal: een EYE-openerLimoenGroen
 
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.Wat is Drupal? Over Drupal in musea.
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.LimoenGroen
 
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.LimoenGroen
 
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013Sicolo Francesco
 
Front-end Performance in Drupal
Front-end Performance in DrupalFront-end Performance in Drupal
Front-end Performance in DrupalLimoenGroen
 
Continuous Integration & Drupal
Continuous Integration & DrupalContinuous Integration & Drupal
Continuous Integration & DrupalLimoenGroen
 
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muối
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muốiChuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muối
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muốiPhát Lê
 

Destaque (8)

Panels in Drupal: een EYE-opener
Panels in Drupal: een EYE-openerPanels in Drupal: een EYE-opener
Panels in Drupal: een EYE-opener
 
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.Wat is Drupal? Over Drupal in musea.
Wat is Drupal? Over Drupal in musea.
 
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.
Drupal is Traag: handvatten voor een snelle site.
 
Beijing 20083
Beijing 20083Beijing 20083
Beijing 20083
 
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013
Puglia indagine prova_scritta_matematica_2013
 
Front-end Performance in Drupal
Front-end Performance in DrupalFront-end Performance in Drupal
Front-end Performance in Drupal
 
Continuous Integration & Drupal
Continuous Integration & DrupalContinuous Integration & Drupal
Continuous Integration & Drupal
 
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muối
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muốiChuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muối
Chuyên đề kim loại tác dụng với dung dịch muối
 

Semelhante a 010 efesios

Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESP
Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESPAprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESP
Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESPJose Maria Magalhaes
 
Licao 2 2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristo
Licao 2   2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristoLicao 2   2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristo
Licao 2 2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristoVilma Longuini
 
Eclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina LeãoEclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina LeãoEraldo Luciano
 
Sexta feira semana de formação
Sexta feira   semana de formaçãoSexta feira   semana de formação
Sexta feira semana de formaçãoLuciano852456
 
Constituição dogmática lumen gentium a igreja
Constituição dogmática lumen gentium   a igrejaConstituição dogmática lumen gentium   a igreja
Constituição dogmática lumen gentium a igrejaAdriano Marciano
 
A Deus seja a glória
A Deus seja a glóriaA Deus seja a glória
A Deus seja a glóriaJUERP
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIALLição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIALHamilton Souza
 
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point Marina de Morais
 

Semelhante a 010 efesios (20)

006 romanos
006 romanos006 romanos
006 romanos
 
Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESP
Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESPAprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESP
Aprendizes do Evangelho 2º Ano - 18ª aula - Parte B - Epístola aos Efésios FEESP
 
012 tessalonicenses 1º
012 tessalonicenses 1º012 tessalonicenses 1º
012 tessalonicenses 1º
 
008 corintios 2º
008 corintios 2º008 corintios 2º
008 corintios 2º
 
Licao 2 2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristo
Licao 2   2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristoLicao 2   2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristo
Licao 2 2 trim - 2020 a sublimidade das bencaos espirituais em cristo
 
Lumen Gentium
Lumen GentiumLumen Gentium
Lumen Gentium
 
Lumen gentium
Lumen gentium Lumen gentium
Lumen gentium
 
Eclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina LeãoEclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina Leão
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
Sexta feira semana de formação
Sexta feira   semana de formaçãoSexta feira   semana de formação
Sexta feira semana de formação
 
Constituição dogmática lumen gentium a igreja
Constituição dogmática lumen gentium   a igrejaConstituição dogmática lumen gentium   a igreja
Constituição dogmática lumen gentium a igreja
 
A Deus seja a glória
A Deus seja a glóriaA Deus seja a glória
A Deus seja a glória
 
007 corintios 1º
007 corintios 1º007 corintios 1º
007 corintios 1º
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Paulo e os Efésios.pptx
Paulo e os Efésios.pptxPaulo e os Efésios.pptx
Paulo e os Efésios.pptx
 
015 timoteo 2º
015 timoteo 2º015 timoteo 2º
015 timoteo 2º
 
022 joao 1º
022 joao 1º022 joao 1º
022 joao 1º
 
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIALLição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
 
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
Lição 1 - Carta aos Efésios - Aula em Power Point
 

Mais de Diógenes Gimenes (20)

023 joao 2º
023 joao 2º023 joao 2º
023 joao 2º
 
027 salmos
027 salmos027 salmos
027 salmos
 
026 apocalipse
026 apocalipse026 apocalipse
026 apocalipse
 
025 judas
025 judas025 judas
025 judas
 
024 joao 3º
024 joao 3º024 joao 3º
024 joao 3º
 
023 joao
023 joao023 joao
023 joao
 
021 pedro 2º
021 pedro 2º021 pedro 2º
021 pedro 2º
 
019 tiago
019 tiago019 tiago
019 tiago
 
017 filemom
017 filemom017 filemom
017 filemom
 
016 tito
016 tito016 tito
016 tito
 
014 timoteo 1º
014 timoteo 1º014 timoteo 1º
014 timoteo 1º
 
013 tessalonicenses 2º
013 tessalonicenses 2º013 tessalonicenses 2º
013 tessalonicenses 2º
 
011 filipenses
011 filipenses011 filipenses
011 filipenses
 
009 galatas
009 galatas009 galatas
009 galatas
 
005 atos
005 atos005 atos
005 atos
 
028 proverbios
028 proverbios028 proverbios
028 proverbios
 
004 joao
004 joao004 joao
004 joao
 
002 marcos
002 marcos002 marcos
002 marcos
 
003 lucas
003 lucas003 lucas
003 lucas
 
001 mateus
001 mateus001 mateus
001 mateus
 

010 efesios

  • 1. INTRODUÇÃO EFÉSIOS Autoria Os eruditos antigos já atribuíam ao apóstolo Paulo a autoria dessa carta à Igreja em Éfeso. Devido ao seu caráter eminentemente circular, alguns teólogos modernos chegaram a cogitar que a falta das tradicionais saudações e outros detalhes quanto ao estilo e conteúdo pudessem ser fatos questio- nadores da autoria paulina. Entretanto, o próprio Paulo se identifica claramente como o autor dessa epístola universal (1.1-15; 3.1-13; 4.1; 6.19-23). Propósitos p É possível que o fato de esta carta de Paulo não ter por foco nenhum erro, pecado ou heresia específica, o que era um traço comum nas missivas do apóstolo, tenha levado alguns estudiosos a suspeitar da autoria paulina. A primeira parte deste tratado teológico apresenta a forte e complexa base doutrinária cristã, en- quanto que, na segunda parte, Paulo escreve como pastor que se preocupa em encorajar seus filhos na fé. Entretanto, essa linha divisória não é tão simétrica e de fácil contorno. O discurso doutrinário é exercido mediante uma situação prática, e as exortações são iluminadas por diamantes da verdade. Paulo escreveu para ampliar os horizontes espirituais de seus leitores de todas as épocas e culturas, com o objetivo de ajudá-los a compreender um pouco melhor as dimensões do plano eterno de Deus Pai e da sua Graça. A profunda e abrangente iluminação que o leitor possa receber da leitura atenta de Efésios, o estimulará a valorizar os alvos mais sublimes que o Senhor estabeleceu para a Sua Igreja. Paulo inicia sua mensagem com um louvor que se transforma em exultação pelos propósitos de Deus para com seus santos, por meio da obra redentora de Jesus Cristo, o Messias, Filho de Deus, bem como pela ação cotidiana do Espírito Santo na vida dos crentes. O apóstolo faz uma pausa para duas orações (1.15-23 e 3.14-19), e segue ensinando aos seus leitores sobre o que está envolvido na redenção: o livramento total do poder do pecado, a vida regenerada e espiritualmente vitoriosa, o ministério de unidade de todos os santos (separados para o louvor e a adoração de Deus) e a união eterna do crente com Jesus Cristo. Deus, portanto, reconciliou o ser humano consigo num ato da Sua Graça leal e eterna (2.1-10). Re- conciliou também entre si esses indivíduos, porquanto Cristo, por meio de sua morte e ressurreição, rompeu todas as barreiras entre todos os povos da terra (2.11-22). E mais ainda, o Senhor uniu todas essas pessoas, agora devidamente reconciliadas, num único corpo: a Igreja de Jesus Cristo, a fim de que a Igreja seja o meio pelo qual Deus demonstra sua “multiforme sabedoria” aos “principados e autoridades nas regiões celestiais” (3.7-13). Portanto, fica evidente – até pela redundância propo- sital da expressão “nas regiões celestiais”, ao longo do texto do apóstolo – que a vida cristã não se restringe somente ao plano terrestre, mas igualmente tem toda a relevância no céu (lugar celestial), onde Cristo está entronizado à direita de Deus Pai (1.3,20; 2.6; 3.10; 6.12). Contudo, Paulo não nos deixa esquecer da dura realidade que todos os cristãos devem viver durante o tempo de sua peregrinação nesta terra, levando com coragem e galhardia o bom teste- munho de Jesus. O Senhor exaltado concedeu “dons” aos membros da Igreja, capacitando-os para cooperar uns com os outros, promovendo a união e crescendo em maturidade espiritual a cada dia (4.1-16). A maravilhosa unidade da Igreja, sob o governo amoroso e supremo de Cristo, prenuncia a universal unificação de “convergir em Cristo tudo quanto existe” (1.10). A nova vida, repleta de pu- reza, humildade, altruísmo e poder espiritual, entra em flagrante contraste com a velha e moribunda maneira de vaguear sem Cristo pela vida (4.17 – 6.9). Os realmente “fortes no Senhor” conquistam a plena vitória sobre Satanás e suas hostes por meio do poder da oração e da consagração pessoal (6.10-20). Data da p primeira p publicação ç Oppovo p g de Éfeso teve contato com a mensagem da salvação e com o cristianismo p meio pagão g ç por do ministério de evangelização realizado pelo casal Áquila e Priscila, quando Paulo teve ali uma breve, mas profícua, estada durante sua segunda grande viagem missionária (At 18.18-19). Em sua EF_B.indd 1 8/8/2007, 15:53:46
  • 2. terceira viagem, o apóstolo morou na cidade p q g , p por quase três anos, época em que a boa nova de , Cristo se disseminou p toda a p por província romana da Ásia ( 19.10). (At ) Éfeso foi a cidade mais importante do oeste da Ásia Menor (atual Turquia). Possuía um porto muito desenvolvido e que, naquela época, dava acesso ao rio Caister, o qual desaguava no mar Egeu. Como a cidade, a exemplo de Corinto, fica numa espécie de encruzilhada entre as mais importantes rotas comerciais, logo se tornou um notável centro comercial cosmopolitano. Os efésios tinham orgulho do templo pagão que haviam construído em louvor à deusa romana Diana, chamada pelos p g g gregos de Ártemis (At 19.23-31). Paulo logo percebeu o potencial evangelístico da cidade e acabou ( ) g p p g fazendo de Éfeso seu centro avançado de evangelização e missões, durante todo o tempo em que esteve ensinando e discipulando naquela cidade. A Igreja logo se enraizou e floresceu ali. Entretanto, mais tarde, com o surgimento de falsos mestres, judaizantes e místicos de muitos lugares, o Espírito Santo precisou advertí-la severamente quanto ao grave perigo do esfriamento espiritual (Ap 2.1-7). Vários historiadores e biblistas de renome defendem a idéia de que o apóstolo Paulo escreveu Efésios na mesma época em que produziu sua epístola aos Colossenses, por volta do ano 60 d.C., durante seu aprisionamento em Roma (3.1; 4.1; 6.20). Esboço geral de Efésios 1. Saudação e louvores ao Senhor pelo Plano da Salvação (1.3-14) A. Objetivo maior de Deus para Sua Igreja (1.4-6) B. A redenção em Jesus Cristo une todos a Deus (1.7-12) C. O cristão é selado com o Espírito Santo (1.13,14) 2. Oração para que os cristãos tenham uma vida santa (1.15-23) 3. Em Cristo, todos os crentes do mundo são um só Corpo (2.1 –3.21) A. Plenamente livres do pecado e da morte (2.1-10) B. Os gentios compartilham da herança toda (2.11-22) C. O mistério da união dos santos em Cristo (3.1-13) D. Oração para que a união seja real na Igreja (3.14-19) E. Doxologia ao Senhor por Sua Graça infinita (3.20,21) 4. Encorajamento para que os crentes andem em Cristo (4.1 – 6.9) A. Caminhando na unidade do Espírito Santo (4.1-16) B. Caminhando como regenerados em Cristo (4.17-32) C. Caminhando no exercício do amor fraternal (5.1-21) 5. Encorajamento para que os crentes sejam fortes (6.10-17) A. Coragem e firmeza contra o Maligno (6.10-13) B. Perfeitamente capacitados para vencer (6.14-17) 6. A oração é nossa arma mais poderosa (6.18-20) A. Saudações finais e bênção apostólica (6.21-24) EF_B.indd 2 8/8/2007, 15:53:47
  • 3. EFÉSIOS Prefácio e saudações 7 Nele, temos a redenção, o perdão dos 1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, aos santos e fiéis em Cristo Jesus que estão em Éfeso.1 nossos pecados pelo seu sangue, segundo as riquezas da graça de Deus,5 8 e que Ele fez derramar sobre nós com 2 Graça a vós e paz da parte de Deus nos- toda a sabedoria e entendimento. so Pai e do Senhor Jesus Cristo. 9 E nos revelou o mistério da sua vonta- de, de acordo com o seu bom propósito Deus nos abençoou em Cristo que Ele estabeleceu em Cristo, 3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso 10 isto é, de fazer convergir em Cristo Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou tudo quanto existe, todos os elementos com todas as bênçãos espirituais nas que estão no céu como os que estão na regiões celestiais em Cristo.2 terra, na dispensação da plenitude dos 4 Porquanto, Deus nos escolheu nele antes tempos.6 da criação do mundo, para sermos santos 11 Nele, fomos também escolhidos, tendo e irrepreensíveis em sua presença.3 sido predestinados conforme o plano 5 E, em seu amor, nos predestinou para daquele que cria absolutamente tudo de sermos adotados como filhos, por inter- acordo com o propósito da sua própria médio de Jesus Cristo, segundo a benevo- vontade, lência da sua vontade, 12 com o objetivo de que nós, os que 6 para o louvor da sua gloriosa graça, primeiro esperamos em Cristo, sejamos a qual nos outorgou gratuitamente no para o louvor da sua glória. Amado.4 13 Nele, igualmente vós, tendo ouvido a 1 O vocábulo grego original, aqui traduzido por “santos”, não se refere a pessoas que não erram ou não pecam, mas a pecado- res salvos pela misericórdia e graça de Deus, que também manifestam fé sincera (por isso fiéis) em Jesus Cristo. 2 Paulo nos garante que os cristãos, na união com o Cristo exaltado (ressurreto e entronizado à destra do Pai), já passaram a ser beneficiários de todas as bênçãos que Deus destinou ao céu e aos seus habitantes. A expressão “regiões celestiais” aparece cinco vezes nessa carta de Paulo à Igreja em Éfeso (um dos principais centros urbanos do Império Romano na Ásia). Esta expressão só é encontrada em Efésios (1.3; 20; 2.6; 3.10 e 6.12), sendo que nos dois últimos versículos têm a ver com o âmbito das operações demoníacas. Para os cristãos, entretanto, indica um determinado lugar no mundo espiritual que, após a morte e ressurreição do crente com Cristo, lhes proporcionará o mais agradável e permanente acolhimento (Cl 3.1,2). A expressão “em Cristo” é o termo chave de toda a carta, na qual ocorre mais de dez vezes. Refere-se à vida espiritual entre Cristo e os crentes, que Paulo costuma simbolizar por meio da metáfora “corpo de Cristo” (v.23; 2.6; 4.4,12,16; 5.23,30). 3 A eleição divina é um conceito teológico sempre presente nas cartas paulinas (Rm 8.29-33; 9.6-26; 11.5,7,28; 16.13; Cl 3.12; 1Ts 1.4; 2Ts 2.13; Tt 1.1). Deus nos escolheu por meio de sua determinação soberana, na qual Ele nos deu Sua graça salvadora sem considerar quaisquer possíveis méritos e deméritos nas pessoas escolhidas (Jo 6.37; 17.6). 4 A expressão original grega transliterada echaritõsen significa literalmente “manifestar Sua graça”. No NT, só aparece aqui e em Lc 1.28. Uma vez ligados ao “Amado” (Cristo, o Deus-Filho), somos abençoados com todo o tipo de riquezas espirituais provenientes do amor de Deus. Muitas vezes, contudo, não dispomos nossa vontade (fé) no sentido de percebemos os tesouros divinos e, por isso, vivemos na periferia do Reino de Deus. Salvos, porém, vivendo como incrédulos (1Pe 1.13-25). 5 Paulo usa um exemplo bem dramático e conhecido dos efésios. A redenção era uma prática jurídica greco-romana por meio da qual alguns escravos ganhavam a liberdade mediante o pagamento de certo valor como resgate. Semelhantemente, o resgate necessário para libertação dos pecadores da pena de morte pela desobediência à Palavra de Deus, e sua conseqüente sucessão de pecados (Gn 3; Gl 3.13), era o improvável e alto custo do derramamento do sangue de um humano sem pecado. A única alternativa de Deus foi enviar-se à Terra, na pessoa humana de Seu Filho, Jesus, que – sem pecado algum – entregou sua vida em sacrifício eterno pela redenção de todos quantos crêem no poder remidor do Seu sangue na cruz do Calvário (2.13; 1Pe 1.18,19). 6 A expressão original grega, aqui traduzida por “convergir”, transmite a idéia de absoluta e inquestionável liderança, mas também a idéia de “somar uma coluna de valores”. Ou seja, a reconstituição geral do universo está em pleno curso, com Cristo à cabeça de todo o processo e que alcançará seu auge e estabelecimento eterno quando toda a oposição for colocada debaixo dos Seus pés, por ocasião do Seu iminente e glorioso retorno (v.22; Hb 2.8; Rm 8.18-21). EF_B.indd 3 8/8/2007, 15:53:47
  • 4. EFÉSIOS 1, 2 4 Palavra da verdade, o Evangelho da vossa ridade, poder e domínio, e de todo nome salvação, e nele também crido, fostes se- que possa ser pronunciado, não somente lados com o Espírito Santo da Promessa, nesta era, mas da mesma forma na que há 14 que é a garantia da nossa herança, para de vir. a redenção da propriedade de Deus, para 22 Também sujeitou tudo o que existe o louvor da sua glória.7 debaixo de seus pés e o designou cabeça sobre absolutamente tudo o que há, e o Paulo agradece a Deus e ora concedeu à Igreja, 15 Por esse motivo, também eu, tendo 23 que é o seu Corpo, a plenitude daquele ouvido falar da fé no Senhor Jesus que que satisfaz tudo quanto existe, em toda existe entre vós, e do vosso amor frater- e qualquer circunstância.8 nal para com todos os santos, 16 não cesso de dar graças por vós, recor- Somente pela graça somos salvos dando-me de vós em minhas orações, 17 para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito 2 Ele vos concedeu a vida, estando vós mortos nas vossas transgressões e pecados,1 de sabedoria e de revelação no pleno 2 nos quais andastes no passado, con- conhecimento dele. forme o curso deste sistema mundial, de 18 Oro, ainda para que os olhos do vosso acordo com o príncipe do poder do ar, o coração sejam iluminados, para que sai- espírito que agora está atuando nos que bais qual é a real esperança do chamado vivem na desobediência.2 que Ele vos fez, quais são as riquezas da 3 Anteriormente, todos nós também glória da sua herança nos santos caminhávamos entre eles, buscando sa- 19 e a incomparável grandeza do seu po- tisfazer as vontades da carne, seguindo os der para conosco, os que cremos, confor- seus desejos e pensamentos; e éramos por me a atuação da sua portentosa força. natureza destinados à ira. 20 Esse mesmo poder que agiu em Cristo, 4 No entanto, Deus, que é rico em mise- ressuscitando-o dos mortos e entronizan- ricórdia, por meio do grande amor com do-o à sua direita, nas regiões celestiais, que nos amou, 21 muito acima de toda potestade e auto- 5 deu-nos vida com Cristo, estando nós 7 O Espírito Santo não é somente o “sinal de entrada”, pago de forma adiantada, e que confirma a legitimidade de propriedade por parte daquele que nos comprou e, portanto, selou (marcou), mas representa a própria garantia da qualidade de vida que teremos plenamente no céu e que podemos experimentar durante nossa caminhada cristã na Terra (4.30; 2Co 1.22; 5.5; Fp 1.6). 8 No final da história da humanidade como a conhecemos, o Filho do Homem, o Cristo, reinará soberanamente sobre todos os elementos do universo (Sl 8.5,6; Hb 2.6-9; 10.13). A igreja é a plenitude de Cristo, especialmente no sentido de que Aquele que preenche todas as coisas também a satisfaz perfeitamente. Capítulo 2 1 Paulo começa essa carta comentando sobre os grandes planos do Senhor, que culminam na supremacia absoluta de Cristo (1.10). Agora, passa a explicar as principais etapas dos propósitos de Deus para o universo, a partir da salvação do ser humano. A morte espiritual tem vários sentidos, por exemplo, em Adão (Rm 5.12); em nossos delitos e pecados (Cl 2.13), que podem levar à segunda e derradeira morte (Ap 20.6,14); com Cristo, quando Ele morreu (Gl 2.20; Rm 6.8; Cl 2.20); na simbologia do batismo (Rm 6.4; 2.12); durante a contínua caminhada cristã (Rm 6.11; Cl 3.5). O fim da existência é a razão porque dependemos completamente de Jesus, o único que pode nos dar uma nova vida e a vitória sobre a morte. 2 Satanás é um ser criado, mas não possui qualquer característica humana. É um ser angelical, rebelado contra Deus e toda a criação divina. Desde a queda de Adão (Gn 3), tem domínio sobre a terra e a sociedade mundial. É o príncipe do mal, em cuja pessoa não existe a menor possibilidade de bem; general ardiloso e sanguinário, comanda imenso exército de anjos caídos, que muitas vezes se fazem passar por espíritos iluminados ou anjos de luz, a fim de levarem a efeito os planos diabólicos do seu líder. A matéria-prima usada pelo Diabo e seus seguidores é sempre um amálgama envolvendo dinheiro (poder econômico), prestígio (poder político e cultura promíscuos), e as religiões (falsos mestres e teologias). Contudo, já foi derrotado por Cristo na cruz do Calvário, tem conhecimento da destruição do seu reino e da sua condenação eterna, e não tem qualquer poder para resistir ao Espírito Santo. Paulo usa o “ar” como metáfora para significar toda a massa atmosférica que circunda a Terra, bem como para referir-se ao ambiente (sistema mundial) que acompanha cada novo século (Jo 12.31; 14.30; Jó 1.6; Ez 28.15; Is 14.12-15). EF_B.indd 4 8/8/2007, 15:53:48
  • 5. 5 EFÉSIOS 2 ainda mortos em nossos pecados, por- Circuncisão, feita no corpo por mãos tanto: pela graça sois salvos! humanas; 6 Deus nos ressuscitou com Cristo, e com 12 estáveis naquela época sem Cristo, Ele nos entronizou nos lugares celestiais separados da comunidade de Israel, em Cristo Jesus, estranhos às alianças da Promessa, sem 7 para revelar nas eras vindouras a supre- esperança e sem Deus no mundo. ma riqueza da sua graça, por intermédio 13 Todavia, agora, em Cristo Jesus, vós que da sua bondade para conosco em Cristo antes estáveis distantes, fostes aproxima- Jesus. dos mediante o sangue de Cristo.6 8 Porquanto, pela graça sois salvos, por 14 Porquanto, Ele é a nossa paz. De am- meio da fé, e isto não vem de vós, é dom bos os povos fez um só e, derrubando o de Deus;3 muro de separação, em seu próprio cor- 9 não vem por intermédio das obras, a po desfez toda a inimizade, ou seja,7 fim de que ninguém venha a se orgulhar 15 anulou a Lei dos mandamentos ex- por esse motivo.4 pressa em ordenanças, para em si mes- 10 Pois somos criação de Deus, realizada mo criar dos dois um novo ser humano, em Cristo Jesus para vivermos em boas realizando assim a paz,8 obras, as quais Deus preparou no passado 16 e reconciliar com Deus os dois em um para que nós as praticássemos hoje.5 só Corpo, pelo ato na cruz, por intermé- dio do qual Ele destruiu toda a irrecon- A nova humanidade em Cristo ciliabilidade. 11 Portanto, lembrai-vos de que, anterior- 17 E vindo Ele, proclamou a paz para vós mente, éreis gentios por natureza, chama- que estáveis longe e, da mesma forma, dos Incircuncisão pelos que se chamam para os que estavam perto; 3 Definitivamente, nenhum sentimento ou esforço da parte de qualquer ser humano tem valor ou capacidade para influir em sua salvação pessoal. A salvação é simplesmente uma dádiva (dom) de Deus. A expressão grega original “salvos” traduz vários significados; incluindo, servos salvos (livres) da ira de Deus contra toda a impiedade e seus seguidores (pecadores). O tempo do verbo revela uma ação já concluída, cujo efeito presente é enfatizado (v.5). A única forma de acesso à justificação divina e, portanto, ao perdão de Deus e à salvação eterna da alma, é a sincera fé em Jesus Cristo (Rm 3.21-31). 4 Nenhuma pessoa humana pode merecer a salvação mediante bom comportamento ou a “observância da Lei”. Essa forma legalista de compreender a salvação, ou mesmo o processo de santificação (separação das garras ideológicas do sistema mundial para uma vida de acordo com a direção do Espírito Santo), é sistematicamente condenada nas Escrituras (Rm 3.20,28). Portanto, ninguém pode se orgulhar da salvação como se houvesse conquistado uma medalha de honra ao mérito ou sido aprovado em um exame. 5 O ser humano somente é capaz de realizar “boas obras” de acordo com a perspectiva de Deus e real valor celestial depois de ser transformado em “nova criação” (a expressão grega original tem o sentido de “uma nova obra de arte”), por meio do Espírito Santo de Cristo (2Co 5.17; Gl 5.22-25). As Escrituras conferem toda a glória a Deus por haver planejado o ser humano e seu desenvolvimento santo em sociedade. 6 Depois de haver explicado o maravilhoso plano da salvação dos indivíduos, Paulo passa a argumentar sobre um outro aspecto fundamental da salvação: a união de todos os povos, raças e culturas diante do único Deus. A partir do sacrifício vicário do Deus-Filho, o Messias; judeus e não-judeus (gentios), antes hostis uns com os outros e separados de Deus, agora, em todo o mundo e por toda a história da humanidade, estão reconciliados entre si e com o Senhor, mediante o Cordeiro, Jesus (vv.11-16). Deus, portanto, uniu esses povos num só Corpo, princípio este detalhado por Paulo nos vv.19-22 e no cap.3. A distinção entre judeus e gentios, completamente cancelada em Cristo, tornou obsoletos os termos “Circuncisão” e “Incircuncisão” que, ao longo do tempo e da tradição, haviam assumido a função de títulos e nomes para distinguir (e fazer separação) entre judeus e todos os demais povos da terra. Apesar de muitos ainda não viverem sob a liberdade dessa nova ordem em Cristo, a separação só é possível no coração dos incrédulos (Cl 3.11). 7 Paulo usa, como ilustração à sua explanação, a barreira que havia na corte dos gentios no templo em Jerusalém, e que servia para separar os judeus (puros) dos gentios (impuros). Arqueólogos descobriram, em meados dos séc. XX, fragmentos de pedra com inscrições proibindo, sob pena de morte, a entrada de gentios nas áreas destinadas aos judeus no templo. 8 O padrão moral exigido na Lei do AT não se altera pela vinda e obra de Cristo. O que é cancelado é o efeito das ordenanças específicas, e que serviam para separar os judeus dos gentios que não guardassem as leis judaicas, e, por isso, os gentios não convertidos ao judaísmo eram considerados ritualmente impuros. O “novo ser humano”, criado em Cristo, é a Igreja, que é o Corpo de Cristo (4.13), a “nova criação” de Gl 6.15. Esta unidade de fé só é possível mediante o ministério do Espírito Santo (vv.18,22). EF_B.indd 5 8/8/2007, 15:53:49
  • 6. EFÉSIOS 2, 3 6 18 pois por meio dele tanto nós como 5 Esse mistério não foi dado a conhecer vós temos pleno acesso ao Pai por um às pessoas de outras gerações, mas ago- só Espírito! ra foi revelado pelo Espírito aos santos 19 Portanto, não sois mais estrangeiros, apóstolos e profetas de Deus, nem imigrantes; pelo contrário, sois 6 significando que, por intermédio do concidadãos dos santos e membros da Evangelho, os não-judeus são igual- família de Deus, mente herdeiros com Israel, membros 20 edificados sobre o fundamento dos do mesmo Corpo e co-participantes da apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Promessa em Cristo Jesus. Cristo Jesus a principal pedra angular 7 Fui nomeado ministro desse Evange- desse alicerce.9 lho, segundo o dom da graça de Deus, 21 Nele, o edifício inteiro, bem ajustado, que me foi outorgada conforme a atua- cresce para ser um templo santo no ção do seu poder. Senhor,10 8 Embora eu seja o menor dos menores 22 no qual também vós, juntos, sois edifi- de todos os santos, foi-me concedida a cados para morada de Deus no Espírito. graça de proclamar aos gentios as inson- dáveis riquezas de Cristo, Um judeu, apóstolo dos gentios 9 e revelar a todos qual é a dispensação 3 Por essa razão, eu, Paulo, sou prisio- neiro de Cristo Jesus por amor de vós, não-judeus!1 deste mistério que, desde os séculos pas- sados, foi mantido oculto em Deus, que tudo criou. 2 Se é que sabeis da dispensação da graça 10 A intenção dessa graça era que agora, de Deus, que me foi concedida em vosso mediante a Igreja, a multiforme sabedoria favor, de Deus se tornasse conhecida dos princi- 3 e, como por revelação, me foi manifes- pados e autoridades nas regiões celestiais,3 tado o mistério, conforme vos escrevi 11 conforme o eterno propósito de Deus acima de forma resumida.2 realizado em Cristo Jesus, nosso Senhor, 4 Assim, quando ledes, podeis perceber 12 por intermédio de quem temos livre o meu entendimento sobre o mistério acesso a Deus em plena confiança, pela fé de Cristo. na sua pessoa. 9 Paulo continua a usar uma linguagem metafórica para comunicar o conceito teológico de uma estrutura sólida e integrada. Os primeiros apóstolos e profetas realizaram uma obra fundamental ao proclamar e ensinar com toda a dedicação a Palavra de Deus (1Co 3.10,11). Toda a estrutura, no entanto, depende de Cristo, a rocha de fundamento (alicerce), pedra angular, como em Is 28.16, que usa a mesma terminologia em sua tradução grega dos antigos manuscritos hebraicos (a Septuaginta), como uma designação messiânica (Mt 21.42). 10 O supremo Arquiteto projetou, e Ele mesmo é a base do templo que constrói, no qual os gentios (não-judeus) fazem parte in- tegral do edifício, não como anexos ou simples dependências (como na tradição judaica no passado). A ilustração de um edifício em construção comunica perfeitamente o sentido do crescimento dinâmico da Igreja e seu propósito (4.16). Capítulo 3 1 Devemos lembrar que Paulo escreveu originalmente cartas, sem as nossas tradicionais divisões em capítulos e versículos; aqui, faz alusão a todo o seu arrazoado anterior. Assim, devemos considerar que, por tudo o que Deus tem realizado, Paulo compreende que é prisioneiro de Cristo e jamais dos homens. Segundo vários historiadores e biblistas, Paulo estava sob prisão domiciliar na época em que escreveu essa carta (At 28.16,30), e isto, por causa da sua insistência em obedecer às orientações de Cristo, apesar das oposições judaicas e romanas. Curiosamente, após esse versículo, Paulo interrompe sua primeira linha de raciocínio para explicar “o mistério de Cristo” (v.4), mas retoma o pensamento inicial no v.14. 2 O mistério é descrito e explicado no v.6, e pode ser assim resumido: “Cristo em vós (não-judeus ou gentios) a esperança da glória” (Cl 1.27). 3 Aprouve a Deus demonstrar seu poder e sabedoria por meio do milagre de unir num único organismo: a Igreja, judeus e gentios convertidos a Cristo. Essa capacidade da Igreja de Cristo de unir todos os povos, raças e culturas, revela a multiforme sabedoria do Senhor, como as diversas facetas do mais belo e puro diamante. Paulo afirma que tanto os anjos fiéis ao Senhor quanto as hostes subjugadas pelo Diabo contemplam a vida da Igreja (1.21; 4.1; 6.12; Jó 1.11). A supremacia de Cristo, reve- lada por meio da união da sua Igreja, é uma antevisão do plano eterno de Deus: absoluto domínio de Cristo sobre o universo (v.11; Mt 28.18). EF_B.indd 6 8/8/2007, 15:53:49
  • 7. 7 EFÉSIOS 3, 4 13Portanto, rogo-vos que não vos desa- Jesus, por todas as gerações, por toda a nimeis por causa das minhas tribulações eternidade. Amém! em vosso benefício, pois nisso está a vossa glória. A unidade da Igreja A oração do apóstolo pela Igreja 14 Por esse motivo, dobro o meu joelho 4 Portanto, eu, prisioneiro no Senhor, suplico-vos que andeis de modo digno para com o chamado que recebestes,1 diante do Pai, 2 com toda humildade e mansidão, com 15 do qual se deriva toda a paternidade paciência, suportando-vos uns aos ou- nos céus e na terra.4 tros em amor, 16 Oro para que, juntamente com suas 3 procurando cuidadosamente manter a gloriosas riquezas, Ele vos fortaleça no unidade do Espírito no vínculo da paz.2 âmago do vosso ser, com todo o poder, 4 Há um só corpo e um só Espírito, da por meio do Espírito Santo.5 mesma forma que a esperança para a 17 E que Cristo habite por meio da fé em qual fostes chamados é uma só;3 vosso coração, a fim de que arraigados e 5 há um só Senhor, uma só fé, um só fundamentados em amor, batismo, 18 vos seja possível, em união com to- 6 um só Deus e Pai de todos, que é sobre dos os santos, compreender a largura, o todos, por meio de todos e em todos. comprimento, a altura e a profundidade 7 E a cada um de nós foi concedida a dessa fraternidade, graça, conforme a medida repartida por 19 e, assim, entender o amor de Cristo que Cristo. excede todo conhecimento, para que sejais 8 Por isso, é que foi declarado: “Quando preenchidos de toda a p plenitude de Deus. Ele subia em triunfo às alturas, levou 20 Àquele que é poderoso de realizar cativos muitos prisioneiros e distribuiu infinitamente mais do que tudo o que dons aos homens”.4 pedimos ou imaginamos, de acordo com 9 O que significa “Ele subiu”, senão que o seu poder que age em nós, também desceu às partes mais baixas da 21 a Ele seja a glória na Igreja e em Cristo Terra? 4 A palavra “família” e “paternidade” derivam do vocábulo grego original pater (pai). Deus é nosso Pai e o arquétipo de toda a r paternidade, a fonte de todos os povos e a divisão familiar na criação. 5 Assim como nosso corpo natural retira força e energia dos alimentos físicos, nosso ser interior, semelhantemente, deve ser alimentado e fortalecido pelo Espírito de Cristo (v.17) que vive (habita) no íntimo de todo crente (Jo 15.5; 1Co 12.8-28). Capítulo 4 1 Paulo ensinou como Deus resgatou judeus e não-judeus (gentios) para um novo e maravilhoso relacionamento com Ele, e como sua Igreja (união de todos os cristãos da terra num único Corpo). Agora, o apóstolo passa a mostrar como os crentes em Cristo devem se desenvolver e amadurecer na fé. Somos chamados a viver de tal modo exemplar que o mundo não possa negar que somos filhos de Deus e cidadãos do céu. As qualidades do v.2 são imprescindíveis (Fl 2.1-4). 2 Os cristãos têm a máxima responsabilidade de evitar que a unidade da Igreja, produzida por Deus mediante o sacrifício expiatório de Cristo, seja de alguma forma perturbada ou difamada (2.14-22). 3 A esperança tem diversos aspectos, mas não deixa de ser uma só, basicamente vinculada ao futuro triunfante e glorioso de Cristo e sua Igreja (1.5,10; 2.7). Paulo não se refere exatamente ao batismo no Espírito (1Co 12.13), que é sempre um milagre interior e, portanto, invisível. Considerando que Paulo está ensinando sobre o novo símbolo de iniciação consciente à verdadeira fé em Deus (abolindo a circuncisão e qualquer outro), o qual identifica todos os crentes como irmãos; naturalmente, está também fazendo referência ao mandamento eclesiástico, segundo o qual todo novo convertido deveria participar publicamente. Na época de Paulo, essa cerimônia e testemunho públicos representavam, mais do que hoje, uma marca evidente de novo nascimento e discipulado em Cristo. Um dos motivos era que tal manifestação pública, certamente, implicaria em perseguições de todo tipo e grande risco de vida. 4 O AT fala do reinado triunfante de Deus no templo de Jerusalém, uma figura do trono do Senhor nos céus (Sl 68.18). Paulo amplia esse conceito ao falar da ascensão de Jesus Cristo ao céu. A expressão em hebraico “receber” ou “trazer” era interpretada pelos antigos rabinos em seu sentido espiritual: “dar e receber” ou “trazer e levar”, como uma pista de duas mãos (Gn 15.9; 18.5; 27.13; Êx 25.2; 1Rs 17.10,11). EF_B.indd 7 8/8/2007, 15:53:50
  • 8. EFÉSIOS 4 8 10 Aquele que desceu é o mesmo que nhor insisto, para que não mais viveis semelhantemente subiu muito além de como os gentios, que vivem na inutilida- todos os céus, para preencher tudo o que de dos seus pensamentos.6 existe. 18 Eles estão com o entendimento mer- 11 Assim, Ele designou alguns para gulhado nas trevas e separados da vida apóstolos, outros para profetas, outros de Deus por causa da ignorância em que para evangelistas e outros para pastores vivem, devido ao embrutecimento do e mestres, seu coração. 12 com o propósito de aperfeiçoar os san- 19 Havendo perdido toda a sensibilidade, tos para a obra do ministério, para que o eles se entregaram a um estilo de vida Corpo de Cristo seja edificado, depravado, cometendo com avidez toda 13 até que todos alcancemos a unidade a espécie de impureza. da fé e do conhecimento do Filho de 20 Entretanto, não foi isso que vós apren- Deus, e cheguemos à maturidade, atin- destes de Cristo! gindo a medida da estatura da plenitude 21 Se é que de fato o ouvistes e nele fostes de Cristo. discipulados, conforme a verdade que 14 O objetivo é que não sejamos mais está em Jesus.7 como crianças, levados de um lado para 22 Quanto à antiga maneira de viver, o outro pelas ondas teológicas, nem jo- fostes instruídos a vos despirdes do velho gados para cá e para lá por todo vento de homem, que se corrompe por desejos doutrina e pela malícia de certas pessoas enganosos, que induzem os incautos ao erro.5 23 a serdes renovados no vosso modo de 15 Longe disso, seguindo a verdade em raciocinar e amor, cresçamos em tudo naquele que é 24 a vos revestirdes do novo homem, a cabeça, Cristo. criado para ser semelhante a Deus em 16 Dele todo corpo, ajustado e unido pelo justiça e em santidade provenientes da auxílio de todas as juntas, cresce e edi- Verdade.8 fica-se a si mesmo em amor, na medida 25 Portanto, cada um de vós deve aban- em que cada parte realiza a sua função. donar a mentira e falar a verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de Como devem agir os crentes um mesmo Corpo. 17Sendo assim, eu vos afirmo, e no Se- 26 “Estremecei de ira, mas não pequeis”, 5 O surgimento de falsos mestres não é apenas um fenômeno atual, nem exclusivo ao final dos tempos; Paulo e mesmo Jesus já lutavam contra pregadores de má índole, que não eram inocentes mal-orientados, mas pessoas perversas, egoístas, avarentas e fraudulentas; cujo objetivo maior era afastar os crentes imaturos do Caminho do Senhor por meio de sofismas e heresias bem engendradas (deduções falsas e mentirosas a partir de algumas bases reais e verdadeiras). Paulo usa uma figura de linguagem da área náutica para comparar o comportamento confuso e inseguro e de certos cristãos instáveis como pequenas embarcações em meio ao mar revolto (1Tm 4.1,2). 6 Os seres humanos foram criados por Deus para exercer ao máximo e livremente sua capacidade intelectual. Entretanto, quando o uso da inteligência e da criatividade é realizado longe do amor e da direção do Espírito de Deus, torna-se inócuo, frustrante e, muitas vezes, perigoso (Rm 1.21; Ec 1.2). Paulo acaba de considerar a unidade e a maturidade v.13, (literalmente no original grego “homem maduro”), como objetivos gêmeos e simultâneos para o ministério do Corpo de Cristo: a Igreja, a qual Deus gerou pela morte e ressurreição de Cristo. Agora, o apóstolo do Senhor, passa a demonstrar que a pureza também é essencial entre os que pertencem a Deus (4.17 – 5.20). 7 Paulo se refere a Cristo (que é a tradução grega do título hebraico “Messias”), por seu nome humano, Jesus, personificando “a verdade” na vida terrena e no exemplo de Jesus Cristo. Ele incorpora “a verdade” (Jo 14.6), deu testemunho da “verdade” (Jo 18.37) e é a fonte de toda a certeza e de todos os benefícios do Evangelho. 8 As palavras “despirdes” e “revestirdes” lembram a forma do batismo primitivo. Os velhos trajes (figuradamente imundos) do batizando eram abandonados para se vestir novos trajes brancos (como a santidade). Os tempos verbais, no original grego, indicam que se referem a atos definitivos; ao passo que o “serdes renovados” comunica a idéia de um processo diário e permanente. Somente pela renovação contínua promovida no coração do crente pelo Espírito Santo, é possível viver a vida cristã de uma maneira vitoriosa e gloriosa, apesar das fraquezas naturais e das tribulações (Cl 3.8-12). EF_B.indd 8 8/8/2007, 15:53:51
  • 9. 9 EFÉSIOS 4, 5 acalmai a vossa raiva antes que o sol se Caminhando em amor fraternal ponha, 27 e não deis lugar ao Diabo.9 28 Aquele que roubava, não roube mais; 5 Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados; 2 e andai em amor como Cristo, que pelo contrário, trabalhe, fazendo com as também nos amou e se entregou por mãos o que é bom, para que tenha o que nós a Deus como oferta e sacrifício com repartir com quem está atravessando um aroma suave.1 período de necessidade. 3 Entre vós não deve haver nem sequer 29 Não saia da vossa boca nenhuma pala- menção de imoralidade sexual como vra que cause destruição, mas somente a também de nenhuma espécie de impure- que seja útil para a edificação, de acordo za e de cobiça; pois essas atitudes não são com a necessidade, a fim de que comuni- adequadas aos santos. que graça aos que a ouvem.10 4 Não haja obscenidades, nem conversas 30 E não entristeçais o Espírito Santo de tolas, nem gracejos imorais, que são in- Deus, com o qual fostes selados para o convenientes, mas, ao invés disso, portai- dia da redenção.11 vos com ações de graça. 31 Toda amargura, cólera, ira, gritaria e 5 Porquanto, podeis estar bem certos blasfêmia sejam eliminadas do meio de disto: nenhum imoral, ou impuro, ou vós, bem como toda a maldade! ganancioso, que é idólatra, tem herança 32 Pelo contrário, sede bondosos e com- no Reino de Cristo e de Deus. passivos uns para com os outros, perdo- 6 Ninguém vos engane com palavras ando uns aos outros, da mesma maneira destituídas de sabedoria; porque é jus- como Deus vos perdoou em Cristo. tamente devido a esse comportamento 9 O ser humano não é desprovido de suas emoções naturais quando se torna um cristão convicto e fiel. Todavia, há uma bênção poderosa reservada para os crentes que confiam na direção do Espírito Santo e submetem aos seus cuidados todos os sentimentos e vontades. O pecado em geral se deve aos nossos maus desejos, regados à vaidade, egoísmo, avareza e arrogância, muito mais do que às tentações promovidas diretamente pelo Diabo e seus demônios. No entanto, é evidente que Satanás se vale das nossas fraquezas e da falta de sabedoria em agir sob a iluminação do Espírito, e nunca apenas de acordo com nossos próprios sentimentos (Tg 1.14). A ira (com suas filhas: amargura e vingança) tem sido, ao longo da história, uma das principais fraquezas humanas catalisadas pelas forças diabólicas. Por isso, Paulo exorta os cristãos a terem cuidado com a raiva e o furor, os quais devem ter sua expressão purificada pelo Espírito antes de provocarem mais destruição, pois nossa tendência natural é sempre pagar em dobro pelo mal que nos causaram. Portanto, os crentes são advertidos a exercerem a humildade e a paciência (como demonstrações de fé na perfeita ação de Deus) e a não deixarem que sua indignação ultrapasse o período máximo de um dia (Sl 4.4; Mt 5.22). 10 O cristão é uma criação de Deus absolutamente nova e diferente do ser humano natural. Por isso, ao crente não basta abandonar as práticas imorais e irracionais do “velho homem”, mas cooperar de todas as formas (palavras e atitudes práticas) para a transformação desse sistema mundial decaído e fadado a destruição. Quem roubava ou extorquia, agora, como cristão, deve deixar-se levar pelo Espírito à prática de boas obras. Aquele que usa a palavra para expressar rancor e impropriedades, não apenas cessa com esse mau costume, mas passa a conhecer o poder da palavra e usá-la de forma assertiva, construtiva e abençoadora (Rm 12.5; Cl 3.9). 11 O verbo grego original aqui usado demonstra que o Espírito Santo é uma pessoa, não meramente uma energia, sentimen- to ou influência, porquanto somente uma pessoa pode ser “entristecida”. São nossas palavras e atitudes (v.29,31) que podem alegrar ou entristecer o Espírito de Deus que vive em nós, por causa de Cristo, como garantia eterna (selo) de que somos novas criações e já estamos separados para habitarmos o novo mundo que se iniciará com o iminente e glorioso retorno do Senhor (Ap 21.1-4). Capítulo 5 1 Paulo nos orienta a imitar a Deus por meio de um espírito perdoador e agir como Seu Filho Jesus agiu nas diversas situações da vida (4.32; Sl 103.8-13). O amor sacrificial de Cristo pode ser notado não somente na grandiosa obra da Salvação (cap.2), mas também como exemplo de como devemos exercer o amor fraternal. Na Torá (basicamente os primeiros cinco livros do AT), a frase “aroma suave”, referindo-se à oferta do sacrifício a Deus, aparece mais de 40 vezes, enfatizando o quanto esse ato de profunda devoção e entrega era agradável ao Senhor (Gn 8.21; Êx 29.18,25,41; Lv 1.9,13,17). A mesma atitude que Deus teve em relação à salvação da humanidade (Rm 8.32). EF_B.indd 9 8/8/2007, 15:53:51
  • 10. EFÉSIOS 5 10 que a ira de Deus vem sobre os filhos da Caminhando em sabedoria desobediência.2 15 Portanto, estai atentos para que o 7 Portanto, não sejais participantes com vosso procedimento não seja semelhante eles.3 aos insensatos, mas andai em sabedoria, 16 aproveitando bem cada oportunidade, Caminhando na luz porque os dias são maus. 8 Pois, no passado éreis trevas, mas agora 17 Portanto, não sejais faltos de juízo, sois luz no Senhor. Assim, andai como mas buscai compreender qual é à von- filhos da luz, tade do Senhor. 9 porquanto, o fruto da luz consiste em 18 E não vos embriagueis com vinho, que toda bondade, justiça e verdade; leva à devassidão, mas deixai-vos encher 10 e aprendei a discernir o que é agradá- pelo Espírito,6 vel ao Senhor.4 19 falando entre vós com salmos, hinos e 11 E não vos associeis às obras infrutíferas cânticos espirituais, cantando e louvando das trevas; pelo contrário, condenai-as; de coração ao Senhor, 12 pois é vergonhoso até mesmo mencio- 20 e cotidianamente dando graças por nar as coisas que fazem às escondidas. tudo a Deus, o Pai, em o Nome de nosso 13 Mas todas essas atitudes, sendo conde- Senhor Jesus Cristo,7 nadas, manifestam-se pela luz, pois ab- 21 sujeitando-vos uns aos outros no te- solutamente tudo se torna visível diante mor de Cristo.8 da luz. 14 Por isso é que foi dito: “Desperta, Caminhando na vida conjugal ó tu que dormes, levanta-te dentre os 22 Esposas, cada uma de vós respeitai ao mortos e Cristo resplandecerá sobre a vosso marido, porquanto sois submissas tua pessoa”.5 ao Senhor; 2 A expressão grega “filhos da desobediência”, mantida aqui em sua forma original, como aparece na Septuaginta (a tradução grega do AT), é um hebraísmo, e significa: “pessoas que propositalmente se colocam contra e permanentemente rebeldes ao apelo do Evangelho” (2.2; Cl 3.6). 3 Embora os cristãos não possam se alienar do sistema mundial vigente, e precisem conviver nos diversos relacionamentos sociais normais com seus próximos, como também acontecia com Jesus Cristo (Lc 5.30-32; 15.1,2), não devem partilhar do mesmo estilo de vida pecaminoso dos incrédulos. A pessoa que persiste na cobiça (sexual e de todos os outros tipos) exclui a ação do Espírito de Deus de sua vida; em conseqüência, Deus a exclui da participação em seu Reino (1Co 6.9,11). 4 O fruto da luz é oposto às obras das trevas (Gl 5.22,23). Cristo é a Luz (Jo 1.9; 3.19; 8.12). Fazer a sua vontade é, portanto, não apenas caminhar na luz (1Jo 1.7; 2.10), mas refletir a Luz para as áreas mais escuras da alma e da sociedade humanas (Mt 5.14). 5 Paulo cita uma estrofe de um conhecido hino cristão do primeiro século, baseado em Is 60.1, que apela aos incrédulos para que não deixem passar a grande oportunidade de aceitar o Evangelho, isto é, o Messias e Salvador Jesus Cristo (Cl 4.5). 6 Assim como a embriaguez domina uma pessoa e altera sua razão e atitudes, o Espírito transforma o comportamento do crente. O álcool, as drogas e todos os vícios, conduzem seus escravos para as trevas infernais, ao passo que o Espírito Santo garante, ao seu servo, vida eterna e todos os benefícios do Reino de Deus. O tempo presente do verbo grego no original é usado para mostrar, que a plenitude do Espírito Santo não é uma experiência. Repetidas vezes, conforme requeira cada ocasião, o Espírito revestirá o coração do crente para o testemunho, a evangelização, a adoração, a contribuição e o serviço cristão em geral (Cl 3.15; 4.1 de acordo com Ef 5.18 – 6.9). 7 O cristão que aprendeu a andar diariamente na plenitude do Espírito Santo não tem porque viver se queixando ou amar- gurado, mesmo em meio às mais difíceis provações. Esse comportamento vitorioso, grato e otimista não tem a ver com forças do pensamento positivo, mas com a correta compreensão da pessoa de Deus-Pai, do seu amor inalterável e de que todos os seus propósitos são bons e contribuem para nossa verdadeira felicidade hoje e, mais ainda, na eternidade (Rm 8.28; 1Ts 5.18; Hb 12.3-11). 8 Nos capítulos 2 a 4, Paulo demonstrou como Deus pode unir judeus e gentios cristãos num novo relacionamento com Sua Pessoa por meio de Jesus Cristo. Em 4.1-6, ressaltou a importância da unidade. Agora revela como os crentes, plenos do Espírito Santo, podem conviver satisfatoriamente nos vários relacionamentos humanos. Essas orientações práticas quanto às responsa- bilidades mútuas dos cristãos fiéis é semelhante às que são ministradas em Cl 3.18 – 4.1 e em 1Pe 2.13 – 3.12, de acordo com Rm 13.1-10. A chave para todos os relacionamentos humanos é a humildade (mútua submissão dos crentes), virtude que só é plenamente possível por meio do revestimento (pleno controle) do Espírito de Deus. EF_B.indd 10 8/8/2007, 15:53:51
  • 11. 11 EFÉSIOS 5, 6 23 porque o marido é o cabeça da esposa, 31 “Por este motivo, o homem deixará pai assim como Cristo é o cabeça da Igreja, e mãe e se unirá à sua esposa, e os dois se que é o seu Corpo, do qual Ele é o Sal- tornarão uma só carne.” vador. 32 Este é um mistério grandioso; refiro- 24 Assim como a igreja está sujeita a Cris- me, contudo, à união entre Cristo e sua to, de igual modo as esposas estejam em Igreja.13 tudo sujeitas a seus próprios maridos.9 33 Portanto, cada um de vós amai a sua 25 Maridos, cada um de vós amai a vossa esposa como a si mesmo, e a esposa trate esposa, assim como Cristo amou a sua o marido com todo o respeito. Igreja e sacrificou-se por ela,10 26 a fim de santificá-la, tendo-a purifi- Caminhando como pais e filhos cado com o lavar da água por meio da Palavra,11 27 e para apresentá-la a si mesmo como 6 Filhos, obedecei a vossos pais no Se- nhor, porquanto isto é justo. 2 “Honra a teu pai e tua mãe”; este é o Igreja gloriosa, sem mancha nem ruga primeiro mandamento com promessa, ou qualquer outra imperfeição, mas san- 3 para que vivas bem e tenhas vida longa ta e inculpável. sobre a terra.1 28 Sendo assim, o marido deve amar sua 4 E vós, pais, não provoqueis a ira dos esposa como ama o seu próprio corpo. vossos filhos, mas educai-os de acordo Quem ama sua esposa, ama a si mesmo! com a disciplina e o conselho do Se- 29 Pois ninguém jamais odiou o próprio nhor.2 corpo, antes o alimenta e dele cuida, as- sim como Cristo zela pela Igreja,12 Caminhando como servos 30 pois somos membros do seu Corpo. 5 Quanto a vós outros, escravos, obede- 9 Paulo aplica o conceito da total submissão dos crentes a Cristo, e da mútua submissão dos cristãos (plenitude do Espírito), ao matrimônio. Sujeitar-se ou submeter-se implicava em abrir mão dos direitos. O termo podia ter o sentido de “obediência”, como na disciplina militar, porém a palavra “obedecer” não aparece em nenhuma parte das Escrituras em relação às esposas, embora seja usada no tocante aos filhos (6.1), e aos escravos e servos (6.5). A expressão “porquanto sois submissas ao Senhor” difere da maioria das antigas versões, por deixar mais claro ao leitor o sentido original da frase, que um homem não pode ocupar o lugar de Deus na vida da esposa. Mas, pelo contrário, que a esposa deve respeitar com carinho a seu marido como um ato de fé e dedicação ao Senhor. A analogia entre o relacionamento de Cristo com a Igreja e do marido com a esposa é fundamental para compreensão integral desse princípio bíblico. Cristo fez por merecer seu relacionamento especial com a Igreja (2.16; 4.4,12,16; 1Co 11.3). 10 Paulo enfatiza que, especialmente no relacionamento conjugal, a submissão não deve ser apenas uma atitude unilateral, mas um relacionamento recíproco entre duas pessoas que amam a Deus e desejam agradá-lo (oferecendo a Deus o sacrifício de uma vida santa). A entrega pessoal de Jesus, por nossa salvação eterna, ilustra de forma dramática a maneira pela qual o marido cristão deve dedicar-se carinhosamente ao bem-estar de sua esposa. Entregar-se à morte a favor da amada é uma manifestação mais sublime de devoção do que a exigida da esposa. Que mulher não seria submissa a um homem capaz de entregar sua própria vida para vê-la feliz? 11 O Senhor Jesus Cristo morreu e ressuscitou, não apenas para nos dar o perdão eterno de que tanto carecíamos, mas para levar sua Igreja a viver uma vida de plena santidade e purificação, como sua “noiva”. Uma análise dos conceitos da lavagem, por meio da água e da Palavra devem considerar os seguintes textos bíblicos: Jo 3.5; 15.3; Tt 1.18; 1Pe 1.23; 3.21. 12 A base dessas afirmações e da doutrina desses versículos é a citação de Gn 2.24. Se o marido e sua mulher se tornam “uma só pessoa”, logo, quando o homem ama a esposa, ama aquela que se tornou parte integrante do seu próprio corpo. 13 O mistério da união do homem com a sua mulher é um eco humano da realidade espiritual mais sublime, que há na união de Cristo com os Seus num só Corpo: a Igreja (Rm 11.25). Capítulo 6 1 No AT, quando esse mandamento, a “promessa” tem a ver com a ocupação da “terra”, ou seja, de toda a Palestina (Êx 20.12; Dt 5.16), desde que Israel se arrependesse de seus pecados e se mantivesse fiel a Yahweh (o nome de Deus em hebraico). Paulo, evidentemente, não está se referindo a esse aspecto particular, mas a uma aplicação geral dos resultados da obediência ao mesmo princípio bíblico. 2 Os pais representam o cuidado de Deus para com seus filhos, especialmente quanto aos menores de idade. Quando cristãos, têm a responsabilidade divina de educá-los na Palavra de Deus, zelar por seu progresso moral, ético e social. Os filhos têm a obrigação de obedecer e respeitar a seus pais, como ao Senhor. Os pais devem evitar submeter seus filhos a qualquer tipo de constrangimento, maus tratos ou injustiça. EF_B.indd 11 8/8/2007, 15:53:53
  • 12. EFÉSIOS 6 12 cei a vossos senhores terrenos com todo Deus, para poderdes ficar firmes contra o respeito e temor, com sinceridade de as ciladas do Diabo; coração, como a Cristo, 12 Porquanto, nossa luta não é contra seres 6 não servindo à vista, como para humanos, e sim contra principados e po- agradar a homens, mas como servos de testades, contra os dominadores deste sis- Cristo, fazendo de coração, a vontade tema mundial em trevas, contra as forças de Deus,3 espirituais do mal nas regiões celestiais.6 7 servindo de boa vontade como se ser- 13 Por esse motivo, vesti toda a armadura vissem ao Senhor e não aos homens. de Deus, a fim de que possais resistir 8 Certos de que cada um, seja escravo, firmemente no dia mau e, havendo bata- seja livre, receberá do Senhor a recom- lhado até o final, permanecereis inabalá- pensa por todo o bem que fizer. veis, sem retroceder.7 9 E vós, senhores, de igual modo proce- 14 Estai, portanto, firmes, trazendo em dei para com vossos servos. Abandonai volta da cintura a verdade e vestindo a as ameaças, pois tendes conhecimento couraça da justiça, que o mesmo Senhor deles é vosso Se- 15 calçando os vossos pés com a proteção nhor também, que está no céu e não faz do Evangelho da paz; diferença entre pessoas.4 16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todas as setas Caminhando com a Armadura inflamadas do Maligno. 10 Concluindo, fortalecei-vos no Senhor 17 Usai igualmente o capacete da salvação e na força do seu poder!5 e a espada do Espírito, que é a Palavra de 11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus.8 3 O escravo ou servo, bem como o funcionário, nos dias de hoje, não deve ter a mesma atitude dos incrédulos em relação ao trabalho. Para os crentes, realizar um trabalho é antes de tudo um culto a Deus e não apenas uma mera obrigação humana. Portanto, deve ser executado com todo o amor e honestidade, como uma oferta sacrificada ao Senhor. Os incrédulos é que fazem apenas o mínimo necessário, e mesmo assim, quando estão debaixo dos olhos de seus patrões e supervisores (Cl 3.22). Tanto o AT quanto o NT incluem normas para algumas situações sociais criadas pelo próprio homem, usando de sua plena liberdade e da “dureza do seu coração”, mas não do agrado nem da vontade de Deus. Os reis e governos, a escravidão e o divórcio, por exemplo, jamais foram projetos de Deus para a humanidade. Os princípios bíblicos não estimulam nem defendem essas práticas sociais, mas Deus os determinou para que os crentes pudessem lidar com essas realidades e evitassem males ainda piores (1Sm 8.5-7; Dt 24.1-4; Mt 19.8). 4 Paulo torna a enfatizar a necessidade de o cristão sincero sempre agir em homenagem ao seu Salvador, Jesus Cristo, exerci- tando a mutualidade e a reciprocidade cristã (5.21 – 6.4; Tt 2.9). 5 Paulo confere à sua carta uma abrangência cósmica. Desde o início, vem chamando a atenção dos leitores para o mundo invi- sível, e agora retrata a batalha espiritual travada contra o mal “nas regiões celestiais”. A expressão original grega endunamousthe, que significa “sede fortalecidos”, aparece na Septuaginta (a tradução grega do AT), usada por Gideão (Jz 6.34). Paulo afirma que só teremos vitória sobre os nossos inimigos (e Satanás é o maior deles, seguido da nossa própria carne), se nos “fortalecermos” diariamente no Espírito de Deus. 6 Não estamos em guerra simplesmente contra outras pessoas humanas, mas contra as forças demoníacas organizadas numa hierarquia que domina a humanidade e o sistema mundial: economia, política, religião e cultura de todas as sociedades (Rm 8.19 – 23,38). O príncipe destes poderes é Satanás que detém o controle de todas as camadas sociais na rebelião mundial contra a autoridade do único e verdadeiro Deus (2Co 4.4; Jo 12.3). Somente o supremo poder de Cristo, que venceu todas essas forças na cruz, pode nos dar a vitória plena e eterna (Cl 2.15). 7 A figura de linguagem, usada no grego original por Paulo, expressa a idéia da resistência e avanço individual de cada soldado contra um ataque inimigo, não se refere a uma invasão em massa do domínio do mal. Paulo descreve, simbolicamente, a roupa de guerra do próprio Senhor Jesus, o Messias (Is 11.5), e revela que é o caráter, e não a força bruta ou mesmo a inteligência, que vence a maior das batalhas. Nesse sentido, é o caráter do guerreiro sua principal defesa também. O próprio Deus é descrito simbolicamente, vestindo a couraça da justiça ao apresentar-se na fronteira de guerra, revelando o poder da verdade (Is 59.17). O “dia mau” se refere ao dia em que seremos atacados fortemente pelas dúvidas ou pela tentação de negarmos a fé no Senhor. Esses ataques se tornarão ainda piores durante o “tempo da apostasia”, sob o domínio do “homem da iniqüidade” (2Ts 2.3-5; Mt 24.9-13; Ap 13.7-17). 8 Para vencer “A Guerra dos Séculos”, o cristão sincero precisa de uma estratégia defensiva e ofensiva. Primeiramente, assumir uma posição de defesa, armando-se da verdade (4.15), justiça e santidade (Rm 6.13; Hb 12.14), fé absoluta nas promessas do EF_B.indd 12 8/8/2007, 15:53:54
  • 13. 13 EFÉSIOS 6 18 Orai no Espírito em todas as circuns- Saudações e a bênção apostólica tâncias, com toda petição e humilde 21 E, para que vós também possais saber insistência. Tendo isso em mente, vigiai como estou e o que estou fazendo, Tí- com toda a perseverança na oração por quico, irmão amado e fiel ministro no todos os santos. Senhor, vos informará de tudo.9 19 Orai do mesmo modo por mim 22 Foi com esse objetivo que eu vo-lo en- para que, quando eu falar, seja-me viei, para que saibais da nossa situação e concedido o poder da mensagem, a fim para que ele vos console o coração. de que, destemidamente, possa revelar o 23 A paz esteja com os irmãos, bem como mistério do Evangelho, o amor com fé, da parte de Deus Pai e do 20 pelo qual sou embaixador preso em Senhor Jesus Cristo. correntes. Orai para que, permanecen- 24 A graça seja com todos os que amam do em Cristo, eu seja ousado para falar, a nosso Senhor Jesus Cristo com amor como me cumpre fazê-lo. sincero e incorruptível.10 Senhor, e certeza pessoal da salvação (1Ts 5.8; Hb 6.11). Em seguida, investir contra os inimigos da nossa alma, empunhando a espada do Senhor, que é a Palavra de Deus (Hb 4.12), e com a oração, que abre nossa boca para revelar ao mundo o poder do testemunho e da pregação do Evangelho (vv 19,20). 9 Tíquico era um crente e ministro fiel, amigo e representante de Paulo em vários projetos missionários pelo mundo da época (Cl 4.7; 2Tm 4.12; Tt 3.12). 10 Paulo termina essa epístola sem as costumeiras saudações individuais, o que denota o caráter de “missiva circular” para todos os cristãos (v.1). A expressão grega, aqui traduzida por “com amor sincero e incorruptível” tem o sentido original de “amor que não se deteriora com o passar do tempo”. O amor espiritual é eterno, não diminui por nada, nem tampouco murcha ao longo dos anos, mas permanece viçoso, puro e fiel. EF_B.indd 13 8/8/2007, 15:53:55