O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Apostila cantando e_aprendendo

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Chico Mineiro

Fizemu a úrtima viagi          Mataru u meu
Foi lá pru sertão de           companheiru
Goiais              ...
Preso a canções
E entregue a paixões
Que nunca tiveram fim
Vou me encontrar
Longe do meu lugar
Eu caçador de mim

Nada a t...
Pra ver que o samba tá tomando jeito

Pra ver que o samba tá tomando jeito
Hoje é preciso refletir um pouco
E coerentement...
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
 Música e ensino de ciências
Música e ensino de ciências
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 27 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Apostila cantando e_aprendendo (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Anúncio

Apostila cantando e_aprendendo

  1. 1. Chico Mineiro Fizemu a úrtima viagi Mataru u meu Foi lá pru sertão de companheiru Goiais Acabô-si u som da viola Fui eu e o Chicu Mineru Acabô-si u Chico Mineru Tamém foi u capatais Dispois daquela tragédia Viagemu u dia interu Fiquei mais aburrecidu Pra chegá im Oru Finu Num sabia da nossa Aondi nóis passeamu a amizade noiti Pois nóis dois éramu Numa festa du Divinu unido A festa tava tão boa Quando vi seus Mais antis num tivesse documentu idu Mi cortô meu coração O Chico foi baliadu Vim sabê qui u Chico Pr’um homi discunhicidu Mineru Larguei di comprá Era meu legitimu irmão. boiada Atividades: • Leia e cante com a turma a música caipira. • Discuta com os alunos o enredo, sua semelhança com histórias contadas pela família. • Discuta a posição do narrador (1ª pessoa do plural e 1ª pessoa do singular), as marcas da oralidade presentes no texto, as marcas de regionalismos e a variedade lingüística. • Enfatizar diferenças entre como se fala e como se escreve. • Leve textos de jornais ( notícias), que tratam de crimes, para a sala, peça para que os alunos leiam e ressaltem as características da notícia e sua estrutura. • Produção de texto: “Considere-se um repórter. Construa um texto para o seu suposto jornal, relatando a história contada na música, nos moldes da Língua Culta. Caçador de mim Milton Nascimento Por tanto amor, por tanta emoção A vida me fez assim Doce ou atroz, manso ou feroz Eu caçador de mim. 1
  2. 2. Preso a canções E entregue a paixões Que nunca tiveram fim Vou me encontrar Longe do meu lugar Eu caçador de mim Nada a temer se não o correr da luta Nada a fazer se não esquecer o medo Abrir o peito à força numa procura Fugir às armadilhas da mata escura Longe se vai sonhando demais, mas onde se chega assim Vou descobrir o que me faz sentir Eu caçador de mim. Abrir o peito à força numa procura Fugir às armadilhas da noite escura. Longe se vai sonhando demais Mas onde se chega assim Vou descobrir o que me faz sentir Eu caçador de mim. Atividades: • Cantar, refletir sobre o significado da letra. • Usar o dicionário para esclarecer significado das palavras. • Destacar os sinônimos e antônimos presentes no texto e solicitar que os alunos sugiram e relacionem outros antônimos. • Promover comentários sobre o tema “identidade” e o significado da expressão “eu caçador de mim” -Como sou? Quem sou? • Produzir texto que envolva argumentos e respostas para estas perguntas. • Gramática do texto: Identificar e relacionar os verbos e seus respectivos tempos – Se passado/ presente/futuro. Responder qual o tempo predominante no texto e qual a intenção do autor ao ressaltá-lo no texto. Corrente Chico Buarque Eu hoje fiz um samba bem pra frente Dizendo realmente o que é que eu acho Eu acho que o meu samba é uma corrente E coerentemente assino embaixo Hoje é preciso refletir um pouco 2
  3. 3. Pra ver que o samba tá tomando jeito Pra ver que o samba tá tomando jeito Hoje é preciso refletir um pouco E coerentemente assino embaixo Eu acho que o meu samba é uma corrente Dizendo realmente o que é que eu acho Eu hoje fiz uma samba bem pra frente Atividades: • Ler o texto na ordem direta e, depois, na ordem inversa, isto é, debaixo para cima. Questionar por que o autor deu o nome de corrente a esta música. • Levar para sala de aula manchetes, notícias ou reportagens de revistas a respeito de assuntos de interesse e discutidos na comunidade. Lê-las com os alunos e solicitar que emitam opinião a respeito. • Solicitar que escrevam um texto, opinando sobre o que foi discutido, começando com: “Eu acho que...” O caderno Toquinho e Murtinho Sou eu que vou seguir você Do primeiro rabisco até o bê-á-bá Em todos os desenhos coloridos vou estar. A casa a montanha, duas nuvens no céu E um sol a sorrir no papel. Sou eu que vou ser seu colega, Seus problemas ajudar a resolver, Sofrer também nas provas bimestrais junto a você. Serei sempre seu confidente fiel Se seu pranto molhar meu papel. Sou eu que vou ser seu amigo Vou lhe dar abrigo se você quiser, Quando surgirem seus primeiros raios de mulher. A vida se abrirá num feroz carrossel E você vai rasgar meu papel. O que está escrito em mim, Comigo ficará guardado se lhe dá prazer. A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer. Só peço a você um favor, se puder, Não me esqueça num canto qualquer. Atividades: • Ler e cantar com as crianças, refletindo sobre o significado da letra e promovendo atividades orais de interpretação. 3
  4. 4. • Fazer levantamento de rimas, grifar as palavras que rimam e verificar outras possibilidades de substituição ( outras palavras que rimam diferentes das rimas do texto e que mudam o sentido das frases). • Ressaltar o foco narrativo ( o eu poético), substituindo –o para a primeira pessoa do plural(nós) e fazendo as devidas concordâncias. • professor poderá estender as atividades para a disciplina de Ciências, promovendo a pesquisa sobre de onde vem o papel, do que se faz papel, quais regiões produzem papel, o papel reciclado, técnicas de reciclagem (vide receita de reciclagem do papel). • Produzir textos narrativos, poesias...em livrinhos de papel reciclado (trabalho em equipe) e expor na escola. • Trabalhar o tem transversal Ética, estabelecendo relações entre o sentido do texto, sua mensagem, com a postura disciplinar da criança diante do material escolar( livros, cadernos, lápis, canetas e outros) para que haja respeito, conservação , limpeza e capricho ao seu próprio material bem como ao material alheio. Asa Branca Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira Quando olhei a terra ardendo, Qual fogueira de São João, Eu perguntei a Deus do céu Porque tamanha judiação. Que braseiro, que fornalha, Nem um pé de plantação Por falta d’água perdi meu gado Morreu de sede meu alazão. Até mesmo a Asa Branca Bateu asas no serão Então eu disse adeus, Rosinha, Guarda contigo meu coração. Hoje longe muitas léguas, Numa triste solidão, Espero a chuva cair de novo Pra eu voltar pro meu sertão Quando o verde dos teus olhos Se espalhar na plantação, Eu te asseguro não chore não, viu, 4
  5. 5. Eu voltarei, meu coração. Atividades: • Leia e cante com a turma. • Discuta a letra da música, esclarecendo o vocabulário, caso haja dúvida. • Discuta com os alunos sobre a vida difícil de muitos brasileiros, especialmente os nordestinos vítimas da seca. • As causas da migração de muitos para as grandes cidades. • Escolha algumas palavras do texto que contenham letras que são pronunciadas de uma forma e escrita de outra(s,c). • Escreva frases, deixando uma lacuna no lugar destas palavras. • Troque o caderno com um colega e peça para ele completar as lacunas com palavras do texto. • Depois, verifique se ele completou com as palavras que você pensou no momento em que estava escrevendo e fazer as devidas correções. • Promover um trabalho de pesquisa sobre a vida e obra do compositor e elaborar para elaboração de entrevista. Simular entrevista com o compositor Luiz Gonzaga para que os alunos conheçam um pouco sobre esse brasileiro importante. • Dividir a turma em equipes e solicitar que transformem o texto num roteiro para ser representado. • Solicitar que os grupos dramatizem o texto, após um período de ensaios. Como uma onda Lulu Santos Nada do que foi será De novo do jeito que já foi um dia Tudo passa, tudo sempre passará. A vida vem em ondas como um mar Num indo e vindo infinito. Tudo que se vê não é Igual ao que a gente viu há um segundo Tudo muda o tempo todo no mundo. Não adianta fugir nem mentir Pra si mesmo. Agora, há tanta gente lá fora (aqui dentro) sempre Como uma onda no mar Como uma onda no mar 5
  6. 6. Como uma onda no mar Atividade: • Cantar com as crianças, refletindo sobre sua mensagem. Se houver palavras estranhas ao vocabulário das crianças, trabalhar sinônimos, por meio de consultas ao dicionário e discussão do seu significado no texto. • Promover a elaboração de paródias a partir da música e letra . O professor poderá implementar apresentações para a escolas e concursos de paródias. O Elefantinho Onde vais elefantinho Correndo pelo caminho Assim tão desolado Andas perdido, bichinho Elefante o pé no espinho Que sentes, pobre coitado? -Estou com um medo danado -Encontrei um passarinho! Atividades: • Identificar e explicar a ironia presente no texto. • Trabalhar flexão de grau dos substantivos – diminutivo e aumentativo. • Trabalhar o dígrafo nh. • Trabalhar a pontuação – ponto de interrogação e travessão. A casa Vinícius de Moraes Era uma casa muito engraçada Não tinha teto, não tinha nada Ninguém podia entrar nela não Porque na casa não tinha chão. Ninguém podia dormir na rede Porque na casa não tinha parede Ninguém podia fazer pipi Porque pinico não tinha ali Mas era feita com muito esmero 6
  7. 7. Na rua dos bobos Número zero Atividades: • Ler e cantar com as crianças, refletindo sobre a mensagem da letra. Caso haja palavras desconhecidas, pesquisar no dicionário. • Imaginar a casa da música e desenhá-la , conforme o que entendeu da música. • Levar anúncios de jornais, classificados sobre vendas e aluguel de casas, verificar a estrutura e linguagem do texto desses anúncios. • Transformar o texto acima em um anúncio engraçado para o jornal, baseando-se na letra da música. O coelhinho Eu sou o coelhinho bossa-nova Vou contar para vocês Pra cenoura eu não dou bola Eu só tomo coca-cola Coelhinho bossa-nova É uma brasa-mora Chorar por uma cenoura Foi no tempo da vovó Pra cenoura eu não dou bola Eu só tomo coca-cola Coelhinho bossa-nova É uma brasa-mora Coelhinho bossa-nova É uma brasa-mora Atividades: • Cantar com as crianças. • Fazer levantamento das gírias ( outra variedade lingüística) presentes no texto. • Discutir com as crianças o conceito de gíria ( o que é e como aparecem). • Discutir se estas que estão no texto são atuais ou não e em que época essas gírias poderiam estar na moda. • Listar algumas gírias atuais e o que elas significam. • Reescrever o texto substituindo as gírias por palavras ou expressões da língua culta. Dona baratinha Era uma vez uma baratinha 7
  8. 8. Que queria se casar Saiu voando, procurando um barato Mas um barato está difícil de achar. Quem quer casar com a dona baratinha Que é bonitinha e está doidinha pra casar. Também tem dinheiro na caixinha E gosta muito de dançar o xá,xá,xá. Quem quer casar com a dona baratinha Que é bonitinha e está doidinha pra casar Também tem dinheiro na caixinha E gosta muito de dançar o xá,xá,xá. Atividades: • Cantar com as crianças, intercalando com a história da dona baratinha. • Destacar as palavras no diminutivo presentes no texto e inventariar outras palavras no diminutivo. • Desenvolver atividades com o grau dos substantivos ( diminu tivos/aumentativos). • Baseando-se no texto, reescrever a história da dona baratinha, dando-lhe um final infeliz. Domingo no parque Gilberto Gil O rei da brincadeira – ê José O rei da confusão – ê João Um trabalhava na feira – ê José Outro na construção – ê João A semana passada no fim de semana João resolveu não brigar No Domingo de tarde saiu apressado E não foi pra ribeira jogar Capoeira Não foi pra lá pra ribeira Foi namorar O José como sempre no fim de semana Guardou a barraca e sumiu Foi fazer no Domingo um passeio no parque Lá perto da boca do rio Foi no parque que ele avistou Juliana Foi que ele viu 8
  9. 9. Juliana na roda com João Uma rosa e um sorvete na mão Juliana seu sonho, uma ilusão Juliana e o amigo João O espinho da rosa feriu Zé E o sorvete gelou seu coração O sorvete e a rosa – ê José A rosa e o sorvete – ê José Oi dançando no peito – ê José Do José brincalhão – ê José O sorvete e a rosa – ê José A rosa e o sorvete – ê José Oi girando na mente – ê José Do José brincalhão – ê José Juliana girando – oi girando Oi na roda-gigante – oi girando O amigo João – ê João O sorvete é morango – ê vermelho Oi girando e a rosa – ê vermelha Oi girando, girando – olha a faca Olha o sangue na mão – ê José Juliana no chão – ê josé Outro corpo caído – ê José Seu amigo João – ê José Amanhã não tem feira – ê José Não tem mais construção – ê João Não tem mais brincadeira – ê José Não tem mais confusão – ê João Atividades: • Ouvir a música, cantá-la. • Identificar personagens e enredo. • Adaptar o texto para ser representado ensaiar, caracterizar personagens por meio de figurinos, montar cenários utilizando-se de jornais, desenhos em papel pardo e dramatizá-lo para a turma. • Montar júri simulado – compor o grupo em juízes, testemunhas, advogados, promotores – redigir veredicto para finalizar o júri. • tema transversal Ética poderá ser discutido com as crianças, a questão da violência , o comportamento aceitável pela sociedade e outros. Passaredo Francis Hime/Chico Buarque Ei, pintassilgo Oi, pintarroxo 9
  10. 10. Melro, uirapuru O homem vem aí Ai, chega-e-vira O homem vem aí Engole vento Ei, quero-quero Saíra, inhambu Oi, tico-tico Foge, asa-branca Anum, pardal, chopim Vai, patativa Xô, cotovia Tordo, tuju, tuim Xô, ave-fria Xô, tié-sangue Xô, pescador-martim Xô , tié-fogo Some, rolinha Xô, rouxinol sem fim Anda, andorinha Some, coleiro Te esconde, bem-te-vi Anda, trigueiro Voa, sanhaço Te esconde, colibri Vai, juriti Voa, macuco Bico calado Voa, viúva Muito cuidado Utiariti Que o homem vem aí Bico calado O homem vem aí Toma cuidado O homem vem aí Que o homem vem aí Atividades: • Questionar: Quem está conversando com os pássaros? Justifique. Onde a criança pensa que se passa esse fato? • Relacionar as palavras utilizadas para transmitir mensagens aos pássaros. • Observar as palavras do texto e separá-las em grupos: Nomes de pássaros/ordens dadas aos pássaros/ palavras que expressam emoção ( apelo, chamamento, admiração, saudação). • Pesquisar nas gramáticas ou livro didático e escrever os nomes das classes de palavras a que pertencem as palavras relacionadas dos três grupos. • Reler as palavras do segundo grupo e identificar o modo verbal a que pertencem. • Na disciplina de ciências, pesquisar sobre os pássaros referidos, em que regiões vivem, como vivem, de que se alimentam... • Criar uma história em que o personagem principal é o seu pássaro preferido, não esquecendo que a história deverá contemplar personagens, ambiente, marcação de tempo(quando), narrador, conflito e resolução desse conflito. 10
  11. 11. Pombinha branca Folclore Pombinha branca que está fazendo Lavando roupa pro casamento Vou me lavar, vou me trocar Vou na janela pra namorar. Passou um homem de terno branco Chapéu de lado, meu namorado Mandei entrar, mandei sentar ( repetir 2ª estrofe) Guspiu no chão Limpa aí seu porcalhão. Atividade: • Cantar e dançar com as crianças. • Solicitar que reescrevam a história com um final feliz para a pombinha. Morango do nordeste Karametade Estava tão distante quando ela apareceu Os olhos que fascinam logo estremeceu (repete 3 vezes) Meus amigos falam que eu sonho demais É somente ela que me satisfaz. Você colheu o que você plantou Por isso é que eles falam que eu sou um sonhador Se ela é o morango aqui no nordeste Status não existe, sou cabra-da-peste Apesar de colher batatas da terra Com essa mulher eu vou até pra guerra Ai, é amor, aí, aí, aí é amor. Atividades: • Cantar e discutir com as crianças se alguém entendeu a letra da música e compreender que nem tudo que cantamos e lemos faz sentido. • Levar a criança a pensar que a letra não faz sentido e que é preciso reformular o texto, tirando, acrescentando, modificando e mudando de lugar algumas palavras e expressões. • Trabalhar coesão e coerência por meio da refacção coletiva do texto. 11
  12. 12. Aquarela Toquinho Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo Com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo Corro o lápis em torno da mão e meu dou uma luva E se faço chover com dois riscos faço um guarda-chuva Se um pinguinho de tinta cai no pedacinho azul de papel Num instante imagino uma linda gaivota voar no céu. Vai voando, contornando a imensa curva norte-sul Vou com ela viajando Havaí, Pequim ou Istambul Indo um barco a vela navegando É tanto céu e mar num beijo azul. Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião Mas em grená Tudo em volta colorindo com suas luzes a piscar Basta imaginar que ele está partindo sereno indo E se a gente quiser vai pousar. Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida De uma América a outra eu consigo passar num segundo Giro o simples compasso e num círculo eu faço o mundo Um menino caminha e caminhando chega no muro E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar Sem pedir licença muda a nossa vida Depois convida a rir ou chorar Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá O fim dela ninguém sabe ao certo onde vai dar Vamos todos numa linda passarela de uma aquarela Que um dia, enfim, descolorirá Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo Que descolorirá E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo Que descolorirá Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo Que descolorirá... 12
  13. 13. * Análise lingüística: trabalhar a ocorrência de rimas; o léxico por meio de consultas ao dicionário; relacionar palavras que se referem a ações ; separar as ações que estão no presente e ações que estão no passado; sistematizar o conceito de verbos e o que pode ser passado/presente/futuro; trabalhar dificuldades ortográficas a partir de exemplos do texto (s com som de z – quiser/pousar), grafia do j/g – viajando/beijo ( viajem-verbo e viagem-nome) Atividades: • Levar tintas para pintar tecidos de diversas cores, lápis de cor, tecidos de sacos p/ pano de prato cortados em retângulos de 6cm por 12cm , pincéis, pedaços de cartolina americana... • Cante e pense na letra da música com as crianças. • Solicitar que as crianças imaginem os desenhos descritos na música e façam um esboço no papel rascunho. • Após isso, solicitar que usem o esboço para pintar a pequena tela no retângulo de pano, assinem e esperem secar. • Enquanto secam-se as telas, solicitar que escrevam um texto narrativo, com seqüência lógica, usando como ambiente o desenho da sua pintura. • Usar as cartolinas para fazer as molduras da forma desejada e expor os trabalhos( pinturas e textos) para a escola. • professor poderá se valer das aulas de educação artística para as atividades de pintura. Desenhos no jornal Sá & Guarabyra Eu vou te encontrar nos muros cobertos de folhas Lugares adormecidos pelo tempo Eu vou te encontrar em outras passagens desta vida Quando tiver mais coisas pra dizer Eu vou te encontrar nas torres de 130 andares Por trás das malhas de vidro Cair no esquecimento Num futuro que eu não sei se haverá Vou te escutar nas finas antenas de metal Vou ver teus desenhos no jornal Um rosto distante se apagando no meio da multidão Vou te escutar nas finas antenas de metal Um rosto distante se apagando no meio da multidão No meio da multidão 13
  14. 14. No meio da multidão No meio da multidão Atividades: • Ler, cantar e interpretar oralmente com os alunos como sensibilização para a atividades com o jornal. • Trabalhar a linguagem figurada do texto, ressaltando a presença da metáfora.  lugares adormecidos – lugares dormem? ( personificação)  torres de 130 andares – edifícios ( metáfora)  malhas de vidro – janelas ( metáfora)  finas antenas de metal – rádio/televisão – (metáfora)  desenhos no jornal – fotografias – ( metáfora) • Levar jornais, explorar as imagens, conforme sugestão do caderno de atividades com o jornal. • Quanto à gramática do texto, o professor poderá explorar a palavra multidão para trabalhar coletivos. Sobradinho Sá & Guarabyra O homem chega e já desfaz a natureza Tira gente e põe represa E diz que tudo vai mudar O São Francisco, lá pra cima da Bahia Diz que dia menos dia vai subir bem devagar E passo a passo vai cumprindo a profecia De um beato que dizia que o sertão ia alagar. O sertão vai virar mar, tá coração O medo de algum dia o mar também vire sertão (2 vezes) Adeus irmão casa nova, centro, Sé Adeus que não há tempo vem o rio te engulir Debaixo d’água lá se vai a vida inteira Por cima da cachoeira o gaiola vai subir Vai Ter barragem no salto do sobradinho O povo vai se embora com medo de se afogar O sertão vai virar mar, tá no coração O medo que algum dia o mar vire sertão (2 vezes) Ah! Ah! Ah! Ah! Eh! Eh! Eh! Eh! Adeus, adeus, adeus, adeus... 14
  15. 15. Atividades: • Ler, cantar e dançar com os alunos. • Destacar as rimas e introduzir o jogo das rimas • Proporcionar momentos para reflexão e discussão sobre o tema “construção de hidrelétricas”. • Consultar mapas, localizar o Rio São Francisco e Sobradinho na Bahia. Se possível localizar outras grandes hidrelétricas no mapa como Itaipu. • Desenvolver pesquisas sobre algumas delas ou uma delas, contendo dados sobre : por que são construídas em grandes saltos, qual sua função, quais impactos sociais provocam. • tema transversal presente é Meio Ambiente, o que poderá ser trabalhado sob o enfoque as hidrelétricas e as conseqüências no meio ambiente. Cidade Maravilhosa André Filho Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil Cidade maravilhosa, coração do meu Brasil Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil Cidade Maravilhosa, coração do meu Brasil. Berço do samba e das lindas canções Que viveu n’alma da gente És o altar dos nossos corações Que cantam alegremente. Atividades: • Cantar com as crianças. • Pesquisar outras músicas representativas de outras cidades e cantá-las. • Discutir as origens das cidades e as diferenças culturais de algumas cidades importantes do Brasil. • Conhecer outros estados brasileiros, localizando essas cidades nos mapas e em seus respectivos estados. Mulher rendeira ( motivo popular do Nordeste) Olê! Mulher rendeira Tu me ensina a fazer Olê! Mulher rendá renda Que eu te ensino a Tu me ensina a fazer namorar renda que eu te ensino a Olê! Mulher rendeira namorar Olê! Mulher rendá 15
  16. 16. As moças da vila Bela Lampião desceu a serra Não têm mais ocupação Deu Um baile em E só vivem na janela cajazeira Namorando Lampião Botou as moças donzelas Olê! Mulher rendeira Pra cantar mulher Olê! Mulher rendá rendeira Tu me ensina a fazer renda Olê! Mulher rendeira Que eu te ensino a Olê! Mulher rendá namorar Atividades: • Abrir debate em torno da existência da tradição artesanal na sociedade brasileira. • Procurar destacar o fato de o artesanato Ter sido uma das fases da história da indústria. • Destacar o Tema Transversal Pluralidade Cultural por meio da identificação de outros tipos de artesanato típicos de determinadas regiões. Destacar o artesanato do Paraná. Canção da América Milton Nascimento Amigo é coisa pra se guardar Debaixo de sete chaves Dentro do coração Assim falava a canção que na América ouvi Mas quem cantava chorou ao ver seu amigo partir Mas quem ficou no pensamento voou com seu canto que o outro lembrou E quem voou o pensamento ficou com a lembrança que o outro cantou Amigo é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito, Mesmo que o tempo e a distância digam não Mesmo esquecendo a canção O que importa é ouvir a voz que vem do coração Pois seja o que vier Venha o que vier Qualquer dia amigo eu volto pra te encontrar Qualquer dia amigo a gente vai se encontrar. Seja o que vier Venha o que vier Qualquer dia amigo eu volto e te encontrar 16
  17. 17. Qualquer dia amigo a gente vai se encontrar. Atividades: • Ler e cantar e interpretar a canção. • Estimular os alunos a escreverem um texto sobre o tema “O meu melhor amigo”. • Trabalho com o tema transversal ética por meio de discussões sobre a importância de fazermos amigo na sala de aula e respeitá-los para que haja um ambiente fraterno e tranqüilo na turma. • Quanto à gramática do texto poderá, enfatizar o uso dos pronomes pessoais oblíquos te/se e qual a sua função no texto, partindo para o estudo dos outros pronomes oblíquos. Coração de estudante Milton Nascimento Quero falar de uma coisa Adivinha onde ela anda Deve estar dentro do peito Ou caminha pelo ar Pode estar aqui do lado Bem mais perto que pensamos A folha da juventude É o nome certo desse amor Já podaram seus momentos Desviaram seus destinos Sei sorriso de menino Tantas vezes se escondeu Mas renova-se a esperança Nova aurora a cada dia E há que se cuidar do broto, ô,ô,ô Para que vida nos dê folha, flor e fruto Coração de estudante Há que se cuidar da vida Há que se cuidar do mundo Tomar conta da amizade Alegria e muito sonho Espalhado no caminho Verdes plantas, sentimentos, Folhas, coração Juventude e fé. 17
  18. 18. Atividade: • Ler e cantar estimulando a reflexão d sobre o significado da letra. • Trabalhar a linguagem figurado do texto, especialmente as metáforas. • Proporcionar momentos de interpretação oral, quando os alunos falarão o que entenderam da música. Parte 2 LETRAS DE MÚSICA TATUAGEM Chico Buarque de Holanda Quero ficar no teu corpo feito tatuagem Que é pra te dar coragem Pra seguir viagem Quando a noite vem. E também pra me perpetuar Em tua escrava Que você pega, esfrega, nega Mas não lava. Quero brincar no teu corpo feito bailarina Que logo se alucina, Salta e te ilumina Quando a noite vem. E nos músculos exaustos Do teu braço Repousar frouxa, murcha, farta, Morta de cansaço. Quero pesar feito cruz nas tuas costas Que te retalha em postas Mas no fundo gostas Quando a noite vem. Quero ser a cicatriz risonha e corrosiva, Marcada a frio A ferro e fogo Em carne viva. Corações de mãe, arpões, Sereias e serpentes Que te rabiscam o corpo todo mas não sentes. Atividades: • Ler e cantar a música, levar os alunos a pensarem sobre o tema “tatuagem” e discutir o porquê das 18
  19. 19. pessoas se sentirem atraídas pela tatuagem , como é feita e quais os desenhos preferidos da moçada. • Destacar os verbos presentes no texto, listá-los e identificar o tempo e modo. • Flexioná-los em outro tempo e pessoa (Ex. 3ª pessoa do pretérito perfeito). • Produção de texto opinativo: Você acha bonito se tatuar ou não? Por quê? JURA SECRETA Sueli Costa/ Simone Só uma coisa me entristece O beijo de amor que não roubei A jura secreta que não fiz A briga de amor que não causei Nada do que posso me alucina Tanto quanto o que não fiz Nada que eu quero me suprime De que por não saber inda não quis Só uma palavra me devora Aquela que meu coração não diz Só o que me cega, o que me faz infeliz É o brilho do olhar que não sofri. Atividade: Produção de texto: “O que gostaria de Ter feito e não fiz.” ESSE CARA Caetano Veloso Ah! Que esse cara tem Me consumido A mim e a tudo que eu quis Com seus olhinhos infantis Como os olhos de um bandido Ele está na minha vida Porque quer Eu estou pra o que der e vier Ele chega ao anoitecer Quando vem a madrugada ele some Ele é quem quer Ele é o homem Eu sou apenas uma mulher. Atividades: 19
  20. 20. • Desenvolver as atividades de sintaxe, ressaltando os verbos ser e estar como elementos que compõe o predicado nominal. • Destacar as orações e analisá-las, ressaltando o sujeito, verbo e os elementos que caracterizam esse sujeito. COTIDIANO Chico Buarque de Holanda Todo dia ela faz tudo sempre igual Me sacode às seis da manhã Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar E essas coisas que diz toda mulher Diz que está me esperando pro jantar E me beija com a boca de café Todo dia eu só penso em poder parar Meio-dia eu só penso em dizer não Depois penso na vida pra levar E me calo com a boca de feijão Seis da tarde como era de esperar Ele pega e me espera no portão Diz que está muito louca pra beijar E me beija com a boca de paixão Toda noite ela diz pra eu não me afastar Meia-noite ela jura eterno amor E me aperta pra eu quase sufocar E me morde com a boca de pavor Todo dia ela faz sempre igual Me sacode às seis da manhã Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã. • Atividades: • Ler e cantar a música, pensando no seu significado. • Relacioná-la com o cotidiano das pessoas em geral e ao cotidiano de cada um. • Destacar os verbos de cada verso, identificar o tempo e o modo. • Discutir a importância no texto ( finalidade de destacar as inúmeras atividades da pessoa no decorrer de sua rotina) dos verbos destacados. • Produção de texto: Cada alunos poderá descrever o seu cotidiano, utilizando-se do mesmo tema. DONA Sá & Guarabyra 20
  21. 21. Dona, desse traiçoeiros sonhos Sempre verdadeiros Dona desse animais Dona dos teus ideais Pelas ruas onde andas, onde mandas todos nós Somos sempre mensageiros esperando a tua voz Teus desejos uma ordem, nada é nunca, nunca é não Porque tens essa certeza dentro do teu coração Tan, tan, tan batem na porta, não precisa ver quem é Pra sentir a impaciência do teu pulso de mulher. Um olhar me atira à cama, um beijo me faz amar Não levanto, não me escondo, porque sei que és minha dona Não há pedra no caminho, não há ondas no teu mar Não há vento ou tempestade que te impeçam de voar Entre cobra e passarinho, entre a pomba e o gavião Ou teu ódio ou teu carinho nos carregam pela mão É a moça da cantiga, a mulher da criação Umas vezes nossa amiga, outras nossa perdição O poder que nos levanta, a força que nos faz cair Qual de nós inda não sabe que isso tudo te faz dona. **Há um sutil diferença entre o primeiro verso e o terceiro (também poderia ser entre o primeiro e o quarto): o uso da vírgula após a palavra dona . O que significa dona no primeiro verso? E no terceiro? **Destaque as antíteses( idéias ou palavras de sentidos opostos) presentes no texto. **Produção de texto: “a mulher da criação... nossa perdição” você acha que a mulher da criação foi realmente nossa perdição? Por quê? CHEGA DE SAUDADE Vinicius de Moraes Vai, minha tristeza E diz a ela Que sem ela não pode ser Diz-lhe numa prece Que ela regresse Porque eu não posso mais sofrer Chega de saudade A realidade é que sem ela Não há paz, não há beleza É só tristeza, e a melancolia Que não sai de mim, não sai de mim 21
  22. 22. Não sai. Mas se ela voltar Se ela voltar, que coisa linda Que coisa louca Pois há menos peixinhos a nadar no mar Do que os beijinhos que eu te darei Na sua boca... Dentro dos meus braços Os abraços hão de ser milhões de abraços apertados assim Colado assim, calado assim Abraços e beijinhos e carinhos Sem ter fim Que é pra acabar com esse negócio De viver longe de mim. Atividades: • Ler e cantar a música. • Destacar o poeta e solicitar que os alunos façam uma pesquisa sobre vida e obra do autor. • Destacar as rimas presentes no texto e solicitar que os alunos procurem outras palavras que rime e substituam no texto para atribuir novo sentido ao mesmo. • A partir daí peçam que elaborem novo poema, a partir deste, fazendo o jogo de substituições de palavras. • Ler outros poemas de Vinícius de Moraes. DEPENDE DE NÓS Ivan Lins Depende de nós Quem já foi ou ainda é criança Que acredita e tem esperança Que faz tudo p’ro mundo melhor! Depende de nós Que o circo esteja armado Que o palhaço esteja engraçado Que o riso esteja no ar Sem que a gente precise sonhar Que os ventos cantem nos galhos Que as folhas bebam o orvalho Que o sol descortine mais as manhãs. 22
  23. 23. Depende de nós Se esse mundo ainda tem jeito Apesar do que o homem tem feito (bis) Se a vida sobreviverá!! Depende de nós ** Para promover a sensibilização, levando os alunos e refletirem sobre o tema e a letra da música, destacando que , para as coisas acontecerem como sonhamos e desejamos, depende do esforço de cada um de nós. ÁGUIA PEQUENA Pe. Zezinho Tu me fizeste uma das criaturas Com ânsia de amar Águia pequena que nasceu para as alturas Com ânsia de voar E eu percebi que as minhas penas já cresceram E que eu preciso abrir as asas e tentar Se eu não tentar não saberei como se voa Não foi à toa que eu nasci para voar Pequenas águias correm risco quando voam Mas devem arriscar Só que é preciso olhar os pais como eles voam E aperfeiçoar Haja mau tempo, haja correntes traiçoeiras Se já tem asas, seu destino é voar Tem que sair e regressar ao mesmo ninho E outro dia, outra vez recomeçar Tu me fizeste amar o risco das alturas Com ânsia de chegar E embora eu seja como as outras criaturas Não sei me rebaixar Não vou brincar de não ter sonhos se eu os tenho Sou da montanha e na montanha eu vou ficar Igual meus pais vou construir também meu ninho Mas não sou águia se lá em cima eu não morar Tenho uma prece que eu repito suplicante Por mim, por meu irmão, Dá-me esta graça de viver a todo instante A minha vocação Eu quero amar um outro alguém do jeito certo Não vou trair meus ideais para ser feliz Não vou descer nem jogar fora meu projeto Vou ser quem sou e sendo assim serei feliz. 23
  24. 24. Atividades: • Ler e cantar com os alunos. • Desenvolver dinâmica de grupo que possa sensibilizá-los para o Tema Transversal Ética. • Produção de texto: “Meus sonhos” , baseando-se na letra da música. COPO VAZIO Gilberto Gil/Chico Buarque de Holanda É sempre bom lembrar Que um copo vazio está cheio de ar. É sempre bom lembrar Que o ar sombrio de um rosto Está cheio de um ar vazio Vazio daquilo que o ar do copo Ocupa um lugar. É sempre bom lembrar, guardar de cor Que o ar vazio de um rosto sombrio Está cheio de dor. É sempre bom lembrar Que um copo vazio está cheio de ar. Que o ar do copo ocupa o lugar do vinho Que o vinho busca ocupar o lugar da dor Que a dor ocupa metade da verdade A verdadeira natureza interior Uma metade cheia, uma metade vazia Uma metade tristeza, uma metade alegria A magia da verdade inteira, Todo-poderoso Amor! É sempre bom lembrar Que um copo vazio está cheio de ar. Atividades: • Ler e cantar com a turma. • Discutir com os alunos a ocorrência da palavra sempre, sua classe gramatical, sua função no texto. • Por ser um texto de linguagem figurada, solicitar que cada aluno faça a sua interpretação. • Destaque as metáforas e seus significados. • Peça aos alunos que criem outras. 24
  25. 25. Notícias do Brasil Milton Nascimento/Fernando Brant Uma notícia tá chegando lá no Maranhão, Não deu no rádio, no jornal ou na televisão, Veio no vento que soprava lá no Litoral De Fortaleza, de Recife e Natal. A boa nova foi ouvida em Belém, Manaus, João Pessoa, Teresina e Aracaju E lá do norte foi descendo pro Brasil Central, Chegou em Minas, já bateu bem lá no Sul. Aqui vive um povo que merece mais respeito, sabe? E belo é o povo como é belo todo amor. Aqui vive um povo que é mar que é rio E seu destino é um dia se juntar. O canto mais belo será sempre mais sincero, sabe? E tudo quanto é belo será sempre de espantar. Aqui vive um povo que cultiva a qualidade Ser mais sábio que quem o quer governar. A novidade é que o Brasil não é só litoral, É muito mais, é muito mais que qualquer zona sul. Tem gente boa espalhada por esse Brasil, Que vais fazer desse lugar um bom país. Uma notícia, tá chegando lá do interior, Não deu no rádio, no jornal ou na televisão. Ficar de frente para o mar, de costas pro Brasil Não vai fazer desse lugar um bom país. Atividades: • Ler e cantar com a turma. • Levar jornais do dia para a sala de aula e distribuir aos alunos( em grupos ou não). • Solicitar que identifiquem os estados e capitais presentes no texto. • Solicitar que pesquisem nos jornais notícias, notas, cartas... referentes aos lugares citados na letra da música. • Discutir essas notícias. • Levar o mapa do Brasil e incentivá-los a localizar esses lugares no mapa. • Destacar a expressão “de costas para o Brasil”, esclarecê-la, visualizando no mapa o litoral e o interior. • professor também poderá utilizar os mapas contidos no próprio jornal. 25
  26. 26. • Produção de textos: Os alunos poderão resumir as notícias lidas e simular um telejornal para apresentar à turma. • Destacar o Tema Transversal contido no texto, Pluralidade Cultural, por meio de pesquisa sobre a variedade cultural de cada região( musica, linguagem, culinária... ) quando cada grupo poderá se encarregar da pesquisa sobre um lugar e posteriormente montar a feirinha dos estados , na sala de aula. Olinda Rosa Ribas Assessoria de Língua Portuguesa Maio/2000. O cravo brigou com a Que não soube remar rosa Tiriri pra lá Embaixo de uma sacada Tiriri pra cá O cravo saiu ferido A Maria é velha E a rosa despedaçada. E não quer casar O cravo ficou doente A rosa foi visitar O cravo deu um desmaio E a rosa pôs-se a O sapo não lava o pé chorar. Não lava porque não quer ele mora lá na lagoa não lava o pé A canoa virou porque não quer Vou deixar ela virar mas que chulé! Foi por causa da Maria 26
  27. 27. Troce, retorce Como pode o peixe vivo Procuro mas não vejo Viver fora da água fria? Não sei se era pulga Como pode um peixe Ou se era o percevejo vivo Fizeram uma Viver fora da água fria? combinação Como poderei viver? Fizeram serenata Como poderei viver? Bem debaixo do meu Sem a tua , sem a tua, colchão Sem a tua companhia. A barata diz que tem Sete saias de filó É mentira da barata Samba lê lê Ela tem é uma só Tá doente Ah! há, há Tá com a cabeça Ah! há, há quebrada Ela tem é uma só Samba lê lê Precisava Meu limão, meu limoeiro É de umas boas Meu pé de jacarandá palmadas Um vez esquindô lê,lê Samba, samba, samba Outra vez esquindô lá lá ô lê lê Outra vez esquindô lá,lá Pisa na barra da saia ô lá lá 27

×