SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Siderurgia
A fronteira entre o ferro e o aço foi definida na Revolução Industrial, com a invenção de
fornos que permitiam não só corrigir as impurezas do ferro, como adicionar-lhes
propriedades como resistência ao desgaste, ao impacto, à corrosão, etc. Por causa
dessas propriedades e do seu baixo custo o aço passou a representar cerca de 90% de
todos os metais consumidos pela civilização industrial. Basicamente, o aço é uma liga de
ferro e carbono. O ferro é encontrado em toda crosta terrestre, fortemente associado ao
oxigênio e à sílica. O minério de ferro é um óxido de ferro, misturado com areia fina. O
carbono é também relativamente abundante na natureza e pode ser encontrado sob
diversas formas. Na siderurgia, usa-se carvão mineral, e em alguns casos, o carvão
vegetal. O carvão exerce duplo papel na fabricação do aço. Como combustível, permite
alcançar altas temperaturas (cerca de 1.500º Celsius) necessárias à fusão do minério.
Como redutor, associa-se ao oxigênio que se desprende do minério com a alta
temperatura, deixando livre o ferro. O processo de remoção do oxigênio do ferro para
ligar-se ao carbono chama-se redução e ocorre dentro de um equipamento chamado alto
forno. Antes de serem levados ao alto forno, o minério e o carvão são previamente
preparados para melhoria do rendimento e economia do processo. O minério é
transformado em pelotas e o carvão é destilado, para obtenção do coque, dele se obtendo
ainda subprodutos carboquímicas. No processo de redução, o ferro se liquefaz e é
chamado de ferro gusa ou ferro de primeira fusão. Impurezas como calcário, sílica etc.
formam a escória, que é matéria-prima para a fabricação de cimento. A etapa seguinte do
processo é o refino. O ferro gusa é levado para a aciaria, ainda em estado líquido, para
ser transformado em aço, mediante queima de impurezas e adições. O refino do aço se
faz em fornos a oxigênio ou elétricos. Finalmente, a terceira fase clássica do processo de
fabricação do aço é a laminação. O aço, em processo de solidificação, é deformado
mecanicamente e transformado em produtos siderúrgicos utilizados pela indústria de
transformação, como chapas grossas e finas, bobinas, vergalhões, arames, perfilados,
barras etc. Com a evolução da tecnologia, as fases de redução, refino e laminação estão
sendo reduzidas no tempo, assegurando maior velocidade na produção.
Classificações
As usinas de aço do mundo inteiro classificam-se segundo o seu processo produtivo:
Integradas - que operam as três fases básicas: redução, refino e laminação;
Participam de todo o processo produtivo e produzem aço. Semi-integradas - que operam
duas fases: refino e laminação. Estas usinas partem de ferro gusa, ferro esponja ou
sucatas metálicas adquiridas de terceiros para transformá-los em aço em aciarias
elétricas e sua posterior laminação. Além disso, em função dos produtos que
preponderam em suas linhas de produção, as usinas também podem ser assim
classificadas:
De semi-acabados (placas, blocos e tarugos)
De planos aços carbono (chapas e bobinas)
De planos aços especiais / ligados (chapas e bobinas)
De longos aços carbono (barras, perfis, fio máquina, vergalhões, arames e tubos sem
costura) De longos aços especiais / ligados (barras, fio-máquina, arames e tubos sem
costura). Existem ainda unidades produtoras chamadas de não integradas, que operam
apenas uma fase do processo: processamento (laminação ou trefilas) ou redução.
Laminação
Estão os relaminadores, geralmente de placas e tarugos, adquiridos de usinas integradas
ou semi-integradas e os que relaminam material sucatado. No mercado produtor operam
ainda unidades de pequeno porte que se dedicam exclusivamente a produzir aço para
fundições.
Trefilação
São as trefilarias, unidades que dispõem apenas de trefilas, em que produtores de
arames e barras utilizam o fio-máquina como matéria prima.
Redução
São os produtores de ferro gusa, os chamados guseiros, que têm como característica
comum o emprego de carvão vegetal em altos fornos para redução do minério, mas que
se trata de atividade industrial distinta. De acordo com a CNAE / IBGE (instrumento de
padronização nacional dos códigos de atividade econômica do país), a Metalurgia é uma
divisão da seção das Indústrias de Transformação. É nessa atividade econômica que
ocorre a conversão de minérios ferrosos e não ferrosos em produtos metalúrgicos e
produtos intermediários do processo. A Siderurgia, setor no qual ocorre a fabricação do
aço em forma de semi-acabados, laminados, rela minados, trefilados e tubos sem costura,
é classificada como um grupo específico na divisão de metalurgia, seção na qual estão
inseridas outras atividades correlatas. Dentro da metalurgia, os produtores independentes
de gusa e de ferro-ligas compõem outro grupo Etapas. O aço é produzido, basicamente, a
partir de minério de ferro, carvão e cal. A fabricação do aço pode ser dividida em quatro
etapas: preparação da carga, redução, refino e laminação.
1. Preparação da carga
Grande parte do minério de ferro (finos) é aglomerada utilizando-se cal e finos de coque.
O produto resultante é chamado de sínter.
O carvão é processado na coqueria e transforma-se em coque.
2. Redução
Essas matérias-primas, agora preparadas, são carregadas no alto forno.
Oxigênio aquecido a uma temperatura de 1000ºC é soprado pela parte de baixo do alto
forno.
O carvão, em contato com o oxigênio, produz calor que funde a carga metálica e dá início
ao processo de redução do minério de ferro em um metal líquido: o ferro-gusa.
A gusa é uma liga de ferro e carbono com um teor de carbono muito elevado.
3. Refino
Aciarias a oxigênio ou elétricas são utilizado para transformar o gusa líquido ou sólido e a
sucata de ferro e aço em aço líquido. Nessa etapa parte do carbono contido no gusa é
removido juntamente com impurezas. A maior parte do aço líquido é solidificada em
equipamentos de lingotamento contínuo para produzir semi-acabados, lingotes e blocos.
4. Laminação
Os semi-acabados, lingotes e blocos são processados por equipamentos chamados
laminadores e transformados em uma grande variedade de produtos siderúrgicos, cuja
nomenclatura depende de sua forma e/ou composição química.
Processo Unitário:
O Aço
No atual estágio de desenvolvimento da sociedade, é impossível imaginar o mundo sem o
uso do aço. A produção de aço é um forte indicador do estágio de desenvolvimento
econômico de um país. Seu consumo cresce proporcionalmente à construção de edifícios,
execução de obras públicas, instalação de meios de comunicação e produção de
equipamentos.
Esses materiais já se tornaram corriqueiros no cotidiano, mas fabricá-los exige técnica
que deve ser renovada de forma cíclica, por isso o investimento constante das
siderúrgicas em pesquisa. O início e o processo de aperfeiçoamento do uso do ferro
representaram grandes desafios e conquistas para a humanidade.
De modo geral existem dois processos para da fabricação do aço. O processo mais
utilizado consiste na produção de ferro fundido no alto-forno e após refinamento, em que
o ferro fundido se transforma em aço no conversor de oxigênio. Outro processo utilizado
consiste em fundir sucata de ferro em um forno elétrico cuja energia é fornecida por arcos
voltaicos (espaço preenchido por gás no meio de dois eletrodos condutivos, que
frequentemente são feitos de carbono, gerando uma temperatura muito alta, capaz de
fundir ou vaporizar virtualmente qualquer coisa).
Para que seja fabricado o aço especificado, a diferença está no refinamento do ferro
fundido, etapa esta em que são adicionados elementos de liga. A adição de elementos de
liga é feita em pequenas porcentagens, para que o aço produzido obtenha as
características exigidas na especificação.
Alto-forno: Forno de tamanho variável, externamente revestido por metal e internamente
por material refratário onde os metais ferrosos são obtidos por redução dos minérios de
ferro nos altos-fornos. Pela parte superior do alto-forno, são carregados minério, calcários
(fundentes) e coque (carvão). Pela parte inferior o ar insuflado efetua a reação de
redução e eleva a temperatura até o ponto de fusão do ferro gusa e das escórias
formadas pela reação do calcário com a sílica que normalmente acompanha o minério.
Em intervalos, o ferro e a escória fundidos, acumulados no ponto mais baixo do alto-forno,
são retirados, levando-se o ferro em estado de fusão para a aciaria ou lançado em formas
para se solidificar em lingotes de ferro gusa. A escória, menos densa que o ferro, sai por
último, sendo retirada e podendo ser aproveitada para constituir cimento de alto forno.
Conversor de Oxigênio: Aqui é feito o refinamento do ferro fundido em aço, que consiste
em remover o excesso de carbono e diminuir a quantidade de impurezas para limites
prefixados. O conversor de oxigênio baseia-se na injeção de oxigênio dentro da massa
líquida de ferro fundido. O ar injetado queima o carbono na forma de monóxido de
carbono (CO) e dióxido de carbono (CO₂) em um processo que dura aproximadamente
20 minutos. Elementos como manganês, silício e fósforo são oxidados e combinados com
cal e óxido de ferro, formando a escória que sobrenada o aço liquefeito. Em intervalos, o
ferro e a escória fundidos, acumulados no ponto mais baixo do alto-forno, são retirados,
levando-se o ferro em estado de fusão para a aciaria ou lançado em formas para se
solidificar em lingotes de ferro gusa. A escória, menos densa que o ferro, sai por último,
sendo retirada e podendo ser aproveitada para constituir cimento de alto forno.
Tratamento do aço na panela: O aço líquido superaquecido absorve gases da atmosfera
e oxigênio da escória. O gás é expelido lentamente com o resfriamento da massa líquida,
porém, ao se aproximar da temperatura de solidificação, o aço ferve e os gases escapam
rapidamente, formando grandes vazios no aço. Para que isso não ocorra, são adicionados
elementos como alumínio e silício na panela, em um processo conhecido como
desgaseificação.
Após a desgaseificação, grande parte dos óxidos insolúveis formados deve ser removida
para não prejudicar as características mecânicas do aço. Este processo é conhecido
como refinamento.
Tratamento térmico: Utilizado para melhorar as propriedades dos aços, dividem-se em
dois grupos: O primeiro destinado principalmente a reduzir tensões internas provocadas
por laminação, etc. O segundo destinados a modificar a estrutura cristalina, com alteração
da resistência e de outras propriedades.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metais nao ferrosos
Metais nao ferrososMetais nao ferrosos
Metais nao ferrososLuiz Felipe
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbonofdsm
 
Tecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiaisTecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiaisWêlson Amaral
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbonoThulio Cesar
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesWillian Mello
 
Defeitos no metal de solda
Defeitos no metal de soldaDefeitos no metal de solda
Defeitos no metal de soldaNayara Neres
 
Aula 06 materiais melhorando o aço
Aula 06   materiais melhorando o açoAula 06   materiais melhorando o aço
Aula 06 materiais melhorando o açoMichelle Aguiar
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoGabriel Sana
 
blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore
  blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore  blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore
blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangaloreAhan M R
 
Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3Luciano Santos
 
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corteAula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de cortetchuba
 
Fabricação mecânica i limas
Fabricação mecânica i   limasFabricação mecânica i   limas
Fabricação mecânica i limasLevi Oliveira
 

Mais procurados (20)

Metais nao ferrosos
Metais nao ferrososMetais nao ferrosos
Metais nao ferrosos
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
 
Tecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiaisTecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiais
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
 
Aços O que é?
Aços O que é?Aços O que é?
Aços O que é?
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
 
Aula 4 ferro
Aula 4   ferroAula 4   ferro
Aula 4 ferro
 
Defeitos no metal de solda
Defeitos no metal de soldaDefeitos no metal de solda
Defeitos no metal de solda
 
Aula 06 materiais melhorando o aço
Aula 06   materiais melhorando o açoAula 06   materiais melhorando o aço
Aula 06 materiais melhorando o aço
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
1 metais não ferrosos
1   metais não ferrosos1   metais não ferrosos
1 metais não ferrosos
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - Forjamento
 
Brasagem Mecanica
Brasagem MecanicaBrasagem Mecanica
Brasagem Mecanica
 
Retificação
RetificaçãoRetificação
Retificação
 
blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore
  blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore  blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore
blast furnace, done by ahan m r , delhi public school bangalore
 
Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3
 
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corteAula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
 
Torno
TornoTorno
Torno
 
Tipo de aços
Tipo de açosTipo de aços
Tipo de aços
 
Fabricação mecânica i limas
Fabricação mecânica i   limasFabricação mecânica i   limas
Fabricação mecânica i limas
 

Semelhante a Siderurgia

Apostila 2 para publicar
Apostila 2 para publicarApostila 2 para publicar
Apostila 2 para publicarwendelrocha
 
Processo de fabricação do aço tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...
Processo de fabricação do aço   tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...Processo de fabricação do aço   tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...
Processo de fabricação do aço tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...Graciela Ferreira
 
Materiais 1 andré
Materiais 1 andréMateriais 1 andré
Materiais 1 andréaugustohirtz
 
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005Sidnei Silva
 
Metalurgia da Soldagem
Metalurgia da SoldagemMetalurgia da Soldagem
Metalurgia da SoldagemGringo73
 
Aula Materiais ferrosos (1).pptx
Aula Materiais ferrosos (1).pptxAula Materiais ferrosos (1).pptx
Aula Materiais ferrosos (1).pptxMiguel Jose
 
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 Apostila metalurgiasoldagem - Senai Apostila metalurgiasoldagem - Senai
Apostila metalurgiasoldagem - SenaiThrunks
 
Apostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da SoldagemApostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da SoldagemRubens Vilela
 
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdf
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdfAula 04 Ferro e suas ligas..pdf
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdfNewtonMambondo
 
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagemLukasSeize
 
Apostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagemApostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagemCleber Costa
 
Noções de siderurgia
Noções de siderurgiaNoções de siderurgia
Noções de siderurgiaAline Souza
 
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagemEsab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagemMárcio Leite
 
Apostila producao do ferro e aço
Apostila producao do ferro e açoApostila producao do ferro e aço
Apostila producao do ferro e açoLuiz Avelar
 

Semelhante a Siderurgia (20)

Definição Siderurgica
Definição SiderurgicaDefinição Siderurgica
Definição Siderurgica
 
Apostila 2 para publicar
Apostila 2 para publicarApostila 2 para publicar
Apostila 2 para publicar
 
Aciaria
AciariaAciaria
Aciaria
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Processo de fabricação do aço tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...
Processo de fabricação do aço   tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...Processo de fabricação do aço   tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...
Processo de fabricação do aço tecnologia dos materiais - ferro-gusa - alto-...
 
Fundicao
FundicaoFundicao
Fundicao
 
Materiais 1 andré
Materiais 1 andréMateriais 1 andré
Materiais 1 andré
 
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005
Aula materiaismetlicos 20141_20140530155005
 
Metalurgia da Soldagem
Metalurgia da SoldagemMetalurgia da Soldagem
Metalurgia da Soldagem
 
2 Produção do aço
2  Produção do aço2  Produção do aço
2 Produção do aço
 
Aula Materiais ferrosos (1).pptx
Aula Materiais ferrosos (1).pptxAula Materiais ferrosos (1).pptx
Aula Materiais ferrosos (1).pptx
 
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 Apostila metalurgiasoldagem - Senai Apostila metalurgiasoldagem - Senai
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
 
Apostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da SoldagemApostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da Soldagem
 
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdf
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdfAula 04 Ferro e suas ligas..pdf
Aula 04 Ferro e suas ligas..pdf
 
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
 
Apostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagemApostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagem
 
Noções de siderurgia
Noções de siderurgiaNoções de siderurgia
Noções de siderurgia
 
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagemEsab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
 
Apostila producao do ferro e aço
Apostila producao do ferro e açoApostila producao do ferro e aço
Apostila producao do ferro e aço
 

Mais de Cristyan Ribeiro (20)

Separação magnetica 1
Separação magnetica 1Separação magnetica 1
Separação magnetica 1
 
Separação magnetica2
Separação magnetica2Separação magnetica2
Separação magnetica2
 
Separação magnetica1
Separação magnetica1Separação magnetica1
Separação magnetica1
 
Separação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimaçãoSeparação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimação
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai mario amato
Senai mario amatoSenai mario amato
Senai mario amato
 
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qaReposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
 
DESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOLDESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOL
 
OPU
OPUOPU
OPU
 
Petrquimica
PetrquimicaPetrquimica
Petrquimica
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu
OpuOpu
Opu
 
Opu transformações mecânicas dos plásticos
Opu   transformações mecânicas dos plásticosOpu   transformações mecânicas dos plásticos
Opu transformações mecânicas dos plásticos
 
Framaceutica (2)
Framaceutica (2)Framaceutica (2)
Framaceutica (2)
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Cosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qaCosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qa
 

Siderurgia

  • 1. Siderurgia A fronteira entre o ferro e o aço foi definida na Revolução Industrial, com a invenção de fornos que permitiam não só corrigir as impurezas do ferro, como adicionar-lhes propriedades como resistência ao desgaste, ao impacto, à corrosão, etc. Por causa dessas propriedades e do seu baixo custo o aço passou a representar cerca de 90% de todos os metais consumidos pela civilização industrial. Basicamente, o aço é uma liga de ferro e carbono. O ferro é encontrado em toda crosta terrestre, fortemente associado ao oxigênio e à sílica. O minério de ferro é um óxido de ferro, misturado com areia fina. O carbono é também relativamente abundante na natureza e pode ser encontrado sob diversas formas. Na siderurgia, usa-se carvão mineral, e em alguns casos, o carvão vegetal. O carvão exerce duplo papel na fabricação do aço. Como combustível, permite alcançar altas temperaturas (cerca de 1.500º Celsius) necessárias à fusão do minério. Como redutor, associa-se ao oxigênio que se desprende do minério com a alta temperatura, deixando livre o ferro. O processo de remoção do oxigênio do ferro para ligar-se ao carbono chama-se redução e ocorre dentro de um equipamento chamado alto forno. Antes de serem levados ao alto forno, o minério e o carvão são previamente preparados para melhoria do rendimento e economia do processo. O minério é transformado em pelotas e o carvão é destilado, para obtenção do coque, dele se obtendo ainda subprodutos carboquímicas. No processo de redução, o ferro se liquefaz e é chamado de ferro gusa ou ferro de primeira fusão. Impurezas como calcário, sílica etc. formam a escória, que é matéria-prima para a fabricação de cimento. A etapa seguinte do processo é o refino. O ferro gusa é levado para a aciaria, ainda em estado líquido, para ser transformado em aço, mediante queima de impurezas e adições. O refino do aço se faz em fornos a oxigênio ou elétricos. Finalmente, a terceira fase clássica do processo de fabricação do aço é a laminação. O aço, em processo de solidificação, é deformado mecanicamente e transformado em produtos siderúrgicos utilizados pela indústria de transformação, como chapas grossas e finas, bobinas, vergalhões, arames, perfilados, barras etc. Com a evolução da tecnologia, as fases de redução, refino e laminação estão sendo reduzidas no tempo, assegurando maior velocidade na produção. Classificações As usinas de aço do mundo inteiro classificam-se segundo o seu processo produtivo: Integradas - que operam as três fases básicas: redução, refino e laminação; Participam de todo o processo produtivo e produzem aço. Semi-integradas - que operam duas fases: refino e laminação. Estas usinas partem de ferro gusa, ferro esponja ou sucatas metálicas adquiridas de terceiros para transformá-los em aço em aciarias elétricas e sua posterior laminação. Além disso, em função dos produtos que preponderam em suas linhas de produção, as usinas também podem ser assim classificadas:
  • 2. De semi-acabados (placas, blocos e tarugos) De planos aços carbono (chapas e bobinas) De planos aços especiais / ligados (chapas e bobinas) De longos aços carbono (barras, perfis, fio máquina, vergalhões, arames e tubos sem costura) De longos aços especiais / ligados (barras, fio-máquina, arames e tubos sem costura). Existem ainda unidades produtoras chamadas de não integradas, que operam apenas uma fase do processo: processamento (laminação ou trefilas) ou redução. Laminação Estão os relaminadores, geralmente de placas e tarugos, adquiridos de usinas integradas ou semi-integradas e os que relaminam material sucatado. No mercado produtor operam ainda unidades de pequeno porte que se dedicam exclusivamente a produzir aço para fundições. Trefilação São as trefilarias, unidades que dispõem apenas de trefilas, em que produtores de arames e barras utilizam o fio-máquina como matéria prima. Redução São os produtores de ferro gusa, os chamados guseiros, que têm como característica comum o emprego de carvão vegetal em altos fornos para redução do minério, mas que se trata de atividade industrial distinta. De acordo com a CNAE / IBGE (instrumento de padronização nacional dos códigos de atividade econômica do país), a Metalurgia é uma divisão da seção das Indústrias de Transformação. É nessa atividade econômica que ocorre a conversão de minérios ferrosos e não ferrosos em produtos metalúrgicos e produtos intermediários do processo. A Siderurgia, setor no qual ocorre a fabricação do aço em forma de semi-acabados, laminados, rela minados, trefilados e tubos sem costura, é classificada como um grupo específico na divisão de metalurgia, seção na qual estão inseridas outras atividades correlatas. Dentro da metalurgia, os produtores independentes de gusa e de ferro-ligas compõem outro grupo Etapas. O aço é produzido, basicamente, a partir de minério de ferro, carvão e cal. A fabricação do aço pode ser dividida em quatro etapas: preparação da carga, redução, refino e laminação. 1. Preparação da carga Grande parte do minério de ferro (finos) é aglomerada utilizando-se cal e finos de coque. O produto resultante é chamado de sínter. O carvão é processado na coqueria e transforma-se em coque. 2. Redução
  • 3. Essas matérias-primas, agora preparadas, são carregadas no alto forno. Oxigênio aquecido a uma temperatura de 1000ºC é soprado pela parte de baixo do alto forno. O carvão, em contato com o oxigênio, produz calor que funde a carga metálica e dá início ao processo de redução do minério de ferro em um metal líquido: o ferro-gusa. A gusa é uma liga de ferro e carbono com um teor de carbono muito elevado. 3. Refino Aciarias a oxigênio ou elétricas são utilizado para transformar o gusa líquido ou sólido e a sucata de ferro e aço em aço líquido. Nessa etapa parte do carbono contido no gusa é removido juntamente com impurezas. A maior parte do aço líquido é solidificada em equipamentos de lingotamento contínuo para produzir semi-acabados, lingotes e blocos. 4. Laminação Os semi-acabados, lingotes e blocos são processados por equipamentos chamados laminadores e transformados em uma grande variedade de produtos siderúrgicos, cuja nomenclatura depende de sua forma e/ou composição química. Processo Unitário: O Aço No atual estágio de desenvolvimento da sociedade, é impossível imaginar o mundo sem o uso do aço. A produção de aço é um forte indicador do estágio de desenvolvimento econômico de um país. Seu consumo cresce proporcionalmente à construção de edifícios, execução de obras públicas, instalação de meios de comunicação e produção de equipamentos. Esses materiais já se tornaram corriqueiros no cotidiano, mas fabricá-los exige técnica que deve ser renovada de forma cíclica, por isso o investimento constante das siderúrgicas em pesquisa. O início e o processo de aperfeiçoamento do uso do ferro representaram grandes desafios e conquistas para a humanidade. De modo geral existem dois processos para da fabricação do aço. O processo mais utilizado consiste na produção de ferro fundido no alto-forno e após refinamento, em que o ferro fundido se transforma em aço no conversor de oxigênio. Outro processo utilizado consiste em fundir sucata de ferro em um forno elétrico cuja energia é fornecida por arcos voltaicos (espaço preenchido por gás no meio de dois eletrodos condutivos, que frequentemente são feitos de carbono, gerando uma temperatura muito alta, capaz de fundir ou vaporizar virtualmente qualquer coisa). Para que seja fabricado o aço especificado, a diferença está no refinamento do ferro fundido, etapa esta em que são adicionados elementos de liga. A adição de elementos de liga é feita em pequenas porcentagens, para que o aço produzido obtenha as características exigidas na especificação.
  • 4. Alto-forno: Forno de tamanho variável, externamente revestido por metal e internamente por material refratário onde os metais ferrosos são obtidos por redução dos minérios de ferro nos altos-fornos. Pela parte superior do alto-forno, são carregados minério, calcários (fundentes) e coque (carvão). Pela parte inferior o ar insuflado efetua a reação de redução e eleva a temperatura até o ponto de fusão do ferro gusa e das escórias formadas pela reação do calcário com a sílica que normalmente acompanha o minério. Em intervalos, o ferro e a escória fundidos, acumulados no ponto mais baixo do alto-forno, são retirados, levando-se o ferro em estado de fusão para a aciaria ou lançado em formas para se solidificar em lingotes de ferro gusa. A escória, menos densa que o ferro, sai por último, sendo retirada e podendo ser aproveitada para constituir cimento de alto forno. Conversor de Oxigênio: Aqui é feito o refinamento do ferro fundido em aço, que consiste em remover o excesso de carbono e diminuir a quantidade de impurezas para limites prefixados. O conversor de oxigênio baseia-se na injeção de oxigênio dentro da massa líquida de ferro fundido. O ar injetado queima o carbono na forma de monóxido de carbono (CO) e dióxido de carbono (CO₂) em um processo que dura aproximadamente 20 minutos. Elementos como manganês, silício e fósforo são oxidados e combinados com cal e óxido de ferro, formando a escória que sobrenada o aço liquefeito. Em intervalos, o ferro e a escória fundidos, acumulados no ponto mais baixo do alto-forno, são retirados, levando-se o ferro em estado de fusão para a aciaria ou lançado em formas para se solidificar em lingotes de ferro gusa. A escória, menos densa que o ferro, sai por último, sendo retirada e podendo ser aproveitada para constituir cimento de alto forno. Tratamento do aço na panela: O aço líquido superaquecido absorve gases da atmosfera e oxigênio da escória. O gás é expelido lentamente com o resfriamento da massa líquida, porém, ao se aproximar da temperatura de solidificação, o aço ferve e os gases escapam rapidamente, formando grandes vazios no aço. Para que isso não ocorra, são adicionados elementos como alumínio e silício na panela, em um processo conhecido como desgaseificação. Após a desgaseificação, grande parte dos óxidos insolúveis formados deve ser removida para não prejudicar as características mecânicas do aço. Este processo é conhecido como refinamento. Tratamento térmico: Utilizado para melhorar as propriedades dos aços, dividem-se em dois grupos: O primeiro destinado principalmente a reduzir tensões internas provocadas por laminação, etc. O segundo destinados a modificar a estrutura cristalina, com alteração da resistência e de outras propriedades.