Igreja pirenopolis analise arq

1.450 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.450
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
448
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Igreja pirenopolis analise arq

  1. 1. - Situada em uma praça quadrangular de aproximadamente 44m de largura e 30m de comprimento - Implantada no início do declive do terreno que cai em direção ao rio das Almas que corta a cidade Igreja Nossa Senhora do Rosário – Pirenópolis – Goiás
  2. 2. - Escolha da implantação confere à edificação aspecto mais elevado do que realmente tem, altura da nave é de 15,40m e as torres tem 18,82m - Edificação é a principal moldura da cidade - Caráter monumental e simbólico - Percepção da edificação não necessita de deslocamentos - Espaço infinito, estático e contínuo - Início da construção é apontado como sendo em 1732 - A técnica empregada foi a taipa de pilão - A fundação é em cantaria de pedra - As paredes variam em espessura entre 1,80m nas sacristias e atingem até 2,10m na nave - Os telhados da nave e capela-mor são em duas águas, os das sacristias em uma e os das torres em 4 águas - Apenas nave e capela-mor possuem forro sendo o da capela-mor decorado
  3. 3. Fachada Principal - Forma pregnante em 3 volumes: duas torres em torno de um corpo central - Composição simétrica, organizada em torno de um eixo vertical – cruzeiro, óculo e portada principal -  Eixo de simetria e elementos da fachada que se repetem de em espaçamentos iguais para os dois lados: Ritmo - Predominância de cheios sobre os vazios - Portada principal recebe tratamento solenemente e marca a entrada do templo, distinção entre o externo e o interno - Composição linear e não pictórica reforçada pelas molduras de madeira que delimitam os volumes da fachada - Proporção, equivalência e equilíbrio: seção áurea entre retas marca a divisão de pavimentos em 3 volumes a b - Hierarquia dos elementos na fachada, cada vedação recebe um tipo de tratamento, janelas pequenas de guilhotina nas torres e janelas rasgadas de balcão com peitoril entalado e balaústres talhados em madeira
  4. 4. Planta Baixa, Fachadas e Corte - Partido adotado compõe-se de corpo principal, dividido em nave e capela-mor, sendo a nave ladeada pelas torres e a capela-mor por duas sacristias - Recurso plástico da simetria no sentido longitudinal - A organização do espaço na edificação formado por relações que se repetem ao redor de um eixo regulador
  5. 5. O Interior da Edificação - Visão bloqueada pelo para-vento, vestíbulo é um espaço de transição entre exterior - interior - Percepção do espaço interior independe de deslocamentos do sujeito, valorização do absoluto, do universal, do eterno - Espaço da nave é composto por 4 retábulos ladeando a nave, arco cruzeiro marcado por elementos decorativos - Altar-mor, centro do olhar do observador, na capela-mor que também tem forro decorado
  6. 6. “ A expressão “arte barroca” não significa, assim, apenas um estilo. Ela abrange todo um sistema, verdadeira confederação de estilos – uma “commonwealth” barroca, poder-se-ia dizer. Estilos perfeitamente diferentes entre si, mas que mantêm uma norma comum de conduta em relação aos preceitos e módulos renascentistas. No caso particular brasileiro, é na composição e talha dos retábulos de altar que se pode observar com nitidez essa extraordinária variedade de estilos peculiar ao barroco.” Lúcio Costa “ Sem embargo da evolução estilística dos vários períodos das artes na Colônia, a composição dos retábulos de nossas igrejas obedeceu a uma trama de quatro divisões principais: o embasamento geral; o embasamento dos pés-direitos; o corpo propriamente dito, com a marcação do terço inferior das colunas; e o coroamento; localizando-se no eixo da composição os elementos vitais dos altares – frontal com a banqueta, o sacrário, a imagem – orago entronada e a figuração sagrada superior.” Lígia Martins Costa

×