SlideShare uma empresa Scribd logo
DTE	
  
Desenho	
  Técnico	
  
Centro	
  Universitário	
  Planalto	
  –	
  UNIPLAN	
  
Arquitetura	
  e	
  Urbanismo	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  |	
  Carla	
  Freitas	
  
Desenho	
  Técnico	
  Arquitetônico	
  
Princípios	
  Gerais	
  	
  

-­‐ 
-­‐ 
-­‐ 
-­‐ 
-­‐ 
-­‐ 

Equipamentos	
  e	
  Materiais;	
  
Tipos	
  de	
  papéis;	
  
Normas	
  de	
  Desenho	
  Técnico	
  e	
  diferentes	
  =pos	
  de	
  desenhos;	
  
Escalas	
  numéricas	
  e	
  gráficas;	
  
Etapas	
  do	
  Desenho	
  Arquitetônico;	
  
Caligrafia	
  Técnica	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Equipamentos	
  e	
  Materiais	
  

Prancheta	
  
Régua	
  paralela	
  ou	
  Régua	
  T	
  
Escalímetro	
  
Esquadros	
  
Lápis	
  e	
  Lapiseira	
  
Compasso	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Formatos	
  e	
  Tipos	
  de	
  Papéis	
  

Segundo	
   a	
   NBR	
   10068,	
   o	
  
f o r m a t o	
   b á s i c o	
   p a r a	
  
desenhos	
   técnicos	
   é	
   o	
  
retângulo	
   de	
   área	
   igual	
   a	
   1	
  
m2	
   e	
   de	
   lados	
   medindo	
   841	
  
mm	
   x	
   1189	
   mm,	
   isto	
   é,	
  
guardando	
  entre	
  si	
  a	
  mesma	
  
relação	
   que	
   existe	
   entre	
   o	
  
lado	
   de	
   um	
   quadrado	
   e	
   sua	
  
diagonal.	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Formatos	
  e	
  Tipos	
  de	
  Papéis	
  

D e s t e	
   f o r m a t o	
   b á s i c o ,	
  
designado	
   por	
   A0	
   (A	
   zero),	
  
deriva-­‐se	
   a	
   série	
   "A"	
   pela	
  
bipar=ção	
   ou	
   pela	
   duplicação	
  
sucessiva.	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Formatos	
  e	
  Tipos	
  de	
  Papéis	
  
Os	
   papéis	
   de	
   desenho	
   são	
   caracterizados	
   pela	
   transparência,	
  
brancura	
  e	
  aspereza.	
  
Papéis	
  lisos	
  são	
  mais	
  indicados	
  para	
  desenhos	
  à	
  =nta.	
  
Papéis	
   mais	
   ásperos	
   são	
   melhores	
   para	
   desenhos	
   com	
   lápis	
   e	
  
grafite.	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Formatos	
  e	
  Tipos	
  de	
  Papéis	
  
Dimensão	
  de	
  pranchas	
  –	
  Medidas	
  em	
  milímetros	
  (gildo	
  pag.	
  28)	
  
	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Formatos	
  e	
  Tipos	
  de	
  Papéis	
  
Início	
  do	
  desenho	
  
Para	
   começar	
   selecione	
   o	
   papel	
   adequado	
   (=po	
   e	
   tamanho).	
  
Prenda	
  o	
  papel	
  na	
  prancheta,	
  caso	
  use	
  régua	
  T	
  prenda	
  seu	
  papel	
  
mais	
  próximo	
  (de	
  2	
  a	
  3	
  cm)	
  da	
  cabeça	
  do	
  T.	
  
Para	
  fixar	
  o	
  papel	
  prefira	
  fita	
  do	
  =po	
  crepe	
  que	
  é	
  a	
  mais	
  adequada.	
  
Prender	
  o	
  papel	
  Régua	
  Paralela	
  

Prender	
  o	
  papel	
  Régua	
  T	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Importante	
  
	
  

1	
  –	
  Antes	
  de	
  começar	
  a	
  desenhar,	
  limpe	
  a	
  prancheta	
  
2	
  –	
  Verificar	
  o	
  grafite	
  da	
  lapiseira	
  e	
  aponte	
  o	
  lápis	
  (quando	
  for	
  u=lizá-­‐lo)	
  
3	
  –	
  No	
  desenho	
  a	
  =nta,	
  verifique	
  a	
  carga	
  da	
  caneta	
  nanquim	
  e	
  seu	
  funcionamento	
  ante	
  
de	
  começar	
  
4	
  –	
  Não	
  use	
  a	
  borda	
  inferior	
  da	
  régua	
  T	
  ou	
  da	
  paralela.	
  NUNCA	
  
5	
  –	
  Não	
  espete	
  o	
  compasso;	
  nem	
  na	
  prancheta,	
  nem	
  na	
  régua.	
  
6	
  –	
  Não	
  volte	
  atrás	
  no	
  traço.	
  
7	
  –	
  Não	
  use	
  o	
  escalímetro	
  para	
  traçar	
  retas.	
  
8	
  –	
  Jamais	
  use	
  es=letes	
  ou	
  instrumentos	
  cortantes	
  sobre	
  a	
  prancheta	
  para	
  cortar	
  papel	
  
e	
  não	
  use	
  a	
  régua	
  paralela	
  ou	
  T	
  como	
  guia	
  de	
  corte.	
  
9	
  –	
  Lave	
  periodicamente	
  com	
  água	
  e	
  sabão	
  os	
  esquadros,	
  a	
  régua	
  T,	
  a	
  paralela	
  e	
  o	
  
escalímetro.	
  
10	
  –	
  Sua	
  prancheta	
  não	
  é	
  apoio	
  de	
  mochila,	
  não	
  deixe	
  mochila	
  e	
  objetos	
  pesados	
  em	
  
cima	
  da	
  régua	
  paralela,	
  pois	
  danifica	
  o	
  instrumento!	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Antes	
  de	
  começar	
  a	
  desenhar...	
  

Evite	
  trabalhar	
  
assim	
  

Evite	
  trabalhar	
  
assim	
  

Ilustração	
  Gildo	
  Montenegro	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
 
Um	
  bom	
  desenhista	
  se	
  forma	
  com	
  três	
  pontos	
  importantes	
  
	
  
PERSISTÊNCIA	
  |	
  TREINAMENTO	
  |	
  OBSERVAÇÃO	
  
	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Normas	
  de	
  Desenho	
  Técnico	
  
“O	
  desenho	
  técnico	
  não	
  pode	
  sujeita-­‐se	
  aos	
  gostos	
  e	
  caprichos	
  de	
  
cada	
  desenhista,	
  pois	
  será	
  u=lizado	
  por	
  profissionais	
  diversos	
  para	
  
chegar	
  à	
  fabricação	
  de	
  um	
  objeto	
  específico:	
  máquina,	
  cadeira	
  ou	
  
casa.”	
  	
  
Gildo	
  Montenegro.	
  Desenho	
  Arquitetônico	
  

No	
   Brasil	
   a	
   norma	
   que	
   rege	
   os	
   princípios	
   gerais	
   de	
   representação	
  
em	
  desenho	
  técnico	
  é	
  a	
  NBR	
  10067.	
  
	
  
NBR	
  –	
  Normas	
  Brasileiras	
  Registradas	
  
	
  
AS	
   NBR’s	
   são	
   elaboradas	
   pela	
   ABNT,	
   Associação	
   Brasileira	
   de	
  
Normas	
   Técnicas,	
   responsável	
   por	
   estudar	
   e	
   elaborar	
   padrões	
  
técnicos	
  profissionais	
  para	
  o	
  Brasil.	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Normas	
  de	
  Desenho	
  Técnico	
  
“A	
   base	
   para	
   maior	
   parte	
   do	
   desenho	
   arquitetônico	
   é	
   a	
   linha,	
   cuja	
  
essência	
   é	
   a	
   con=nuidade.	
   Em	
   um	
   desenho	
   cons=tuído	
   somente	
   de	
  
linhas,	
   a	
   informação	
   arquitetônica	
   transmi=da	
   (espaço	
   volumétrico;	
  
definição	
   dos	
   elementos	
   planos,	
   sólidos	
   e	
   vazios;	
   profundidade)	
  
depende	
  primordialmente	
  das	
  diferenças	
  discerníveis	
  no	
  peso	
  visual	
  
dos	
  =pos	
  de	
  linhas	
  usados.”	
  
F.	
  Ching.	
  Representação	
  Gráfica	
  em	
  Arquitetura	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Normas	
  de	
  
Desenho	
  Técnico	
  
No	
  desenho	
  arquitetônico	
  o	
  traço	
  
grosso	
  é	
  feito	
  com	
  espessuras	
  0,6	
  
ou	
  0,8mm	
  na	
  escala	
  de	
  1:50	
  e	
  0,5	
  
ou	
  0,6mm	
  na	
  escala	
  de	
  1:100.	
  Os	
  
=pos	
  de	
  linhas	
  são	
  encontrados	
  na	
  
NBR	
  8403	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Escalas	
  numéricas	
  e	
  gráficas	
  

No	
   desenho	
   técnico	
   é	
   comum	
   termos	
   que	
   representar	
   objetos	
   que	
  
não	
   podem	
   ser	
   desenhados	
   em	
   suas	
   medidas	
   reais,	
   é	
   impossível	
  
desenhar	
   um	
   automóvel	
   ou	
   uma	
   casa	
   em	
   seu	
   tamanho	
   verdadeiro.	
  
Assim	
   as	
   escalas	
   são	
   ferramentas	
   para	
   que	
   possamos	
   representar	
  
corretamente	
  estes	
  objetos,	
  mas	
  de	
  forma	
  reduzida.	
  Para	
  a	
  indústria	
  
também	
   é	
   necessário	
   representar	
   muitas	
   vezes	
   objetos	
   muito	
  
pequenos	
   em	
   tamanhos	
   ampliados,	
   e	
   ai	
   o	
   desenho	
   em	
   escala	
   é	
   de	
  
ampliação	
  e	
  não	
  de	
  redução.	
  Desta	
  forma	
  temos	
  escalas	
  de	
  redução	
  e	
  
escalas	
  de	
  ampliação.	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Escalas	
  numéricas	
  e	
  gráficas	
  
“Escala	
  é	
  a	
  relação	
  entre	
  cada	
  medida	
  do	
  desenho	
  e	
  sua	
  dimensão	
  
real	
  no	
  objeto.”	
  
Gildo	
  Montenegro	
  

	
  
As	
  escalas	
  de	
  redução	
  recomendadas	
  pela	
  NBR	
  6492,	
  que	
  trata	
  de	
  
representação	
  em	
  projetos	
  de	
  arquitetura	
  são:	
  

As	
  escalas	
  de	
  redução	
  ou	
  as	
  de	
  ampliação	
  são	
  chamadas	
  de	
  
numéricas	
  ou	
  métricas.	
  
	
  
As	
  escalas	
  devem	
  ser	
  lidas:	
  
1:50	
  	
  um	
  para	
  cinquenta	
  
1:500	
  um	
  para	
  quinhentos	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Escalas	
  numéricas	
  e	
  gráficas	
  
As	
   escalas	
   gráficas	
   são	
   a	
   representação	
   em	
   desenho	
   das	
   escalas	
  
numéricas,	
  e	
  são	
  muito	
  úteis	
  em	
  desenhos	
  de	
  revistas	
  e	
  livros	
  onde	
  a	
  
impressão	
  fotográfica	
  muitas	
  vezes	
  altera	
  a	
  escala	
  original.	
  
Exemplo:	
  
A	
   escala	
   gráfica	
   correspondente	
   a	
   1:50	
   é	
   representada	
   por	
  
segmentos	
   iguais	
   de	
   2cm,	
   isso	
   porque	
   se	
   dividirmos	
   1m	
   por	
   50	
  
teremos	
  0,02m	
  ou	
  2cm.	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Etapas	
  do	
  Desenho	
  Arquitetônico	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Etapas	
  do	
  Desenho	
  Arquitetônico	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Etapas	
  do	
  Desenho	
  Arquitetônico	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Caligrafia	
  Técnica	
  
O	
  desenho	
  técnico	
  exige	
  boa	
  apresentação	
  e	
  não	
  podemos	
  dispensar	
  o	
  
correto	
  uso	
  de	
  letras	
  e	
  algarismos	
  para	
  completar	
  as	
  informações	
  
gráficas	
  dos	
  projetos.	
  

“Todos	
  os	
  símbolos	
  e	
  letras	
  de	
  apresentação	
  gráfica	
  devem	
  ser	
  
considerados	
  elementos	
  na	
  composição	
  de	
  uma	
  apresentação.	
  Seu	
  
impacto	
  sobre	
  a	
  composição	
  depende	
  do	
  tamanho,	
  do	
  peso	
  e	
  da	
  
colocação.”	
  	
  (F.	
  Ching.	
  Representação	
  Gráfica	
  em	
  Arquitetura)	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Caligrafia	
  Técnica	
  

“Todas	
  as	
  pessoas	
  inevitavelmente	
  
desenvolvem	
  um	
  es=lo	
  individual	
  para	
  
letras.	
  As	
  caracterís=cas	
  mais	
  
importantes	
  para	
  letras	
  são	
  
legibilidade	
  e	
  consistência,	
  tanto	
  em	
  
es=lo	
  quanto	
  em	
  espaçamento.”	
  
	
  (F.	
  Ching.	
  Representação	
  Gráfica	
  em	
  Arquitetura)	
  
Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Caligrafia	
  Técnica	
  

Recomenda-­‐se	
  para	
  o	
  desenho	
  manual	
  de	
  letras	
  e	
  algarismos:	
  
1)	
  caligrafia	
  inclinada	
  não	
  é	
  recomendada;	
  
2)altura	
  mínima	
  para	
  texto	
  é	
  de	
  3milimetros;	
  
3)espaçamento	
  entre	
  linhas	
  deve	
  ser	
  igual	
  ou	
  superior	
  a	
  3milimetros;	
  
4)direção	
  do	
  texto:	
  

Professoras	
  Ana	
  Cris=na	
  Castro	
  e	
  	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (12)

Dte aula 03sombra-cor
Dte aula 03sombra-corDte aula 03sombra-cor
Dte aula 03sombra-cor
 
Dte aula 02formacomp
Dte aula 02formacompDte aula 02formacomp
Dte aula 02formacomp
 
Dte aula 04perspectiva
Dte aula 04perspectivaDte aula 04perspectiva
Dte aula 04perspectiva
 
Di planejamento aula04
Di planejamento aula04Di planejamento aula04
Di planejamento aula04
 
DESENHO TÉCNICO
DESENHO TÉCNICO DESENHO TÉCNICO
DESENHO TÉCNICO
 
FAT-Curso de desenho Extensão parte 1
FAT-Curso de desenho Extensão parte 1FAT-Curso de desenho Extensão parte 1
FAT-Curso de desenho Extensão parte 1
 
Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
 
Aula1[1] un. l
Aula1[1] un. lAula1[1] un. l
Aula1[1] un. l
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Composição e diagramação
Composição e diagramaçãoComposição e diagramação
Composição e diagramação
 
Composição e Diagramação
Composição e DiagramaçãoComposição e Diagramação
Composição e Diagramação
 
Apostila de desenho técnico prof. renato
Apostila de desenho técnico   prof. renatoApostila de desenho técnico   prof. renato
Apostila de desenho técnico prof. renato
 

Destaque (20)

Aula03 cad desenhopreciso
Aula03 cad desenhoprecisoAula03 cad desenhopreciso
Aula03 cad desenhopreciso
 
Di planejamento aula09-2
Di planejamento aula09-2Di planejamento aula09-2
Di planejamento aula09-2
 
Ecoprodutos
EcoprodutosEcoprodutos
Ecoprodutos
 
Paii programa necessidades
Paii programa necessidadesPaii programa necessidades
Paii programa necessidades
 
Da dimensionamento-em-arquitetura
Da dimensionamento-em-arquiteturaDa dimensionamento-em-arquitetura
Da dimensionamento-em-arquitetura
 
Aula01 conceitosmemoria
Aula01 conceitosmemoriaAula01 conceitosmemoria
Aula01 conceitosmemoria
 
Pa hu programa_necessidades
Pa hu programa_necessidadesPa hu programa_necessidades
Pa hu programa_necessidades
 
Folha01 exercicio
Folha01 exercicioFolha01 exercicio
Folha01 exercicio
 
Vistaortografica exercicio
Vistaortografica exercicioVistaortografica exercicio
Vistaortografica exercicio
 
Pa ef franz-amilcarlygia
Pa ef franz-amilcarlygiaPa ef franz-amilcarlygia
Pa ef franz-amilcarlygia
 
Desenho arquitetônico gildo
Desenho arquitetônico gildoDesenho arquitetônico gildo
Desenho arquitetônico gildo
 
Cortes
CortesCortes
Cortes
 
Croqui terreno
Croqui terrenoCroqui terreno
Croqui terreno
 
Nbr9050 31052004
Nbr9050 31052004Nbr9050 31052004
Nbr9050 31052004
 
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeituraspManual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
 
Pa hu programa_necessidades1
Pa hu programa_necessidades1Pa hu programa_necessidades1
Pa hu programa_necessidades1
 
2014 daq plano
2014 daq plano2014 daq plano
2014 daq plano
 
Aula09 cad projetoresidencia
Aula09 cad projetoresidenciaAula09 cad projetoresidencia
Aula09 cad projetoresidencia
 
Planta baixa
Planta baixaPlanta baixa
Planta baixa
 
Aula01 cad configurageral
Aula01 cad configurageralAula01 cad configurageral
Aula01 cad configurageral
 

Semelhante a Dte aula 14desenhotecnico

Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
Heromo
 
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
Karollyna Maciel
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Margarete Santana
 
Ap destec sonia
Ap destec soniaAp destec sonia
Ap destec sonia
DaniSFog
 

Semelhante a Dte aula 14desenhotecnico (20)

Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
 
Desenho geometrico.pptx
Desenho geometrico.pptxDesenho geometrico.pptx
Desenho geometrico.pptx
 
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.11  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
 
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.11  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
 
AULA SOBRE INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO.ppt
AULA SOBRE INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO.pptAULA SOBRE INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO.ppt
AULA SOBRE INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO.ppt
 
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
1- Aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1.ppt
 
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.11  aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
1 aula 1 -definicao e instrumentos- 2012.1
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Aula 01 desenho tecnico- cetep
Aula 01  desenho tecnico- cetepAula 01  desenho tecnico- cetep
Aula 01 desenho tecnico- cetep
 
Ap destec sonia
Ap destec soniaAp destec sonia
Ap destec sonia
 
Aula 2 material, instrumentos
Aula 2   material, instrumentosAula 2   material, instrumentos
Aula 2 material, instrumentos
 
Desenho-tecnico-basico
Desenho-tecnico-basicoDesenho-tecnico-basico
Desenho-tecnico-basico
 
Desenho Técnico
Desenho TécnicoDesenho Técnico
Desenho Técnico
 
Apostila de expressão gráfica 02
Apostila de expressão gráfica 02Apostila de expressão gráfica 02
Apostila de expressão gráfica 02
 
VIDEOAULA_TOPICO1.pptx
VIDEOAULA_TOPICO1.pptxVIDEOAULA_TOPICO1.pptx
VIDEOAULA_TOPICO1.pptx
 
Desenho Tecnico 2.pdf
Desenho Tecnico 2.pdfDesenho Tecnico 2.pdf
Desenho Tecnico 2.pdf
 

Mais de Caliandra Desenhos

Mais de Caliandra Desenhos (19)

Equipamentos urbanos
Equipamentos urbanosEquipamentos urbanos
Equipamentos urbanos
 
Estudos caso
Estudos casoEstudos caso
Estudos caso
 
Pa1 composição introdução
Pa1 composição introduçãoPa1 composição introdução
Pa1 composição introdução
 
Ergonomia aula01
Ergonomia aula01Ergonomia aula01
Ergonomia aula01
 
Ergonomia aula01
Ergonomia aula01Ergonomia aula01
Ergonomia aula01
 
Codigode obrasdf
Codigode obrasdfCodigode obrasdf
Codigode obrasdf
 
Pmu aulasinalizaçãovisual
Pmu aulasinalizaçãovisualPmu aulasinalizaçãovisual
Pmu aulasinalizaçãovisual
 
Pmu plano ensino_2sem2014
Pmu plano ensino_2sem2014Pmu plano ensino_2sem2014
Pmu plano ensino_2sem2014
 
Planta baixa2
Planta baixa2Planta baixa2
Planta baixa2
 
Dte azulejos
Dte azulejosDte azulejos
Dte azulejos
 
Dte aula-desenhogeometrico
Dte aula-desenhogeometricoDte aula-desenhogeometrico
Dte aula-desenhogeometrico
 
Aula04 analisetopoceptiva
Aula04 analisetopoceptivaAula04 analisetopoceptiva
Aula04 analisetopoceptiva
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
 
Aula02 formacidade
Aula02 formacidadeAula02 formacidade
Aula02 formacidade
 
Aula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidadeAula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidade
 
Aula05 escala cor
Aula05 escala corAula05 escala cor
Aula05 escala cor
 
Malha isometrica
Malha isometricaMalha isometrica
Malha isometrica
 
Dea aula 03sistemaprojecao
Dea aula 03sistemaprojecaoDea aula 03sistemaprojecao
Dea aula 03sistemaprojecao
 
Dea aula 02tecnicabasica
Dea aula 02tecnicabasicaDea aula 02tecnicabasica
Dea aula 02tecnicabasica
 

Dte aula 14desenhotecnico

  • 1. DTE   Desenho  Técnico   Centro  Universitário  Planalto  –  UNIPLAN   Arquitetura  e  Urbanismo   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  |  Carla  Freitas  
  • 2. Desenho  Técnico  Arquitetônico   Princípios  Gerais     -­‐  -­‐  -­‐  -­‐  -­‐  -­‐  Equipamentos  e  Materiais;   Tipos  de  papéis;   Normas  de  Desenho  Técnico  e  diferentes  =pos  de  desenhos;   Escalas  numéricas  e  gráficas;   Etapas  do  Desenho  Arquitetônico;   Caligrafia  Técnica   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 3. Equipamentos  e  Materiais   Prancheta   Régua  paralela  ou  Régua  T   Escalímetro   Esquadros   Lápis  e  Lapiseira   Compasso   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 4. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Segundo   a   NBR   10068,   o   f o r m a t o   b á s i c o   p a r a   desenhos   técnicos   é   o   retângulo   de   área   igual   a   1   m2   e   de   lados   medindo   841   mm   x   1189   mm,   isto   é,   guardando  entre  si  a  mesma   relação   que   existe   entre   o   lado   de   um   quadrado   e   sua   diagonal.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 5. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   D e s t e   f o r m a t o   b á s i c o ,   designado   por   A0   (A   zero),   deriva-­‐se   a   série   "A"   pela   bipar=ção   ou   pela   duplicação   sucessiva.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 6. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Os   papéis   de   desenho   são   caracterizados   pela   transparência,   brancura  e  aspereza.   Papéis  lisos  são  mais  indicados  para  desenhos  à  =nta.   Papéis   mais   ásperos   são   melhores   para   desenhos   com   lápis   e   grafite.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 7. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Dimensão  de  pranchas  –  Medidas  em  milímetros  (gildo  pag.  28)     Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 8. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Início  do  desenho   Para   começar   selecione   o   papel   adequado   (=po   e   tamanho).   Prenda  o  papel  na  prancheta,  caso  use  régua  T  prenda  seu  papel   mais  próximo  (de  2  a  3  cm)  da  cabeça  do  T.   Para  fixar  o  papel  prefira  fita  do  =po  crepe  que  é  a  mais  adequada.   Prender  o  papel  Régua  Paralela   Prender  o  papel  Régua  T   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 9. Importante     1  –  Antes  de  começar  a  desenhar,  limpe  a  prancheta   2  –  Verificar  o  grafite  da  lapiseira  e  aponte  o  lápis  (quando  for  u=lizá-­‐lo)   3  –  No  desenho  a  =nta,  verifique  a  carga  da  caneta  nanquim  e  seu  funcionamento  ante   de  começar   4  –  Não  use  a  borda  inferior  da  régua  T  ou  da  paralela.  NUNCA   5  –  Não  espete  o  compasso;  nem  na  prancheta,  nem  na  régua.   6  –  Não  volte  atrás  no  traço.   7  –  Não  use  o  escalímetro  para  traçar  retas.   8  –  Jamais  use  es=letes  ou  instrumentos  cortantes  sobre  a  prancheta  para  cortar  papel   e  não  use  a  régua  paralela  ou  T  como  guia  de  corte.   9  –  Lave  periodicamente  com  água  e  sabão  os  esquadros,  a  régua  T,  a  paralela  e  o   escalímetro.   10  –  Sua  prancheta  não  é  apoio  de  mochila,  não  deixe  mochila  e  objetos  pesados  em   cima  da  régua  paralela,  pois  danifica  o  instrumento!   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 10. Antes  de  começar  a  desenhar...   Evite  trabalhar   assim   Evite  trabalhar   assim   Ilustração  Gildo  Montenegro   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 11.   Um  bom  desenhista  se  forma  com  três  pontos  importantes     PERSISTÊNCIA  |  TREINAMENTO  |  OBSERVAÇÃO     Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 12. Normas  de  Desenho  Técnico   “O  desenho  técnico  não  pode  sujeita-­‐se  aos  gostos  e  caprichos  de   cada  desenhista,  pois  será  u=lizado  por  profissionais  diversos  para   chegar  à  fabricação  de  um  objeto  específico:  máquina,  cadeira  ou   casa.”     Gildo  Montenegro.  Desenho  Arquitetônico   No   Brasil   a   norma   que   rege   os   princípios   gerais   de   representação   em  desenho  técnico  é  a  NBR  10067.     NBR  –  Normas  Brasileiras  Registradas     AS   NBR’s   são   elaboradas   pela   ABNT,   Associação   Brasileira   de   Normas   Técnicas,   responsável   por   estudar   e   elaborar   padrões   técnicos  profissionais  para  o  Brasil.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 13. Normas  de  Desenho  Técnico   “A   base   para   maior   parte   do   desenho   arquitetônico   é   a   linha,   cuja   essência   é   a   con=nuidade.   Em   um   desenho   cons=tuído   somente   de   linhas,   a   informação   arquitetônica   transmi=da   (espaço   volumétrico;   definição   dos   elementos   planos,   sólidos   e   vazios;   profundidade)   depende  primordialmente  das  diferenças  discerníveis  no  peso  visual   dos  =pos  de  linhas  usados.”   F.  Ching.  Representação  Gráfica  em  Arquitetura   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 14. Normas  de   Desenho  Técnico   No  desenho  arquitetônico  o  traço   grosso  é  feito  com  espessuras  0,6   ou  0,8mm  na  escala  de  1:50  e  0,5   ou  0,6mm  na  escala  de  1:100.  Os   =pos  de  linhas  são  encontrados  na   NBR  8403   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 15. Escalas  numéricas  e  gráficas   No   desenho   técnico   é   comum   termos   que   representar   objetos   que   não   podem   ser   desenhados   em   suas   medidas   reais,   é   impossível   desenhar   um   automóvel   ou   uma   casa   em   seu   tamanho   verdadeiro.   Assim   as   escalas   são   ferramentas   para   que   possamos   representar   corretamente  estes  objetos,  mas  de  forma  reduzida.  Para  a  indústria   também   é   necessário   representar   muitas   vezes   objetos   muito   pequenos   em   tamanhos   ampliados,   e   ai   o   desenho   em   escala   é   de   ampliação  e  não  de  redução.  Desta  forma  temos  escalas  de  redução  e   escalas  de  ampliação.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 16. Escalas  numéricas  e  gráficas   “Escala  é  a  relação  entre  cada  medida  do  desenho  e  sua  dimensão   real  no  objeto.”   Gildo  Montenegro     As  escalas  de  redução  recomendadas  pela  NBR  6492,  que  trata  de   representação  em  projetos  de  arquitetura  são:   As  escalas  de  redução  ou  as  de  ampliação  são  chamadas  de   numéricas  ou  métricas.     As  escalas  devem  ser  lidas:   1:50    um  para  cinquenta   1:500  um  para  quinhentos   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 17. Escalas  numéricas  e  gráficas   As   escalas   gráficas   são   a   representação   em   desenho   das   escalas   numéricas,  e  são  muito  úteis  em  desenhos  de  revistas  e  livros  onde  a   impressão  fotográfica  muitas  vezes  altera  a  escala  original.   Exemplo:   A   escala   gráfica   correspondente   a   1:50   é   representada   por   segmentos   iguais   de   2cm,   isso   porque   se   dividirmos   1m   por   50   teremos  0,02m  ou  2cm.   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 18. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 19. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 20. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 21. Caligrafia  Técnica   O  desenho  técnico  exige  boa  apresentação  e  não  podemos  dispensar  o   correto  uso  de  letras  e  algarismos  para  completar  as  informações   gráficas  dos  projetos.   “Todos  os  símbolos  e  letras  de  apresentação  gráfica  devem  ser   considerados  elementos  na  composição  de  uma  apresentação.  Seu   impacto  sobre  a  composição  depende  do  tamanho,  do  peso  e  da   colocação.”    (F.  Ching.  Representação  Gráfica  em  Arquitetura)   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 22. Caligrafia  Técnica   “Todas  as  pessoas  inevitavelmente   desenvolvem  um  es=lo  individual  para   letras.  As  caracterís=cas  mais   importantes  para  letras  são   legibilidade  e  consistência,  tanto  em   es=lo  quanto  em  espaçamento.”    (F.  Ching.  Representação  Gráfica  em  Arquitetura)   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 23. Caligrafia  Técnica   Recomenda-­‐se  para  o  desenho  manual  de  letras  e  algarismos:   1)  caligrafia  inclinada  não  é  recomendada;   2)altura  mínima  para  texto  é  de  3milimetros;   3)espaçamento  entre  linhas  deve  ser  igual  ou  superior  a  3milimetros;   4)direção  do  texto:   Professoras  Ana  Cris=na  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br