SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Baixar para ler offline
Elaboração de projetos
para captação de recursos
por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr
Engenheiro de Computação (PUC-GO)
Ms. C. Engenharia Biomédica (UNICAMP-SP)
CEO da Requisito Tecnologia
Diretor de Novos Negócios da Oobj
Consultor de captação de recursos
18 editais de fomento não-reembolsáveis
Prêmio FINEP de Inovação
Chancela do Ministério do Esporte
Prêmios de Empreendedorismo
DESIGN DE PRODUTO por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr
Agenda
“Há muito dinheiro,
faltam bons projetos”
Expectativas e desafios da captação de recursos
Por que você precisa de
recursos não reembolsáveis?
“
Ideias X Captação
Expectativa X Realidade
Quem pode captar
recursos?
Todos que estejam
preparados e todos
podem se preparar.
Características das pessoas mais preparadas
para buscar recursos não reembolsáveis
▪ Ser um empreendedor por definição (inova)
▪ Gestor de pessoas e de projetos
▪ Exímio redator de Planos de Negócios
▪ Boa fundamentação em marketing
▪ Autossuficiente financeiramente
▪ Experiente no mercado ao qual as inovações
propostas se destinam
Diferenças nas estratégias de busca por
recursos não-reembolsáveis por empresa
Sem preparo pode
dar certo!
Mesmo com perfil errado, recursos podem ser
captados, mas veem a um alto custo
▪ O produto vai ficar pronto, mas tende ficar
com a com a cara empreendedor em
detrimento das reais demandas do mercado
▪ O recrutamento tende ser complicado e com
alta rotatividade de pessoas
▪ O foco passa a ser o P&D&I em detrimento do
acesso ao mercado
▪ O acesso ao mercado tende ser um naufrágio
Empresas que não têm
estratégia definida
rotineiramente usam a inovação
como substituto. A expectativa
é que as ideias resultantes deem
origem a uma estratégia bem
sucedida, o que raramente
ocorre (Kotler, P. et al., 2012)
“
Para a equipe certa...
Erros comuns nos
projetos de captação
Erros de inscrição, redação, perfil e de competência
Erros comuns no projeto
▪ Ausência de inovação
▪ Falta de clareza quanto aos objetivos
▪ Metodologia mal definida
▪ Cronograma físico e financeiro inadequados
▪ Ausência de elementos priorizados pelo edital
▪ Distinção de contrapartida financeira e não-
financeira
▪ Péssima qualidade de redação
Erros comuns na inscrição
▪ Envio de documentação incompleta e/ou sem
assinatura
▪ Preenchimento incorreto ou incompleto do
formulário
▪ Envio após a data limite
▪ Inelegibilidade de membro do consórcio executor
▪ Falta de aderência aos objetivos da chamada
▪ Falta backup do formulário de inscrição
Erros comuns dos empreendedores
▪Ansiedade por resultados
▪Overhead ou ausência de gerência
▪Descontrole do fluxo de caixa
▪Falta de conhecimento do ciclo de vendas
▪Baixa escalabilidade dos projetos
▪Comodismo e falta de reciclagem
Erros comuns dos empreendimentos
▪ Missão ampla e visão irrealista
▪ Falta de foco
▪ Arcabouço de inovação
▪ Diretrizes de inovação
▪ Lista de verificação de inovação
▪ Falta de metodologia de P&D&I
▪ Gestão de pessoas
A quem compete a
inovação?
O empreendedor
Detalhes das características das pessoas inovadoras
“O empreendedor é aquele que
destrói a ordem econômica
existente através da introdução
de novos produtos e serviços,
pela criação de novas formas de
organização, ou pela exploração
de novos recursos e materiais”
(Schumpeter, 1949)
“
“É aquele que faz acontecer, se
antecipa aos fatos e tem uma
visão futura da organização”
(Dornelas, 2001)“
Por que
empreender?
Tudo evolui
constantemente.
Questione seu papel
nesta evolução.
Por que
empreender?
Ser o produto da
evolução pode não ser o
seu sonho.
Empreender não é fácil!
O que move um empreendedor?
O que move um
empreendedor?
“Empreender é ter uma
visão e ir atrás dela sem
medir esforço, é uma
realização de vida”“ Definição citada por
um empreendedor de
um conglomerado
industrial entrevistado
por Dornelas (2009)
O pico do Everest foi alcançado em 29 de Maio de 1953 por
Edmund Hillary e Tenzing Norgay. Por que ele foram?
Características do empreendedor
▪ Paixão
▪ Liderança
▪ Visão
▪ Persistência
▪ Resiliência
▪ Competência (saber,
querer e fazer)
▪ Honestidade Intelectual
Tipos de empreendedores
▪ Nato
▪ Que aprende (inesperado)
▪ Serial
▪ Corporativo
▪ Social
▪ Necessidade
▪ Herdeiro (sucessão familiar)
▪ “Normal” (planejado)
Nível de inovação dos brasileiros
Novas empresas
82%
18%
Sem Inovação Com inovação
Empresas estabelecidas
86%
14%
Sem Inovação Com inovação
(Dornelas, 2009)
60%20%
20%
Até 2 mil Até 10 mil Mais de 10 mil
Investimento em
inovação no Brasil
Investimento em reais
(Dornelas, 2009)
Definição de inovação
O que é e como executar um processo de inovação
Inovação é a introdução de
novidade ou aperfeiçoamento
no ambiente produtivo ou social
que resulte em novos produtos,
processos ou serviços (Lei
10.973/04)
“
Inovação tecnológica
compreende a introdução no
mercado de produtos ou
processos tecnologicamente
novos e melhorias significativas
que tenham sido
implementadas em produtos e
processos existentes (Manual de
Oslo)
“
Manual de Oslo
“Em 1990 foi editada pela
Organização para a Cooperação
e Desenvolvimento Econômico
(OCDE) a primeira edição do
Manual de Oslo - Proposta de
Diretrizes para Coleta e
Interpretação de Dados sobre
Inovação Tecnológica, que tem
o objetivo de orientar e
padronizar conceitos,
metodologias e construção de
estatísticas e indicadores de
pesquisa de P&D de países
industrializados.”
“
Tipos de inovação▪ Produto
▪ Processo
▪ Marketing
▪ Organizacional
As atividades passíveis
de apoio não
reembolsável são
predominantemente
as
de inovação
tecnológica (produto)
Tipos de inovação
As atividades passíveis
de apoio não
reembolsável são
predominantemente
as de inovação
tecnológica (produto)
Graus de inovação
Exemplo de inovação
Processo de P&D&I
Elementos básicos de um processo bem-sucedido de inovação
1º passo
Entender o modelo
econômico
Capitalismo: sistema
econômico e social
baseado na propriedade
privada dos meios de
produção, na organização
da produção visando o
lucro e empregando
trabalho assalariado, e no
funcionamento do sistema
de preços (Aurélio, 2004)
“
Há espaço para
captação não
reembolsável
para inovações
sociais?
?
2º passo
Entender que os pilares
do mercado moderno
são pautados em
Pessoas + Inovação +
Sustentabilidade.
3º passo
Definir e formalizar
estratégias
4º passo
Definir, formalizar e
aplicar técnicasDESCOBERTA PONTOS DE VISTA IDEAÇÃO PROTOTIPAÇÃO TESTES IMPLEMENTAÇÃOPESQUISA
5º Passo
Para empresas maduras,
criar um plano de
inovação deve ser a
origem de um projeto e
não uma oferta de
recursos.
Táticas para captação
Aprenda com quem já errou
Ouça, ouça e não se esqueça
Táticas
▪Conversar com o cliente em potencial
▪Definir claramente o problema e validar
▪Elaborar o Plano de Negócios
▪Submeter o Plano de Negócios à investidores e
concursos para coletar feedbacks
▪Propor e validar sua solução (MVP)
▪Fazer uma comparação com produtos e serviços
similares
Táticas
• Ler e fazer um resumo do Edital
• Criar check list e cronograma
• Diretor deve participar ativamente na redação
• Focar nos parâmetros de maior peso, porém
não “zerar” nenhum
• Pedir para terceiros avaliarem o projeto
Táticas
▪ Demostrar qualificação da equipe executora em
relação ao projeto
▪ Demostrar foco nas características da Chamada
Pública
▪ Critérios explícitos X implícitos
▪ Entender o perfil da Banca de Avaliação – equilíbrio
entre aspectos científicos e mercadológicos
▪ Lembrar que o avaliador é uma pessoa que não tem
tempo!
Táticas
▪ Conhecer origem ao capital
▪ RHAE: MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria
e Comércio Exterior
▪ Alinhar o projeto no ENCTI
▪ Modernização das empresas
▪ Apoiar a P,D&I
▪ Ampliação da Capacidade de produção e exportação
das empresas
▪ Capacitação de recursos humanos para a inovação
Estratégia Nacional de Ciência,
Tecnologia e Inovação 2012 – 2015
Estratégia Nacional de Ciência,
Tecnologia e Inovação 2012 – 2015
▪ Exemplo de objetivo (setor de TIC)
▪ Fortalecer o setor nacional de TICs e sua cadeia produtiva, com vistas ao aumento de conteúdo local, da
competitividade e da participação nos mercados nacional e internacional
▪ Exemplos de principais estratégias associadas
▪ Construção de um Plano Estratégico de Tecnologias da Informação, que inclui os setores de
semicondutores e displays, de software e serviços de TI e de infraestrutura avançada de TI;
▪ Modernização e ampliação da infraestrutura de centros de P&D em semicondutores e microeletrônica,
com suporte de recursos humanos qualificados, softwares apropriados e hardware adequado;
▪ Consolidação do CEITEC S.A. (Centro Nacional de tecnologia Eletrônica Avançada) como um importante
polo da indústria de semicondutores no Brasil e formador de mão de obra estratégica;
▪ Implantação da nova politica para dispositivos e sistemas, visando o aumento de conteúdo local para
tablets, celulares (por exemplo, smartphones), laptops, notebooks e televisores;
▪ Fomento as comunidades desenvolvedoras de software livre e fortalecimento de seu uso pelo Estado
brasileiro...
Leitura de editais chave
Espaço para leitura crítica e debate dos editais disponíveis
Elaboração de projetos
para captação de recursos
por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Visão de marketing para escritórios de advocacia
Visão de marketing para escritórios de advocaciaVisão de marketing para escritórios de advocacia
Visão de marketing para escritórios de advocacia
Marco Antonio P. Gonçalves
 
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
Marco Antonio P. Gonçalves
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+
Érica Alves
 
Um Novo Olhar Sobre a Advocacia
Um Novo Olhar Sobre a AdvocaciaUm Novo Olhar Sobre a Advocacia
Um Novo Olhar Sobre a Advocacia
rcmolon
 
Identificando oportunidades - BCG
Identificando oportunidades  - BCGIdentificando oportunidades  - BCG
Identificando oportunidades - BCG
Bruno Mastrocolla
 
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocaciaMarketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
Marco Antonio P. Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2
 
O Advogado como empreendedor
O Advogado como empreendedorO Advogado como empreendedor
O Advogado como empreendedor
 
Visão de marketing para escritórios de advocacia
Visão de marketing para escritórios de advocaciaVisão de marketing para escritórios de advocacia
Visão de marketing para escritórios de advocacia
 
Plano de Negócio para Advogados e Escritório de Advocacia
Plano de Negócio para Advogados e Escritório de AdvocaciaPlano de Negócio para Advogados e Escritório de Advocacia
Plano de Negócio para Advogados e Escritório de Advocacia
 
Planejamento estratégico na Advocacia
Planejamento estratégico na AdvocaciaPlanejamento estratégico na Advocacia
Planejamento estratégico na Advocacia
 
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
Marketing Jurídico: Como atrair novos clientes?
 
Desenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto iDesenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto i
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+
 
Planejamento estratégico na Advocacia + workshop
Planejamento estratégico na Advocacia + workshopPlanejamento estratégico na Advocacia + workshop
Planejamento estratégico na Advocacia + workshop
 
Pnt01
Pnt01Pnt01
Pnt01
 
Relevância e abrangência do marketing jurídico
Relevância e abrangência do marketing jurídicoRelevância e abrangência do marketing jurídico
Relevância e abrangência do marketing jurídico
 
Um Novo Olhar Sobre a Advocacia
Um Novo Olhar Sobre a AdvocaciaUm Novo Olhar Sobre a Advocacia
Um Novo Olhar Sobre a Advocacia
 
Identificando oportunidades - BCG
Identificando oportunidades  - BCGIdentificando oportunidades  - BCG
Identificando oportunidades - BCG
 
15ª edição Feira Empreendedor 24 nov2012
15ª edição Feira Empreendedor 24 nov201215ª edição Feira Empreendedor 24 nov2012
15ª edição Feira Empreendedor 24 nov2012
 
Briefing Exemplo Janaira França
Briefing Exemplo Janaira FrançaBriefing Exemplo Janaira França
Briefing Exemplo Janaira França
 
Patrocínios desportivos
Patrocínios desportivosPatrocínios desportivos
Patrocínios desportivos
 
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de AdvocaciaGestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
 
Desenvolvimento de novos negócios: Advocacia com foco no cliente
Desenvolvimento de novos negócios: Advocacia com foco no clienteDesenvolvimento de novos negócios: Advocacia com foco no cliente
Desenvolvimento de novos negócios: Advocacia com foco no cliente
 
Apresentação Institucional - Advocacia Dutra
Apresentação Institucional - Advocacia DutraApresentação Institucional - Advocacia Dutra
Apresentação Institucional - Advocacia Dutra
 
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocaciaMarketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
Marketing para advogados: visão de marketing para escritórios de advocacia
 

Semelhante a Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis

Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdfApresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
LeonardoRosa93
 
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústriaInovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Fabricio Martins
 
Barreiras inovacao
Barreiras inovacaoBarreiras inovacao
Barreiras inovacao
James Wright
 
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdfAula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
ssuser1e6167
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
Joao Pirola
 
Gestão de Negócios
Gestão de NegóciosGestão de Negócios
Gestão de Negócios
PBNP_
 

Semelhante a Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis (20)

Administracao 4.0 no cenario mundial
Administracao 4.0 no cenario mundialAdministracao 4.0 no cenario mundial
Administracao 4.0 no cenario mundial
 
Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdfApresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
Apresentação-IV-Introdução-à-Gestão-e-Cultura-de-Inovação-CRI-Ceará-29.08.18.pdf
 
EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO COMO INDUTORES DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL
EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO COMO INDUTORES DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIALEMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO COMO INDUTORES DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL
EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO COMO INDUTORES DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL
 
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinhoWorkshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
 
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústriaInovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
 
Barreiras inovacao
Barreiras inovacaoBarreiras inovacao
Barreiras inovacao
 
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdfAula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
 
Vaga para estágio na Inventta
Vaga para estágio na InventtaVaga para estágio na Inventta
Vaga para estágio na Inventta
 
Cultivando a Inovação
Cultivando a InovaçãoCultivando a Inovação
Cultivando a Inovação
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
 
Empreendedorismo criativo e gestão de negócios no mercado audiovisual
Empreendedorismo criativo e gestão de negócios no mercado audiovisualEmpreendedorismo criativo e gestão de negócios no mercado audiovisual
Empreendedorismo criativo e gestão de negócios no mercado audiovisual
 
Workshop de design de produto
Workshop de design de produtoWorkshop de design de produto
Workshop de design de produto
 
Aula 16 - Estratégia e Planej Estrategico.pptx
Aula 16 - Estratégia e Planej Estrategico.pptxAula 16 - Estratégia e Planej Estrategico.pptx
Aula 16 - Estratégia e Planej Estrategico.pptx
 
Prepare se para sua startup de sucesso!
Prepare se para sua startup de sucesso!Prepare se para sua startup de sucesso!
Prepare se para sua startup de sucesso!
 
OxenTI - Desenvolvimento de Soluções Inovadoras em TI
OxenTI - Desenvolvimento de Soluções Inovadoras em TIOxenTI - Desenvolvimento de Soluções Inovadoras em TI
OxenTI - Desenvolvimento de Soluções Inovadoras em TI
 
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendoSTARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
 
Startadora Inovação Corporativa - Atividades e Projetos
Startadora Inovação Corporativa - Atividades e ProjetosStartadora Inovação Corporativa - Atividades e Projetos
Startadora Inovação Corporativa - Atividades e Projetos
 
Modelos de Negócio - Feithec 2013
Modelos de Negócio - Feithec 2013Modelos de Negócio - Feithec 2013
Modelos de Negócio - Feithec 2013
 
Gestão de Negócios
Gestão de NegóciosGestão de Negócios
Gestão de Negócios
 

Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis

  • 1. Elaboração de projetos para captação de recursos por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr
  • 2. Engenheiro de Computação (PUC-GO) Ms. C. Engenharia Biomédica (UNICAMP-SP) CEO da Requisito Tecnologia Diretor de Novos Negócios da Oobj Consultor de captação de recursos 18 editais de fomento não-reembolsáveis Prêmio FINEP de Inovação Chancela do Ministério do Esporte Prêmios de Empreendedorismo DESIGN DE PRODUTO por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr
  • 4. “Há muito dinheiro, faltam bons projetos” Expectativas e desafios da captação de recursos
  • 5. Por que você precisa de recursos não reembolsáveis? “
  • 8. Quem pode captar recursos? Todos que estejam preparados e todos podem se preparar.
  • 9. Características das pessoas mais preparadas para buscar recursos não reembolsáveis ▪ Ser um empreendedor por definição (inova) ▪ Gestor de pessoas e de projetos ▪ Exímio redator de Planos de Negócios ▪ Boa fundamentação em marketing ▪ Autossuficiente financeiramente ▪ Experiente no mercado ao qual as inovações propostas se destinam
  • 10. Diferenças nas estratégias de busca por recursos não-reembolsáveis por empresa
  • 12. Mesmo com perfil errado, recursos podem ser captados, mas veem a um alto custo ▪ O produto vai ficar pronto, mas tende ficar com a com a cara empreendedor em detrimento das reais demandas do mercado ▪ O recrutamento tende ser complicado e com alta rotatividade de pessoas ▪ O foco passa a ser o P&D&I em detrimento do acesso ao mercado ▪ O acesso ao mercado tende ser um naufrágio
  • 13. Empresas que não têm estratégia definida rotineiramente usam a inovação como substituto. A expectativa é que as ideias resultantes deem origem a uma estratégia bem sucedida, o que raramente ocorre (Kotler, P. et al., 2012) “
  • 14.
  • 15. Para a equipe certa...
  • 16. Erros comuns nos projetos de captação Erros de inscrição, redação, perfil e de competência
  • 17. Erros comuns no projeto ▪ Ausência de inovação ▪ Falta de clareza quanto aos objetivos ▪ Metodologia mal definida ▪ Cronograma físico e financeiro inadequados ▪ Ausência de elementos priorizados pelo edital ▪ Distinção de contrapartida financeira e não- financeira ▪ Péssima qualidade de redação
  • 18. Erros comuns na inscrição ▪ Envio de documentação incompleta e/ou sem assinatura ▪ Preenchimento incorreto ou incompleto do formulário ▪ Envio após a data limite ▪ Inelegibilidade de membro do consórcio executor ▪ Falta de aderência aos objetivos da chamada ▪ Falta backup do formulário de inscrição
  • 19. Erros comuns dos empreendedores ▪Ansiedade por resultados ▪Overhead ou ausência de gerência ▪Descontrole do fluxo de caixa ▪Falta de conhecimento do ciclo de vendas ▪Baixa escalabilidade dos projetos ▪Comodismo e falta de reciclagem
  • 20. Erros comuns dos empreendimentos ▪ Missão ampla e visão irrealista ▪ Falta de foco ▪ Arcabouço de inovação ▪ Diretrizes de inovação ▪ Lista de verificação de inovação ▪ Falta de metodologia de P&D&I ▪ Gestão de pessoas
  • 21. A quem compete a inovação?
  • 22. O empreendedor Detalhes das características das pessoas inovadoras
  • 23. “O empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente através da introdução de novos produtos e serviços, pela criação de novas formas de organização, ou pela exploração de novos recursos e materiais” (Schumpeter, 1949) “
  • 24. “É aquele que faz acontecer, se antecipa aos fatos e tem uma visão futura da organização” (Dornelas, 2001)“
  • 26. Por que empreender? Ser o produto da evolução pode não ser o seu sonho.
  • 28. O que move um empreendedor?
  • 29. O que move um empreendedor? “Empreender é ter uma visão e ir atrás dela sem medir esforço, é uma realização de vida”“ Definição citada por um empreendedor de um conglomerado industrial entrevistado por Dornelas (2009)
  • 30. O pico do Everest foi alcançado em 29 de Maio de 1953 por Edmund Hillary e Tenzing Norgay. Por que ele foram?
  • 31. Características do empreendedor ▪ Paixão ▪ Liderança ▪ Visão ▪ Persistência ▪ Resiliência ▪ Competência (saber, querer e fazer) ▪ Honestidade Intelectual
  • 32. Tipos de empreendedores ▪ Nato ▪ Que aprende (inesperado) ▪ Serial ▪ Corporativo ▪ Social ▪ Necessidade ▪ Herdeiro (sucessão familiar) ▪ “Normal” (planejado)
  • 33. Nível de inovação dos brasileiros Novas empresas 82% 18% Sem Inovação Com inovação Empresas estabelecidas 86% 14% Sem Inovação Com inovação (Dornelas, 2009)
  • 34. 60%20% 20% Até 2 mil Até 10 mil Mais de 10 mil Investimento em inovação no Brasil Investimento em reais (Dornelas, 2009)
  • 35. Definição de inovação O que é e como executar um processo de inovação
  • 36. Inovação é a introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços (Lei 10.973/04) “
  • 37. Inovação tecnológica compreende a introdução no mercado de produtos ou processos tecnologicamente novos e melhorias significativas que tenham sido implementadas em produtos e processos existentes (Manual de Oslo) “
  • 38. Manual de Oslo “Em 1990 foi editada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) a primeira edição do Manual de Oslo - Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica, que tem o objetivo de orientar e padronizar conceitos, metodologias e construção de estatísticas e indicadores de pesquisa de P&D de países industrializados.” “
  • 39. Tipos de inovação▪ Produto ▪ Processo ▪ Marketing ▪ Organizacional As atividades passíveis de apoio não reembolsável são predominantemente as de inovação tecnológica (produto)
  • 40. Tipos de inovação As atividades passíveis de apoio não reembolsável são predominantemente as de inovação tecnológica (produto)
  • 43. Processo de P&D&I Elementos básicos de um processo bem-sucedido de inovação
  • 44. 1º passo Entender o modelo econômico Capitalismo: sistema econômico e social baseado na propriedade privada dos meios de produção, na organização da produção visando o lucro e empregando trabalho assalariado, e no funcionamento do sistema de preços (Aurélio, 2004) “
  • 45. Há espaço para captação não reembolsável para inovações sociais? ?
  • 46. 2º passo Entender que os pilares do mercado moderno são pautados em Pessoas + Inovação + Sustentabilidade.
  • 47. 3º passo Definir e formalizar estratégias
  • 48. 4º passo Definir, formalizar e aplicar técnicasDESCOBERTA PONTOS DE VISTA IDEAÇÃO PROTOTIPAÇÃO TESTES IMPLEMENTAÇÃOPESQUISA
  • 49. 5º Passo Para empresas maduras, criar um plano de inovação deve ser a origem de um projeto e não uma oferta de recursos.
  • 50. Táticas para captação Aprenda com quem já errou
  • 51. Ouça, ouça e não se esqueça
  • 52. Táticas ▪Conversar com o cliente em potencial ▪Definir claramente o problema e validar ▪Elaborar o Plano de Negócios ▪Submeter o Plano de Negócios à investidores e concursos para coletar feedbacks ▪Propor e validar sua solução (MVP) ▪Fazer uma comparação com produtos e serviços similares
  • 53. Táticas • Ler e fazer um resumo do Edital • Criar check list e cronograma • Diretor deve participar ativamente na redação • Focar nos parâmetros de maior peso, porém não “zerar” nenhum • Pedir para terceiros avaliarem o projeto
  • 54. Táticas ▪ Demostrar qualificação da equipe executora em relação ao projeto ▪ Demostrar foco nas características da Chamada Pública ▪ Critérios explícitos X implícitos ▪ Entender o perfil da Banca de Avaliação – equilíbrio entre aspectos científicos e mercadológicos ▪ Lembrar que o avaliador é uma pessoa que não tem tempo!
  • 55. Táticas ▪ Conhecer origem ao capital ▪ RHAE: MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ▪ Alinhar o projeto no ENCTI ▪ Modernização das empresas ▪ Apoiar a P,D&I ▪ Ampliação da Capacidade de produção e exportação das empresas ▪ Capacitação de recursos humanos para a inovação
  • 56. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015
  • 57. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015 ▪ Exemplo de objetivo (setor de TIC) ▪ Fortalecer o setor nacional de TICs e sua cadeia produtiva, com vistas ao aumento de conteúdo local, da competitividade e da participação nos mercados nacional e internacional ▪ Exemplos de principais estratégias associadas ▪ Construção de um Plano Estratégico de Tecnologias da Informação, que inclui os setores de semicondutores e displays, de software e serviços de TI e de infraestrutura avançada de TI; ▪ Modernização e ampliação da infraestrutura de centros de P&D em semicondutores e microeletrônica, com suporte de recursos humanos qualificados, softwares apropriados e hardware adequado; ▪ Consolidação do CEITEC S.A. (Centro Nacional de tecnologia Eletrônica Avançada) como um importante polo da indústria de semicondutores no Brasil e formador de mão de obra estratégica; ▪ Implantação da nova politica para dispositivos e sistemas, visando o aumento de conteúdo local para tablets, celulares (por exemplo, smartphones), laptops, notebooks e televisores; ▪ Fomento as comunidades desenvolvedoras de software livre e fortalecimento de seu uso pelo Estado brasileiro...
  • 58. Leitura de editais chave Espaço para leitura crítica e debate dos editais disponíveis
  • 59. Elaboração de projetos para captação de recursos por André de Paula Ramos | http://linkedin.com/in/andrepr