SENHORA, José de Alencar

1. RESUMO BIOGRÁFICO:
José de Alencar, advogado, jornalista, político, orador, romancista e teat...
SENHORA, José de Alencar

2. CONTEXTO DA OBRA
A época representada culturalmente pelo Romantismo – das duas
últimas década...
SENHORA, José de Alencar

a criação de um público leitor (mesmo que inicialmente só de jornais)
criaram algumas das condiç...
SENHORA, José de Alencar

mance romântico indianista que encontrou no indígena um símbolo do
heroísmo nacional. Tomado com...
SENHORA, José de Alencar

4.1. ENREDO
• Primeira Parte: O PREÇO
O leitor encontrará Aurélia Camargo
muito rica, numa mansã...
SENHORA, José de Alencar

Aurélia tinha um irmão, Emílio (“parvo”) e a mãe Emília. Estavam
vivendo a duras penas uma vez q...
SENHORA, José de Alencar

dele, e até passa a adorar um quadro que mandara fazer do próprio
Fernando, dizendo em alto e bo...
SENHORA, José de Alencar

cobrindo gradativamente informações sobre a vida e os sentimentos
das personagens.
d) PERSONAGEN...
SENHORA, José de Alencar

4.4. COMENTÁRIOS
O conflito amoroso entre os protagonistas nasce desse choque
entre os sentiment...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Senhora, de José de Alencar - análise

2.266 visualizações

Publicada em

Senhora, de José de Alencar - análise

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.266
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Senhora, de José de Alencar - análise

  1. 1. SENHORA, José de Alencar 1. RESUMO BIOGRÁFICO: José de Alencar, advogado, jornalista, político, orador, romancista e teatrólogo, nasceu em Mecejana, CE, em 1º de maio de 1829, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 12 de dezembro de 1877. É o patrono da Cadeira n. 23, por escolha de Machado de Assis. Era filho do padre, depois senador, José Martiniano de Alencar e de sua prima Ana Josefina de Alencar, com quem formara uma união socialmente bem aceita, desligando-se bem cedo de qualquer atividade sacerdotal; neto, pelo lado paterno, do comerciante português José Gonçalves dos Santos e de D. Bárbara de Alencar, matrona pernambucana que se consagraria heroína da revolução de 1817. Ela e o filho José Martiniano, então seminarista no Crato, passaram quatro anos presos na Bahia, por sua adesão ao movimento revolucionário irrompido em Pernambuco.  Sua obra é da mais alta significação nas letras brasileiras, não só pela seriedade, ciência e consciência técnica e artesanal com que a escreveu, mas também pelas sugestões e soluções que ofereceu, facilitando a tarefa da nacionalização da literatura no Brasil e da consolidação do romance brasileiro, do qual foi o verdadeiro criador. Sendo a primeira figura das nossas letras, foi chamado “o patriarca da literatura brasileira”. Sua imensa obra causa admiração não só pela qualidade, como pelo volume, se considerarmos o pouco tempo que José de Alencar pôde dedicar-lhe numa vida curta. Faleceu no Rio de Janeiro, de tuberculose, aos 48 anos de idade.  www.literapiaui.com.br 1
  2. 2. SENHORA, José de Alencar 2. CONTEXTO DA OBRA A época representada culturalmente pelo Romantismo – das duas últimas décadas do século XVIII até a metade do século XIX – é o resultado das transformações que já vinham ocorrendo desde o início do século XVIII em vários planos: econômico, social e ideológico. Economicamente, a Europa presenciava a euforia e as conseqüências decorrentes da Revolução Industrial na Inglaterra: novos inventos para a indústria, divisão de trabalho e maior produtividade, formação de centros fabris e urbanos, surgimento de um operariado, revoltas sociais e nascimento de sindicatos, associações de trabalhadores e de patrões. Social e politicamente, tendo a burguesia alcançado o poder na França, com a Revolução Francesa (1789), iniciava-se nesse país um longo período de luta pela solidificação do poder burguês, liderado por Napoleão Bonaparte, e de combate ao movimento contra-revolucionário e conservador conduzido pelas principais monarquias européias, as da Áustria, Rússia e Prússia. Ideologicamente, o celeiro de idéias que impulsionava a burguesia e o povo em sua causa histórica era o Iluminismo, com propostas de um governo democrático, eleito pelo povo, de igualdade e justiça social, de direitos humanos, de liberdade. Como expressão cultural de um turbulento período da história, não se pode esperar que o movimento romântico seja equilibrado e uniforme. Ao contrário, ele traz as contradições e as marcas próprias de uma revolução: otimismo e reformismo social, decepção e pessimismo, saudosismo e contra-revolução. Temos a ascensão da burguesia e de seus valores: liberdade individual e liberalismo. Porém, logo surge insatisfação com o cotidiano da vida burguesa, o que gera um sentimento de tédio e desencanto com o mundo, expressos pela arte romântica. Tanto na Europa quanto no Brasil, o romance surgiu sob a forma de folhetim, publicação diária, em jornais, de capítulos de determinada obra literária. Assim, ao mesmo tempo em que ampliava o público leitor de jornais, o folhetim ampliava o público de literatura. O romance, por relatar acontecimentos da vida comum e cotidiana, e por dar vazão ao gosto burguês pela fantasia e pela aventura, veio a ser o mais legítimo veículo de expressão artística dessa classe. O momento brasileiro é da nossa independência e agora se procurava a individualidade como nação e a busca pelo reconhecimento perante as outras nações. A dinamização da vida cultural da colônia e 2 www.literapiaui.com.br
  3. 3. SENHORA, José de Alencar a criação de um público leitor (mesmo que inicialmente só de jornais) criaram algumas das condições necessárias para o florescimento de uma literatura mais consistente e orgânica do que a representada pelas manifestações literárias dos séculos XVII e XVIII. Dos prosadores românticos da literatura brasileira, Alencar sem dúvida avulta como o mais importante dentre eles, não só pelo seu nacionalismo, dando prioridade à temática brasileira como pelo seu estilo vigoroso, elegante e pomposo, que sobressai dentre seus contemporâneos. 3. OS QUATRO MOTIVOS E A OBRA DE JOSÉ DE ALANCAR Tomaram consistência quatro tendências de romances românticos no país capazes de retratar o Brasil desde o seu descobrimento até o tempo do Segundo Reinado, cumprindo a tarefa de responder o que era o Brasil e o que era o Ser Brasileiro. 3.1. Romance Romântico Histórico: a origem a formação e a história da nação e da cultura brasileira Esta foi a modalidade predileta dos escritores românticos para reinterpretar, de forma nacionalista, a História do Brasil, idealizando fatos e personagens do passado, dando vida literária a lendas a tradições e a episódios do arcabouço histórico-cultural brasileiro: O Guarani, A Guerra dos Mascates e As Minas de Prata. 3.2. Romance Romântico Urbano ou de Amenidades: amor, dinheiro e honra no Rio de Janeiro O Brasil e, de modo especial, o Rio de Janeiro, passava por um franco processo de urbanização, que criava novas possibilidades e necessidades culturais, como, por exemplo, o florescimento e o consumo da notícia veiculada por meio do jornal escrito e a circulação de Folhetins que conquistava rapidamente o gosto do público leitor: Cinco Minutos, A Viuvinha, Diva, A Pata da Gazela, Sonhos d´Ouro, Encarnação e, principalmente, Senhora, Lucíola. 3.3. Romance Romântico Indianista: origens, heroísmo e beleza do Brasil A Primeira Geração: “minha terra tem palmeiras...” Há perfeita identificação das manifestações da poesia dessa geração com o rowww.literapiaui.com.br 3
  4. 4. SENHORA, José de Alencar mance romântico indianista que encontrou no indígena um símbolo do heroísmo nacional. Tomado como brasileiro original, o índio é retratado em um Brasil também original: natureza exuberante, ainda virginal, paradisíaca, que correspondia bem ao caráter cordial, bondoso, cristão, belo e heróico que o idealismo romântico pretendia impingir ao brasileiro: O Guarani, Iracema e Ubirajara. 3.4. Romance Romântico Regionalista ou Sertanejo: a idealização do campo, o pitoresco e o sentido épico Com o “esgotamento” do indianismo, os romancistas românticos buscaram nas regiões uma forma de revelarem a diversidade cultural do interior do Brasil. O registro idealizado dos campos, dos camponeses e de seus hábitos, tradições, crenças é o ponto de partida para um dos maiores temas de pesquisa sobre a realidade brasileira no romance nacional, principalmente, como instrumento de análise crítica e projeções metafísicas no Modernismo. O Sertanejo, O Gaúcho e O Tronco do Ipê. 4. SENHORA O romance enquadra-se na categoria de romance urbano que trabalha temas ligados ao cotidiano pondo em discussão certos problemas e valores vividos pelo próprio público de então, ver o seu mundo retratado nos livros era uma novidade excepcional. José de Alencar incluiu esses problemas em seus livros, analisando as intrigas amorosas, chantagens, amores impossíveis, peripécias de maneira profunda e consistente. Foi publicado em 1875, é uma das preciosidades da literatura brasileira e é, ao lado de Iracema, uma obra-prima de Alencar. Trata-se de um romance marcado pelo conflito amoroso entre Aurélia Camargo e Fernando Seixas. Nele, Alencar desenha um dos “perfis femininos” mais fortes dentro de sua obra. Aurélia é uma personagem contraditória, marcada pelos extremos psíquicos, desejo e rejeição do objeto desejado. O romance é marcado pela densidade conflitiva entre os protagonistas, configurando um verdadeiro painel histórico da sociedade burguesa do século XIX, onde o dinheiro parece ter papel preponderante sobre os sentimentos. A ação narrativa gira em torno do conflito entre o valor do capital e a importância dos sentimentos, o que por si só equivale à sua classificação como romance romântico. 4 www.literapiaui.com.br
  5. 5. SENHORA, José de Alencar 4.1. ENREDO • Primeira Parte: O PREÇO O leitor encontrará Aurélia Camargo muito rica, numa mansão nas Laranjeiras (RJ) tutelada por Lemos, seu tio e D. Firmina, uma velha parenta, viúva. Era preciso, frisa o narrador, que uma jovem, bela e rica, tivesse “pais postiços” (mãe de encomenda) pois a sociedade não havia ainda admitido a emancipação feminina. Trata-se de um Rio de Janeiro pomposo, cortesão e requintado ambiente por onde a “estrela” circula, com direito a bailes e desprezo aos pretendentes que a circundam. A essência desta primeira parte resume-se na proposta de casamento que Fernando Seixas receberá de Aurélia através de Lemos. Seriam cem contos de réis (Lemos estava autorizado a chegar até aos duzentos) pelo contrato matrimonial. O único detalhe: Seixas não deveria saber a identidade da pretendente. Fernando estava comprometido com Adelaide, a Amaralzinha, em função dos trinta contos de réis que ele teria de dote. Lemos, a mando de Aurélia, desarticula este compromisso para obter, numa jogada só, dois resultados: unir Adelaide a Torquato e Fernando a Aurélia. Desfeito o noivado, sem dinheiro — ele teria de restituir vinte contos de réis à irmã Nicota que faziam parte da herança do pai —, Fernando acaba por aceitar o casamento, mas pede vinte adiantado. É atendido. Fernando é apresentado como funcionário público, honesto, porém gastador, corrompido pela sociedade, precisava subir na vida, andar “no rigor da moda” Enfim, após o casamento, na noite de núpcias, Aurélia revela a farsa que estavam vivendo. Ela se considera mulher traída e a ele se refere como homem “vendido”, um “traste”. • Segunda Parte:   QUITAÇÃO Nesta segunda parte o leitor fica sabendo por quais motivos Aurélia agiu daquela forma com o marido, nem chegando a consumar o matrimônio. Há um retorno ao passado, usa-se o flashback e revelase o passado pobre da moça das Laranjeiras. www.literapiaui.com.br 5
  6. 6. SENHORA, José de Alencar Aurélia tinha um irmão, Emílio (“parvo”) e a mãe Emília. Estavam vivendo a duras penas uma vez que Pedro, o pai, havia se submetido aos desmandos de seu pai, Lourenço, que não aceitava a união dele com Emília, mulher pobre, sem estirpe. Acometido de uma febre, por fraqueza moral inclusive, Pedro morre deixando órfãos os filhos e viúva a Emília. Emílio torna-se “homem da casa” trabalhando como caixeiro viajante, porém é Aurélia, astuta, quem o ajuda nas contas. Humilhado, fraco por natureza, morre Emílio tempos depois. A mãe, doente, preocupada em que a filha não se perca na vida, pede para que ela arrume um casamento. Rico, de preferência. Até o tio, Lemos, quis tirar proveito da beleza da moça e da escassez financeira que estava por chegar. A fim de agradar a mãe — após silenciosa recusa da proposta absurda — Aurélia continua à janela em Santa Teresa, e aí acaba por apaixonar-se por Fernando Seixas, recusando os demais que a desejavam, inclusive Eduardo Abreu, moço rico e educado. O romance não dura muito pois o Seixas a abandona em troca da possibilidade de um dote de trinta contos, fato já mencionado. Com a morte de Emília e a do avô Lourenço, Aurélia torna-se herdeira da riqueza deste, uma vez que ele havia deixado com ela um testamento, uma espécie de “desculpas” por não ter acreditado nas histórias de seu filho, Pedro, sobre netos. Rica porém traída, Aurélia, a nova estrela, da sociedade carioca vai em busca de vingança. • Terceira parte: POSSE Nesta parte Fernando assume realmente a condição de escravo branco, homem vendido e decide trabalhar assiduamente na repartição e recuperar o dinheiro que lhe devolva a honra da liberdade. Aparentemente viviam bem, contudo a tensão era latente. Seixas promete a si mesmo não amar outra mulher. Aurélia assume pose de mulher bem casada e Fernando, ironicamente, passa a pedir permissão até para fumar. Aurélia luta contra seu próprio desejo mantendo-se distante dele. Chega a propor o divórcio (cap. VIII), negado por ele que reafirma a necessidade de servi-la como um servo. • Quarta parte: RESGATE Seguem-se aqui as posturas por vezes contraditórias de Aurélia que chega a desmaiar num baile em S. Clemente bem sobre os braços 6 www.literapiaui.com.br
  7. 7. SENHORA, José de Alencar dele, e até passa a adorar um quadro que mandara fazer do próprio Fernando, dizendo em alto e bom tom que o Seixas amado é o da imagem e não o real. Mais do que nunca o moço tenta desvencilhar-se da situação buscando dinheiro para pagar sua liberdade. Inesperadamente surge o lucro de um negócio que Seixas fizera com minas de cobre, três anos antes, coisa que lhe rendera quinze contos de réis. A partir daí o leitor descobre que nenhum tostão daqueles oitenta contos — recebidos no casamento — foi gasto por Fernando e agora, de posse do lucro do negócio, mais as economias que fizera, pode enfim devolver os vinte contos de de réis que havia pedido adiantado. Devolve tudo com juros e o contrato é desfeito. Assim que Fernando pede a separação, Aurélia diz que o passado (onze meses) está extinto e um outro casal deve começar a viver. Ela ajoelha-se diante dele e suplica-lhe o amor. Apesar da recusa momentânea dele, Aurélia insiste e chega, num último gesto, a mostrar-lhe seu testamento, onde ela declara ser Fernando Seixas seu herdeiro universal. O final é feliz. 4.2. ESTRUTURA DA OBRA a) FOCO NARRATIVO - Narrado em terceira pessoa, por um narrador-onisciente e intruso, o forte do romance é a observação de detalhes exteriores, que iluminam a personalidade e os lances da vida. A psicologia dos personagens e a mistura do romanesco e da realidade fazem desse romance um belo exemplo de literatura romântica no qual pode-se perceber traços realistas. O narrador projeta o seu ponto de vista sobre a heroína, a protagonista do romance Aurélia Camargo. A personagem principal é idealizada ao gosto do Romantismo, mas ao mesmo tempo que é apresentada como “mulher-anjo” o narrador acrescenta um ingrediente demoníaco que aparece nas entrelinhas. Portanto, a contradição entre anjo e demônio, a bela e a fera, constitui um elemento de grande valia nesse atraente romance. b) ESPAÇO: A ação se passa no Rio de Janeiro na época do Segundo Império, com alusões à Guerra do Paraguai e reconstituições primorosas do vestuário e mobiliário da época. c) TEMPO: O narrador vale-se do tempo cronológico, dinamizando o relato com freqüentes retrospectivas (flashback) que vão deswww.literapiaui.com.br 7
  8. 8. SENHORA, José de Alencar cobrindo gradativamente informações sobre a vida e os sentimentos das personagens. d) PERSONAGENS: * Fernando Seixas — “Moço que ainda não chegou aos trinta anos. Tem uma fisionomia tão nobre, quanto sedutora; belos traços, tez finíssima, cuja alvura realça a macia barba castanha. Os olhos rasgados e luminosos às vezes, coalham-se em um enlevo de ternura, mas natural e extreme de afetação, que há de torná-los irresistíveis quando o amor os acende. A boca vestida por um bigode elegante”. * Aurélia Camargo — Moça pobre, neta de um fazendeiro rico que não acreditava no casamento do filho. Só muito tempo após a morte deste, procurou e reconheceu a neta. Quando morreu deixou-a milionária. Moça linda e inteligente, dotada de grande sagacidade, mas confundida pelos seus sentimentos de amor e ressentimento pelo abandono, enovela-se numa seqüência de ações que quase a conduz à infelicidade e perda do homem amado. Sua característica psicológica mais marcante é a esquizofrenia. * Lemos — Era “um velho de pequena estatura, não muito gordo, mas roliço e bojudo como um vaso chinês. Apesar de seu corpo rechonchudo tinha certa vivacidade buliçosa e saltitante que lhe dava petulância de rapaz, e casava-se perfeitamente com os olhinhos de azougue”, é um tipo interesseiro, canalha e hipócrita, a quem a sobrinha e tutelada controla porque tem em seu poder uma carta que pode comprometê-lo. 4.3. OS PRINCIPAIS TEMAS: * A crítica ao casamento por interesse. * O dinheiro e o amor como agentes de transformação do homem e da sociedade. * A crítica aos falsos valores sobre os quais está assentada a sociedade da época. * Idealização do amor e das personagens. * A crítica aos costumes da sociedade burguesa (crônica de costumes). * A ambigüidade de caráter das personagens. * O homem é bom, mas a sociedade o corrompe. (Rousseau – “Bom Selvagem”) * A redenção do homem pelo Amor. 8 www.literapiaui.com.br
  9. 9. SENHORA, José de Alencar 4.4. COMENTÁRIOS O conflito amoroso entre os protagonistas nasce desse choque entre os sentimentos e o interesse econômico. Aurélia Camargo é uma mulher de personalidade forte, carregada de sentimentalismo romântico. Daí sua contradição, sua personalidade marcada por extremos psíquicos: dá maior valor aos sentimentos, mas vale-se do dinheiro para atingir seu objetivo de obter o grande amor de sua vida, Fernando Seixas. Dessa forma, o dinheiro acaba impondo o valor burguês que lhe era atribuído na sociedade do século XIX. A realização amorosa só se cumpre depois de Aurélia vencer a aparente esquizofrenia que parece conduzi-la à dúvida quanto às intenções de Fernando Seixas. Em Aurélia, temos a criação de um dos “perfis femininos” mais fortes dentro da obra de Alencar, somando-se às personagens de Lucíola e Diva. As três obras completam o ciclo sub-intitulado “Perfil de Mulher”, tendo sido publicadas sob o pseudônimo de G. M. Alencar descreve e caracteriza em Senhora a sociedade burguesa do segundo reinado: seus hábitos, valores, costumes, comportamentos, atitudes. O cenário dos salões, das residências, em suma, o luxo burguês compõe um painel, marcado por um certo realismo, de uma sociedade em nítida ascensão. Podemos, desta forma, classificar a presente obra como um romance de costumes, já que o autor faz um levantamento pormenorizado de uma classe social. É também um romance urbano. Apesar de seu evidente caráter romântico, Senhora, apresenta certos elementos que o aproximam dos romances realistas. O realismo fica por conta do elemento crítico à sociedade burguesa, representado aqui pela denúncia ao casamento burguês, ou seja, o casamento baseado no interesse econômico. Outro elemento realista é a reconstituição cuidadosa da vida social da época. www.literapiaui.com.br 9

×