17   A importância dos processos de negócio   nas organizações e sua diferença em   relação a funções de negócio          ...
18                nos objetivos dos processos de negócios. Os colaboradores passam agora a lidar                com os pro...
19                A Tabela 1 mostra o cruzamento entre a visão operacional e a visão estratégica de                áreas f...
20                Apesar de considerarmos a vantagem competitiva das organizações orientadas                a processos, D...
21E, finalmente, uma tarefa para Baldam et al. (2007, p. 20)                  é uma atividade atômica que é incluída em um...
22                      Agora que você estudou os conceitos envolvendo processos, que tal                      visualizar ...
23Pessoas geralmente utilizam modelos como base de discussões, como suportea comunicações e compreensão de referência. Na ...
24                Garratt e outros (2007, p. 24) definem a fase AI como a “abordagem que permite                a captura,...
25       ••permitir que a própria organização conheça os seus processos atuais,         além de propiciar uma integração e...
26                      g.	baseando-se na avaliação, selecionar as características chave do processo                      ...
27Lusk (2008) complementa que, considerando o nível de detalhe e o tipo dedocumentação de processos requeridos, as pergunt...
28                DUTRA JUNIOR, Antonio. Foco nos processos. [entre 2001 e 2011]b. Disponível                em: <http://w...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1 a importância dos processos de negócio nas organizações e sua diferença em relação a funções de negócio

2.430 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 a importância dos processos de negócio nas organizações e sua diferença em relação a funções de negócio

  1. 1. 17 A importância dos processos de negócio nas organizações e sua diferença em relação a funções de negócio Carlos André de Sousa RochaPara uma compreensão mais adequada de como e por que algumas organizaçõesatualmente buscam estruturar suas atividades por meio de Processos deNegócios, você precisa entender como esses processos evoluíram dastradicionais Funções Empresariais.O conceito de Função Empresarial data da década de 1920, inserido por FrederickTaylor, e está diretamente ligado à especialização de atividades e profissionais emtorno de áreas ou departamentos de uma organização especializada na execuçãode determinadas funcionalidades do negócio, isto é, centradas nos “silosfuncionais” (SORDI, 2006).Então, que tal saber como as Funções Empresariais estãocaminhando para os Processos de Negócio?Sordi (2006) afirma que um aspecto bem característico de diversas organizaçõesé a utilização de uma estrutura organizacional baseada na concepção de “silosfuncionais”. Nas palavras do autor, os “silos” executam e gerenciam um conjuntode atividades bastante específicas e especializadas (SORDI, 2006, p. XIII).Nas décadas de 1980 e 1990, implantou-se e impulsionou-se o movimento pelaQualidade Total, que propagou para as décadas seguintes um grande movimentopela especialização das áreas funcionais visando suas competências básicas(SORDI, 2006).As propostas para melhoria de Processos de Negócio, como BPR (Business ProcessReengineering - Reengenharia de Processos de Negócio) e BPD (Business ProcessDesign - Desenho de Processos de Negócio) na década de 1990, direcionaram asorganizações cada vez mais aos processos de negócio. Esse tipo de organizaçãodifere das que se pautavam pelos tradicionais “silos funcionais”, uma vez quepreza pela redução de interferências e perdas consequentes das comunicaçõesentre organizações, áreas funcionais e níveis hierárquicos (SORDI, 2006).Já no final da década de 1980, as organizações iniciaram um processo demudança em que a medida de performance organizacional, baseado nasatividades das unidades organizacionais, passa para uma medida alicerçada Introdução à gestão de processos de negócio
  2. 2. 18 nos objetivos dos processos de negócios. Os colaboradores passam agora a lidar com os processos da empresa e não mais apenas com tarefas pontuais (DUTRA JUNIOR, [entre 2001 e 2011]b). Porém, Baldam e outros (2007) afirmam que uma organização com uma gestão unicamente baseada em processos se trata de uma idealização e que a visão funcional continua coexistindo com a baseada em processos. Mas e os Processos de Negócio? O que são? Como eles são criados e executados dentro de uma organização? Como a Modelagem de Processos é utilizada para a identificação dos processos? As organizações operacionalizadas e geridas utilizando processos de negócio são intituladas de organizações “Orientadas a Processos”. As tradicionais que operam por meio de áreas funcionais hierárquicas são denominadas “Orientadas, baseadas, a Funções” (SORDI, 2006). Dávalos (2006) mostra que a visão organizacional tradicional é baseada em organogramas funcionais, conduzindo a uma forma de operacionalização e gestão baseadas em um modelo vertical de negócios. Dessa forma, a administração organizacional para Brache e Rummler (1994 apud DÁVALOS, 2006, p. 52) passa a ser sustentada por silos (estrutura fechada) que impede a resolução de assuntos nos escalões inferiores, sendo necessário que o gerente daquele nível discuta a solução do problema com o gerente do outro silo para posteriormente, comunicar a solução para a área onde o trabalho será executado. A visão baseada em processos de negócios prevê um fluxo de atividades que atinge diferentes áreas funcionais de uma organização e até mesmo diferentes organizações, gerando um determinado resultado para os seus clientes (SORDI, 2006). Dávalos (2006) complementa essa ideia ao dizer que esse modelo, dito horizontal, permite observar que uma atividade transpõe fronteiras funcionais, produzindo relacionamentos internos entre um fornecedor e um cliente interessados em produtos e serviços.Pós-graduação
  3. 3. 19 A Tabela 1 mostra o cruzamento entre a visão operacional e a visão estratégica de áreas funcionais de uma organização manufatureira e seus processos de negócio, além de seus elementos externos na figura de fornecedores e clientes.Tabela 1 – Participação das áreas funcionais nos processos de negócio. Pesquisa e Típico silo funcional Marketing Logística Produção Compras Finanças Desenvolvimento Processos de Negócios Gerenciamento do Gerenciamento Definir Definir Estratégia de Estratégia de Lucratividade relacionamento de contas requerimento requerimento produção insumos Cliente com os clientes Gerenciamento de Administração Serviço técnico Especificidades Coordenação Avaliação de Custo de serviços a clientes de conta de desempenho de execução prioridades servir Gerenciamento Planejamento Requerimento Previsão Planejamento Fontes Análise de da demanda da demanda do processo da capacidade negociação Acato de ordens Ofertas especiais Requerimento Planejamento Direcionamento Seleção de Custo da de clientes do ambiente a rede da planta fornecedores distribuição Gerenciamento do Especificidades do Estabilidade Critério de Planejamento Fornecimento Custo da fluxo produtivo empacotamento do processo priorização da produção integrado manufatura Gerenciamento do Registro dos Especificidades Fluxo das Planejamento Gerenciamento Custo dos relacionamento pedidos dos materiais movimentações integrado de fornecedores materiais com fornecedores Desenvolvimento Plano de negócios Projeto do Requerimento Especificidades Especificidades Custo de P&D e comercialização produto do movimento do processo dos materiais de produtos Gerenciamento Ciclo de vida Projeto do Logística Remanufatu­ Especificidades Custo e das devoluções do produto produto reversa ramento dos materiais lucratividadeFonte: Adaptado de Lambert et al. (2001 apud SORDI, 2006, p. 6). Como você percebeu, as organizações orientadas a processos não podem possuir a sua estrutura organizacional baseada apenas em um modelo hierárquico, já que nesse modelo a visão de execução de atividades segue uma orientação localizada em áreas funcionais com pouca interação entre si. Importante Os processos de negócio atravessam, por definição, várias áreas funcionais, sendo necessária a interação entre essas áreas para que um processo seja executado da melhor maneira possível e alcance seu resultado esperado. Introdução à gestão de processos de negócio
  4. 4. 20 Apesar de considerarmos a vantagem competitiva das organizações orientadas a processos, Dutra Junior ([entre 2001 e 2011]a) alerta que uma empresa orientada a processos não é fácil de ser criada, já que organizações tradicionais oferecem uma resistência natural a processos integrados. Essas empresas percebem uma mudança nesse nível como um equalizador de poder, uma vez que as estruturas organizacionais e gerenciais são modificadas para lidar com os seus processos de negócio. Processos de negócio e Modelagem de processos Toda organização, pequena, média, ou grande, executa uma série de atividades que são responsáveis por produzir algum produto ou algum serviço aos seus clientes. Partindo dessa premissa, você pode entender uma atividade como um termo genérico para o trabalho que uma companhia ou organização executa via processo de negócio. Uma atividade pode ser atômica (pouca abrangência) ou não-atômica (grande abrangência). Por exemplo: se uma empresa que deseja desenvolver um novo sistema de software para o seu negócio de vendas pela Internet, uma atividade não-atômica (geral) seria a de “Processo de Desenvolvimento de Software”, já uma atividade atômica (específica) pode ser definida como a “Descrição dos Requerimentos do Novo Sistema”. Você verá, a seguir, que a primeira atividade é chamada de processo, já a segunda, de tarefa. Assim, uma atividade pode ser tipificada como: processos, subprocessos ou tarefas (BALDAM et al., 2007, p. 19). Ainda nas palavras de Baldam e outros (2007, p. 19), um processo é um encadeamento de atividades executadas dentro de uma companhia ou organização, que transforma entradas em saídas. Esse conceito está em conformidade com o apresentado pelo Business Process Management Initiative (BPMI.org). que conceitua processo como uma atividade realizada dentro de uma companhia ou organização (BPMN, 2009, p. 32). Em outras palavras, um processo representa o que uma organização faz, o seu trabalho, em uma determinada ordem para realizar um propósito ou objetivo específico (WHITE; MIERS, 2008, p. 27). Um subprocesso é uma atividade contida dentro de um processo (BPMN, 2009, p. 21) ou, na definição de Baldam et al. (2007, p. 19), um subprocesso é um processo que está incluso em outro processo.Pós-graduação
  5. 5. 21E, finalmente, uma tarefa para Baldam et al. (2007, p. 20) é uma atividade atômica que é incluída em um processo. Ela é usada quando a atividade no processo não será mais refinada em subprocessos dentro de um modelo de processos, sendo geralmente executada por um usuário final, equipamento ou sistema.Destacando ainda o conceito de processos, no contexto de uma organização umprocesso pode ser tipificado em três grupos (SCHEER, 2006, apud BALDAM et al.,2007, p. 22): ••Processos de Governança: envolvem processos como gerenciamento de conformidades, gerenciamento de riscos, Business Inteligence, processos de BPM (negócio), desenvolvimento de estratégias, desenvolvimento de negócios e arquitetura empresarial. ••Processos de Gerenciamento (suporte e controle): abrangem as atividades diárias e mais comuns de gerenciamento da organização como gerenciamento financeiro, controladoria, gerenciamento de informação, o BPM propriamente dito, gerenciamento de qualidade, gerenciamento de recursos humanos, gerenciamento de ativos etc. ••Processos Operacionais: destinados a desenvolver a atividade fim da empresa: Customer Relationship Management (CRM), logística, desenvolvimento de produto, PCP (Planejamento e Controle de Produção), gestão empresarial etc. Você sabia? “Organização” (departamento de governo, serviço público, companhia comercial ou mercantil ou qualquer outra associação de pessoas unidas por um interesse comum) pode ser definida por sua estrutura, pela combinação de pessoas, máquinas e normas de atuação (DÁVALOS, 2006, p. 42). Ballestro-Alvarez (1997 apud DAVÁLOS, 2006, p. 42) complementa o conceito afirmando que ela é tida como um complexo entremeado de canais por meio dos quais produtos, serviços, recursos e fluxos de informação transitam de um ponto a outro dentro da organização e também entre esta e seu entorno. Já o conceito de “negócio” para (DÁVALOS, 2006, p. 47) é um empreendimento, que pressupõe investimento e risco, pelo qual a organização busca atender suas necessidades econômicas, além da realização empresarial e social. Um negócio é constituído por pessoas, processos e tecnologia de informação. Introdução à gestão de processos de negócio
  6. 6. 22 Agora que você estudou os conceitos envolvendo processos, que tal visualizar alguns exemplos da aplicação desses conceitos? Imagine uma organização com uma área de Recursos Humanos que precisa realizar o gerenciamento dos seus colaboradores. A Figura 1 mostra a relação entre processos, subprocessos e tarefas. <<Processo>> <<Processo>> <<Processo>> Afastamento do Recrutar empregado A valiação do empregado empregado <<subprocesso>> <<subprocesso>> Treinar empregado Desempenho do empregado Tarefas: 1) imprimir teste; 2) agendar treinamento; 3) selecionar empregado Figura 1 – Processos, subprocessos e tarefas para o negócio gerenciamento de RH Fonte: Adaptado de Baldam (2007, p. 70). Modelagem de Processos Já vimos o que é processo e todos os conceitos envolvidos em sua definição, mas o que significa “modelagem”? E “modelagem de processos”? O OMG (2008) define modelagem como: Desenho de aplicações de software antes da codificação. Modelagem é uma Parte Essencial de grandes projetos de software, e útil para médios e, até mesmo, pequenos projetos. Um modelo incorpora o papel análogo no desenvolvimento de software que ante- projetos e outras plantas (mapas de locais, elevações, modelos físicos) incorporam no projeto de um arranha-céu. Usando um modelo, aqueles responsáveis pelo sucesso de um projeto de desenvolvimento de software podem ter assegurados que a funcionalidade do negócio está completa e correta, as necessidades do usuário final são alcançadas, e desenho de programas suportam requerimentos escaláveis, robustos, seguros, extensíveis, e outras características, antes da implementação em código.Pós-graduação
  7. 7. 23Pessoas geralmente utilizam modelos como base de discussões, como suportea comunicações e compreensão de referência. Na área de negócios, usamosmodelos como base para um detalhamento de como todas as atividades sãoorganizadas umas com as outras nas companhias a que elas pertencem. Assim,modelos de processos são normalmente criados a partir das regras (operações) denegócios dentro de uma organização (WHITE; MIERS, 2008).Observando os fatos anteriormente apresentados sobre modelagem, permitimo-nos assumir que ela tem a capacidade de capturar em seus modelos objetivos,estratégias e regras de uma organização, assumindo que os maiores consumidoresdesses modelos serão pessoas que necessitam de comunicação entre si. Dessemodo, essa modelagem ajuda as pessoas de uma companhia a formar umconhecimento compartilhado interna e externamente (WHITE; MIERS, 2008).A Figura 2 apresenta os modelos de processo que normalmente são criadosobservando as operações de negócio de uma companhia.A modelagem (desenho) permite que os processos identificados sejamrepresentados de uma maneira gráfica propiciando um entendimento evisualização mais fáceis por parte de toda a organização. Redesenho de Captura de processos Análise de processos Suporte a processos processos Operações de negócioFigura 2 – Importância dos modelos de processo em todas as fases de mudança de uma organizaçãoFonte: Adaptado de White e Miers (2008, p. 21).Ferramentas Computer-Aided Software Engineering – Engenharia de SoftwareAuxiliada por Computador (CASE) permitem que os processos modelados sejammapeados para uma posterior codificação. Pode-se dividir a modelagem de processos de negócio em duas fases distintas: fase AS-IS e a fase TO-BE. A partir desse ponto, para simplificação, elas serão conhecidas, respectivamente, por AI e TB. Introdução à gestão de processos de negócio
  8. 8. 24 Garratt e outros (2007, p. 24) definem a fase AI como a “abordagem que permite a captura, documentação, e entendimento dos processos atuais” e define a fase TB como a “a fase na qual os processos podem ser modelados, permitindo melhorias nos processos baseadas nas informações e análise dos processos mapeados na fase AI”. A fase AI “engloba o levantamento de dados do processo atual por meio de técnicas de observação em campo, aplicação de questionário, leitura de documentos e relatórios, utilização de softwares e entrevistas” (SORDI, 2006, p. 165). Sordi (2006, p. 165) destaca os dados levantados na fase AI: ••fluxo de atividades; ••regras de negócio; ••indicadores de desempenho atual (throughput, lead time, custo, quantidade de erros etc.); ••estrutura organizacional envolvida; ••problemas e oportunidades reconhecidas; ••inputs ou insumos; ••produtos e serviços gerados e seus clientes; ••tecnologia empregada, principalmente sistemas de informação; ••informações manipuladas; ••recursos humanos envolvidos (quantitativo e qualitativo). Muitos dos dados acima destacados pelo autor foram apresentados no template para documentação de processos de negócio. O levantamento dos dados da etapa AI é vital para que as melhorias sugeridas sejam propostas baseadas no reconhecimento do estágio atual dos processos. A etapa AI auxilia também em uma forma de integração entre as unidades funcionais de uma organização tradicional, uma vez que poucos têm a visão ampla dos processos de negócio (SORDI, 2006). Sordi (2006, p. 166) destaca os principais resultados da fase AI: ••nivelar o conhecimento da equipe de projeto sobre os processos atuais. Desta forma os pontos positivos e negativos dos processos ficam evidentes permitindo sugestões de melhorias;Pós-graduação
  9. 9. 25 ••permitir que a própria organização conheça os seus processos atuais, além de propiciar uma integração entre as suas unidades funcionais; ••permitir que a organização tenha parâmetros para a avaliação de desempenho dos possíveis novos processos de negócio, já que consegue comparar o desempenho com os processos antigos.A fase AI permite uma investigação detalhada da situação atual dos processosde negócio, permitindo que a organização decida de maneira mais eficiente eeficaz que mudanças propor aos processos atuais; perceba a necessidade denovos processos e até mesmo sugera a exclusão de processos ineficazes. Dandocontinuidade à modelagem dos processos, após a fase AI, a organização precisaimplementar a fase TB.Sharp (2003, p. 85) divide a fase TB em duas etapas: caracterizar os processos TB,desenhar os processos TB.Para descrever a caracterização dos processos TB, deve-se, de acordo com Sharp(2003, p. 85): a. realizar uma avaliação final dos processos AI: -- considerando os elementos: fluxo das atividades dos processos, TI, motivação e métricas, recursos humanos, políticas e regras, facilidades ou outros; -- coletando ideias para os processos TB, uma vez que esse passo envolve o acesso às informações da fase AI para auxiliar na geração de ideias para os processos da fase TB. b. decidir uma direção: abandonar, manter, melhorar, redesenhar, ou terceirizar os processos AI; c. opcionalmente, avaliar cada etapa individual dos processos, por exemplo, é necessário?, foi concluída pelo executor correto?, e assim por diante; d. desenvolver ideias adicionais para as características dos novos processos, para incrementar aquelas identificadas durante a avaliação final dos processos AI; e. rejeitar algumas ideias por serem impraticáveis, ilegais, conflitar com a cultura ou direcionamentos da organização etc. f. avaliar ideias promissoras por meio de referências cruzadas. Exemplo: uma mudança em um processo pode requerer uma mudança na definição de um trabalho, que consequentemente requer mudanças para recrutamento e treinamento, e também mudanças nas métricas de compensação e desempenho do próprio processo; Introdução à gestão de processos de negócio
  10. 10. 26 g. baseando-se na avaliação, selecionar as características chave do processo TB e documentá-las; h. desenvolver e revisar o modelo de dados conceitual. Para descrever o desenho dos processos TB, Sharp (2003, p. 86) afirma: É realmente simples dar seguimento a esta etapa se todas as etapas prévias foram bem trabalhadas, já que os elementos fundamentais dos novos processos foram identificados paralelamente às avaliações e documentações das características chave dos processos TB, juntamente com os novos processos que foram identificados a partir da fase AI. Nessa fase, as seguintes etapas são realizadas, segundo Sharp (2003, p. 86): ••desenhar o fluxo de atividades dos processos TB; ••avançar pelos diferentes níveis de detalhes dos processos; ••avaliar e checar a viabilidade para cada nível de detalhe; •• revisar, ou avançar para o próximo nível de detalhe de um processo; Lusk (2008) esclarece que as razões para a documentação dos processos de negócio é a variedade, e os diferentes níveis de detalhes existentes. Algumas razões incluem: ••prova de conformidade financeira e operacional; ••prover um melhor entendimento do negócio; ••prover um melhor entendimento dos sistemas; ••garantir aplicação consistente dos processos; ••garantir aplicação consistente das regras de negócio; ••prover os meios para estabelecer avaliação de desempenho no monitoramento e na medição dos processos e seus resultados; ••verificação e validação das regras de negócio; ••oportunidades para melhoria do negócio; ••criação de especificações para sistemas novos ou aprimorados; ••treinamento nas regras e lógica dos processos; ••criação de apoios, suportes ao trabalho na organização.Pós-graduação
  11. 11. 27Lusk (2008) complementa que, considerando o nível de detalhe e o tipo dedocumentação de processos requeridos, as perguntas, a seguir mencionadas,devem ser respondidas: ••ela será usada principalmente para entender o estado atual do negócio? ••ela será usada como entrada para especificações funcionais ou técnicas? ••ela será usada para ou como entrada para manuais de treinamento? ••ela será usada para ou como entrada para manuais dos stakeholders? ••a documentação do processo é uma entrega temporária ou final do projeto? ••se não for uma entrega, ele suporta uma entrega? ••a empresa possui padrões? ••a documentação vai ser atualizada regularmente? ••recursos estarão disponíveis para manter a documentação dos processos atuais? ••a documentação será formalmente finalizada pelo usuário do negócio (stakeholder)? ••qual o público interessado na documentação? ••qual o nível de detalhes requeridos para alcançar os objetivos? ••o custo de análise suportaria o nível de detalhes?Logo, os diferentes níveis de detalhes, citados nas etapas do desenhodos processos TB, estão diretamente ligados às razões existentes para adocumentação desses processos, observando-se quais perguntas devem serrespondidas em consequência dos níveis de detalhes abordados.ReferênciasBALDAM, Roquemar; et. al. Gerenciamento de processos de negócios–BPM. SãoPaulo: Érica, 2007.BPMN. Business Process Modeling Notation: BPMN Specification Releases Version1.2. 2009. Disponível em: <http://www.omg.org/spec/BPMN/1.2/PDF>. Acesso em:6 jul. 2011.DÁVALOS, Ricardo Villarroel. Modelagem de processos. 2. ed. Palhoça:Unisulvirtual, 2006. 175 p. Introdução à gestão de processos de negócio
  12. 12. 28 DUTRA JUNIOR, Antonio. Foco nos processos. [entre 2001 e 2011]b. Disponível em: <http://www.portalbpm.com.br/servlet/leartigo?qual=/WEB-INF/artigos/digital/ artigos_arquivados_file7.pdf>. Acessado em 16 mai. 2011. GARRATT, Andy; et. al. Human-Centric Business Process Management with WebSphere Process Server V6. 2007. Disponível em: <http://www.redbooks.ibm. com/redbooks/pdfs/sg247477.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2011. LUSK, Sandra. Deciding on the Right Level of Business Process Documentation. 2008. Disponível em: <http://www.bpminstitute.org/articles/article/article/ deciding-on-the-right-level-of-business-process-documentation.html>. Acesso em: 20 jun. 2011. SORDI, José Osvaldo de. Gestão por processos: uma abordagem da moderna administração. São Paulo: Saraiva, 2006. SHARP, A. McDermott, P. Workflow Modeling: Tools for Process Improvement and Application Development. USA: Artech House, 2003. WHITE, Stephen A; MIERS, Derek. BPMN Modeling Reference Guide. Lighthouse Point: Future Strategies, 2008.Pós-graduação

×