SlideShare uma empresa Scribd logo

Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira

1 de 8
Baixar para ler offline
METODOLOGIAS DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA




                                                   Prof. Lúcia Gonçalves de Freitas1[1]




Introdução


       Devido à escassez de material sobre este assunto em português, decidi
disponibilizar aqui uma síntese do referencial teórico de Larsen-Freeman (1986) na
área. Para a autora método significa uma combinação de “princípios e técnicas”. Os
princípios representariam a estrutura teórica do método e envolveriam cinco aspectos
do ensino de língua estrangeira tomados em conjunto: o professor, o aluno, o
processo de ensino, o processo de aprendizagem e a cultura da língua alvo. As
técnicas seriam atividades feitas em sala de aula, derivadas da aplicação de certos
princípios. Quando dois métodos compartilham princípios em comum, uma técnica
particular poderá se repetir em ambos. Por outro lado, algumas técnicas podem estar
associadas a métodos de princípios não conjugados, neste caso, provavelmente
haverá variação na forma como serão usadas por cada um.
       A seguir relaciono os princípios e técnicos mais usados de oito métodos de
ensino de Línguas Estrangeiras, doravante LE, tratados por Larsen-Freeman (1986).


                     1.         Método da Tradução e Gramática


       Neste método, a capacidade de se comunicar oralmente na língua alvo não é
um objetivo de ensino, mas sim a leitura, que é justamente a habilidade a ser
desenvolvida além da escrita. A língua estrangeira não é usada em sala senão como
material de tradução, que é uma meta importante para o aluno, sendo inclusive,
questão principal na avaliação. Deve-se estar ciente das regras gramaticais da língua
alvo, memorizar vocabulário, conjugações verbais e outros itens gramaticais. A maior
parte da interação na sala de aula é do professor com os alunos. Há pouca iniciativa
partida do aluno e raramente ocorre interação aluno – aluno.


       As principais técnicas, de acordo com Larsen-Freeman (1986) são:


•    Tradução de passagem literária da língua alvo para a materna;
1
•    Teste de compreensão de leitura;
•    Procura de sinônimos e antônimos;
•    Identificação de cognatos;
•    Aplicação dedutiva de regras;
•    Exercícios de preencher espaços com palavras que faltam no texto;
•    Memorização de palavras;
•    Formação de frases com palavras recém aprendidas;
•    Composição escrita através de um tópico dado pelo professor.


                                  2.       Método Direto


       O método direto tem esse nome devido à forma de abordar a língua alvo
diretamente sem tradução para a língua nativa. As aulas são totalmente ministradas
na língua alvo desde o início, através de situações baseadas na vida real. O conteúdo
é introduzido pelo professor através de objetos também reais ou de figuras, fotos,
gestos, para que o aluno associe o significado da língua estrangeira diretamente, sem
tradução para a língua nativa. A iniciativa da conversação parte tanto do professor
quanto dos alunos, que também conversam entre si. A gramática nunca é apresentada
explicitamente, mas deve ser intuída pelos alunos.


       Suas principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são:


•    Leitura em voz alta de passagens, peças ou diálogos;
•    Exercício de pergunta e resposta conduzido na língua alvo;
•    Prática de conversação sobre situações reais;
•    Ditado de textos na língua alvo;
•    Exercícios de completar espaços para avaliar intuição de regras ou vocabulário;
•    Desenho induzido por ditado do professor ou dos colegas;
•    Composição escrita de assuntos escolhidos em sala.




                           3.           Método Audio-Lingual


       Muitas são as semelhanças entre o método Audio-Lingual e o Método Direto.
Embora sejam também muitas as diferenças. Ele surgiu a partir das idéias geradas
pela lingüística descritiva e pela psicologia behaviorista. Sua meta é tornar os alunos
capazes de usar a língua alvo comunicativamente. Para isso, eles devem aprendê-la
automaticamente sem parar para pensar, formando novos hábitos na língua alvo e
superando os antigos hábitos de sua língua nativa. O conteúdo é sempre bastante
estrutural, sendo apresentado em diálogos iniciais. Esses diálogos são aprendidos
com memorização, imitação e repetição. A partir deles, são conduzidos exercícios
para fixação dos conteúdos e vocabulário. Tais exercícios incluem geralmente muita
repetição e jogos de pergunta-resposta. As repostas certas dos alunos são reforçadas
positivamente com prêmios ou elogios. A gramática é introduzida pelos elementos
dados no diálogo, mas não é comum explicações explícitas de regras. Há uma
constante interação aluno-aluno, especialmente nos jogos de repetição ou “drills”,
quando estes se revezam nos diferentes papéis do diálogo. Mas, esta interação é
dirigida pelo professor, que é responsável por proporcionar aos alunos um modelo de
fala, além de dirigir e controlar seu aprendizado lingüístico de forma facilitadora. A
competência oral recebe maior atenção. A pronúncia é ensinada desde o começo,
geralmente com os alunos trabalhando em laboratórios de línguas e em atividade em
pares.


         Suas principais técnicas são, segundo Larsen-Freeman (1986):


•    Memorização de diálogos;
•    Conversação em pares;
•    Dramatização de diálogos memorizados;
•    Memorização de frases longas parte por parte;
•    Jogos de repetição (para memorizar estruturas ou vocabulário);
•    Jogos de pergunta-resposta (para praticar estruturas);
•    Jogos de completar diálogos;
•    Jogo de construção de frases a partir de pistas (palavras) dadas;
•    Jogo de transformação de frases negativas em afirmativas, etc.;
•    Jogos para diferenciar palavras parecidas (sheep / ship).




                     4.         “Silent Way” (ou método silencioso)


         A aquisição lingüística é vista aqui como um processo no qual as pessoas,
através do raciocínio, descobrem e formulam regras sobre a língua aprendida. Esta
aprendizagem visa à expressão do pensamento, percepção e sentimento dos alunos.
Para isso eles precisam desenvolver autoconfiança e independência. É o aluno quem
constrói seu aprendizado, sendo que o professor pode incitar sua percepção, provocar
seu raciocínio. O “silêncio” é uma ferramenta para esse fim. O professor dá uma
situação, propõe uma estrutura, por exemplo, “Take a red...”, (olhando para uma ficha
vermelha) e depois se silencia (os alunos devem perceber que ele pediu a cor
vermelha). A todo momento os alunos são incitados a pensarem e o silêncio do
professor os obriga a se ajudarem mutuamente. Fichas com cores, ou sinais que
representem sons ou palavras são constantemente usados. Os alunos começam seu
aprendizado pelos sons da língua, vendo o professor manipular essas fichas. Cada cor
representa um som. Pouco a pouco, os alunos vão formando palavras com a
associação dessas fichas. O professor cria situações que focalizam a atenção dos
alunos para a estrutura da língua. Com o mínimo de pistas faladas, os alunos são
conduzidos a produzir a estrutura. As quatro habilidades2[2] se reforçam mutuamente.


       As principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são:


•    O silêncio do professor;
•    Correção em pares;
•    Uso de fichas coloridas associadas a sons ou palavras;
•    Autocorreção;
•    Uso de gestos;
•    Quadro de palavras;
•    Avaliação da lição no final da aula pelos alunos.




                   5.           “Suggestopedia” (Sugestopedagogia)


       O método parte do princípio de que a aprendizagem lingüística é normalmente
“atrasada” em decorrência de “barreiras” que o próprio aprendiz se impõe, por medo
ou auto-sugestão. A conciliação do estudo da “sugestão” e da pedagogia, que dá
nome ao método, procura ajudar os alunos a superarem essas barreiras. Por isso, há
aqui muita ênfase no sentimento dos alunos e na necessidade de ativação de suas
potencialidades cerebrais. Para isso o ambiente de estudo deve ser relaxante e
confortável, e o aluno precisa confiar no professor para que ele possa ativar sua
imaginação e ajudá-lo na aprendizagem. Pôsteres com informações gramaticais são

2
dispostos pela sala e trocados periodicamente para incitar a aprendizagem periférica
do aluno, ou seja, sua capacidade de aprender através de estímulos externos, pelas
coisas que o cercam no ambiente escolar e que não são às vezes objetivamente
explicitadas numa lição.
        A apresentação do conteúdo é feita em duas etapas. Na primeira, chamada de
fase receptiva, o professor lê um diálogo ao ritmo de uma música de fundo. Este
procedimento não só ajudaria a manter o ambiente relaxante como também ativaria os
dois lados do cérebro dos estudantes. Estes acompanham a leitura do professor e
checam a tradução. Posteriormente, o professor repete a leitura enquanto os alunos
apenas ouvem e relaxam. Em casa, eles relêem o mesmo texto antes de dormir e
quando acordam a fim de fixarem o conteúdo. A segunda fase, a fase ativa, visaria à
prática das novas estruturas. Nesse momento, os alunos organizam atividades de
dramatização, jogos, música e exercícios de pergunta-resposta.


       As principais técnicas segundo Larsen-Freeman (1986) são:


•    Adequação da sala a tipo certo de luz, cadeira, decoração, etc.;
•    Uso de pôsteres nas paredes com informações gramaticais;
•    Visualização com olhos fechados de cenas imaginárias;
•    Criação de nova identidade descrita pelos alunos;
•    Dramatização de situação improvisada;
•    Leitura ao ritmo de músicas;
•    Escuta de leitura com olhos fechados;
•     Leitura dramatizada de pequenos textos (os alunos lêem rindo, chorando,
    cantando, etc.).




          6.      “Community Learning” (Comunidade de aprendizagem)


       Uma das principais crenças desse método é a de que os alunos devem ser
vistos como “pessoas por inteiro” (Larsen-Freeman, 1986 p.89), onde não só os
sentimentos e intelecto de cada um contam, mas principalmente o modo como
relacionam suas reações físicas, instintivas e sua vontade de aprender entre si. O
professor precisa estar sempre alerta para a necessidade de apoio que seus alunos
têm com relação a seus medos e inseguranças na aprendizagem. Para isso, é
fundamental construir um bom relacionamento comunitário na classe; aí o próprio
professor deverá ocupar uma posição menos autoritária e ameaçadora, sentando-se
na mesma posição dos alunos. Estes necessitam estar sempre bem informados
quanto ao que deve acontecer em cada atividade, e suas limitações individuais devem
ser levadas em conta na hora da cobrança. Deste modo, sentem-se mais seguros. É
importante que os alunos sintam-se de certa forma com o controle da interação para
tornarem-se mais responsáveis pelo seu próprio aprendizado. A cooperação, e não a
competição, deve ser incentivada. A aprendizagem lingüística visa à comunicação e
expressão de idéias. A língua nativa pode ser usada como apoio pelos alunos, que
muitas vezes constroem frases a partir de blocos de palavras traduzidas pelo
professor. É costume os alunos gravarem estas frases em pedaços e depois
transcrevê-las por inteiro em textos. Novas frases podem ser criadas a partir dessas
iniciais e pontos gramaticais, de pronúncia ou de vocabulário podem ser daí extraídos.
Os alunos são constantemente convidados a dizer como se sentem e o professor deve
ser capaz de compreender suas reações e conduzi-los a uma aprendizagem sempre
melhor.


       As principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são:


•    Gravação da conversa dos alunos;
•    Transcrição das gravações;
•    Uso de gravações para corrigir ou reforçar pronúncia;
•    Formulação de novas frases a partir de outras já gravadas;
•    Tarefas em pares ou em pequenos grupos;
•    Reflexão aberta sobre as atividades em sala.




             6.         “Total Physical Response” (Total resposta física)


       Este método está ligado a uma abordagem de ensino de línguas chamada de
“abordagem de compreensão“. Ela é assim denominada, pois, ao contrário de outros
métodos que enfocam as habilidades de fala primeiramente, ela enfatiza a
compreensão auditiva. Essa postura vem da observação de que as crianças passam
um certo tempo expostas à língua materna através da audição e somente após um
certo período é que começam, então, a esboçar as primeiras formas de conversação
oral. Em muitos pontos, esta abordagem se assemelha ao método direto, no entanto, a

Recomendados

Métodos e técnicas_de_ensino_de_le (1)
Métodos e técnicas_de_ensino_de_le (1)Métodos e técnicas_de_ensino_de_le (1)
Métodos e técnicas_de_ensino_de_le (1)ADRIANA BECKER
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Monize Muniz
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentaçãoParte 2   linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentaçãoMariana Correia
 
Introdução linguísitca aplicada
Introdução linguísitca aplicadaIntrodução linguísitca aplicada
Introdução linguísitca aplicadamarumbi
 
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasMetodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasEduardo Borges
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguísticaIsis Barros
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioProf Palmito Rocha
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologia Fonética e fonologia
Fonética e fonologia Ana Vogeley
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicadaADRIANA BECKER
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDenise Oliveira
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguisticacaurysilva
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasAtitude Digital
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Flávio Ferreira
 
Aula variações linguísticas
Aula variações linguísticasAula variações linguísticas
Aula variações linguísticasCurso Letrados
 
Regras de acentuação
Regras de acentuaçãoRegras de acentuação
Regras de acentuaçãoluci96
 
2 acentuação gráfica
2  acentuação gráfica2  acentuação gráfica
2 acentuação gráficaSadrak Silva
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slidesfacope
 
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismo
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismoEstudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismo
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismoIvana Botelho
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas7 de Setembro
 
Figuras de construção ou sintaxe
Figuras de construção ou sintaxeFiguras de construção ou sintaxe
Figuras de construção ou sintaxeThaise Amorim
 

Mais procurados (20)

Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguística
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologia Fonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
 
Aula variações linguísticas
Aula variações linguísticasAula variações linguísticas
Aula variações linguísticas
 
Regras de acentuação
Regras de acentuaçãoRegras de acentuação
Regras de acentuação
 
2 acentuação gráfica
2  acentuação gráfica2  acentuação gráfica
2 acentuação gráfica
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
 
O que é gramática
O que é gramáticaO que é gramática
O que é gramática
 
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismo
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismoEstudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismo
Estudo para a segunda prova de linguistica 09 11-14 estruturalismo e gerativismo
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Figuras de construção ou sintaxe
Figuras de construção ou sintaxeFiguras de construção ou sintaxe
Figuras de construção ou sintaxe
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 

Destaque (20)

Método tpr ppt
Método tpr pptMétodo tpr ppt
Método tpr ppt
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
 
Ensino deci .2
Ensino deci .2Ensino deci .2
Ensino deci .2
 
Compreensão de textos
Compreensão de textosCompreensão de textos
Compreensão de textos
 
Suggestopedia
SuggestopediaSuggestopedia
Suggestopedia
 
Ensinando ingles 03112011
Ensinando ingles 03112011Ensinando ingles 03112011
Ensinando ingles 03112011
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
 
Método: Sugestopedia.
Método: Sugestopedia.Método: Sugestopedia.
Método: Sugestopedia.
 
05 metodologiado ensinodoingles
05 metodologiado ensinodoingles05 metodologiado ensinodoingles
05 metodologiado ensinodoingles
 
Método audio lingual presentacion1
Método audio lingual presentacion1Método audio lingual presentacion1
Método audio lingual presentacion1
 
Suggestopedia
SuggestopediaSuggestopedia
Suggestopedia
 
Método audiolinguistico
Método audiolinguisticoMétodo audiolinguistico
Método audiolinguistico
 
Inteligência Emocional
Inteligência EmocionalInteligência Emocional
Inteligência Emocional
 
Inteligência emocional mar 2011 resumida
Inteligência emocional mar 2011 resumidaInteligência emocional mar 2011 resumida
Inteligência emocional mar 2011 resumida
 
Inteligência emocional corrigida
Inteligência emocional corrigidaInteligência emocional corrigida
Inteligência emocional corrigida
 
Método audiolingual
Método audiolingualMétodo audiolingual
Método audiolingual
 
Suggestopedia
SuggestopediaSuggestopedia
Suggestopedia
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Projeto de ingles
Projeto de inglesProjeto de ingles
Projeto de ingles
 

Semelhante a Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira

Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoRoxana Alhadas
 
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.doc
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.docLETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.doc
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.docShirleiCristina2
 
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoMétodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoSandra Roldão
 
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfalfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfDENISERAMOSSILVADEPA1
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1sandravieira1969
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1sandravieira1969
 
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdf
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdfAlfabetizacao-na-Surdez-1.pdf
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdfSemônica Silva
 
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfNa Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfAdelaideGonalves2
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxSarahTaynara
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...EFIGÊNIA NERES
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...EFIGÊNIA NERES
 
Língua portuguesa do discurso a prática
Língua portuguesa do discurso a práticaLíngua portuguesa do discurso a prática
Língua portuguesa do discurso a práticaFrancieli Corbellini
 
Modificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoModificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoCíntia Macedo
 
Alfabetização
AlfabetizaçãoAlfabetização
Alfabetizaçãoprofrosane
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondPara aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 

Semelhante a Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira (20)

Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetização
 
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.doc
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.docLETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.doc
LETRAMENTO E MULTILETRAMENTO.doc
 
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoMétodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
 
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfalfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
 
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdf
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdfAlfabetizacao-na-Surdez-1.pdf
Alfabetizacao-na-Surdez-1.pdf
 
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfNa Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
 
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
 
aula 5.doc
aula 5.docaula 5.doc
aula 5.doc
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
Cd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogoCd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogo
 
Língua portuguesa do discurso a prática
Língua portuguesa do discurso a práticaLíngua portuguesa do discurso a prática
Língua portuguesa do discurso a prática
 
Modificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoModificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensino
 
Alfabetização
AlfabetizaçãoAlfabetização
Alfabetização
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
 
Trabalho de inglês
Trabalho de inglêsTrabalho de inglês
Trabalho de inglês
 
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondPara aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
 

Mais de ADRIANA BECKER

There is no_best_method
There is no_best_methodThere is no_best_method
There is no_best_methodADRIANA BECKER
 
Teaching children english
Teaching children englishTeaching children english
Teaching children englishADRIANA BECKER
 
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010ADRIANA BECKER
 
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeiraMetodologias de ensino_de_língua_estrangeira
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeiraADRIANA BECKER
 
Linguística aplicada i-_2010
Linguística aplicada i-_2010Linguística aplicada i-_2010
Linguística aplicada i-_2010ADRIANA BECKER
 
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010ADRIANA BECKER
 
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009ADRIANA BECKER
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicadaADRIANA BECKER
 
Language teaching methodology
Language teaching methodologyLanguage teaching methodology
Language teaching methodologyADRIANA BECKER
 

Mais de ADRIANA BECKER (20)

There is no_best_method
There is no_best_methodThere is no_best_method
There is no_best_method
 
The sick rose (1)
The sick rose (1)The sick rose (1)
The sick rose (1)
 
Teaching children english
Teaching children englishTeaching children english
Teaching children english
 
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010
Planejamento de curso_-_la_li_i_-_fac_3_2010
 
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeiraMetodologias de ensino_de_língua_estrangeira
Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira
 
Linguística aplicada i-_2010
Linguística aplicada i-_2010Linguística aplicada i-_2010
Linguística aplicada i-_2010
 
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_segunda_aula_-_março_2010
 
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009
Linguística aplicada em_língua_inglesa_i_-_primeira_aula_-_fevereiro_2009
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
Language teaching methodology
Language teaching methodologyLanguage teaching methodology
Language teaching methodology
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Inter4 pg 94_105
Inter4 pg 94_105Inter4 pg 94_105
Inter4 pg 94_105
 
Artigo edu metodos
Artigo edu metodosArtigo edu metodos
Artigo edu metodos
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
 
Reflexoesling
ReflexoeslingReflexoesling
Reflexoesling
 
Pensamento linguagem
Pensamento linguagemPensamento linguagem
Pensamento linguagem
 
Norma culta dani
Norma culta daniNorma culta dani
Norma culta dani
 
Morfemas cap.3
Morfemas cap.3Morfemas cap.3
Morfemas cap.3
 
Morfema estudo
Morfema estudoMorfema estudo
Morfema estudo
 
Linguística ii
Linguística iiLinguística ii
Linguística ii
 

Metodologias de ensino_de_língua_estrangeira

  • 1. METODOLOGIAS DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Prof. Lúcia Gonçalves de Freitas1[1] Introdução Devido à escassez de material sobre este assunto em português, decidi disponibilizar aqui uma síntese do referencial teórico de Larsen-Freeman (1986) na área. Para a autora método significa uma combinação de “princípios e técnicas”. Os princípios representariam a estrutura teórica do método e envolveriam cinco aspectos do ensino de língua estrangeira tomados em conjunto: o professor, o aluno, o processo de ensino, o processo de aprendizagem e a cultura da língua alvo. As técnicas seriam atividades feitas em sala de aula, derivadas da aplicação de certos princípios. Quando dois métodos compartilham princípios em comum, uma técnica particular poderá se repetir em ambos. Por outro lado, algumas técnicas podem estar associadas a métodos de princípios não conjugados, neste caso, provavelmente haverá variação na forma como serão usadas por cada um. A seguir relaciono os princípios e técnicos mais usados de oito métodos de ensino de Línguas Estrangeiras, doravante LE, tratados por Larsen-Freeman (1986). 1. Método da Tradução e Gramática Neste método, a capacidade de se comunicar oralmente na língua alvo não é um objetivo de ensino, mas sim a leitura, que é justamente a habilidade a ser desenvolvida além da escrita. A língua estrangeira não é usada em sala senão como material de tradução, que é uma meta importante para o aluno, sendo inclusive, questão principal na avaliação. Deve-se estar ciente das regras gramaticais da língua alvo, memorizar vocabulário, conjugações verbais e outros itens gramaticais. A maior parte da interação na sala de aula é do professor com os alunos. Há pouca iniciativa partida do aluno e raramente ocorre interação aluno – aluno. As principais técnicas, de acordo com Larsen-Freeman (1986) são: • Tradução de passagem literária da língua alvo para a materna; 1
  • 2. Teste de compreensão de leitura; • Procura de sinônimos e antônimos; • Identificação de cognatos; • Aplicação dedutiva de regras; • Exercícios de preencher espaços com palavras que faltam no texto; • Memorização de palavras; • Formação de frases com palavras recém aprendidas; • Composição escrita através de um tópico dado pelo professor. 2. Método Direto O método direto tem esse nome devido à forma de abordar a língua alvo diretamente sem tradução para a língua nativa. As aulas são totalmente ministradas na língua alvo desde o início, através de situações baseadas na vida real. O conteúdo é introduzido pelo professor através de objetos também reais ou de figuras, fotos, gestos, para que o aluno associe o significado da língua estrangeira diretamente, sem tradução para a língua nativa. A iniciativa da conversação parte tanto do professor quanto dos alunos, que também conversam entre si. A gramática nunca é apresentada explicitamente, mas deve ser intuída pelos alunos. Suas principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são: • Leitura em voz alta de passagens, peças ou diálogos; • Exercício de pergunta e resposta conduzido na língua alvo; • Prática de conversação sobre situações reais; • Ditado de textos na língua alvo; • Exercícios de completar espaços para avaliar intuição de regras ou vocabulário; • Desenho induzido por ditado do professor ou dos colegas; • Composição escrita de assuntos escolhidos em sala. 3. Método Audio-Lingual Muitas são as semelhanças entre o método Audio-Lingual e o Método Direto. Embora sejam também muitas as diferenças. Ele surgiu a partir das idéias geradas pela lingüística descritiva e pela psicologia behaviorista. Sua meta é tornar os alunos
  • 3. capazes de usar a língua alvo comunicativamente. Para isso, eles devem aprendê-la automaticamente sem parar para pensar, formando novos hábitos na língua alvo e superando os antigos hábitos de sua língua nativa. O conteúdo é sempre bastante estrutural, sendo apresentado em diálogos iniciais. Esses diálogos são aprendidos com memorização, imitação e repetição. A partir deles, são conduzidos exercícios para fixação dos conteúdos e vocabulário. Tais exercícios incluem geralmente muita repetição e jogos de pergunta-resposta. As repostas certas dos alunos são reforçadas positivamente com prêmios ou elogios. A gramática é introduzida pelos elementos dados no diálogo, mas não é comum explicações explícitas de regras. Há uma constante interação aluno-aluno, especialmente nos jogos de repetição ou “drills”, quando estes se revezam nos diferentes papéis do diálogo. Mas, esta interação é dirigida pelo professor, que é responsável por proporcionar aos alunos um modelo de fala, além de dirigir e controlar seu aprendizado lingüístico de forma facilitadora. A competência oral recebe maior atenção. A pronúncia é ensinada desde o começo, geralmente com os alunos trabalhando em laboratórios de línguas e em atividade em pares. Suas principais técnicas são, segundo Larsen-Freeman (1986): • Memorização de diálogos; • Conversação em pares; • Dramatização de diálogos memorizados; • Memorização de frases longas parte por parte; • Jogos de repetição (para memorizar estruturas ou vocabulário); • Jogos de pergunta-resposta (para praticar estruturas); • Jogos de completar diálogos; • Jogo de construção de frases a partir de pistas (palavras) dadas; • Jogo de transformação de frases negativas em afirmativas, etc.; • Jogos para diferenciar palavras parecidas (sheep / ship). 4. “Silent Way” (ou método silencioso) A aquisição lingüística é vista aqui como um processo no qual as pessoas, através do raciocínio, descobrem e formulam regras sobre a língua aprendida. Esta aprendizagem visa à expressão do pensamento, percepção e sentimento dos alunos.
  • 4. Para isso eles precisam desenvolver autoconfiança e independência. É o aluno quem constrói seu aprendizado, sendo que o professor pode incitar sua percepção, provocar seu raciocínio. O “silêncio” é uma ferramenta para esse fim. O professor dá uma situação, propõe uma estrutura, por exemplo, “Take a red...”, (olhando para uma ficha vermelha) e depois se silencia (os alunos devem perceber que ele pediu a cor vermelha). A todo momento os alunos são incitados a pensarem e o silêncio do professor os obriga a se ajudarem mutuamente. Fichas com cores, ou sinais que representem sons ou palavras são constantemente usados. Os alunos começam seu aprendizado pelos sons da língua, vendo o professor manipular essas fichas. Cada cor representa um som. Pouco a pouco, os alunos vão formando palavras com a associação dessas fichas. O professor cria situações que focalizam a atenção dos alunos para a estrutura da língua. Com o mínimo de pistas faladas, os alunos são conduzidos a produzir a estrutura. As quatro habilidades2[2] se reforçam mutuamente. As principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são: • O silêncio do professor; • Correção em pares; • Uso de fichas coloridas associadas a sons ou palavras; • Autocorreção; • Uso de gestos; • Quadro de palavras; • Avaliação da lição no final da aula pelos alunos. 5. “Suggestopedia” (Sugestopedagogia) O método parte do princípio de que a aprendizagem lingüística é normalmente “atrasada” em decorrência de “barreiras” que o próprio aprendiz se impõe, por medo ou auto-sugestão. A conciliação do estudo da “sugestão” e da pedagogia, que dá nome ao método, procura ajudar os alunos a superarem essas barreiras. Por isso, há aqui muita ênfase no sentimento dos alunos e na necessidade de ativação de suas potencialidades cerebrais. Para isso o ambiente de estudo deve ser relaxante e confortável, e o aluno precisa confiar no professor para que ele possa ativar sua imaginação e ajudá-lo na aprendizagem. Pôsteres com informações gramaticais são 2
  • 5. dispostos pela sala e trocados periodicamente para incitar a aprendizagem periférica do aluno, ou seja, sua capacidade de aprender através de estímulos externos, pelas coisas que o cercam no ambiente escolar e que não são às vezes objetivamente explicitadas numa lição. A apresentação do conteúdo é feita em duas etapas. Na primeira, chamada de fase receptiva, o professor lê um diálogo ao ritmo de uma música de fundo. Este procedimento não só ajudaria a manter o ambiente relaxante como também ativaria os dois lados do cérebro dos estudantes. Estes acompanham a leitura do professor e checam a tradução. Posteriormente, o professor repete a leitura enquanto os alunos apenas ouvem e relaxam. Em casa, eles relêem o mesmo texto antes de dormir e quando acordam a fim de fixarem o conteúdo. A segunda fase, a fase ativa, visaria à prática das novas estruturas. Nesse momento, os alunos organizam atividades de dramatização, jogos, música e exercícios de pergunta-resposta. As principais técnicas segundo Larsen-Freeman (1986) são: • Adequação da sala a tipo certo de luz, cadeira, decoração, etc.; • Uso de pôsteres nas paredes com informações gramaticais; • Visualização com olhos fechados de cenas imaginárias; • Criação de nova identidade descrita pelos alunos; • Dramatização de situação improvisada; • Leitura ao ritmo de músicas; • Escuta de leitura com olhos fechados; • Leitura dramatizada de pequenos textos (os alunos lêem rindo, chorando, cantando, etc.). 6. “Community Learning” (Comunidade de aprendizagem) Uma das principais crenças desse método é a de que os alunos devem ser vistos como “pessoas por inteiro” (Larsen-Freeman, 1986 p.89), onde não só os sentimentos e intelecto de cada um contam, mas principalmente o modo como relacionam suas reações físicas, instintivas e sua vontade de aprender entre si. O professor precisa estar sempre alerta para a necessidade de apoio que seus alunos têm com relação a seus medos e inseguranças na aprendizagem. Para isso, é fundamental construir um bom relacionamento comunitário na classe; aí o próprio
  • 6. professor deverá ocupar uma posição menos autoritária e ameaçadora, sentando-se na mesma posição dos alunos. Estes necessitam estar sempre bem informados quanto ao que deve acontecer em cada atividade, e suas limitações individuais devem ser levadas em conta na hora da cobrança. Deste modo, sentem-se mais seguros. É importante que os alunos sintam-se de certa forma com o controle da interação para tornarem-se mais responsáveis pelo seu próprio aprendizado. A cooperação, e não a competição, deve ser incentivada. A aprendizagem lingüística visa à comunicação e expressão de idéias. A língua nativa pode ser usada como apoio pelos alunos, que muitas vezes constroem frases a partir de blocos de palavras traduzidas pelo professor. É costume os alunos gravarem estas frases em pedaços e depois transcrevê-las por inteiro em textos. Novas frases podem ser criadas a partir dessas iniciais e pontos gramaticais, de pronúncia ou de vocabulário podem ser daí extraídos. Os alunos são constantemente convidados a dizer como se sentem e o professor deve ser capaz de compreender suas reações e conduzi-los a uma aprendizagem sempre melhor. As principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são: • Gravação da conversa dos alunos; • Transcrição das gravações; • Uso de gravações para corrigir ou reforçar pronúncia; • Formulação de novas frases a partir de outras já gravadas; • Tarefas em pares ou em pequenos grupos; • Reflexão aberta sobre as atividades em sala. 6. “Total Physical Response” (Total resposta física) Este método está ligado a uma abordagem de ensino de línguas chamada de “abordagem de compreensão“. Ela é assim denominada, pois, ao contrário de outros métodos que enfocam as habilidades de fala primeiramente, ela enfatiza a compreensão auditiva. Essa postura vem da observação de que as crianças passam um certo tempo expostas à língua materna através da audição e somente após um certo período é que começam, então, a esboçar as primeiras formas de conversação oral. Em muitos pontos, esta abordagem se assemelha ao método direto, no entanto, a
  • 7. diferença básica é que aqui a língua materna pode ser usada no início para facilitar a aprendizagem dos alunos. Um dos enfoques desta abordagem é a aprendizagem prazerosa da língua. Espera-se que o estudante realmente goze do prazer de aprender. Para isso usa-se muitas atividades divertidas e engraçadas e, o movimento corporal é um grande recurso para ajudar na compreensão. Muitas estruturas são aprendidas e praticadas 3[3] através de comandos. O professor dá um comando, por exemplo, “hands up” , e mostra o gesto para que os alunos assimilem a ordem e o movimento certo. Quando os alunos já repetiram uma série de comandos, eles então passam a demonstrá-los ao resto da turma. Após terem domínio de uma série deles, os alunos aprendem a lê-los e escrevê-los e, somente após uma certa exposição às novas estruturas, começa-se a falar e ditar outros comandos. As principais técnicas, segundo Larsen-Freeman (1986) são: • Uso de comandos pelo professor para ditar um comportamento aos alunos; • Uso de comandos pelos alunos para o professor executar; • Ação seqüencial (o professor dita uma série de ações de uma só vez e o aluno a executa, por exemplo, “take out a pen, take out a piece of paper, write an imaginary letter, fold the letter, put it in an envelop, write the address on the envelop, put a stamp on it and mail it” 4[4]. 8. Abordagem Comunicativa A meta desta abordagem é tornar os alunos comunicativamente competentes. Assim, a aprendizagem lingüística é vista como um processo de comunicação no qual o simples conhecimento das formas da língua alvo, seu significado e funções, são insuficientes. É preciso ser capaz de usar a língua apropriadamente dentro de um contexto social. O falante tem de saber escolher entre diferentes estruturas a que melhor se aplica às circunstâncias da interação entre ele e o ouvinte ou, entre o escritor e leitor. Por exemplo, “o falante desenvolve várias formas sutis para mostrar desagrado, recusar, aceitar, convidar, pedir algo etc.” (Neves, 1996, p.73). Isso envolve o domínio não só de competência gramatical ou lingüística, mas também de habilidades sociolingüísticas, discursivas e estratégicas. 3 4
  • 8. Com o intuito de desenvolver essas habilidades, a mais marcante característica desse método é a prática de realizar atividades que envolvam comunicação real. Tal comunicação ocorre quando os sujeitos são livres para trocarem conhecimentos. Num jogo de pergunta-resposta no qual os alunos são obrigados a repetirem estruturas 5[5] preestabelecidas, por exemplo, “what day is today? _ Today is Tuesday _ sendo que ambos conhecem a resposta, não havendo, portanto comunicação real, mas apenas a prática mecânica de estruturas. Para usar realmente as potencialidades comunicativas, os alunos resolvem problemas, discutem idéias e posições, jogam, fazem dramatizações, etc. O uso de material autêntico como artigo de revista, jornal, trechos de programas de rádio e TV também é muito importante para que os alunos tenham acesso à língua como ela é, usada efetivamente por seus falantes. Exploram- se muito atividades de conversação em pequenos grupos, dessa forma, maximiza-se o tempo de uso da língua pelos alunos. As principais técnicas segundo Larsen-Freeman (1986) são: • Uso de material autêntico; • Texto com frases desordenadas para os alunos ordenarem; • Jogos de cartões com pistas para os alunos fazerem perguntas autênticas e obterem repostas também pessoais; • Uso de figuras em seqüência, sugerindo estórias que os alunos tentam prever; • Dramatização de cenas propostas pelos alunos ou professor. Referências HOWATT, A . P. R. A history of English language teaching . Oxford: OUP,1984. LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and principles in language teaching. New York: OUPress,1986. NEVES, M. S. Os mitos de abordagens tradicionais e estruturais ainda interferem na prática em sala de aula In: PAIVA, V. L. M. O. Ensino de língua inglesa, Refexões e experiências. Belo Horizonte: Pontes/UFMG, 1996. p. 69-80. 5