Inteligência Emocional

12.641 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.641
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.754
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
340
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A lista mais extenssa tem 37 tipos
  • Em seu livro I nteligencia Um Conceito Reformulado, sitou mais 2 tipos: espiritual e naturalista.
  • Inteligência Emocional

    1. 1. Da razão a emoção : e m busca da Inteligência Emocional. Por Carlos Reis
    2. 2. <ul><li>QUEM É VOCÊ? </li></ul>
    3. 3. UMA DAS MELHORES MANEIRAS DE INTERPRETAR A REALIDADE <ul><li>“ Ver para crer”; </li></ul><ul><li>“ Só acredito vendo”; </li></ul><ul><li>“ Vi com esses olhos que a terra a de comer”. </li></ul>
    4. 4. E NA TENTATIVA DE “VER” MELHOR... <ul><li>...O HOMEM INVENTOU O TELESCÓPIO, MICROSCÓPIO, OCÚLOS ... </li></ul>
    5. 5. PORTANTO... <ul><li>VOCÊ É O QUE VÊ?! </li></ul><ul><li>Ilusão de ótica.ppt </li></ul>
    6. 6. PARADIGMAS DA VISÃO <ul><li>O Mundo é quadrado; </li></ul><ul><li>Sol gira em torno da Terra. </li></ul>
    7. 7. VOCÊ É O QUE PENSA SER?!
    8. 8. Descartes: A busca da razão pura! <ul><li>Por desejar ocupar-me somente com a pesquisa da verdade , pensei que era necessário agir exatamente ao contrário, e rejeitar como absolutamente falso tudo aquilo em que pudesse imaginar a menor dúvida. </li></ul><ul><li>Ze Ramalho canta Raul Seixas - 02 - Metamorfose Ambulante.MP3 </li></ul>
    9. 9. Heráclito <ul><li>O corpo está em constante transformação; </li></ul><ul><li>Se o corpo está sujeito a ação do tempo e o tempo não para, logo... </li></ul><ul><li>... Ser é não Ser! </li></ul>
    10. 10. Parmênedes <ul><li>Não se pode contrariar o princípio da identidade, pois se não houvesse o mal, por exemplo , como você saberia o que é o bem? </li></ul><ul><li>Desta forma ele discorda de Heráclito e diz que... </li></ul><ul><li>Ser é Ser e não Ser e não Ser. </li></ul>
    11. 11. Bem & Mal <ul><li>O símbolo Ying/Yang, representa a união de forças contrárias, geradoras do movimento. </li></ul>
    12. 12. Desta forma, Descartes criou a hipótese de existir um Deus ruim . <ul><li>Se há um Deus bom porque não pode haver um Deus enganador, gênio do mau, que pode gerar pensamentos, independente a minha vontade. </li></ul>
    13. 13. Durkhein e o “fato social”. <ul><ul><li>O fato é social, todos têm sentimento; </li></ul></ul><ul><ul><li>O fato é independente; </li></ul></ul><ul><ul><li>O seu poder coercitivo. </li></ul></ul>
    14. 14. Quem somos nós? <ul><ul><li>Se nosso corpo está em constante transformação, nossos sentimentos nos enganam e nossos pensamentos interferem em nosso comportamento independente de nossa vontade; afinal ... </li></ul></ul><ul><ul><li>quem é você ? </li></ul></ul>
    15. 15. Einstein já dizia ... <ul><ul><li>Você só usa 10% de sua capacidade de raciocínio; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não quer dizer que os outros 90% estejam inativos! </li></ul></ul><ul><ul><li>Portanto, nós devemos imaginar ser apenas 10% do que realmente somos! </li></ul></ul>
    16. 16. Parábola do sábio chinês <ul><ul><li>“ ...o sábio chinês sempre sonhava que era uma borboleta, até o dia que ele acordou sem saber se era o sábio chinês, que havia sonhado que era uma borboleta, ou se era uma borboleta que havia sonhado que era o sábio chinês!” </li></ul></ul>
    17. 17. “ Tô explicando pra te confundir, tô confundindo pra te explicar...“ <ul><li>(Música Tô, de Tom Zé) </li></ul>
    18. 18. PENSO, LOGO EXISTO! (Descartes)
    19. 19. <ul><li>&quot;A vida é uma comédia para aqueles que pensam, </li></ul><ul><li>E uma tragédia para aqueles que sentem.&quot; </li></ul><ul><li>(Horace Walpole) </li></ul>
    20. 20. A GRANDE DIVISÃO
    21. 21. RAZÃO X EMOÇÃO
    22. 22. O paradigma racional <ul><li>Terceira Lei de Newton; </li></ul><ul><li>A Administração Científica; </li></ul><ul><li>Teoria Behaviorista; </li></ul><ul><li>Sou o que penso ser! </li></ul>
    23. 23. Como se mede a razão? <ul><li>Gall (final do século XVIII) observou um relacionamento entre determinadas características de seus colegas de escola e os formatos de suas cabeças; </li></ul><ul><li>apegou-se a idéia quando tornou-se um médico e cientista e, alguns anos depois, colocou-a dentro de uma disciplina chamada Frenologia. </li></ul>
    24. 24. A idéia chave da Frenologia <ul><li>Os crânios humanos diferem uns dos outros e suas variações no tamanho e na forma do cérebro. </li></ul><ul><li>Ex.: Rui Barbosa </li></ul>
    25. 25. O primeiro teste de inteligência <ul><li>Elaborado por Alfred Bianet , um psicólogo francês, nos primeiros anos do século XX. </li></ul><ul><li>Bianet foi procurado pelo ministro da Educação da França para ajudar a prever quais as crianças que correriam o risco de fracassar na escola. </li></ul>
    26. 26. Quociente de Inteligência <ul><li>Em 1912 o psicólogo alemão Wilhelm Stern propôs o nome “ Quociente de Inteligên-cia (QI) ”; </li></ul><ul><li>Razão direta entre a idade mental e a idade cronológica do indivíduo expressa através de um número multiplicado por cem; </li></ul>
    27. 27. Auge dos testes de QI <ul><li>Durante a Primeira Guerra Mundial que os testes de QI tiveram seus dias de glória. </li></ul><ul><li>Dois milhões de americanos foram classificados por meio do primeiro teste de QI, criado em 1918 por Lewis Terman, um psicólogo americano. </li></ul>
    28. 28. A decadência dos testes de QI <ul><li>Goleman acompanhou 95 universitários de Harvard, na década de 40; </li></ul><ul><li>Os alunos com melhores notas não se mostraram bem-sucedidos, em comparação aos colegas de menores notas, em termos de salário, produtividade ou status; nem tinham maior satisfação na vida e tampouco eram mais felizes </li></ul><ul><li>Diferente das aptidões acadêmicas, a I.E. faz as pessoas se saírem bem nos aspectos práticos da vida. </li></ul>
    29. 29. (Zohar e Marshal) <ul><ul><ul><li>“ Seres humanos são muito competente nesse tipo de pensamento, superando nisso todos os animais inferiores. Mas os computadores são ainda melhores”. </li></ul></ul></ul>INTELIGÊNCIA COGNITIVA
    30. 30. Importância do QE <ul><li>Pesquisa com 286 organizações concluiu que, das 21 competências identificadas, 18 estavam relacionadas à IE. </li></ul><ul><li>Diversas pesquisas indicam que os melhores profissionais tinham um maior grau de capacidades cognitivas em 27% dos casos e maior grau de competências emocionais em 53% dos casos. Em outras palavras, as competências emocionais tinham o dobro da importância do intelecto. </li></ul>
    31. 31. Vantagem competitiva <ul><li>Segundo Goleman, nos campos profissionais técnicos, o limiar para o ingresso é, normalmente, um QI de 110 a 120. O resultado é uma pequena variação entre os níveis de inteligência. </li></ul><ul><li>Como o QE não é tão usado, é muito grande a diferença entre as escalas de inteligência emocional, oferecendo, assim, uma grade vantagem competitiva. </li></ul>
    32. 32. Duas correntes: <ul><li>Os puristas defendem a noção de uma “inteligência geral” - fator g - e única. </li></ul><ul><li>Os pluralistas - de Thurstone – explicam a inteligência como tendo muitos elementos dissociáveis. </li></ul>
    33. 33. Tipos de Inteligências: <ul><li>Thurstone nomeou sete tipos: compreensão verbal, fluência verbal, fluência numérica, visualização espacial, memória associativa, percepção e raciocínio. </li></ul>
    34. 34. Gardner: as Inteligências Múltiplas <ul><li>Lingüística : Os advogados, locutores, escritores e os poetas estão entre as pessoas de inteligência lingüística elevada; </li></ul><ul><li>Lógico-matemática : Os matemáticos e cientistas se destacam neste tipo de inteligência; </li></ul>
    35. 35. Testando a inteligência <ul><li>Se um gato e meio come um rato e meio em m minuto e meio, em quantos minutos um gato come dois ratos? </li></ul>
    36. 36. Gardner <ul><ul><ul><li>Físico-cinestésica : Obviamente dançarinos, atores e atletas; mas também é importante para artesões, cirurgiões, cientistas, mecânicos, entre outros; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Espacial : Usados por navegadores e pilotos, bem como escultores, cirurgiões, artistas gráficos ou arquitetos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Musical : Compositores e cantores se sobressaem nesta; </li></ul></ul></ul>
    37. 37. Quantos quadrados existem?
    38. 38. Gardner <ul><li>Intrapessoal : envolve a capacidade de a pessoa se conhecer; </li></ul><ul><li>Interpessoal : Vendedores, professores, clínicos, líderes religiosos, políticos e atores precisam ter uma inteligência interpessoal aguda; </li></ul>
    39. 39. QE: Quem, quando e onde? <ul><li>Psicólogo Daniel Goleman, publicada pela primeira vez em outubro de 1995 nos EUA. </li></ul>
    40. 40. O que é? <ul><li>E capacidade de identificar nossos próprios sentimentos e os dos outros, de motivar a nós mesmos e de gerenciar bem as emoções dentro de nós e em nossos relacionamentos. </li></ul><ul><li>(Goleman) </li></ul>
    41. 41. Bases da Inteligência Emocional <ul><li>Autopercepção: conhecer as próprias emoções; </li></ul><ul><li>Autocontrole: gerenciar as suas emoções; </li></ul><ul><li>Automotivação: o motivo de suas ações; </li></ul><ul><li>Empatia: entender as emoções nos outros; </li></ul><ul><li>Relacionamento interpessoal: se relacionar. </li></ul>
    42. 42. Por que a IE é importante? <ul><li>As organizções trabalham em equipes! </li></ul>
    43. 43. O que não é IE? <ul><li>Não significa ser bonzinho; </li></ul><ul><li>Não significa eliminar a razão! </li></ul>
    44. 44. <ul><li>O modelo simplista de “pensamento” como algo linear, lógico e neutro não está errado, apenas não conta toda a história. </li></ul><ul><li>Nem tudo é para ser explicado... </li></ul><ul><li>O que é Amor? </li></ul>
    45. 45. O que é IE na filosofia popular... <ul><li>“ Se malandro soubesse a hora de ser otário, malandro seria otário; mas só por malandragem!” (Junior, 1982). </li></ul><ul><li>Forte capacidade de adaptação e lidar com mudanças. </li></ul>
    46. 46. <ul><li>“ CONHECE-TE A TI MESMO” </li></ul><ul><li>(SÓCRATES) </li></ul>HISTÓRICO…
    47. 47. JANELA DE JOHARI
    48. 48. Ética a Nicômaco <ul><li>“ Qualquer um pode zangar-se – isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na justa medida, no momento certo, pela razão certa e de maneira certa – isso não é fácil.” </li></ul><ul><li>(Aristóteles). </li></ul>
    49. 49. OBRIGADO!
    50. 50. BIBLIOGRAFIA <ul><li>CIVITA, Victor. Os Pensadores, Descartes . 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, v. XV, 1973. 336p. </li></ul><ul><li>__________ Os Pensadores, Kant . 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, v. XXV, 1973. 397p. </li></ul><ul><li>COOPER, Robert & SAWAF, Ayman. Inteligência Emocional na empresa . Tradução por Ricardo Inojosa e Sonia T. Mendes Costa. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 380 p. Tradução de: Emotional Intelligence apub bussines. </li></ul><ul><li>DURKEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico . Editora Presença: Lisboa, 1973. </li></ul><ul><li>GARDNER, Howard. Estrutura da Mente : A Teoria das Inteligências Múltiplas. Tradução por Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994. 340 p. Tradução de: Iframes of Mind: The Theory of Multiple Intelligence. </li></ul><ul><li>____. Inteligência: Um Conceito Reformulado . Tradução por Adalgisa Campos da Silva. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999. 348 p. Tradução de: Intelligence Reframed. </li></ul><ul><li>GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional . Tradução por Marcos Santarrita. 8. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995. 375 p. Tradução de: Emotional Intelligence. </li></ul><ul><li>_____. Trabalhando com a Inteligência Emocional . Tradução por M. H. C. Côrtes. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999. 414 p. Tradução de: Working with Emotional Intelligence. HMLJ. Manual da Garantia da Qualidade. 2001 . Rio de Janeiro, 2002. 15 p. </li></ul><ul><li>MIRANDA, Roberto Lira. Inteligência Total na Empresa . Rio de Janeiro: Campus, 1998. 226 p. </li></ul><ul><li>__________, Roberto Lira. Além da Inteligência Emocional . Rio de Janeiro: Campus, 1997. 217p. </li></ul><ul><li>THRSTONE, L.L. Multiple-Factor Analysis : A Development and Expansion of “The Vector of the Mind”. Chicago: University of Chicago Press, 1947. 297p. </li></ul>

    ×