Portfólio PIBID - Escola Argemiro de Figueiredo - Polivalente

1.305 visualizações

Publicada em

Portfólio de apresentação das atividades desenvolvidas pelo PIBID-HISTÓRIA-UEPB junto a Escola Polivalente em 2014.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Portfólio PIBID - Escola Argemiro de Figueiredo - Polivalente

  1. 1. Eu quero desaprender para aprender de novo. Raspar as tintas com que me pintaram. Desencaixotar emoções, recuperar sentidos. Rubem Alves
  2. 2. Quem somos? Somos o PIBID/HISTÓRIA/UEPB atuante na Escola Estadual Senador Argemiro de Figueiredo (Polivalente), situado no bairro do Catolé, na cidade de Campina Grande-PB, sob a supervisão do professor Adjefferson Silva. Cinco graduandas do Curso de Licenciatura Plena em História pela referida universidade, aprendizes na arte de ensinar, somos uma mescla de sonhos e expectativas que tem, por base, a crença de que a educação permanece sendo o caminho mais seguro e certeiro no empreendimento de uma sociedade mais igualitária.
  3. 3. Inseridas num projeto que possibilita um prévio conhecimento empírico acerca da realidade escolar e, no contato direto com uma turma de sétima série, buscamos, por meio de variadas metodologias, dinamizar o espaço da sala de aula, provocando, em nossos “valentes”, do “Poli”, o gosto pela disciplina de História e despertando nos mesmos a consciência de que são sujeitos históricos. O trabalho que segue reúne algumas de nossas experiências com a turma, no entanto, é válido ressaltar que, para além do que pode ser capturado pelas lentes de uma câmera, ou registrado objetivamente, existe uma gama diversificada de outras (experiências) traçadas pela subjetividade inerente ao ser humano.
  4. 4. Ressalte-se ainda que, sendo o conhecimento feito de trocas, ao repassar conteúdos da disciplina, de maneira dinâmica, fugindo ao tradicional, acabamos apreendendo alguns outros que, embora não organizados metodologicamente, levaremos para o resto de nossas vidas, adequando-os ao nosso ofício sempre que possível, levadas pela arte de historiar vida afora.
  5. 5. ROTEIRO 0 1. PRODUÇÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS . 0 1.1. “1º TORNEIO DE JOGOS DO PIBID POLIVALENTE”. 0 1.2. “2º TORNEIO DE JOGOS DO PIBID POLIVALENTE”. 0 1.3. Oficina De Leitura. 0 1.4. 1° Oficina Produção De Histórias Em Quadrinhos. 0 1.5. 2° Oficina Produção De Histórias Em Quadrinhos. 0 1.6. Oficina Produção De Poemas. 0 1.7. Plano De Aula Contrarreforma.
  6. 6. 0 1.8. Plano De Aula Oficina De História Em Quadrinhos. 0 1.9. Plano De Aula Oficina De Jogos Da Contrarreforma. 0 1.10. Plano De Aula Oficina De Jogos Da Reforma E Contrarreforma. 0 1.11. Plano De Aula Sobre As Grandes Navegações. 0 1.12. Plano De Aula Sobre Os Tupis E Os Portugueses: Encontros E Desencontros. 1.13. Plano De Aula Sobre Oficina De Jogos: Renascimento. 0 1.14. Plano De Aula Sobre Oficina: Produção De Histórias Em Quadrinhos Da Idade Média. ROTEIRO
  7. 7. 0 1.15. Plano De Aula Sobre Oficina: Produção De Poemas Da Idade Média. 0 1.16. Plano De Aula Sobre Reforma Protestante. 0 1.17. Poema: O Casamento Na Idade Média. 0 1.18. Poema: O Casamento Nos Dias Atuais. 0 1.19. Questionário De Avaliação Do PIBID Atuante No E.E.E.F.M. Senador Argemiro De Figueiredo. 0 1.20. Slides A Colonização. ROTEIRO
  8. 8. 0 1.21. Slides Contrarreforma. 0 1.22. Slides Imagem E Literatura No Ensino De História. 0 1. 23. Slide Reforma Protestante. 0 1.24. Slides Sobre “Os Usos Das HQS No Ensino De História”. 0 1.25. Slides Sobre Sociedades Indígenas No Brasil. 0 1.26. Texto Introdutório Sobre A Arte E O Sagrado Na Idade Média. 0 1.27. Texto Introdutório Sobre A Colonização. 0 1.28. Texto Introdutório Sobre As Grandes Navegações. ROTEIRO
  9. 9. 0 1.29. Texto Introdutório Sobre Contrarreforma. 0 1.30.Texto Introdutório Sobre O Casamento Na Idade Média. 0 1.31. Texto Introdutório Sobre O Êxito Hispânico Nas Grandes Navegações. 0 1.32. Texto Introdutório Sobre O Nascimento Na Idade Média. 0 1.33. Texto Introdutório Sobre Os Medos Na Idade Média. 0 1.34. Texto Introdutório Sobre Reforma Protestante. ROTEIRO
  10. 10. 0 2. PRODUÇÕES BIBLIOGRÁFICAS. 0 2.1. Artigo “A Criação De HQS No Ensino De História: Ferramenta Didática Propulsora Da Aprendizagem”. 0 2.2. Artigo “’ARTEDÓ’: Tecendo O Saber Histórico De Forma Dinâmica”. 0 2.3. Artigo “Caminhos Do Sertão: O Teatro E O Ensino De História”. 0 2.4 Artigo “História Em Quadrinhos (HQ) E Ensino De História: Os Usos Das HQS Enquanto Recurso Didático”. ROTEIRO
  11. 11. 0 2.5. Artigo “HQ Enquanto Fonte Histórica No Ensino De História”. 0 2.6. Jogos Didáticos E O Ensino De História: Narração De Uma Experiência Em Sala De Aula. 0 3. PRODUÇÕES ARTÍSTICO-CULTURAIS 0 3.1. Histórias Em Quadrinhos: As Cruzadas I. 0 3.2. Histórias Em Quadrinhos: As Cruzadas II. 0 3.3. Histórias Em Quadrinhos: As Cruzadas III. ROTEIRO
  12. 12. 0 3.4. Histórias Em Quadrinhos: As Cruzadas IV. 0 3.4. Histórias Em Quadrinhos: As Cruzadas IV. 0 3.6. Histórias Em Quadrinhos: As Grandes Navegações I. 0 3.7. Histórias Em Quadrinhos: As Grandes Navegações II. 0 3.8. Histórias Em Quadrinhos: As Grandes Navegações III. 0 3.9. Histórias Em Quadrinhos: As Grandes Navegações IV. 0 4. PRODUÇÕES DESPORTIVAS E LÚDICAS. 0 4.1. Jogo “5 Das 95 Teses De Lutero” Com a Temática Reforma Protestante. 0 4.2. Jogo “A Jornada” Com a Temática Reforma Protestante. 0 4.3. Jogo “Artedó” Com a Temática Renascimento. ROTEIRO
  13. 13. 0 4.4. Jogo Da Memória Com a Temática Renascimento II. 0 4.5. Jogo “Quem Disse O Quê?” Com a Temática Reforma Protestante. 0 4.6. Palavras Cruzadas Com a Temática As Grandes Navegações. 0 5. CONCLUSÃO. ROTEIRO
  14. 14. 1. PRODUÇÕES DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS
  15. 15. 1.1. “1º TORNEIO DE JOGOS DO PIBID POLIVALENTE” As seguintes imagens registram o nosso primeiro torneio com os jogos- “Artedó” e o “Jogo da Memória”, elaborados a fim de aproximar os alunos do contexto histórico do pensamento Renascentista na Europa. Realizados em 28/07/2014 e elaborados pelas alunas bolsistas do PIBID 2014. Fonte: Arquivo PIBID2014 Fotos: Tissiane Gomes
  16. 16. 1.2. “2º TORNEIO DE JOGOS DO PIBID POLIVALENTE” Fotos do segundo torneio com jogos referentes à Reforma Protestante e Contrarreforma – “Quem disse o quê?”; “Jornada”; “5 das 95 Teses de Lutero”. Realizado em 25/08/2014 no nosso 12° encontro. Fonte: Arquivo PIBID 2014 Fotos: Tissiane Gomes
  17. 17. 1.3. OFICINA DE LEITURA Imagem referente ao dia 24/11/2014, trabalhando a leitura, compreensão e escrita com os alunos a partir da temática Colonização Hispânica. No presente dia foi aplicada uma pequena atividade a fim de testar seus conhecimentos. Fonte:Arquivo PIBID 2014 Foto: Juliana Almeida
  18. 18. 1.4. 1° OFICINA PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS Fonte: arquivo PIBID 2014 Foto: Juliana Karol Falcão Tal oficina foi realizada em 19/05/2014 com a finalidade de despertar o aluno para leitura, interpretação e escrita de forma lúdica através da linguagem das HQs. O tema trabalhado foi “Cruzadas medievais”, contando com o apoio do livro didático.
  19. 19. 1.5. 2° OFICINA PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS Conciliando literatura e novas linguagens (HQs), na oficina realizada em 22/09/14 foram elaboradas pequenas HQs referentes ao poema Mar Português de Fernando Pessoa contextualizado com o conteúdo das Grandes Navegações. Fonte: Arquivo PIBID, 2014 Produções dos alunos
  20. 20. 1.6. OFICINA PRODUÇÃO DE POEMAS Na oficina “Produção de Poemas” realizada em 19/05/2014, os alunos construíram um poema sobre o casamento a partir da análise comparativa de imagens que retratavam o casamento na Idade Média e na Idade Contemporânea. Na referida atividade se processou a interdisciplinaridade entre Literatura e História. FONTE: ARQUIVO PIBID, 2014. Produção de três alunos do 7°ano E
  21. 21. 1.7. PLANO DE AULA CONTRARREFORMA O Plano de Aula referente a 18/08/2014 traz a discussão envolvendo o Movimento de Contrarreforma – movimento de reação da Igreja Católica diante dos avanços das ideias reformadoras.
  22. 22. 1.8. PLANO DE AULA OFICINA DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Plano de aula de 20/10/2014: “elaboração de HQs”, tomando como base a leitura do capítulo do livro didático “As Grnades Navegações” e o poema de Fernando Pessoa “Mar Português”.
  23. 23. 1.9. PLANO DE AULA OFICINA DE JOGOS DA CONTRARREFORMA Plano de aula aplicado em 25/08/2014, elaborado a fim de levar os alunos a conhecerem as diversas regiões da Europa onde ocorreu a difusão das ideias reformadoras. Os alunos, através do jogo “A Jornada” foram estimulados a conectar a tríade: Ideias, Espaços e Temporalidades. Desta forma, oportunizou-se a interdisciplinaridade entre História e Geografia.
  24. 24. 1.10. PLANO DE AULA OFICINA DE JOGOS DA REFORMA E CONTRARREFORMA Plano de aula elaborado com o objetivo de analisar a habilidade do alunado acerca da compreensão das principais causas e fatores que levaram os principais idealizadores da Reforma e Contrarreforma a tomarem decisões extremas, oferecendo aos alunos novos mecanismos de conhecimento e reflexão. Plano de aula aplicado no dia 18/08/2014.
  25. 25. 1.11. PLANO DE AULA SOBRE AS GRANDES NAVEGAÇÕES Plano de aula aplicado em 20/10/2014 sobre os desdobramentos e implicações das Grandes Navegações para a Civilização Ocidental.
  26. 26. 1.12. PLANO DE AULA SOBRE OS TUPIS E OS PORTUGUESES: ENCONTROS E DESENCONTROS Plano de aula das atividades realizadas com os alunos a respeito do tema “Os Tupis e os Portugueses: Encontros e Desencontros”, destacando as implicações da ação do colonizador no mundo indígena, bem como o estranhamento de ambas as culturas. Plano de aula aplicado em 17/11/2014.
  27. 27. 1.13. PLANO DE AULA SOBRE OFICINA DE JOGOS: RENASCIMENTO Plano de aula utilizado na reflexão sobre os usos das imagens no ensino de História. Este plano foi posto em prática quando utilizamos o jogo Artedó, jogo com o objetivo de levar os alunos a um melhor aprendizado da produção artístico-cultural do período renascentista, bem como seus respectivos produtores. Plano de aula aplicado em 01/08/2014.
  28. 28. 1.14. PLANO DE AULA SOBRE OFICINA: PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS DA IDADE MÉDIA O plano de aula aplicado em 12/05/2014 teve o intuito de ajudar os alunos na compreesão das motivações que desencadearam as Cruzadas, bem como os grupos sociais envolvidos, além dos efeitos sobre a sociedade medieval. Para tanto, o tema trabalhado foi As Cruzadas Medievais, a partir do qual os alunos foram levados a refletir sobre a referida narrativa histórica por meio da construçao de Quadrinhos.
  29. 29. 1.15. PLANO DE AULA SOBRE OFICINA: PRODUÇÃO DE POEMAS DA IDADE MÉDIA O plano de aula teve por objetivo analisar as características do casamento durante o período medieval. Para tanto, foi lançado mão do uso de imagens como meio de reflexão junto aos alunos. Em seguida buscou-se pensar criticamente as rupturas e permanências entre as práticas matrimoniais antigas e modernas. Por fim, os alunos realizaram uma produção textual em forma de poema. Plano de aula aplicado no dia 19/05/2014.
  30. 30. Plano de aula sobre a Reforma Protestante. Nesta aula buscou- se refletir junto aos alunos sobre as diversas narrativas que põe em ação o movimento religioso designado como “Reforma Protestante”. Durante a aula foram utilizadas imagens de Igrejas e Catedrais de modo a refletir sobre a construção da identidade de cada um dos grupos envolvidos. Plano de aula aplicado no dia 04/08/2014. 1.16. PLANO DE AULA SOBRE REFORMA PROTESTANTE
  31. 31. 1.17. POEMA: O CASAMENTO NA IDADE MÉDIA Poema construído por três alunos em 19/05/2014 sobre o casamento medieval. Nesta atividade os alunos puseram em prática a interdisciplinaridade entre Literatura e História fazendo a análise de uma imagem para fabricarem seu próprio poema a partir da compreensão que construíram da experiência cultural do Casamento na Idade Média. FONTE: ARQUIVO PIBID, 2014. Produção de três alunos do 7°ano E
  32. 32. 1.18. POEMA: O CASAMENTO NOS DIAS ATUAIS. Poema construído por três alunos em 19/05/2014 sobre o casamento medieval a partir da comparação de imagens que retratavam o casamento na Idade Média e na Contemporaneidade. Mais uma vez a atividade foi marcada pela interdisciplinaridade entre História e Literatura. FONTE: ARQUIVO PIBID, 2014. Produção de três alunos do 7°ano E
  33. 33. 0 Estas foram algumas das questões presentes no questionário de avaliação dos alunos sobre a participação dos bolsistas PIBID no ano letivo 2014 junto a turma do 7º ano da Escola Argemiro de Figueiredo. Tal atividade foi realizada dia 01/12/2014, na aula de encerramento de nossas atividades. 1.19. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PIBID ATUANTE NO E.E.E.F.M. SENADOR ARGEMIRO DE FIGUEIREDO
  34. 34. 0 Para além de perceber se nossa participação foi apreciada ou não pelos alunos buscou-se através deste questionário dar também voz a estes que ao longo de todo o ano letivo foram nossos companheiros nessa jornada. 1.19. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PIBID ATUANTE NO E.E.E.F.M. SENADOR ARGEMIRO DE FIGUEIREDO
  35. 35. 1.19. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PIBID ATUANTE NO E.E.E.F.M. SENADOR ARGEMIRO DE FIGUEIREDO Fonte: arquivo PIBID Produção dos alunos descrevendo a nossa participação.
  36. 36. 1.20. SLIDES A COLONIZAÇÃO
  37. 37. 1.21. SLIDES CONTRARREFORMA Slide facilitador da exposição didática dos temas que compõem a Contrarreforma. Aplicado em 21/08/2014.
  38. 38. Slide que visa refletir sobre os usos das imagens e da literatura no ensino de História. Aplicado à turma em 12/05/2014. 1.22. SLIDES IMAGEM E LITERATURA NO ENSINO DE HISTÓRIA
  39. 39. 1. 23. SLIDE REFORMA PROTESTANTE Slide facilitador de aula expositivo-dialogada sobre a Reforma Protestante. Aplicado em 21/08/2014.
  40. 40. 1.24. SLIDES SOBRE “OS USOS DA HQS NO ENSINO DE HISTÓRIA” Slide sobre “Os usos da HQs no ensino de História”. Esta ferramenta traz um percurso histórico sobre as apropriações das Histórias em Quadrinhos no cotidiano escolar. Aplicado em 24/05/2014.
  41. 41. 1.25. SLIDES SOBRE SOCIEDADES INDÍGENAS NO BRASIL Slide sobre “Sociedades indígenas no Brasil”, apresentação em PowerPoint para facilitar a aula expositivo-dialogada, realizada no dia 24/11/2014.
  42. 42. 1.26. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE A ARTE E O SAGRADO NA IDADE MÉDIA O SAGRADO E AS ARTES NA SOCIEDADE MEDIEVAL Ao contrário do que se pensa ou do que se pensou durante muito tempo, a Idade Média – muitas vezes intitulada de Idade das Trevas ou de período obscuro da sociedade, dentre outros termos preconceituosos – não representa uma temporalidade marcada por ignorância, atraso ou estagnação devido a interferência religiosa. Foi devido a isto que a expressão artística da época fez-se sentir nos vários extratos da sociedade. Isto se deu de tal maneira que através do estudo da arte da referida temporalidade é possível obter-se um entendimento aprofundado do pensamento medieval. Texto introdutório com o objetivo de desfazer alguns mal-entendidos no que se refere a produção cultural durante o período medieval. Destaca-se a produção artística vinculada ao Sagrado. Aplicado em 18/05/2014.
  43. 43. Durante a Idade Média, a Igreja detinha o poder econômico, político, jurídico e social, além de exercer forte controle sobre a cultura. Nesse sentido, a igreja realizou uma forte ligação entre a arte e o cristianismo e sua influência foi refletida nas mais diversas manifestações artísticas, como no teatro, na música, na arquitetura, bem como nas artes plásticas. A arte medieval era tanto a expressão das ideias da igreja, como também o veículo dessa cultura religiosa. A mesma configura-se por carregar um caráter didático-religioso, servindo para dramatizar a mensagem divina. Como os documentos escritos eram praticamente inacessíveis, devido as dificuldades de produção e a população, em grande número, era iletrada, a arte atingia um público muito maior do que o público da literatura. A imagem onipotente tinha o papel de alimentar através dos olhos o pensamento rudimentar da época. A arte era o meio da igreja se fazer entendida pelos cérebros incultos, constituindo-se para estes como uma “pregação muda”. Nessa perspectiva, a iconografia assume um papel fundamental no medievo, na qual a ideia predomina sobre a forma.
  44. 44. As ideias da igreja eram sintetizadas pelos artistas da época, os quais faziam uma suma do pensamento religioso e possibilitavam a “leitura das imagens” pelo povo. Tais obras, caracterizadas por uma beleza plástica, uniam a aparência externa do indivíduo ao dinamismo humano – as imagens surpreendiam o ser em atitudes humanas, naturais e intensas. As imagens eram tomadas pela paixão, pela dor, engrandecidos pelo êxtase, inquietos pela alegria, deformados pela cólera, torturados pela angústia e etc. A arte em foco desdobra-se em dois seguimentos: românico e gótico. O primeiro foi uma arte sacra da cristandade ocidental em expansão, marcada pelo regionalismo. Porém, mesmo aproveitando-se de diversas tradições artísticas, os elementos incorporados foram adaptados as novas necessidades, o que configurou esse estilo artístico como original. Uma característica relevante da escultura românica era o simbolismo – o tamanho, bem como o aspecto de cada personagem esculpido estava associado ao papel desempenhado pelo mesmo ou a importância deste no mundo religioso. Dessa forma, compreende-se porque Cristo era revelado em tamanho maior que os apóstolos. Além disso, merece destaque outras características da arte românica: as construções eram fixas na terra, com paredes grossas e mantinham o Horizontalismo.
  45. 45. Arte tida como heterogênea, pois conservou grande diversidade regional entre países – França, Inglaterra, Espanha e Itália. Paulatinamente o estilo gótico foi se libertando do românico e revelando suas particularidades. As paredes das construções ficaram mais finas e se verticalizaram – as torres que apontavam para o alto, representam a autoridade maior do senhor maior proximidade do céu. É uma arte mais homogênea que a retratada acima, tendo em vista a maior diversidade da arquitetura e esculturas românicas. A arte gótica caracteriza-se ainda como uma arte urbana, pois nasceu com as cidades. A catedral tornou-se o centro da cidade, simbolizando o progresso desta, tendo em vista que as cidades tornaram-se os centros de atividade espiritual, intelectual, bem como artística. Pode-se ressaltar ainda a claridade dos recintos – existia a preocupação dos santuários serem claros, onde as vidraças imensas tinham que deixar a luz do sol passar para iluminar e exaltar as manifestações da arte religiosa. Diante do exposto, compreende-se que o estudo da arte medieval possibilita um conhecimento aprofundado acerca da mentalidade dessa sociedade. Além disso, a partir do descrito “derruba-se” preconceitos e “quebra-se” paradigmas concernentes ao período, tido erroneamente como de ignorância devido a interferência religiosa.
  46. 46. 1.27. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE A COLONIZAÇÃO Colonização Portuguesa Ao chegar ao Brasil em 1500 os portugueses demonstraram pouco interesse sobre essas terras, pois não encontraram de início ouro nem prata, o interesse estava direcionado para o lucrativo comércio de especiarias com a África e as Índias. Em 1503 depois de algumas expedições patrocinadas pela coroa, que os portugueses encontram o pau-brasil, árvore típica da mata atlântica, utilizada para tingir tecidos e construir móveis e casas. Por conta dessa valiosa mercadoria o governo português ordenou a construção de feitorias em território brasileiro. Texto introdutório para possibilitar uma melhor entrada no tema trabalhado em sala de aula. O texto aborda uma visão ampla do conteúdo, expondo de forma panorâmica as principais ideias que norteiam o debate sobre a colonização. Aplicado em 01/12/2014 .
  47. 47. Os franceses também extraíam pau-brasil do litoral brasileiro, por meio de alianças com os indígenas. Além desse contra tempo, em 1520 os portugueses perdem lucro no comércio oriental em concorrência com os europeus, forçando assim, D. João III a enviar expedições colonizadoras para o Brasil, com o intuito de combater os franceses, explorar o litoral brasileiro, povoar as terras e produzir açúcar. Dentro do plano de colonização portuguesa, o Brasil foi dividido em 15 capitanias hereditárias entregue a 12 capitães donatários, cargo este com deveres e direitos. Só recebia as sesmarias quem tivesse condição de produzir açúcar, dando lucro a Portugal. As capitanias que mais prosperaram foram a de Pernambuco, Bahia e São Vicente, devido o sucesso da agroindústria açucareira no nordeste tendo em vista o solo fértil e clima propício para a referida produção. Já outras capitanias fracassaram devido a falta de recursos como: terras não administradas, falta de comunicação entre elas, resistência e ocupação indígenas de suas terras, ataques de corsários, e falta da presença do donatário na capitania, além da morte destes. Em 1548 o rei de Portugal cria o Governo-Geral, a fim de aumentar seu controle sobre a colônia brasileira, tentando assim, solucionar o fracasso da maioria das capitanias.
  48. 48. O primeiro governador-geral do Brasil, Tomé de Sousa, chega a colônia portuguesa em 1549, desembarcando na Bahia, onde fundou a cidade de salvador. Trouxe para o Brasil o primeiro grupo de jesuítas, liderados por Manoel da Nóbrega. O segundo governador do Brasil foi Duarte. Em seu governo, os jesuítas Manoel de Paiva e José de Anchieta fundaram o colégio no planalto de Piratininga, que foi o primeiro colégio de São Paulo. O regime de Duarte Costa foi marcado por algumas dificuldades, por razão de alguns conflitos entre os colonos e os jesuítas, envolvendo a escravização dos indígenas. Em 1555, ocorreu a invasão francesa no Rio de Janeiro, onde foi fundada a França Antártica, e sem recursos para conter os invasores, o governador-geral perdeu a autoridade e sua administração ficou enfraquecida. Durante o seu governo, ele acabou com os conflitos entre os colonos e jesuítas e estimulou a lavoura de exportação, promoveu uma campanha para destruir a França Antártica, e com isso fundou a segunda cidade do Brasil, a São Sebastião do Rio de Janeiro, em 1565.
  49. 49. Com o intuito de defender o território brasileiro, o governador português dividiu a colônia brasileira em duas áreas: Estado do Maranhão, capitania em São Luís e Estado do Brasil, capitania em Salvador. Para administrar as vilas e cidades brasileiras, criou também as câmeras municipais, onde eram escolhidos por sorteio entre os “homens bons” (proprietários de terras e escravos) vereadores para essas câmeras. Enquanto o governador cuidava dos interesses econômicos e administrativos da colônia, a Igreja expandia o catolicismo, ensinava hábitos europeus de trabalho e comportamento entre indígenas e africanos. O principal objetivo da ordem dos jesuítas era divulgar o catolicismo na Europa, África, Ásia e América. No Brasil a ordem direcionou suas atenções para catequizar as crianças, assim conquistaria os adultos. Fundaram colégios nas principais vilas e cidades do Brasil, e se tornaram missionários oficiais da coroa portuguesa. Além da ordem dos jesuítas, entraram em terras brasileiras as ordens dos franciscanos carmelitas, capuchinhos e oratorianos.
  50. 50. 1.28. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE AS GRANDES NAVEGAÇÕES O que foram as grandes navegações? Conjunto de viagens marítimas de longa distância feitas pelos europeus durante os séculos XV e XVI. Perigos enfrentados  Reais Ventos desfavoráveis; Ameaça de encalhe; Lugares desconhecidos; Fome e sede; Doenças; Resumo em tópicos para facilitar o estudo dos alunos sobre o tema “ As Grandes Navegações”. Aplicado em 20/10/2014
  51. 51.  Imaginários  Crença de que a terra era achatada como uma pizza e que aquele que se afastasse muito do litoral cairia em um abismo;  Crença de que na altura da linha do equador os navios se incendiariam;  Crença de que o mar era habitado por monstros terríveis. Motivos  Econômico Desejo de encontrar um novo caminho para o Oriente (região produtora de especiarias e artigos de luxo). Pois, no século XIV, o comércio com o Oriente era controlado em grande parte por árabes e italianos. Os árabes traziam os produtos do Oriente até os portos do Mediterrâneo, onde os italianos compravam e revendiam os produtos na Europa a um preço bastante elevado.  Religioso Desejo de expandir a fé cristã para outros continentes.
  52. 52. Os pioneiros  Portugual Através do apoio de capitães experientes, de estudiosos e de construtores de navios, os portugueses contornaram a África para chegar ao Oriente. Em 1498, Vasco da Gama chega à Índia e de volta à Lisboa traz pimenta, canela e gengibre. Com a venda dessas especiarias, os investidores obtiveram grande lucro. A partir de então, todos os anos expedições saíam de Lisboa em direção ao Oriente em busca de especiarias, tornando-se esta a principal fonte de renda do governo português.  Espanha Os reis espanhóis, que também buscavam um caminho marítimo para o Oriente, aprovaram o plano do navegador genovês Cristóvão Colombo. O plano consistia em encontrar o Oriente navegando em direção ao Ocidente, ou seja, dando a volta no mundo. Pois Cristóvão acreditava que a terra era redonda e menor do que é. No meio do caminho, acreditando ter chegado às índias, Colombo encontra em 12 de outubro de 1942, um continente “novo” para os europeus – a América.
  53. 53. O Tratado de Tordesilhas Acordo firmado entre Espanha e Portugual que estabeleceu a divisão de terras – encontradas e as que viessem a ser encontradas – entre os dois países. O Tratado de Tordesilhas riscou no mapa uma linha imaginária a 370 léguas das Ilhas do Cabo Verde, onde as terras a oeste pertenceriam à Espanha e as terras a leste pertenceriam a Portugual. Porém, o Tratado de Tordesilhas não foi aceito pela França, Inglaterra e Holanda, que continuaram a enviar expedições para a América, África e Ásia. As terras brasileiras Em 9 de março de 1500 envia a expedição comandada por Pedro Álvares Cabral para às Índias. Em 22 de abril de 1500 foi avistado um monte verde-azulado de formas arredondas, ao qual foi dado o nome de Monte Pascoal. Depois de tomar posse das terras brasileiras, Cabral enviou um navio de volta a Lisboa levando a carta de Pero Vaz de Caminha (escrivão da armada), a qual registrava as primeiras impressões sobre a terra encontrada.
  54. 54. Consequências das Grandes Navegações  Ampliação do comércio mundial;  Ascensão dos países banhados pelo Atlântico, como Portugual, Espanha, Inglaterra, França e Holanda;  Construção de impérios coloniais europeus na África, Ásia e América;  Convivência entre as diferenças dos povos da Europa, África, Ásia e América.
  55. 55. 1.29. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE CONTRARREFORMA. Ficha de resumo a respeito da Contrarreform a. Instrumento facilitador para os alunos do estudo dos temas envolvidos. Aplicado em 21/08/2014 . A Contrarreforma ou Reforma Católica O que foi? Movimento religioso de reação contra o avanço do protestantismo. Concílio de Trento Preocupados com os avanços do protestantismo e com a perda de fiéis, as lideranças católicas reuniram-se na cidade italiana de Trento para traçar um plano de reação. Essa reunião foi denominada de Concílio de Trento. No Concílio de Trento ficou definido:  Reafirmação do poder do papa;  Manutenção dos sete sacramentos;  Proibição do casamento para padres e freiras;
  56. 56.  Criação de seminários para a formação de padres;  Catequização dos habitantes de terras descobertas, através da ação dos jesuítas;  Reativação do Tribunal do Santo Ofício – Inquisição – para punir e condenar os acusados de heresias. Nesse tribunal os suspeitos eram chamados a depor, podendo ser condenado à perda de bens, a prisão perpétua ou à morte na fogueira;  Criação do Index Librorium Proibitorium (Índice de Livros Proibidos) para evitar a difusão de ideias contrárias à Igreja Católica. A Ordem dos Jesuítas Fundada em 1534 pelo militar espanhol Inácio de Loyola. Os jesuítas dedicaram-se a divulgar o Catolicismo e evangelizar os povos da Ásia, África e América, criando para isso vários colégios em muitos países.
  57. 57. O CASAMENTO NA IDADE MEDIEVAL O casamento na Idade Média tinha uma importância fundamental em vários aspectos da vida de um individuo tanto no que diz respeito ao âmbito familiar, como econômico e politico. Todavia, este ato social não tinha nada haver com o amor, paixão, ou sexo. Há preocupação que predominava no seio familiar era não descentralizar a herança familiar. Após o casamento a mais nova família formada não iria para uma nova casa, já que na maioria das vezes, iam para a casa do pai do noivo ou da noiva caso ela não possuísse irmãos, porque a construção de uma nova casa era complicada, então começaram a se formar verdadeiras “comunidades familiares”. 1.30.TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE O CASAMENTO NA IDADE MÉDIA Texto introdutório com o objetivo de refletir sobre um dos aspectos da cultura medieval: O casamento. Aplicado em 07/05/2014.
  58. 58. Nesse contexto, o casamento era a forma mais fácil de formar e manter alianças, os casais algumas vezes chegavam a ser prometidos um ao outro ainda no berço, pois esta era uma forma do pai da noiva escolher quem, de certa forma, o iria suceder. No caso de uma menina órfã, suas terras eram administradas por outra pessoa até ela completar idade de casar (entre 13 ou 14 anos de idade). Se ela recusasse o noivo escolhido, a única alternativa que sobrava era um convento. Para a Igreja Católica, o casamento deveria ser realizado por vontade própria tanto do noivo quanto da noiva, e depois que o casamento fosse realizado e consumado não poderia mais ser desfeito. Portanto, o divórcio estava fora de cogitação, aliás, ele nem existia, a única exceção ocorreria caso fosse descoberto um grau de parentesco bastante próximo entre os cônjuges, o que resultaria na anulação do matrimônio. O casamento era para vida toda, não importava se a mulher era perturbada e preguiçosa ou se o homem era um libertino e bêbado, um tinha que aguentar o outro até o último segundo de suas vidas. Um comportamento contrário ao discurso da Igreja acarretava numa “excomunhão e em uma reprovação social”.
  59. 59. A escolha da noiva era realizada pelas pessoas mais próximas da família, principalmente o pai e a mãe. O noivado era uma cerimônia bastante importante, sendo inclusive, registrado pela igreja. Havia a troca de anéis, o homem recebia um e a mulher outro, ambos juravam fidelidade eterna e era perguntado se juravam casar-se um com o outro. Esta celebração era finalizada em, aproximadamente, 40 dias depois haveria a realização do casamento. O casamento se diferenciava muito pouco do noivado, sendo iniciado durante o dia. Os noivos se vestiam com suas melhores roupas, poderiam usar qualquer cor de vestido. A cor que as mulheres preferiam era o vermelho, mas como um tecido com esta cor custava muito carro, apenas as mulheres ricas utilizavam um vestido desta tonalidade. A esposa entrava na igreja do lado esquerdo do noivo, era uma precaução, pois caso alguém tentasse roubá-la ele estaria com a mão direita livre para sacar a espada e defender sua “pobre e indefesa” mulher. Assistiam a missa e eram cobertos pelo véu nupcial. Após todo esse ritual todos iam festejar, jogavam sobre o casal grão de arroz que tinham como finalidade desejar fertilidade, eles diziam: “plenté, plenté” significava abundância. Em casa havia um grande festejo com vinho, comida e diversão. O padre benzia com água benta o leito nupcial. O casamento só era consumado no segundo dia.
  60. 60. Quando o casamento era do senhor feudal ou de um rei, as festas duravam dias, havia distribuição de comida e os vinhos ficavam nas fontes públicas, porém todos participavam dos gastos (D’ Haucourt, 1944). As pessoas levavam bolos e conforme eles iam chegando eram colocados um em cima do outro, daí veio a inspiração para o bolo de casamento da forma que ele é hoje, isto é, bolos com vários andares. No século XIV, as mulheres começaram a praticar a arte de jogar o buquê, era uma maneira de dar a sorte do casal às amigas e ajudá-las a conseguirem um bom casamento. Os buquês surgiram bem antes na Grécia e na Roma antiga, porém na Idade Medieval ganham novo significado, pois se antes eram formados por ervas para espantar os maus espíritos, na Idade Média a noiva recebia as plantas dos convidados tendo como significado desejar boa sorte e desejar felicidade. Mais tarde foi trocada por flores que simbolizavam a fertilidade.
  61. 61. 1.31. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE O ÊXITO HISPÂNICO NAS GRANDES NAVEGAÇÕES América Hispânica: razões do êxito Ibérico Se levarmos em conta o fato de que, ao pisar em território americano, os europeus eram numericamente inferiores aos nativos – Cortés, por exemplo, chega ao México com pouco mais de quinhentos homens; Pizarro, por sua vez, levava consigo cerca de 180 homens quando de sua entrada no Peru – perceberemos, com clareza que, para obter êxito no empreendimento da colonização, os conquistadores espanhóis contaram com variados fatores. A seguir, evidenciaremos alguns deles. Dentre os motivos que justificariam a vitória hispânica, encontra-se a morte de inúmeros nativos, provocada pelos micróbios e doenças trazidas pelos europeus; a exemplo disso temos a varíola e o sarampo. Sedentários, os índios não estariam imunologicamente preparados para enfrentar e sobreviver a tais enfermidades. Em contrapartida, os europeus, experientes no contato com diferentes povos e localidades, teriam desenvolvido imunidade suficiente para lidar com as diferentes mazelas sem maiores danos. Texto introdutório a respeito dos fatores que contribuíram para o “êxito hispânico” nas grandes navegações e a colonização na América. Aplicado em 17/11/2014 .
  62. 62. Contudo, as mortes causadas pelas doenças, por si sós, não seriam suficientes para tornar os espanhóis numericamente superiores, de modo que, estes precisaram valer-se de outras estratégias de conquistas. Assim, para derrubar, respectivamente, os impérios asteca e inca, Cortés e Pizarro tiveram a astúcia necessária em perceber as fragilidades e falhas internas desses povos, aliando-se aos revoltosos, quando os chefes indígenas renegavam-se a aliar-se a eles (os europeus). Inserindo-se na sociedade e conhecendo os pontos fracos dos nativos, os conquistadores hispânicos estimulavam a discórdia e, mesmo a guerra, entre esses povos, de modo a fragmentá-los. Certos de que eram divinamente escolhidos para o empreendimento da conquista, os espanhóis contavam, ainda, com a superioridade bélica, caracterizada pela utilização de armas de fogo.
  63. 63. 1.32. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE O NASCIMENTO NA IDADE MÉDIA Durante o período designado como Idade Média a sociedade européia construiu muitos de seus valores culturais, os quais se espalharam por grande parte do mundo e são, até os dias atuais, plenamente perceptíveis. Nesse contexto está inserida a temática do nascimento, onde vários aspectos relacionados ao mesmo se mantiveram e chegaram até nós. No período supracitado a taxa de natalidade era alta. A igreja detinha o poder econômico, político, jurídico e social. Assim, partia principalmente da referida instituição dominante a influência de gerar vários filhos. Eram comuns a presença de imagens religiosas e vitrais que “representavam a maternidade da Virgem Maria”, além de imagens do nascimento de uma criança dentro de uma família burguesa. Texto introdutório com o objetivo de facilitar a ‘entrada’ do aluno no período da História que compreende uma fatia de 10 séculos de experiência humana. Nesse sentido, o texto visa refletir sobre o ‘nascimento’ na Idade Média. Aplicado em 07/05/2014.
  64. 64. As famílias tinham muitos filhos, pois forneciam homens para os mosteiros, as cruzadas, bem como para inúmeras guerras do período. Eram estas últimas, juntamente com as pestes e catástrofes naturais, as responsáveis pelo controle da natalidade tendo em vista a alta taxa de mortalidade advinda das mesmas. O nascimento de uma criança requeria cuidados bastante peculiares. Após a chegada, o bebê era enfaixado, seus cueiros eram fechados e colocava-se uma touca em sua cabeça. Devido ao incômodo provocado pelos cueiros, às crianças choravam e, para acalmá-las buscava-se acalentá-los, movendo-as nos braços. Nas famílias mais pobres os berços eram produzidos com troncos de arvores que eram esvaziados. Nas famílias mais ricas podiam ser feitos de madeira ou de metais preciosos. As mesmas eram colocadas em berços, os quais eram produzidos com troncos de árvores esvaziados, nas famílias mais pobres. Enquanto nas famílias mais ricas podiam ser feitos de madeira, como também a partir de metais preciosos. Logo após o nascimento, buscava-se batizar a pequena criança para inseri-la no caminho do “bem-estar” religioso.
  65. 65. Para o rito inicial da criança na vida cristã escolhia-se dois ou três padrinhos, em média, os quais tinham a incumbência escolher o nome da criança. Na cerimônia batismal o corpo da criança, completamente nu, era mergulhado rapidamente dentro da pia batismal e, após emergido, enxuto e vestido. Somente entre os séculos XII e XV optou-se por colocar apenas a cabeça na água, assim como se faz atualmente na Igreja Católica. Oficialmente iniciada no cristianismo, a criança era levada até a mãe – que a recebia com muito amor e carinho – e a esta era revelado o nome do seu filho. A partir daí dava-se início as comemorações, onde os vizinhos eram convidados. Se o nascimento fosse de um príncipe, os súditos eram convidados, e a boa nova era levada para as regiões circunvizinhas. O mesmo era anunciado pelo tocar dos sinos, além das missas que eram celebradas. Até os prisioneiros eram libertados e os festejos aconteciam com danças, onde também eram acesas fogueiras. O nascimento de um príncipe era anunciado pelo soar de sinos. Celebravam-se missas e convidavam-se todos os súditos para levar a boa nova às cidades circunvizinhas.
  66. 66. Vale ressaltar que, até mesmo os prisioneiros eram libertados em favor dos festejos regados à dança e iluminados por fogueiras cujo calor se fazia compatível ao estado de espírito daqueles ali presentes. A genitora do novo cristão, após conceder o filho ao mundo, repousava até recuperar suas forças. Durante esse período recebia a visita de amigas, e se a família a qual pertencia fosse rica, todo tesouro que possuíam seria colocado no quarto para fascinar todos que a viessem cumprimentá-la. Entre esses objetos estavam peles, pratarias, sedas, entre outros. Ao recuperar-se antes de voltar para as atividades cotidianas, a mulher ia até a igreja para receber as preces de purificação – atitude a qual era obrigada a realizar, visto que sem passar por essas preces não poderia voltar a participar da sua religião. Grande parte das mães assumia a responsabilidade de cuidar e de amamentar seus filhos. Porém, algumas mulheres, principalmente da nobreza, não costumavam se preocupar com essas tarefas. Motivadas por falta de interesse, bem como por falta de experiência com bebês ou ainda por conta de seus afazeres, as mães contavam com uma Ama-de-leite para realizar as referidas atividades maternas.
  67. 67. Nesse sentido, percebe-se que a influência religiosa se fez sentir no dia-a-dia europeu na Idade Média, onde o papel político, social, bem como o familiar era exercido pela Igreja. Além de outros ícones do cotidiano, o nascimento girou em torno das construções ideológicas produzidas por esta instituição. E no que se referem a esse aspecto da vida medieval, muitas das práticas tem sua base na época aqui retratada e da mesma até a temporalidade atual observa-se a semelhança, quando não a manutenção destas práticas.
  68. 68. 1.33. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE OS MEDOS NA IDADE MÉDIA O MEDO DO HOMEM MEDIEVAL O homem medieval tinha medo, praticamente, de tudo, dentre todos esses medos, estava o medo do anticristo e do fim do mundo. O medo do fim do mundo se expandia graças às desgraças que sempre estavam presentes, seriam sinais para demostrar que o fim do mundo estava cada vez mais próximo. Inclusive, acreditava-se que as pestes eram punições divinas advindas do grande número de pecados praticados pela população. Diante de tanto mal eles tinham que ter alguém para culpar: satanás. Que ao mesmo tempo em que era temido, também, era considerado como tudo de ruim que poderia existir abaixo do céu. E como não era de surpreender o diabo estava ligado com o fim do mundo. Em meio a esse contexto, podemos afirmar que “o pai da mentira” tinha duas interpretações: uma popular e uma helenista. Texto facilitador com o objetivo de trazer alguns apontamentos sobre a mentalidade do Homem medieval. Destaque para os elementos que caracterizam os ‘medos’ que assolavam o imaginário medieval. Aplicado em 07/05/2014 .
  69. 69. Como senão bastasse, “o diabo ainda tinha pessoas que o ajudavam” como os idolatras, mulçumanos, os convertidos e os judeus. As mulheres eram as mais propícias a se inclinarem as tentações que os demônios impunham. A maior confirmação dessa afirmativa para os pensadores misóginos da época é de que fora através da mulher que o caos se instaurou no mundo. Por meio dessa ideologia a mulher passou a ser temida. O medo em relação à mulher partia do pressuposto, do que ela produzia no homem, dos desejos da luxúria. A mulher era considerada extremamente maliciosa, briguenta, falsa e faladeira, ou seja, possuía características de pessoas malignas. O medo era tamanho que a mulher era acusada por um pequeno, ou por algo que fosse entendido como, desvio de bruxa, feiticeira, servidora dos preceitos satanistas. Para concluir, podemos afirmar que na Idade Média tudo que não fazia parte do mundo cristão provocava receio, por que caso não fosse cristão, não era divino. A visão de mundo que eles tinham não permitia que eles conhecessem várias verdades, mas sim apenas uma única verdade imutável, que não podia ser questionada nem por meio de palavras e nem em pensamentos, pois ambos eram vigiados, ora pelo homem, ora por Deus.
  70. 70. 1.34. TEXTO INTRODUTÓRIO SOBRE REFORMA PROTESTANTE O que foi? Movimento religioso ocorrido após a Idade Média, no mesmo período do Renascimento – século XVI, que provocou a divisão da cristandade dando origem às Igrejas Protestantes. Causas/Fatores Dentre os motivos que levaram ao descontentamento com a Igreja podemos citar:  Insatisfação dos reis e príncipes: os reis queriam livrar-se da intromissão do papa nos negócios de seus reinos;  Descontentamento da burguesia: o lucro e os juros eram condenados pela Igreja, o que atrapalhava o crescimento dos negócios dos burgueses; Ficha de resumo com as principais ideias do movimento reformista na Europa durante os séculos XV e XVI. Aplicado em 21/08/2014
  71. 71.  Abusos cometidos pela Igreja: a Igreja, apegada aos bens materiais, valorizava o luxo. Além disso, recorria a práticas abusivas como a venda de cargos eclesiásticos, por isso os padres tinham geralmente pouca instrução e nenhum preparo religioso para orientar os fiéis; o comércio de objetos religiosos através da venda de falsas relíquias; e a venda de indulgências (perdão dos pecados em troca de uma doação em dinheiro à Igreja). Principais nomes:  Martinho Lutero e a Reforma Luterana (Alemanha) O monge alemão Martinho Lutero foi um dos primeiros a discordar da doutrina da Igreja Católica. Revoltou-se contra a venda de indulgências e com isso fixou na porta da Igreja de Wittenberg as 95 teses que criticavam vários pontos da doutrina católica. Lutero fundou uma igreja com sua própria doutrina: a salvação das pessoas se dá pela fé em Deus; a Bíblia é a única fonte confiável; reconhece como sacramentos apenas o batismo e a eucaristia; é condenado o culto aos santos; reconhece que qualquer membro da Igreja pode se casar.
  72. 72.  João Calvino e a Reforma Calvinista (Suíça) Calvino defendeu a ideia da predestinação (a pessoa nasce com sua vida definida). De acordo com Calvino a salvação da alma ocorria pelo trabalho justo e honesto. A valorização do trabalho, de uma vida disciplinada e do hábito de guardar dinheiro atraiu muitos burgueses e banqueiros para o Calvinismo. Dessa forma, a valorização do estilo de vida burguês contribuiu para a rápida expansão do Calvinismo na Europa.  Henrique VIII e a Reforma Anglicana (Inglaterra) Na Inglaterra, o rei Henrique VIII rompeu com a Igreja de Roma, após o papa se recusar a cancelar o seu casamento com Catarina de Aragão. Henrique VIII casou-se com Ana Bolena e fundou a Igreja Anglicana; confiscou as terras e os mosteiros da Igreja e os vendeu ou presenteou aos nobres e burgueses que o apoiaram, aumentando seu poder e suas posses.
  73. 73. 2. PRODUÇÕES BIBLIOGRÁFICAS
  74. 74. 2.1. ARTIGO “A CRIAÇÃO DE HQS NO ENSINO DE HISTÓRIA: FERRAMENTA DIDÁTICA PROPULSORA DA APRENDIZAGEM” O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358-8829.
  75. 75. 2.2. ARTIGO “’ARTEDÓ’: TECENDO O SABER HISTÓRICO DE FORMA DINÂMICA” O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358-8829.
  76. 76. 2.3. ARTIGO “CAMINHOS DO SERTÃO: O TEATRO E O ENSINO DE HISTÓRIA” O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358- 8829.
  77. 77. 2.4. ARTIGO “HISTÓRIA EM QUADRINHOS (HQ) E ENSINO DE HISTÓRIA: OS USOS DAS HQS ENQUANTO RECURSO DIDÁTICO” O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358-8829.
  78. 78. 2.5. ARTIGO “HQ ENQUANTO FONTE HISTÓRICA NO ENSINO DE HISTÓRIA” O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358-8829.
  79. 79. 2.6. JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA O artigo foi apresentado no CONEDU (18 a 20 de setembro 2014) e está publicado no e-book organizado pelo evento. Anais I CONEDU - (2014) - Volume 1, Número 1, ISSN 2358-8829.
  80. 80. 3. PRODUÇÕES ARTÍSTICO- CULTURAIS
  81. 81. 3.1. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS CRUZADAS I Construção de Histórias em Quadrinhos (HQs) utilizando o tema Conflitos entre árabes e cristãos nas Cruzadas. Os alunos foram incentivados a colocarem em ação a “imaginação histórica”. Nesta atividade fica patente a interdisciplinaridade entre História, Educação Artística e Língua Portuguesa. Aplicada no dia 19/05/2014 .
  82. 82. 3.2. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS CRUZADAS II 0 Construção de Histórias em Quadrinhos a partir do tema estudado em sala de aula: Cruzadas. Os alunos foram estimulados a criarem suas próprias narrativas históricas a partir do que aprenderam no decorrer do conteúdo estudado. Interdisciplinaridade com Língua portuguesa – produção textual – e Educação artística – criação de imagens. No dia 19/05/2014 aplicado à turma de 7° ano.
  83. 83. 3.3. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS CRUZADAS III Fabricação de HQ mostrando o cotidiano de Guerras das Cruzadas. A produção teve como base as aulas expositivo-dialogadas realizadas no decorrer do primeiro semestre. Para a construção dessa HQ os alunos basearam-se sobretudo em uma imagem presente no livro didático. Interdisciplinaridade com Língua portuguesa – produção textual dos alunos – e Educação artística – criação de desenhos. Aplicada no dia 19/05/2014.
  84. 84. 3.4. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS CRUZADAS IV Produção de HQ a partir de uma ressignificação por parte dos alunos da narrativa histórica primeira. Nesta produção os alunos ‘nordestinizaram’ a narrativa medieval e a transformaram a partir de sua inserção cultural. A atividade deixou transparecer atualização da narrativa histórica a partir do lugar social dos alunos. Aplicada no dia 19/05/2014.
  85. 85. 3.5. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS CRUZADAS V Produção de HQ a partir do conteúdo estudado como ferramenta de aprendizagem e metodologia de avaliação contínua dos alunos. Haja vista, a construção das histórias em quadrinhos pelos alunos da Escola Argemiro de Figueiredo nos possibilitar a observação a apropriação que os mesmos realizaram das narrativas históricas apresentadas em sala. No dia 19/05/2014 aplicado à turma de 7° ano.
  86. 86. 3.6. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS GRANDES NAVEGAÇÕES I Atividade realizada com os alunos relacionando literatura (poema) e conteúdo Histórico para construção de HQs sobre “As Grandes Navegações” com base no poema de Fernando Pessoa “Mar Português”. Referente ao dia 22/09/2014.
  87. 87. Produção de uma pequena HQ com base no poema de Fernando Pessoa “Mar Português”, na presente produção o alunos buscam retratar os temores dos viajantes que se dirigiam ao Atlântico, demonstrando total capacidade interpretativa das aulas expostas e dos trechos do Poema. Atividade realizada em 22/09/2014. 3.7. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS GRANDES NAVEGAÇÕES II
  88. 88. Tal como em outras produções, aqui também os alunos tiveram a liberdade de usar a criatividade, entretanto sempre com base no livro didático e no poema que lhes foram apresentados. Atividade produzida por um dos alunos em 22/11/2014. 3.8. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS GRANDES NAVEGAÇÕES III
  89. 89. Depreende-se que a produção das HQs pelos alunos, despertou-os para escrita, leitura e trabalho em equipe, sabendo-se que a referida atividade foi desenvolvida em duplas em 22/09/2014. 3.9. HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: AS GRANDES NAVEGAÇÕES IV
  90. 90. 4. PRODUÇÕES DESPORTIVAS E LÚDICAS
  91. 91. 4.1. JOGO “5 DAS 95 TESES DE LUTERO” COM A TEMÁTICA REFORMA PROTESTANTE Criação de um tabuleiro lúdico onde os alunos deveriam escolher entre dezenas de informações misturadas, aquelas referentes as 95 teses de Martinho Lutero. O jogo foi construído como instrumento facilitador da aprendizagem dos alunos a respeito da Reforma Protestante. Foi aplicado em 25/08/2014. Fonte: Arquivo PIBID,2014 Foto: Tissiane Gomes
  92. 92. 4.2. JOGO “A JORNADA” COM TEMÁTICA REFORMA PROTESTANTE Produção e aplicação do jogo “A Jornada”. Este jogo foi criado com o objetivo de conduzir os alunos a conectarem a produção das ideias reformadoras aos seus respectivos espaços – países – e temporalidades. O jogo produzido sobre uma réplica do mapa europeu permitiu que os alunos compreendessem a construção das ideias reformadoras ao mesmo passo que os estimulavam no conhecimento geográfico. Realizado no dia 25/08/2014.
  93. 93. 4.3. JOGO “ARTEDÓ” COM A TEMÁTICA RENASCIMENTO Foi criado um dominó lúdico a partir de obras de pintores renascentistas e do autorretrato destes pintores. O jogo funcionando como outro facilitador do aprendizado a nos aproximar dos alunos, assim como um útil instrumento avaliativo do conhecimento adquirido referente a temática do período da Renascença. Foi aplicado em 28/07/2014.
  94. 94. 4.4. JOGO DA MEMÓRIA COM TEMÁTICA RENASCIMENTO II “Jogo da Memória renascentista em Imagens”. O jogo foi construído a partir das técnicas ensinadas na oficina sobre o uso do Power Point ministrada pelo PIBID-História no âmbito do ciclo de debates deste – Clio às terças. Desta forma, o Jogo criou as condições de possibilidade de um aprendizado interativo, lúdico e mais estimulante aos alunos a respeito do conteúdo proposto, baseado no livro didático abre novos caminhos para um enxergar da arte e os discursos que a permeiam. Realizado no dia 28/07/2014.
  95. 95. 4.5. JOGO “QUEM DISSE O QUÊ?” COM A TEMÁTICA REFORMA PROTESTANTE Produção de jogo sobre as principais ideias reformadoras. Neste jogo os alunos deveriam afixar abaixo da imagem de cada personagem histórico (Lutero, Calvino, Henrique VIII, Paulo III) as ideias correspondentes as suas teses/práticas. Além de produzir um conhecimento interacionista o jogo visa permitir ao aluno uma melhor compreensão das transformações religiosas e suas permanências nos dias de hoje. Realizado em 25/08/2014.
  96. 96. 4.6. PALAVRAS CRUZADAS COM A TEMÁTICA SOCIEDADES INDÍGENAS NO BRASIL Atividade desenvolvida em 24/11/2014 no formato de cruzadinha sobre os nativos brasileiros e seus primeiros contatos com os portugueses.
  97. 97. 5. CONCLUSÃO Diante das experiências vividas em sala de aula na Escola Estadual Argemiro de Figueiredo, com alunos do 7º ano do ensino fundamental II, no âmbito do PIBID/HISTÓRIA/UEPB destaca-se alguns apontamentos. O programa possibilita a aproximação entre as Instituições de Ensino Superior (IES) e as escolas públicas; e através do diálogo com a realidade cotidiana das escolas públicas, proporciona a preparação do bolsista ou futuro professor, contribuindo de tal maneira com a melhoria do ensino das escolas envolvidas no programa.
  98. 98. Nesse sentido, o PIBID se configurou para nós como uma rica experiência ao fornecer embasamento teórico e prático para as experiências que permeiam o contexto escolar. Tendo em vista que a formação docente dá-se, também, por conflitos existentes no contexto escolar, vivenciar o contato direto com a realidade de uma escola pública, contribuiu significativamente para nossa formação, pois futuramente estaremos imersos na referida realidade. Ao mesmo tempo que é desafiadora, a formação acadêmica através do PIBID também se dá de forma estimulante ao exigir do discente empenho, dedicação, bem como colaboração para execução das atividades sugeridas e desenvolvimento de propostas pedagógicas inovadores que auxiliem o professor em sua prática cotidiana escolar.
  99. 99. A participação no programa ocasionou uma formação profissional mais completa através dos incentivos com relação à pesquisa – produções científicas desenvolvidas, tais como publicações de artigos, participações em eventos e etc. – além da formação docente de maneira crítica e reflexiva à medida que possibilitou a vivência de contextos e conflitos que permeiam a prática docente. Dessa maneira, as ações baseadas numa relação dialógica entre todos os atores envolvidos no processo de intervenção pedagógica em foco, ressaltou a importância de vivenciar, ponderar e renovar as práticas de ensino com vistas a atender a demanda que se constitui a favor da educação emancipadora, expressiva e democrática, ou seja, um desafio que se propõe para o professor do século XXI.
  100. 100. Ressignificar o ensino é preciso, é um processo continuo, é o ato de não acomodar-se. Obrigada !

×