SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Eunápolis - BA
2015
AGUINALDO GOMES DE SOUZA, ELENILTON DE SOUSA FREITAS,
ELOISA SALA DE OLIVEIRA AMARAL, VALDINEI PINHEIRO DOS
SANTOS
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
CURSO SUPERIOR DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE
SISTEMAS
PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO - BIBLIOAPP
Eunápolis – BA
2015
PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO - BIBLIOAPP
Trabalho de Análise e Desenvolvimento de Sistemas
apresentado à Universidade Norte do Paraná -
UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de
média bimestral na disciplina De Projeto Orientado a
Objetos, Engenharia e Projeto de Software,
Programação para Web II.
Orientador: Márcio Roberto Chiaveli,
Luis Claudio Perini,
Marco Ikuro Hisatomi,
Veronice de Freitas.
AGUINALDO GOMES DE SOUZA, ELENILTON DE SOUSA FREITAS,
ELOISA SALA DE OLIVEIRA AMARAL, VALDINEI PINHEIRO DOS
SANTOS
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................3
2 OBJETIVO.................................................................................................................4
3 DESENVOLVIMENTO...............................................................................................5
4 CONCLUSÃO..........................................................................................................15
REFERÊNCIAS..........................................................................................................16
1 INTRODUÇÃO
Neste trabalho, apresentaremos uma proposta de desenvolvimento
de software para o empresário Sr. Freitas, proprietário da Macrosoft
Desenvolvimento e Informática, cujo principal produto é o BiblioTECH2.0, um
sistema de gerenciamento de bibliotecas que funciona em nuvem.
O software proposto trata-se de um aplicativo, denominado
BiblioAPP, que controla a data de empréstimo e devolução, emitindo um aviso
sonoro 24, 12, 6 e 3 horas antes do final do prazo para a devolução de livros para a
biblioteca parceira.
Este documento apresenta o documento de projeto (design) do
sistema de apoio às atividades da BiblioTECH2.0. Essa atividade foi conduzida em
refinamentos sucessivos, começando pelo projeto da arquitetura do sistema,
passando ao detalhamento dos componentes da arquitetura, até chegar ao projeto
detalhado das classes.
3
2 OBJETIVO
Visando a complementação de um sistema já existente, foi
elaborado uma proposta para o desenvolvimento de um sistema para lembretes de
devolução de livros de uma biblioteca,
O atual sistema conta com um gerenciamento de estoque e
empréstimo de livros. Ao utilizar o sistema notou-se a necessidade da criação de
uma aplicação web para o alerta informando a devolução do livro para o cliente que
o pegou emprestado.
4
3 DESENVOLVIMENTO
Nesse projeto será realizada a entrega de um aplicativo com completa
capacidade de operação. Está englobada nesse escopo a construção da aplicação e
a adaptação da empresa para atender as necessidades desse ramo de atividade.
Ao iniciar a elaboração do projeto, definimos que por já existir um
sistema e este efetuar a exportação de um arquivo XML contendo as informações,
foi proposto que a nova aplicação receberia essas informações pelo arquivo
exportado.
3.1 PROJETO DE ARQUITETURA
O aplicativo em questão trata-se de um sistema que envolve uma grande
quantidade de dados e sua gerencia será feita utilizando um banco de dados
PostgreSQL. Os usuários acessarão os dados sem concorrência utilizando a internet
e este aplicativo estará integrado ao sistema de bibliotecas nas nuvens.
Como se pode perceber pela especificação de requisitos para o sistema em
questão, não há grandes restrições de desempenho e disponibilidade. Assim,
levando-se em consideração os requisitos para o sistema proposto, foram
considerados como os principais atributos de qualidade a serem incorporados ao
sistema os seguintes, apresentados juntamente com as táticas a serem aplicadas:
• Usabilidade:
As interfaces do sistema permitem, sempre que possível, a entrada por
meio de seleção ao invés da digitação de campos.
• Segurança:
Autenticar usuários usando login e senha;
Limitar a exposição, disponibilizando pela Internet somente
funcionalidades de consulta ao prazo de devolução.
O aplicativo em questão não será organizado por módulos, devido à sua
simplicidade, mas usaremos o modelo de repositório. O aplicativo desenvolvido e o
sistema de biblioteca já existente devem trocar informações de modo que possam
trabalhar juntos eficientemente. Esse modelo é, portanto, adequado para aplicações
5
em que os dados são gerados por um sistema e usados por outro. O repositório é
passivo e o controle é de responsabilidade dos subsistemas que o usam.
Também será necessário a utilização de modelos orientados a interrupções.
Isso será preciso para requisições em tempo real, nas quais as interrupções
externas são detectadas por um trator de interrupções. A vantagem dessa
abordagem é que ela permite respostas muito rápidas aos eventos a serem
implementados.
Para o desenvolvimento do aplicativo BiblioAPP optou-se pela arquitetura de
cliente-servidor, por que a vantagem de um modelo cliente servidor é que ele é uma
arquitetura distribuída. O uso efetivo de sistemas em rede pode ser feito com muitos
processadores distribuídos. É fácil adicionar um novo servidor e integra-lo ao
restante do sistema. A figura 1 demonstra a arquitetura cliente-servidor.
Figura 1 – Arquitetura cliente-servidor
Também será usado na Arquitetura de aplicações o sistema de
processamento de linguagem. Em engenharia de software, os sistemas de
processamento de linguagens mais amplamente usados são os compiladores que
traduzem uma linguagem artificial de programação de alto nível em código de
maquina. Mais outros sistemas de processamento de linguagens traduzem uma
descrição de dados XML em comandos para consultar um banco de dados e
sistemas de processamento de linguagem natural que tentam traduzir uma
linguagem em outra.
No nosso caso, o sistema da biblioteca criará um XML com os dados básicos
de locação do livro e nosso aplicativo irá baixar e ler esse XML em determinado
6
intervalo de tempo para analisar a data da devolução do livro e então disparar o sinal
sonoro de acordo com os critérios pré-estabelecidos.
Gerenciamento de Configuraçoes:
Papéis Equipe Responsabilidade
Gerente de Configuração
Valdinei P. dos
Santos
Estabelecer Políticas de GC
Escrever Plano de GC
Configurar Ambiente de GC
Criar Espaços de Trabalho de
Integração
Criar Baselines
Promover Baselines
CCM
Aguinaldo G. de
Souza
Eloisa S. O. Amaral
Estabelecer Processo de Controle de
Mudanças
Revisar Solicitação de Mudança
Desenvolvedor
Elenilton de S. Freitas
Valdinei P. dos
Santos
Seguir os padrões e procedimentos
definidos no Plano de Gerência de
Configuração
Todos os Papéis:
Elenilton de S. Freitas
Valdinei P. dos
Santos
Enviar Solicitação de Mudança
Atualizar Solicitação de Mudança
Tabela 1: Responsáveis e Responsabilidades
As solicitações de mudanças das Baselines serão realizadas através da
ferramenta Issues disponibilizada pela Google através do endereço do repositório na
qual terá o seguinte fluxo:
Figura 2 – fluxo de mudanças das baselines
7
Status do Issues
Atividade Descrição Responsabilidade
Aberto
Criação da solicitação. Todos
Em Analise Análise da solicitação Analista de sistemas
Analisado Aguardando desenvolvimento Analista de sistemas
Em desenvolvimento Solicitação sendo desenvolvida Desenvolvedor
Desenvolvido Aguardando teste Desenvolvedor
Em testes Solicitação em teste Testador
Testado com erro Aguardando desenvolvimento Testador
Testado sem erro Solicitação esperando finalização pelo
analista
Testador
Finalizado Solicitação finalizada Analista
O comitê de Controle de Mudanças (CCM) será formado por Analista de
sistemas e Gerente de Projetos. O backup do repositório deverá ser feito toda
semana pelo gerente de configuração. Os artefatos alterados durante a semana de
trabalho será armazenado em mídia de CD. Um para cada Mês.
Os CDs deverão conter a seguinte descrição: a data e hora e a periodicidade.
Liberação de release:
Basicamente os projetos irão ser desenvolvidos e testados na main-line. Para
gerar o release a versão em questão tem que estar devidamente testada, livre de
erro e aprovado pelo analista responsável.
8
3.2 EAP – ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO
A estrutura analítica do projeto é uma estrutura hierárquica que
representa graficamente as entregas do projeto, elaborando uma subdivisão das
entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente
gerenciáveis.
A EAP não é criada apenas para o gerente do projeto, mas para
toda a equipe de execução do projeto, bem como para as demais partes
interessadas tais como clientes e fornecedores.
Elaboramos então a seguinte EAP, veja a imagem 1.1:
Figura 1.1 EAP do Projeto
3.3 CRONOGRAMA E RELAÇÃO DOS ENVOLVIDOS
Visando o cumprimento dos prazos e do projeto como um todo, foi
elaborado um cronograma contendo prazos e metas a serem cumpridas, facilitando
o entendimento do projeto no seu todo e as tarefas a seus respectivos responsáveis.
9
Figura 2.1 Cronograma
3.3.1 PROGRAMAÇÃO PARA WEB II
Para o desenvolvimento do nosso sistema, foi utilizado alguns
frameworks.
3.3.1.1 XSTREAM
Para o uso de XML em persistência de dados, transmissão e
configuração, utilizamos o XStream, pela sua facilidade de uso e performance
elevada em comparação aos demais.
3.3.1.2 HIBERNATE
O objetivo do Hibernate é diminuir a complexidade entre os
programas Java, baseado no modelo orientado a objeto, que precisam trabalhar com
um banco de dados do modelo relacional (presente na maioria dos SGBDs). Em
especial, no desenvolvimento de consultas e atualizações dos dados.
Sua principal característica é a transformação das classes em Java
para tabelas de dados (e dos tipos de dados Java para os da SQL).
O Hibernate gera as chamadas SQL e libera o desenvolvedor do
trabalho manual da conversão dos dados resultante, mantendo o programa portável
para quaisquer bancos de dados SQL, porém causando um pequeno aumento no
10
tempo de execução.
O projeto, foi elaborado para ser o mais simples possível, facilitando
a utilização, não sendo necessário mudar completamente de sistema. O
funcionamento é simples, o cliente loga no sistema, veja a imagem 3.1.
Figura 3.1 Login do Sistema
Efetue o envio do XML, depois visualiza as informações dos
empréstimos, visto que o arquivo XML já foi carregado
Figura 4 Relatório de Empréstimos
.
11
3.3.2 PROJETO ORIENTADO A OBJETOS
Para facilitar o entendimento do estudo de caso, foi elaborado
diagramas, que são utilizados pela equipe.
Parte do código utilizado:
Figura 5 código-fonte
Figura 6 código-fonte
12
3.3.2.1 DIAGRAMA DE CLASSE
Descreve o objeto e as estruturas usadas pelo aplicativo
internamente, as informações não possuem referência a qualquer implementação
específica, simplesmente explicas as classes do sistema.
Figura 5.1 Diagrama de Classe
3.3.2.2 DIAGRAMA DE COMPONENTES
Ilustra como as classes deverão se encontrar, organizadas através
da noção de componentes de trabalho. Por exemplo, pode-se explicitar, para cada
componente, qual das classes que ele representa.
É utilizado para modelar os dados do código fonte, do código
executável do software, Destacar a função de cada módulo para facilitar a sua
reutilização e Auxiliar no processo de engenharia reversa, por meio da organização
dos módulos do sistema e seus relacionamentos.
13
Figura 6.1 Diagrama de Componentes
14
4 CONCLUSÃO
Neste trabalho fizemos a elaboração de um projeto de um produto
de software. Esta pesquisa trouxe conhecimentos que serão extremamente uteis
para quem pretende trabalhar com esse tipo de desenvolvimento. No conteúdo aqui
apresentado nos elaboramos uma proposta de projeto onde utilizamos da
Engenharia e Projeto de Software a EAP – Estrutura Analítica do Projeto, o
Cronograma das atividades para o desenvolvimento do projeto e a Relação dos
envolvidos, papéis dentro do projeto. Implementamos uma consulta/relatório
relacionado ao projeto usando o framework (Java Web). Analisando mais sobre os
Diagrama da UML melhorou bastante o entendimento sobre o mesmo, quando
devemos implementar o diagrama, e os benefícios de sua utilização dentro do
projeto de desenvolvimento.
15
REFERÊNCIAS
LAHR Thiago Canozzo. Segurança em Aplicações Web. Sep 3 2009. Dissertação
(Analista de Segurança da Informação) - PUC-Campinas, 2002. Disponível em: <
https://www.ibm.com/developerworks/community/blogs/tlcbr/entry/seguranca_em_apl
icacoes_web?lang=en>. Acesso em: 25 out. 2014.
Wikipédia. Diagrama de atividade. Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: <
http://pt.wikipedia.org/wiki/Diagrama_de_atividade>. Acesso em: 25 out. 2014.
Wikipédia. Modelo entidade relacionamento. Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_entidade_relacionamento>.
Acesso em: 24 out. 2014.
PESSOA Márcio. Segurança em PHP. Dissertação (Desenvolva programas PHP
com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de
ameaças) - Novatec. Disponível em: <
http://www.martinsfontespaulista.com.br/anexos/produtos/capitulos/254879.pdf>.
Acesso em: 25 out. 2014.
SOMMERVILE, Ian. ENGENHARIA DE SOFTWARE. 8 Edição. São Paulo: Pearson
Addison Wesley, 2007.
16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresApostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresNome Sobrenome
 
Inglês instrumental aula 3
Inglês instrumental aula 3Inglês instrumental aula 3
Inglês instrumental aula 3Robson Ferreira
 
Memorial Descritivo Residencial - Projeto II
Memorial Descritivo Residencial -  Projeto IIMemorial Descritivo Residencial -  Projeto II
Memorial Descritivo Residencial - Projeto IIMoema L. B. Afonso
 
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoModelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoFernando Palma
 
Introdução a programação para a Internet
Introdução a programação para a InternetIntrodução a programação para a Internet
Introdução a programação para a InternetLeonardo Soares
 
Inglês aula 13 - future
Inglês   aula 13 - futureInglês   aula 13 - future
Inglês aula 13 - futureJairo Caetano
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareAricelio Souza
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaBrenda Tacchelli
 
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1Natanael Simões
 
Arquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na PraticaArquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na PraticaAlessandro Kieras
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projetolhencar
 
Conjunto Habitacional - Copromo
Conjunto Habitacional - Copromo Conjunto Habitacional - Copromo
Conjunto Habitacional - Copromo Paula Bianchi
 
Aula: Gerações de interfaces
Aula: Gerações de interfacesAula: Gerações de interfaces
Aula: Gerações de interfacesJanynne Gomes
 
Curso básico de Algoritmos com Python
Curso básico de Algoritmos com PythonCurso básico de Algoritmos com Python
Curso básico de Algoritmos com PythonGiancarlo Silva
 
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).wagnergoess
 
Introdução a Engenharia de Software.pdf
Introdução a Engenharia de Software.pdfIntrodução a Engenharia de Software.pdf
Introdução a Engenharia de Software.pdfIvanFontainha
 
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio Fechado
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio FechadoConstrução de uma Casa Residencial em Condomínio Fechado
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio FechadoMarco Coghi
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03Jorge Martins
 

Mais procurados (20)

Introdução ao React
Introdução ao ReactIntrodução ao React
Introdução ao React
 
Apostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresApostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementares
 
Inglês instrumental aula 3
Inglês instrumental aula 3Inglês instrumental aula 3
Inglês instrumental aula 3
 
Memorial Descritivo Residencial - Projeto II
Memorial Descritivo Residencial -  Projeto IIMemorial Descritivo Residencial -  Projeto II
Memorial Descritivo Residencial - Projeto II
 
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoModelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
 
Introdução a programação para a Internet
Introdução a programação para a InternetIntrodução a programação para a Internet
Introdução a programação para a Internet
 
Inglês aula 13 - future
Inglês   aula 13 - futureInglês   aula 13 - future
Inglês aula 13 - future
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Introdução a Gerenciamento de Projetos
Introdução a Gerenciamento de ProjetosIntrodução a Gerenciamento de Projetos
Introdução a Gerenciamento de Projetos
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
 
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
 
Arquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na PraticaArquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na Pratica
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
 
Conjunto Habitacional - Copromo
Conjunto Habitacional - Copromo Conjunto Habitacional - Copromo
Conjunto Habitacional - Copromo
 
Aula: Gerações de interfaces
Aula: Gerações de interfacesAula: Gerações de interfaces
Aula: Gerações de interfaces
 
Curso básico de Algoritmos com Python
Curso básico de Algoritmos com PythonCurso básico de Algoritmos com Python
Curso básico de Algoritmos com Python
 
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).
Apresentação - Projeto Final de Curso (SENAI).
 
Introdução a Engenharia de Software.pdf
Introdução a Engenharia de Software.pdfIntrodução a Engenharia de Software.pdf
Introdução a Engenharia de Software.pdf
 
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio Fechado
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio FechadoConstrução de uma Casa Residencial em Condomínio Fechado
Construção de uma Casa Residencial em Condomínio Fechado
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03
 

Semelhante a Sistema de alertas para devolução de livros

Trabalho individual 5 semestre Analise de Sistemas
Trabalho individual 5 semestre Analise de SistemasTrabalho individual 5 semestre Analise de Sistemas
Trabalho individual 5 semestre Analise de SistemasWANDERSON JONER
 
plano_de_projeto_controlart_final
plano_de_projeto_controlart_finalplano_de_projeto_controlart_final
plano_de_projeto_controlart_finaluserrx
 
Plano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIPlano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIocfelipe
 
Plano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIPlano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIocfelipe
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemasPriscila Stuani
 
Plano do projeto de software
Plano do projeto de softwarePlano do projeto de software
Plano do projeto de softwareDanilo Gois
 
Projeto Indiana
Projeto IndianaProjeto Indiana
Projeto Indianahellequin
 
Plano de Projeto de Software do​ Residents Control
Plano de Projeto de Software do​ Residents ControlPlano de Projeto de Software do​ Residents Control
Plano de Projeto de Software do​ Residents Controlazarael2607
 
úLtimo dia
úLtimo diaúLtimo dia
úLtimo diaBruce Ds
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1Bruce Ds
 
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptxAula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptxAlexandreLisboadaSil
 
aula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise reqaula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise reqpatriciaalipiosilva
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfAthena542429
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANFernando Palma
 
201406Carvalho
201406Carvalho201406Carvalho
201406CarvalhoAfonso Pra
 
Plan de negocios sobre la distribucion
Plan de negocios sobre la distribucionPlan de negocios sobre la distribucion
Plan de negocios sobre la distribucionGuillermo Gallardo
 

Semelhante a Sistema de alertas para devolução de livros (20)

Trabalho individual 5 semestre Analise de Sistemas
Trabalho individual 5 semestre Analise de SistemasTrabalho individual 5 semestre Analise de Sistemas
Trabalho individual 5 semestre Analise de Sistemas
 
plano_de_projeto_controlart_final
plano_de_projeto_controlart_finalplano_de_projeto_controlart_final
plano_de_projeto_controlart_final
 
Plano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIPlano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONI
 
Plano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONIPlano de projeto de software - SISCONI
Plano de projeto de software - SISCONI
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
 
Plano do projeto de software
Plano do projeto de softwarePlano do projeto de software
Plano do projeto de software
 
Projeto Indiana
Projeto IndianaProjeto Indiana
Projeto Indiana
 
Plano de Projeto de Software do​ Residents Control
Plano de Projeto de Software do​ Residents ControlPlano de Projeto de Software do​ Residents Control
Plano de Projeto de Software do​ Residents Control
 
úLtimo dia
úLtimo diaúLtimo dia
úLtimo dia
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptxAula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
 
aula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise reqaula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise req
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 
201406Carvalho
201406Carvalho201406Carvalho
201406Carvalho
 
Plan de negocios sobre la distribucion
Plan de negocios sobre la distribucionPlan de negocios sobre la distribucion
Plan de negocios sobre la distribucion
 
1.en.es
1.en.es1.en.es
1.en.es
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 

Sistema de alertas para devolução de livros

  • 1. Eunápolis - BA 2015 AGUINALDO GOMES DE SOUZA, ELENILTON DE SOUSA FREITAS, ELOISA SALA DE OLIVEIRA AMARAL, VALDINEI PINHEIRO DOS SANTOS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO CURSO SUPERIOR DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO - BIBLIOAPP
  • 2. Eunápolis – BA 2015 PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO - BIBLIOAPP Trabalho de Análise e Desenvolvimento de Sistemas apresentado à Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média bimestral na disciplina De Projeto Orientado a Objetos, Engenharia e Projeto de Software, Programação para Web II. Orientador: Márcio Roberto Chiaveli, Luis Claudio Perini, Marco Ikuro Hisatomi, Veronice de Freitas. AGUINALDO GOMES DE SOUZA, ELENILTON DE SOUSA FREITAS, ELOISA SALA DE OLIVEIRA AMARAL, VALDINEI PINHEIRO DOS SANTOS
  • 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................3 2 OBJETIVO.................................................................................................................4 3 DESENVOLVIMENTO...............................................................................................5 4 CONCLUSÃO..........................................................................................................15 REFERÊNCIAS..........................................................................................................16
  • 4. 1 INTRODUÇÃO Neste trabalho, apresentaremos uma proposta de desenvolvimento de software para o empresário Sr. Freitas, proprietário da Macrosoft Desenvolvimento e Informática, cujo principal produto é o BiblioTECH2.0, um sistema de gerenciamento de bibliotecas que funciona em nuvem. O software proposto trata-se de um aplicativo, denominado BiblioAPP, que controla a data de empréstimo e devolução, emitindo um aviso sonoro 24, 12, 6 e 3 horas antes do final do prazo para a devolução de livros para a biblioteca parceira. Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de apoio às atividades da BiblioTECH2.0. Essa atividade foi conduzida em refinamentos sucessivos, começando pelo projeto da arquitetura do sistema, passando ao detalhamento dos componentes da arquitetura, até chegar ao projeto detalhado das classes. 3
  • 5. 2 OBJETIVO Visando a complementação de um sistema já existente, foi elaborado uma proposta para o desenvolvimento de um sistema para lembretes de devolução de livros de uma biblioteca, O atual sistema conta com um gerenciamento de estoque e empréstimo de livros. Ao utilizar o sistema notou-se a necessidade da criação de uma aplicação web para o alerta informando a devolução do livro para o cliente que o pegou emprestado. 4
  • 6. 3 DESENVOLVIMENTO Nesse projeto será realizada a entrega de um aplicativo com completa capacidade de operação. Está englobada nesse escopo a construção da aplicação e a adaptação da empresa para atender as necessidades desse ramo de atividade. Ao iniciar a elaboração do projeto, definimos que por já existir um sistema e este efetuar a exportação de um arquivo XML contendo as informações, foi proposto que a nova aplicação receberia essas informações pelo arquivo exportado. 3.1 PROJETO DE ARQUITETURA O aplicativo em questão trata-se de um sistema que envolve uma grande quantidade de dados e sua gerencia será feita utilizando um banco de dados PostgreSQL. Os usuários acessarão os dados sem concorrência utilizando a internet e este aplicativo estará integrado ao sistema de bibliotecas nas nuvens. Como se pode perceber pela especificação de requisitos para o sistema em questão, não há grandes restrições de desempenho e disponibilidade. Assim, levando-se em consideração os requisitos para o sistema proposto, foram considerados como os principais atributos de qualidade a serem incorporados ao sistema os seguintes, apresentados juntamente com as táticas a serem aplicadas: • Usabilidade: As interfaces do sistema permitem, sempre que possível, a entrada por meio de seleção ao invés da digitação de campos. • Segurança: Autenticar usuários usando login e senha; Limitar a exposição, disponibilizando pela Internet somente funcionalidades de consulta ao prazo de devolução. O aplicativo em questão não será organizado por módulos, devido à sua simplicidade, mas usaremos o modelo de repositório. O aplicativo desenvolvido e o sistema de biblioteca já existente devem trocar informações de modo que possam trabalhar juntos eficientemente. Esse modelo é, portanto, adequado para aplicações 5
  • 7. em que os dados são gerados por um sistema e usados por outro. O repositório é passivo e o controle é de responsabilidade dos subsistemas que o usam. Também será necessário a utilização de modelos orientados a interrupções. Isso será preciso para requisições em tempo real, nas quais as interrupções externas são detectadas por um trator de interrupções. A vantagem dessa abordagem é que ela permite respostas muito rápidas aos eventos a serem implementados. Para o desenvolvimento do aplicativo BiblioAPP optou-se pela arquitetura de cliente-servidor, por que a vantagem de um modelo cliente servidor é que ele é uma arquitetura distribuída. O uso efetivo de sistemas em rede pode ser feito com muitos processadores distribuídos. É fácil adicionar um novo servidor e integra-lo ao restante do sistema. A figura 1 demonstra a arquitetura cliente-servidor. Figura 1 – Arquitetura cliente-servidor Também será usado na Arquitetura de aplicações o sistema de processamento de linguagem. Em engenharia de software, os sistemas de processamento de linguagens mais amplamente usados são os compiladores que traduzem uma linguagem artificial de programação de alto nível em código de maquina. Mais outros sistemas de processamento de linguagens traduzem uma descrição de dados XML em comandos para consultar um banco de dados e sistemas de processamento de linguagem natural que tentam traduzir uma linguagem em outra. No nosso caso, o sistema da biblioteca criará um XML com os dados básicos de locação do livro e nosso aplicativo irá baixar e ler esse XML em determinado 6
  • 8. intervalo de tempo para analisar a data da devolução do livro e então disparar o sinal sonoro de acordo com os critérios pré-estabelecidos. Gerenciamento de Configuraçoes: Papéis Equipe Responsabilidade Gerente de Configuração Valdinei P. dos Santos Estabelecer Políticas de GC Escrever Plano de GC Configurar Ambiente de GC Criar Espaços de Trabalho de Integração Criar Baselines Promover Baselines CCM Aguinaldo G. de Souza Eloisa S. O. Amaral Estabelecer Processo de Controle de Mudanças Revisar Solicitação de Mudança Desenvolvedor Elenilton de S. Freitas Valdinei P. dos Santos Seguir os padrões e procedimentos definidos no Plano de Gerência de Configuração Todos os Papéis: Elenilton de S. Freitas Valdinei P. dos Santos Enviar Solicitação de Mudança Atualizar Solicitação de Mudança Tabela 1: Responsáveis e Responsabilidades As solicitações de mudanças das Baselines serão realizadas através da ferramenta Issues disponibilizada pela Google através do endereço do repositório na qual terá o seguinte fluxo: Figura 2 – fluxo de mudanças das baselines 7
  • 9. Status do Issues Atividade Descrição Responsabilidade Aberto Criação da solicitação. Todos Em Analise Análise da solicitação Analista de sistemas Analisado Aguardando desenvolvimento Analista de sistemas Em desenvolvimento Solicitação sendo desenvolvida Desenvolvedor Desenvolvido Aguardando teste Desenvolvedor Em testes Solicitação em teste Testador Testado com erro Aguardando desenvolvimento Testador Testado sem erro Solicitação esperando finalização pelo analista Testador Finalizado Solicitação finalizada Analista O comitê de Controle de Mudanças (CCM) será formado por Analista de sistemas e Gerente de Projetos. O backup do repositório deverá ser feito toda semana pelo gerente de configuração. Os artefatos alterados durante a semana de trabalho será armazenado em mídia de CD. Um para cada Mês. Os CDs deverão conter a seguinte descrição: a data e hora e a periodicidade. Liberação de release: Basicamente os projetos irão ser desenvolvidos e testados na main-line. Para gerar o release a versão em questão tem que estar devidamente testada, livre de erro e aprovado pelo analista responsável. 8
  • 10. 3.2 EAP – ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO A estrutura analítica do projeto é uma estrutura hierárquica que representa graficamente as entregas do projeto, elaborando uma subdivisão das entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis. A EAP não é criada apenas para o gerente do projeto, mas para toda a equipe de execução do projeto, bem como para as demais partes interessadas tais como clientes e fornecedores. Elaboramos então a seguinte EAP, veja a imagem 1.1: Figura 1.1 EAP do Projeto 3.3 CRONOGRAMA E RELAÇÃO DOS ENVOLVIDOS Visando o cumprimento dos prazos e do projeto como um todo, foi elaborado um cronograma contendo prazos e metas a serem cumpridas, facilitando o entendimento do projeto no seu todo e as tarefas a seus respectivos responsáveis. 9
  • 11. Figura 2.1 Cronograma 3.3.1 PROGRAMAÇÃO PARA WEB II Para o desenvolvimento do nosso sistema, foi utilizado alguns frameworks. 3.3.1.1 XSTREAM Para o uso de XML em persistência de dados, transmissão e configuração, utilizamos o XStream, pela sua facilidade de uso e performance elevada em comparação aos demais. 3.3.1.2 HIBERNATE O objetivo do Hibernate é diminuir a complexidade entre os programas Java, baseado no modelo orientado a objeto, que precisam trabalhar com um banco de dados do modelo relacional (presente na maioria dos SGBDs). Em especial, no desenvolvimento de consultas e atualizações dos dados. Sua principal característica é a transformação das classes em Java para tabelas de dados (e dos tipos de dados Java para os da SQL). O Hibernate gera as chamadas SQL e libera o desenvolvedor do trabalho manual da conversão dos dados resultante, mantendo o programa portável para quaisquer bancos de dados SQL, porém causando um pequeno aumento no 10
  • 12. tempo de execução. O projeto, foi elaborado para ser o mais simples possível, facilitando a utilização, não sendo necessário mudar completamente de sistema. O funcionamento é simples, o cliente loga no sistema, veja a imagem 3.1. Figura 3.1 Login do Sistema Efetue o envio do XML, depois visualiza as informações dos empréstimos, visto que o arquivo XML já foi carregado Figura 4 Relatório de Empréstimos . 11
  • 13. 3.3.2 PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Para facilitar o entendimento do estudo de caso, foi elaborado diagramas, que são utilizados pela equipe. Parte do código utilizado: Figura 5 código-fonte Figura 6 código-fonte 12
  • 14. 3.3.2.1 DIAGRAMA DE CLASSE Descreve o objeto e as estruturas usadas pelo aplicativo internamente, as informações não possuem referência a qualquer implementação específica, simplesmente explicas as classes do sistema. Figura 5.1 Diagrama de Classe 3.3.2.2 DIAGRAMA DE COMPONENTES Ilustra como as classes deverão se encontrar, organizadas através da noção de componentes de trabalho. Por exemplo, pode-se explicitar, para cada componente, qual das classes que ele representa. É utilizado para modelar os dados do código fonte, do código executável do software, Destacar a função de cada módulo para facilitar a sua reutilização e Auxiliar no processo de engenharia reversa, por meio da organização dos módulos do sistema e seus relacionamentos. 13
  • 15. Figura 6.1 Diagrama de Componentes 14
  • 16. 4 CONCLUSÃO Neste trabalho fizemos a elaboração de um projeto de um produto de software. Esta pesquisa trouxe conhecimentos que serão extremamente uteis para quem pretende trabalhar com esse tipo de desenvolvimento. No conteúdo aqui apresentado nos elaboramos uma proposta de projeto onde utilizamos da Engenharia e Projeto de Software a EAP – Estrutura Analítica do Projeto, o Cronograma das atividades para o desenvolvimento do projeto e a Relação dos envolvidos, papéis dentro do projeto. Implementamos uma consulta/relatório relacionado ao projeto usando o framework (Java Web). Analisando mais sobre os Diagrama da UML melhorou bastante o entendimento sobre o mesmo, quando devemos implementar o diagrama, e os benefícios de sua utilização dentro do projeto de desenvolvimento. 15
  • 17. REFERÊNCIAS LAHR Thiago Canozzo. Segurança em Aplicações Web. Sep 3 2009. Dissertação (Analista de Segurança da Informação) - PUC-Campinas, 2002. Disponível em: < https://www.ibm.com/developerworks/community/blogs/tlcbr/entry/seguranca_em_apl icacoes_web?lang=en>. Acesso em: 25 out. 2014. Wikipédia. Diagrama de atividade. Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Diagrama_de_atividade>. Acesso em: 25 out. 2014. Wikipédia. Modelo entidade relacionamento. Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_entidade_relacionamento>. Acesso em: 24 out. 2014. PESSOA Márcio. Segurança em PHP. Dissertação (Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças) - Novatec. Disponível em: < http://www.martinsfontespaulista.com.br/anexos/produtos/capitulos/254879.pdf>. Acesso em: 25 out. 2014. SOMMERVILE, Ian. ENGENHARIA DE SOFTWARE. 8 Edição. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2007. 16