SlideShare uma empresa Scribd logo

Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata

Rebeca Marota
Rebeca Marota
Rebeca MarotaMestra em Estudos Urbanos e Regionais

Apostila referente ao Minicurso ministrado no XXII Seminário de Pesquisa do CCSA-UFRN sob título "Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata", nos dias 9, 10 e 11 de maio de 2017. O curso apresenta como principais objetivos: *Conhecer os principais eixos de informações do IPEDATA; *Identificar os principais dados socioeconômicos no banco de dados; *Extrair informações do IPEADATA e sua sistematização; *Trabalhar a tabulação dos dados; *Identificar o melhor formato para a exposição dos dados coletados; e *Aprender a interpretar os dados extraídos.

Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata

1 de 65
Baixar para ler offline
OBJETIVOS:
 Conhecer os principais eixos de informações do IPEDATA;
 Identificar os principais dados socioeconômicos no banco de dados;
 Extrair informações do IPEADATA e sua sistematização;
 Trabalhar a tabulação dos dados;
 Identificar o melhor formato para a exposição dos dados coletados; e
 Aprender a interpretar os dados extraídos.
Como referenciar este material?
SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados
Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
Profª Ma. Rebeca Marota da Silva
rebeca.economia@gmail.com
http://economiaeoutrascoisas.blogspot.com.br/
AULA 1- Introdução à Pesquisa
Socioeconômica
1. Pesquisa nas Ciências Sociais
2. Dinâmica socioeconômica e dados quantitativos
3. Apresentação do Banco de Dados
4. Exercício
SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 2
1. Pesquisa nas Ciências Sociais
I. Metodologia
Ciência: conhecimento
Método: do grego métodos – meta = além de, após de + ódos =
caminho
Metodologia: deriva do grego (caminho para chegar a um
objetivo) + logos (conhecimento).
O método científico é o caminho da ciência para se chegar a
um objetivo. A metodologia são as regras estabelecidas para o
método científico, por exemplo: a necessidade de observar, a
necessidade de formular hipóteses, elaboração de instrumentos
etc.
3SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA - Aula 1 - Rebeca Marota 4
Coerência epistemológica, metodológica e técnica
II. Epistemologia: Base teórica de pesquisa
Característica Positivismo Estruturalismo Materialismo Dialético
Visão de Mundo Ordem do Universo
Leis Naturais
Ordem Estrutural Tudo é matéria em
movimento
União dos contrários
Visão do Homem O individuo
Importância
sujeito
Individualidade
Não existe,
Existe estrutura
Homem Ser histórico e
social
Visão da Sociedade Sistema social funcional Estrutura social Classes antagônicas
Visão da Realidade Empirista a-histórica Subjetiva a-histórica Objetiva histórica
Objetivo da pesquisa Testar teorias Procurar estrutura
Fenômenos
Procurar compreender
essência dos fenômenos
Objeto de Estudo Elementos Relações entre elementos Elementos e relações entre
eles
Método Cientifico Método Indutivo
Dedutivo
Método Estruturalista Método dialético
Quadro 1 - Características das principais correntes epistemológicas das ciências sociais
Fonte: Richardson, 2012, p. 54.
Figura 1 - Elementos do método:
5
Meta
• Objetivo de estudo
Modelo
• Formato de trabalho
Dados
• Observações realizadas para representar a natureza do
fenômeno
Avaliação
• Processo de decisão sobre a validade do modelo
Revisão
• Mudanças necessárias ao modelo
Fonte: Elaborado com base em Richardson, 2012.
SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
1. Pesquisa nas Ciências Sociais
6
Método Técnica de Coleta Técnica de Análise
Quantitativo • Entrevista Estruturada;
• Questionário (perguntas
fechadas, abertas, misto);
• Testes;
• Índices;
• Indicadores;
• e relatórios escritos.
Métodos estatísticos
(frequência, correlação,
associação)
Qualitativo • Entrevista em profundidade;
• Uso de diários de campo;
• Observação participante;
• Entrevistas em grupo; e
• História de vida.
Análise de conteúdo
Quadro 2 - Síntese dos Métodos Quantitativos e Qualitativos
Fonte: Elaborado com base em Richardson, 2012.
SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.

Recomendados

Métodos quantitativos para a disciplina
Métodos quantitativos para a disciplinaMétodos quantitativos para a disciplina
Métodos quantitativos para a disciplinaClapton1991
 
Slides Minayo
Slides MinayoSlides Minayo
Slides Minayoana lucia
 
Mtodosquantitativosequalitativos1 101025183952-phpapp02
Mtodosquantitativosequalitativos1 101025183952-phpapp02Mtodosquantitativosequalitativos1 101025183952-phpapp02
Mtodosquantitativosequalitativos1 101025183952-phpapp02Grace Lacerda
 
Pesquisa quantitativa qualitativa_quanti_quali
Pesquisa quantitativa qualitativa_quanti_qualiPesquisa quantitativa qualitativa_quanti_quali
Pesquisa quantitativa qualitativa_quanti_qualiRosane Domingues
 
Pesquisa quantitativa e qualitativa
Pesquisa quantitativa e qualitativaPesquisa quantitativa e qualitativa
Pesquisa quantitativa e qualitativaEduardo Sant'Anna
 
Análise de dados Quantitativos em Educação
Análise de dados Quantitativos em EducaçãoAnálise de dados Quantitativos em Educação
Análise de dados Quantitativos em Educaçãosirleiarosa
 
Métodos de pesquisa selecao rosimar
Métodos de pesquisa selecao rosimarMétodos de pesquisa selecao rosimar
Métodos de pesquisa selecao rosimareadmulheres
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2015 12 03_Triangulação de Métodos
2015 12 03_Triangulação de Métodos2015 12 03_Triangulação de Métodos
2015 12 03_Triangulação de MétodosCarlos Sousa
 
PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPaloma Thayná
 
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisa
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisaConsiderações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisa
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisaLeticia Strehl
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasSonia Matos Moutinho
 
Apostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participanteApostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participanteGleyton Gomes
 
Analise quantitativa dados: conceitos basicos
Analise quantitativa dados: conceitos basicosAnalise quantitativa dados: conceitos basicos
Analise quantitativa dados: conceitos basicosAmer Hamdan
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisturma12c1617
 
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentável
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentávelComportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentável
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentávelSara Levy
 
Variáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoVariáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoMinvC
 
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativosMetodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativosLeticia Strehl
 
Procedimentos metodologicos cientificos
Procedimentos metodologicos cientificosProcedimentos metodologicos cientificos
Procedimentos metodologicos cientificoskatevasques17
 
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIRPESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIRchristianceapcursos
 
Metologia científica tcc pós
Metologia científica   tcc pósMetologia científica   tcc pós
Metologia científica tcc pósAntonio Lobosco
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaMarcelo Venturi
 
Métodos e técnicas da sosiologia
Métodos e técnicas da sosiologiaMétodos e técnicas da sosiologia
Métodos e técnicas da sosiologiaturma12c1617
 
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...Maria Rosa Lopes
 
Modalidades da pesquisa qualitativa
Modalidades da pesquisa qualitativa Modalidades da pesquisa qualitativa
Modalidades da pesquisa qualitativa Lucila Pesce
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaturma12c1617
 

Mais procurados (20)

2015 12 03_Triangulação de Métodos
2015 12 03_Triangulação de Métodos2015 12 03_Triangulação de Métodos
2015 12 03_Triangulação de Métodos
 
PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIA
 
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisa
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisaConsiderações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisa
Considerações preliminares sobre dados quantitativos de pesquisa
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativas
 
Apostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participanteApostila pesquisa participante
Apostila pesquisa participante
 
Analise quantitativa dados: conceitos basicos
Analise quantitativa dados: conceitos basicosAnalise quantitativa dados: conceitos basicos
Analise quantitativa dados: conceitos basicos
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
 
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentável
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentávelComportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentável
Comportamento Ecológico: uma análise do comportamento de consumo sustentável
 
Variáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoVariáveis em investigação
Variáveis em investigação
 
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativosMetodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
Metodos Pesquisa 1 Introdução aos métodos de pesquisa. 1, Métodos quaLitativos
 
Procedimentos metodologicos cientificos
Procedimentos metodologicos cientificosProcedimentos metodologicos cientificos
Procedimentos metodologicos cientificos
 
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIRPESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
 
Dissertação Cientifica
Dissertação CientificaDissertação Cientifica
Dissertação Cientifica
 
Metologia científica tcc pós
Metologia científica   tcc pósMetologia científica   tcc pós
Metologia científica tcc pós
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
 
Métodos e técnicas da sosiologia
Métodos e técnicas da sosiologiaMétodos e técnicas da sosiologia
Métodos e técnicas da sosiologia
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
 
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
 
Modalidades da pesquisa qualitativa
Modalidades da pesquisa qualitativa Modalidades da pesquisa qualitativa
Modalidades da pesquisa qualitativa
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 

Semelhante a Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata

A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativaA elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativaPascoal Lisian
 
23 metodos qualitativos e quantitativos
23 metodos qualitativos e quantitativos23 metodos qualitativos e quantitativos
23 metodos qualitativos e quantitativosJoao Balbi
 
Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1Moises Ribeiro
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Nicolau Chaud
 
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...Flávio Massa
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptLucovolan
 
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa esta é a questão- - hartmu...
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa  esta é a questão- - hartmu...Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa  esta é a questão- - hartmu...
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa esta é a questão- - hartmu...Nei Cesario Espindola
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosLeticia Strehl
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativavamcris
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Leonardo Poth
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiijeancff84
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisaJoao Balbi
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisaJoao Balbi
 
Aula 02 - Tipos de Pesquisas
Aula 02 - Tipos de PesquisasAula 02 - Tipos de Pesquisas
Aula 02 - Tipos de PesquisasGhiordanno Bruno
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativagisa_legal
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoLeonor Alves
 

Semelhante a Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata (20)

Quest
QuestQuest
Quest
 
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativaA elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
23 metodos qualitativos e quantitativos
23 metodos qualitativos e quantitativos23 metodos qualitativos e quantitativos
23 metodos qualitativos e quantitativos
 
Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...
Um olhar sobre o ensino de estatística no curso de Biblioteconomia na UNIRIO ...
 
Análise de Dados
Análise de DadosAnálise de Dados
Análise de Dados
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.ppt
 
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa esta é a questão- - hartmu...
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa  esta é a questão- - hartmu...Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa  esta é a questão- - hartmu...
Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa esta é a questão- - hartmu...
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
Aula 02 - Tipos de Pesquisas
Aula 02 - Tipos de PesquisasAula 02 - Tipos de Pesquisas
Aula 02 - Tipos de Pesquisas
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
 
A pesqusia cientifica
A pesqusia cientificaA pesqusia cientifica
A pesqusia cientifica
 

Último

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfdaniele690933
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdf
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata

  • 1. OBJETIVOS:  Conhecer os principais eixos de informações do IPEDATA;  Identificar os principais dados socioeconômicos no banco de dados;  Extrair informações do IPEADATA e sua sistematização;  Trabalhar a tabulação dos dados;  Identificar o melhor formato para a exposição dos dados coletados; e  Aprender a interpretar os dados extraídos. Como referenciar este material? SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. Profª Ma. Rebeca Marota da Silva rebeca.economia@gmail.com http://economiaeoutrascoisas.blogspot.com.br/
  • 2. AULA 1- Introdução à Pesquisa Socioeconômica 1. Pesquisa nas Ciências Sociais 2. Dinâmica socioeconômica e dados quantitativos 3. Apresentação do Banco de Dados 4. Exercício SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 2
  • 3. 1. Pesquisa nas Ciências Sociais I. Metodologia Ciência: conhecimento Método: do grego métodos – meta = além de, após de + ódos = caminho Metodologia: deriva do grego (caminho para chegar a um objetivo) + logos (conhecimento). O método científico é o caminho da ciência para se chegar a um objetivo. A metodologia são as regras estabelecidas para o método científico, por exemplo: a necessidade de observar, a necessidade de formular hipóteses, elaboração de instrumentos etc. 3SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 4. Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA - Aula 1 - Rebeca Marota 4 Coerência epistemológica, metodológica e técnica II. Epistemologia: Base teórica de pesquisa Característica Positivismo Estruturalismo Materialismo Dialético Visão de Mundo Ordem do Universo Leis Naturais Ordem Estrutural Tudo é matéria em movimento União dos contrários Visão do Homem O individuo Importância sujeito Individualidade Não existe, Existe estrutura Homem Ser histórico e social Visão da Sociedade Sistema social funcional Estrutura social Classes antagônicas Visão da Realidade Empirista a-histórica Subjetiva a-histórica Objetiva histórica Objetivo da pesquisa Testar teorias Procurar estrutura Fenômenos Procurar compreender essência dos fenômenos Objeto de Estudo Elementos Relações entre elementos Elementos e relações entre eles Método Cientifico Método Indutivo Dedutivo Método Estruturalista Método dialético Quadro 1 - Características das principais correntes epistemológicas das ciências sociais Fonte: Richardson, 2012, p. 54.
  • 5. Figura 1 - Elementos do método: 5 Meta • Objetivo de estudo Modelo • Formato de trabalho Dados • Observações realizadas para representar a natureza do fenômeno Avaliação • Processo de decisão sobre a validade do modelo Revisão • Mudanças necessárias ao modelo Fonte: Elaborado com base em Richardson, 2012. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 6. 1. Pesquisa nas Ciências Sociais 6 Método Técnica de Coleta Técnica de Análise Quantitativo • Entrevista Estruturada; • Questionário (perguntas fechadas, abertas, misto); • Testes; • Índices; • Indicadores; • e relatórios escritos. Métodos estatísticos (frequência, correlação, associação) Qualitativo • Entrevista em profundidade; • Uso de diários de campo; • Observação participante; • Entrevistas em grupo; e • História de vida. Análise de conteúdo Quadro 2 - Síntese dos Métodos Quantitativos e Qualitativos Fonte: Elaborado com base em Richardson, 2012. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 7. 7 Complementaridade Planejamento da Pesquisa Coleta de Dados Análise da Informação Do quantitativo ao qualitativo Utilização de um questionário prévio no momento da observação ou entrevista pode contribuir para delimitar o problema estudado e a informação coletada, permitindo identificar casos representativos ou não representativos em nível grupal ou individual. O questionário prévio pode ajudar a evitar perguntas rotineiras e a identificar características objetivas, como, por exemplo, geopolíticas de urna comunidade, que podem influir no contexto da pesquisa as técnicas estatísticas podem contribuir para verificar informações e reinterpretar observações qualitativas, permitindo conclusões menos objetivas. Do qualitativo ao quantitativo A discussão com o grupo que participará da investigação, o uso de entrevistas e a observação podem melhorar a formulação do problema, o levantamento de hipóteses e a determinação da amostra. Entrevistas, observações e discussões em grupo podem enriquecer as informações obtidas, particularmente pela profundidade e pelo detalhamento das técnicas qualitativas. As técnicas qualitativas permitem verificar os resultados dos questionários e ampliar as relações descobertas. Quadro 3 - Complementaridade entre métodos quantitativos e qualitativos Fonte: Elaborado com base em Richardson, 2012. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 8. Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA - Aula 1 - Rebeca Marota 8 Pesquisa Objetivos Exemplos Histórica Reconstruir o passado, em termos relativamente precisos e objetivos, para explicar fatos atuais. Estudo das influências da colonização portuguesa na cultura camponesa do Nordeste. Efeitos da Lei n2 5 .692/7 1 na estrutura atual do Ensino Profissionalizante de 2° grau. Exploratória Conhecer as características de um fenômeno para procurar, posteriormente, explicações das causas e consequências de dito fenômeno. Estudar as reações de um grupo de alanos à aplicação de um novo método de estudo. Conhecer as características socioeconômicas da população de um determinado bairro do Rio de Janeiro. Explicativo: Enquetes Investigar possíveis relações causa-efeito, observando as consequências de um fenômeno em amostras relativamente grandes (mais de 200 casos). Fatores que contribuem à migração rural-urbana no Estado da Paraíba. Comparar as características por sexo dos pacientes de um hospital psiquiátrico. Comparar semelhanças e diferenças entre diversos grupos (fumantes - não-fumantes; delinquentes - não-delinquentes). Explicativo: Experimentos Investigar possíveis relações de causa-efeito, submetendo um ou mais grupos experimentais a um ou mais tratamentos, e comparando os resultados com um ou mais grupos de controle que não receberam o tratamento. Investigar a eficácia de dois métodos de ensino em crianças de 1ª série. Investigar os efeitos de uma droga tranquilizante em pessoas hipercinéticas. Explicativo: Estudos de Caso Analisar detalhadamente o passado, presente e as intenções sociais de unidade social: um indivíduo, grupo, instituição ou comunidade A história da vida de urna criança muito inteligente, mas com problemas de aprendizagem. O estado de um grupo de adolescentes detentos por consumo de drogas. Características socioeconômicas de um conjunto habitacional. Explicativo: Quase experimento Aproximar as conduções do experimento em situações reais que não permitem controlar as variáveis relevantes. O pesquisador deve conhecer as limitações desse método, em relação à validez interna e externa do plano de pesquisa. A grande maioria dos "experimentos de campo" e pesquisas operacionais realizadas em contextos reais nos quais apenas é possível o controle parcial das variáveis. Exemplo: um estudo da eficácia de dois métodos de ensino aplicado em duas turmas diferentes, sem distribuição aleatória de ditas turmas. Pesquisa Ação Incentivar transformações sociais de grupo, com participação direta de seus membros em todas as etapas da pesquisa. O pesquisador realiza o trabalho de acordo com os interesses e necessidades do grupo. Estudo dos problemas do transporte público em uma determinada comunidade. Análise da situação socioeconômica de uma comunidade de pescadores, operários camponeses etc. Desenvolvimento de formas de participação comunitária para enfrentar problemas de saúde pública. Quadro 4 - Tipos de Pesquisa Fonte: Richardson, 2012, p. 326
  • 9. 1. Pesquisa nas Ciências Sociais III. O uso das variáveis • Nos estudos seja do tipo descritivo ou explicativo, as variáveis devem estar inseridas nos objetivos e hipóteses de pesquisa. • Quantitativas: assumem valores numéricos Exemplo: - variável: rendimento escolar Indicadores: Média de notas obtidas em exames • Qualitativas: classificadas em categorias (sexo, estado civil etc) Exemplo: - variável: rendimento escolar Indicadores: Nível de compreensão dos textos; participação. 9SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 10. 2. Dinâmica socioeconômica e dados quantitativos Dinâmica Socioeconômica: Estuda os movimentos da sociedade de acordo com as variáveis de desenvolvimento econômico. 10 Quadro 5 - Principais variáveis e indicadores de desenvolvimento econômico Variáveis Indicadores Demografia População residente (Total, Urbana e Rural); Taxa de fecundidade; Razão de dependência demográfica (jovens e idosos); Saldo migratório; Previdência e seguridade social Cobertura da população idosa; Contribuintes na PEA; Esperança de vida aos 60 anos; Percentual das transferências na renda; Pobreza e desigualdades Extrema pobreza; Renda domiciliar per capita; Índice de Gini; Saúde Taxa de mortalidade infantil; Taxa de homicídio masculina; Trabalho e renda Taxa de desemprego; Rendimento médio do trabalho (R$); Taxa de participação; Educação Média de anos de estudos; Taxa de analfabetismo; Taxa de frequência à escola ou creche das crianças de 0 a 5 anos; Taxa de frequência liquida à escola (ens. Fundamental/ Médio); Proporção de jovens que frequentam a universidade ou estão formados (18 a 24 anos); Saneamento e habitação Abastecimento adequado de água; Acesso à energia elétrica; Esgotamento sanitário adequado; Coleta de lixo; Domicílios adequados; Cultura Acesso à internet no domicílio; Existência de computador no domicílio; Existência de telefone fixo no domicílo; Existência de telefone celular no domicílio; Existência de televisão no domicílio; Existência de rádio no domicílio; Fonte: Elaborada com base em IPEA, 2012. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 11. 3. Apresentação do Banco de Dados 11SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 12. 3. Apresentação do Banco de Dados 12 Principal Vantagem: Reuni dados de diversos órgãos, de forma padronizada e organizada; Formas de Busca de Dados: 1. Pelo mecanismo de Busca: Ao realizar a pesquisa pelo mecanismo de busca, deve-se marcar qual base de dados deseja-se trabalhar: Macroeconômico, Regional ou Social. Dependendo da base de dados, pode aparecer diferentes dados para uma mesma variável. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 13. 3. Apresentação do Banco de Dados 13 Formas de Busca de Dados: 2. Pelas áreas temáticas: O IPEADATA está dividido em três dimensões: SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 14. 3. Apresentação do Banco de Dados 14 Formas de Busca de Dados: 2. Pelas áreas temáticas: Dentro de cada dimensão possui Temas de trabalho que pode ser buscado. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 15. 3. Apresentação do Banco de Dados 15 Formas de Busca de Dados: 3. Pelas Fontes de Dados: O IPEADATA reuni diversas fontes de dados. As variáveis também podem ser encontradas pelas Fontes desejadas. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 16. 3. Apresentação do Banco de Dados 16 Formas de Busca de Dados: 4. Dimensões: Além das divisões por TEMAS e FONTES, as dimensões possuem formas de busca específicas de sua área. Vejamos: Ipeadata Macroeconômico: anual, trimestral, mensal ou diária séries encontram-se estruturadas de acordo com esquemas contábeis ou conceituais, como nas Contas Nacionais, no Balanço de Pagamentos, nas publicações de Finanças Públicas e dos Agregados Monetários, entre outros. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 17. 3. Apresentação do Banco de Dados 17 Formas de Busca de Dados: 4. Dimensões: Ipeadata Macroeconômico: Apresenta panorama atualizado da conjuntura econômica brasileira. "Séries históricas" - ou seja, anteriores à criação do IBGE em 1939 e da FGV em 1947 - foram organizadas à parte. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 18. 3. Apresentação do Banco de Dados 18 Formas de Busca de Dados: 4. Dimensões - Ipeadata Regional e Social: Possui as divisões por Temas, Fontes e Nível geográfico. Os níveis geográficos disponíveis no Ipeadata são município, área metropolitana, micro e mesorregião geográfica, estado, região administrativa (como Amazônia Legal, Sudene, Fome Zero, entre outras), bacia e sub-bacia hidrográfica, grandes regiões. Devido às mudanças no número e área dos municípios ao longo do tempo, os dados municipais são também apresentados de acordo com as áreas mínimas comparáveis (AMC), permitindo análises intertemporais consistentes. O Ipeadata disponibiliza os dados de AMC nos períodos 1872-2000, 1920-2000, 1940-2000, 1960-2000, 1970- 2000 e 1991-2000, bem como os arquivos georreferenciados necessários à construção de mapas para cada uma dessas agregações. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 19. 4. Exercício 19 Elaborar um Plano de Pesquisa – Orientações: • Trabalho a ser desenvolvido ao longo do Curso em Dupla ou Individual. • Tarefa para Aula 1: Escolha de no máximo 1 variável socioeconômica: Demografia; Previdência e Seguridade; Pobreza e Desigualdade; Saúde; Trabalho e Renda; Educação; Saneamento e Habitação; e Cultura. Definir objetivo de pesquisa Escolha de indicadores: no mínimo 2 SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula.
  • 20. AULA 2 - IPEADATA: Identificação e Organização dos Dados 1. Organização dos Dados a. Recorte Espacial b. Recorte Temporal 2. Identificação dos Dados 3. Extração dos Dados 4. Cartografia 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 20
  • 21. 1. Organização dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 21 A organização dos Dados no Ipeadata ocorre por: Nível geográfico: Brasil; estados; municípios; área metropolitana, micro e mesorregião geográfica, região administrativa (como Amazônia Legal, Sudene, Fome Zero, entre outras), bacia e sub-bacia hidrográfica, grandes regiões. Devido às mudanças no número e área dos municípios ao longo do tempo, os dados municipais são também apresentados de acordo com as áreas mínimas comparáveis (AMC), permitindo análises intertemporais consistentes. Figura 1 – Indicação do Nível geográfico na lista dos dados Figura 2 – Escolha do Nível geográfico dentro do dado selecionado Figura 3 – Escolha da abrangência geográfica dentro do dado selecionado Após a escolha do nível geográfico, o pesquisador escolhe qual a abrangência desses dados, ou seja, como será a distribuição geográfica dos dados. Por exemplo: Caso escolha o nível geográfico Município, em abrangência ao escolher Brasil (aparecerão todos os municípios do Brasil); ou Capitais (aparecerão todas as Capitais); ou Região Nordeste (aparecerão todos os municípios da Região Nordeste) etc.
  • 22. 1. Organização dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 22 Frequência: A frequência apresenta de que forma os dados estão disponibilizados – diário, semanal, anual, quinquenal, decenal etc. Figura 4 – Indicação Frequência na lista dos dados
  • 23. 1. Organização dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 23 Período: Indicação temporal em que os dados estão disponíveis. Neste exemplo, o dado selecionado apresenta Frequência Decenal de 1970 até 2000. Desta forma a série temporal que poderá ser selecionada será de 10 em 10 anos, ou seja, o pesquisador poderá escolher apenas os anos 1970;1980; 1991; 2000. Figura 5 – Indicação Frequência na lista dos dados Figura 6 – Escolha da série temporal dentro do dado selecionado
  • 24. 1. Organização dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 24 Unidade: As unidades de medida são padronizadas e consistentes, sendo as séries em valores nominais e, sempre que possível, expressas em uma mesma moeda - reais (R$) para séries correntes, mil-réis para séries históricas e dólares ou libras esterlinas para séries em moedas estrangeiras - e em valores reais ou deflacionados expressos a preços do período mais recente ou atual, exceto quando há indicação explícita. Para valores em termos reais, utiliza-se geralmente o deflator implícito do PIB em todas as agregações geográficas. Figura 7 – Indicação da Unidade na lista dos dados Figura 8 – Escolha da série temporal dentro do dado selecionado Neste exemplo, o dado selecionado apresenta Unidade em Reais a preços do ano 2000. Este dado é importante para caso o pesquisador queira deflacionar esses valores para um período mais recente, ou simplesmente, queira deixar com os valores oferecidos pela série.
  • 25. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 25 • Neste minicurso, o objetivo é trabalhar com dados socioeconômicos. Portanto, se utilizará as principais variáveis socioeconômicas indicadas pelo Quadro 5. • Os indicadores socioeconômicos serão construídos através dos dados levantados no Ipeadata. • O pesquisador, ao buscar os dados, deve ficar atento a metodologia que a fonte utilizou para apresentar aquela informação. A metodologia da fonte poderá influenciar na análise final do pesquisador. • As fórmulas e metodologias foram extraídas de Anexo 2, Ipea, 2012
  • 26. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 26 Quadro 5 - Principais variáveis e indicadores de desenvolvimento econômico Variáveis Indicadores Demografia População residente (Total, Urbana e Rural); Taxa de fecundidade; Razão de dependência demográfica (jovens e idosos); Saldo migratório; Previdência e seguridade social Cobertura da população idosa; Contribuintes na PEA; Esperança de vida aos 60 anos; Percentual das transferências na renda; Pobreza e desigualdades Extrema pobreza; Renda domiciliar per capita; Índice de Gini; Saúde Taxa de mortalidade infantil; Taxa de homicídio masculina; Trabalho e renda Taxa de desemprego; Rendimento médio do trabalho (R$); Taxa de participação; Educação Média de anos de estudos; Taxa de analfabetismo; Taxa de frequência à escola ou creche das crianças de 0 a 5 anos; Taxa de frequência liquida à escola (ens. Fundamental/ Médio); Proporção de jovens que frequentam a universidade ou estão formados (18 a 24 anos); Saneamento e habitação Abastecimento adequado de água; Acesso à energia elétrica; Esgotamento sanitário adequado; Coleta de lixo; Domicílios adequados; Cultura Acesso à internet no domicílio; Existência de computador no domicílio; Existência de telefone fixo no domicílo; Existência de telefone celular no domicílio; Existência de televisão no domicílio; Existência de rádio no domicílio; Fonte: Elaborada com base em IPEA, 2012.
  • 27. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 27 População residente – Censos e Contagem da População Dado pronto fornecido no Ipeadata. Taxa de fecundidade - Número médio de filhos nascidos vivos, tidos por mulher ao fim do seu período reprodutivo, em determinado espaço geográfico. A taxa é estimada para um ano no calendário determinado, a partir de informações retrospectivas obtidas em censos e inquéritos demográficos. Método de cálculo: A taxa de fecundidade total é obtida pelo somatório das taxas específicas de fecundidade para cada idade das mulheres residentes de 15 a 49 anos. As taxas específicas de fecundidade expressam o número de filhos nascidos vivos tidos por mulher, por ano das faixas etárias de 15-19, 20-24, 25-29, 30-34, 35-39, 40-44 e 45-49 anos. Essas taxas são estimadas por meio de metodologias demográficas sofisticadas, geralmente aplicadas a dados censitários e a pesquisas domiciliares. Razão de Dependência Demográfica  Jovens (0-15 anos): Razão entre o total de pessoas com 0 a 15 anos de idade e o total de pessoas com 16 anos ou mais de idade. Método de cálculo: çã çã x 100 DEMOGRAFIA
  • 28. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 28 Razão de Dependência Demográfica  Idosos (60 anos ou mais): Razão entre o total de pessoas com 60 anos ou mais de idade e o total de pessoas com 16 anos ou mais de idade. Método de cálculo: çã çã x 100 Saldo migratório - É o saldo entre imigrantes (número de pessoas que entrou) e emigrantes (número de pessoas que saiu) de uma determinada unidade geográfica nos últimos cinco anos. Método de cálculo: Saldo = imigrantes – emigrantes DEMOGRAFIA Cobertura da população idosa - Proporção (em porcentagem) de idosos com 60 anos ou mais de idade que recebem aposentadoria e/ou pensão de instituto de previdência federal (Instituto Nacional do Seguro Social - INSS), estadual ou municipal ou do governo federal na semana de referência. Para se obter esse dado de cobertura, elimina-se a dupla contagem naqueles casos em que a mesma pessoa recebe aposentadoria e pensão. Método de cálculo: çã / ã çã x 100 PREVIDÊNCIA E SEGURIDADE
  • 29. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 29 Proporção de contribuintes na população economicamente ativa - Percentual de pessoas economicamente ativas que contribuem para a previdência. São consideradas as pessoas de 16 anos ou mais que fazem contribuição para instituto de previdência em qualquer trabalho na semana de referência, empregados com carteira de trabalho assinada, militares, funcionários públicos estatutários, trabalhadores domésticos com carteira de trabalho assinada, além de pessoas que possuíam trabalho secundário da semana de referência, como militar do Exército, da Marinha de Guerra ou da Aeronáutica, funcionários públicos estatutários ou que tinham carteira de trabalho assinada nesse trabalho secundário. Método de cálculo: ê x 100 Esperança de vida aos 60 anos - Número médio de anos adicionais de vida que se espera para um sobrevivente de 60 anos, mantido o padrão de mortalidade existente, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Método de cálculo: a partir de tábuas de vida elaboradas para cada área geográfica, com base no método atuarial, toma-se o número de indivíduos de uma geração inicial de nascimentos que completou 60 anos de idade ( ). Determina-se, a seguir, o tempo cumulativo vivido por essa mesma geração, desde os 60 anos até a idade limite ( ). A esperança de vida ao nascer é o quociente da divisão de por . PREVIDÊNCIA E SEGURIDADE
  • 30. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 30 Percentual das transferências na renda- Percentual do rendimento de todas as fontes provenientes de programas de transferência de renda. Fazem parte dos programas de transferência de renda: rendimento de aposentadoria de instituto de previdência ou do governo federal, rendimento de pensão de instituto de previdência ou do governo federal, rendimento de abono de permanência – e juros de caderneta de poupança e de outras aplicações financeiras, dividendos, programas sociais e outros rendimentos -, que recebia, normalmente, no mês de referência Método de cálculo: ê x 100 PREVIDÊNCIA E SEGURIDADE Extrema pobreza - A pobreza é vista como uma condição de insuficiência de renda. Para o cálculo desse indicador, utilizou-se a renda domiciliar per capita como referência para a aferição de pobreza na população brasileira. Definiu-se como extremamente pobre a população com renda domiciliar per capita (RDPC) abaixo de R$ 67,07 em 2009, calculando-se assim o percentual de pessoas que vivem nesta situação. Os valores foram deflacionados pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) e estão apresentados a preços de 2009. Método de cálculo: çã çã x 100 POBREZA E DESIGUALDADE
  • 31. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 31 Extrema pobreza - A pobreza é vista como uma condição de insuficiência de renda. Para o cálculo desse indicador, utilizou-se a renda domiciliar per capita como referência para a aferição de pobreza na população brasileira. Definiu-se como extremamente pobre a população com renda domiciliar per capita (RDPC) abaixo de R$ 67,07 em 2009, calculando-se assim o percentual de pessoas que vivem nesta situação. Os valores foram deflacionados pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) e estão apresentados a preços de 2009. Método de cálculo: çã çã x 100 Renda domiciliar per capita - É a soma dos rendimentos de todas as fontes de todos os moradores do domicílio dividida pelo número de moradores do domicílio. Os pensionistas -locatários de cômodos ou vagas em domicílios -, empregados domésticos e parentes de empregados domésticos são excluídos do cálculo. Para o cálculo da renda média de acordo com categorias selecionadas, é feita média das rendas domiciliares per capita das pessoas residentes nas categorias selecionadas. Método de cálculo: çã x 100 em que a renda domiciliar per capita é: í ú í x 100 POBREZA E DESIGUALDADE
  • 32. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 32 Índice de Gini - É comumente utilizado para calcular a desigualdade na distribuição de rendimento, mas pode ser usado para qualquer distribuição. Ele consiste em um número entre 0 e 1, em que O corresponde à completa igualdade de rendimento (em que todos têm o mesmo rendimento) e 1 corresponde à completa desigualdade (em que uma pessoa tem todo o rendimento, e as demais nada têm). O Índice de Gini é o coeficiente expresso em pontos percentuais (é igual ao coeficiente multiplicado por 100). Calcula-se o Coeficiente de Gini como uma razão das áreas no diagrama da curva de Lorenz. Se a área entre a linha de perfeita igualdade e a curva de Lorenz é a, e a área abaixo da curva de Lorenz é b, então o Coeficiente de Gini é a/(a+b). Esta razão se expressa como porcentagem ou como equivalente numérico dessa porcentagem, que é sempre um número entre 0 e 1. POBREZA E DESIGUALDADE
  • 33. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 33 Índice de Gini - O Coeficiente de Gini pode ser calculado com a fórmula de Brown, que é mais prática: = 1 − ∑ ( − ) ( − ) Em que: G = Coeficiente de Gini X = proporção da variável “população” Y = proporção acumulada da variável “renda” Se existe perfeita igualdade, então todos têm a mesma renda e pode-se escolher quaisquer dois indivíduos para colocar na fórmula que dará o mesmo resultado. Escolhendo-se o primeiro e o último indivíduo, então ( - = 1) e ( + = 1), e G fica igual a 0. No caso de desigualdade máxima, apenas um indivíduo detém toda a renda do país, quaisquer indivíduos escolhidos dará ( + = 0), e G fica igual a 1. Esta soma é, então, sempre um número entre 0 e 1. POBREZA E DESIGUALDADE
  • 34. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 34 Taxa de mortalidade infantil- Número de óbitos de menores de 1 ano de idade, por mil nascidos vivos, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Método de cálculo: Direto: ú ó ú ã x 1000 Indireto: Indireto: estimativa por técnicas demográficas especiais. Os dados provenientes desse método têm sido adotados para os estados que apresentam cobertura do Sinasc inferior a 90% ou que não atingem o valor de 80% de um Índice composto, especialmente criado, que combina a cobertura de óbitos infantis com a regularidade do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Taxa de homicídio masculina (15 a 29 anos) - A taxa de homicídio masculina faz parte da taxa de mortalidade específica por causas externas, que é o número de óbitos por causas externas, no caso, homicídios, por 100 mil habitantes, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Método de cálculo: ú ó í çã x 1000 SAÚDE
  • 35. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 35 Taxa de desemprego - Percentual da população residente economicamente ativa que se encontra sem trabalho na semana de referência. Método de cálculo: çã x 100 Rendimento médio do trabalho - É a média do rendimento mensal de todos os trabalhos para pessoas de 16 anos ou mais de idade. Consideraram-se apenas os ocupados com renda maior do que zero. Método de cálculo: çã çã , Taxa de participação - É o percentual das pessoas economicamente ativas em relação ao total de pessoas. Método de cálculo: çã x 100 TRABALHO E RENDA
  • 36. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 36 Média de anos de estudos - A média de anos de estudos fornece a média de séries concluídas com aprovação por uma determinada população. Os anos de estudos, ou grau de instrução, foram obtidos a partir da série e do grau que a pessoa estava frequentando ou havia frequentado, considerando a última série concluída com aprovação. Cada série concluída com aprovação está relacionada a um ano de estudo. Método de cálculo: çã çã Taxa de analfabetismo - Percentual de pessoas analfabetas, ou seja, que não sabem ler e escrever. Considerou-se como alfabetizada a pessoa de 15 anos ou mais de idade capaz de ler e escrever pelo menos um bilhete simples no idioma que conhece. Método de cálculo: çã ã çã x 100 Taxa de frequência à escola ou creche das crianças de 0 a 5 anos - Identifica a parcela da população na faixa etária de 0 a 5 anos que frequenta escola ou creche. Método de cálculo: çã çã x 100 EDUCAÇÃO
  • 37. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 37 Taxa de frequência líquida à escola – ensino fundamental (6 a 14 anos) - Identifica a parcela da população na faixa etária de 6 a 14 que está no nível de ensino adequado a essa faixa etária, ou seja, ensino fundamental. Método de cálculo: çã çã x 100 Taxa de frequência líquida à escola – ensino médio (15 a 17 anos) - Identifica a parcela da população na faixa etária de 15 a 17 que está no nível de ensino adequado a essa faixa etária, ou seja, ensino médio. Método de cálculo: çã é çã x 100 Proporção de Jovens que frequentam a universidade ou estão formados (18 a 24 anos) - Identifica a parcela da população na faixa etária de 18 a 24 que frequenta a universidade ou já está formada. Método de cálculo: çã á , á çã x 100 EDUCAÇÃO
  • 38. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 38 Abastecimento adequado de água - Proporção da população residente em domicílios com abastecimento adequado de água. Método de cálculo: çã í ê á é çã á , , ç á çã x 100 Acesso à energia elétrica - Proporção da população residente em domicílios com acesso à energia elétrica. Método de cálculo: çã í çã é é çã x 100 Esgotamento sanitário adequado - Proporção da população residente em domicílios cobertos com serviços de esgotamento sanitário adequados. Método de cálculo: çã í é á , , é é ã á çã x 100 SANEAMENTO E HABITAÇÃO
  • 39. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 39 Coleta de lixo - Proporção da população residente em domicílios atendidos por serviços adequados de coleta de lixo. Método de cálculo: çã , , ç í çã x 100 Domicílios adequados - Proporção da população residente em domicílios considerados adequados. Método de cálculo: çã í á , á , ê é ó çã x 100 SANEAMENTO E HABITAÇÃO Acesso à internet no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios com acesso à internet. Método de cálculo: çã í à çã x 100 Existência de computador no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios com computador. Método de cálculo: çã í çã x 100 CULTURA
  • 40. 2. Identificação dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 40 Existência de telefone fixo no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios com telefone fixo. Método de cálculo: çã í çã x 100 Existência de telefone celular no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios em que pelo menos um morador possui celular. Método de cálculo: çã í çã x 100 Existência de televisão no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios com televisão. Método de cálculo: çã í ã çã x 100 Existência de rádio no domicílio - Percentual de pessoas residentes em domicílios com rádio. Método de cálculo: çã í á çã x 100 CULTURA
  • 41. 3. Extração dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 41 Após a identificação de quais dados precisam ser extraídos do Ipeadata, vejamos o passo a passo para baixar os dados: Extraindo dados sobre População Residente Total: 1. Identificar o dado “População residente total” e clicar no nome sublinhado:
  • 42. 3. Extração dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 42 2. Selecionar Nível Geográfico 3. Escolher a abrangência 4. Selecionar início e fim da série temporal
  • 43. 3. Extração dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 43 2. Selecionar Nível Geográfico 3. Escolher a abrangência 4. Selecionar início e fim da série temporal
  • 44. 3. Extração dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 44 Formato de apresentação dos Dados 1. On line: Visualização na plataforma do Ipeadata 2. Planilha Excel; 3. Zip (planilha do Excel zipada); e 4. Arquivo CSV – Esta escolha de exportação deve ser compatível com a configuração de seu Microsoft Excel – em português (separador decimal por virgula e de milhar por ponto) ou inglês (separador decimal por ponto e de milhar por vírgula). Para acessar o arquivo gerado pelo sistema (*.CVS), selecione a opção "Arquivo/Abrir" dentro do Microsoft Excel em vez de clicar no ícone do arquivo no Windows Explorer. #Dica1: Antes de exportar a planilha para o excel, abra na versão online para verificar se os dados selecionados estão dispostos como o esperado. 1 2 3 4 5
  • 45. 3. Extração dos Dados SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 45 Na parte superior da exibição dos dados, o Ipeadata apresenta informações importantes: 1- Dado 2- Fonte 3- Frequência 4- Unidade 5- Comentário: Este item traz informações metodológicas importantes sobre o dado 6- Data de atualização dos dados 7 – Deflator – caso tenha sido usado, será informado
  • 46. 4. Cartograma SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 46 O Ipeadata apresenta a opção de cartograma, onde o pesquisador obtem a informação quantitativa mantendo um certo grau de precisão geográfica das unidades espaciais mapeadas. Selecionar a opção que irá exibir o cartograma Selecionar o tipo de exibição Selecionar a Data
  • 47. 4. Cartograma SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 47 Para salvar a imagem, clicar com o botão direito em cima e selecionar salvar imagem.
  • 48. 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 48 Após exportar a planilha para o excel, verificar a melhor forma de organização dos dados para tabulação. Importante: A planilha traz os comentários acerca do dado baixado. Ficar atento a essas informações! No presente exemplo, temos os anos 1991, 1996, 2000, 2007 e 2010. Os anos 1991, 2000 e 2010 possuem como fonte os censos. Os anos 1996 e 2007 referem-se a contagem da população. Portanto, são metodologias diferentes e deve ser informado.
  • 49. 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 49 1. Se utilizado no trabalho de pesquisa os dados da forma como estão, sem aplicação estatística, usar a formatação de quadro; 2. Se o objetivo da pesquisa for verificar a evolução do crescimento populacional dos estados do nordeste, fazer aplicações estatísticas para melhor análise. Exemplos: a) Percentual de participação de cada estado na região nordeste; Método de Cálculo: Razão entre população do estado e população total O Gráfico “Pizza” é o melhor modelo para a apresentação da participação das unidades de um universo
  • 50. 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 50 b) Taxa de crescimento da população:  Conceituação: Percentual de incremento médio anual da população residente em determinado espaço geográfico, no período considerado. O valor da taxa refere-se à média anual obtida para um período de anos compreendido entre dois momentos, em geral correspondentes aos censos demográficos.  Interpretação: Indica o ritmo de crescimento populacional. A taxa é influenciada pela dinâmica da natalidade, da mortalidade e das migrações.  Usos: Analisar variações geográficas e temporais do crescimento populacional. Realizar estimativas e projeções populacionais, para períodos curtos. Subsidiar processos de planejamento, gestão e avaliação de políticas públicas específicas (dimensionamento da rede física, previsão de recursos, atualização de metas).  Limitações: Imprecisões da base de dados utilizada para o cálculo do indicador, relacionadas à coleta de dados demográficos ou à metodologia empregada para elaborar estimativas e projeções populacionais. A utilização da taxa em projeções populacionais para anos distantes do último censo demográfico pode não refletir alterações recentes da dinâmica demográfica. Essa possibilidade tende a ser maior em populações pequenas.  Fonte: IBGE: Censo Demográfico, previsto para ser realizado a cada 10 anos. Os três últimos censos foram realizados em 1980, 1991 e 2000. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050 – Revisão 2004. Estimativas anuais e mensais da população do Brasil e das Unidades da Federação: 1980-2020.
  • 51. 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 51 b) Taxa de crescimento da população:  Método de cálculo: As estimativas de crescimento da população são realizadas pelo método geométrico. Em termos técnicos, para se obter a taxa de crescimento (r), subtrai-se 1 da raiz enésima do quociente entre a população final ( ) e a população no começo do período considerado ( ), multiplicando-se o resultado por 100, sendo "n" igual ao número de anos no período. x 100  Calculando no excel: (( / )^(1/n)-1)*100, onde é a população final, população inicial e n é igual ao número de anos no período
  • 52. 5. Tabulação e Gráficos SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 52 b) Taxa de crescimento Sugestão de gráfico para a Taxa de Crescimento Médio 1991-2010.
  • 53. 5. Exercício SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 53 1. De acordo com os objetivos, variáveis e indicadores escolhidos, realizar o que se pede: a) Baixar os dados do Ipeadata para formular os indicadores; b) Organizar os dados para formulação dos indicadores; c) Calcular os indicadores;
  • 54. AULA 3 - IPEADATA: Interpretação dos Dados 1. Exposição dos Dados 2. Apresentação de pré-projeto SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 54
  • 55. 1. Exposição dos Dados As principais formas de exposição dos dados são: a) Tabela: “Tabela é a forma não discursiva de apresentação de informações, representadas por dados numéricos e codificações, dispostos em uma ordem determinada, segundo as variáveis analisadas de um fenômeno” (USP, 2015) Principais elementos: Número: é precedido da palavra Tabela, ambos grafados em negrito, e localizados no topo da tabela; Título: Deve ser apresentado na seguinte ordem: natureza do fato estudado (o quê), variáveis escolhidas para análise do fato (como), local (onde) e a época (quando) em que os fatos foram observados; Cabeçalho: Parte superior da tabela que indica o conteúdo das colunas; Coluna indicadora: Espaço vertical que especifica o conteúdo das linhas; Casa: Cruzamento de uma linha com uma coluna, onde são indicados os dados e informações; Fonte: A fonte indica a entidade responsável pelo fornecimento dos dados ou a referência ao documento de onde foram extraídos. Deve ser posicionada no rodapé da tabela. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 55
  • 56. 1. Exposição dos Dados As principais formas de organização dos dados são: a) Tabela: Observação - nenhuma casa da tabela deve ficar em branco, apresentando sempre um número ou sinal, como: SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 56 - (hífen) quando o valor numérico é nulo; ... (reticência) quando não se dispõe do dado. O dado é desconhecido; .. (dois pontos) indica que não se aplica dado numérico; ? (interrogação) quando há dúvidas quanto à exatidão do valor numérico; § (parágrafo) confirma a veracidade da informação; x (letra x) quando o dado for omitido, a fim de evitar individualização da informação; 0; 0,0; 0,00 (zero) quando o valor numérico é muito pequeno para ser expresso pela unidade utilizada. Se os valores são expressos em números decimais, acrescenta-se o mesmo número de casas decimais ao valor zero. Fonte: USP, 2015.
  • 57. 1. Exposição dos Dados As principais formas de organização dos dados são: a) Tabela: Exemplo: SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 57
  • 58. 1. Exposição dos Dados b) Gráfico: Os gráficos representam dinamicamente os dados das tabelas, sendo mais eficientes na sinalização de tendências. Deve-se optar por uma forma ou outra de representação dos dados, isto é, não utilizar tabela e gráfico para uma mesma informação. O gráfico bem construído pode substituir de forma simples, rápida e atraente, dados de difícil compreensão na forma tabular. A escolha do tipo de gráfico (barras, lineares, de círculos, entre outros) está relacionada ao tipo de informação a ser ilustrada. Sugere-se o uso de: • Gráficos de linhas - para dados crescentes e decrescentes: as linhas unindo os pontos enfatizam movimento; • Gráficos de círculos - usados para dados proporcionais; • Gráficos de barras - para estudos temporais; dados comparativos de diferentes variáveis. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 58
  • 59. 1. Exposição dos Dados b) Gráfico: Principais elementos: Número: é precedido da palavra Figura, ambos grafados em negrito, e localizados no topo da tabela; Título: Deve ser apresentado na seguinte ordem: natureza do fato estudado (o quê), variáveis escolhidas para análise do fato (como), local (onde) e a época (quando) em que os fatos foram observados; Fonte: A fonte indica a entidade responsável pelo fornecimento dos dados ou a referência ao documento de onde foram extraídos. Deve ser posicionada no rodapé da tabela. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 59
  • 60. 1. Exposição dos Dados b) Gráfico: Exemplo: SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 60
  • 61. 1. Exposição dos Dados c) Cartograma: informação quantitativa mantendo um certo grau de precisão geográfica das unidades espaciais mapeadas. Principais elementos: Número: é precedido da palavra Figura, ambos grafados em negrito, e localizados no topo da tabela; Título: Deve ser apresentado na seguinte ordem: natureza do fato estudado (o quê), variáveis escolhidas para análise do fato (como), local (onde) e a época (quando) em que os fatos foram observados; Fonte: A fonte indica a entidade responsável pelo fornecimento dos dados ou a referência ao documento de onde foram extraídos. Deve ser posicionada no rodapé da tabela. SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 61
  • 62. 1. Exposição dos Dados c) Cartograma: Exemplo: SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 62
  • 63. 2. Apresentação de pré-projeto 1. Objetivo 2. Justificativa 3. Dados preliminares a) Tabela b) Gráfico c) Cartograma 4. Perspectivas SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 63
  • 64. 3. Exercício • Entregar em documento word o Pré-projeto. • No corpo do texto informar: 1. Nome completo, formação e e-mail; 2. Título 3. Texto 4. Referências SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 64
  • 65. Referências RICHARDSON, Roberto J. (Org). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3ª Edição. 14ª Reimpressão – São Paulo: Atlas, 2012. IPEA. Situação Social nos Estados. Brasília: ipea, 2012. USP. Guia de Apresentação de Teses, 2015. Disponível em: http://www.biblioteca.fsp.usp.br/~biblioteca/guia/i_cap_0 4.htm. Acesso em: 11 de mai. 2017. Sítio: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx SILVA, Rebeca Marota da. Minicurso: Levantamento e Interpretação de Dados Socioeconômicos do IPEADATA. 09-11 de mai de 2017. Notas de Aula. 65