Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos

21.021 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.021
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
238
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
537
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos

  1. 1. Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos<br />Letícia Strehl<br />Bibliotecária (Bib. Central-UFRGS)<br />Doutoranda (PPGCOM-UFRGS)<br />24 set. 2009<br />Bib 03021<br />
  2. 2. Tópicos<br />Métodos quantitativos<br />Propósitos<br />Características<br />Instrumentos: a realização de levantamentos e o papel das variáveis<br />A elaboração de questionários<br />Tratamento dos dados<br />Apresentação dos resultados<br />
  3. 3. Métodos de pesquisa<br />
  4. 4. Técnicas qualitativas, quantitativas e de métodos mistos<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 36<br />
  5. 5. Suposições filosóficas<br />Alegações de conhecimento significa que os pesquisadores começam um projeto com determinadas suposições sobre como vão aprender e o que vão aprender durante a investigação<br />Construtivismo:<br />*significados múltiplos do participante<br />*construção social e histórica<br />*geração de teoria<br />Pós-positivismo:<br />*determinação<br />*reducionismo<br />*observação empírica e mensuração<br />*verificação da teoria<br />Pragmatismo:<br />*consequência das ações<br />*centrado no problema<br />*pluralista<br />*orientada para prática no mundo real<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 36<br />
  6. 6. Métodos QuaNTItativos<br />
  7. 7. Propósitos<br />Testar ou verificar teorias ou explicações<br />Reduzir o estudo à análise de variáveis e questões específicas<br />Quanti<br />Adaptado de: CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. <br />
  8. 8. Características (1)<br />Requisitos:<br />usar padrões de validade e confiabilidade<br />observar e mensurar informações numericamente<br />empregar procedimentos estatísticos<br />Instrumentos:<br />questões que resultam em respostas facilmente codificáveis<br />técnicas predeterminadas<br />dados numéricos<br />Quanti<br />Adaptado de: CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. <br />
  9. 9. Características (2)<br />Estratégias de investigação:<br />levantamentos<br />experimentos<br />Quanti<br />Adaptado de: CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. <br />
  10. 10. A realização de levantamentos e o papel das variáveis<br />
  11. 11. Dados quantitativos obtidos a partir de questionários (levantamento ou survey)<br />“Um projeto de levantamento dá uma descrição quantitativa ou numérica de tendências, atitudes ou opiniões de uma população ao estudar uma amostra dela. A partir dos resultados da amostragem, o pesquisador generaliza ou faz alegações acerca da população.”<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 161-162<br />
  12. 12. Operacionalização da pesquisa<br />Os aspectos que o pesquisador pretende investigar são operacionalizados em um estudo quantitativo em termos de variáveis a serem observadas<br />Quanti<br />
  13. 13. O que são as variáveis em um estudo? <br />Uma variável é simplesmente algo que pode variar, isto é, pode assumir valores ou categorias diferentes<br />Valor – Idade: 23<br />Categoria – Gênero: Feminino<br />Quanti<br />
  14. 14. Por que as variáveis nos interessam?<br />Porque queremos entender o motivo das variações observadas nos fenômenos que estudamos. Para que a variação seja compreendida, precisamos medir e registrar as alterações verificadas em uma dada situação.<br />Quanti<br />DANCEY, Christine P.; REIDY, John. Estatística sem matemática para psicologia : usando SPSS para Windows. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.<br />
  15. 15. A posição das variáveis em um modelo explicativo (1)<br />Por intermédio de um questionário, por exemplo, pode-se explorar o relacionamento entre as variáveis que as perguntas representam.<br />Quanti<br />May, Tim. Pesquisa social : questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p .134<br />
  16. 16. A posição das variáveis em um modelo explicativo (2)<br />Em que medida uma variável é influenciada por outra?<br />As variáveis são descritas como dependentes e independentes<br />A variável dependente é “explicada” por referência pela variável independente<br />Exemplo: Qual a relação entre o nível de satisfação do usuário com acervo e sua área de pesquisa?<br />Quanti<br />May, Tim. Pesquisa social : questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p .134<br />
  17. 17. Tipos de variáveis<br />Quanti<br />Barbetta, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. 3. ed. rev. Florianópolis: Editora da UFSC, 1999.<br />
  18. 18. O papel das variáveis para a formulação das questões em pesquisas quantitativas<br />O uso das variáveis em questões de pesquisa é geralmente limitado a três métodos básicos (1):<br />Descrever respostas às variáveis independentes ou dependentes<br />Qual a idade dos respondentes?<br />Qual o nível de satisfação do usuário em relação ao acervo de livros? <br />Variável independente<br />Variável dependente<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 162<br />
  19. 19. O papel das variáveis para a formulação das questões em pesquisas quantitativas<br />O uso das variáveis em questões de pesquisa é geralmente limitado a três métodos básicos (2):<br />Relacionar uma ou mais variáveis independentes a uma variável dependente<br />Qual é o nível de satisfação dos alunos de pós-graduação que atual na área de divulgação científica em relação ao acervo de livros?<br />Comparar grupos em uma variável independente para verificar seu impacto em um variável dependente<br />Quais são as categorias de usuários (alunos de graduação, pós e professores) que possuem maior nível de satisfação em relação ao acervo de livros?<br />Variáveis<br />independentes<br />Variável<br />dependente<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 162<br />
  20. 20. A medição das variáveis<br />As variáveis independentes e dependentes devem ser medidas separadamente.<br />Quanti<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 162<br />
  21. 21. A elaboração de questionários<br />
  22. 22. Componentes do questionário<br />Identificação do respondente<br />Solicitação de cooperação<br />Instruções<br />Informações solicitadas<br />Informações de classificação do respondente<br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  23. 23. Passos para elaboração de um questionário (1)<br />Estabelecer uma ligação com:<br />problema e os objetivos da pesquisa;<br />as hipóteses da pesquisa;<br />a população a ser pesquisada;<br />os métodos de análise de dados escolhidos e/ou disponíveis.<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  24. 24. Passos para elaboração de um questionário (2)<br />Tomar as decisões referentes aos seguintes pontos da pesquisa:<br />conteúdo das perguntas;<br />formulação das perguntas;<br />seqüência das perguntas;<br />apresentação e lay-out; <br />pré-teste.<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  25. 25. Conteúdo das perguntas<br />Quanti<br />Questões:<br />A pergunta é realmente necessária?<br />Qual sua utilidade?<br />Os respondentes têm o conhecimento necessário para responder à pergunta?<br />Cuidados:<br />Evitar perguntas demasiadamente gerais<br />Evitar questões hipotéticas<br />Ter cautela ao utilizar perguntas pessoais<br />May, Tim. Pesquisa social : questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p .130-131<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  26. 26. Formulação das perguntas<br />Utilizar linguagem simples para facilitar a compreensão da pergunta<br />Evitar ambigüidade: palavras que sugiram duplo significado ou frases com duplas negativas<br />Elimine palavras vagas<br />Quanti<br />May, Tim. Pesquisa social : questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p .130-131<br />
  27. 27. Seqüência das perguntas<br />Quanti<br />Colocar no final as questões de fato, quando o respondente já estiver mais seguro em relação à pesquisa<br />Partir das:<br />perguntas gerais para chegar às específicas<br />perguntas fáceis para chegar às difíceis <br />As perguntas relativas ao mesmo tem devem aparecer separadas para evitar o efeito de contágio<br />LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, M. de A. Técnicas de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.<br />
  28. 28. Tipos de questões<br />Abertas<br />Fechadas:<br />De múltipla escolha<br />Dicotômicas<br />De escala de opinião<br />Quanti<br />
  29. 29. Questões abertas<br />Exemplo: Você gosta de frequentar a Biblioteca? Por que?<br />Os respondentes ficam livres para responderem com suas próprias palavras, sem se limitarem a escolha entre um rol de alternativas.<br />São, normalmente, utilizadas no começo do questionário.<br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  30. 30. Questões abertas<br />Quanti<br />Vantagens<br />Desvantagens<br />Estimulam a cooperação;<br />Permitem avaliar melhor as atitudes para análise das questões estruturadas;<br />São muito úteis como primeira questão de um determinado tema porque deixam respondente mais à vontade para a entrevista a ser feita;<br />Cobrem pontos além das questões fechadas;<br />Têm menor poder de influência nos respondentes do que as perguntas com alternativas previamente estabelecidas:<br />Exigem menor tempo de elaboração;<br />Proporcionam comentários, explicações e esclarecimentos significativos para se interpretar e analisar as perguntas com respostas fechadas;<br />Evita-se o perigo existente no caso das questões fechadas, do pesquisador deixar de relacionar alguma alternativa significativa no rol de opções.<br />Dão margem à parcialidade do entrevistador na compilação das respostas, já que não há um padrão claro de respostas possíveis. Assim, é difícil a codificação das respostas e sua conseqüente compilação;<br />Há grande dificuldade para codificação e possibilidade de interpretação subjetiva de cada decodificador;<br />Quando aplicadas em forma de entrevistas, podem levar potencialmente a grandes viéses dos entrevistadores;<br />Quando feitas através de questionários auto-preenchidos, esbarram com as dificuldades de redação da maioria das pessoas, e mesmo com a &quot;preguiça&quot; de escrever.<br />São menos objetivas, já que o respondente pode divagar e até mesmo fugir do assunto;<br />São mais onerosas e mais demoradas para serem analisadas que os outros tipos de questões. <br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  31. 31. Questões fechadas:Múltipla escolha<br />Exemplo: Quais são os serviços da biblioteca que você mais utiliza?<br />( ) Empréstimo domiciliar<br />( ) Consulta local de materiais<br />( ) Acesso à Internet<br />Outro. Qual? ______<br />Os respondentes optarão por uma das alternativas, ou por determinado número permitido de opções.<br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  32. 32. Questões fechadas:Múltipla escolha<br />Vantagens<br />Facilidade de aplicação, processo e análise;<br />Facilidade e rapidez no ato de responder;<br />Apresentam pouca possibilidade de erros;<br />Diferentemente das dicotômicas, trabalham com diversas alternativas.<br />Desvantagens<br />Exigem muito cuidado e tempo de preparação para garantir que todas as opções de respostas sejam oferecidas;<br />Se alguma alternativa importante não foi previamente incluída, fortes viéses podem ocorrer, mesmo quando esteja sendo oferecida a alternativa &quot;Outros. Quais?&quot;;<br />O respondente pode ser influenciado pelas alternativas apresentadas.<br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  33. 33. Questões fechadas:Dicotômica<br />Você está satisfeito com os serviços da Biblioteca?<br />( ) Sim<br />( )Não<br />São as que apresentam apenas duas opções de respostas, de caráter bipolar, do tipo: sim/não; concordo/não concordo; gosto/não gosto. <br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  34. 34. Questões fechadas:Dicotômica<br />Vantagens<br />Rapidez e facilidade de aplicação, processo e análise;<br />Facilidade e rapidez no ato de responder;<br />Menor risco de parcialidade do entrevistador;<br />Apresentam pouca possibilidade de erros;<br />São altamente objetivas.<br />Desvantagens<br />Polarização de respostas e/ou possibilidade de forçar respostas em relação a um leque de opiniões;<br />Podem levar a erros de medição, se o tema foi tratado de forma dicotômica, quando na verdade apresenta várias alternativas, por exemplo, entre a concordância total e discordância total;<br />Dependendo de como a pergunta é feita, questões com respostas dicotômicas são fortemente passíveis de erros sistemáticos.<br />Quanti<br />STUMPF, Ida. Instrumentos de coleta de dados.<br />
  35. 35. Questões fechadas:Escalas de atitudes<br />Quanti<br />Exemplo: Vocês considera que o acervo de livros é:<br />(0) Não tenho opinião (1) Muito inadequado (2) Inadequado (3) Regular (4) Adequado (5) Muito adequado<br />Conjunto de enunciados que o pesquisador elaborou e sobre o qual o respondente é solicitado a concordar segundo respostas pré-codificadas<br />A escala de atitudes mais conhecida é a de Likert, segundo a qual as respostas das pessoas são colocadas em um contínuo de atitudes.<br />May, Tim. Pesquisa social : questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p .130-131<br />
  36. 36. Lista de verificação das questões para elaborar um projeto de pesquisa de levantamento<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 162<br />
  37. 37. Tratamento dos dados coletados com uso do Excel<br />Antes de executar qualquer análise, você precisa tratar os dados coletados.<br />O Excel é um dos programas que podem auxiliar na realização desta tarefa<br />
  38. 38. <ul><li>Cada questão do questionário torna-se uma variável- Cada variável deve ser codificada em uma coluna da planilha- Cada questionário ocupará uma linha da planilha</li></li></ul><li>Apresentação dos dados –Tabelas, quadros e gráficos<br />
  39. 39. Formas de apresentação de um dado<br />Para a elaboração de tabelas, quadros e gráficos, conta-se com inúmeros recursos de informática que podem facilitar a apresentação dos dados para o leitor do trabalho<br />Um mesmo dado tem inúmeras formas de apresentação<br />
  40. 40. Tabelas<br />É a forma não discursiva de apresentação de informações, representadas por dados numéricos e codificações, dispostos em uma ordem determinada, segundo as variáveis analisadas de um fenômeno.<br />Ex.:<br />Tabela 1 - Número e proporção de docentes dos Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Capes*, segundo faixa etária, Brasil, 2002.<br />UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Saúde Pública. Biblioteca. Guia de apresentação de teses. Disponível em: &lt;http://www.bvs-sp.fsp.usp.br:8080/html/pt/paginas/guia/home.htm&gt;.<br />
  41. 41. Recomenda-se que a tabela<br /> seja suficientemente completa para ser entendida, dispensando consulta ao texto; <br /> contenha somente os dados necessários ao seu entendimento; <br /> seja estruturada da forma mais simples e objetiva; <br /> inclua os dados logicamente ordenados; <br /> apresente dados, unidades e símbolos consistentes com o texto. <br />UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Saúde Pública. Biblioteca. Guia de apresentação de teses. Disponível em: &lt;http://www.bvs-sp.fsp.usp.br:8080/html/pt/paginas/guia/home.htm&gt;.<br />
  42. 42. A tabela e o quadro são tipos de ilustações diferentes por sua função e forma!<br />
  43. 43. Quadros<br />Ex.:<br />Os quadros são definidos como arranjo predominante de palavras dispostas em linhas e colunas, com ou sem indicação de dados numéricos. Diferenciam-se das tabelas por apresentarem um teor esquemático e descritivo, e não estatístico. A apresentação dos quadros é semelhante à das tabelas, exceto pela colocação dos traços verticais em suas laterais e na separação das casas.<br />Quadro 10- Principais bases de dados bibliográficas de interesse para a área de saúde pública disponíveis para acesso na Biblioteca da Faculdade de Saúde Pública da USP, em 2002<br />UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Saúde Pública. Biblioteca. Guia de apresentação de teses. Disponível em: &lt;http://www.bvs-sp.fsp.usp.br:8080/html/pt/paginas/guia/home.htm&gt;.<br />
  44. 44. Gráficos<br />Ex.:<br />Os gráficos representam dinamicamente os dados das tabelas, sendo mais eficientes na sinalização de tendências. <br />Deve-se optar por uma forma ou outra de representação dos dados, isto é, não utilizar tabela e gráfico para uma mesma informação. <br />O gráfico bem construído pode substituir de forma simples, rápida e atraente, dados de difícil compreensão na forma tabular. <br />Figura 9 - Distribuição dos registros da produção brasileira em saúde pública da base de dados LILACS-SP Brasil, por ano de publicação<br />UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Saúde Pública. Biblioteca. Guia de apresentação de teses. Disponível em: &lt;http://www.bvs-sp.fsp.usp.br:8080/html/pt/paginas/guia/home.htm&gt;.<br />
  45. 45. Exercício de análise de dados<br />http://www.scimagojr.com/countrysearch.php?country=BR<br />
  46. 46. Análise de dados quantitativos (1)<br />Dê informações sobre o número de membros da amostra que retornaram e não retornaram o questionário<br />Tabelas com números e percentuais<br />Discuta os possíveis vieses das respostas<br />Se os não respondentes tivessem retornado, as respostas deles teriam mudado substancialmente os resultados gerais da pesquisa?<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 167<br />
  47. 47. Análise de dados quantitativos (2)<br />Realize uma análise descritiva dos dados obtidos para todas as variáveis envolvidas no estudo<br />Elabore um plano para realização de cruzamentos entre as variáveis<br />Identifique qual é o melhor programa de computador para realização do tratamento dos dados<br />CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 168<br />
  48. 48. Dúvidas?<br />

×