Universidade do Estado da Bahia 
DEDC – Campus VII 
Fisiologia Animal Comparada 
Prof. Cristiana Santana e Ana Paula Guede...
Eletricidade Animal 
Alguns peixes conseguem produzir fortes choques elétricos. 
Antigos povos (Gregos, Egípcios) escrever...
Suficiente para matar outros peixes, possivelmente animais de 
tamanho de uma pessoa. 
Estudo profundos de peixes elétrico...
Desta forma os tubarão e arraias podem localizar outros peixes, 
mesmo em repouso. 
Exemplo: cação faminto(Tubarão scylorh...
Produção de descargas elétricas 
Quase todos peixes elétricos as descarga são Produzidos por 
órgãos discretos; 
Sistema d...
Células delegadas conhecidas como eletroplacas ou eletrolaminas, empilhadas 
em colunas de 5.000 e 10.000placas. Cerca de ...
Eletrorreceptores 
• A maioria dos peixes elétricos vivem em águas turvas, onde a 
visibilidade é precária. 
• A maior des...
• Pele: receptores estão localizados, e são dois tipos, tuberosos e 
ampulares. 
• Tuberosos: respondem especificamente às...
• Na água doce, as linhas de corrente convergem para o 
peixe devido a sua menor resistência. 
• Se um peixe elétrico for ...
Sensibilidade eletromagnética 
• Um peixe é um condutor e quando nada pelo campo magnético 
da Terra, a corrente induzida ...
• Campo magnético afeta alguns animais: moluscos 
marinhos, salmões, salamandras, tartarugas, vespões e 
abelhas melíferas...
• O que acontece com a grande variedade de informações 
sensoriais externas recebidas pelos órgãos sensoriais? 
• Como ess...
Informações sobre a Intensidade do Estímulo 
• Alteração na frequência dos potenciais de ação no axônio => indicador da 
i...
PRINCÍPIOS BÁSICOS 
• 1. Órgãos sensoriais atuam como transdutores => sinais externos geram 
potenciais receptores; 
• 2. ...
Seleção e Processamento de Informações 
• Nem todas as informações nos órgãos sensoriais são transmitidas ao SNC. 
• > tri...
Inibição lateral 
• Límulo (Limulus) 
• Olho composto: unidades receptoras estimuladas por fino feixe de luz. 
• Registro ...
Processamento de Informações 
• Olho de mamíferos: 
• Retina com fovea centralis => pequena área central, contém apenas co...
Olho da rã 
Fibras do Nervo Óptico 
• Divisão (5) => respostas das cél. ganglionares 
(respostas ≠ estímulos específicos)....
PROCESSAMENTO NA RETINA 
• Mamíferos: 
• Possuem cerca de 100 milhões de células receptoras na 
retina 
• Um milhão de axô...
• Existe cem vezes menos células ganglionares e fibras 
no nervo óptico do que nas células receptoras 
• Os neurônios que ...
PROCESSAMENTO CENTRAL 
• O quarto nível de processamento dos estímulos visuais ocorre no 
corpo geniculado. 
• Ele deve se...
Coordenação Sensorial do Músculo de Vertebrados 
• Os músculos dos vertebrados são inervados por um grande número de 
axôn...
• Além de fibras sensoriais que transmitem informações do 
músculo para o SNC. 
• São dois tipos principais de fibras sens...
• Os fusos musculares são usados para obter informações sobre o 
comprimento e são mais úteis no controle por retroaliment...
REFERÊNCIA 
• SCHMIDT-NIELSEN, K. Fisiologia Animal. Knut Schmidt- 
Nielsen. Trad. Terezinha Oppido e Carla Finger. São Pa...
OBRIGADO!
Eletricidade animal
Eletricidade animal
Eletricidade animal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Eletricidade animal

559 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
559
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eletricidade animal

  1. 1. Universidade do Estado da Bahia DEDC – Campus VII Fisiologia Animal Comparada Prof. Cristiana Santana e Ana Paula Guedes Discentes: Edna Souza, Kelly Figueiredo, Pedro Isabel e Sandra Araujo Eletricidade Animal Transmissão e Processamento de Informações Sensoriais
  2. 2. Eletricidade Animal Alguns peixes conseguem produzir fortes choques elétricos. Antigos povos (Gregos, Egípcios) escreveram a respeito choques gerados; Arraia elétrica(Torpedo),Bagre elétrico ( Malapterurus) As descargas elétricas ofensivos e defensivos Choques mais potentes Poraquê sul-americana (Eletrophorus ) liberando descarga entre 500 a 600 v
  3. 3. Suficiente para matar outros peixes, possivelmente animais de tamanho de uma pessoa. Estudo profundos de peixes elétricos mostram que; Descargas poucos intensas não podem atordoar presas; Mas utilizados para obtenção de informação a respeito do meio, comunicação. Peixes que não produzem sinais elétricos, são sensíveis á atividade muscular de outros organismo;
  4. 4. Desta forma os tubarão e arraias podem localizar outros peixes, mesmo em repouso. Exemplo: cação faminto(Tubarão scylorhinus) reagiria ate mesmos a um linguado inativado no fundo de um aquário recoberto de areia; Respondendo aos potenciais elétrico mínimo produzido pelos movimento respiratório do linguado escondido.
  5. 5. Produção de descargas elétricas Quase todos peixes elétricos as descarga são Produzidos por órgãos discretos; Sistema de músculos modificados Estudados em enguia elétrica que pode produzir descarga de mais 500v Disperso ao longo do corpo uma massa de cada lado, constituído 40% do volume do animal.
  6. 6. Células delegadas conhecidas como eletroplacas ou eletrolaminas, empilhadas em colunas de 5.000 e 10.000placas. Cerca de 70 coluna podem ser achado em cada lado do corpo. As duas face das eletroplaca são diferentes; Uma é inervada por densa rede de terminais nervosas, outra é intensamente dobrada e enrolada. A disposição em seria de eletroplacas a voltagem é somada como varias baterias conectadas. água doce ajuda na resistência diferente a água do mar. Desta maneira o poraquê consegue atingir varias centenas de voltagem.
  7. 7. Eletrorreceptores • A maioria dos peixes elétricos vivem em águas turvas, onde a visibilidade é precária. • A maior desvantagem de um sentido elétrico é seu alcance limitado. • Durante cada descarga, a extremidade da cauda fica por momento negativa em relação a cabeça.
  8. 8. • Pele: receptores estão localizados, e são dois tipos, tuberosos e ampulares. • Tuberosos: respondem especificamente às taxas de descarga de alta frequência. • Ampulares: respondem a frequência menores e a alterações nos campos de corrente direta. • Na água do mar as linhas de corrente divergem ao redor do peixe e um canal longo preenchido com material gelatinoso de alta condutância.
  9. 9. • Na água doce, as linhas de corrente convergem para o peixe devido a sua menor resistência. • Se um peixe elétrico for submetido a um pulso elétrico artificial, de frequência idêntica a sua, ele irá responder com uma alteração da frequência.
  10. 10. Sensibilidade eletromagnética • Um peixe é um condutor e quando nada pelo campo magnético da Terra, a corrente induzida encontra-se dentro do nível de sensibilidade da eletrorrecepção. • A percepção eletromagnética dos peixes marinhos depende da alta condutividade da água do mar.  Percepção de campos magnéticos  Há muitas informações anedóticas e semianedóticas: percebe a direção da bússola magnética.
  11. 11. • Campo magnético afeta alguns animais: moluscos marinhos, salmões, salamandras, tartarugas, vespões e abelhas melíferas. • Tartarugas marinhas que migram por milhares de quilômetros e retornam, anos depois, a mesma praia em que deixaram seus ovos.
  12. 12. • O que acontece com a grande variedade de informações sensoriais externas recebidas pelos órgãos sensoriais? • Como essas informações são processadas? • “O órgão sensorial serve como um transdutor que converte o sinal externo em uma alteração do potencial de membrana da célula receptora, essa alteração é chamada potencial receptor.”
  13. 13. Informações sobre a Intensidade do Estímulo • Alteração na frequência dos potenciais de ação no axônio => indicador da intensidade do estímulo. • Magnitude do estímulo sensorial => codificada e transmitida como um sinal de frequência modulada. • Células receptoras com atividade espontânea => produzem potenciais de ação e impulsos nervosos sem estímulo. • Vantagens: • 1. Aumento da sensibilidade do receptor; • 2. Uma alteração em qualquer direção pode ser codificada. • Exemplo: o receptor de radiação infravermelha da cascavel.
  14. 14. PRINCÍPIOS BÁSICOS • 1. Órgãos sensoriais atuam como transdutores => sinais externos geram potenciais receptores; • 2. Informações transmitidas em nervos sensoriais como potenciais de ação; • 3. Potenciais de ação em todos os nervos sensoriais =. Mesma natureza e magnitude. • 4. Magnitude dos potenciais de ação não é influenciada pela intensidade do estímulo. • 5. Intensidade do estímulo => codificada pela modulação da frequência dos potenciais de ação.
  15. 15. Seleção e Processamento de Informações • Nem todas as informações nos órgãos sensoriais são transmitidas ao SNC. • > triagem, filtração e processamento – antes da transmissão. • Inicia – neurônio sensorial / continua – vários níveis até o cérebro. • Seleção das informações / Etapas de processamento • Exemplo: processamento das informações visuais • Estímulos artificiais (luz) – direcionados , cronometrados e quantificados • Olho composto de artrópodes => estrutura – unidades receptoras sensoriais isoladas
  16. 16. Inibição lateral • Límulo (Limulus) • Olho composto: unidades receptoras estimuladas por fino feixe de luz. • Registro dos impulsos da fibra nervosa do nervo óptico conectada ao receptor específico: • Sinais no axônio não representam completamente o estímulo; • Padrão => depende da qtd de luz sobre outras unidades receptoras. • Por que? • Cada receptor está conectado aos adjacentes => Inibição lateral. • Consequência: • Mensagens do nervo óptico geram um quadro completo das margens, porém com um contraste realçado entre as duas zonas. • Outro exemplo: Vieira (Pecten)
  17. 17. Processamento de Informações • Olho de mamíferos: • Retina com fovea centralis => pequena área central, contém apenas cones. • Região de maior acuidade visual sob luz intensa, mas insensível à luz fraca devido a ausência de bastonetes. • Olho da rã: • Retina sem fóvea => cones e bastonetes uniformes – estrutura da retina idêntica • Fotorreceptores => vários tipos de neurônios • Células ganglionares – axônio – nervo óptico • ½ mi. de cél. ganglionares / + de 1mi. de cél. receptoras (bastonetes e cones) • Nervo óptico não transmite quadro completo da imagem. • Necessidade de discriminação ou processamento.
  18. 18. Olho da rã Fibras do Nervo Óptico • Divisão (5) => respostas das cél. ganglionares (respostas ≠ estímulos específicos). • 1. fibras on – início da iluminação • 2. fibras off – término do estímulo luminoso • 3. fibras on-off – início e término • Resposta pronunciada a movimentos de figura linear => detectores de bordas móveis. • 4. Receptores de bordas – borda fina no campo visual, parada /movimento • ≠ das fibras on-off • 5. Detectores de pequenos insetos – apenas pequenos objetos móveis e escuros. • Não respondem a alterações da intensidade luminosa global.
  19. 19. PROCESSAMENTO NA RETINA • Mamíferos: • Possuem cerca de 100 milhões de células receptoras na retina • Um milhão de axônios no nervo óptico • Antes de ser enviada para o SNC, as informações são selecionadas • No sistema óptico a transmissão ocorre em seis níveis: Três na retina ocular, um no corpo geniculado lateral do cérebro e dois no córtex visual cerebral
  20. 20. • Existe cem vezes menos células ganglionares e fibras no nervo óptico do que nas células receptoras • Os neurônios que conectam as células receptoras e os gânglios, são classificados como células horizontais, bipolares e amácrinas • Células da retina dos vertebrados (cones e bastonetes), nunca disparam potencias de ação
  21. 21. PROCESSAMENTO CENTRAL • O quarto nível de processamento dos estímulos visuais ocorre no corpo geniculado. • Ele deve ser considerado apenas como estação de relê, que consiste de conexões sinópticas entre o nervo óptico e o córtex visual cerebral. • Células que compõe o córtex visual: - células simples: respondem a linhas de contraste, como faixas claras em um fundo escuro - células complexas: recebe informações de um grande número de células simples
  22. 22. Coordenação Sensorial do Músculo de Vertebrados • Os músculos dos vertebrados são inervados por um grande número de axônios. • Cada um ramificando-se em um pequeno número de fibras musculares chamadas de unidades motora. • A contração dos músculos dos vertebrados está sob comando de uma central que recebe informações de várias fontes. • Não há necessidade de axônios inibitórios diretamente no músculo. • O nervo que chega ao músculo possui fibras que transmitem impulsos para estimular a contração.
  23. 23. • Além de fibras sensoriais que transmitem informações do músculo para o SNC. • São dois tipos principais de fibras sensoriais: - os órgãos tendinosos, que são provenientes de pequenas unidades sensoriais localizadas nos tendões; - os fusos musculares, que são formados de um tipo especializado de fibra muscular. • Os órgãos tendinosos parecem ser usados para a percepção da deformação produzida pela tensão no tendão
  24. 24. • Os fusos musculares são usados para obter informações sobre o comprimento e são mais úteis no controle por retroalimentação da contração muscular. • Sabe-se que os fusos musculares próximos aos olhos e as orelhas, são os órgãos sensoriais mais complexos do organismo. • Os fusos musculares são contráteis e inervados por axônios motores que são separados dos axônios responsáveis pela contração das fibras musculares comuns
  25. 25. REFERÊNCIA • SCHMIDT-NIELSEN, K. Fisiologia Animal. Knut Schmidt- Nielsen. Trad. Terezinha Oppido e Carla Finger. São Paulo: Santos Editora, 2002.
  26. 26. OBRIGADO!

×