Entrevista I Sistema nacional de sangue e hemoderivados

1.839 visualizações

Publicada em

Alexandre Padilha fala sobre o sistema nacional de sangue e hemoderivados. Ele anuncia que, até 2012, o MS pretende implantar um sistema de etiquetagem nacional chamado ISBT 128 que irá possibilitar aos gestores o controle de todo sangue coletado e estocado no País.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista I Sistema nacional de sangue e hemoderivados

  1. 1. Publicação da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia ISSN 2179-4855ano IV número 18 outubro/novembro/dezembro 2011 oterceiro maior do mundo Qualidade na programação científica, sucesso de público e participação internacional dão nova dimensão ao congresso brasileiro de hematologia e hemoterapia ParCeria Ítalo- Consolidação inédita brasileiro instituCional ABHH e AABB formalizam Integração e desenvolvimento assembleia Geral ordinária programa de certificação dos científico aproximam define a diretoria da Associação serviços de hemoterapia profissionais dos dois países para os próximos dois anos
  2. 2. giro Pará promove mutirão em prol da LMC A Fundação (Hemopa) promo- veu campanha de conscientização e diagnóstico precoce da Leucemia Mielóide Crônica (LMC), em par- ceria com o Hospital Ophir Loyola e as empresas Novartis Oncologia e Diagnocel, na Praça da Batista Campos, centro de Belém (PA), en- tre os dias 15 e 16 de outubro. Fo- ram realizados aproximadamente 200 hemogramas gratuitos em pes- soas com mais de 30 anos em uma unidade móvel do Hemopa, além de esclarecimentos de dúvidas e distribuição de material educativo sobre o tema. As pessoas que tiveram resul- tado suspeito para a doença foram encaminhadas para consulta médica no hemocentro para confirmação do diagnóstico e, em caso positivo, con- duzidas para tratamento no Hospital 46% do total de casos da doença na e, quando necessário, são efetivados População recebe Ophir Loyola. Levantamento do Ins- região Norte. Aproximadamente mil outros exames para confirmação e atendimento do tituto Nacional do Câncer (INCA) exames de hemograma são realiza- diagnóstico da doença em pacientes Hemopa revelou que o estado do Pará registra dos por mês na Fundação Hemopa da capital e interior do estado. Hemoba participa de evento Capacitação em hemoterapia no Hemoes na Faculdade Ruy Barbosa Em parceria com a Secreta- mentos e normas técnicas relacio- Com palestra sobre doação vo- ria de Estado da Saúde (Sesa) e nadas ao ciclo do sangue. Com a luntária de sangue, a Fundação He- Agência Nacional de Vigilância participação de representantes da moba esteve presente na Semana da Sanitária (Anvisa), o Centro de Anvisa e do Ministério da Saú- Qualidade de Vida, promovida pela Hemoterapia e Hematologia do de, foram apresentadas palestras Faculdade Ruy Barbosa. A assisten- Espírito Santo (Hemoes) promo- sobre legislação, hemovigilância, © Divulgação te social do hemocentro, Gabriela veu a 1ª Oficina de Capacitação comitês transfusionais, organi- Reis, ministrou palestra no dia 25 de em Hemoterapia, no dia 23 de zação e processos de trabalho da outubro para funcionários da insti- novembro, no auditório da Faesa, hemorrede estadual. Foto: © Alessandra Serrão / ABr tuição de ensino do campus Rio Ver- em Vitória (ES). Aproximadamente 80 médicos, melho, que demonstraram bastante O encontro visava contribuir enfermeiros, farmacêuticos e técni- interesse pelo tema. No mesmo dia, para a melhoria do serviço de he- cos de laboratório dos serviços de a Fundação Hemoba comemorou moterapia, atualizar os profissio- hemoterapia dos hospitais públicos, dois anos de Hemóvel – unidade nais de saúde em relação à nova filantrópicos e privados do Espírito móvel de coleta de sangue. legislação sanitária e aos procedi- Santo, participaram da oficina. 10 | HEMO outubro/novembro/dezembro 2011
  3. 3. giroHemopa comemoraDia do Servidor Público Em comemoração ao Dia do ginho Gomez. A programação foiServidor Público, comemorado em organizada pela Assessoria de28 de outubro, a Fundação Hemo- Gestão de Pessoas (Agesp), compa promoveu programação recrea- apoio do Serviço de Assistência àtiva com apresentação do coral do Saúde do Servidor (SASS). A pre-hemocentro, composto unicamente sidente do hemocentro, Lucianapor funcionários, apresentação de Maradei, parabenizou e agradeceustand up com o comediante pa- cada servidor da hemorrede pelaraense Serginho Cunha, curso de competência e pelo compromissoauto maquiagem e show do fun- com a manutenção da qualidadecionário do Hemopa e cantor Jor- no atendimento ao público.Hemobrás assinacontrato com Hemocentrode Ribeirão Preto Com o objetivo de aperfeiçoar e vice-presidente da ABHH, Dimasos processos de produção, qualifi- Covas; e o assessor da presidência do Dia Nacional docação e armazenagem do plasma serviço, Ricardo Haddad. Doador de Sanguesanguíneo, a Empresa Brasileira Desde julho de 2010, a Hemo-de Hemoderivados e Biotecnologia bras firmou parcerias com os ser- Anualmente, o Brasil comemora o Dia Nacional(Hemobrás) assinou contrato de in- viços de hemoterapia de Brasília do Doador de Sangue em 25 de novembro. Este ano,centivo com o Centro Regional de (FHB), Minas Gerais (Hemominas), a Fundação Pró-Sangue programou recepção calorosaHemoterapia de Ribeirão Preto. Pernambuco (Hemope), Bahia (He- para os doadores, com apresentação de corais, grupos Para a assinatura estiveram pre- moba), Rio de Janeiro (Hemorio), musicais, mágicos e palhaços, entre os dias 21 e 26 desentes o presidente da Hemobrás, São Paulo (Pró-Sangue e Colsan) e novembro. “Essa corrente precisa de você. Doe san-Romulo Maciel Filho; a chefe de ga- Santa Catarina (Hemosc). A previ- gue” é o lema da campanha nacional de incentivo àbinete da estatal, Heloiza Machado; são é que, até o final do ano, mais doação de sangue de 2011, promovida pelo Ministérioo diretor-presidente do hemocentro 110 serviços tornem-se parceiros. da Saúde (MS) e Governo Federal. A Fundação Hospitalar de Hema- tecnologia, atendimento ambulato- Hemoam comemora tologia e Hemoterapia do Amazonas rial multidisciplinar, enfermaria, la- 29 anos de serviço à (Hemoam) comemorou 29 anos de boratório de análises clínicas e ban- serviços prestados à comunidade. co de sangue, a Fundação enfrentou população Segundo o diretor-presidente da mudanças administrativas nos últi- Hemoam, Nelson Fraiji, a evolução mos seis meses. As alterações resul- da Fundação aconteceu para melho- taram em aumento de doadores fi- rar o atendimento à população. “Na delizados, treinamentos específicos, Hemoam não fazemos o que pode- reorganização institucional, além mos fazer. Fazemos o que deve e da valorização do compromisso de precisa ser feito.” cada profissional com a prestação de Com aproximadamente 300 fun- serviços de excelência em hemato- cionários, atividades de ciência e logia e hemoterapia.outubro/novembro/dezembro 2011 HEMO | 11
  4. 4. giro Seminário de coagulopatias hereditárias no DF A Fundação Hemocentro de tunidade foram realizadas pales- Brasília (FHB) e a Secretaria de tras reservadas especialmente para Saúde do Distrito Federal (SES/ os pacientes, como “Conversando DF) promoveram entre os dias 19 e com a Federação Brasileira de He- 20 de outubro, o Seminário “Aten- mofilia – FBH” e “Treinamento ção Integral às pessoas com Coa- para Infusão Domiciliar”. gulopatias Hereditárias no Distrito O Seminário reuniu mais de 130 Federal”. O intuito do encontro foi profissionais de saúde e contou com possibilitar a troca de experiên- a presença de diversos palestrantes cias, capacitar servidores da saú- do Distrito Federal e de outros esta- Hemoce de e aprofundar algumas questões dos. Os arquivos das apresentações promove relacionadas ao tema, por meio de estão disponíveis para visualização Simpósio palestras, debates e apresentação no site do FHB – www.fhb.gov.br de Doença de casos clínicos. Na mesma opor- Falciforme De 18 a 20 de outubro, o Centro de Hematologia e Hemo- Hemofilia é tema terapia do Ceará (Hemoce) pro- de encontro no Ceará moveu o VI Simpósio Brasileiro de Doença Falciforme, no La “Atendimento aos hemofíli- vembro. O encontro foi direciona- Maison Dunas. A iniciativa é fru- cos nos hemocentros regionais”, do aos profissionais que atuam no to de parceria entre os Governos “Experiências dos profissionais Programa de Coagulopatias Here- Federal, Estadual e Municipal, que atuam nos hemocentros re- ditárias da hemorrede. Atualmente por meio do Ministério da Saúde gionais” e “Apresentação de ca- a assistência aos portadores dessas (MS) e da Secretaria de Saúde do sos clínicos” foram os principais doenças no estado é realizada pelo Estado e do Município. temas abordados no IV Encontro Hemocentro Coordenador, com Aproximadamente mil pes- sobre Hemofilia da Hemorrede do sede em Fortaleza e nos Hemocen- soas participaram do evento, Ceará, promovido pelo Centro de tros Regionais de Quixadá, Igua- entre profissionais de serviços Hematologia e Hemoterapia do tu, Sobral, Crato e no Hemonúcleo de saúde do Brasil e de outros Ceará (Hemoce), no dia 5 de no- em Juazeiro do Norte. países, pesquisadores, represen- tantes do controle social e ges- tores estaduais e municipais. Na ocasião, foram abordados temas como Programa Nacional de Doação de sangue virtual Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme; Avanços em Um aplicati- Coordenação de Sangue e Hemo- Doença Falciforme: 100 anos vo foi apresenta- derivados do Ministério da Saúde, após o primeiro diagnóstico; do no Facebook Guilherme Genovez. Abordagem multidisciplinar em (http://www. Dessa maneira, o Ministério Doença Falciforme; Auto-cuida- facebook.com/ espera atingir mais regularidade do em Doença Falciforme; Teste minsaude) do Ministério da Saúde nas doações, e que os mais de 300 © Dreamstime do pezinho; Aspectos clínicos da (MS) para cadastrar doadores de bancos distribuídos pelo País con- Doença Falciforme no adulto e sangue no País, em comemoração voquem número maior de pessoas na criança; e novas terapias em ao Dia Nacional do Doador Volun- com doadores mais específicos Doença Falciforme: transplante tário, 25 de novembro. A iniciativa (de acordo com a necessidade de Foto: © Reprodução de células-tronco e diagnóstico e também busca estimular as doações determinado tipo se sanguíneo). tratamento da sobrecarga de fer- de sangue no final do ano, período Os interessados podem preencher ro em Doença Falciforme. em que os estoques caem entre 20 um formulário informando seu e 30%, segundo o coordenador da tipo sanguíneo. 12 | HEMO outubro/novembro/dezembro 2011
  5. 5. giroFHB sedia evento Hemominas no Hemo 2011franco brasileiro Com apoio da Coordenação Geral Com 18 trabalhos científicos Hemominas’, que aborda assuntosde Sangue e Hemoderivados do Mi- apresentados, a Fundação Hemo- ligados ao processo de moderni-nistério da Saúde, do Estabelecimento minas participou do Hemo 2011 zação do sistema de controle deFrancês do Sangue e da Embaixada com estudos apresentados na área temperatura dos equipamentos deda França, a Fundação Hemocentro de de equipamentos: ‘pré-qualifica- refrigeração mais antigos da Fun-Brasília (FHB) sediou, no dia 22 de no- ção de equipamentos e refigeração dação, mostrando que estes possamvembro, a ‘Oficina de Controle de Qua- para os processos de aquisição da ter uma vida útil maior.lidade em Hemocomponentes’. Fundação Hemominas’, que mos- Segundo a presidente da He- Os especialistas Stéphane Begue e tra os resultados e experiências mominas, Júnia Cioffi, os estudosNadine Marpaux ministraram palestras referentes ao processo de pré- podem trazer grande visibilidadesobre o funcionamento da instituição qualificação de equipamentos de para a Fundação. “As pesquisasfrancesa. “O encontro é de extrema refrigeração que são adotados na sobre equipamentos repercutemimportância para a qualificação dos Fundação desde 2009. diretamente na qualidade dos pro-serviços de controle de qualidade dos Além disso, a pesquisa ‘Mo- dutos oferecidos à população, alémserviços de sangue”, afirmou a diretora- dernização do Sistema d Co t o e ste a de Controle tem o d otimização e e u sos da e da o m ação de recursos e d me- ot ç o ecu opresidente da FHB, Beatriz MacDowell de Temperatura de Equipamentos Equipamentos m lho ia lhoria do parque tecnológico daSoares. da Cadeia de Frios da Fundação Funda ão Hemominas ” Hemominas.”Dia Mundial deLuta Contra a Aids No dia 1º de dezembro é come- Outra ação para o Dia Mun-morado o Dia Mundial de Luta Con- dial de Luta Contra a Aids é umatra a Aids. A campanha deste ano parceria entre o Departamento deserá focada nos jovens de 15 a 24 DST, Aids e Hepatites Virais, a As-anos das classes C, D e E. Segundo sociação Brasileira de Municípioso Departamento de DST, Aids e He- (ABM) e o Programa Conjunto daspatites Virais do Ministério da Saú- Nações Unidas sobre HIV/Aidsde, a ação visa discutir as questões (Unaids), para promover a Campa-relacionadas à vulnerabilidade ao nha do Laço Vermelho 2011.HIV/Aids da população prioritária, A proposta é que todas as pre-sob o ponto de vista do estigma do feituras dos municípios brasilei-preconceito. Ainda de acordo com ros instalem um laço vermelhoo Departamento, a ideia é estimular (símbolo da data) em um marcoa reflexão sobre a falsa impressão de referência de sua cidade. A pre-de que a Aids afeta apenas o outro, feitura de Alagoa (MG) foi a pri-distante da percepção de que todos meira a oficializar a participaçãosomos vulneráveis. na Campanha do Laço Vermelho. Além dos jovens com idade Entre os dias 25 de novembro eentre 15 e 24 anos, profissionais 5 de dezembro, laços vermelhosde saúde, gestores, profissionais foram instalados em pontos estra-da área de educação e comunidade tégicos da cidade, além de açõesescolar, serão contemplados pela de conscientização para jovens ecampanha, a ser veiculada por TV, adolescentes na Escola Estadualrádio, internet, cartazes, folders e do Carmo Lima Pinto, no dia 1ºmobiliários urbanos. de dezembro.outubro/novembro/dezembro 2011 HEMO | 13 HEMO HEMO EM 3
  6. 6. entrevista Oportunidade e decisão Ministro da Saúde anuncia sistema nacional de padronização com código de barras para controlar a produção e a estocagem de sangue Por Marina Panham édico infectologista formado pela Universidade Estadual de Campinas (Uni- M camp), com especialização na Universidade de São Paulo (USP), Alexandre Padilha coordenou o Núcleo de Extensão em Medicina Tropical do Depar- tamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Numetrop-USP), entre 2000 e 2004. No mesmo período foi coordenador de Projetos de Pesquisa, Vigilância e Assistência em Doenças Tropicais, no Pará, iniciativa realizada em conjunto com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e com o Fundo de Pesquisa em Doenças Tropicais da Organização Mundial da Saúde (OMS). Também em 2004, assumiu o cargo de diretor Nacional de Saúde Indígena da Fundação Na- cional de Saúde (Funasa), órgão ligado ao Ministério da Saúde (MS). Nomeado ministro de Es- tado Chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República em setembro de Foto: © Erasmo Salomão / ASCOM-MS 2009, Padilha já atuava na coordenação política do governo Lula desde agosto de 2005, quando atuou como Subchefe de Assuntos Federativos (SAF) entre janeiro de 2007 até a posse como ministro no início deste ano. Em entrevista exclusiva a Hemo em revista, Alexandre Padilha fala sobre o sistema nacional de sangue e hemoderivados. Ele anuncia que, até 2012, o MS pretende implantar um sistema de etiquetagem nacional chamado ISBT 128 que irá possibilitar aos gestores o controle de todo sangue coletado e estocado no País. Segundo Padilha, a padronização é um passo importante para a estru- turação do plano nacional de contingência do sangue que o Ministério está desenvolvendo para o enfrentamento de calamidades nacionais ou situações em que há grande aglomeração de pessoas como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. 14 | HEMO outubro/novembro/dezembro 2011
  7. 7. entrevistaoutubro/novembro/dezembro 2011 HEMO | 15
  8. 8. entrevista Quais são os maiores desafios para tornar o Brasil E qual é o estágio atual da fábrica de Hemoderi- auto-suficiente na área de sangue e hemoderivados? vados em construção na cidade de Goiana (PE)? Alexandre Padilha: O desafio principal é aumen- Padilha: As operações da fábrica da Hemobrás, tarmos, progressivamente, o número de doações e em Pernambuco, terão início em 2014. Será a doadores de sangue no Brasil. Nossa meta é coletar maior fábrica de hemoderivados da América La- 4,5 milhões de bolsas de sangue por ano. Avança- tina, com capacidade para processar 500 mil litros mos ao criar o novo Regulamento Técnico de Pro- de plasma sanguíneo por ano. Serão investidos R$ cedimentos Hemoterápicos, que reforça as medidas 670 milhões neste projeto e, em dezembro deste de proteção a quem doa, a quem recebe o sangue, e ano, vamos inaugurar a primeira etapa da obra, estabelece um programa de controle de qualidade que inclui o prédio em que será armazenado todo nos hemocentros. Outra medida foi a ampliação da o plasma coletado nos hemocentros destinado ao faixa etária de doação, que passou a ser, no Brasil, fracionamento dos medicamentos. A segunda eta- de 16 a 68 anos. Com isso, aproximadamente 14 pa, que engloba 12 blocos e a finalização de toda a milhões de brasileiros serão incentivados a torna- parte civil, teve a sua construção iniciada em maio rem-se potenciais doadores. O aumento de doações de 2011 e será concluída em dois anos. é necessário diante da demanda crescente de proce- dimentos de alta complexidade cirúrgica realizados Quais são as próximas ações do MS em prol da no Sistema Único de Saúde (SUS), sobretudo nas hemoterapia e hematologia nacional? áreas de transplante e oncologia. As campanhas de Padilha: Uma das nossas metas é desenvolver doação de sangue lançadas pelo Ministério da Saúde políticas públicas que garantam acesso seguro e (MS), a cada ano, são fundamentais neste sentido. qualificado nas áreas de hemoterapia e hematolo- Vamos ampliá-las para mobilizar um número cada gia. Além da implementação do NAT brasileiro, vez maior de brasileiros. A participação deve envol- destaco o início das tratativas com a Associação ver maior número de famílias e outros setores da Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH) sociedade, como empresas e clubes de serviço. Uma e a American Association of Blood Banks (AABB) etapa importante para atingirmos a auto-suficiência para a execução do programa brasileiro de acredi- na área de hemoderivados é a conclusão da fábrica tação dos estabelecimentos públicos e privados de Fotos: © Erasmo Salomão / ASCOM MS da Hemobrás, que iniciará as atividades em 2014. A sangue. Outra ação que estamos desenvolvendo é ativação desta fábrica representará o fortalecimento a criação do banco nacional de registro de preços. do complexo industrial da Saúde no País e nos dará Este cadastro permitirá aos hemocentros otimizar Alexandre Padilha condições de desenvolver novas pesquisas, além de a oferta dos seus serviços e racionalizar os gastos anunciou que a produzir, nacionalmente, medicamentos essenciais com a compra de insumos. Queremos implantar no meta do MS é coletar à vida de pessoas com hemofilia, além de portado- Brasil, até 2012, um sistema de informações que 4,5 mi bolsas de res de imunodeficiência genética, cirrose, câncer, possibilite aos gestores o controle de toda a produ- sangue por ano AIDS e queimados. ção e estocagem do sangue coletado no País. Este 16 | HEMO outubro/novembro/dezembro 2011
  9. 9. entrevistasistema vai integrar os bancos de sangue já exis- Durante campanha realizadatentes e garantirá maior segurança e qualidade aos no Dia Mundial do Doador A padronizaçãoserviços. Isso será possível por meio da implanta- de Sangue, o senhor anun- nacional é um passo ição de um sistema de etiquetagem nacional (ISBT ciou a expansão do Teste128). Esta norma é importante para padronizar a NAT para todos os hemocen- importante para arede brasileira em relação à troca de dados pelos tros do País. Qual a previsão estruturação doserviços de hemoterapia e os gestores do SUS. Com para que isso ocorra?este sistema será possível, por exemplo, a trans- Padilha: Em 2012 toda a plano nacional deferência de uma bolsa de sangue coletada no Rio hemorrede pública estará contingência daGrande do Sul para ser aproveitada no Amazonas operando com o teste NAT.ou em outro país. O sistema permite que isso seja A nova tecnologia brasileira área do sanguefeito a partir da leitura do código de barras impres- – desenvolvida pelo Institutoso na bolsa, que registrará toda informação sobre Biomanguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fio-o processo produtivo e as características imunohe- cruz) – trará mais segurança para as transfusõesmatológicas da coleta. A padronização nacional é sanguíneas. Com o novo kit, o tempo entre a in-um passo importante para a estruturação do plano fecção viral e a capacidade de detecção do teste di-nacional de contingência da área do sangue, que minuirá de 22 para 11 dias para o HIV e de 70 paraestamos desenvolvendo para o enfrentamento de 22 dias para a hepatite C. É importante destacarcalamidades naturais ou situações em que há gran- que reduzimos o custo do teste para aquisição pelodes aglomerações de pessoas, como acontecerá no mercado nacional de US$ 25 para US$ 6. Desde oBrasil com a realização dos dois grandes eventos, início do processo de implantação do NAT brasi-a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de leiro, cerca de 400 mil amostras foram testadas nos2016. Na área assistencial, vamos distribuir este serviços de hemoterapia coordenadores do Rio deano 572.498.085 UI de fator VIII, o que nos faz Janeiro, São Paulo, Campinas (SP), Pernambuco,alcançar a meta projetada de 35.000 UI por pa- Santa Catarina, Minas Gerais e Brasília. Na próxi-ciente ao ano. A nossa perspectiva é elevar até o ma etapa, mais sete plataformas serão instaladas nofim de 2011 a distribuição de medicamentos para Ceará, Amazonas, Bahia, Ribeirão Preto (SP), Pará,índices de referência internacionais de qualidade, Paraná e Mato Grosso do Sul. O Ministério já in-o que nos credenciará para dar início à profilaxia vestiu R$ 25 milhões para a realização dos testes eprimária para hemofilia A e B já no próximo ano. R$ 30 milhões foram aplicados para a implantaçãoPela primeira vez, em 2011, o programa brasilei- das plataformas.ro de coagulopatias conseguiu exercer a aquisiçãode concentrado de fator VIII para o tratamento de A ABHH emitiu mensagem ao MS exprimindo oimunotolerância para pacientes com hemofilia A e sentimento de hematologistas e hemoterapeutaspresença de inibidor. sobre a ausência de definições claras quanto aos rumos da assistência no caso de leucemia mie- lóide crônica e aguda, e do linfoma. Que medi- das o MS irá tomar diante dessa situação? Padilha: A atenção a pacientes com linfomas e leucemia mielóide crônica e aguda está assegu- rada no SUS, inclusive com o fornecimento dos medicamentos indicados a esses tratamentos. Recentemente, publicamos novas medidas com o objetivo de aperfeiçoar o sistema de controle, especialmente no caso de leucemia mielóide crô- nica. Posso garantir que o Ministério continuará acompanhando a efetividade e o bom uso dos pro- cedimentos terapêuticos e, assim, garantir acesso e cuidados aos pacientes atendidos no SUS. Uma das novidades neste ano foi a compra centralizada do medicamento Glivec pelo governo federal que, ao adquiri-lo em grande escala, obteve redução superior a 50% no preço do produto. A economia gerada com esta negociação é de, aproximada- mente, R$ 400 milhões até 2012.outubro/novembro/dezembro 2011 HEMO | 17

×