Ação "Os Maias"

5.376 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ação "Os Maias"

  1. 1. Ação na obra “OsMaias” Trabalho realizado por: Marta Jorge nº6
  2. 2. Tragicidade da Ação A acção desta obra apresenta certas características da tragédia clássica, tais como o destino (Anankê) influência personagens da alta sociedade. Neste caso é Guimarães que representa o destino, uma vez que é ele que revela a verdade a Ega, e consequentemente a Carlos. Apesar da sua passagem rápida pela obra ele muda completamente a via de todos.
  3. 3. (Continuação) Outro aspecto importante é o facto de surgir vestido de negro, o que prediz a desgraça; a peripécia (peripeteia) que consiste na mudança inesperada na vida de todos, nomeadamente quando Carlos descobre o seu parentesco com Maria Eduarda; o sofrimento (pathos) das personagens após a revelação da verdade; e por fim, a catástrofe (Catastrophe) que é a morte de Afonso e a separação de Carlos e Maria Eduarda que partem para caminhos
  4. 4. Ação Secundária A acção secundária envolve substancialmente Pedro da Maia, Maria Monforte, Afonso da Maia e Trancedo. Pedro, após um ano da morte da mãe, cai em amores pela bela Maria Monforte. Namoram- se e casam-se desautorizando Afonso da Maia, na altura opositor ao casamento, chamando Maria de "negreira" e questionando as suas origens e valores morais. Após uma fuga para o estrangeiro, Pedro e Maria estão de volta para
  5. 5. (Continuação) Nascem dois filhos, Carlos e Maria Eduarda, e mesmo assim Maria Monforte adia sempre o encontro com o sogro. Entretanto Pedro fere acidentalmente Trancedo, que se instala na sua casa para se recompor. Maria Monforte e Trancedo apaixonam-se e fogem, levando consigo a pequena Maria Eduarda. Pedro, ainda desgostoso leva Carlos para o Ramalhete, onde conta tudo ao pai. Depois de escrever uma final carta, suicida-se... Deixando Carlos e Afonso.
  6. 6. Ação Principal Na intriga principal são retratados os amores incestuosos de Carlos e Maria Eduarda que terminam com a desagregação da família – morte de Afonso da Maia e separação de Carlos e Maria Eduarda. Carlos é protagonista da intriga principal. A acção principal inicia-se quando Carlos vê Maria Eduarda acompanhada por Castro Gomes.
  7. 7. (Continuação) De seguida visita Rosa, filha de Maria Eduarda, a pedido de Dâmaso uma vez que a família não se encontrava presente. No entanto, ele volta, mas desta vez a pedido da própria Maria Eduarda para cuidar de Miss Sara que estava doente. Pouco tempo depois Carlos declara-se a Maria Eduarda que mostra sentir o mesmo. Aqui dá-se a consumação do encesto.
  8. 8. (Continuação) Apesar de roda a felicidade sentida na altura, Guimarães, que conhece Maria Eduarda, revela a Ega que ela e Carlos são na realidade irmãos. Este revela a Carlos que por sua vez abre-se com o avô. Após todo esta situação Carlos realiza o incesto voluntariamente até que Afonso morre. No entanto, Maria Eduarda descobre toda a verdade e parte para Paris, enquanto que ele viaja durante dez anos pela Europa. Desta forma, dá-se a separação do casal.
  9. 9. (Continuação) Depois dessa longa viajem, Carlos volta a Portugal. Entre a intriga principal e a intriga secundária podemos observar um certo paralelismo, uma vez que a intriga principal só se dá porque são criadas condições para tal, pela intriga secundária, e além disso há pontos em comum entre estas.
  10. 10. (Continuação) Apesar das educações opostas de Pedro e de Carlos, ambos são vítimas do meio em que se inserem e que levará à frustração dos seus ideais e capacidades. Tanto Pedro como Carlos tem vidas muito relaxadas. O primeiro desejou o encontro com Maria Monforte e consegui-o graças a Alencar, o segundo desejou o encontro com Maria Eduarda e consegui-o, também, mas graças ao Dâmaso, ambos são objectos de uma paixão avassaladora.
  11. 11. (Continuação) Afonso opõe-se a ambos os romances, ao de Pedro devido aos antecedentes de Maria Monforte, cujo pai enriquecera por negociar escravos, ao de Carlos por considerar Maria Eduarda “uma amante”. Maria Monforte retarda o encontro com Afonso, enquanto que Carlos e Maria Eduarda retardam a felicidade por causa de Afonso. Em ambos os romances surge um elemento desencadeador do drama, no caso de Pedro, e da tragédia no caso de Carlos, sendo Tancredo para Pedro e Guimarães para o de Carlos.
  12. 12. (Continuação) Pedro suicida-se fisicamente, enquanto que Carlos se suicida psicologicamente. Há ainda pequenas acções secundárias como os relacionamentos amorosos adúlteros de Ega e Raquel Cohen, e, de Carlos e Condessa de Gouvarinho, como o comportamento e as atitudes de figurantes, nomeadamente de Dâmaso. Euzébiozinho e Palma Cavalão, e ainda como o paralelismo entre a educação dada a Carlos e a Euzébiozinho.

×