Viagens na minha terra

28.053 visualizações

Publicada em

Orientações preliminares à leitura da obra "Viagens na minha terra", de Almeida Garrett.
(não disponível para download)

Publicada em: Educação
0 comentários
36 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.053
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
36
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Viagens na minha terra

  1. 1. Almeida Garrett “Formou Deus o homem, e o pôs num paraíso de delícias; tornou a formá-lo a sociedade, e o pôs num inferno de tolices.” Viagens na minha terra
  2. 2. Almeida Garrett Considerado o primeiro autor romântico em Portugal, João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett (1799- 1854) passou a infância nas propriedades do pai, ao sul do Porto. Aos 10 anos de idade foi obrigado a sair de sua cidade (invadida pelas tropas de Napoleão Bonaparte). Mudou-se para Lisboa com a família e mais tarde para a ilha Terceira (Açores).
  3. 3. Teatro • Frei Luís de Souza • 1843 Prosa • Viagens na minha terra • 1846 Poesia • Folhas Caídas • 1853 Garrett dinâmico
  4. 4. Garrett sedutor “A vida de Garrett foi tão apaixonante quanto sua obra. Destacou-se socialmente como “o tipo perfeito do dandy”. Foi um homem de muitos amores, uma espécie de homem fatal. Separou-se da esposa, para viver com sua amante D. Adelaide Pastor até à morte desta em 1841. A partir de 1846, a sua musa é a viscondessa da Luz, Rosa Montufar Infante, inspiradora dos arroubos românticos das Folhas Caídas.”
  5. 5. Olhos negros Por teus olhos negros, negros, Trago eu negro o coração, De tanto pedir-lhe amores... E eles a dizer que não. E mais não quero outros olhos, Negros, negros como são; Que os azuis dão muita esp'rança Mas fiar-me eu neles, não. Só negros, negros os quero; Que, em lhes chegando a paixão, Se um dia disserem sim... Nunca mais dizem que não. (in «Folhas Caídas e Outros Poemas»)
  6. 6. " Há três espécies de mulheres neste mundo: a mulher que se admira, a mulher que se deseja e a mulher que se ama. A beleza, o espírito, a graça, os dotes da alma e do corpo geram a admiração. Certas formas, certo ar voluptuoso, criam o desejo. O que produz o amor não se sabe; é tudo isto às vezes; é mais do que isto, não é nada disto. Não sei o que é; mas sei que se pode admirar uma mulher sem a desejar, que se pode desejar sem a amar.” Cap. 44, Viagens na minha terra
  7. 7. Este inferno de amar – como eu amo! Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi? Esta chama que alenta e consome, Que é vida – e que a vida destrói. Como é que se veio atear, Quando – ai se há-de ela apagar? Eu não sei, não me lembra: o passado, A outra vida que dantes vivi Era um sonho talvez… foi um sonho. Em que a paz tão serena a dormi! Oh! Que doce era aquele olhar… Quem me veio, ai de mim! Despertar? Só me lembra que um dia formoso Eu passei… Dava o Sol tanta luz! E os meus olhos que vagos giravam, Em seus olhos ardentes os pus. Que fez ela? Eu que fiz? Não o sei; Mas nessa hora a viver comecei… Por instinto se revela, Eu no teu seio divino Vim cumprir o meu destino... Vim, que em ti só sei viver, Só por ti posso morrer.
  8. 8. “Viagens na minha terra” é considerado um ápice da prosa de Almeida Garret, mas é difícil determinar sua classificação (quanto ao gênero) porque reúne em si: relatos de viagens, ensaio e ficção - e aindanovela. (universia.com.br-adaptado) Considerando que a obra surge durante do movimento romântico, resgatando e preservando a história nacional, o livro enquadra-se em romance histórico ao lado de Eurico, o presbítero ( Alexandre Herculano).
  9. 9. Estrutura da obra Organização em 49 capítulos Narrador/autor 1a/ pessoa A menina dos rouxinóis em 3a pessoa Narrativa linear e uso do flashback Linguagem híbrida (formal + informal) Antes de ser publicada como volume único em 1846, a obra foi um folhetim publicado entre 1845 e 1846 na Revista Universal Lisbonense .
  10. 10. O estilo de Garret nesta obra “o romance vai se desenvolvendo em torno de várias digressões muitas delas literárias. Em muitos momentos ele conversa com o leitor, ou leitora, que ele trata sempre de forma educada e carinhosa. Utiliza termos como: benévolo leitor, amável leitora, leitor amigo, entre outros.” (Paulo Roberto Borges Berlim, em O tempo no romance: um recorte da Joaninha dos olhos verdes em Viagens na minha terra)
  11. 11. O enredo A história se desenvolve a partir de uma viagem (que durou 6 dias) entre Lisboa e Santarém. O narrador/autor parte para uns dias de descanso na casa de seu amigo Passos Manuel. Essa viagem tem descrições esplendorosas. *Note-se a direção da viagem: da capital para o interior (vide mapa a seguir).
  12. 12. Verossimilhança A viagem que serve de pretexto para a narrativa é real. Garrett fez o trajeto de Lisboa a Santarém e observou a paisagem e as pessoas em seus costumes. Quando, em 1846, Almeida Garrett escreveu Viagens na Minha Terra falavase do trem como promessa ( o primeiro trecho de trem só seria inaugurado 10 anos depois da publicação da obra). Garrett, embora fosse um progressista, desconfiava do novo meio de transporte, e preferia as estradas, tidas como mais eficazes: ele descreve a viagem em barcos, mulas e charretes.
  13. 13. Santarém “No século XIX Santarém foi palco de importantes acontecimentos históricos, como a ocupação dos exércitos franceses (1807/8); dois anos depois foi também escolhida como posição estratégico-militar e quartel-general (...). Este último facto levou à migração maciça da sua população, incluindo frades e freiras, para Lisboa e outras paragens.” *Podemos interpretar que o autor pretende fazer o caminho de volta; voltar ao interior.
  14. 14. Tempo O narrador utiliza a técnica do flashback, partindo de um tempo presente, resgatando um tempo passado ( e histórico) e projetando suas expectativas para o futuro. O narrador marca o tempo cronologicamente ( determina os dias, os meses, e o ano daquilo que conta) . No entanto, como a viagem física é intercalada por digressões, só no final do livro é que sabemos que durou 6 dias.
  15. 15. O contexto do enredo Guerra civil portuguesa entre constitucionalistas (representados por D. Pedro I) e absolutistas (representados por D.Miguel I). Quando D. Pedro I volta a Portugal e assume o trono cria-se um período progressista de liberdade, e Garrett escreve o livro para defender o governo. O tempo das Viagens é um tempo histórico de aguda crise de valores, de recuo de conquistas políticas e sociais. O narrador se interessa pelo presente que o rodeia e pelo passado próximo que a ele deu origem.
  16. 16. “Nesse momento Joaninha, que passeava a alguma distância da casa na direção de Lisboa, acudiu sobressaltada brandando: - Avó, avó!... tanta gente que aí vem! soldados e povo... homens e mulheres... tanta gente! Era a retirada de 11 de outubro. - Deus tenha compaixão de nós! - disse a velha. - O que será, padre? - O que há de ser! - respondeu Frei Dinis. - O meu pressentimento que se verifica; o combate foi decisivo, os constitucionais vencem. Com efeito foram aparecendo as tropas que se retiravam, as gentes que fugiam, e todo aquele confuso e doloroso espetáculo de uma retirada em guerra civil...” (capítulo XIX)
  17. 17. Romance Como já foi dito, Garret vai defender o governo e insere no livro uma noveleta “A menina dos rouxinóis”. O Romantismo “exigia” uma história de amor desafortunada para ilustrar o relato... Desse modo, temos o romance entre Carlos e Joaninha.
  18. 18. Viagens…no plural!! Enquanto viaja, também a sua mente vagueia pelo passado, pelo presente e pelo futuro. São estas as outras “Viagens” que o título aponta: um olhar sobre o Portugal de oitocentos, sobre a sociedade nacional, sobre a política corrupta, sobre o desencanto final do liberalismo (http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/grandeslivros)
  19. 19. O pluralismo do substantivo "Viagens“ dá pistas da coexistência de múltiplas viagens: Viagem Geográfica (de Lisboa a Santarém) Viagem ao passado das personagens (segredos ) Viagem à Consciência (reflexões e críticas) Viagem Sentimental (Carlos e Joaninha) Viagem ao passado (história de Portugal)
  20. 20. nacionalismo Identidade com a terra Discurso subjetivo Observe-se a força significativa do pronome “minha” sentimento de posse relação de intimidade
  21. 21. Personagens Carlos representa o espírito renovador e liberal Georgina Joaninha representa o ideal moral da sociedade representa a pureza da vida campestre, limpa da corrupção citadina, impoluta e de mente ingênua D.Francisca representa Portugal e a prudência Frei Dinis representa o absolutismo, conservadorismo, a tradição, os velhos e inquebráveis costumes.
  22. 22. “Espelhos inversos” Carlos (o filho), ao contrário, luta pelos ideais do liberalismo e, depois de descobrir que é filho do frade, foge e se torna barão (materialista). Frei Dinis (o pai) é, inicialmente, materialista. Somente diante do remorso pelo pecado cometido espiritualiza-se, tornando-se um frade austero. Helder Macedo afirma que estes personagens são “espelhos, imagens inversas um do outro”.
  23. 23. “Joaninha (...) é uma criança, e tem mais juízo, mais energia d'alma, mais saúde e mais força do que (...) a maior parte dos homens.” (capítulo XIX ) “os olhos de Joaninha eram verdes... não daquele verde descorado e traidor dos felinos, não não, eram verde-verde, puros e brilhantes como esmeraldas do mais subido quilate.” (capítulo XII) Personifica a graça, a fragilidade, o espírito de sacrifício e o encanto feminino na concepção do autor. Sua função é mostrar a destruição do caráter de Carlos. Sentimental, enlouquece diante das injustiças e crueldades sociais e morre. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  24. 24. Joaninha e a janela “Joaninha era certa em sua janela(...) ambos os exércitos, ali se acostumaram a vê-la com o nascer e o pôr do sol: ali, muda e quedas horas esquecidas, escutava ela o vago cantar dos seus rouxinóis, talvez absorta em mais vagos pensamentos ainda... E dali lhe puseram o nome de "menina dos rouxinóis", pelo qual era conhecida em ambos os campos; significante e poético apelido com que a saudavam os soldados de ambas as bandeiras.” (capítulo XIX)
  25. 25. "Leitor amigo e benévolo, caro leitor meu indulgente, não acuses, não julgues à pressa o meu pobre Carlos." (Cap.XXII) O típico exemplo dos homens fatais, que espalham à sua volta a destruição e o sofrimento; caráter inconstante, não consegue encontrar-se a si próprio nem identificar-se com o seu verdadeiro eu, simbolizado por Joaninha. É um puro coração que a sociedade transformou num céptico, um sentimental arrastado por um coração demasiado grande e sensível que não sabia obedecer à razão ou à vontade. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  26. 26. "Uma bela mulher de estatura não acima da ordinária", "a cabeça com uns laços de preto e cor de granada (…) um rosto oval, clássico, perfeito, sem grande mobilidade de expressão mas belo" (Cap. XXXII) Mulher madura no pensar, de personalidade forte, enérgica e firme. Simboliza o espírito de abnegação, sacrifício e de renúncia.Tanto ela como Joaninha são personagens individuais, que não representam qualquer grupo social. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  27. 27. "católico sincero e frade no coração“ (cap. XV) "o frade mais austero e pregador mais eloquente daquele tempo“ (cap. XVI) "homem de princípios austeros, de crenças rígidas e de uma lógica inflexível e teimosa". (cap. XV) Simboliza as ideias absolutistas, encarna a ideia cristã da penitência. É uma personagem que tem como função na obra criar uma atmosfera de terror, atormentado pelo remorso. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm) Antes de ser frade, Dinis foi o culpado pela morte da mãe de Carlos (de quem era amante) e do marido dela, e também pela morte do pai de Joaninha.
  28. 28. Avó paciente, terna, carinhosa e amante dos netos. O seu comportamento quase não sofre alterações do princípio ao fim da novela. Está mais ligada ao passado do que ao presente; só ela conhece o mistério da família e os crimes de Frei Dinis. Desempenha um papel decisivo na cena do reconhecimento. É ela que impede Carlos de assassinar Frei Dinis, revelando-lhe que ele é seu pai. "Filho, meu filho! - arrancou a velha com estertor do peito: - É teu pai, meu filho. Este homem é teu pai, Carlos". (Cap.35) Com a morte da neta (Joaninha) deixará de existir como ser humano, aguardando apenas a morte física.A estagnação das perspectivas da sua vida poderá simbolicamente ser associada com a situação de Portugal ("pátria moribunda"). (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  29. 29. Desfecho Carlos não aceita o fato de ser filho de Frei Dinis e foge; torna-se barão e deixa Georgina, enquanto Joaninha enlouquece e morre. abandona os ideais para assumir um comportamento adequado aos apelos do mundo: ser barão. Desta perspectiva, é o símbolo do Portugal contemporâneo. (Massaud Moisés) Paralelamente, a viagem até Santarém também termina.
  30. 30. “Mortes simbólicas” “[Carlos]foge, desencadeando um processo que se pode denominar de mortes simbólicas na obra: Carlos morre ao tornar-se barão — morte de ideais, da alma, do amor.” (Abigail dos Santos Fonsêca) “Além da morte de Carlos há também a de Joaninha que morre para a razão ao enlouquecer; Georgina morre para a vida ao converter-se ao Catolicismo pois não aceitava ser de outro homem que não fosse Carlos; D. Francisca (que já estava semimorta), também louca, morre para o mundo, está apenas à espera da “dissolução do corpo”, assim como Frei Dinis que aguarda o momento em que Deus o leve.” (Abigail dos Santos Fonsêca)
  31. 31. Assista no Análise da obra em estudo. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=YFLeRzsKSok
  32. 32. Assista no Série Grandes Livros RTP Viagens da minha terra (apresentação) 50 minutos Episódio 10 2009. http://www.youtube.com/watch?v=ho2ZqiVUCss&feature=related
  33. 33. Relevância no movimento literário “Instrumento para reflexão do seu autor, Viagens na minha terra, não só moderniza a prosa portuguesa, extirpando-lhe os vícios retóricos de grandiloqüência, como também traz em seu bojo a marca de uma lúcida consciência dos problemas que afligem seu país.” (Massaud Moisés,p.40) “As Viagens(...) são o ponto de arranque da moderna prosa literária portuguesa: pela mistura de estilos e de géneros, pelo cruzamento de uma linguagem ora clássica ora popular, ora jornalística ora dramática, ressaltando a vivacidade de expressões e imagens, pelo tom oralizante do narrador, Garrett libertou o discurso da pesada tradição clássica, antecipando o melhor que a este nível havia de realizar Eça de Queirós.” A obra gera a referência histórica para o início de “A cidade e as serras”, de Eça de Queirós
  34. 34. “Ficam-nos estas “Viagens” que, fisicamente, foi breve (Lisboa – Santarém; Santarém – Lisboa), mas que atravessou toda a alma de um país que ainda se descobre entrelinhas.” (– Episódio X– Série Grandes Livros, Viagens na minha terra – Almeida Garrett)
  35. 35. Fontes GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 3° edição. Lisboa: Sá da Costa, 1974. MOISÉS, Massaud (dir.). A literatura portuguesa em perspectiva: Romantismo e Realismo. vol. 3. São Paulo: Atlas, 1994, p. 39. FONTES, Isabel. Disponível em http://www.mundovestibular.com.br/articles/4367/1/VIAGENS-NA-MINHA-TERRA---Almeida Garret-Resumo/Paacutegina1.html BERLIM, Paulo Roberto Borges. O tempo no romance: um recorte da Joaninha dos olhos verde disponível em: www.letras.ufpr.br/documentos/graduacao/monografias/ss_2008/paulo_roberto_borges_berlim.pdf • http://pt.shvoong.com/books/1942732-an%C3%A1lise-livro-viagens-na-minha/#ixzz1oegoWT4k • http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/02/24/913540/estude-os-livros-obrigatorios-da-fuvest-e-unicamp2013-viagens-na-minha-terra-almeida-garret.html • http://alpendredalua.blogspot.com/2011/12/notacoes-os-pobres-i-de-almeida-garrett.html • http://martarib.tripod.com/biografia.htm • http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/grandeslivros/?k=Viagens-na-Minha-Terra.rtp&post=11408 http://www.lithis.net/25 • http://nelsonsouzza.blogspot.com/2010/08/este-inferno-de-amar-almeida-garrett.html • http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/fichaleituraalmeidagarrett.htm • http://martarib.tripod.com/personagens.htm • http://www.artigos.com/artigos/humanas/artes-e-literatura/simbolos-e-imagens-em-viagens-na-minha-terra-2473/artigo/ Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria Licenciada em Letras – Unisantos Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

×