SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
Estoques
Luciana Bazante
Curso Técnico em Administração
Educação a Distância
2019
Estoques
Luciana Bazante
Curso Técnico em Administração
Educação a Distância
Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa
| 2.ed. reimp. |
2019
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) de acordo com ISDB
O48e
Oliveira, Luciana Bazante de.
Estoques: Curso Técnico em Administração: Educação a distância / Luciana Bazante de
Oliveira. 2.ed. reimp. – Recife: Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da
Costa, 2019.
46 p.: il.
Inclui referências bibliográficas.
Conteúdo produzido em agosto de 2018 para os Cursos Técnicos da Secretaria Executiva de
Educação Profissional de Pernambuco, em convênio com o Ministério da Educação (Rede e-Tec
Brasil).
1. Controle de estoque. 2. Administração de materiais. 3. Logística empresarial. II. Título.
CDU – 658.787
Elaborado por Hugo Carlos Cavalcanti | CRB-4 2129
Professor Autor
Luciana Bazante de Oliveira
Revisão
Luciana Bazante de Oliveira
Antonio de Souza Silva Júnior
Coordenação de Curso
Antonio de Souza Silva Júnior
Coordenação Design Educacional
Renata Otero
Design Educacional
Deyvid Souza Nascimento
Renata Marques de Otero
Catalogação e Normalização
Hugo Cavalcanti (Crb-4 2129)
Diagramação
Jailson Miranda
Coordenação Executiva
George Bento Catunda
Terezinha Mônica Sinício Beltrão
Coordenação Geral
Paulo Fernando de Vasconcelos Dutra
Secretaria Executiva de Educação
Integral e Profissional
Escola Técnica Estadual Professor
Antônio Carlos Gomes da Costa
Gerência de Educação a Distância
Sumário
Introdução..............................................................................................................................................6
1.Competência 01 | Conhecer o Processo e Variáveis da Armazenagem de Materiais........................8
1.1 Conceitos Iniciais.........................................................................................................................................8
2.Competência 02 | Compreender a Classificação de Estoques por Níveis de Valor..........................17
2.1. Classificação dos Estoques...................................................................................................................... 17
2.1.1 Quanto ao Tipo ..................................................................................................................................... 17
2.1.2 Classificação quanto à Importância ou Valor (Método ABC)................................................................ 22
2.2. PEPS e UEPS ............................................................................................................................................ 23
2.2.1 PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai) ou FIFO (First in – First Out)........................................... 24
2.2.2 UEPS (Último que entra, primeiro que sai) ou LIFO (Last in – First Out) .............................................. 25
2.3 Custo Médio Ponderado .......................................................................................................................... 26
3.Competência 03 | Entender o Dimensionamento e Níveis de Estoques..........................................28
3.1 Dimensionamento de Estoques............................................................................................................... 28
3.2 Níveis de Estoque..................................................................................................................................... 29
3.3. Gráfico Dente de Serra............................................................................................................................ 32
3.4 Lote Econômico de Compras sem Faltas (LEC) ........................................................................................ 33
3.5 Previsão e Avaliação da Demanda de Estoques....................................................................................... 35
4. Competência 04 | Compreender os Pontos de Compras e Reposição de Estoques .......................37
4.1 Sistemas de Controle de Estoques........................................................................................................... 37
4.1.1 Sistema Min-Máx .................................................................................................................................. 37
4.1.2 Sistema de Revisões Periódicas ............................................................................................................ 38
4.1.3 MRP....................................................................................................................................................... 38
4.2 Custos de Estocagem ............................................................................................................................... 39
Conclusão .............................................................................................................................................43
Referências...........................................................................................................................................44
Minicurrículo do Professor...................................................................................................................46
6
Introdução
Imagine que você possui uma pequena lanchonete no centro da cidade. Sua lanchonete
vende, basicamente, sanduíches, salgados, tortas, sucos, refrigerantes e milk-shake. Ela fica aberta
ao público às sextas, sábados e domingos. Durante os outros dias da semana, você costuma pesquisar
e comprar os insumos necessários para o funcionamento da lanchonete. Todavia, para economizar,
você compra alguns produtos em escala, mas outros não podem ser comprados em quantidade, já
que são perecíveis. Independente da frequência com que você compra seus insumos é preciso estocar
alguns, para que você possa servir aos clientes. A quantidade estocada precisa ser bem determinada,
para que não falte produto e nem estrague no depósito.
O controle de estoques é muito importante para qualquer tipo de empresa, pois através
dele, além de se controlar os desperdícios e os desvios, diminuem os custos, efetuam-se análises,
bem como se mede o momento de fazer algum investimento. Uma empresa precisa ter estoques para
que possa estar pronta a produzir sempre que houver uma demanda. No entanto, tais estoques
geram custos e não devem ser encontrados em quantidade que onere a empresa. Então, uma
pergunta surge: quanto de estoque é preciso ter para atender satisfatoriamente à clientela, sem que
haja desperdício?
Na primeira competência, você conhecerá conceitos importantes, que fundamentarão
toda a disciplina: o que é logística, o que é estoque e quais são as atividades primárias e as atividades
de apoio à cadeia de suprimentos.
Na segunda competência, você compreenderá a classificação de estoques por nível de
valor, aprendendo que ABC não é usado apenas como uma alusão ao nosso alfabeto. Em seguida,
aprenderá sobre os métodos de avaliação e movimentação de estoques: PEPS, UEPS e CMP.
Na terceira competência, você estudará sobre os níveis de estoques e no que eles podem
influenciar para a necessidade de reposição ou custos da empresa, bem como ferramentas auxiliares
para entendermos tais níveis e mantermos os estoques em quantidade adequada. Também será
abordado o método de previsão de demanda de estoques.
Na quarta e última competência, você conhecerá sobre os sistemas de controle de
estoques e os custos envolvidos na estocagem.
Ao longo da disciplina, serão esclarecidos vários temas, tais como: o que é a cadeia de
7
suprimentos, o que significa PEPS, classificação ABC, entre muitos outros e, por fim, os parâmetros
de controle mais importantes que devem ser trabalhados diariamente em todas as empresas.
Ao fim do aprendizado, você, prezado (a) aluno (a), obterá um novo conhecimento
teórico, entenderá como todos esses fatores o levarão a administrar adequadamente os estoques e
a importância que isso terá para a empresa onde você trabalha ou trabalhará, bem como poderá
aplicar alguns desses conhecimentos em suas atividades.
Seja bem-vindo (a) à disciplina Estoques, do curso de Administração!
Bons estudos!
Competência 01
8
1.Competência 01 | Conhecer o Processo e Variáveis da Armazenagem de
Materiais
1.1 Conceitos Iniciais
Voltando à sua lanchonete, quanto de estoque é preciso ter para atender
satisfatoriamente à clientela, sem que haja desperdício? Antes de tudo vamos entender o conceito
de estoques. Segundo Gonçalves (2004), estoques podem ser considerados como acumulação de
matérias-primas, produtos em processo ou produtos acabados, na posse de uma empresa, que
aparecem em vários pontos por todos os canais logísticos e de produção na empresa. Os materiais
são resultados da diferença entre a demanda e o fornecimento, para que seja possível guardar
insumos para oferecer produtos aos clientes.
Quando estão estocados, os materiais ficam fisicamente parados em algum lugar, seja na
empresa ou em outro ponto. Para utilizá-los, precisam ser movimentados. Para que se mantenha um
bom controle dos estoques, todas as movimentações de materiais devem ser efetuadas por meio das
notas fiscais, quando se tratar de produtos acabados; ou documentos internos, quando se tratar de
transferência ou requisição de matérias-primas.
Podemos encontrar três tipos de movimentações de materiais: entrada, saída e
transferência.
Veja um rápido vídeo sobre o sistema de Logística na empresa
Natura, acessando o link a
seguir:
https://www.youtube.com/watch?v=2H9PML_HHHQ
É importante nunca confundir suprimentos com matérias-primas,
pois as matérias-primas são um dos tipos existentes de suprimentos.
Matéria-prima é um produto natural ou semimanufaturado que deve
ser submetido a um processo produtivo até tornar-se um produto
acabado.
Competência 01
9
• Entrada: é a movimentação de materiais que entram no estoque da empresa, como as
compras. Quando você adquire insumos para transformar em produtos a serem
oferecidos aos seus clientes;
• Saídas: é a retirada (comumente chamada de “baixa”) do estoque, formalizada por meio
da emissão de notas fiscais ou, quando ocorrerem movimentações internas, por meio de
requisições de materiais. Então, a utilização de produtos do estoque indica a saída destes;
• Transferências: são movimentações de materiais efetuadas entre almoxarifados ou
filiais da mesma empresa. Esta operação gera débito e crédito entre as unidades da
empresa, mas não afeta o resultado final do saldo do estoque geral. O registro desta
operação pode ser feito por meio de emissão de notas fiscais de transferência ou por
documento interno de requisição de materiais.
Como se dá a movimentação dos estoques?
Para que sua lanchonete possa funcionar é preciso providenciar a movimentação de seus
insumos e de seus produtos vendidos por telefone, para serem entregues ao consumidor final. Há
várias maneiras de se realizar esta movimentação e alguns modais utilizados são: rodoviário,
ferroviário, hidroviário, dutoviário e o aeroviário (não necessariamente uma lanchonete usa todos
eles). Há também a multimodalidade, a integração dos diversos modais de transporte.
É preciso identificar como os produtos da lanchonete serão recebidos, bem como serão
feitas as entregas dos produtos para os clientes. Esta identificação deve levar em conta alguns fatores,
tais como: o custo, para que se mantenha dentro do orçamento da empresa; a conservação, para que
os insumos e produtos estejam sempre frescos; e a rapidez com que se deseja receber os insumos e
fazer as entregas.
O grande ponto dos estoques envolve manter seus níveis os mais baixos possíveis, e ao
mesmo tempo prover a disponibilidade desejada pelos clientes.
Veja um rápido vídeo sobre os tipos de modais de transporte,
acessando o link a seguir:
https://www.youtube.com/watch?v=P6k9y3CDIiI
Competência 01
10
A questão dos estoques merece grande atenção por parte dos profissionais de logística e
consequentemente do técnico em administração, exatamente porque o grande desafio é ter o menor
nível de estoque possível sem prejudicar o nível de serviço ao cliente, ou seja, manter uma quantidade
necessária para atender ao cliente quando ele desejar. Não é algo simples, no entanto, existem
técnicas e sistemas de gestão que auxiliam para o seu sucesso. Isso, estudaremos mais à frente.
O grande desafio da movimentação do estoque consiste em reduzir o “ciclo do pedido”,
que é o tempo total entre o cliente realizar um pedido e o mesmo ser entregue, ou o tempo entre
você fazer uma encomenda de insumos e recebê-la de seu fornecedor. Isto é muito importante para
os negócios, pois você não quer ficar sem material para atender aos pedidos dos seus clientes e nem
deixar os clientes esperando demais a entrega do seu alimento, não é? Então, é importante contar
com sistemas eficientes e eficazes de recebimento de pedido, checagem de estoque, separação,
expedição e entrega do produto.
As atividades que vimos até agora, de movimentação e processamento, são ditas como
atividades primárias. Para completar o processo há também as atividades de suporte. As atividades
de suporte são aquelas adicionais, que dão suporte ao desempenho das atividades primárias, para
que seja possível ter clientes satisfeitos e alcançar a lucratividade da empresa. São as seguintes:
armazenagem, manuseio de materiais, embalagem de proteção, planejamento e sistemas de
informação.
1) Armazenagem
É o processo que envolve a administração dos espaços necessários para manter os
materiais estocados. Essa ação envolve fatores como localização, dimensionamento da área, arranjo
Os conceitos de armazenagem e estocagem são diferentes, fique atento:
A) Armazenagem: é um subsistema responsável pela gestão física dos
estoques, que inclui todas as atividades relacionadas à guarda temporária e
a distribuição de materiais (depósitos, almoxarifados, centro de distribuição,
etc.). As operações de armazenagem consistem no recebimento, estocagem,
separação e expedição de materiais para apoiar o fluxo de materiais nos
sistemas de manufatura e distribuição.
B) Estocagem: é uma das atividades do fluxo de materiais no armazém, é o
ponto destinado à locação estática dos materiais, ou seja, onde eles fisicamente
ficam.
Competência 01
11
físico (layout), equipamentos de movimentação, recuperação do estoque, bem como necessidades
de recursos financeiros e humanos.
A armazenagem é constituída por um conjunto de funções de recepção, descarga,
carregamento, arrumação e conservação de matérias-primas, produtos acabados ou semiacabados.
Uma vez que ela envolve mercadorias, apenas é produzido resultado quando é realizada uma
operação, com o objetivo de acrescentar valor a essas mercadorias. Podemos dizer que o objetivo
geral da armazenagem é o compromisso entre os custos e a melhor solução para as empresas. Na
prática, isso só é possível caso se tenha em conta todos os fatores que influenciam os custos de
armazenagem, bem como a importância relativa dos mesmos.
a. Custos da Armazenagem
Os custos envolvidos na armazenagem são geralmente fixos e indiretos, apresentando a
dificuldade da minimização do impacto dos custos. Por exemplo, se você possui um depósito para
armazenagem, independente dele estar vazio ou cheio, os custos continuarão os mesmos, pois você
precisará continuar pagando os funcionários, os equipamentos, aluguel se o espaço não for próprio,
etc.
b. Sistemas de Armazenagem
Para arrumar adequadamente as matérias-primas ou produtos acabados, alguns sistemas
são utilizados. Existem vários tipos de sistemas de armazenagem, utilizados de acordo com o tipo de
produto a armazenar e área disponível, entre outros parâmetros.
Para se determinar qual o melhor sistema de armazenagem, em primeiro lugar devemos
respeitar as características do produto, isto é, o seu peso, dimensões e a possibilidade ou
impossibilidade de junção em paletes.
Abaixo, vamos conhecer alguns elementos desse sistema:
• Palete (ou estrado)
É possível dizer que é um recurso que tem como função a melhoria do transporte de
cargas, obtido por meio da empilhadeira e da paleteira.
Competência 01
12
Figura 1 - Modelo de palete de madeira
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Palete
Descrição: a figura mostra um palete, também chamado de estrado, cujo material é madeira, mas podem ser encontrados
no mercado feitos de outros materiais. O palete tem três vigas que encostam no chão, com espaço entre elas. Sobre elas,
estão presas cerca de cinco tábuas, com pequenos espaços entre elas, que ajudam a organizar e a movimentar produtos
ou materiais. A dimensão padrão de um palete é de 1,10 X 1,10.
• Paleteira
É uma espécie de máquina, um tipo de empilhadeira manual, cuja principal função é fazer
o deslocamento de materiais em uma organização, principalmente no estoque. Uma das vantagens
da paleteira manual é sua relação de custeio com a empilhadeira elétrica, porque, embora ambas
sejam úteis para o carregamento de material, a paleteira, além de mais fácil manuseio, é capaz de
transportar enormes quantidades de peso, sem toda necessidade de tempo que se leva para
aprender a monitorar uma empilhadeira elétrica, e ainda com um preço mais barato.
Figura 2 - Modelo de paleteira
Fonte: http://paleteira 09.wordpress.com/2012/04/17/quais-as-funcoes-que-uma-pa le teira-exerce-na-logistica-de-
uma-empresa
Descrição: a foto mostra um modelo de paleteira, equipamento utilizado para movimentar paletes. Na parte da frente,
onde os paletes ficam apoiados, existem dois braços de ferro, conectados ao motor do equipamento. Esses braços entram
perfeitamente nos espaços das vigas dos paletes. Também conectado ao motor, segue uma espécie de direção, por meio
da qual uma pessoa pode guiar o equipamento. A pessoa guia o equipamento em pé, posicionada sobre uma estreita
plataforma, segurando a direção.
Competência 01
13
• Empilhadeira
Máquina usada principalmente para carregar e descarregar mercadorias em paletes.
Existem diversos tipos e modelos, tais como: elétricas, manuais, combustão e portuárias. Você vai
conhecer, na figura a seguir, o que é uma empilhadeira e entender as diferenças físicas entre ela e
uma paleteira.
Figura 3 - Modelo de empilhadeira
Fonte: http://pt. wikipedia.org/wiki/Palete
Descrição: a foto mostra um modelo de empilhadeira elétrica que está sendo operado por uma pessoa. Assim como a
paleteira, este equipamento também possui dois braços de ferro para apoiar os paletes, porém ele pode fazer um
movimento de subir e descer os paletes, para alcançar locais mais altos. O operador da foto está colocando um palete
cheio de produtos na carroceria de um caminhão.
• Porta-paletes
Representa a melhor resposta para os armazéns, onde é necessário armazenar produtos
paletizados com uma grande variedade de referências. É a solução mais simples e mais utilizada,
sendo adaptável a qualquer tipo de carga e volume.
• Drive in
São estruturas para verticalizar cargas paletizadas, com movimentação interna da
empilhadeira, ideal para trabalhar com grandes quantidades de um mesmo produto, com
armazenagem em lote. É uma estrutura composta por laterais com braços que sustentam as
longarinas de Drive-in, formando blocos verticais e horizontais, denominados ruas de armazenagem,
os quais dão acesso à empilhadeira que fará o carregamento dos paletes dentro da própria estrutura,
formando, assim, um bloco contínuo, sem corredores intermediários, permitindo que a empilhadeira
entre na estrutura. As estruturas drive-in são operacionalizadas por uma única entrada. Tem como
Competência 01
14
vantagem a rentabilidade máxima do espaço disponível, eliminação dos corredores entre as estantes,
rigoroso controle de entradas e saídas. Admite tanto as referências como as ruas de carga.
Figura 4 - Modelo de drive in
Fonte: http://adminlogistica.wordpress.com/conteudo/estrutura-porta-paletes
Descrição: os paletes podem ser deixados no chão mas, para otimizar o espaço de armazenamento, muitas empresas
instalam estruturas verticais para alocar paletes, sendo o drive in uma delas. Na figura, é possível ver um drive in com 15
posições de dimensão (cada posição cabe um palete), quatro posições de largura e quatro posições de altura. Muito
espaço é aproveitado. Há uma empilhadeira colocando um palete em uma das posições e a estrutura está quase toda
completa de paletes, existem poucos espaços vazios.
• Drive through (ou drive-thru)
Também são estruturas para verticalizar cargas paletizadas, mas diferentes do drive in,
que a empilhadeira entra e sai pelo mesmo lado, no drive through a empilhadeira tem acesso pelos
dois lados, sendo dois corredores: um de entrada e outro de saída. Sua estrutura conta com lastres
com rodas para fazer a movimentação do palete; essas rodas ajudam na movimentação dos paletes,
colocando o mesmo de um lado e sendo levado pela força da gravidade para o outro lado. Você pode
visualizar esta explicação na figura a seguir.
Competência 01
15
Figura 5 - Modelo de drive through
Fonte: http://conhecimentosdaarmazenagem.blogspot.com/p/estrutura-porta-palete.html
Descrição: o drive through é outro modelo de estrutura para otimizar espaço quando necessário armazenar paletes.
Through (ou thru, que é a pronúncia) significa “através” em Inglês. Na figura é possível entender a escolha do nome,
uma vez que é possível ver uma estrutura que tem seis posições de dimensão, quatro posições de altura e três posições
de largura. Há duas empilhadeiras colocando paletes com produtos na mesma fileira, só que uma entra por um lado e a
outra empilhadeira entra pelo outro lado. Essa é a diferença básica entre o drive in e o drive through: no primeiro, o
último palete que entra é obrigatoriamente o primeiro que sai, a estrutura não permite que seja diferente. Já no drive
through, a movimentação pode ocorrer dos dois lados, então o operador pode colocar um palete mais antigo de um
lado e um mais novo do outro. Quando precisar retirar o mais antigo, ele não precisa mover o palete mais novo, basta
retirar o mais antigo pelo outro lado da estrutura.
2) Manuseio de Materiais
Digamos agora que você precisa entregar algum produto armazenado para realizar uma
venda. A este processo se chama manuseio de materiais. Essa atividade envolve a movimentação de
materiais no local de estocagem, que pode ser tanto de estoques de matéria-prima como de produtos
acabados. Pode ser a transferência de materiais do estoque para uso no processo produtivo ou do
processo produtivo para o estoque de produtos acabados. Pode ser também a transferência de um
depósito para outro.
3) Embalagem
Para proteger os produtos armazenados são utilizadas embalagens, para que seja possível
movimentá-los sem danificá-los. Um bom projeto de embalagem do produto auxilia a garantia
perfeita e ainda faz uma movimentação sem desperdícios. Além disso, dimensões adequadas de
empacotamento encorajam manuseio e armazenagem eficientes.
Competência 01
16
4) Planejamento
O armazenamento está diretamente associado à função planejamento. A função
planejamento é responsável pelo cálculo das quantidades agregadas que devem ser produzidas, bem
como quando, onde e por quem devem ser fabricadas. É a base que servirá de informação à
programação detalhada da produção dentro da fábrica. Com isso, ela determina quanto haverá de
estoques e quando o estoque será utilizado.
5) Sistema de Informação
Para dar suporte aos processos descritos acima são utilizados sistemas de informação. Os
sistemas são alimentados pelas informações sobre custo, procedimentos e desempenho essenciais
para o correto planejamento e controle logístico. Com isso, a empresa terá uma base de dados bem
estruturada, com informações significativas sobre os clientes, sobre os volumes de vendas, sobre os
padrões de entregas, sobre os níveis dos estoques e disponibilidades físicas, importantes para o
desenvolvimento das suas atividades.
E então, o que você achou da primeira competência da disciplina Estoques? Entenda-a
bem, para que possa partir para a competência a seguir.
Competência 02
17
2.Competência 02 | Compreender a Classificação de Estoques por Níveis
de Valor
Na primeira competência você aprendeu sobre conceitos importantes para o
entendimento do processo de estocagem. Nesta competência você começará conhecendo sobre a
classificação dos estoques: quais são os seus tipos e quais a relevância para a empresa. Com isso,
podemos tomar melhores decisões sobre o processo de estocagem, como no caso dos produtos da
sua lanchonete que abordamos na competência 1.
Após saber como classificar os estoques, você estará apto (a) para conhecer sobre os
métodos de avaliação e movimentação dos estoques. Sendo assim, você conhecerá três critérios
comumente utilizados, como o PEPS – Primeiro que Entra, primeiro que Sai; UEPS – Último que Entra,
Primeiro que Sai e CMP - Custo Médio Ponderado.
2.1. Classificação dos Estoques
Podem ser encontradas várias classificações dos estoques. Podemos dizer que, onde
existe necessidade de materiais, irão existir estoques. Os estoques recebem diferentes classificações
de acordo com a natureza dos produtos, das atividades da empresa, etc., e podem ser classificados
conforme abaixo:
2.1.1 Quanto ao Tipo
• Estoque de matéria-prima e materiais auxiliares
Se você fabrica o pão para os sanduíches da sua lanchonete, você terá que armazenar
farinha de trigo. É uma matéria-prima básica que foi adquirida para entrar no processo produtivo da
empresa e requer processamento para ser transformada em produto – o pão. Este tipo de material
fica normalmente estocado em armazéns ou depósitos de matéria-prima, aguardando a requisição
do setor de produção para ser usado e transformado. Sendo assim, devem ser mantidos estoques
suficientes para atender a demanda da produção que, por sua vez, segue a demanda dos clientes.
Competência 02
18
Figura 6 - Modelo de armazenamento de matérias-primas
Fonte: http://www.pratic.ind.br/empresa.htm
Descrição: a figura mostra um armazém que possui um pé direito bem alto e muitas janelas. Nele, é possível ver alguns
sacos azuis e brancos de matéria-prima sobre dois paletes, um ao lado do outro. Atrás destes paletes há um palete com
mais sacos empilhados de matéria-prima, dessa vez numa pilha de sacos mais alta. À direita deste palete, existem três
paletes com muitos sacos vermelhos empilhados, também muitos sacos que atingem uma altura maior do que o palete
de sacos azuis. Todos os sacos estão cheios, provavelmente de grãos ou pó, pelo formato que apresentam.
• Estoques de materiais semiacabados
Agora, vamos falar um pouco sobre os produtos semiacabados. No caso das lanchonetes,
um exemplo é quando partimos pães para prepararmos sanduíches. Ora, para uma padaria, o pão é
um produto acabado, mas para a preparação do sanduíche, o pão é um produto semiacabado: aquele
que não está ainda totalmente pronto, por algum motivo. É um tipo de material cujo processamento
está em algum estágio intermediário de acabamento e se encontra quase acabado, faltando apenas
mais algumas etapas do processo produtivo para se transformar definitivamente em produto
acabado. Normalmente, os materiais semiacabados ficam em uma área específica ou no setor
produtivo. Não são mantidos no almoxarifado por não serem mais matérias-primas iniciais, nem
tampouco no depósito de produtos acabados, por ainda não serem estes produtos acabados.
Competência 02
19
Figura 7 - Produtos semiacabados
Fonte: http://www.mangasushibar.com.br/cardapio/acrcimos/1829/pao-de-forma-fatia
Descrição: na figura há duas fatias de pão de fôrma, uma sobre a outra, dentro de um prato pequeno, na cor branca,
aguardando o momento de formar um sanduíche.
• Estoques de Componentes
Os estoques de componentes também são tipos de produtos acabados, mas formados
por peças isoladas ou componentes já acabados e prontos para serem anexados ao produto. São, na
realidade, partes prontas ou montadas que, quando juntas, constituirão o produto acabado.
• Estoque de produtos acabados
É o estoque composto pelo produto que teve seu processo de fabricação terminado, ou
seja, já pronto para venda e expedição. Usando o exemplo da lanchonete, poderia ser o sanduíche, a
coxinha, etc.
Figura 8 - Modelo de estoque de produtos acabados
Fonte: https://teclog2.wordpress.com/category/mov-e-armaz-de-materiais/page/2/
Descrição: depósito de uma empresa, onde foram colocadas estantes de ferro altas, porém estreitas, para armazenar as
pequenas caixas de produtos acabados sobre elas. Pelo tamanho e dimensão dos produtos apresentados, a
movimentação e estocagem deles é mais fácil, por isso não estão sobre paletes.
Competência 02
20
Após serem apresentados os tipos de estoque, uma pergunta vem em mente: quanto de
estoque é preciso armazenar? Para todos os tipos de estoque, é muito importante ter uma
quantidade adequada dentro da empresa. Com isso, surge o conceito de estoque mínimo ou de
segurança:
• Estoque de segurança ou mínimo
Se as empresas soubessem de todos os fatores que viriam a influenciar na demanda, as
previsões sobre estas estariam sempre certas. Nesse caso, deixariam de ser previsões para serem
certezas, mas isso é impossível. É impossível você saber quantas latas de refrigerante, precisamente,
você vai vender na lanchonete. Sendo assim, é importante manter quantidades estocadas para
garantir as vendas, caso ocorra aumento na demanda desse item, por exemplo.
Para tanto, usa-se a fórmula abaixo, que compara a demanda máxima que a empresa
pode atender, ou seja, quantos refrigerantes a empresa pode vender, em função da sua capacidade
instalada, e a demanda média, que é a média da quantidade de refrigerantes que a lanchonete vende
em determinado período.
O estoque de segurança é conhecido por meio do uso de uma fórmula:
ES = D(máx) – D(média)
Sendo:
D(máx) A demanda máxima que uma empresa pode atender.
D(média) A demanda média da empresa.
Competência 02
21
Figura 9 - Modelo de gráfico dente de serra para estoque de segurança
Fonte: http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/impressao_artigo/658
Descrição: gráfico formato dente de serra, que tem este nome exatamente pelo seu formato. Para formar o gráfico, há
a coordenada horizontal, chamada “abscissa”, que se cruza com a coordenada vertical, chamada “ordenada”. A abscissa
neste gráfico representa o tempo . A ordenada representa a quantidade e vai até 1, sendo cortada ao meio por uma
reta e, abaixo dessa reta, também cortada por uma linha pontilhada. Entre as duas linhas, abscissa e coordenada, há
uma reta que começa do ponto 1 da ordenada e toca a abscissa; em seguida, a mesma linha sobe novamente e toca a
reta traçada no ponto 1; outra vez, a linha desce e toca a abscissa...formando um movimento de serra, que nomeia o
gráfico.
Sendo:
Ponto 1: Estoque máximo;
Ponto 2: Nível de ressuprimento, ou estoque médio;
Ponto 3: Estoque virtual. Considera-se o estoque real armazenado e as encomendas;
Ponto 4: Estoque de segurança;
Ponto 5: Ponto de ruptura.
Fonte: Tec Hoje (2013)
Nesse processo, influencia o TR (tempo de ressuprimento), que é o tempo que o
fornecedor leva para entregar os refrigerantes. Para evitar falta de produtos, você deve fazer o pedido
de fornecimento quando atingir o estoque mínimo e antes do prazo que o fornecedor lhe dá para
fazer a entrega.
Agora, será que esta fórmula apresentada se aplica a todos os casos? Pois, há produtos
que têm um valor agregado maior que outros, ou seja produtos que dão mais lucros. Como levamos
isso em consideração?
Competência 02
22
2.1.2 Classificação quanto à Importância ou Valor (Método ABC)
Uma maneira de responder a pergunta acima é aplicando o método ABC. O método de
classificação ABC nada mais é do que uma ferramenta que auxilia na gestão de estoques,
proporcionando informações relevantes sobre aqueles produtos que têm maior ou menor giro;
relacionados com o custo de aquisição. A curva ABC permite identificar quais itens necessitam de
atenção e tratamento adequados quanto à sua importância. Também pode ser utilizada para
classificar clientes em relação aos seus volumes de compras ou em relação à lucratividade
proporcionada. Com isso, você saberá quais produtos são mais lucrativos e poderá desenvolver uma
política de estoques mais adequada para eles.
Figura 10 - Exemplo de curva ABC
Fonte:http://www.sobreadministracao.com/wp-content/uploads/2010/12/grafico-ABC.jpg
Descrição: gráfico que representa a curva ABC. A sua abscissa representa a quantidade de itens e a ordenada
representa valor dos itens em porcentagem. Na abscissa estão marcados os pontos 20, 60 e 100. Na ordenada, os
pontos 80, 95 e 100. O que isso significa? Quando os pontos 80 e 20 se encontram, formam o espaço A, que representa
os itens que têm pouco volume (20%), mas muito valor (80%). Quando os pontos 95 e 60 se encontram, formam o
espaço B, que representa os itens que têm 60% de volume e 95% de valor. Quando os pontos 100 e 100 se encontram,
formam o espaço C, que representa os itens que possuem 100% de volume e 100% de valor. Podemos ver, então, que
os itens A são aqueles que precisam de mais atenção, pois uma pequena quantidade já representa alta parcela do valor.
Em seguida, o B e o C. Eis a curva ABC.
Obtém-se a curva ABC com a ordenação dos itens conforme a sua importância relativa.
Uma vez obtida a sequência dos itens e sua classificação ABC, passa a ser conhecida a aplicação
preferencial das técnicas de gestão, conforme a importância dos itens. Após os itens terem sido
ordenados pela importância relativa, as classes da curva ABC podem ser definidas das seguintes
maneiras:
Competência 02
23
• Classe A: grupo de itens mais importantes, que devem ser trabalhados com grande
atenção por parte da empresa. São aqueles itens que dão a sustentação de vendas e
normalmente correspondem a 20% do volume total.
• Classe B: é um grupo intermediário de itens em relação à importância, quantidade ou
valor, podendo corresponder a 30% do total.
• Classe C: grupo de itens menos importantes em termos de movimentação, valor ou
quantidade. No entanto, também precisam de atenção porque geram custo para manter
estoque. Podem corresponder a 50% do volume total.
A Curva ABC é conhecida também por seguir o princípio 80-20, pois é baseada no
teorema do economista italiano Vilfredo Pareto, que num estudo sobre renda e riqueza do século
XIX, percebeu que em uma pequena parcela da população (20%) se concentrava a maior parte da
riqueza, em detrimento dos demais 80%. No caso de estoques, a importância dos materiais é
considerada em relação às quantidades utilizadas e o seu valor.
Figura 11 - Modelo de curva ABC
Fonte: http://miscelaneaconcursos.blogspot.com/2012/09/curva-abc.html
Descrição: quadro que apresenta uma coluna chamada classe, onde estão as letras A, B e C. Em seguida, uma coluna
com os itens em porcentagem, sendo A: 20%, B: 30% e C: 50%. A terceira coluna mostra o valor, sendo A: 80%, B: 15% e
C: 5%. A quarta coluna mostra a importância, sendo A: grande, B: média e C: pequena. É mais uma referência para
ajudar a entender a curva ABC.
2.2. PEPS e UEPS
Mas, é importante saber que toda política de estoques precisa estar atenta a três
aspectos:
Competência 02
24
a) assegurar que o dinheiro investido em estoques seja o mínimo possível;
b) garantir que o valor desse capital seja uma ferramenta de tomada de decisão;
c) evitar desperdícios como perda de validade, roubos, extravios, etc.
Considerando que vários fatores podem fazer variar o preço de aquisição dos materiais
entre duas ou mais compras (inflação, custo do transporte, procura de mercado, outro fornecedor,
etc.), surge o problema de selecionar o método que se deve adotar para avaliar os estoques. Com
isso, é importante, a partir de agora, você conhecer um pouco sobre os métodos de avaliação dos
estoques. O maior objetivo do custeio do estoque é a determinação de custos adequados às vendas,
de forma que o lucro apropriado seja calculado.
É muito importante prever o valor do estoque em intervalo de tempo adequado e
gerenciá-lo, comparando-o com o planejado, e ainda tomar as devidas ações quando houver algum
desvio ou demanda inesperada.
Os métodos mais comuns de avaliação são:
2.2.1 PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai) ou FIFO (First in – First Out)
À medida que ocorrem as vendas, ocorrem baixas no estoque a partir das primeiras
unidades compradas. Produtos perecíveis da lanchonete, como os alimentos, seguiriam esta lógica.
Justificando: a primeira unidade a entrar no estoque é a primeira a ser utilizada no processo de
produção ou a ser vendida.
Algumas vantagens deste método:
• Os itens usados são retirados do estoque e a baixa é dada nos controles de maneira
lógica e sistemática;
• O resultado obtido espelha o custo real dos itens específicos usados nas saídas;
• O movimento estabelecido para os materiais, de forma contínua e ordenada,
representa uma condição necessária para o perfeito controle dos materiais,
especialmente quando estes estão sujeitos à deterioração, decomposição, mudança de
qualidade, etc.
Conheça um modelo de planilha usando o método PEPS na figura a seguir:
Competência 02
25
Figura 12 - Planilha PEPS
Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp
Descrição: planilha de controle e estoque de biscoitos. Ela possui uma coluna de data. Em seguida, tem uma grande
coluna de entradas (que se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna de R$ e uma coluna de total) e outra
grande coluna de saídas (que também se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna de R$ e uma coluna de
total). Após as duas colunas, há uma coluna de saldo (que também se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna
de R$ e uma coluna de total). Para exemplificar o PEPS, há uma entrada na data 01/01, de quantidade 1, cujo valor é de
R$ 1,30 e o total de entradas é de R$ 1,30. Não há nenhuma saída e a coluna de saldo repete o mesmo que há na coluna
de entrada, pois o saldo é o resultado de todas as movimentações (entradas e saídas). No dia 02/01, há uma entrada de
quantidade 1, que custa R$ 1,20, o valor desta movimentação é R$ 1,20. Não há saídas. A coluna de saldo repete a
movimentação de R$1,20. Há uma última entrada na data 03/01, de quantidade 1, cujo valor é de R$ 1,00 e o total de
entradas é de R$ 1,00. Não há nenhuma saída e a coluna de saldo repete o mesmo que há na coluna de entrada. Porém,
na data de 04/01 há uma saída. Não há nada preenchido na coluna de entrada, mas nas saídas há o preenchimento de
quantidade 1, valor R$ 1,30 e total R$ 1,30. Como fica a coluna de saldo? No dia 04 aparecem na coluna de saldo apenas
os valores de R$ 1,20 e R$ 1,00, afinal, o primeiro valor que entrou foi da unidade de R$ 1,30, então esse é o primeiro
valor que sai.
2.2.2 UEPS (Último que entra, primeiro que sai) ou LIFO (Last in – First Out)
O custo do estoque é determinado como se as unidades mais recentes adicionadas ao
estoque (últimas a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (saídas) ou (primeiro a sair). Supõe-
se, portanto, que o estoque final consiste nas unidades mais antigas e é avaliado ao custo destas
unidades.
De acordo com o método UEPS, o custo dos itens vendidos/saídos tende a refletir o custo
dos itens mais recentemente comprados (comprados ou produzidos, e assim, os preços mais
recentes).
Conheça um modelo de planilha usando o método UEPS na figura a seguir:
Competência 02
26
Figura 13 - Planilha UEPS
Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp
Descrição: a planilha parece igual à anterior, porém há uma diferença: na data de 04/01 há uma saída, cujo valor é de
R$ 1,00 e total R$ 1,00. Isso mostra que no método de avaliação de estoques UEPS o último valor que entrou é o
primeiro a ser considerado no momento da primeira saída. O último valor que entrou, neste caso em 03/01, foi de R$
1,00.
Esse método não é muito usado nas empresas, pois dependendo do ramo de atuação, a
empresa pode chegar a ter prejuízos, como uma que vende produtos perecíveis; caso a empresa
venda os produtos que chegaram por último, quando for vender aqueles que foram adquiridos
primeiro, provavelmente os mesmos já estarão vencidos.
2.3 Custo Médio Ponderado
Este método, também chamado de método da média ponderada ou média móvel, baseia-
se na aplicação dos custos médios em lugar dos custos efetivos.
O método de avaliação do estoque ao custo médio é aceito pelo Fisco e usado
amplamente. Por esse critério, os estoques são avaliados pelo custo médio de aquisição, apurado a
cada entrada de mercadorias, ponderado pelas quantidades adquiridas e pelas anteriormente
existentes.
O princípio contábil de Custo de Aquisição determina que se incluam no custo dos
materiais, além do preço, todos os outros custos decorrentes da compra, e que se deduzam todos os
descontos e bonificações eventuais recebidos.
Conheça um modelo de planilha usando o método custo médio ponderado na figura a
seguir:
Competência 02
27
Figura 14 – Planilha Custo Médio Ponderado
Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp
Descrição: Mais uma vez, a planilha parece igual, porém há uma diferença: na data de 04/01 há uma saída, cujo valor é
de R$ 1,17 e total R$ 1,17. De onde vem este valor? Ora, da média dos valores que entraram (custo médio, não é assim
que se chama?!)! 1,30 + 1,20 + 1,00 = 3,50. Dividimos este total por 3 (que é a quantidade de entradas) e alcançamos o
valor de R$ 1,17.
Então, caro (a) aluno (a), pronto (a) para a próxima Competência? Preparados para
compreender como se dimensionam os estoques, bem como compreender o que significa nivelar um
estoque? Vamos lá, então?
Competência 03
28
3.Competência 03 | Entender o Dimensionamento e Níveis de Estoques
Na competência anterior você aprendeu sobre classificação de estoques e começou a
entender como é importante mantê-los num nível adequado para a empresa: nem tão baixo que não
possa atender a demanda e nem tão alto que venha a apresentar altos custos.
Sendo assim, nessa Competência você aprenderá sobre a importância do
dimensionamento de estoques e, ainda, aprenderá o conceito de nível de estoques e algumas
informações muito importantes relacionadas a ele, como o nível de ressuprimento, por exemplo.
Também conhecerá sobre o (Lote Econômico de Compras) LEC e a sua importância para a adequada
manutenção dos níveis de estoques, aprenderá o que é um gráfico dente de serra e, por fim, mas não
menos importante, conhecerá sobre previsão e avaliação da demanda de estoques.
Você já fez o seu encontro presencial ou atividade semanal? Fique de olho nas
informações que irá aprender por aqui, pois são muito relevantes para complementar seu
aprendizado.
3.1 Dimensionamento de Estoques
A implantação e manutenção de políticas adequadas para administrar o estoque garantirá
o desempenho adequado dos diferentes processos e funções empresariais, bem como minimizará os
custos com produtos estocados.
Para a definição de tais políticas, são levados em consideração vários aspectos, dentre
eles:
• Meta estabelecida pela empresa quanto ao tempo gasto para atendimento ao cliente;
• Definição do giro dos estoques;
• Definição do espaço a ser utilizado (central de distribuição, sites, depósitos, armazéns,
etc.) e a lista de materiais a serem estocados;
• A quantidade adequada para se manter em estoque que atenda a flutuação na
demanda.
Sendo assim, vamos aprender agora como estabelecer o nível adequado que cada item
deve ter em estoque.
Competência 03
29
Antes disso, precisamos saber que a época da aquisição e da quantidade do pedido
depende do conhecimento da demanda.
Pela matemática
É feito o cálculo do lote econômico, que visa reduzir o CP (custo de preparação) e o CA
(custo de armazenagem).
• Detalhamento:
Custo de obtenção (CO) ou custo de preparação (CP) é o custo ligado ao número de
pedidos de reposição de estoque: quanto maior o número de pedidos, maior o trabalho para a
unidade de compras, transporte, recebimento e inspeção, lançamentos contábeis, etc. Se os lotes de
compra forem maiores, menor será o custo de preparação.
Custo de armazenagem (CA) é o custo ligado diretamente à quantidade estocada: quanto
maiores os lotes de compra, maior o estoque médio, maiores os juros sobre o capital investido em
estoque, maior o aluguel do espaço do almoxarifado, maior o custo de mão de obra, o custo de seguro
contra incêndio, etc.
3.2 Níveis de Estoque
Bom, você acabou de ler que dimensionar estoques é estabelecer o nível adequado que
cada item deve ter e, agora, aprenderá o conceito de níveis de estoque. São aqueles que determinam
as ações de reposição ou de cautelas a serem tomadas quanto às quantidades armazenadas.
Normalmente se apresentam através de gráficos, onde a abscissa (eixo x) representa o
tempo decorrido da demanda do estoque e o eixo das ordenadas (eixo Y) representa as quantidades
de unidades consumidas ou adquiridas. Confira essa informação na figura a seguir.
Competência 03
30
Figura 15 - Exemplo de relação entre a quantidade estocada consumida e o tempo de consumo
Fonte: http://colunistas.ig.com. br/ricardogallo/2010/10/08/niveis-de-estoques-na-industrias-estao-ele vados-segundo-
pmi-no-brasil/
Descrição: gráfico apresentando a relação entre a quantidade estocada consumida e o tempo de consumo. A abscissa
mostra os meses de fevereiro de 2006 a agosto de 2010 e o eixo das ordenadas mostra os números marcados: -20, -15, -
10, -5, 0, 5,0, 10,0 e 15. Entre 5,0 e 0 há uma linha horizontal traçada até o final do gráfico, que representa a média em
06/10. Há uma segunda linha, porém nada linear, que representa o número de pedidos em estoque e começa no ponto
5,1, mas sobe e desce constantemente. Os seus pontos mais altos e mais baixos estão circulados e é possível perceber a
grande variação.
Para você entender e controlar os níveis de estoque é importante conhecer alguns
conceitos muito importantes, como os que vêm a seguir:
Tempo de reposição ou de ressuprimento (Tr)
Tem como objetivo minimizar os custos de manutenção de estoques, mas sem correr o
risco de não atender a demanda. A ideia é achar o nível adequado de estoques para cada material ou
produto. Para isso, é necessário que o estoque seja controlado e que seja determinado o ponto de
reposição.
O ponto de reposição tem como objetivo iniciar o processo de ressuprimento com
segurança suficiente para que não falte material. O PR – Ponto de Reposição é calculado
multiplicando a taxa de consumo pelo tempo de ressuprimento.
Competência 03
31
Exemplo: O consumo previsto dos refrigerantes que estão no meu estoque, por semana,
é de 100 latinhas.
- O tempo de ressuprimento é de três semanas.
- Desse modo, o PR das latinhas de refrigerante é de 300 itens.
Ou seja, para que sua lanchonete não corra o risco de ficar sem latinhas de refrigerante
para vender, o estoque não pode ser menor do que 300 latinhas. O PR é definido quando o saldo de
estoque estiver abaixo ou igual à determinada quantidade, chamada ponto de pedido. Você ntendeu?
Quando meu estoque chegar em 300, é o ponto de fazer o pedido de mais latinhas de refrigerante
para o meu fornecedor.
Para minimizar os custos com estoques, bem como para garantir a disponibilidade do
produto, devem ser determinados os estoques mínimos e máximos.
Estoque mínimo (Em)
Em = C x K
Sendo:
C = consumo médio mensal
K = fator de segurança
O fator de segurança (K) é uma maneira de prevenir falhas nas entregas ou em demandas
não previstas, ou seja, aquelas demandas não esperadas. Os valores adotados devem ser definidos
pela alta direção, pois irão variar conforme a criticidade e o valor de consumo obtido pelo método de
classificação ABC.
Podemos dizer que o tempo de ressuprimento é aquele tempo que
se gasta desde o momento em que se faz o pedido, até a chegada do
material para uma linha de montagem, por exemplo.
Competência 03
32
Por exemplo, no fator de segurança, caso queiramos ter uma falha de apenas 10 % em
nossos estoques, será usado o número 0,90. Isso significa que a empresa deseja uma garantia de que
somente em 10% das vezes o estoque desta peça esteja zero.
Significa também que, quando o estoque atingir 34 unidades, a lanchonete deve gerar um
pedido de compra. Lembram-se do exemplo usado no item anterior?
Estoque Máximo
É o resultado da soma do Estoque de Segurança (ES) com a Quantidade Pedida (PP).
Emáx = ES + Quantidade pedida
O estoque máximo é importante, pois uma grande quantidade de estoques gera mais
custos de armazenamento, além de gerar perdas, pois parte deste estoque, que tiver prazo de
validade, vai estragar.
3.3. Gráfico Dente de Serra
É uma ferramenta muito importante para uma adequada gestão de estoques, pois
permite que se estabeleçam relações matemáticas necessárias para conhecer e controlar as
atividades de reposição dos estoques.
Figura 16 - Modelo de gráfico dente de serra
Fonte: www.faccg.com.br/img/professor/une/0000661_Aula_07.10.14_Sistema%20de%20rep osicao%
20de%20estoques.pdf
Descrição: gráfico dente de serra, que apresenta a relação entre quantidade em estoque (ordenada) e os 12 meses do
Competência 03
33
ano (abscissa). O gráfico mostra uma linha traçada do ponto 140 na ordenada, que encosta na abscissa no mês de junho,
formando um triângulo, que representa o consumo. Ao encostar na abscissa, a linha sobe novamente em linha reta,
parando verticalmente na mesma linha imaginária onde o traçado da linha começou (no ponto 140 da ordenada). Esse
ponto 140 que novamente foi atingido neste momento se chama ponto de reposição do estoque. A linha repete o mesmo
movimento anterior e desce para a abscissa no mês de dezembro, formando outro triângulo, representando novamente
o consumo de estoque.
Em um gráfico dente de serra, é possível ter a noção de que um determinado item foi
consumido em quantidades iguais a cada mês uniformemente, chegando a zero, por exemplo.
O gráfico dente de serra apresenta as seguintes características:
• Não existem alterações de consumo durante o tempo T.
• Não existirem falhas administrativas que provoquem um esquecimento ao solicitar a
compra.
• O fornecedor da peça nunca atrasa sua entrega.
• Nenhuma entrega do fornecedor foi rejeitada pelo controle de qualidade.
Após projetar as quantidades de um item estocado nesse gráfico, e este resultar na
representação tipo dente de serra, podem ser adotados critérios para planejamento de
administração de estoque, como o Just in Time, sistema que proporcionará a entrega em tempo e
quantidades sem variação dos pedidos emitidos, pois ficou definido pelo gráfico que o fornecedor do
item possui atendimento em prazo e qualidade dentro dos padrões, o que elimina custos adicionais.
Porém, nem todos os itens se enquadram com essa característica de curva (dente de
serra), então são necessárias fórmulas que mostrem valores apropriados para a análise de um item.
3.4 Lote Econômico de Compras sem Faltas (LEC)
É um método utilizado para determinar a quantidade de um lote que pode oferecer o
menor custo de pedido, bem como o menor custo de armazenar. Simplificando, é a quantidade que
iremos calcular e comprar para que possamos gastar menos na aquisição e estocagem. Objetiva
determinar a quantidade a ser comprada, visando minimizar os custos que atingem os estoques.
O lote econômico visa determinar o número ideal de pedidos a serem feitos e a
quantidade ideal de cada lote. Você pode encontrar várias fórmulas para calculá-lo, sendo uma delas
a relação abaixo:
Competência 03
34
Figura 17 - Fórmula modelo LEC
Fonte: Livro Administração de materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves (2013)
Descrição: fórmula do LEC, que é raiz quadrada de 2 X D X Cr, tudo sobre Cp. Sendo que D = quantidade do período em
unidades; Cr = Custo de reposição e Cp = custo de posse.
Sua lanchonete compra de um fornecedor garrafas de vinho por R$ 25,00 a unidade. As
estimativas de demanda de consumo dessas garrafas são de 2.000 unidades anuais. Você calcula o
custo de R$ 5,00 para fazer um pedido ao fornecedor e estima como custo de posse do estoque o
valor de R$ 2,00 por unidade/ano. Sendo assim, vamos determinar a quantidade econômica que esta
empresa deverá comprar:
QLEC = √2x2.000X5,00 = 100 garrafas
2,00
Ou seja, 100 peças é a quantidade adequada que a lanchonete deve pedir por vez. Caso
se queira conhecer o número de pedidos, usa-se a relação entre demanda e o lote econômico de
compras.
Número de pedidos = Demanda Número de pedidos = 2.000 = 20 pedidos ao ano
QLEC 100
Assim, para otimizar os custos com os pedidos, deve-se fazer 20 pedidos ao ano.
Competência 03
35
3.5 Previsão e Avaliação da Demanda de Estoques
Como foi abordado na competência anterior, o gestor de qualquer organização precisa
identificar a demanda de produtos que ele vai comercializar. Acima, usamos o consumo médio como
referência. Mas, de que outras formas podemos prever a demanda? Primeiramente, precisamos
entender que a demanda de um produto é o volume total que seria comprado por um grupo definido
de consumidores, em uma área geográfica definida, em um período de tempo definido, em um
mercado de trabalho definido e mediante um programa definido de marketing.
Métodos de Previsão da Demanda
É necessário ratificar que, infelizmente, prever é um processo passível de erros. Um
barraqueiro que esperava vender mil cocos verdes durante o carnaval pode descobrir que a demanda
real é diferente do que foi previsto. Se a demanda exceder a previsão, a empresa tem de ter em mãos
uma quantidade que permita satisfazer a demanda maior. Se a demanda cair, poderá haver excesso
de material.
Figura 18 - Previsão de demanda de estoques
Fonte: http://portalvideoaula. com.br/cursos/logistica/gestao-estrategica-de-estoques-e-demanda
Descrição: a figura mostra um boneco branco que representa um homem segurando uma prancheta preta, como se
estivesse estudando o estoque, representado por várias caixas de papelão que estão empilhadas atrás dele.
Da mesma forma, o suprimento de materiais comprados está sujeito às flutuações da
demanda dos mesmos. No geral, o problema básico é a velocidade com que os fornecedores possam
responder às variações de demanda. Todos os fornecedores gostariam de dobrar as vendas aos seus
clientes, porém dificilmente são capazes de dobrar sua produção sem que ocorra aviso prévio.
A previsão da demanda pode ser feita através de várias técnicas, tais como:
Competência 03
36
• Projeção – São utilizados dados passados, admitindo-se que haverá repetição dos dados
no futuro ou as vendas irão evoluir em função do tempo. É uma técnica feita com base
em cálculos.
• Explicação – Utilizam-se leis de correlação e regressão, associando-se as vendas
passadas a outras variáveis de evolução conhecida ou previsível. É uma técnica feita com
base em cálculos.
• Predileção – Experiência de pessoas conhecedoras de vendas ou do mercado, feita com
base em informações de especialistas.
Você sabia que um fator diretamente relacionado à previsão de demanda é o
dimensionamento do estoque de segurança? Lembra-se desse conceito? Pois é, a possibilidade de
variação da demanda faz com que uma empresa tenha que manter estoques de segurança para evitar
a falta de materiais ou produtos e, consequentemente, evitar clientes insatisfeitos.
Ou seja, dessa forma você pode concluir que é impossível uma organização prever tudo o
que vai acontecer, mas ela deve ter noção do que está acontecendo, para que possa determinar como
obter lucro, ou seja, precisa de uma visão estratégica de todo o complexo produtivo.
Em função de tudo o que você acabou de ler, é importante determinar a quantidade ideal
a se ter no estoque. Portanto, a quantidade ideal a permanecer no estoque é o mínimo, mas esse
mínimo deve ser necessário para satisfazer a demanda.
Competência 04
37
4. Competência 04 | Compreender os Pontos de Compras e Reposição de
Estoques
Você chegou à última competência! Aqui, você aprenderá o que são e quais são os
sistemas de controle de estoques e qual a sua importância para a lucratividade da empresa.
Como falamos durante toda a disciplina sobre a lucratividade da empresa e a satisfação
do cliente, é muito importante comentar sobre custos e, nessa competência, você conhecerá os
custos que estão envolvidos no processo de estoques e porque é importante mantê-los a níveis
aceitáveis.
4.1 Sistemas de Controle de Estoques
Como você viu na competência anterior, controlar estoques é muito importante para
qualquer empresa porque, apesar dos esforços em reduzir os estoques, estes ainda são
representativos nas empresas, havendo portanto necessidade dos sistemas de controle.
Formalmente, existem três sistemas básicos para se determinar quando fazer o pedido:
• Sistema de ponto de pedido – usados para demanda independente;
• Sistema de revisão periódica – usados para demanda independente;
• MRP – usados para demanda dependente.
4.1.1 Sistema Min-Máx
É considerado por alguns como o mais comum de todos os sistemas de controle de
estoques. Refere-se a um sistema de reabastecimento no ponto de pedido, sendo que “min”
(mínimo) trata-se do ponto de pedido e “máx” (máximo) o nível máximo de estoque. É um
procedimento de controle de estoque, feito em cartões manuais ou por sistemas.
Neste sistema, as quantidades mínima, máxima e de reposição são preestabelecidas e,
através destas, é executado o controle. Para usar esse sistema, não são necessárias pessoas
extremamente qualificadas e há a possibilidade de automatização do processo de reposição.
Por outro lado, em face do automatismo da reposição, o sistema min-máx pode causar
elevação dos níveis de estoques na incidência de retração de consumo, ou pode causar falta de
Competência 04
38
material se ocorrer o inverso, ou seja, aceleração de consumo, visto que o mínimo é estabelecido em
função de registros históricos deste.
A aplicação do método é bastante simples. Quando o nível de estoque, pela ação do
consumo, atinge o mínimo, é automaticamente solicitada uma quantidade de reposição
preestabelecida, potencialmente alcançando o nível máximo.
4.1.2 Sistema de Revisões Periódicas
No sistema de revisões periódicas, ao invés de quantidades, determinam-se períodos de
tempo, pois ocorre a programação das datas em que será feita a revisão nos parâmetros de controle
do item. Tais revisões acontecem em intervalos previamente estabelecidos, caracterizando as
revisões periódicas. No momento da revisão, a empresa decide se deve ou não solicitar a reposição
do item e verificar a adequação dos parâmetros preestabelecidos à realidade praticada.
4.1.3 MRP
O sistema MRP ("Material Requirements Planning" - Planejamento das Necessidades de
Materiais) surgiu durante a década de 60, com o objetivo de executar computacionalmente a
atividade de planejamento das necessidades de materiais, permitindo, assim, determinar, precisa e
rapidamente, as prioridades das ordens de compra e fabricação.
É um sistema lógico de cálculo que converte a previsão de demanda em programação da
necessidade de seus componentes. A partir do conhecimento de todos os componentes de um
determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles, podemos, com base na visão de
futuro das necessidades, calcular o quanto e quando se deve obter de cada item, de forma que não
haja falta e nem sobra no suprimento das necessidades da produção. Podemos dizer que é um
sistema utilizado para se evitar as peças ausentes.
A aplicação do MRP, voltada a itens de demanda dependente, consiste em determinar
quando e em que quantidade os itens serão necessários a partir do plano de produção da
organização.
Competência 04
39
4.2 Custos de Estocagem
Até aqui, você já aprendeu que os processos relativos à armazenagem precisam de
controle, mas que eles também geram custos. Assim como qualquer atividade de uma empresa,
existem custos na estocagem, e estes precisam de apuração e controle para que possam ser
incorporados aos preços dos produtos /serviços que são entregues aos clientes, mas que não atinjam
um nível alto que venham a encarecer estes produtos.
Figura 19 - Questões sobre os estoques
Fonte: http://www.todaletra.com.br/2012/10/sexta-sem-duvida-sem-sombra-de-duvidas-e-risco-de-morte/
Descrição: a figura mostra um boneco branco que representa um homem, ao lado de um grande sinal de interrogação.
O homem está com os braços cruzados e a mão no queixo, numa posição de dúvida, e há um balão saindo de sua
cabeça, representando um pensamento com duas perguntas: quanto pedir e quando pedir. Perguntas muito relevantes
para manter o nível ideal de estoque.
São três os principais custos básicos ligados ao processo de estocagem, classificados em
função da natureza das atividades:
• Custos de Aquisição (custo de pedir): são os custos gerados no processo de compra
do material. Além do valor do material comprado, existem outros custos envolvidos na
aquisição do material, por exemplo: pagamento dos salários, eletricidade, telefonia,
viagens. São gastos que acontecem independentemente de ser gerado um pedido de
material, por isso são considerados como custos fixos de aquisição. Outros custos
acontecerão somente quando forem gerados pedidos de material: custos de inspeção e
fretes especiais de entrega. Por isso, são considerados custos variáveis do processo de
aquisição.
Competência 04
40
• Custos de manter estoque: estão ligados a todos os custos necessários para manter
uma determinada quantidade de mercadorias por um período, como custos de
armazenagem, de seguro, deterioração, entre outros.
• Custo Total: multiplicando o custo unitário de pedido, ou seja, o custo de um único
pedido, pelo número de pedidos realizados em um período, em geral 1 ano, encontra-se
o custo total.
Figura 20 -Modelo do tratamento de custos de estocagem
Fonte: www.robolog.com.br/armazenagem-e-distribuicao.html
Descrição: a figura mostra uma espécie de fluxograma simplificado das etapas de custeio da armazenagem. O primeiro
passo é a identificação dos itens de custo; em seguida, há uma seta que conecta ao próximo passo, que é calcular os
itens de custo. Todos os passos são conectados por setas. O terceiro passo é agrupar itens de custos relativos a cada
função ou atividade. O último passo é alocar os custos a cada produto ou cliente.
No entanto, para entender um pouco mais o que compõe os custos, podemos detalhar os
três tipos em alguns outros custos, conforme a seguir:
• Custos de Manutenção ou de Armazenamento: São os custos relativos ao processo de
guarda do material e começam a ser apurados assim que os materiais são recebidos no
depósito. Também estão incluídos o investimento no estoque, obtido através da avaliação
do mesmo. Estes custos ainda incluirão os investimentos em maquinário especializado,
pessoal, aquisição e implantação de softwares para registro de movimentações, seguros
para os riscos com o material (obsolescência, danos, furtos e deterioração), o próprio
metro quadrado do armazém, além dos investimentos em infraestrutura de
armazenagem.
Competência 04
41
• Custos de Falta: São os custos decorrentes da escassez do material. Valores que
surgem em função de um pedido não atendido, atrasos na produção por falta de matéria-
prima, abalos à imagem da organização no mercado. Incluirão levantamentos específicos
de setores da produção para a sua apuração, dificultando a determinação do valor exato.
São ligados à possibilidade de escassez do material, sendo em função de trabalharmos
para que essa escassez não aconteça; de difícil apuração, pois inclui informações a
respeito do levantamento de valores de pedidos não aceitos, encomendas não enviadas,
mão-de-obra parada, reprogramação de máquinas da linha de produção, lucros não
realizados. Outro fator que dificulta a determinação do custo de falta é a questão do
prejuízo à imagem da organização no mercado que, apesar de ter consequências de curto
e médio prazo, também possui consequências de longo prazo, tornando a apuração
demorada.
Em geral, a consequência imediata da escassez acaba no registro das compras
emergenciais que a organização faz para suprir e dar continuidade ao processo principal. Tais
compras, em geral, acabam trazendo prejuízos por ocorrerem em época de dificuldades, além de
serem realizadas com condições desfavoráveis de preço.
Ponto de Pedido (PP) ou Reposição (PR) ou Encomenda (PE)
Por fim, discutiremos o conceito de ponto de reposição. Quando é que você sabe que
deve comprar mais ovos para preparar os sanduíches da sua lanchonete, por exemplo?
Para isto, utilizamos a seguinte fórmula:
PP = Em + (C x Tr)
Sendo:
PP = Ponto de Pedido
Tr = Tempo de reposição
C = Consumo Médio Mensal
Em = Estoque mínimo
ES = Estoque de segurança
Competência 04
42
Então, quando é que você sabe que precisará comprar mais ovos, para fazer sanduíches
vendidos na lanchonete? Toda vez que você atingir o ponto de pedido é sinal de que precisa realizar
esta compra. Para isso, primeiro, você deve identificar a quantidade de sanduíches vendida em
determinado período (consumo médio), depois calcular o estoque de reserva de ovos para atender a
flutuação da demanda. Por fim, identificar o tempo que você leva para receber os ovos do seu
fornecedor. Depois, e só utilizar a fórmula acima:
Então, se você precisa de 10 ovos de reserva, e vende 12 sanduíches por dia, e todos eles
levam ovos, e o fornecedor demora 2 dias para entregar os pedidos, a fórmula fica assim:
PP = 10 + (12x2)
PP= 34 ovos.
Você precisa ter um estoque mínimo de 34 ovos para atender a seus clientes e estar
seguro de um aumento na demanda.
Bom, por aqui finalizamos a disciplina Estoques. Espero que você tenha absorvido
conhecimentos que transformará em ações práticas em sua vida profissional. Agora, só depende de
você!
43
Conclusão
Prezado aluno, agora que concluímos nossas quatro competências você aprendeu vários
novos conhecimentos sobre como gerenciar os estoques nas organizações. Agora, você sabe que o
controle de estoques é tarefa fundamental, pois através dele, além de se controlar os desperdícios e
os desvios, diminuem-se os custos. Pois, é necessário possuir insumos e produtos acabados para
atender a demanda. No entanto, tais estoques geram custos e não devem ser encontrados em
quantidade que onere a empresa.
Os conhecimentos adquiridos o ajudarão, a partir de agora, a entender sobre o processo
de gerenciamento de estoques, classificar os estoques e aplicar os métodos de avaliação e
movimentação destes. Além de saber qual o nível de estoques ideais que sua empresa precisa ter, a
fim de mantê-los em quantidade adequada. Por fim, utilizar sistemas de controle e custos para obter
sucesso neste gerenciamento.
Agora que você terminou mais uma competência, lembre-se que tudo o que aprendeu
será muito útil para a sua atuação como técnico (a). Sucesso!
44
Referências
BATISTTI, JULIO. FIGURA 13: PLANILHA PEPS. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK
NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
________. FIGURA 14: PLANILHA UEPS. FIGURA 14: PLANILHA UEPS. DISPONÍVEL EM: ERRO! A
REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
________. FIGURA 15: PLANILHA CUSTO MÉDIO PONDERADO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA
DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
COLUNISTAS. FIGURA 16 EXEMPLO DE RELAÇÃO ENTRE A QUANTIDADE ESTOCADA CONSUMIDA E O
TEMPO DE CONSUMO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO
EM ABR 2013.
CONHECIMENTOS DE ARMAZENAGEM. FIGURA 5: MODELO DE DRIVE THROUGH. DISPONÍVEL EM:
HTTP://CONHECIMENTOSDAARMAZENAGEM.BLOGSPOT.COM.BR/P/ ESTRUTURA-PORTA-
PALETE.HTML. ACESSO EM ABR 2013.
GONÇALVES, PAULO SÉRGIO. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: OBTENDO VANTAGENS
COMPETITIVAS / PAULO SÉRGIO GONÇALVES. - RIO DE JANEIRO: ELSEVIER, 2004. 2 REIMPRESSÃO.
________. FIGURA18 : FÓRMULA MODELO LEC. GOOGLE BOOKS.
FIGURA 17 MODELO GRÁFICO DENTE DE SERRA. DISPONÍVEL EM:
WWW.FACCG.COM.BR/IMG/PROFESSOR/UNE /0000661_AULA_07. 10.14
_SISTEMA%20DE%20REPOSICAO%20DE%20ESTOQUES.PDF. ACESSO EM ABR 2016.
HONG YUH CHIG. GESTÃO DE ESTOQUES NA CADEIA DE LOGÍSTICA INTEGRADA - SUPPLY CHAIN. -
3.ED. - 2 REIMPR. - SÃO PAULO: ATLAS, 2007.
MANGA SUSHIBAR. FIGURA 7: MODELO DE ESTOQUES DE MATERIAIS SEMIACABADOS. DISPONÍVEL
EM: HTTP://MANGASUSHIBAR.COM.BR/CARDAPIO/ACRCIMOS/1829/PAO-DE-FORMA-FATIA.
ACESSO EM ABR 2016.
MISCELÂNEA CONCURSOS. FIGURA 12: MODELO DE CURVA ABC. DISPONÍVEL EM: ERRO! A
REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
PORTAL VIDEOAULA. FIGURA 19: PREVISÃO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK
NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR. 2013.
PRATIC LINE. FIGURA 6: MODELO DE ARMAZENAMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS. DISPONÍVEL EM:
ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
ROBOLOG. FIGURA 21: MODELO DO TRATAMENTO DE CUSTOS DE ESTOCAGEM. DISPONÍVEL EM:
ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
45
SOBRE ADMINISTRAÇÃO. FIGURA 11: EXEMPLO DE CURVA ABC. DISPONÍVEL EM:
RES://IEFRAME.DLL/ACR_ERROR
.HTM#SOBREADMINISTRACAO.COM,HTTP://WWW.SOBREADMINISTRACAO.COM/O-QUE-E-E-
COMO-FUNCIONA-A-CURVA-ABC-ANALISE-DE-PARETO-REGRA-80-20/. ACESSO EM ABR 2013.
TECHOJE. FIGURA 10: MODELO DE GRÁFICO DENTE DE SERRA PARA ESTOQUE DE SEGURANÇA.
DISPONÍVEL EM: WWW.TECHOJE.COM.BR/SITE/TECHOJE/CATEGORIA/IM PRESSAO_ARTIGO/658.
ACESSO EM ABR 2013.
TECLOG WORDPRESS. FIGURA 9: MODELO DE ESTOQUE DE PRODUTOS ACABADOS. DISPONÍVEL EM:
HTTP://TECLOG2.WORDPRESS.COM/CATEGORY/MOV-E-ARMAZ-DE-MATERIAIS/PAGE/2/. ACESSO
EM ABR 2013.
TODA LETRA. FIGURA 20: QUESTÕES SOBRE OS ESTOQUES. DISPONÍVEL EM: WWW.
TODALETRA.COM.BR/2012 /10/SEXTA-SEM-DUVIDA-SEM-SOMBRA-DE-DUVIDAS-E-RISCO-DE-
MORTE/. ACESSO EM ABR 2013.
VIANA, JOÃO JOSÉ. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM ENFOQUE PRÁTICO. 1 ED. - 11. REIMPR. -
SÃO PAULO: ATLAS, 2010.
WIKIPEDIA. FIGURA 1: MODELO DE PALETE DE MADEIRA. DISPONÍVEL EM:
HTTP://PT.WIKIPEDIA.ORG/WIKI/ PALETE. ACESSO EM ABR 2013.
________. FIGURA 3: MODELO DE EMPILHADEIRA. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE
HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
WORDPRESS. FIGURA 2: MODELO DE PALETEIRA. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE
HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
________. FIGURA 4: MODELO DE DRIVE IN. DISPONÍVEL EM:
HTTP://ADMINLOGISTICA.WORDPRESS.COM/ CONTEUDO/ESTRUTURA-PORTA-PALETES/. ACESSO
EM ABR 2013.
46
Minicurrículo do Professor
Luciana Bazante
Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade de Pernambuco. Experiência
na área de Gestão, com ênfase em Gestão da Qualidade e Produtividade, Gestão de Pessoas, Gestão
Ambiental, Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos, Gestão de Projetos e Relações
Internacionais. Experiência em educação de adultos e treinamentos.
Endereço para acessar o CV: http://lattes.cnpq.br/7271290941628448
Caderno adm   estoques [2.ed. reimp. - 2019.2 - etepac]

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Caderno adm estoques [2.ed. reimp. - 2019.2 - etepac]

EAD Pernambuco - Técnico em Administração- Estoque
EAD Pernambuco - Técnico em Administração- EstoqueEAD Pernambuco - Técnico em Administração- Estoque
EAD Pernambuco - Técnico em Administração- EstoqueUniversidade de Pernambuco
 
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...GlaucoVelosodosSantos
 
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-Pecuário
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-PecuárioGestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-Pecuário
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-PecuárioEpfr De Estaquinha
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfjoseteca1
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfssuser8ed845
 
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Tatiana Tenório
 
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Tatiana Tenório
 
ATPS_Contabilidade
ATPS_ContabilidadeATPS_Contabilidade
ATPS_Contabilidaderickemii
 
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Neto Mendes Mendes
 
Supply Chain Mackenzie
Supply Chain MackenzieSupply Chain Mackenzie
Supply Chain MackenzieMauro Pontilho
 
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066Acade Consultoria
 
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresas
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresasAnalise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresas
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresasUniversidade Pedagogica
 
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdf
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdfAPOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdf
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdfEdna Monteiro
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoHytalo Rafael
 
Aula de logística empresarial
Aula de logística empresarialAula de logística empresarial
Aula de logística empresarialRanieri Araújo
 
Apostila de recebimento_e_expedição
Apostila de recebimento_e_expediçãoApostila de recebimento_e_expedição
Apostila de recebimento_e_expediçãoClaudio Santos
 

Semelhante a Caderno adm estoques [2.ed. reimp. - 2019.2 - etepac] (20)

EAD Pernambuco - Técnico em Administração- Estoque
EAD Pernambuco - Técnico em Administração- EstoqueEAD Pernambuco - Técnico em Administração- Estoque
EAD Pernambuco - Técnico em Administração- Estoque
 
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
 
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-Pecuário
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-PecuárioGestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-Pecuário
Gestão de recursos 3º Nível- Curso Básico em Agro-Pecuário
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
 
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
 
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
Livro contabilidade e gestao_de_custos[1]
 
ATPS_Contabilidade
ATPS_ContabilidadeATPS_Contabilidade
ATPS_Contabilidade
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
 
Supply Chain Mackenzie
Supply Chain MackenzieSupply Chain Mackenzie
Supply Chain Mackenzie
 
Contabilidade intermediaria
Contabilidade intermediariaContabilidade intermediaria
Contabilidade intermediaria
 
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066
VALOR: R$ 45,00 - CHOTHES STORE – GESTÃO FINANCEIRA - WHATSAPP: 92984578066
 
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresas
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresasAnalise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresas
Analise do papel dos stocks na gestão financeira das pequenas e medias empresas
 
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdf
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdfAPOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdf
APOSTILA ALMOXARIFE LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO.pdf
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
 
Subcategoria14688
Subcategoria14688Subcategoria14688
Subcategoria14688
 
Trabalho wms
Trabalho wmsTrabalho wms
Trabalho wms
 
Aula de logística empresarial
Aula de logística empresarialAula de logística empresarial
Aula de logística empresarial
 
Apostila de recebimento_e_expedição
Apostila de recebimento_e_expediçãoApostila de recebimento_e_expedição
Apostila de recebimento_e_expedição
 

Mais de KetlenBatista

Probabilidade merged
Probabilidade mergedProbabilidade merged
Probabilidade mergedKetlenBatista
 
Apostila funcoes i_final
Apostila funcoes i_finalApostila funcoes i_final
Apostila funcoes i_finalKetlenBatista
 
1554752887 apostila literatura-enem-vol1
1554752887 apostila literatura-enem-vol11554752887 apostila literatura-enem-vol1
1554752887 apostila literatura-enem-vol1KetlenBatista
 
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1KetlenBatista
 
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosAvaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosKetlenBatista
 
Avaliação nutricional: exames bioquímicos
Avaliação nutricional: exames bioquímicosAvaliação nutricional: exames bioquímicos
Avaliação nutricional: exames bioquímicosKetlenBatista
 
Avaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologiaAvaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologiaKetlenBatista
 
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentar
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentarAvaliação nutricional: avaliação do consumo alimentar
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentarKetlenBatista
 
Avaliação nutricional: composição corporal
Avaliação nutricional: composição corporalAvaliação nutricional: composição corporal
Avaliação nutricional: composição corporalKetlenBatista
 
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentos
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentosAlimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentos
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentosKetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...KetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoKetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...KetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínas
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínasNutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínas
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínasKetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratos
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratosNutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratos
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratosKetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteKetlenBatista
 

Mais de KetlenBatista (20)

Tecidoconjuntivo
TecidoconjuntivoTecidoconjuntivo
Tecidoconjuntivo
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Geometria plana 2
Geometria plana 2Geometria plana 2
Geometria plana 2
 
Probabilidade merged
Probabilidade mergedProbabilidade merged
Probabilidade merged
 
Geometria plana
Geometria planaGeometria plana
Geometria plana
 
Apostila funcoes i_final
Apostila funcoes i_finalApostila funcoes i_final
Apostila funcoes i_final
 
1554752887 apostila literatura-enem-vol1
1554752887 apostila literatura-enem-vol11554752887 apostila literatura-enem-vol1
1554752887 apostila literatura-enem-vol1
 
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
 
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosAvaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
 
Avaliação nutricional: exames bioquímicos
Avaliação nutricional: exames bioquímicosAvaliação nutricional: exames bioquímicos
Avaliação nutricional: exames bioquímicos
 
Avaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologiaAvaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologia
 
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentar
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentarAvaliação nutricional: avaliação do consumo alimentar
Avaliação nutricional: avaliação do consumo alimentar
 
Avaliação nutricional: composição corporal
Avaliação nutricional: composição corporalAvaliação nutricional: composição corporal
Avaliação nutricional: composição corporal
 
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentos
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentosAlimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentos
Alimentação saudável: higienização e rotulagem dos alimentos
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das vitaminas e...
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos lipídios (g...
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínas
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínasNutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínas
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo das proteínas
 
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratos
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratosNutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratos
Nutrição normal e dietética: digestão, absorção e metabolismo dos carboidratos
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 

Caderno adm estoques [2.ed. reimp. - 2019.2 - etepac]

  • 1. Estoques Luciana Bazante Curso Técnico em Administração Educação a Distância 2019
  • 2. Estoques Luciana Bazante Curso Técnico em Administração Educação a Distância Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa | 2.ed. reimp. | 2019
  • 3. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) de acordo com ISDB O48e Oliveira, Luciana Bazante de. Estoques: Curso Técnico em Administração: Educação a distância / Luciana Bazante de Oliveira. 2.ed. reimp. – Recife: Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa, 2019. 46 p.: il. Inclui referências bibliográficas. Conteúdo produzido em agosto de 2018 para os Cursos Técnicos da Secretaria Executiva de Educação Profissional de Pernambuco, em convênio com o Ministério da Educação (Rede e-Tec Brasil). 1. Controle de estoque. 2. Administração de materiais. 3. Logística empresarial. II. Título. CDU – 658.787 Elaborado por Hugo Carlos Cavalcanti | CRB-4 2129 Professor Autor Luciana Bazante de Oliveira Revisão Luciana Bazante de Oliveira Antonio de Souza Silva Júnior Coordenação de Curso Antonio de Souza Silva Júnior Coordenação Design Educacional Renata Otero Design Educacional Deyvid Souza Nascimento Renata Marques de Otero Catalogação e Normalização Hugo Cavalcanti (Crb-4 2129) Diagramação Jailson Miranda Coordenação Executiva George Bento Catunda Terezinha Mônica Sinício Beltrão Coordenação Geral Paulo Fernando de Vasconcelos Dutra Secretaria Executiva de Educação Integral e Profissional Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa Gerência de Educação a Distância
  • 4. Sumário Introdução..............................................................................................................................................6 1.Competência 01 | Conhecer o Processo e Variáveis da Armazenagem de Materiais........................8 1.1 Conceitos Iniciais.........................................................................................................................................8 2.Competência 02 | Compreender a Classificação de Estoques por Níveis de Valor..........................17 2.1. Classificação dos Estoques...................................................................................................................... 17 2.1.1 Quanto ao Tipo ..................................................................................................................................... 17 2.1.2 Classificação quanto à Importância ou Valor (Método ABC)................................................................ 22 2.2. PEPS e UEPS ............................................................................................................................................ 23 2.2.1 PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai) ou FIFO (First in – First Out)........................................... 24 2.2.2 UEPS (Último que entra, primeiro que sai) ou LIFO (Last in – First Out) .............................................. 25 2.3 Custo Médio Ponderado .......................................................................................................................... 26 3.Competência 03 | Entender o Dimensionamento e Níveis de Estoques..........................................28 3.1 Dimensionamento de Estoques............................................................................................................... 28 3.2 Níveis de Estoque..................................................................................................................................... 29 3.3. Gráfico Dente de Serra............................................................................................................................ 32 3.4 Lote Econômico de Compras sem Faltas (LEC) ........................................................................................ 33 3.5 Previsão e Avaliação da Demanda de Estoques....................................................................................... 35 4. Competência 04 | Compreender os Pontos de Compras e Reposição de Estoques .......................37 4.1 Sistemas de Controle de Estoques........................................................................................................... 37 4.1.1 Sistema Min-Máx .................................................................................................................................. 37 4.1.2 Sistema de Revisões Periódicas ............................................................................................................ 38 4.1.3 MRP....................................................................................................................................................... 38 4.2 Custos de Estocagem ............................................................................................................................... 39 Conclusão .............................................................................................................................................43 Referências...........................................................................................................................................44
  • 6. 6 Introdução Imagine que você possui uma pequena lanchonete no centro da cidade. Sua lanchonete vende, basicamente, sanduíches, salgados, tortas, sucos, refrigerantes e milk-shake. Ela fica aberta ao público às sextas, sábados e domingos. Durante os outros dias da semana, você costuma pesquisar e comprar os insumos necessários para o funcionamento da lanchonete. Todavia, para economizar, você compra alguns produtos em escala, mas outros não podem ser comprados em quantidade, já que são perecíveis. Independente da frequência com que você compra seus insumos é preciso estocar alguns, para que você possa servir aos clientes. A quantidade estocada precisa ser bem determinada, para que não falte produto e nem estrague no depósito. O controle de estoques é muito importante para qualquer tipo de empresa, pois através dele, além de se controlar os desperdícios e os desvios, diminuem os custos, efetuam-se análises, bem como se mede o momento de fazer algum investimento. Uma empresa precisa ter estoques para que possa estar pronta a produzir sempre que houver uma demanda. No entanto, tais estoques geram custos e não devem ser encontrados em quantidade que onere a empresa. Então, uma pergunta surge: quanto de estoque é preciso ter para atender satisfatoriamente à clientela, sem que haja desperdício? Na primeira competência, você conhecerá conceitos importantes, que fundamentarão toda a disciplina: o que é logística, o que é estoque e quais são as atividades primárias e as atividades de apoio à cadeia de suprimentos. Na segunda competência, você compreenderá a classificação de estoques por nível de valor, aprendendo que ABC não é usado apenas como uma alusão ao nosso alfabeto. Em seguida, aprenderá sobre os métodos de avaliação e movimentação de estoques: PEPS, UEPS e CMP. Na terceira competência, você estudará sobre os níveis de estoques e no que eles podem influenciar para a necessidade de reposição ou custos da empresa, bem como ferramentas auxiliares para entendermos tais níveis e mantermos os estoques em quantidade adequada. Também será abordado o método de previsão de demanda de estoques. Na quarta e última competência, você conhecerá sobre os sistemas de controle de estoques e os custos envolvidos na estocagem. Ao longo da disciplina, serão esclarecidos vários temas, tais como: o que é a cadeia de
  • 7. 7 suprimentos, o que significa PEPS, classificação ABC, entre muitos outros e, por fim, os parâmetros de controle mais importantes que devem ser trabalhados diariamente em todas as empresas. Ao fim do aprendizado, você, prezado (a) aluno (a), obterá um novo conhecimento teórico, entenderá como todos esses fatores o levarão a administrar adequadamente os estoques e a importância que isso terá para a empresa onde você trabalha ou trabalhará, bem como poderá aplicar alguns desses conhecimentos em suas atividades. Seja bem-vindo (a) à disciplina Estoques, do curso de Administração! Bons estudos!
  • 8. Competência 01 8 1.Competência 01 | Conhecer o Processo e Variáveis da Armazenagem de Materiais 1.1 Conceitos Iniciais Voltando à sua lanchonete, quanto de estoque é preciso ter para atender satisfatoriamente à clientela, sem que haja desperdício? Antes de tudo vamos entender o conceito de estoques. Segundo Gonçalves (2004), estoques podem ser considerados como acumulação de matérias-primas, produtos em processo ou produtos acabados, na posse de uma empresa, que aparecem em vários pontos por todos os canais logísticos e de produção na empresa. Os materiais são resultados da diferença entre a demanda e o fornecimento, para que seja possível guardar insumos para oferecer produtos aos clientes. Quando estão estocados, os materiais ficam fisicamente parados em algum lugar, seja na empresa ou em outro ponto. Para utilizá-los, precisam ser movimentados. Para que se mantenha um bom controle dos estoques, todas as movimentações de materiais devem ser efetuadas por meio das notas fiscais, quando se tratar de produtos acabados; ou documentos internos, quando se tratar de transferência ou requisição de matérias-primas. Podemos encontrar três tipos de movimentações de materiais: entrada, saída e transferência. Veja um rápido vídeo sobre o sistema de Logística na empresa Natura, acessando o link a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=2H9PML_HHHQ É importante nunca confundir suprimentos com matérias-primas, pois as matérias-primas são um dos tipos existentes de suprimentos. Matéria-prima é um produto natural ou semimanufaturado que deve ser submetido a um processo produtivo até tornar-se um produto acabado.
  • 9. Competência 01 9 • Entrada: é a movimentação de materiais que entram no estoque da empresa, como as compras. Quando você adquire insumos para transformar em produtos a serem oferecidos aos seus clientes; • Saídas: é a retirada (comumente chamada de “baixa”) do estoque, formalizada por meio da emissão de notas fiscais ou, quando ocorrerem movimentações internas, por meio de requisições de materiais. Então, a utilização de produtos do estoque indica a saída destes; • Transferências: são movimentações de materiais efetuadas entre almoxarifados ou filiais da mesma empresa. Esta operação gera débito e crédito entre as unidades da empresa, mas não afeta o resultado final do saldo do estoque geral. O registro desta operação pode ser feito por meio de emissão de notas fiscais de transferência ou por documento interno de requisição de materiais. Como se dá a movimentação dos estoques? Para que sua lanchonete possa funcionar é preciso providenciar a movimentação de seus insumos e de seus produtos vendidos por telefone, para serem entregues ao consumidor final. Há várias maneiras de se realizar esta movimentação e alguns modais utilizados são: rodoviário, ferroviário, hidroviário, dutoviário e o aeroviário (não necessariamente uma lanchonete usa todos eles). Há também a multimodalidade, a integração dos diversos modais de transporte. É preciso identificar como os produtos da lanchonete serão recebidos, bem como serão feitas as entregas dos produtos para os clientes. Esta identificação deve levar em conta alguns fatores, tais como: o custo, para que se mantenha dentro do orçamento da empresa; a conservação, para que os insumos e produtos estejam sempre frescos; e a rapidez com que se deseja receber os insumos e fazer as entregas. O grande ponto dos estoques envolve manter seus níveis os mais baixos possíveis, e ao mesmo tempo prover a disponibilidade desejada pelos clientes. Veja um rápido vídeo sobre os tipos de modais de transporte, acessando o link a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=P6k9y3CDIiI
  • 10. Competência 01 10 A questão dos estoques merece grande atenção por parte dos profissionais de logística e consequentemente do técnico em administração, exatamente porque o grande desafio é ter o menor nível de estoque possível sem prejudicar o nível de serviço ao cliente, ou seja, manter uma quantidade necessária para atender ao cliente quando ele desejar. Não é algo simples, no entanto, existem técnicas e sistemas de gestão que auxiliam para o seu sucesso. Isso, estudaremos mais à frente. O grande desafio da movimentação do estoque consiste em reduzir o “ciclo do pedido”, que é o tempo total entre o cliente realizar um pedido e o mesmo ser entregue, ou o tempo entre você fazer uma encomenda de insumos e recebê-la de seu fornecedor. Isto é muito importante para os negócios, pois você não quer ficar sem material para atender aos pedidos dos seus clientes e nem deixar os clientes esperando demais a entrega do seu alimento, não é? Então, é importante contar com sistemas eficientes e eficazes de recebimento de pedido, checagem de estoque, separação, expedição e entrega do produto. As atividades que vimos até agora, de movimentação e processamento, são ditas como atividades primárias. Para completar o processo há também as atividades de suporte. As atividades de suporte são aquelas adicionais, que dão suporte ao desempenho das atividades primárias, para que seja possível ter clientes satisfeitos e alcançar a lucratividade da empresa. São as seguintes: armazenagem, manuseio de materiais, embalagem de proteção, planejamento e sistemas de informação. 1) Armazenagem É o processo que envolve a administração dos espaços necessários para manter os materiais estocados. Essa ação envolve fatores como localização, dimensionamento da área, arranjo Os conceitos de armazenagem e estocagem são diferentes, fique atento: A) Armazenagem: é um subsistema responsável pela gestão física dos estoques, que inclui todas as atividades relacionadas à guarda temporária e a distribuição de materiais (depósitos, almoxarifados, centro de distribuição, etc.). As operações de armazenagem consistem no recebimento, estocagem, separação e expedição de materiais para apoiar o fluxo de materiais nos sistemas de manufatura e distribuição. B) Estocagem: é uma das atividades do fluxo de materiais no armazém, é o ponto destinado à locação estática dos materiais, ou seja, onde eles fisicamente ficam.
  • 11. Competência 01 11 físico (layout), equipamentos de movimentação, recuperação do estoque, bem como necessidades de recursos financeiros e humanos. A armazenagem é constituída por um conjunto de funções de recepção, descarga, carregamento, arrumação e conservação de matérias-primas, produtos acabados ou semiacabados. Uma vez que ela envolve mercadorias, apenas é produzido resultado quando é realizada uma operação, com o objetivo de acrescentar valor a essas mercadorias. Podemos dizer que o objetivo geral da armazenagem é o compromisso entre os custos e a melhor solução para as empresas. Na prática, isso só é possível caso se tenha em conta todos os fatores que influenciam os custos de armazenagem, bem como a importância relativa dos mesmos. a. Custos da Armazenagem Os custos envolvidos na armazenagem são geralmente fixos e indiretos, apresentando a dificuldade da minimização do impacto dos custos. Por exemplo, se você possui um depósito para armazenagem, independente dele estar vazio ou cheio, os custos continuarão os mesmos, pois você precisará continuar pagando os funcionários, os equipamentos, aluguel se o espaço não for próprio, etc. b. Sistemas de Armazenagem Para arrumar adequadamente as matérias-primas ou produtos acabados, alguns sistemas são utilizados. Existem vários tipos de sistemas de armazenagem, utilizados de acordo com o tipo de produto a armazenar e área disponível, entre outros parâmetros. Para se determinar qual o melhor sistema de armazenagem, em primeiro lugar devemos respeitar as características do produto, isto é, o seu peso, dimensões e a possibilidade ou impossibilidade de junção em paletes. Abaixo, vamos conhecer alguns elementos desse sistema: • Palete (ou estrado) É possível dizer que é um recurso que tem como função a melhoria do transporte de cargas, obtido por meio da empilhadeira e da paleteira.
  • 12. Competência 01 12 Figura 1 - Modelo de palete de madeira Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Palete Descrição: a figura mostra um palete, também chamado de estrado, cujo material é madeira, mas podem ser encontrados no mercado feitos de outros materiais. O palete tem três vigas que encostam no chão, com espaço entre elas. Sobre elas, estão presas cerca de cinco tábuas, com pequenos espaços entre elas, que ajudam a organizar e a movimentar produtos ou materiais. A dimensão padrão de um palete é de 1,10 X 1,10. • Paleteira É uma espécie de máquina, um tipo de empilhadeira manual, cuja principal função é fazer o deslocamento de materiais em uma organização, principalmente no estoque. Uma das vantagens da paleteira manual é sua relação de custeio com a empilhadeira elétrica, porque, embora ambas sejam úteis para o carregamento de material, a paleteira, além de mais fácil manuseio, é capaz de transportar enormes quantidades de peso, sem toda necessidade de tempo que se leva para aprender a monitorar uma empilhadeira elétrica, e ainda com um preço mais barato. Figura 2 - Modelo de paleteira Fonte: http://paleteira 09.wordpress.com/2012/04/17/quais-as-funcoes-que-uma-pa le teira-exerce-na-logistica-de- uma-empresa Descrição: a foto mostra um modelo de paleteira, equipamento utilizado para movimentar paletes. Na parte da frente, onde os paletes ficam apoiados, existem dois braços de ferro, conectados ao motor do equipamento. Esses braços entram perfeitamente nos espaços das vigas dos paletes. Também conectado ao motor, segue uma espécie de direção, por meio da qual uma pessoa pode guiar o equipamento. A pessoa guia o equipamento em pé, posicionada sobre uma estreita plataforma, segurando a direção.
  • 13. Competência 01 13 • Empilhadeira Máquina usada principalmente para carregar e descarregar mercadorias em paletes. Existem diversos tipos e modelos, tais como: elétricas, manuais, combustão e portuárias. Você vai conhecer, na figura a seguir, o que é uma empilhadeira e entender as diferenças físicas entre ela e uma paleteira. Figura 3 - Modelo de empilhadeira Fonte: http://pt. wikipedia.org/wiki/Palete Descrição: a foto mostra um modelo de empilhadeira elétrica que está sendo operado por uma pessoa. Assim como a paleteira, este equipamento também possui dois braços de ferro para apoiar os paletes, porém ele pode fazer um movimento de subir e descer os paletes, para alcançar locais mais altos. O operador da foto está colocando um palete cheio de produtos na carroceria de um caminhão. • Porta-paletes Representa a melhor resposta para os armazéns, onde é necessário armazenar produtos paletizados com uma grande variedade de referências. É a solução mais simples e mais utilizada, sendo adaptável a qualquer tipo de carga e volume. • Drive in São estruturas para verticalizar cargas paletizadas, com movimentação interna da empilhadeira, ideal para trabalhar com grandes quantidades de um mesmo produto, com armazenagem em lote. É uma estrutura composta por laterais com braços que sustentam as longarinas de Drive-in, formando blocos verticais e horizontais, denominados ruas de armazenagem, os quais dão acesso à empilhadeira que fará o carregamento dos paletes dentro da própria estrutura, formando, assim, um bloco contínuo, sem corredores intermediários, permitindo que a empilhadeira entre na estrutura. As estruturas drive-in são operacionalizadas por uma única entrada. Tem como
  • 14. Competência 01 14 vantagem a rentabilidade máxima do espaço disponível, eliminação dos corredores entre as estantes, rigoroso controle de entradas e saídas. Admite tanto as referências como as ruas de carga. Figura 4 - Modelo de drive in Fonte: http://adminlogistica.wordpress.com/conteudo/estrutura-porta-paletes Descrição: os paletes podem ser deixados no chão mas, para otimizar o espaço de armazenamento, muitas empresas instalam estruturas verticais para alocar paletes, sendo o drive in uma delas. Na figura, é possível ver um drive in com 15 posições de dimensão (cada posição cabe um palete), quatro posições de largura e quatro posições de altura. Muito espaço é aproveitado. Há uma empilhadeira colocando um palete em uma das posições e a estrutura está quase toda completa de paletes, existem poucos espaços vazios. • Drive through (ou drive-thru) Também são estruturas para verticalizar cargas paletizadas, mas diferentes do drive in, que a empilhadeira entra e sai pelo mesmo lado, no drive through a empilhadeira tem acesso pelos dois lados, sendo dois corredores: um de entrada e outro de saída. Sua estrutura conta com lastres com rodas para fazer a movimentação do palete; essas rodas ajudam na movimentação dos paletes, colocando o mesmo de um lado e sendo levado pela força da gravidade para o outro lado. Você pode visualizar esta explicação na figura a seguir.
  • 15. Competência 01 15 Figura 5 - Modelo de drive through Fonte: http://conhecimentosdaarmazenagem.blogspot.com/p/estrutura-porta-palete.html Descrição: o drive through é outro modelo de estrutura para otimizar espaço quando necessário armazenar paletes. Through (ou thru, que é a pronúncia) significa “através” em Inglês. Na figura é possível entender a escolha do nome, uma vez que é possível ver uma estrutura que tem seis posições de dimensão, quatro posições de altura e três posições de largura. Há duas empilhadeiras colocando paletes com produtos na mesma fileira, só que uma entra por um lado e a outra empilhadeira entra pelo outro lado. Essa é a diferença básica entre o drive in e o drive through: no primeiro, o último palete que entra é obrigatoriamente o primeiro que sai, a estrutura não permite que seja diferente. Já no drive through, a movimentação pode ocorrer dos dois lados, então o operador pode colocar um palete mais antigo de um lado e um mais novo do outro. Quando precisar retirar o mais antigo, ele não precisa mover o palete mais novo, basta retirar o mais antigo pelo outro lado da estrutura. 2) Manuseio de Materiais Digamos agora que você precisa entregar algum produto armazenado para realizar uma venda. A este processo se chama manuseio de materiais. Essa atividade envolve a movimentação de materiais no local de estocagem, que pode ser tanto de estoques de matéria-prima como de produtos acabados. Pode ser a transferência de materiais do estoque para uso no processo produtivo ou do processo produtivo para o estoque de produtos acabados. Pode ser também a transferência de um depósito para outro. 3) Embalagem Para proteger os produtos armazenados são utilizadas embalagens, para que seja possível movimentá-los sem danificá-los. Um bom projeto de embalagem do produto auxilia a garantia perfeita e ainda faz uma movimentação sem desperdícios. Além disso, dimensões adequadas de empacotamento encorajam manuseio e armazenagem eficientes.
  • 16. Competência 01 16 4) Planejamento O armazenamento está diretamente associado à função planejamento. A função planejamento é responsável pelo cálculo das quantidades agregadas que devem ser produzidas, bem como quando, onde e por quem devem ser fabricadas. É a base que servirá de informação à programação detalhada da produção dentro da fábrica. Com isso, ela determina quanto haverá de estoques e quando o estoque será utilizado. 5) Sistema de Informação Para dar suporte aos processos descritos acima são utilizados sistemas de informação. Os sistemas são alimentados pelas informações sobre custo, procedimentos e desempenho essenciais para o correto planejamento e controle logístico. Com isso, a empresa terá uma base de dados bem estruturada, com informações significativas sobre os clientes, sobre os volumes de vendas, sobre os padrões de entregas, sobre os níveis dos estoques e disponibilidades físicas, importantes para o desenvolvimento das suas atividades. E então, o que você achou da primeira competência da disciplina Estoques? Entenda-a bem, para que possa partir para a competência a seguir.
  • 17. Competência 02 17 2.Competência 02 | Compreender a Classificação de Estoques por Níveis de Valor Na primeira competência você aprendeu sobre conceitos importantes para o entendimento do processo de estocagem. Nesta competência você começará conhecendo sobre a classificação dos estoques: quais são os seus tipos e quais a relevância para a empresa. Com isso, podemos tomar melhores decisões sobre o processo de estocagem, como no caso dos produtos da sua lanchonete que abordamos na competência 1. Após saber como classificar os estoques, você estará apto (a) para conhecer sobre os métodos de avaliação e movimentação dos estoques. Sendo assim, você conhecerá três critérios comumente utilizados, como o PEPS – Primeiro que Entra, primeiro que Sai; UEPS – Último que Entra, Primeiro que Sai e CMP - Custo Médio Ponderado. 2.1. Classificação dos Estoques Podem ser encontradas várias classificações dos estoques. Podemos dizer que, onde existe necessidade de materiais, irão existir estoques. Os estoques recebem diferentes classificações de acordo com a natureza dos produtos, das atividades da empresa, etc., e podem ser classificados conforme abaixo: 2.1.1 Quanto ao Tipo • Estoque de matéria-prima e materiais auxiliares Se você fabrica o pão para os sanduíches da sua lanchonete, você terá que armazenar farinha de trigo. É uma matéria-prima básica que foi adquirida para entrar no processo produtivo da empresa e requer processamento para ser transformada em produto – o pão. Este tipo de material fica normalmente estocado em armazéns ou depósitos de matéria-prima, aguardando a requisição do setor de produção para ser usado e transformado. Sendo assim, devem ser mantidos estoques suficientes para atender a demanda da produção que, por sua vez, segue a demanda dos clientes.
  • 18. Competência 02 18 Figura 6 - Modelo de armazenamento de matérias-primas Fonte: http://www.pratic.ind.br/empresa.htm Descrição: a figura mostra um armazém que possui um pé direito bem alto e muitas janelas. Nele, é possível ver alguns sacos azuis e brancos de matéria-prima sobre dois paletes, um ao lado do outro. Atrás destes paletes há um palete com mais sacos empilhados de matéria-prima, dessa vez numa pilha de sacos mais alta. À direita deste palete, existem três paletes com muitos sacos vermelhos empilhados, também muitos sacos que atingem uma altura maior do que o palete de sacos azuis. Todos os sacos estão cheios, provavelmente de grãos ou pó, pelo formato que apresentam. • Estoques de materiais semiacabados Agora, vamos falar um pouco sobre os produtos semiacabados. No caso das lanchonetes, um exemplo é quando partimos pães para prepararmos sanduíches. Ora, para uma padaria, o pão é um produto acabado, mas para a preparação do sanduíche, o pão é um produto semiacabado: aquele que não está ainda totalmente pronto, por algum motivo. É um tipo de material cujo processamento está em algum estágio intermediário de acabamento e se encontra quase acabado, faltando apenas mais algumas etapas do processo produtivo para se transformar definitivamente em produto acabado. Normalmente, os materiais semiacabados ficam em uma área específica ou no setor produtivo. Não são mantidos no almoxarifado por não serem mais matérias-primas iniciais, nem tampouco no depósito de produtos acabados, por ainda não serem estes produtos acabados.
  • 19. Competência 02 19 Figura 7 - Produtos semiacabados Fonte: http://www.mangasushibar.com.br/cardapio/acrcimos/1829/pao-de-forma-fatia Descrição: na figura há duas fatias de pão de fôrma, uma sobre a outra, dentro de um prato pequeno, na cor branca, aguardando o momento de formar um sanduíche. • Estoques de Componentes Os estoques de componentes também são tipos de produtos acabados, mas formados por peças isoladas ou componentes já acabados e prontos para serem anexados ao produto. São, na realidade, partes prontas ou montadas que, quando juntas, constituirão o produto acabado. • Estoque de produtos acabados É o estoque composto pelo produto que teve seu processo de fabricação terminado, ou seja, já pronto para venda e expedição. Usando o exemplo da lanchonete, poderia ser o sanduíche, a coxinha, etc. Figura 8 - Modelo de estoque de produtos acabados Fonte: https://teclog2.wordpress.com/category/mov-e-armaz-de-materiais/page/2/ Descrição: depósito de uma empresa, onde foram colocadas estantes de ferro altas, porém estreitas, para armazenar as pequenas caixas de produtos acabados sobre elas. Pelo tamanho e dimensão dos produtos apresentados, a movimentação e estocagem deles é mais fácil, por isso não estão sobre paletes.
  • 20. Competência 02 20 Após serem apresentados os tipos de estoque, uma pergunta vem em mente: quanto de estoque é preciso armazenar? Para todos os tipos de estoque, é muito importante ter uma quantidade adequada dentro da empresa. Com isso, surge o conceito de estoque mínimo ou de segurança: • Estoque de segurança ou mínimo Se as empresas soubessem de todos os fatores que viriam a influenciar na demanda, as previsões sobre estas estariam sempre certas. Nesse caso, deixariam de ser previsões para serem certezas, mas isso é impossível. É impossível você saber quantas latas de refrigerante, precisamente, você vai vender na lanchonete. Sendo assim, é importante manter quantidades estocadas para garantir as vendas, caso ocorra aumento na demanda desse item, por exemplo. Para tanto, usa-se a fórmula abaixo, que compara a demanda máxima que a empresa pode atender, ou seja, quantos refrigerantes a empresa pode vender, em função da sua capacidade instalada, e a demanda média, que é a média da quantidade de refrigerantes que a lanchonete vende em determinado período. O estoque de segurança é conhecido por meio do uso de uma fórmula: ES = D(máx) – D(média) Sendo: D(máx) A demanda máxima que uma empresa pode atender. D(média) A demanda média da empresa.
  • 21. Competência 02 21 Figura 9 - Modelo de gráfico dente de serra para estoque de segurança Fonte: http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/impressao_artigo/658 Descrição: gráfico formato dente de serra, que tem este nome exatamente pelo seu formato. Para formar o gráfico, há a coordenada horizontal, chamada “abscissa”, que se cruza com a coordenada vertical, chamada “ordenada”. A abscissa neste gráfico representa o tempo . A ordenada representa a quantidade e vai até 1, sendo cortada ao meio por uma reta e, abaixo dessa reta, também cortada por uma linha pontilhada. Entre as duas linhas, abscissa e coordenada, há uma reta que começa do ponto 1 da ordenada e toca a abscissa; em seguida, a mesma linha sobe novamente e toca a reta traçada no ponto 1; outra vez, a linha desce e toca a abscissa...formando um movimento de serra, que nomeia o gráfico. Sendo: Ponto 1: Estoque máximo; Ponto 2: Nível de ressuprimento, ou estoque médio; Ponto 3: Estoque virtual. Considera-se o estoque real armazenado e as encomendas; Ponto 4: Estoque de segurança; Ponto 5: Ponto de ruptura. Fonte: Tec Hoje (2013) Nesse processo, influencia o TR (tempo de ressuprimento), que é o tempo que o fornecedor leva para entregar os refrigerantes. Para evitar falta de produtos, você deve fazer o pedido de fornecimento quando atingir o estoque mínimo e antes do prazo que o fornecedor lhe dá para fazer a entrega. Agora, será que esta fórmula apresentada se aplica a todos os casos? Pois, há produtos que têm um valor agregado maior que outros, ou seja produtos que dão mais lucros. Como levamos isso em consideração?
  • 22. Competência 02 22 2.1.2 Classificação quanto à Importância ou Valor (Método ABC) Uma maneira de responder a pergunta acima é aplicando o método ABC. O método de classificação ABC nada mais é do que uma ferramenta que auxilia na gestão de estoques, proporcionando informações relevantes sobre aqueles produtos que têm maior ou menor giro; relacionados com o custo de aquisição. A curva ABC permite identificar quais itens necessitam de atenção e tratamento adequados quanto à sua importância. Também pode ser utilizada para classificar clientes em relação aos seus volumes de compras ou em relação à lucratividade proporcionada. Com isso, você saberá quais produtos são mais lucrativos e poderá desenvolver uma política de estoques mais adequada para eles. Figura 10 - Exemplo de curva ABC Fonte:http://www.sobreadministracao.com/wp-content/uploads/2010/12/grafico-ABC.jpg Descrição: gráfico que representa a curva ABC. A sua abscissa representa a quantidade de itens e a ordenada representa valor dos itens em porcentagem. Na abscissa estão marcados os pontos 20, 60 e 100. Na ordenada, os pontos 80, 95 e 100. O que isso significa? Quando os pontos 80 e 20 se encontram, formam o espaço A, que representa os itens que têm pouco volume (20%), mas muito valor (80%). Quando os pontos 95 e 60 se encontram, formam o espaço B, que representa os itens que têm 60% de volume e 95% de valor. Quando os pontos 100 e 100 se encontram, formam o espaço C, que representa os itens que possuem 100% de volume e 100% de valor. Podemos ver, então, que os itens A são aqueles que precisam de mais atenção, pois uma pequena quantidade já representa alta parcela do valor. Em seguida, o B e o C. Eis a curva ABC. Obtém-se a curva ABC com a ordenação dos itens conforme a sua importância relativa. Uma vez obtida a sequência dos itens e sua classificação ABC, passa a ser conhecida a aplicação preferencial das técnicas de gestão, conforme a importância dos itens. Após os itens terem sido ordenados pela importância relativa, as classes da curva ABC podem ser definidas das seguintes maneiras:
  • 23. Competência 02 23 • Classe A: grupo de itens mais importantes, que devem ser trabalhados com grande atenção por parte da empresa. São aqueles itens que dão a sustentação de vendas e normalmente correspondem a 20% do volume total. • Classe B: é um grupo intermediário de itens em relação à importância, quantidade ou valor, podendo corresponder a 30% do total. • Classe C: grupo de itens menos importantes em termos de movimentação, valor ou quantidade. No entanto, também precisam de atenção porque geram custo para manter estoque. Podem corresponder a 50% do volume total. A Curva ABC é conhecida também por seguir o princípio 80-20, pois é baseada no teorema do economista italiano Vilfredo Pareto, que num estudo sobre renda e riqueza do século XIX, percebeu que em uma pequena parcela da população (20%) se concentrava a maior parte da riqueza, em detrimento dos demais 80%. No caso de estoques, a importância dos materiais é considerada em relação às quantidades utilizadas e o seu valor. Figura 11 - Modelo de curva ABC Fonte: http://miscelaneaconcursos.blogspot.com/2012/09/curva-abc.html Descrição: quadro que apresenta uma coluna chamada classe, onde estão as letras A, B e C. Em seguida, uma coluna com os itens em porcentagem, sendo A: 20%, B: 30% e C: 50%. A terceira coluna mostra o valor, sendo A: 80%, B: 15% e C: 5%. A quarta coluna mostra a importância, sendo A: grande, B: média e C: pequena. É mais uma referência para ajudar a entender a curva ABC. 2.2. PEPS e UEPS Mas, é importante saber que toda política de estoques precisa estar atenta a três aspectos:
  • 24. Competência 02 24 a) assegurar que o dinheiro investido em estoques seja o mínimo possível; b) garantir que o valor desse capital seja uma ferramenta de tomada de decisão; c) evitar desperdícios como perda de validade, roubos, extravios, etc. Considerando que vários fatores podem fazer variar o preço de aquisição dos materiais entre duas ou mais compras (inflação, custo do transporte, procura de mercado, outro fornecedor, etc.), surge o problema de selecionar o método que se deve adotar para avaliar os estoques. Com isso, é importante, a partir de agora, você conhecer um pouco sobre os métodos de avaliação dos estoques. O maior objetivo do custeio do estoque é a determinação de custos adequados às vendas, de forma que o lucro apropriado seja calculado. É muito importante prever o valor do estoque em intervalo de tempo adequado e gerenciá-lo, comparando-o com o planejado, e ainda tomar as devidas ações quando houver algum desvio ou demanda inesperada. Os métodos mais comuns de avaliação são: 2.2.1 PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai) ou FIFO (First in – First Out) À medida que ocorrem as vendas, ocorrem baixas no estoque a partir das primeiras unidades compradas. Produtos perecíveis da lanchonete, como os alimentos, seguiriam esta lógica. Justificando: a primeira unidade a entrar no estoque é a primeira a ser utilizada no processo de produção ou a ser vendida. Algumas vantagens deste método: • Os itens usados são retirados do estoque e a baixa é dada nos controles de maneira lógica e sistemática; • O resultado obtido espelha o custo real dos itens específicos usados nas saídas; • O movimento estabelecido para os materiais, de forma contínua e ordenada, representa uma condição necessária para o perfeito controle dos materiais, especialmente quando estes estão sujeitos à deterioração, decomposição, mudança de qualidade, etc. Conheça um modelo de planilha usando o método PEPS na figura a seguir:
  • 25. Competência 02 25 Figura 12 - Planilha PEPS Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp Descrição: planilha de controle e estoque de biscoitos. Ela possui uma coluna de data. Em seguida, tem uma grande coluna de entradas (que se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna de R$ e uma coluna de total) e outra grande coluna de saídas (que também se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna de R$ e uma coluna de total). Após as duas colunas, há uma coluna de saldo (que também se divide em uma coluna de quantidade, uma coluna de R$ e uma coluna de total). Para exemplificar o PEPS, há uma entrada na data 01/01, de quantidade 1, cujo valor é de R$ 1,30 e o total de entradas é de R$ 1,30. Não há nenhuma saída e a coluna de saldo repete o mesmo que há na coluna de entrada, pois o saldo é o resultado de todas as movimentações (entradas e saídas). No dia 02/01, há uma entrada de quantidade 1, que custa R$ 1,20, o valor desta movimentação é R$ 1,20. Não há saídas. A coluna de saldo repete a movimentação de R$1,20. Há uma última entrada na data 03/01, de quantidade 1, cujo valor é de R$ 1,00 e o total de entradas é de R$ 1,00. Não há nenhuma saída e a coluna de saldo repete o mesmo que há na coluna de entrada. Porém, na data de 04/01 há uma saída. Não há nada preenchido na coluna de entrada, mas nas saídas há o preenchimento de quantidade 1, valor R$ 1,30 e total R$ 1,30. Como fica a coluna de saldo? No dia 04 aparecem na coluna de saldo apenas os valores de R$ 1,20 e R$ 1,00, afinal, o primeiro valor que entrou foi da unidade de R$ 1,30, então esse é o primeiro valor que sai. 2.2.2 UEPS (Último que entra, primeiro que sai) ou LIFO (Last in – First Out) O custo do estoque é determinado como se as unidades mais recentes adicionadas ao estoque (últimas a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (saídas) ou (primeiro a sair). Supõe- se, portanto, que o estoque final consiste nas unidades mais antigas e é avaliado ao custo destas unidades. De acordo com o método UEPS, o custo dos itens vendidos/saídos tende a refletir o custo dos itens mais recentemente comprados (comprados ou produzidos, e assim, os preços mais recentes). Conheça um modelo de planilha usando o método UEPS na figura a seguir:
  • 26. Competência 02 26 Figura 13 - Planilha UEPS Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp Descrição: a planilha parece igual à anterior, porém há uma diferença: na data de 04/01 há uma saída, cujo valor é de R$ 1,00 e total R$ 1,00. Isso mostra que no método de avaliação de estoques UEPS o último valor que entrou é o primeiro a ser considerado no momento da primeira saída. O último valor que entrou, neste caso em 03/01, foi de R$ 1,00. Esse método não é muito usado nas empresas, pois dependendo do ramo de atuação, a empresa pode chegar a ter prejuízos, como uma que vende produtos perecíveis; caso a empresa venda os produtos que chegaram por último, quando for vender aqueles que foram adquiridos primeiro, provavelmente os mesmos já estarão vencidos. 2.3 Custo Médio Ponderado Este método, também chamado de método da média ponderada ou média móvel, baseia- se na aplicação dos custos médios em lugar dos custos efetivos. O método de avaliação do estoque ao custo médio é aceito pelo Fisco e usado amplamente. Por esse critério, os estoques são avaliados pelo custo médio de aquisição, apurado a cada entrada de mercadorias, ponderado pelas quantidades adquiridas e pelas anteriormente existentes. O princípio contábil de Custo de Aquisição determina que se incluam no custo dos materiais, além do preço, todos os outros custos decorrentes da compra, e que se deduzam todos os descontos e bonificações eventuais recebidos. Conheça um modelo de planilha usando o método custo médio ponderado na figura a seguir:
  • 27. Competência 02 27 Figura 14 – Planilha Custo Médio Ponderado Fonte: https://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade038.asp Descrição: Mais uma vez, a planilha parece igual, porém há uma diferença: na data de 04/01 há uma saída, cujo valor é de R$ 1,17 e total R$ 1,17. De onde vem este valor? Ora, da média dos valores que entraram (custo médio, não é assim que se chama?!)! 1,30 + 1,20 + 1,00 = 3,50. Dividimos este total por 3 (que é a quantidade de entradas) e alcançamos o valor de R$ 1,17. Então, caro (a) aluno (a), pronto (a) para a próxima Competência? Preparados para compreender como se dimensionam os estoques, bem como compreender o que significa nivelar um estoque? Vamos lá, então?
  • 28. Competência 03 28 3.Competência 03 | Entender o Dimensionamento e Níveis de Estoques Na competência anterior você aprendeu sobre classificação de estoques e começou a entender como é importante mantê-los num nível adequado para a empresa: nem tão baixo que não possa atender a demanda e nem tão alto que venha a apresentar altos custos. Sendo assim, nessa Competência você aprenderá sobre a importância do dimensionamento de estoques e, ainda, aprenderá o conceito de nível de estoques e algumas informações muito importantes relacionadas a ele, como o nível de ressuprimento, por exemplo. Também conhecerá sobre o (Lote Econômico de Compras) LEC e a sua importância para a adequada manutenção dos níveis de estoques, aprenderá o que é um gráfico dente de serra e, por fim, mas não menos importante, conhecerá sobre previsão e avaliação da demanda de estoques. Você já fez o seu encontro presencial ou atividade semanal? Fique de olho nas informações que irá aprender por aqui, pois são muito relevantes para complementar seu aprendizado. 3.1 Dimensionamento de Estoques A implantação e manutenção de políticas adequadas para administrar o estoque garantirá o desempenho adequado dos diferentes processos e funções empresariais, bem como minimizará os custos com produtos estocados. Para a definição de tais políticas, são levados em consideração vários aspectos, dentre eles: • Meta estabelecida pela empresa quanto ao tempo gasto para atendimento ao cliente; • Definição do giro dos estoques; • Definição do espaço a ser utilizado (central de distribuição, sites, depósitos, armazéns, etc.) e a lista de materiais a serem estocados; • A quantidade adequada para se manter em estoque que atenda a flutuação na demanda. Sendo assim, vamos aprender agora como estabelecer o nível adequado que cada item deve ter em estoque.
  • 29. Competência 03 29 Antes disso, precisamos saber que a época da aquisição e da quantidade do pedido depende do conhecimento da demanda. Pela matemática É feito o cálculo do lote econômico, que visa reduzir o CP (custo de preparação) e o CA (custo de armazenagem). • Detalhamento: Custo de obtenção (CO) ou custo de preparação (CP) é o custo ligado ao número de pedidos de reposição de estoque: quanto maior o número de pedidos, maior o trabalho para a unidade de compras, transporte, recebimento e inspeção, lançamentos contábeis, etc. Se os lotes de compra forem maiores, menor será o custo de preparação. Custo de armazenagem (CA) é o custo ligado diretamente à quantidade estocada: quanto maiores os lotes de compra, maior o estoque médio, maiores os juros sobre o capital investido em estoque, maior o aluguel do espaço do almoxarifado, maior o custo de mão de obra, o custo de seguro contra incêndio, etc. 3.2 Níveis de Estoque Bom, você acabou de ler que dimensionar estoques é estabelecer o nível adequado que cada item deve ter e, agora, aprenderá o conceito de níveis de estoque. São aqueles que determinam as ações de reposição ou de cautelas a serem tomadas quanto às quantidades armazenadas. Normalmente se apresentam através de gráficos, onde a abscissa (eixo x) representa o tempo decorrido da demanda do estoque e o eixo das ordenadas (eixo Y) representa as quantidades de unidades consumidas ou adquiridas. Confira essa informação na figura a seguir.
  • 30. Competência 03 30 Figura 15 - Exemplo de relação entre a quantidade estocada consumida e o tempo de consumo Fonte: http://colunistas.ig.com. br/ricardogallo/2010/10/08/niveis-de-estoques-na-industrias-estao-ele vados-segundo- pmi-no-brasil/ Descrição: gráfico apresentando a relação entre a quantidade estocada consumida e o tempo de consumo. A abscissa mostra os meses de fevereiro de 2006 a agosto de 2010 e o eixo das ordenadas mostra os números marcados: -20, -15, - 10, -5, 0, 5,0, 10,0 e 15. Entre 5,0 e 0 há uma linha horizontal traçada até o final do gráfico, que representa a média em 06/10. Há uma segunda linha, porém nada linear, que representa o número de pedidos em estoque e começa no ponto 5,1, mas sobe e desce constantemente. Os seus pontos mais altos e mais baixos estão circulados e é possível perceber a grande variação. Para você entender e controlar os níveis de estoque é importante conhecer alguns conceitos muito importantes, como os que vêm a seguir: Tempo de reposição ou de ressuprimento (Tr) Tem como objetivo minimizar os custos de manutenção de estoques, mas sem correr o risco de não atender a demanda. A ideia é achar o nível adequado de estoques para cada material ou produto. Para isso, é necessário que o estoque seja controlado e que seja determinado o ponto de reposição. O ponto de reposição tem como objetivo iniciar o processo de ressuprimento com segurança suficiente para que não falte material. O PR – Ponto de Reposição é calculado multiplicando a taxa de consumo pelo tempo de ressuprimento.
  • 31. Competência 03 31 Exemplo: O consumo previsto dos refrigerantes que estão no meu estoque, por semana, é de 100 latinhas. - O tempo de ressuprimento é de três semanas. - Desse modo, o PR das latinhas de refrigerante é de 300 itens. Ou seja, para que sua lanchonete não corra o risco de ficar sem latinhas de refrigerante para vender, o estoque não pode ser menor do que 300 latinhas. O PR é definido quando o saldo de estoque estiver abaixo ou igual à determinada quantidade, chamada ponto de pedido. Você ntendeu? Quando meu estoque chegar em 300, é o ponto de fazer o pedido de mais latinhas de refrigerante para o meu fornecedor. Para minimizar os custos com estoques, bem como para garantir a disponibilidade do produto, devem ser determinados os estoques mínimos e máximos. Estoque mínimo (Em) Em = C x K Sendo: C = consumo médio mensal K = fator de segurança O fator de segurança (K) é uma maneira de prevenir falhas nas entregas ou em demandas não previstas, ou seja, aquelas demandas não esperadas. Os valores adotados devem ser definidos pela alta direção, pois irão variar conforme a criticidade e o valor de consumo obtido pelo método de classificação ABC. Podemos dizer que o tempo de ressuprimento é aquele tempo que se gasta desde o momento em que se faz o pedido, até a chegada do material para uma linha de montagem, por exemplo.
  • 32. Competência 03 32 Por exemplo, no fator de segurança, caso queiramos ter uma falha de apenas 10 % em nossos estoques, será usado o número 0,90. Isso significa que a empresa deseja uma garantia de que somente em 10% das vezes o estoque desta peça esteja zero. Significa também que, quando o estoque atingir 34 unidades, a lanchonete deve gerar um pedido de compra. Lembram-se do exemplo usado no item anterior? Estoque Máximo É o resultado da soma do Estoque de Segurança (ES) com a Quantidade Pedida (PP). Emáx = ES + Quantidade pedida O estoque máximo é importante, pois uma grande quantidade de estoques gera mais custos de armazenamento, além de gerar perdas, pois parte deste estoque, que tiver prazo de validade, vai estragar. 3.3. Gráfico Dente de Serra É uma ferramenta muito importante para uma adequada gestão de estoques, pois permite que se estabeleçam relações matemáticas necessárias para conhecer e controlar as atividades de reposição dos estoques. Figura 16 - Modelo de gráfico dente de serra Fonte: www.faccg.com.br/img/professor/une/0000661_Aula_07.10.14_Sistema%20de%20rep osicao% 20de%20estoques.pdf Descrição: gráfico dente de serra, que apresenta a relação entre quantidade em estoque (ordenada) e os 12 meses do
  • 33. Competência 03 33 ano (abscissa). O gráfico mostra uma linha traçada do ponto 140 na ordenada, que encosta na abscissa no mês de junho, formando um triângulo, que representa o consumo. Ao encostar na abscissa, a linha sobe novamente em linha reta, parando verticalmente na mesma linha imaginária onde o traçado da linha começou (no ponto 140 da ordenada). Esse ponto 140 que novamente foi atingido neste momento se chama ponto de reposição do estoque. A linha repete o mesmo movimento anterior e desce para a abscissa no mês de dezembro, formando outro triângulo, representando novamente o consumo de estoque. Em um gráfico dente de serra, é possível ter a noção de que um determinado item foi consumido em quantidades iguais a cada mês uniformemente, chegando a zero, por exemplo. O gráfico dente de serra apresenta as seguintes características: • Não existem alterações de consumo durante o tempo T. • Não existirem falhas administrativas que provoquem um esquecimento ao solicitar a compra. • O fornecedor da peça nunca atrasa sua entrega. • Nenhuma entrega do fornecedor foi rejeitada pelo controle de qualidade. Após projetar as quantidades de um item estocado nesse gráfico, e este resultar na representação tipo dente de serra, podem ser adotados critérios para planejamento de administração de estoque, como o Just in Time, sistema que proporcionará a entrega em tempo e quantidades sem variação dos pedidos emitidos, pois ficou definido pelo gráfico que o fornecedor do item possui atendimento em prazo e qualidade dentro dos padrões, o que elimina custos adicionais. Porém, nem todos os itens se enquadram com essa característica de curva (dente de serra), então são necessárias fórmulas que mostrem valores apropriados para a análise de um item. 3.4 Lote Econômico de Compras sem Faltas (LEC) É um método utilizado para determinar a quantidade de um lote que pode oferecer o menor custo de pedido, bem como o menor custo de armazenar. Simplificando, é a quantidade que iremos calcular e comprar para que possamos gastar menos na aquisição e estocagem. Objetiva determinar a quantidade a ser comprada, visando minimizar os custos que atingem os estoques. O lote econômico visa determinar o número ideal de pedidos a serem feitos e a quantidade ideal de cada lote. Você pode encontrar várias fórmulas para calculá-lo, sendo uma delas a relação abaixo:
  • 34. Competência 03 34 Figura 17 - Fórmula modelo LEC Fonte: Livro Administração de materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves (2013) Descrição: fórmula do LEC, que é raiz quadrada de 2 X D X Cr, tudo sobre Cp. Sendo que D = quantidade do período em unidades; Cr = Custo de reposição e Cp = custo de posse. Sua lanchonete compra de um fornecedor garrafas de vinho por R$ 25,00 a unidade. As estimativas de demanda de consumo dessas garrafas são de 2.000 unidades anuais. Você calcula o custo de R$ 5,00 para fazer um pedido ao fornecedor e estima como custo de posse do estoque o valor de R$ 2,00 por unidade/ano. Sendo assim, vamos determinar a quantidade econômica que esta empresa deverá comprar: QLEC = √2x2.000X5,00 = 100 garrafas 2,00 Ou seja, 100 peças é a quantidade adequada que a lanchonete deve pedir por vez. Caso se queira conhecer o número de pedidos, usa-se a relação entre demanda e o lote econômico de compras. Número de pedidos = Demanda Número de pedidos = 2.000 = 20 pedidos ao ano QLEC 100 Assim, para otimizar os custos com os pedidos, deve-se fazer 20 pedidos ao ano.
  • 35. Competência 03 35 3.5 Previsão e Avaliação da Demanda de Estoques Como foi abordado na competência anterior, o gestor de qualquer organização precisa identificar a demanda de produtos que ele vai comercializar. Acima, usamos o consumo médio como referência. Mas, de que outras formas podemos prever a demanda? Primeiramente, precisamos entender que a demanda de um produto é o volume total que seria comprado por um grupo definido de consumidores, em uma área geográfica definida, em um período de tempo definido, em um mercado de trabalho definido e mediante um programa definido de marketing. Métodos de Previsão da Demanda É necessário ratificar que, infelizmente, prever é um processo passível de erros. Um barraqueiro que esperava vender mil cocos verdes durante o carnaval pode descobrir que a demanda real é diferente do que foi previsto. Se a demanda exceder a previsão, a empresa tem de ter em mãos uma quantidade que permita satisfazer a demanda maior. Se a demanda cair, poderá haver excesso de material. Figura 18 - Previsão de demanda de estoques Fonte: http://portalvideoaula. com.br/cursos/logistica/gestao-estrategica-de-estoques-e-demanda Descrição: a figura mostra um boneco branco que representa um homem segurando uma prancheta preta, como se estivesse estudando o estoque, representado por várias caixas de papelão que estão empilhadas atrás dele. Da mesma forma, o suprimento de materiais comprados está sujeito às flutuações da demanda dos mesmos. No geral, o problema básico é a velocidade com que os fornecedores possam responder às variações de demanda. Todos os fornecedores gostariam de dobrar as vendas aos seus clientes, porém dificilmente são capazes de dobrar sua produção sem que ocorra aviso prévio. A previsão da demanda pode ser feita através de várias técnicas, tais como:
  • 36. Competência 03 36 • Projeção – São utilizados dados passados, admitindo-se que haverá repetição dos dados no futuro ou as vendas irão evoluir em função do tempo. É uma técnica feita com base em cálculos. • Explicação – Utilizam-se leis de correlação e regressão, associando-se as vendas passadas a outras variáveis de evolução conhecida ou previsível. É uma técnica feita com base em cálculos. • Predileção – Experiência de pessoas conhecedoras de vendas ou do mercado, feita com base em informações de especialistas. Você sabia que um fator diretamente relacionado à previsão de demanda é o dimensionamento do estoque de segurança? Lembra-se desse conceito? Pois é, a possibilidade de variação da demanda faz com que uma empresa tenha que manter estoques de segurança para evitar a falta de materiais ou produtos e, consequentemente, evitar clientes insatisfeitos. Ou seja, dessa forma você pode concluir que é impossível uma organização prever tudo o que vai acontecer, mas ela deve ter noção do que está acontecendo, para que possa determinar como obter lucro, ou seja, precisa de uma visão estratégica de todo o complexo produtivo. Em função de tudo o que você acabou de ler, é importante determinar a quantidade ideal a se ter no estoque. Portanto, a quantidade ideal a permanecer no estoque é o mínimo, mas esse mínimo deve ser necessário para satisfazer a demanda.
  • 37. Competência 04 37 4. Competência 04 | Compreender os Pontos de Compras e Reposição de Estoques Você chegou à última competência! Aqui, você aprenderá o que são e quais são os sistemas de controle de estoques e qual a sua importância para a lucratividade da empresa. Como falamos durante toda a disciplina sobre a lucratividade da empresa e a satisfação do cliente, é muito importante comentar sobre custos e, nessa competência, você conhecerá os custos que estão envolvidos no processo de estoques e porque é importante mantê-los a níveis aceitáveis. 4.1 Sistemas de Controle de Estoques Como você viu na competência anterior, controlar estoques é muito importante para qualquer empresa porque, apesar dos esforços em reduzir os estoques, estes ainda são representativos nas empresas, havendo portanto necessidade dos sistemas de controle. Formalmente, existem três sistemas básicos para se determinar quando fazer o pedido: • Sistema de ponto de pedido – usados para demanda independente; • Sistema de revisão periódica – usados para demanda independente; • MRP – usados para demanda dependente. 4.1.1 Sistema Min-Máx É considerado por alguns como o mais comum de todos os sistemas de controle de estoques. Refere-se a um sistema de reabastecimento no ponto de pedido, sendo que “min” (mínimo) trata-se do ponto de pedido e “máx” (máximo) o nível máximo de estoque. É um procedimento de controle de estoque, feito em cartões manuais ou por sistemas. Neste sistema, as quantidades mínima, máxima e de reposição são preestabelecidas e, através destas, é executado o controle. Para usar esse sistema, não são necessárias pessoas extremamente qualificadas e há a possibilidade de automatização do processo de reposição. Por outro lado, em face do automatismo da reposição, o sistema min-máx pode causar elevação dos níveis de estoques na incidência de retração de consumo, ou pode causar falta de
  • 38. Competência 04 38 material se ocorrer o inverso, ou seja, aceleração de consumo, visto que o mínimo é estabelecido em função de registros históricos deste. A aplicação do método é bastante simples. Quando o nível de estoque, pela ação do consumo, atinge o mínimo, é automaticamente solicitada uma quantidade de reposição preestabelecida, potencialmente alcançando o nível máximo. 4.1.2 Sistema de Revisões Periódicas No sistema de revisões periódicas, ao invés de quantidades, determinam-se períodos de tempo, pois ocorre a programação das datas em que será feita a revisão nos parâmetros de controle do item. Tais revisões acontecem em intervalos previamente estabelecidos, caracterizando as revisões periódicas. No momento da revisão, a empresa decide se deve ou não solicitar a reposição do item e verificar a adequação dos parâmetros preestabelecidos à realidade praticada. 4.1.3 MRP O sistema MRP ("Material Requirements Planning" - Planejamento das Necessidades de Materiais) surgiu durante a década de 60, com o objetivo de executar computacionalmente a atividade de planejamento das necessidades de materiais, permitindo, assim, determinar, precisa e rapidamente, as prioridades das ordens de compra e fabricação. É um sistema lógico de cálculo que converte a previsão de demanda em programação da necessidade de seus componentes. A partir do conhecimento de todos os componentes de um determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles, podemos, com base na visão de futuro das necessidades, calcular o quanto e quando se deve obter de cada item, de forma que não haja falta e nem sobra no suprimento das necessidades da produção. Podemos dizer que é um sistema utilizado para se evitar as peças ausentes. A aplicação do MRP, voltada a itens de demanda dependente, consiste em determinar quando e em que quantidade os itens serão necessários a partir do plano de produção da organização.
  • 39. Competência 04 39 4.2 Custos de Estocagem Até aqui, você já aprendeu que os processos relativos à armazenagem precisam de controle, mas que eles também geram custos. Assim como qualquer atividade de uma empresa, existem custos na estocagem, e estes precisam de apuração e controle para que possam ser incorporados aos preços dos produtos /serviços que são entregues aos clientes, mas que não atinjam um nível alto que venham a encarecer estes produtos. Figura 19 - Questões sobre os estoques Fonte: http://www.todaletra.com.br/2012/10/sexta-sem-duvida-sem-sombra-de-duvidas-e-risco-de-morte/ Descrição: a figura mostra um boneco branco que representa um homem, ao lado de um grande sinal de interrogação. O homem está com os braços cruzados e a mão no queixo, numa posição de dúvida, e há um balão saindo de sua cabeça, representando um pensamento com duas perguntas: quanto pedir e quando pedir. Perguntas muito relevantes para manter o nível ideal de estoque. São três os principais custos básicos ligados ao processo de estocagem, classificados em função da natureza das atividades: • Custos de Aquisição (custo de pedir): são os custos gerados no processo de compra do material. Além do valor do material comprado, existem outros custos envolvidos na aquisição do material, por exemplo: pagamento dos salários, eletricidade, telefonia, viagens. São gastos que acontecem independentemente de ser gerado um pedido de material, por isso são considerados como custos fixos de aquisição. Outros custos acontecerão somente quando forem gerados pedidos de material: custos de inspeção e fretes especiais de entrega. Por isso, são considerados custos variáveis do processo de aquisição.
  • 40. Competência 04 40 • Custos de manter estoque: estão ligados a todos os custos necessários para manter uma determinada quantidade de mercadorias por um período, como custos de armazenagem, de seguro, deterioração, entre outros. • Custo Total: multiplicando o custo unitário de pedido, ou seja, o custo de um único pedido, pelo número de pedidos realizados em um período, em geral 1 ano, encontra-se o custo total. Figura 20 -Modelo do tratamento de custos de estocagem Fonte: www.robolog.com.br/armazenagem-e-distribuicao.html Descrição: a figura mostra uma espécie de fluxograma simplificado das etapas de custeio da armazenagem. O primeiro passo é a identificação dos itens de custo; em seguida, há uma seta que conecta ao próximo passo, que é calcular os itens de custo. Todos os passos são conectados por setas. O terceiro passo é agrupar itens de custos relativos a cada função ou atividade. O último passo é alocar os custos a cada produto ou cliente. No entanto, para entender um pouco mais o que compõe os custos, podemos detalhar os três tipos em alguns outros custos, conforme a seguir: • Custos de Manutenção ou de Armazenamento: São os custos relativos ao processo de guarda do material e começam a ser apurados assim que os materiais são recebidos no depósito. Também estão incluídos o investimento no estoque, obtido através da avaliação do mesmo. Estes custos ainda incluirão os investimentos em maquinário especializado, pessoal, aquisição e implantação de softwares para registro de movimentações, seguros para os riscos com o material (obsolescência, danos, furtos e deterioração), o próprio metro quadrado do armazém, além dos investimentos em infraestrutura de armazenagem.
  • 41. Competência 04 41 • Custos de Falta: São os custos decorrentes da escassez do material. Valores que surgem em função de um pedido não atendido, atrasos na produção por falta de matéria- prima, abalos à imagem da organização no mercado. Incluirão levantamentos específicos de setores da produção para a sua apuração, dificultando a determinação do valor exato. São ligados à possibilidade de escassez do material, sendo em função de trabalharmos para que essa escassez não aconteça; de difícil apuração, pois inclui informações a respeito do levantamento de valores de pedidos não aceitos, encomendas não enviadas, mão-de-obra parada, reprogramação de máquinas da linha de produção, lucros não realizados. Outro fator que dificulta a determinação do custo de falta é a questão do prejuízo à imagem da organização no mercado que, apesar de ter consequências de curto e médio prazo, também possui consequências de longo prazo, tornando a apuração demorada. Em geral, a consequência imediata da escassez acaba no registro das compras emergenciais que a organização faz para suprir e dar continuidade ao processo principal. Tais compras, em geral, acabam trazendo prejuízos por ocorrerem em época de dificuldades, além de serem realizadas com condições desfavoráveis de preço. Ponto de Pedido (PP) ou Reposição (PR) ou Encomenda (PE) Por fim, discutiremos o conceito de ponto de reposição. Quando é que você sabe que deve comprar mais ovos para preparar os sanduíches da sua lanchonete, por exemplo? Para isto, utilizamos a seguinte fórmula: PP = Em + (C x Tr) Sendo: PP = Ponto de Pedido Tr = Tempo de reposição C = Consumo Médio Mensal Em = Estoque mínimo ES = Estoque de segurança
  • 42. Competência 04 42 Então, quando é que você sabe que precisará comprar mais ovos, para fazer sanduíches vendidos na lanchonete? Toda vez que você atingir o ponto de pedido é sinal de que precisa realizar esta compra. Para isso, primeiro, você deve identificar a quantidade de sanduíches vendida em determinado período (consumo médio), depois calcular o estoque de reserva de ovos para atender a flutuação da demanda. Por fim, identificar o tempo que você leva para receber os ovos do seu fornecedor. Depois, e só utilizar a fórmula acima: Então, se você precisa de 10 ovos de reserva, e vende 12 sanduíches por dia, e todos eles levam ovos, e o fornecedor demora 2 dias para entregar os pedidos, a fórmula fica assim: PP = 10 + (12x2) PP= 34 ovos. Você precisa ter um estoque mínimo de 34 ovos para atender a seus clientes e estar seguro de um aumento na demanda. Bom, por aqui finalizamos a disciplina Estoques. Espero que você tenha absorvido conhecimentos que transformará em ações práticas em sua vida profissional. Agora, só depende de você!
  • 43. 43 Conclusão Prezado aluno, agora que concluímos nossas quatro competências você aprendeu vários novos conhecimentos sobre como gerenciar os estoques nas organizações. Agora, você sabe que o controle de estoques é tarefa fundamental, pois através dele, além de se controlar os desperdícios e os desvios, diminuem-se os custos. Pois, é necessário possuir insumos e produtos acabados para atender a demanda. No entanto, tais estoques geram custos e não devem ser encontrados em quantidade que onere a empresa. Os conhecimentos adquiridos o ajudarão, a partir de agora, a entender sobre o processo de gerenciamento de estoques, classificar os estoques e aplicar os métodos de avaliação e movimentação destes. Além de saber qual o nível de estoques ideais que sua empresa precisa ter, a fim de mantê-los em quantidade adequada. Por fim, utilizar sistemas de controle e custos para obter sucesso neste gerenciamento. Agora que você terminou mais uma competência, lembre-se que tudo o que aprendeu será muito útil para a sua atuação como técnico (a). Sucesso!
  • 44. 44 Referências BATISTTI, JULIO. FIGURA 13: PLANILHA PEPS. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. ________. FIGURA 14: PLANILHA UEPS. FIGURA 14: PLANILHA UEPS. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. ________. FIGURA 15: PLANILHA CUSTO MÉDIO PONDERADO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. COLUNISTAS. FIGURA 16 EXEMPLO DE RELAÇÃO ENTRE A QUANTIDADE ESTOCADA CONSUMIDA E O TEMPO DE CONSUMO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. CONHECIMENTOS DE ARMAZENAGEM. FIGURA 5: MODELO DE DRIVE THROUGH. DISPONÍVEL EM: HTTP://CONHECIMENTOSDAARMAZENAGEM.BLOGSPOT.COM.BR/P/ ESTRUTURA-PORTA- PALETE.HTML. ACESSO EM ABR 2013. GONÇALVES, PAULO SÉRGIO. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: OBTENDO VANTAGENS COMPETITIVAS / PAULO SÉRGIO GONÇALVES. - RIO DE JANEIRO: ELSEVIER, 2004. 2 REIMPRESSÃO. ________. FIGURA18 : FÓRMULA MODELO LEC. GOOGLE BOOKS. FIGURA 17 MODELO GRÁFICO DENTE DE SERRA. DISPONÍVEL EM: WWW.FACCG.COM.BR/IMG/PROFESSOR/UNE /0000661_AULA_07. 10.14 _SISTEMA%20DE%20REPOSICAO%20DE%20ESTOQUES.PDF. ACESSO EM ABR 2016. HONG YUH CHIG. GESTÃO DE ESTOQUES NA CADEIA DE LOGÍSTICA INTEGRADA - SUPPLY CHAIN. - 3.ED. - 2 REIMPR. - SÃO PAULO: ATLAS, 2007. MANGA SUSHIBAR. FIGURA 7: MODELO DE ESTOQUES DE MATERIAIS SEMIACABADOS. DISPONÍVEL EM: HTTP://MANGASUSHIBAR.COM.BR/CARDAPIO/ACRCIMOS/1829/PAO-DE-FORMA-FATIA. ACESSO EM ABR 2016. MISCELÂNEA CONCURSOS. FIGURA 12: MODELO DE CURVA ABC. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. PORTAL VIDEOAULA. FIGURA 19: PREVISÃO. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR. 2013. PRATIC LINE. FIGURA 6: MODELO DE ARMAZENAMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. ROBOLOG. FIGURA 21: MODELO DO TRATAMENTO DE CUSTOS DE ESTOCAGEM. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013.
  • 45. 45 SOBRE ADMINISTRAÇÃO. FIGURA 11: EXEMPLO DE CURVA ABC. DISPONÍVEL EM: RES://IEFRAME.DLL/ACR_ERROR .HTM#SOBREADMINISTRACAO.COM,HTTP://WWW.SOBREADMINISTRACAO.COM/O-QUE-E-E- COMO-FUNCIONA-A-CURVA-ABC-ANALISE-DE-PARETO-REGRA-80-20/. ACESSO EM ABR 2013. TECHOJE. FIGURA 10: MODELO DE GRÁFICO DENTE DE SERRA PARA ESTOQUE DE SEGURANÇA. DISPONÍVEL EM: WWW.TECHOJE.COM.BR/SITE/TECHOJE/CATEGORIA/IM PRESSAO_ARTIGO/658. ACESSO EM ABR 2013. TECLOG WORDPRESS. FIGURA 9: MODELO DE ESTOQUE DE PRODUTOS ACABADOS. DISPONÍVEL EM: HTTP://TECLOG2.WORDPRESS.COM/CATEGORY/MOV-E-ARMAZ-DE-MATERIAIS/PAGE/2/. ACESSO EM ABR 2013. TODA LETRA. FIGURA 20: QUESTÕES SOBRE OS ESTOQUES. DISPONÍVEL EM: WWW. TODALETRA.COM.BR/2012 /10/SEXTA-SEM-DUVIDA-SEM-SOMBRA-DE-DUVIDAS-E-RISCO-DE- MORTE/. ACESSO EM ABR 2013. VIANA, JOÃO JOSÉ. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM ENFOQUE PRÁTICO. 1 ED. - 11. REIMPR. - SÃO PAULO: ATLAS, 2010. WIKIPEDIA. FIGURA 1: MODELO DE PALETE DE MADEIRA. DISPONÍVEL EM: HTTP://PT.WIKIPEDIA.ORG/WIKI/ PALETE. ACESSO EM ABR 2013. ________. FIGURA 3: MODELO DE EMPILHADEIRA. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. WORDPRESS. FIGURA 2: MODELO DE PALETEIRA. DISPONÍVEL EM: ERRO! A REFERÊNCIA DE HIPERLINK NÃO É VÁLIDA.. ACESSO EM ABR 2013. ________. FIGURA 4: MODELO DE DRIVE IN. DISPONÍVEL EM: HTTP://ADMINLOGISTICA.WORDPRESS.COM/ CONTEUDO/ESTRUTURA-PORTA-PALETES/. ACESSO EM ABR 2013.
  • 46. 46 Minicurrículo do Professor Luciana Bazante Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade de Pernambuco. Experiência na área de Gestão, com ênfase em Gestão da Qualidade e Produtividade, Gestão de Pessoas, Gestão Ambiental, Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos, Gestão de Projetos e Relações Internacionais. Experiência em educação de adultos e treinamentos. Endereço para acessar o CV: http://lattes.cnpq.br/7271290941628448