Revolução Liberal Portuguesa
História
Ano lectivo 2009/10
Patrícia Reis Nº16 8ºA Prof.: Vilma Temoteo
Índice
• Introdução
• Revolução Liberal Portuguesa
▫ As invasões napoleónicas
▫ Consequências das invasões
▫ Outras razões...
Introdução
• O tema deste trabalho é a Revolução Liberal
portuguesa
• Pretendo analisar os factos que levaram ao seu
apare...
Revolução Liberal Portuguesa
• As invasões napoleónicas
• Portugal não aceitou o Bloqueio Continental;
• Napoleão mandou i...
Revolução Liberal Portuguesa
• Outras razões de descontentamento
▫ Em 1808:
 Abertura dos portos do Brasil ao comércio in...
Revolução Liberal Portuguesa
• As Cortes Constituintes
▫ Do Porto, a revolta alastrou a Lisboa, tendo sido formada uma jun...
Revolução Liberal Portuguesa
• Os anseios independentes
▫ Brasil era a mais próspera colónia portuguesa.
▫ Tinha crescido ...
Revolução Liberal Portuguesa
• A declaração de independência
▫ O Brasil não reagiu bem às restrições e começou a falar-se ...
Revolução Liberal Portuguesa
• A guerra civil
▫ Alguns liberais fugiram para Inglaterra, mas a maioria concentrou-se nos
A...
Revolução Liberal Portuguesa
• Principal beneficiária: a burguesia
▫ Passou a poder ascender a altos cargos;
▫ A liberaliz...
Conclusão
• Com este trabalho sobre o liberalismo em
Portugal, aprendi, que o caminho para mudar os
direitos da população ...
Bibliografia/Netgrafia
• Texto:
▫ Diniz, Maria Emília; Tavares, Adérito; Arlindo, M.
Caldeira.História Oito – Parte II. Li...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revolução liberal portuguesa

590 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
590
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revolução liberal portuguesa

  1. 1. Revolução Liberal Portuguesa História Ano lectivo 2009/10 Patrícia Reis Nº16 8ºA Prof.: Vilma Temoteo
  2. 2. Índice • Introdução • Revolução Liberal Portuguesa ▫ As invasões napoleónicas ▫ Consequências das invasões ▫ Outras razões de descontentamento ▫ A revolta de 24 de Agosto ▫ As Cortes Constituintes ▫ A monarquia constitucional ▫ Os anseios independentes ▫ As Cortes constituintes e o Brasil ▫ A declaração de independência ▫ O regresso do absolutismo ▫ A guerra civil ▫ O desmantelamento do Antigo Regime ▫ Principal beneficiária: a burguesia ▫ A instabilidade política • Conclusão • Bibliografia/Netgrafia
  3. 3. Introdução • O tema deste trabalho é a Revolução Liberal portuguesa • Pretendo analisar os factos que levaram ao seu aparecimento, os principais aspectos e como decorreu a restauração do novo regime político.
  4. 4. Revolução Liberal Portuguesa • As invasões napoleónicas • Portugal não aceitou o Bloqueio Continental; • Napoleão mandou invadir Portugal; • Em Novembro de 1807, sob o comando de Junot ocuparam Lisboa; • A familia real decidiu embarcar para o Brasil; • Em 1808 os franceses foram expulsos de Lisboa com ajuda dos ingleses; • Os franceses voltaram a invadir Portugal mas sem sucesso. • Consequências das invasões ▫ Enorme perda de vidas humanas; ▫ Roubos e destruições sem conta; ▫ Agricultura e indústria desorganizadas; ▫ Portugal era governado por ingleses.
  5. 5. Revolução Liberal Portuguesa • Outras razões de descontentamento ▫ Em 1808:  Abertura dos portos do Brasil ao comércio internacional;  Burguesia – principal prejudicada;  No exercito o descontentamento era generalizado. ▫ Em 1817:  Foi descoberta uma conspiração contra os ingleses para implantar o liberalismo chefiada pelo general Gomes Freire de Andrades, não tendo sucesso, muitos dos conpirados foram presos e executados sem piedade • A revolta de 24 de Agosto ▫ Uma associação secreta fundada no Porto em 1818, o Sinédrio, reunia burgueses e militares, onde se destacava o juiz Manuel Fernandes Tomás, organizou uma revolta. ▫ Em 24 de Agosto de 1820, o exército saiu à rua e proclamou a necessidade de uma constituição, tomou conta do poder em todo o Norte de Portugal. ▫ Iniciou-se, assim, a Revolução Liberal Portuguesa, que foi apoiada pela burguesia, muitos nobres e membros do clero.
  6. 6. Revolução Liberal Portuguesa • As Cortes Constituintes ▫ Do Porto, a revolta alastrou a Lisboa, tendo sido formada uma junta provisória para governar o Reino. Em Dezembro, houveram eleições para deputados das Cortes Constituintes, a função principal era a elaboração de uma Constituição. ▫ Primeira Constituição portuguesa foi aprovada em 1822. ▫ Extinguiram a inquisição e muitos direitos feudais que pesavam sobre os camponeses. ▫ Fizeram leis sobre a liberdade de ensino e a liberdade de imprensa. ▫ Tomaram medidas para proteger a agricultura e a indústria. • A monarquia constitucional ▫ O rei D.João regressou do Brasil em Julho 1821 por exigência as Cortes Constituintes e jurou cumprir a Constituição. ▫ Implantou-se a Monarquia Constituicional em Portugal. ▫ A Constituição de 1822 estabelecia a divisão dos poderes, mas dava mais poder legislativo, que ficava a pretencer ás Cortes eleitas por votos da população (excluído analfabetos, mulheres e frades) ▫ O poder excutivo era atribuido ao rei e ao governador. No entanto o rei não podia interferir no funcionamento das Cortes nem dissolvê-las.
  7. 7. Revolução Liberal Portuguesa • Os anseios independentes ▫ Brasil era a mais próspera colónia portuguesa. ▫ Tinha crescido o desejo de autonomia com alguma influência das revoluções americana e francesa. ▫ No séc.XVIII houve vários movimentos pró-independência apesar de não terem tido sucesso. • As Cortes constituintes e o Brasil ▫ Como o rei D.João VI teve de regressar a Portugal, deixou o seu filho D.Pedro no Brasil como regente. ▫ Os Brasileiros acreditaram que com a Revolução Liberal Portuguesa o processo de autonomia se iria reforçar. ▫ As Cortes Constituintes não tiveram o comportamento esperado pelos brasileiros, pois nelas existiam muitos burgueses que tencionavam reconquistar os privilégios perdidos. Por isso as medidas tomadas foram no sentido de diminuir a autonomia do Brasil.
  8. 8. Revolução Liberal Portuguesa • A declaração de independência ▫ O Brasil não reagiu bem às restrições e começou a falar-se da independência em relação a Portugal. ▫ Tiveram influência os movimentos autonomistas das colónias espanholas. ▫ Quando o Principe recebeu ordens para regressar a Portugal, este desobedeceu por vontade da população brasileira e declarou a independência do Brasil. ▫ D. Pedro foi aclamado imperador e foi eleita uma Assembleia Constituinte para elaborar a Constituição brasileira. • O regresso do absolutismo ▫ Depois da perda dos seus privilégios o clero e a nobreza, começaram a conspirar contra o regime liberal. Houveram várias tentativas de restaurar o absolutismo. ▫ Em 1826 morre D. João, D.Pedro era o herdeiro legitimo,mas abdicou em favor de sua filha D.Maria da Glória que ficou prometida em casamanto ao tio D.Miguel. ▫ Ao mesmo tempo, D.Pedro deu a Portugal uma Carta Constituicional mais moderada do que a de 1822. Refroçando o poder excutivo e enfraquecendo o poder legislativo. ▫ D.Miguel proclamou-se rei absoluto e iniciou uma violenta preseguição aos partidários do liberalismo.
  9. 9. Revolução Liberal Portuguesa • A guerra civil ▫ Alguns liberais fugiram para Inglaterra, mas a maioria concentrou-se nos Açores e organizou a luta dos liberais contra o regime de D.Miguel. ▫ Após 1831, a resistência foi chefiada por D.Pedro que abdicou da coroa do Brasil. ▫ Em 1832 á frente de um pequeno exército conseguiu conquistar o Porto. Apartir daí a guerra civil estendeu-se a todo o País. E em 1833 reconquistaram Lisboa onde D.Pedro instalou o seu governo. ▫ Em 1834 D.Miguel aceitou assinar a paz, na aldeia de Évora-Monte. Onde se comprometia ,entre outras, a abandonar para sempre Portugal. ▫ O liberalismo saiu vitorioso. Mas a guerra civil enfraqueceu ainda mais Portugal. • O desmantelamento do Antigo Regime ▫ Com o novo regime liberal foram abolidos muitos dos antigos privilégios. Mouzinho da Silveira, ministro de D.Pedro IV, extinguiu a maior parte dos morgadios, aboliu a dizima e dos direiros dos senhores, protegeu o pequeno comércio e a pequena indústria e proibiu alguns monopólios. ▫ O poder do clero também foi diminuido, dissolveram-se as ordens religiosas masculinas, sendo confiscadas pelo Estado todos os seus bens.
  10. 10. Revolução Liberal Portuguesa • Principal beneficiária: a burguesia ▫ Passou a poder ascender a altos cargos; ▫ A liberalização da economia facilitou o comércio; ▫ Nacionalização dos bens das ordens religiosas; ▫ Adquiriu propriedades a baixos preços, formando uma elite de grandes proprietários – os barões do liberalismo. • A instabilidade política ▫ O regime liberal teve problemas políticos e a oposição dos defensores do absolutismo. Além disso surgiram divisões e lutas entre os liberalistas, tornando difícil o reinado de D.Maria II. ▫ Dentro do movimento liberal havia duas correntes políticas: os cartistas, a favor da carta constituicional de 1826 (que estava em vigor); e os vintistas, a favor da Contituição de 1822. ▫ Formando assim um clima de instabilidade política
  11. 11. Conclusão • Com este trabalho sobre o liberalismo em Portugal, aprendi, que o caminho para mudar os direitos da população portuguesa foi bastante dificil. • Foram necessárias várias lutas para diminuir o poder absoluto do rei.
  12. 12. Bibliografia/Netgrafia • Texto: ▫ Diniz, Maria Emília; Tavares, Adérito; Arlindo, M. Caldeira.História Oito – Parte II. Lisboa: Lisboa Editora, 2007. • Imagem: ▫ http://ciberjornal.files.wordpress.com/2009/03/ bandeira-revolucao-liberal-portuguesa.gif

×