Gestão de custos da materia prima e mão de obra direta

1.831 visualizações

Publicada em

O objetivo desse estudo é criar uma ferramenta eficiente para calcular e analisar os custos relacionados às indústrias têxteis. Justifica-se pela grande dificuldade que as indústrias têxteis têm em calcular os custos diretos de seus produtos. Sendo assim, a gestão de custos do material direto e da mão de obra direta é uma ferramenta indispensável, pois uma boa gestão de custos eleva a lucratividade e garante competitividade de mercado. Neste estudo foi possível identificar como alguns problemas relacionados a analise de custos passam despercebidos pela administração e podem gerar prejuízo e diminuir a lucratividade. Para comprovar este fato foi realizada uma pesquisa documental dentro de uma empresa têxtil da cidade de Rio do Sul durante o período de um ano. Dentro deste período foram analisadas 100 (cem) fichas técnicas de diferentes produtos e calculado todos os custos. A partir disso, foi possível identificar vários problemas e principalmente perdas financeiras. Como os custos diretos da indústria têxtil são difíceis de calcular, especialmente da mão de obra, percebeu-se com este estudo a necessidade de implementar uma ferramenta que auxiliasse neste processo, consistindo em um recurso eficiente para analisar os custos têxteis.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.831
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão de custos da materia prima e mão de obra direta

  1. 1. GESTÃO DE CUSTOS DA MATÉRIA PRIMA E MÃO DE OBRA DIRETA Um estudo de caso em empresa têxtil da cidade de Rio do Sul Jaison Bünger Professor – Zuleide Minatti. Faculdade Metropolitana de Rio do Sul - FAMESUL Administração com ênfase em finanças (FIN 81) – Trabalho de Graduação 11/11/2013 RESUMO O objetivo desse estudo é criar uma ferramenta eficiente para calcular e analisar os custos relacionados às indústrias têxteis. Justifica-se pela grande dificuldade que as indústrias têxteis têm em calcular os custos diretos de seus produtos. Sendo assim, a gestão de custos do material direto e da mão de obra direta é uma ferramenta indispensável, pois uma boa gestão de custos eleva a lucratividade e garante competitividade de mercado. Neste estudo foi possível identificar como alguns problemas relacionados a analise de custos passam despercebidos pela administração e podem gerar prejuízo e diminuir a lucratividade. Para comprovar este fato foi realizada uma pesquisa documental dentro de uma empresa têxtil da cidade de Rio do Sul durante o período de um ano. Dentro deste período foram analisadas 100 (cem) fichas técnicas de diferentes produtos e calculado todos os custos. A partir disso, foi possível identificar vários problemas e principalmente perdas financeiras. Como os custos diretos da indústria têxtil são difíceis de calcular, especialmente da mão de obra, percebeu-se com este estudo a necessidade de implementar uma ferramenta que auxiliasse neste processo, consistindo em um recurso eficiente para analisar os custos têxteis. Palavras-chave: Ferramenta. Gestão. Estratégia. 1 INTRODUÇÃO Para aumentar a competitividade da indústria têxtil ela precisa realizar os cálculos corretos dos custos. Essa análise de custos é uma forma de gerenciamento de material direto e mão de obra direta, além dos custos indiretos e gastos. Este estudo busca encontrar uma ferramenta eficiente para calcular os custos têxteis. Com a análise de custos a empresa terá mais informações para a tomada de decisões referente a preços e buscará caminhos para reduzir custos. Ao implantar um
  2. 2. 2 sistema de gestão de custos a empresa verá onde está errando e encontrará seu ponto de equilíbrio. É com pequenos detalhes que se faz o preço final de um produto, são esses detalhes que podem colocar uma empresa no prejuízo, ou elevar sua lucratividade. A implantação de um sistema de custos traz a empresa para um patamar moderno, sendo comparada a empresas maiores. As estratégias precisam ser bem elaboradas porque é com ela que a empresa vai encontrar um novo rumo para eliminar qualquer erro encontrado. 2 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Com a globalização a necessidade de viabilizar os custos de uma forma mais eficiente fez com que as empresas investissem no gerenciamento de custos de uma forma mais sistemática. Encontrar uma forma para a empresa se tornar líder em análise e cálculos de custos é muito difícil, devido à grande dificuldade de conseguir reduzir ao máximo cada item que compõem o custo. Para Bruni e Fama (2012, p. 01) “custos podem ser definido como medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que arcar a fim de atingir seus objetivos”. Uma boa gestão de custos pode transformar uma empresa em líder de vendas por seus custos bem calculados, pois sob a óptica da boa gestão, quanto maior a redução dos custos melhor fica a margem de lucros e melhor fica o preço. Para Robbins (2000, p. 123), “a disposição de uma empresa em ser líder em custos no mercado onde atua é o indicativo de que esta opta em adotar uma estratégia de liderança em custos, ou seja, a empresa não deve ser mais uma a disputar posição de mercado no que se refere a este fator, mas aquela que será a líder”. Desta forma uma abordagem diferenciada da gestão dos custos pode afetar o processo decisório da gestão estratégia. Gerenciar custos não é apenas nos controles básicos da empresa, mas, uma abordagem geral de todo processo de planejamento da empresa.
  3. 3. 3 Segundo Porter (1990, p. 57), “A vantagem de custo é um dos dois tipos de vantagem competitiva que a empresa pode possuir.” Ainda segundo ele, “os administradores reconhecem a importância do custo, e muitos planos estratégicos estabelecem a “liderança de custos” ou a “redução de custo” como meta”. Desta forma podemos afirmar que a importância do custo nas empresas de uma forma mais estratégica transforma-se em um instrumento de controle, onde a gestão da mudança para atuar com mais força no mercado cada vez mais competitivo. A gestão de custos de forma estratégica coloca a empresa num novo patamar, liderar os custos empresariais é ter preços mais competitivos e assim, ser ponto de referência entre seus concorrentes. 2.1 CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS A forma para calcular os custos, seja contábil ou financeira, é aplicada em todos os negócios. Seja para planejar, administrar e controlar as atividades da empresa em qualquer ramo que ela atue. Segundo Bruni e Fama (2012, p. 11) “a depender do interesse e da metodologia empregada, diferentes são as classificações empregadas na contabilidade de custos”. A classificação dos custos pode variar de empresa para empresa, tudo depende do método utilizado pelo gestor de custos e a forma que for avaliado cada um dos custos. Bruni e Fama (2012, p. 12) diz: É importante destacar que algumas classificações de custos podem variar de empresa para empresa. Por exemplo, gastos com energia são quase sempre classificados como variáveis – aumento dos volumes de produção está associado a aumento nos níveis consumidos de energia elétrica. Os custos com energia, porém, podem ser classificados como custos diretos de produção de produtos intensivos em energia, como lâminas de alumínio, produtos metálicos em geral e vidros, como custos indiretos nos demais produtos – que geralmente consideram como custos diretos apenas os gastos com matéria-prima, embalagens e material direto.
  4. 4. 4 Apesar de cada empresa ter sua maneira de classificar os custos, o princípio básico está classificado em custos diretos, indiretos e despesas, e são calculados de forma diferenciada. Custos diretos são todos os custos usados diretamente na produção do produto, como mão de obra e material direto. Para Bruni e Fama (2012, p. 11) custos diretos “são aqueles diretamente incluídos no cálculo dos produtos. Consiste nos materiais diretos usados na fabricação dos produtos e mão de obra direta. Apresentam a propriedade de serem perfeitamente mensuráveis de maneira objetiva”. A apresentação dos custos diretos está claro dentro do produto final, é este custo que transforma o material em produto acabado. Os custos indiretos são os custos dificilmente identificados. Apresentados por Crepaldi (2010, p. 92) como “os custos que não podemos identificar diretamente com os produtos e necessitamos de rateios para fazer a apropriação”. Mão de obra indireta, materiais indiretos e outros custos indiretos são alguns exemplos deste custo. A necessidade de um rateio faz com que para encontrar o cálculo deste custo seja através de uma pesquisa bem organizada dentro de cada item dos custos indiretos. As despesas são gastos que as empresas precisam para obter receita, ou seja, é o esforço que a empresa faz para conseguir manter-se. Nas palavras de Bruni (2010, p. 26): Despesas correspondem aos bens ou serviços consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receita. São consumos temporais e não estão associados à produção de um produto ou serviço. Como exemplos de despesas podem ser citados gastos com salários de vendedores, funcionários administrativos, entre outros. Estes custos ainda são subdivididos em fixos e variáveis, dependendo da utilização do custo ao produto. Entre este item há ainda os gastos e investimentos que de certa forma precisam sem empregados ao custo da empresa. Segundo Bruni (2010, p. 25): Os gastos consistem no sacrifício financeiro como qual a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer. Segundo a contabilidade, serão em última instância classificados como custos ou
  5. 5. 5 despesas, a depender de sua participação na elaboração do produto ou serviço. Alguns gastos podem ser temporariamente classificados como investimentos e, à medida que forem consumidos, receberão a classificação de custos ou despesas. Os investimentos são tudo que é necessário para desenvolver as atividades, são gastos que a empresa faz para a aquisição de máquinas e equipamentos. Bruni (2010, p. 25) acrescenta que “investimentos representam gastos ativos em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuros períodos, ficam temporariamente “congelados” no ativo da entidade e, posteriormente e de forma gradual, são “descongelados” e incorporados aos custos e despesas”. Classificar estes custos para serem alocados corretamente dentro do produto faz com que o gestor de custos procure uma abordagem mais detalhista e busque controlar cada um deles para que desenvolva a melhor estratégica. Um bom método de custeio se baseia na melhor prática de gestão de custos, onde todos os processos estão inteiramente ligados, formando uma cadeia positiva de produção, transporte, armazenagem e estocagem, fazendo com que a mercadoria chegue ao consumidor final com as especificações impostas por eles. Bruni e Fama (2004, p. 24 apud TURMENA, 2010) destacam que a contabilidade de custos pode ser definida como o processo ordenado de usar o principio da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negocio. Dessa forma, com informações coletadas das operações de vendas, a administração pode empregar os dados contábeis e financeiros para estabelecer os custos de produção e distribuição, unitários ou totais para um ou para todos os produtos fabricados ou serviços prestados, além dos custos das outras diversas funções do negocio, objetivando alcançar uma operação racional, eficiente e lucrativa. A maioria dos sistemas de custos “tradicionais” que possuem com base de alocações os volumes de produção, não apropria adequadamente os custos indiretos de fabricação aos produtos. Para obter uma receita positiva, é preciso que a empresa tenha uma análise de custos dentro da produção. Não somente os custos tradicionais, mais também os cálculos dentro de cada setor da produção. Megliorine (2001, p. 01) destaca que,
  6. 6. 6 os custos devem refletir a empresa. São reflexos, comportamentos, estruturas e modos de operar. Quando mais estruturada for a empresa, melhor serão os resultados encontrados. Quanto menos informações estiverem disponíveis, ou se as qualidades dessas informações não forem das melhores, os resultados encontrados por certo serão deficientes. As informações são muito importantes para calcular os custos, elas precisam chegar com qualidade para o gestor, desta forma as analises se tornam mais fácil, agora se a empresa utiliza uma contabilidade terceirizada para calcular seus custos, pode acontecer à falta de comunicação, muitas informações podem se perder no caminho. Já Turnela (2007), afirma que: na maioria das empresas é comum que a contabilidade seja efetuada por empresas especializadas em tais serviços. Normalmente as informações geradas por estes escritórios contábeis limitam-se a relatórios padronizados que não consideram as necessidades de informações características do empreendimento. Poucas empresas possuem sistemas de custos estruturados, e os preços de seus produtos são estabelecidos tomando como base o preço praticado pelos concorrentes ou pelo feeling do empreendedor, não existindo a preocupação em apurar os custos e despesas adequadamente, sejam eles departamentais ou de seus produtos. O uso das empresas contábil terceirizada afeta qualquer análise de custos numa empresa, pois, a necessidade desses cálculos serem feitos de forma analítica, e cuidadosamente estudada, tento o profissional a necessidade de um amplo número de informações importantes para calcular cada processo de fabricação. 2.2 Gestão de custeio direto Uma boa gestão de custo faz com que as empresas possam minimizar seus gastos, só assim poderão ver onde precisa ser alterado para mudar a forma de produzir, ou então saber se seu produto está dando lucro ou não, a formação dos custos diretos são representados pelos materiais diretos e pela mão de obra direta. Para Crepaldi (2010, p. 39) custos diretos são custos que podemos apropriar diretamente aos produtos, e variam com a quantidade produzida. Exemplo: Material Direto (MD) e Mão de obra Direta (MOD). Sem ele o produto não existiria. Sua apropriação pode ser direta, bastando que exista uma medida de consumo, como kg, horas máquinas, horas trabalhadas e outros.
  7. 7. 7 Não existe dificuldade para a alocação dos custos diretos, que de forma fácil necessita de apenas uma boa planilha, com cálculos fáceis e praticando uma boa gestão, a classificação do material é simples, já para a mão de obra necessita de uma planilha mais elaborada com alguns rateios. Por outro lado, Oliveira e Perez (2009, p. 70) classificam custos diretos como “os custos que podem ser quantificados e identificados aos produtos ou serviços e valorizados com relativa facilidade. Dessa forma, não necessitam de critérios de rateios para serem alocados aos produtos fabricados ou serviços prestados, já que são facilmente identificados. Os custos diretos, na grande maioria das indústrias, compõem- se de materiais e mão de obra”. Não existe produto sem os custos diretos, é com ele que será empregado cada item do processo de produção, os custos diretos nada mais são que a matéria prima e a mão de obra direta, estão relacionados diretamente ao produto, o rateio é simples e prático. O material direto de produção é o custo mais fácil de encontrar, pois precisa apenas de uma planilha bem elaborada e que esteja correta. Segundo Crepaldi (2010, p. 39) “material direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne integrante dele. Exemplo: matéria-prima, material secundário, embalagem”. O uso do material direto está ligado diretamente ao produto, é usado para seu desenvolvimento. Bruni (2010, p. 109) destaca com mais detalhes “O material direto, ou, simplesmente, MD, é formado pelas matérias primas, embalagens, componentes adquiridos prontos e outros matérias utilizados no processo de fabricação, que podem ser associados diretamente aos produtos”. Uma das dificuldades de se calcular o material direto está em encontrar a quantidade certa alocada na planilha, este cálculo muitas vezes é feito como base nas decisões informadas pelo fornecedor. Os custos de produção, ou mão de obra direta representam um dos vários sistemas contábeis, sendo muito importante para as empresas, pois é um dos custos mais elevados da produção. Como destaca Bruni (2010, p. 140) “A mão de obra direta ou,
  8. 8. 8 simplesmente, MOD consiste no segundo grande componente de custos contábeis. Corresponde ao esforço das equipes relacionadas à produção dos bens comercializados ou dos serviços prestados”. Oliveira e Perez Jr. (2009, p.71) complementam afirmando que a “mão de obra direta é o trabalho aplicado diretamente na confecção do produto, de suas partes ou seus componentes, ou na prestação de serviços”. Este cálculo se da a partir do salário devido aos colaboradores que trabalham diretamente ao produto, e identificado a unidade que está sendo produzida. Por ser fácil de encontrar os custos diretos muitas vezes passam despercebidos, mas, a necessidade de uma análise periódica do produto trás a tona uma série de fatores que podem levar uma grande empresa a falência. Na indústria têxtil, assim como em várias outras indústrias, podem acontecer variações de consumos de certos produtos, e este erro pode ser grave e o gestor de custos precisa estar atento a isto agindo rapidamente para identificar o problema e encontrar a solução mais apropriada. 3 ESTUDO DE CASO EMPRESA TEXTIL A intervenção empresarial foi aplicada em uma empresa do ramo têxtil, na cidade de Rio do Sul. A empresa escolhida teve sua fundação no ano de 1994, conta com aproximadamente 75 colaboradores. Desenvolveu-se muito com o passar dos anos tornando-se uma das empresas referência no ramo em que atua. No entanto, diagnosticamos como ponto fraco da mesma, a necessidade de desenvolver uma nova técnica para o controle de custos. Foi feito uma auditoria em todos os custos da empresa e foram encontrados nos custos diretos falhas de cálculos, e muitos custos que não são calculados corretamente. Os custos diretos são os mais fáceis de calcular, mas como o setor de desenvolvimento cuida desta área, estão sendo feitos sem nenhum critério de avaliação. Uma das maiores dificuldades do setor de desenvolvimento está no preenchimento correto das fichas técnicas pela falta de tempo e falta de conhecimento necessário em custos, o que acaba acarretando em muitos erros.
  9. 9. 9 A produção mensal da empresa é de 40 mil peças. Dessas, são quatro tipos de produtos: calças masculinas, calças femininas, camisetas masculinas e blusinhas femininas. Diante dessa diversidade qualquer erro pode levar ao prejuízo, sendo que alguns desses erros passam despercebidos pelo setor financeiro da empresa. O levantamento dos custos se deu em 100 fichas técnicas, e a auditoria foi minuciosa em cada uma delas, anotando um a um todos os erros encontrados. O quadro abaixo mostra em percentual cada um destes erros, o setor financeiro não conseguia encontrá-los, por não ter uma pessoa com conhecimento em custos, mas alertou a diretoria da empresa que as fichas técnicas tinham problemas, tanto que o salário dos funcionários da produção estava sendo lançados nas despesas administrativas, apenas para não gerar mais prejuízo. QUADRO 1: ERROS ERRO % CONSUMO TECIDO 85 FALTA DOS CUSTOS DA MÃO DE OBRA 67 FALTA DE AVIAMENTOS 23 PREÇO DA FACÇÃO 20 AVIAMENTOS DUPLICADOS 18 PREÇO DA LAVAÇÃO 17 AVIAMENTOS ERRADOS 15 SERVIÇOS DUPLICADOS 14 Um tipo de levantamento deste é importante para que possam ser ajustados todos os problemas, precisa ser feito com tempo e dedicação, avaliando cada uma das fichas identificando cada erro e anotando para que possamos ter o resultado esperado. Abaixo temos o quadro da curva ABC de uma ficha técnica, onde o consumo de tecido está ocupando 56,41% do custo da peça. O uso da curva ABC juntamente com o gráfico, é importante para ajudar a identificar o peso de cada um dos itens da ficha técnica, e ajudaram a encontrar os erros acima. Para melhor eficiência da curva ABC dos custos diretos é importante lançar nela os custos de material direto e mão de obra direta, só assim poderá ter certeza de quanto cada item pesa no valor final do produto e assim identificar onde precisa trabalhar para reduzir os custos.
  10. 10. 10 QUADRO 2: CURVA ABC CUSTOS DIRETOS CURVA ABC - CALÇA MASCULINA CALÇA MASCULINA JEANS PERCENTUAL CURVA Nº DESCRIÇÃO QTDE CUSTO CUSTO TL % % AC ABC 1 TEC. 100% ALG 1,31 R$ 14,50 R$ 19,00 56,41% 56,41% A 2 FACÇÃO - 4,80 1 R$ 4,80 R$ 4,80 14,25% 70,66% B 3 LAVAÇÃO - 3,00 1 R$ 3,00 R$ 3,00 8,91% 79,57% B 4 4M - ETIQ. MASC. 1 R$ 1,20 R$ 1,20 3,56% 83,13% B 5 FIDJI - 100% POLIESTER 0,27 R$ 4,00 R$ 1,08 3,21% 86,34% C 6 10RB206 REBITE ZAMAC 4 R$ 0,17 R$ 0,68 2,02% 88,36% C 7 COLOC. DE BOLSO 1 R$ 0,60 R$ 0,60 1,78% 90,14% C 8 23BTSB885 ZM-LT ZZOET 1 R$ 0,50 R$ 0,50 1,48% 91,63% C 9 PREP E COL. DE PRES 1 R$ 0,50 R$ 0,50 1,48% 93,11% C 10 ZIPER MET. MEDIO FIXO 1 R$ 0,48 R$ 0,48 1,43% 94,54% C 11 INSUMOS DIVERSOS 1 R$ 0,32 R$ 0,32 0,95% 95,49% C 12 ETIQ COS INT TERM 1 R$ 0,30 R$ 0,30 0,89% 96,38% C 13 LIMPEZA DE PEÇAS 1 R$ 0,30 R$ 0,30 0,89% 97,27% C 14 BORD. ATÉ 1000 PON 1 R$ 0,30 R$ 0,30 0,89% 98,16% C 15 TRAVET AC. DE 3 TR 5 R$ 0,03 R$ 0,15 0,45% 98,60% C 16 ETIQUETA DE COMP. 1 R$ 0,12 R$ 0,12 0,36% 98,96% C 17 BEM. MASC PERS 1 R$ 0,12 R$ 0,12 0,36% 99,32% C 18 CAZE. OLHO 1 CAZE. 1 R$ 0,10 R$ 0,10 0,30% 99,61% C 19 ETIQUETA BAND 1 R$ 0,08 R$ 0,08 0,24% 99,85% C 20 ETIQ. TECIDO BRANCO 1 R$ 0,05 R$ 0,05 0,15% 100,00% C TOTAL R$ 33,68 100,00% QUADRO 3: GRÁFICO CURVA ABC CUSTOS DIRETOS Com a ajuda da curva ABC foi identificado que em 17% das peças estavam dando prejuízo, e em 6% delas apenas estavam se pagando, sem dar lucro. Em uma das
  11. 11. 11 fichas os erros eram tantos que precisavam de outras três referenciam diferentes para poder pagar o prejuízo que ela estava gerando. Só de tecido, além de estar lançado um tecido de valor menor, e largura diferente, o consumo estava muito abaixo, o prejuízo gerado por cada peça era de R$ 17,00, e como foram vendidas 350 peças num único mês o valor negativo ficou em R$ 5.950,00. Outra dificuldade grande da empresa está em conseguir calcular o custo da mão de obra, apenas um setor tem os custos calculados corretamente, e mesmo assim sofre alterações constantes. Setores como o corte, acabamento e embalagem não têm os custos calculados, e o setor de limpeza está com os cálculos errados. No setor de limpeza paga-se R$ 0,30 por peça, para limpar e embalar, indiferente da dificuldade da limpeza, e com este valor, um único colaborador precisaria limpar 5.000 peças para pagar seu salário, “isto sem contar o salário dos colaboradores da embalagem”, e necessitaria de oito colaboradores para dar conta da produção, já uma peça dessas se fosse para limpar por terceiros pagaria R$ 0,30 apenas para limpar. Como vimos à falta de um item ou um lançamento errado pode afetar no custo da peça, trazer prejuízo para a empresa e influenciar o valor final do produto. Toda empresa busca pelo lucro máximo com o mínimo de custos, encontrar este ponte de equilíbrio é importante para qualquer empresa e no ramo têxtil que é um dos mais difíceis de calcular os custos com uma vastidão de empresas concorrentes, encontrar este ponto é um grande diferencial. 4 MATERIAL E MÉTODOS A pesquisa realizada caracteriza-se como descritiva. Segundo Marconi e Lakatos (2010, p. 170) consiste em “investigação de pesquisa empíricas cuja principal finalidade é o delineamento ou análise das características de fato ou fenômeno, a avaliação de programas ou o isolamento de variáveis principais ou chaves.” Para o levantamento dos dados foi necessário recorrer a documentos da empresa, desta forma essa pesquisa também pode ser caracteriza como documental. Marconi e Lakatos (2010, p. 157) lembram que “a característica da pesquisa documentas é que a fonte de coleta de dados está restritos a documentos, escritos ou não, constituindo o que
  12. 12. 12 se denomina de fontes primárias. Estas podem ser feitas no momento em que o fato ou fenômeno ocorre, ou depois”. Essa coleta e analise aconteceu dentro do período de setembro de dois mil e doze a setembro de dois mil e treze. Foram auditadas 100 fichas técnicas de produtos com maior venda, o critério para a escolha das fichas foi encontrar produtos que ficassem dentro do valor da tabela abaixo. QUADRO 4: TABELA DE ESCOLHA DAS PEÇAS PEÇAS VALOR MINIMO VALOR MAXIMO CALÇA MASCULINA R$ 30,40 R$ 34,90 CALÇA FEMININA R$ 25,90 R$ 29,90 CAMISETA MASCULINA R$ 9,90 R$ 15,90 BLUSINHA FEMININA R$ 16,90 R$ 20,90 Este critério foi adotado para que facilitasse o encontro das fichas, apesar de terem peças com custos mais altos e mais baixos na produção, precisava ter um critério para que todas as peças tivessem certa igualdade. A técnica impressa para analise foi a curva ABC que facilitou muito o trabalho por apresentar em percentual o peso de cada produto dentro do custo, e com ela podemos também encontrar os erros e marcar na planilha. Além disso, a para fundamentar este estudo foram utilizados vários autores sendo Carlos Leal Bruni um dos que mais se destacam. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Facilmente se encontra os custos do material direto, o problema são eles estarem corretos na planilha, e para resolver isto todas as peças cortadas passam novamente pelo setor de custos onde são recalculados em cima do corte feito, a vantagem em analisar novamente o corte é poder alterar um erro de lançamento do consumo do tecido antes mesmo de ir para a venda, e assim poder ser alterado.
  13. 13. 13 Outro ponto para revisar a planilha de custos é a alteração de aviamentos na peça com o intuito de facilitar a produção ou então de reduzir valores, esta técnica não se adota muito, pois as planilhas saem sempre corretas para a produção. Com o uso da revisão das planilhas os erros nos custos reduziram-se a zero, tudo graças a ter uma pessoa responsável em fazer este procedimento, com isso também acabaram os lançamentos errados. Resolvido o problema dos materiais diretos e planilhas erradas vamos para a mais difícil das partes, encontrar uma forma para cada setor se pagar, para isto foi feito um cálculo dos custos da mão de obra por setor. A dificuldade de encontrar estes cálculos acontece porque nem sempre as peças passam por todos os setores da produção, e também não tem o mesmo grau de dificuldades. QUADRO 5: MÉDIA DE CUSTOS POR SETOR SETOR R$ SETOR PEÇAS CUSTO P/ SETOR CORTE R$ 11.400,00 40000 R$ 0,29 ACABAMENTO R$ 9.000,00 33000 R$ 0,27 EMBALAGEM R$ 9.000,00 40000 R$ 0,23 TRAVETTI/CAZEADO R$ 11.000,00 25000 R$ 0,44 LIMPEZA R$ 5.200,00 40000 R$ 0,13 O quadro acima é uma media de quanto deveria ser calculado por setor, a partir dessa média foi criado um quadro de valores reais por serviços. QUADRO 6: CUSTO POR MÃO DE OBRA TRAVETTI CASEADO Descrição R$ CASEADO RETO R$ 0,05 CASEADO OLHO UM CASEADO. R$ 0,10 CASEADO OLHO ACIMA DE DOIS CASEADOS R$ 0,08 CASEADO PT UM CASEADO R$ 0,12 CASEADO PT ACIMA DE DOIS CASEADOS R$ 0,10 TRAVETTI ATE 3 TRAVETTIS R$ 0,04 TRAVETTI ACIMA DE 4 TRAVETTI. R$ 0,03 TRAVETTI PT R$ 0,05 PREPARAÇÃO E COLOCAÇÃO DE PRESILHAS NA MÁQUINA R$ 0,50 PREPARAÇÃO E COLOCAÇÃO DE PRESILHAS PT NA MÁQUINA R$ 0,60
  14. 14. 14 COLOCAÇÃO DE BOLSO NA MÁQUINA R$ 0,60 COLOCAÇÃO DE BOLSO PT NA MÁQUINA R$ 0,70 COLOCAÇÃO DE BOLSO C/ PREPARAÇÃO R$ 0,70 O quadro mostra o valor a ser cobrado no setor de Travetti e Caseado, foi o primeiro setor a ser usada esta forma de cálculo e funcionou muito bem, tanto que o setor consegue se pagar, e dar lucro. QUADRO 7: CUSTO POR MÃO DE OBRA ACABAMENTO SERVIÇO VALOR BOTÃO PRESSÃO ATÉ 3 R$ 0,05 BOTÃO PRESSÃO ACIMA DE 3 BT R$ 0,03 BOTÃO DE CALHA R$ 0,03 BOTÃO CAZEADO ATÉ 2 R$ 0,05 BOTÃO CAZEADO ACIMA DE 2 R$ 0,03 REBITE MATRIZ ATÉ 3 R$ 0,05 REBITE MATRIZ ACIMA DE 4 R$ 0,03 REBITE MATRIZ ACOMA DE 10 R$ 0,01 PLAQUINHA R$ 0,10 REBITE CALHA ATÉ 5 R$ 0,03 REBITE CALHA ACIMA DE 5 R$ 0,01 STRASS R$ 0,10 ETIQUETA COS EXTERNA R$ 0,05 ETIQUETA TERMOCOLANTE R$ 0,10 LIMPEZA/EMBALAGEM R$ 0,36 LIMPEZA/EMBALAGEM R$ 0,36 LIMPEZA/EMBALAGEM R$ 0,40 LIMPEZA/EMBALAGEM R$ 0,40 FIVELA R$ 0,15 COLOCAR CORDÃO R$ 0,10 No quadro acima podemos visualizar os valores a ser cobrados por operação, lembrando que precisamos manter o valor mínimo por setor, exemplo o acabamento, não deve ser menor que R$ 0,27. Após dividir os valores e criado uma tabela de preço por operação conseguimos assim ter o valor real da mão de obra por setor. Com esses valores conseguimos encontrar o ponto de equilíbrio, dos custos por setor, e assim conseguimos fazer os setores se pagarem.
  15. 15. 15 O corte é mais simples de calcular, pois se a peça precisar ser infestada uma única vez custara R$0,29, e se a peça tiver mais de um infesto custará mais R$0,29, pois indiferente de quantas vezes precisa ser feito a dificuldade será sempre a mesma, e assim cobrado duas vezes. A nova curva ABC, conforme quadro abaixo, mostra mais itens e um valor mais alto nos custos comparada com o quadro 2 (dois), mais o resultado final se tornou compensador, o valor do produto pronto baixou, compensando este aumento nos custos, isto aconteceu porque os setores estão com valores corretos, e cada setor se paga sozinho, dando lucro. QUADRO 8: CURVA ABC CURVA ABC - CALÇA MASCULINA 1003438 - CALÇA MASCULINA JEANS PERCENTUAL CURVA Nº DESCRIÇÃO QTDE CUSTO CUSTO TL % % AC ABC 1 TEC. 100% ALG 1,31 R$ 14,50 R$ 19,00 55,18% 55,18% A 2 FACÇÃO - 4,80 1 R$ 4,80 R$ 4,80 13,94% 69,12% B 3 LAVAÇÃO - 3,00 1 R$ 3,00 R$ 3,00 8,71% 77,84% B 4 4M - ETIQ. MASC. 1 R$ 1,20 R$ 1,20 3,49% 81,32% B 5 FIDJI - 100% POLIESTER 0,27 R$ 4,00 R$ 1,08 3,14% 84,46% C 6 10RB206 REBITE ZAMAC 4 R$ 0,17 R$ 0,68 1,98% 86,43% C 7 COLOC. DE BOLSO 1 R$ 0,60 R$ 0,60 1,74% 88,18% C 8 23BTSB885 ZM-LT ZZOET 1 R$ 0,50 R$ 0,50 1,45% 89,63% C 9 PREP E COL. DE PRES 1 R$ 0,50 R$ 0,50 1,45% 91,08% C 10 ZIPER MET. MEDIO FIXO 1 R$ 0,48 R$ 0,48 1,39% 92,48% C 11 ACABAMENTO 1 R$ 0,40 R$ 0,40 1,16% 93,64% C 12 LIMPEZA/ EMBALAGEM 1 R$ 0,36 R$ 0,36 1,05% 94,68% C 13 INSUMOS DIVERSOS 1 R$ 0,32 R$ 0,32 0,93% 95,61% C 14 ETIQ COS INT TERM 1 R$ 0,30 R$ 0,30 0,87% 96,49% C 15 BORD. ATÉ 1000 PON 1 R$ 0,30 R$ 0,30 0,87% 97,36% C 16 CORTE 1 R$ 0,29 R$ 0,29 0,84% 98,20% C 17 TRAVET AC. DE 3 TR 5 R$ 0,03 R$ 0,15 0,44% 98,63% C 18 ETIQUETA DE COMP. 1 R$ 0,12 R$ 0,12 0,35% 98,98% C 19 BEM. MASC PERS 1 R$ 0,12 R$ 0,12 0,35% 99,33% C 20 CAZE. OLHO 1 CAZE. 1 R$ 0,10 R$ 0,10 0,29% 99,62% C 21 ETIQUETA BAND 1 R$ 0,08 R$ 0,08 0,23% 99,85% C 22 ETIQ. TECIDO BRANCO 1 R$ 0,05 R$ 0,05 0,15% 100,00% C TOTAL R$ 34,43 100,00%
  16. 16. 16 QUADRO 9: CURVA ABC No quadro abaixo podemos observar melhor esta redução no custo final, depois de todos os impostos com margem de lucro e despesas calculados temos uma redução de R$ 0,54 por peça produzida, valor este muito bom, observando que foram produzidas 600 peças desta calça o valor total o valor acumulado da redução dos custos ficou em R$ 324,00. QUADRO 10: COMPARAÇÃO DE PREÇOS R$ ANTERIOR R$ NOVO CALÇA MASCULINA R$ 53,21 R$ 52,67 Outro problema junto com a dificuldade de calcular os custos e a falta de comunicação, e para isso foi montado um fluxograma. O fluxograma tem como objetivo obrigar os setores a se conversar e passar as informações para quem precisa saber, um dos problemas estava entre o desenvolvimento e o das compras que só sabia qual material precisava ser comprado quando este chegava no CD (centro de distribuição), e ficava muito tarde para comprar, o que resultava em peças semi-prontas paradas na produção por falta desses materiais. Além de ajudar na conversa entre os setores, vai ajudar também para calcular os custos e desenvolver produtos de qualidade.
  17. 17. 17 QUADRO 11: FLUXOGRAMA. O fluxograma mostra a implantação do novo sistema de ligação entre os setores desenvolver e calcular os custos, o setor de desenvolvimento é responsável apenas em desenvolver as peças, e após isto ela passa pelo setor de compras que identificará os materiais e passar o valor dos aviamentos para o setor de custos, alem de negociar o preço dos serviços terceirizados e aviamentos, no caso de alguma desconformidade, ou dificuldades de encontrar os itens voltam para o desenvolvimento avaliar e substituir, só assim vai para o setor de custos que é responsável em calcular a mão de obra direta e o material direto, então segue para a diretoria que aprovara a peça, no caso de desaprovação ela volta para o setor de custos para fazer os ajustes, só com aprovação da diretoria vai para a produção, após a produção volta para o setor de custos para dar uma última analisada nos custos, e conferir todos os consumos e por fim o comercial que é responsável pela venda. Uma técnica usada pela empresa foi unir o setor de compras e custos, é a mesma pessoa que faz as duas funções, isso tornou o trabalho mais rápido, pois reduz o vai e vem das peças. Na hora de calcular os custos o gestor já sabe quanto vai custar a peça, então fica mais fácil de negociar valores, o gestor também ganhou mais autonomia, pode negociar preços com fornecedores tanto na mão de obra quanto nos materiais, tem liberdade em
  18. 18. 18 caminhar pelos setores, observar o funcionamento de cada setor, isso ajuda também na hora de reduzir um custo, e pode também encontrar estratégias de reduzir custos e desperdícios. 5 CONCLUSÃO A importância da análise de custos para uma empresa precisa ser amplamente estudada, precisa ser feita por pessoas capacitadas, de forma que tudo seja feito o mais completo possível, nada pode passar despercebido, porque nos custos estão à margem de gastos que a empresa terá para produzir um produto. A eficiência nos cálculos de custos coloca a empresa num patamar diferente, podendo assim negociar melhor seus preços. O estudo de caso evidenciou as dificuldades da empresa em calcular seus custos. A falta de uma gestão responsável de custos deixava a empresa na dúvida se os setores estavam se pagando, a empresa não estava às escuras, pois o financeiro da empresa jogava o valor dos custos com mão de obra nas despesas financeiras. O novo modelo de cálculo de custos adotado pela empresa estabelece uma forma simples, mais bem eficiente de calcular os custos, ela visa mostrar quanto custa cada operação. Com essa forma a empresa pode analisar ações para reduzir custos tanto de produção, quanto de consumo de material direto, e assim se tornar líder em custos. Todos esses passos precisam de ajuda direta de todos os colaboradores da empresa, são eles que vão ajudar na redução do material direto, nos gastos e desperdícios, é com ajuda dos colaboradores que as empresas vão pra frente, pois não adianta ter uma boa gestão de custos sem a ajuda de todos. REFERÊNCIAS BRUNI, Adriano Leal. A Administração de Custos, Preços e Lucros. 10 ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  19. 19. 19 BRUNI, A. FAMA, R. Gestão de Custos e Formação de Preços: com Analise Aplicação na Calculadora HP 12C e Excel. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2012 CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010. MARCONI, Mariana de A. LAKATOS Eva Maria. Fundamentos de metodologia cientifica.7ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010 MEGLIORINE, E. Custos. São Paulo: Makron Book, 2001. OLIVEIRA, Luiz Martins de & PEREZ JR, Jose Hernandez. Contabilidade de Custos para não Contadores. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 2009. PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1990. ROBBINS, Stephen P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2000. Turmena, Ederson Leandro – Análise de custos da produção no setor produtivo em industrias de confecções de pequeno e médio porte – Trabalho de conclusão de curso de tecnologia do vestuário, Paraná 2007. Nascimento, Silvério Antonio do, - Sistema de Custos em Pequenas e Medias Empresas de Confecções de Vestuário com uso de Planilha eletrônica – dissertação apresentada ao programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis 2009.

×