PESTE NEGRA:Yersinia Pestis
NOMES:KEVIN,RAINERIK,KAÛE E
LINDOMAR
 Peste negra é a designação pela qual ficou
conhecida, durante a Baixa Idade Média,
a pandemia de peste bubônica que asso...
 A doença é causada pela bactéria Yersinia
pestis4 , transmitida ao ser humano através
das pulgas (Xenopsylla cheopis) do...
 A peste bubónica é uma doença primariamente
de roedores:
(ratos, ratazanas, coelhos, marmotas, esquilos).
Espalha-se ent...
 O diagnóstico é feito por recolha de amostras
de líquido dos bubos, pus ou sangue e cultura
em meios de nutrientes para ...
 Evitar o contacto com roedores e erradicá-los
das áreas de habitação é a única protecção
eficaz. O vinagre foi utilizado...
 Os antibióticos revolucionaram o tratamento
da peste, tornando-a de agente da morte quase
certa em doença facilmente con...
 As populações de alguns roedores das pradarias vivem em
altíssimos números em enormes conjuntos de galerias
subterrâneas...
Peste negra
Peste negra
Peste negra
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Peste negra

1.752 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
69
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Peste negra

  1. 1. PESTE NEGRA:Yersinia Pestis NOMES:KEVIN,RAINERIK,KAÛE E LINDOMAR
  2. 2.  Peste negra é a designação pela qual ficou conhecida, durante a Baixa Idade Média, a pandemia de peste bubônica que assolou a Europa durante o século XIV e dizimou entre 25 e 75 milhões de pessoas1 2 (mais ou menos um terço da população europeia) , sendo que alguns pesquisadores acreditam que o número mais próximo da realidade é de 75 milhões3 , aproximadamente um terço da população da época.
  3. 3.  A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis4 , transmitida ao ser humano através das pulgas (Xenopsylla cheopis) dosratos- pretos (Rattus rattus) ou outros roedores. Os surtos de peste bubônica têm origem em determinados focos geográficos onde a bactéria permanece de forma endêmica, como no sopé dos Himalaias e na região dos Grandes Lagos Africanos. As restantes populações de roedores infectados hoje existentes terão sido apenas contaminadas em períodos históricos.
  4. 4.  A peste bubónica é uma doença primariamente de roedores: (ratos, ratazanas, coelhos, marmotas, esquilos). Espalha-se entre eles por contacto directo ou pelas pulgas, e é-lhes frequentemente fatal.  A peste nos humanos é uma típica zoonose, causada pelo contacto com roedores infectados. As pulgas dos roedores recolhem a bactéria do sangue dos animais infectados, e quando estes morrem, procuram novos hóspedes. Entretanto a bactéria multiplica-se no intestino da pulga. Cães, gatos e seres humanos podem ser infectados, quando a pulga liberta bactérias na pele da vítima. A Y. pestis entra então nalinfa através de feridas ou microabrasões na pele, como a da picada da pulga.
  5. 5.  O diagnóstico é feito por recolha de amostras de líquido dos bubos, pus ou sangue e cultura em meios de nutrientes para observação ao microscópio e análise bioquímica.
  6. 6.  Evitar o contacto com roedores e erradicá-los das áreas de habitação é a única protecção eficaz. O vinagre foi utilizado na Idade Média, já que as pulgas e as ratazanas evitam o seu cheiro.
  7. 7.  Os antibióticos revolucionaram o tratamento da peste, tornando-a de agente da morte quase certa em doença facilmente controlável. São eficazes a estreptomicina, tetraciclinase cloranfenicol. Tratamentos mais recentes vêm utilizando também a gentamicina e a doxiciclina com resultados eficazes
  8. 8.  As populações de alguns roedores das pradarias vivem em altíssimos números em enormes conjuntos de galerias subterrâneas que comunicam umas com as outras. O número de indivíduos nestas comunidades permite à peste estabelecer-se porque, com o constante nascimento de crias, há sempre suficiente número de novos hóspedes de forma contínua para a sua manutenção endémica. Naturalmente que as populações de ratos e de humanos nas (pequenas) cidades medievais nunca tiveram a massa crítica contínua de indivíduos susceptíveis para se manterem. Nessas comunidades de homens, a peste infecta todos os indivíduos susceptíveis até só restarem os mortos e os imunes. Só após uma nova geração não imune surgir e se tornar a maioria, pode a peste regressar. Nas comunidades humanas, portanto, a peste ataca em epidemias.

×