Cidade, ordenamento e ambiente

872 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
872
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cidade, ordenamento e ambiente

  1. 1. Cidade, Ordenamento e Ambiente
  2. 2.  Cidade EmergenteA cidade emergente está em constante transformação, ou seja,há novas formas e estilos de vida.
  3. 3.  Cidade Emergente Características Dispersa Fragmentada Heterogénea
  4. 4.  Cidade Emergente CrescimentoO crescimento da cidade éimpulsionado pelo crescimento dapopulação, ou seja, pela ambição demelhor qualidade de vida, aumento damobilidade e modernização. Mas…
  5. 5.  Cidade Emergente Espaço não planeadoEstes factores fazem com que o desenvolvimento das cidades sejaum espaço disperso.
  6. 6.  Cidade Emergente Sóla-MoralesAs cidades atuais têm origem em ações ocasionais. Apresentampartes com diferentes tamanhos, densidade e graus depromiscuidade.“espetáculo urbanístico, e uma lição que nos ensina a ver as formas da cidade commais afeto, e também com maior capacidade de reconhecer as suas atuais diferenças” Ou seja…São estas características que acabam por dar forma a umacidade.
  7. 7.  Cidade Emergente IndovinaRefere-se a esta realidade como a cidade difusa, uma"única grande cidade com espaço rural/agrícola nelaincorporado“.
  8. 8.  Cidade Emergente Sóla-Morales e IndovinaReferem que o atual crescimento urbano está associado ao:• desenvolvimento socioeconómico;• aumento da mobilidade;• exigências de produção e novos objetivos sociais (procura de melhor qualidade de vida).
  9. 9.  Cidade Emergente RuedaA cidade atual baseia-se na ambição de tornar ascidades mais competitivas em vez de equilibra-las.“Um campo de jogo de monopólio gigante onde parece haver pressa decomprar todas as peças de urbanização“
  10. 10.  Cidade Emergente Rueda “Antes se plantavam vegetais, e agora plantam-se casas”.
  11. 11.  Cidade Emergente PaviaRefere também que o atual estado das cidades tem origem na procura damodernização. E afirma ainda que se vive um retorno ao laissez-faire.O que ele quer dizer é que quando é construído algo, pensa-se apenasnaquela peça, e não no meio onde vai ser inserida a peça.E acaba por denominar a isto uma “arquitetura sem lugar”, originando assima cidade fragmentada.
  12. 12.  Cidade Emergente Yves Chalas Cidade Móvel Em que a mobilidade se tornou num factor fundamental. Cidade Surge “novas centralidades ligadas ao consumo”. PolicêntricaCidade-Território e Cidade- “Abrange a natureza, abrange o campo”. Natureza Cidade Vazia Existem “vazios urbanos”. Aumentam a imagem de fragmentação. Cidade dasEscolhas Pessoais Onde cada “habitante constrói a sua própria rede de sociabilidade
  13. 13.  Cidade Emergente CarvalhoCidade Campestre Onde prevalece uma mistura cidade/campo.Cidade Contínua Corresponde á cidade antiga ou centro histórico. Constituída pela rede viária e pelos “fragmentos Cidade Viária de cidade que lhe são laterais”.
  14. 14.  Problemas Ambientais, Sociais e EconómicosOs problemas que se levantam na cidade industrial,transformaram-se na cidade que conhecemos hoje. E são eles:• A higiene;• Reduzida qualidade de vida;• Mobilidade;• Organização do espaço;• Utilização do solo.
  15. 15.  Problemas Ambientais, Sociais e EconómicosA má organização da cidade atual acarreta problemas ao nível:• Ambiental;• Social;• Económico.
  16. 16.  Problemas Ambientais, Sociais e EconómicosEstes problemas são mais visíveis em países com rápidocrescimento económico como Portugal, Irlanda, Leste daAlemanha e a região de Madrid.
  17. 17.  Problemas AmbientaisComo já referi, estes problemas refletem-se a nível Ambiental.Assim, os problemas Ambientais assentam no elevado consumo de recursos naturais,energéticos e materiais; na ocupação de áreas protegidas e naturais e do ambienterural salientando-se… … …
  18. 18.  Problemas Ambientais• O maior consumo de terreno/solo com alteração do seu uso e perda das suas propriedades;• Diminuição da biodiversidade;• Destruição de sistemas ribeirinhos, corredores ecológicos e fragmentação das zonas naturais;• Perturbação dos ecossistemas naturais, através da poluição atmosférica e sonora;• Maior consumo de energia;• Maior consumo de água, levando à erosão do solo;• Aumento da produção de resíduos urbanos que acabam por contaminar o solo, o ar e a água.
  19. 19.  Problemas Ambientais, Sociais e EconómicosOs problemas ambientais geram ainda outros problemas económicos esociais. Pois existe uma diminuição de qualidade de vida e de saúde,através da poluição atmosférica e sonora.É como uma bola de neve!
  20. 20.  Problemas Sociais• Aumento dos níveis de separação social:-“com base na renda, etnia, raça, religião, também os separa segundo a função”Rueda• Reflete-se também no estilo de vida:-uma vez que a deslocação de algum emprego e de “pessoas para fora dos centroscriou uma abandonada classe baixa cujos rendimentos não suportam um estilo devida baseado no carro”; Mas também acontece o contrário…-as periferias são ocupadas pelas classes baixas, encontrando-se o centro reservado àsmais altas.• Pessoas com menos mobilidade:-os idosos e os mais jovens, que habitam nas zonas periféricas, podem ver reduzida asua interação social devido às pobres redes de transportes públicos.
  21. 21.  Problemas Económicos A nível económico, os problemas assentam: • nos custos da construção de infraestruturas; • na sua manutenção; • na oferta de serviços. O deslocamento das pessoas (que optam por viver nas periferias) conduz: • a maiores custos devido à necessidade de novas infraestruturas viárias e novas redes de transporte; • ao aumento dos movimentos pendulares para e do centro, dos quais resulta um maior congestionamento.
  22. 22.  Problemas Ambientais, Sociais e EconómicosTodos estes problemas conduzem assim a uma desqualificaçãoambiental e ecológica, da paisagem, do ambiente urbano e daqualidade de vida.
  23. 23.  Problemas Físico-EstruturaisA cidade emergente, como já abordamos, com base em váriosautores, caracteriza-se pela sua dispersão e fragmentação.Então começam a haver problemas…
  24. 24.  Problemas Físico-Estruturais Não aceitar das periferiasO primeiro problema reflete no não aceitar as periferias comosendo constituintes da cidade.Então temos que o principal problema fisicoestrutural da cidade emergente:• A indefinição dos seus limites;• A falta de forma;• A desarticulação das suas partes.
  25. 25.  Problemas Físico-Estruturais DesorganizaçãoOutro problema prende-se com as intervenções que se vãodesenvolvendo de forma fragmentária e sem coordenação.
  26. 26.  Problemas Físico-Estruturais Zonamento monofuncionalO zonamento monofuncional consiste noutro problema.Os “bairros transformam-se exclusivamente em zona residencial”(Rueda) deixando de ser um espaço social e convertendo-se numespaço de exclusão.Isto conduz à crescente dispersão urbana.
  27. 27.  Problemas Físico-Estruturais Rede viáriaO que nos leva a outro problema, é a vasta rede deinfraestruturas viárias.Esta constitui um problema devido ao mau aproveitamento dasvias já existentes. E assim se começa a ter uma bola de estradas…
  28. 28.  Problemas Físico-Estruturais Superfícies comerciais A localização aleatória e mal planeada de grandes superfícies comerciais é outro problema. Pois não há uma organização do espaço público.Os centros comerciais estãopresentes em 49 dos 308 concelhosdo país, o que significa que, nosconcelhos onde estão presentes,existe uma média de dois porconcelho.
  29. 29.  Problemas Físico-Estruturais Espaços verdesOutro problema prende-se com os espaços verdes existentes, no querefere:• Ao número insuficiente ou má distribuição;• À falta de qualidade destes;• O desrespeito pelas linhas de água e leitos de cheia, pois são corredores ecológicos de grande importância;• Espaços agrícolas que muitas vezes são abandonados e negligenciados;• São insuficientes os espaços que promovem igualmente o encontro, lazer e bem-estar da população. Se tivessemos um máximo aproveitamento de espaços verdes, seria assim…
  30. 30.  Problemas Físico-Estruturais Espaços verdesOs espaços verdes urbanos de qualidade, as áreas agrícolas,florestais e os sistemas ribeirinhos, são de grande importânciapara o ecossistema urbano, uma vez que possuem funçõesecológicas, sociais e económicas de relevância, e quandoestruturados e valorizados, contribuem para o aumento daqualidade de vida.
  31. 31.  Problemas Físico-EstruturaisÉ portanto necessário criar um novo tipo de relações entre aNatureza e o Urbano.A tarefa é: Unir o conceito de urbanismo com o de natureza.
  32. 32.  Problemas a Resolver e OrientaçõesSalientam-se como problemas físico-estruturais a solucionar:1. A indefinição dos limites da cidade;2. A desarticulação das partes de cidade que conduzem à falta de forma e falta de identidade ;3. O zonamento monofuncional, característico de muitas partes da cidade, nomeadamente zonas residenciais, que acabam por não apresentarem condições de vida social;4. O ciclo vicioso relacionado com a crescente construção de infraestruturas viárias;5. O reduzido número de espaços verdes com qualidade, uma vez que a qualidade de vida se encontra notoriamente associada à qualidade ambiental;6. Desarticulação, descontinuidade dos espaços verdes na cidade, desrespeito e desaproveitamento das suas potencialidades.
  33. 33.  Problemas a Resolver e OrientaçõesPara a resolução destes problemas há que assumir a realidade dacidade atual, nas suas partes e no seu todo.Torna-se assim necessário assumir a cidade como ela o é,dispersa, mas definir os seus limites, começando a trabalhar nasfalhas e potencialidades que ela apresenta.As intervenções necessárias serão aquelas que resolvem asfalhas e reforcem as potencialidades desta estrutura, com oobjetivo de minimizar todos os problemas referidos.
  34. 34. A aluna:Débora Neves nº6 11ºG Fim

×