COLÉGIO ADÉLIA CAMARGO CORRÊA
LUCAS RODRIGUES DE CALO; PAULO ROGÉRIO BRÁS JÚNIOR;
TIAGO DOS SANTOS PASSOS; VINÍCIUS DA SIL...
LUCAS RODRIGUES DE CALO - n˚25
PAULO ROGÉRIO BRÁS JÚNIOR - n˚28
TIAGO DOS SANTOS PASSOS - n˚32
VINÍCIUS DA SILVA DIAS - n˚...
Resumo
Esse trabalho tem como objetivo relatar problemas da cidade de Bertioga que envolvem seu
contexto metropolitano, do...
Sumário
1- INTRODUÇÃO .......................................................................................................
5
1- INTRODUÇÃO
O relatório apresenta um conjunto de leituras técnicas e um resumo perante o
assunto a ser falado sobre as...
6
A renda de uma cidade deve-se ao trabalho exercido na cidade e a cidadania que sustenta
financeiramente a cidade.
• Econ...
7
2- DESENVOLVIMENTO
2.1- A QUESTÃO POPULACIONAL
Um dos municípios com menor população na região, cerca de 47 mil habitant...
8
RENDIMENTO PER CAPITA DE RESPONSÁVEIS POR DOMICÍLIOS
Realizando a análise do mapa do Rendimento per capita de responsáve...
9
2.2- DEGRADAÇÃO AMBIENTAL
Bertioga é uma das cidades da Baixada Santista com maior território ambiental mas
essa realida...
10
“As pesquisas que Souza realiza nas planícies costeiras paulistas desde o início dos
anos 1990 sempre apontaram para a ...
11
2.3- MOBILIDADE
O exame das condições de mobilidade em Bertioga revela baixa integração regional
e sérias dificuldades ...
12
falta de transporte integrado à outras cidades também é um problema, já que a população usa a
viação metropolitana para...
13
3- CONSIDERAÇÕES FINAIS
Conclui-se que Bertioga não tem problemas de muita relevância na microrregião da
Baixada Santis...
14
4- REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS
IBGE -
http://www.ibge.com.br/cidadesat/painel/economia.php?codmun=350635&search=sao-
paul...
15
5- GLOSSÁRIO
RMBS – Região Metropolitana da Baixada Santista
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Problemas no contexto metropolitano: Bertioga

334 visualizações

Publicada em

Pesquisa desenvolvida pelos alunos Lucas Rodrigues de Calo, Paulo Rogério Bras Junior, Tiago dos Santos Passos e Vinícius da Silva Dias, sob orientação do prof. Valter Batista de Souza, na disciplina de Geografia, no 2° Ano do Ensino Médio, do Colégio Adélia Camargo Corrêa.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Problemas no contexto metropolitano: Bertioga

  1. 1. COLÉGIO ADÉLIA CAMARGO CORRÊA LUCAS RODRIGUES DE CALO; PAULO ROGÉRIO BRÁS JÚNIOR; TIAGO DOS SANTOS PASSOS; VINÍCIUS DA SILVA DIAS. PROBLEMAS NO CONTEXTO METROPOLITANO BERTIOGA Guarujá 2015
  2. 2. LUCAS RODRIGUES DE CALO - n˚25 PAULO ROGÉRIO BRÁS JÚNIOR - n˚28 TIAGO DOS SANTOS PASSOS - n˚32 VINÍCIUS DA SILVA DIAS - n˚35 PROBLEMAS NO CONTEXTO METROPOLITANO Análise Crítico-propositiva proposta pelo Prof. Valter Batista de Souza Guarujá 2015
  3. 3. Resumo Esse trabalho tem como objetivo relatar problemas da cidade de Bertioga que envolvem seu contexto metropolitano, documentá-los, discuti-los e propor soluções para tais. Serão discutidas questões tanto como sociais, político-econômicas e até habitacionais. Bertioga é um município do estado de São Paulo, na Região Metropolitana da Baixada Santista, microrregião de Santos. A população em 2010 era de 47.572 habitantes e a área é de 491,2 km², o que resulta numa densidade demográfica de 96,84 hab./km². Nesse documento são relatados complicações que o município de Bertioga sofre, tanto como dados pesquisados e revisados pelos alunos do Prof. Valter Batista, de Geografia, no curso do CD (Colegial Diurno) do Colégio Adélia Camargo Corrêa, do município de Guarujá, SP. Esse trabalho visa melhorar o trabalho em equipe de seus membros para conseguir desenvolver bons textos acadêmicos.
  4. 4. Sumário 1- INTRODUÇÃO .................................................................................................................................5 2- DESENVOLVIMENTO.......................................................................................................................7 2.1- A QUESTÃO POPULACIONAL .......................................................................................................7 2.2- DEGRADAÇÃO AMBIENTAL .........................................................................................................9 2.3- MOBILIDADE .............................................................................................................................11 3- CONSIDERAÇÕES FINAIS...............................................................................................................13 4- REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................................................14 5- GLOSSÁRIO...................................................................................................................................15
  5. 5. 5 1- INTRODUÇÃO O relatório apresenta um conjunto de leituras técnicas e um resumo perante o assunto a ser falado sobre as condições e tendências urbanas e socioambientais do Município de Bertioga, município emancipado em 1991, com 47.645 habitantes em 2010, sendo 98,4% residentes em áreas urbanas e 1,6% residentes em áreas rurais. A extensão territorial de Bertioga é de 490,03km² sendo que aproximadamente 72,2% insere-se em Unidades de Conservação instituídas. A leitura sobre essas condições urbanas e socioeconômicas estão ligadas a análise de diferentes problemas do desenvolvimento econômico, a cultura, a segurança alimentar e nutricional, a saúde, a segurança pública, as finanças públicas entre outros. Contendo discussões sobres os problemas vivido pela cidade e sugestões que serão abordadas durante cada tópico. -Problemas no contexto Metropolitano • Ambientais: Os problemas ambientais da cidade, como um todo dever do cidadão cuidar desse problema também. • Segurança: A segurança em uma cidade é um ponto importante para manter uma ótima imagem da cidade e também o direito do habitante ter um local seguro para morar. • Saneamento e Água: O investimento da cidade perante um problema que muitas outras cidades sofrem com a falta disso, também uma questão de higiene muito importante que interfere na saúde. • Educação: Uma boa cidade como Bertioga tem que ter uma boa educação e com bom investimento é possível aumentar a taxa de educação escolar. • Trabalho, renda e cidadania:
  6. 6. 6 A renda de uma cidade deve-se ao trabalho exercido na cidade e a cidadania que sustenta financeiramente a cidade. • Economia: Bertioga tem uma boa economia perante as outras cidades da baixada santista, e seu desenvolvimento financeira aumenta a cada ano. • Mobilidade: O transporte e mobilidade de uma cidade são pontos importantes para um desenvolvimento social da cidade e fácil acesso a partes culturais e históricas da cidade. • Saúde: A cidade de Bertioga tem um número de postos de saúde, que facilitam o bem estar do cidadão, que está ligado muitas vezes ao esgotamento e tratamento da água na cidade.
  7. 7. 7 2- DESENVOLVIMENTO 2.1- A QUESTÃO POPULACIONAL Um dos municípios com menor população na região, cerca de 47 mil habitantes, Bertioga se destaca por apresentar taxa média anual de crescimento populacional de 4,4% (2000-2010), a mais alta do Litoral Norte e Baixada Santista. Embora se perceba uma ligeira tendência de envelhecimento na última década, mais de 50% da população possuía, em 2010, menos de 30 anos. O percentual da população parda e negra sobre a população total é superior ao verificado para o Estado de São Paulo. Destaca-se, entretanto, pela maior presença de população indígena em relação a outros municípios da região. Um fato interessante a se considerar são as casas de veraneio de Bertioga, onde 62,18% dos domicílios são de uso ocasional (IBGE-2010). Ao longo dos anos, a expansão urbana ocorreu de forma fragmentada no território, com a construção de condomínios fechados de alto padrão e, mais recentemente, com os empreendimentos verticais. A população flutuante, calculada em 80.992 pessoas em 2010, representa quase o dobro da população residente. Como em outros municípios da Baixada Santista, o crescimento urbano de Bertioga estruturou um padrão desigual e contraditório de urbanização. De maneira geral, as áreas urbanas junto à orla marítima, onde predominam as moradias de alta renda, ociosas na maior parte do ano, contam com melhor oferta de infraestrutura e de serviços em comparação com aquelas localizadas entre a Rodovia SP-55 e a Serra do Mar, onde está boa parte das moradias de residentes fixos de Bertioga (ver mapa abaixo). Esse padrão de urbanização também pressiona as áreas ambientais protegidas, pois os altos preços dos imóveis e terrenos nessas áreas mais valorizadas acabam por “empurrar” as populações de menor renda para áreas com maior vulnerabilidade ambiental.
  8. 8. 8 RENDIMENTO PER CAPITA DE RESPONSÁVEIS POR DOMICÍLIOS Realizando a análise do mapa do Rendimento per capita de responsáveis por domicílios, pode se perceber que, à vista grossa, quanto mais próximo da costa litorânea as habitações se localizarem, maior é a renda per capita de seus responsáveis, reforçando o fato de boa parte dessas habitações serem características de casas de veraneio. Considerando que o tráfego das rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), em época de verão, é um dos maiores do país, esse aumento de população, sendo a maioria de uso não constante, pode vir a contribuir mais ainda para o aumento do tráfego nessas rodovias. O turismo das cidades da Baixada Santista é característico, apresentando uma alta taxa de turismo durante “A temporada”, nome dado para o período de tempo onde as viagens para essa região são muito frequentes, geralmente no verão. Outro fator relacionado a essas ocupações é a marginalização, levando os habitantes com menor renda à periferia da cidade, causando um dos maiores problemas atualmente na cidade: a ocupação irregular, sendo essa uma das responsáveis pelos grandes problemas ambientais que Bertioga sofre hoje em dia. Possíveis soluções seriam a implantação de políticas públicas a favor daquelas áreas de degradação ambiental, desenvolvimento relevante de outros tipos de atividades econômicas além do turismo de veraneio que, infelizmente, foi implantado na Baixada Santista.
  9. 9. 9 2.2- DEGRADAÇÃO AMBIENTAL Bertioga é uma das cidades da Baixada Santista com maior território ambiental mas essa realidade pode mudar, já que o risco ecológico dessas áreas já é classificado como médio: “Isso quer dizer que novas ações humanas podem desequilibrar de vez os sistemas, principalmente se afetarem solos e águas, dois dos fatores que mais influenciam na classificação do risco” (Celia Regina de Gouveia Souza, FAPESP). A necessidade de crescimento econômico da região gerou crescimento da ocupação e da exploração imobiliária, assim como desenvolvimento da indústria e do turismo. Pode-se identificar áreas de aterro, desmatamento e construções em lugares indevidos do relevo, isso pode causar consequências irreversíveis; a aceleração dos processos erosivos e depositivos pode destruir o relevo natural. “Essas estruturas afetam, por exemplo, a drenagem natural da planície costeira, de baixa declividade e com nível de lençol freático muito raso, promovendo a rápida acumulação e retenção de água nos períodos de chuva, o que desequilibra o funcionamento de alguns ambientes costeiros” (Celia Regina de Gouveia Souza, FAPESP). A flora e a fauna natural já é quase inexistente devido à pratica ilegal do extrativismo, um exemplo é o palmito, já quase inexistente naturalmente. A construção da rodovia Rio-Santos obrigou a margem da população migrar pra região costeira de mangues, construindo habitações irregulares e que foram muito prejudiciais à fauna da região. Pesquisa avalia risco ecológico provocado por ações humanas e propõe soluções para planejamento e conservação em região de grande biodiversidade (acervo IG-SMA/SP). Deduz-se que esse problema seja causado pelo grande desenvolvimento da região da Baixada Santista nas últimas décadas, a construção da rodovia Rio-Santos, que atravessa essa região da flora de Bertioga e causa um grande impacto ambiental.
  10. 10. 10 “As pesquisas que Souza realiza nas planícies costeiras paulistas desde o início dos anos 1990 sempre apontaram para a existência de associações específicas entre os diferentes ambientes de sedimentação e determinados tipos de vegetação. Por exemplo, as florestas baixa e alta de restinga (a primeira com árvores de menor porte, próxima à praia, e a segunda com árvores maiores e distribuídas em direção ao interior da planície costeira) ocorrem somente sobre depósitos marinhos (antigas linhas de praia formadas durante os eventos de subida e descida do nível do mar). Já nas depressões centrais das planícies costeiras, onde se desenvolviam estuários e lagunas quando o nível do mar estava bem mais alto que o atual (há 5.600 anos), hoje ocorrem somente as florestas paludosas (permanentemente encharcadas) e suas variações.” (FAPESP). Essa complicação aumenta o nível de absorção de água de lençóis freáticos da região, que consequentemente diminuem o crescimento de árvores, já que o solo encontra-se “encharcado”. O aumento da severidade de leis ambientais e aumento de fiscalização de atividades extrativistas ilegais resolveriam, talvez o problema dessas áreas mais costeiras. As áreas mais continentais sofrem com a ocupação indevida da margem da população que é segregada. Um possível investimento na educação da cidade assistiria a situação dos mais desfavorecida a ajudar no desenvolvimento sustentável da cidade, sem grandes impactos ambientais que atualmente devem ser tratados com cuidado, pois encontram-se em situações quase irreversíveis.
  11. 11. 11 2.3- MOBILIDADE O exame das condições de mobilidade em Bertioga revela baixa integração regional e sérias dificuldades nos transportes coletivos municipais e intermunicipais, em parte relacionadas às características do sistema viário hoje existente. Por concentrar poucos empregos, Bertioga tem baixa participação na mobilidade intrametropolitana, contribuindo com apenas 0,88% das viagens diária da RMBS. Quanto à geração de viagens, em Bertioga, os deslocamentos para fora do município são motivados mais por estudos do que em razão de trabalho, diferenciando-se do padrão da RMBS, onde o trabalho representa a maior motivação dos deslocamentos. No município, 46% dos trajetos diários, correspondentes a 26.565 viagens, são realizadas por meios motorizados, contra 54% por meio não-motorizados, correspondentes a 29.330 viagens. A distribuição das viagens pelos diferentes modos de transporte em Bertioga é ilustrada no gráfico a seguir. O município possui a menor taxa de motorização da RMBS, e a maior frota de bicicletas per capita, embora não seja o município com maior percentual diário de deslocamentos com bicicletas, que representam 19%. A grande importância do uso do transporte motorizado coletivo em Bertioga, representado pelos descolamentos por ônibus (28%), tem mais a ver com limitações de renda do que com a eficiência do sistema. No município, o tempo médio de deslocamento no modo ônibus é sensivelmente superior ao dos demais modos. Um fator que dificulta as condições de mobilidade da população local é que não há integração entre os transportes metropolitano e intermunicipal. Nota-se que o município sofre de carência de mobilidade, já que os ônibus só são usados pelo baixo custo e a cidade tem índices de viagens a pé e de bicicleta elevadíssimos. A Percentuais de Viagens Diárias Segundo Modos - 2007 Ônibus Bicicleta A pé Outros Automóvel Moto
  12. 12. 12 falta de transporte integrado à outras cidades também é um problema, já que a população usa a viação metropolitana para fins de estudo, que também não está numa situação tão agradável. Medidas para melhoria do serviço público são necessárias e, felizmente, o índice de automóveis motorizados é baixíssimo, o que, ao menos, reduz bastante a poluição do ar da cidade. Integração das viações de cidades próximas como Guarujá são ações a se considerar, se já não estão sendo realizadas aliás.
  13. 13. 13 3- CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclui-se que Bertioga não tem problemas de muita relevância na microrregião da Baixada Santista porém eles não são inexistentes e ainda assim acabam afetando a região. As atividades de agropecuária de Bertioga são praticamente nulas, possui alguma atividade industrial e o que “carrega” a cidade são os serviços, principalmente o turismo.
  14. 14. 14 4- REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS IBGE - http://www.ibge.com.br/cidadesat/painel/economia.php?codmun=350635&search=sao- paulo%7Cbertioga%7Cinfograficos:-despesas-e-receitas-orcamentarias-e-pib&lang=_ES AGÊNCIA FAPESP - http://agencia.fapesp.br/sobrevivencia_de_ecossistemas_de_bertioga_exige_atencao/17666/ PROJETO LITORAL SUSTENTÁVEL - http://litoralsustentavel.org.br/wp-content/uploads/2013/09/Resumo-Executivo-Bertioga- Projeto-Litoral-Sustentavel.pdf http://www.polis.org.br/uploads/1602/1602.pdf PORTAL G1 - http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2015/05/bertioga-sp-tem-o-maior-crescimento- populacional-do-estado-de-sp.html INSTITUTO OCEANOGRÁFICO - USP - Interferência humana degrada meio ambiente em Bertioga
  15. 15. 15 5- GLOSSÁRIO RMBS – Região Metropolitana da Baixada Santista

×