População portuguesa

931 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
931
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

População portuguesa

  1. 1. População Portuguesa
  2. 2. Trabalho de Grupo realizado por • Albertina Lima – N.º 1 • Ana Martins – N.º 3 • Elígia Ribeiro – N.º 8 • Lidia Arsova – N.º 19 Turma TAV – 1º Ano
  3. 3. Introdução • Este trabalho tem como objetivo retratar a população portuguesa no geral e as suas transformações ao longo das últimas décadas, referindo as alterações sofridas a nível social e as adaptações ocorridas. • Nele serão focados vários temas, nomeadamente a distribuição geográfica da população, a sua evolução, o fenómeno da litoralização em consequência do abandono das regiões do interior e os novos enquadramentos do espaço rural e urbano, como estratégia para encontrar novas formas de vida e novas imagens para as cidades.
  4. 4. Localização
  5. 5. Localização • Portugal está situado no Continente Europeu, com uma costa marítima de 1.793 Km e uma superfície total de 92,090 km2 (incluindo Açores e Madeira), divididos por: – Terra - 91,470 km2 – Água - 620 km2 • Em 31 de dezembro de 2011, (resultados censitários), residiam em Portugal: – 10 541 840 Indivíduos, tendo-se registado um crescimento negativo de -0,29% face aos números registados em 2010: • -0,06% - taxa de crescimento natural • -0,23% - taxa de crescimento migratório • Os fatores condicionantes da evolução da população portuguesa em geral, refeletem-se na: – Baixa natalidade – População envelhecida – Emigração
  6. 6. Litoralização • É uma realidade, o facto que se assiste há décadas em Portugal, que a distribuição da sua população não é homogénea, havendo assim uma maior concentração de habitantes junto à faixa litoral (onde existe uma maior oferta de emprego, principalmente na área da indústria), em especial nas cidades de Lisboa e Porto, e uma menor concentração no interior do país. • Tal fator fez com que tenhamos assistido nos últimos 30 a 40 anos a uma desertificação do interior do país, ficando este com uma população envelhecida, havendo um decréscimo ou até ausência de natalidade em algumas regiões, que implicou fortes alterações quer ao nível social quer ao nível económico e ainda a nível psicológico (aumento do suicídio).
  7. 7. Litoralização • O elevado número de habitantes nos grandes centros (Lisboa e Porto nomeadamente), provoca alguns constrangimentos na vida dos cidadãos. • Exemplos serão vários e podemos referir a dificuldade que é para as pessoas com menores capacidades financeiras, a procura de habitação (dado o valor elevado nas grandes cidades), levando-as a deslocarem-se para a periferia (normalmente bairros problemáticos), o que faz com que a sua vida sofra uma degradação na qualidade da mesma pois aumentam os tempos no trajeto casa-trabalho e vice- versa, aumentam os custos com transportes, aumenta o stress, enfim, acaba por se reflectir no seu rendimento no trabalho, e acaba por afetar inevitavelmente as relações familiares.
  8. 8. Litoralização • Outro dos constrangimentos por exemplo, são fatores como a poluição atmosférica e/ou sonora, que apesar da recente legislação que limita o tráfego nas grandes cidades e das alterações promovidas no trânsito por forma a reduzir o elevado número de viaturas a circular na cidade, não têm surtido efeito e por isso continua a afetar a vida de cada um de nós.
  9. 9. Litoralização As consequências deste fenómeno • Problemas de cariz social; • Recursos insuficientes; • Empregos insuficientes; • Crescente aumento da pobreza e da marginalidade; • Diminuição da qualidade de vida e dos serviços prestados; • Aumento da poluição e da pressão demográfica; • Aumento do stress.
  10. 10. Suburbanização • Porém, o fenómeno da litoralização também leva à fixação da população na periferia das localidades, levando ao processo de suburbanização, que por um lado poderá ser benéfico: – Possibilita o descongestionamento dos grandes centros urbanos; – Possibilita o desenvolvimento/crescimento dos subúrbios, através do aumento do seu poder competitivo. • Contudo, verificam-se também consequências negativas: – Custos Económicos e Sociais; – Desperdício de tempo, fadiga e nervosismo provocado pela deslocação em transporte público ou particular; – O elevado consumo de combustível ou despesa com o transporte; – A frequente rutura das redes de saneamento básico, eletricidade, telefone por falta de planeamento; – A ausência de emprego e equipamentos socioculturais mínimos, promovendo formas de habitação que favorecem a violência e a marginalidade; – A destruição de solos agrícolas férteis que no passado desempenhavam importante papel no abastecimento de produtos frescos à população citadina.
  11. 11. Espaço Rural • Com este factor de migração, assistimos ao abandono das explorações agrícolas que eram o pilar da estrutura económica e do tecido social das regiões e passou-se a ter uma agricultura de subsistência. • Os jovens agricultores que existem nas regiões do interior, tiveram que se adaptar também eles às novas tecnologias e fruto da modernidade e das contingências atuais, optaram por se dedicar na sua grande maioria à agricultura dos novos tempos, a chamada agricultura
  12. 12. Espaço Rural • Os problemas das zonas rurais, devido ao êxodo rural são, entre outros: – Desertificação de aldeias; – Envelhecimento da população; – Decréscimo da natalidade; – Perda de costumes e práticas locais; – Uma agricultura não competitiva. • Impactos económicos: – Diminuição na arrecadação de impostos; – Diminuição do Turismo; – O desaproveitamento das potencialidades dos territórios (recursos naturais, aptidão para a agricultura e agro-indústria, etc.).
  13. 13. Espaço Rural • O abandono das regiões do interior, deve-se aos seguintes fatores: – Reduzidas oportunidades de emprego; – Fracas condições nos serviços sociais; – Redução da oferta de serviços e respetiva degradação da qualidade dos mesmos. • Face a estes problemas, o turismo no espaço rural (Turismo de Habitação, Turismo Rural e Agroturismo – três géneros de alojamento de turismo em espaço rural), tornou-se uma atividade com potencial para o desenvolvimento de algumas localidades, nomeadamente daquelas que possuem recursos de elevada qualidade natural e cultural. • Existem três elementos essenciais no espaço rural, gerados e defendidos pela população local: 1. O ambiente 2. A cultura local 3. O património
  14. 14. Espaço Urbano • Por outro lado, surge também a necessidade de se proceder à valorização do espaço urbano, também como apelo ao turismo, requalificando-se espaços, nascendo uma nova filosofia de planeamento das cidades, assente no conceito de “Projeto Urbano”, o qual se baseia nas seguintes noções: – Planeamento estratégico; – Cidade sustentável; – Espaço público; – Qualidade de vida; – Cultura urbana.
  15. 15. Espaço Urbano • Nalgumas cidades portuguesas, o espaço urbano está a ser modificado com o objetivo de criar condições de apelo ao Turismo Urbano, através das seguintes ações: – Redefinir estratégias de recuperação dos centros urbanos (habitação degradada e comércio); – Preservação do património histórico e cultural; – Animação cultural dos centros históricos; – Criação de ruas pedonais e ciclovias; – Requalificação das zonas ribeirinhas (ex: frentes de água com esplanadas); – Criação de novas infra-estruturas (ex: teleféricos, itinerários turísticos em transportes públicos, etc.)
  16. 16. Conclusão • Após a realização deste trabalho, podemos concluir que Portugal, ao longo das últimas décadas, sofre vários fenómenos demográficos. • É visível a existência duma adaptação a costumes e modos de vida diferentes por parte das populações, nomeadamente das que se deslocaram do interior para o litoral. • Face a estes fenómenos, tanto as zonas rurais como zonas as urbanas vêem-se “obrigadas” a adotar novas estratégias, apostando nomeadamente no Turismo.
  17. 17. Bibliografia/Infografia • www.ine.pt • http://pt.scribd.com/doc/8508983/A-Distribuicao-Da-Populacao-Em-Portugal • http://www.marktest.com/wap/a/n/id~390.aspx • http://regioes.blogspot.pt/2010/10/o-fenomeno-da-litoralizacao-e-o.html • http://turmagestoambiente.blogspot.pt/2008/05/os-problemas-da- suburbanizao_11.html • http://isabe.ionline.pt/conteudo/2224-condicoes-vida-dos-portugueses-vao- continuar-piorar • https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/19939/1/As%20Din%C3%A2micas%2 0do%20Mundo%20Rural%20no%20Virar%20do%20S%C3%A9culo%20- %20O%20Concelho%20do%20Sabugal.pdf • http://www.cpci.pt/wp-content/uploads/2011/10/Carlos_Cardoso.pdf

×