SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
População Portuguesa
Trabalho de Grupo realizado por
• Albertina Lima – N.º 1
• Ana Martins – N.º 3
• Elígia Ribeiro – N.º 8
• Lidia Arsova – N.º 19
Turma TAV – 1º Ano
Introdução
• Este trabalho tem como objetivo retratar a população
portuguesa no geral e as suas transformações ao longo
das últimas décadas, referindo as alterações sofridas a
nível social e as adaptações ocorridas.
• Nele serão focados vários temas, nomeadamente a
distribuição geográfica da população, a sua evolução, o
fenómeno da litoralização em consequência do
abandono das regiões do interior e os novos
enquadramentos do espaço rural e urbano, como
estratégia para encontrar novas formas de vida e novas
imagens para as cidades.
Localização
Localização
• Portugal está situado no Continente Europeu, com uma costa marítima de
1.793 Km e uma superfície total de 92,090 km2 (incluindo Açores e
Madeira), divididos por:
– Terra - 91,470 km2
– Água - 620 km2
• Em 31 de dezembro de 2011, (resultados censitários), residiam em
Portugal:
– 10 541 840 Indivíduos, tendo-se registado um crescimento negativo de -0,29%
face aos números registados em 2010:
• -0,06% - taxa de crescimento natural
• -0,23% - taxa de crescimento migratório
• Os fatores condicionantes da evolução da população portuguesa em
geral, refeletem-se na:
– Baixa natalidade
– População envelhecida
– Emigração
Litoralização
• É uma realidade, o facto que se assiste há
décadas em Portugal, que a distribuição da
sua população não é homogénea, havendo
assim uma maior concentração de habitantes
junto à faixa litoral (onde existe uma maior
oferta de emprego, principalmente na área
da indústria), em especial nas cidades de
Lisboa e Porto, e uma menor concentração
no interior do país.
• Tal fator fez com que tenhamos assistido nos
últimos 30 a 40 anos a uma desertificação
do interior do país, ficando este com uma
população envelhecida, havendo um
decréscimo ou até ausência de natalidade
em algumas regiões, que implicou fortes
alterações quer ao nível social quer ao nível
económico e ainda a nível psicológico
(aumento do suicídio).
Litoralização
• O elevado número de habitantes nos grandes centros (Lisboa e Porto
nomeadamente), provoca alguns constrangimentos na vida dos cidadãos.
• Exemplos serão vários e podemos referir a dificuldade que é para as pessoas com
menores capacidades financeiras, a procura de habitação (dado o valor elevado nas
grandes cidades), levando-as a deslocarem-se para a periferia (normalmente bairros
problemáticos), o que faz com que a sua vida sofra uma degradação na qualidade
da mesma pois aumentam os tempos no trajeto casa-trabalho e vice-
versa, aumentam os custos com transportes, aumenta o stress, enfim, acaba por se
reflectir no seu rendimento no trabalho, e acaba por afetar inevitavelmente as
relações familiares.
Litoralização
• Outro dos constrangimentos por exemplo, são
fatores como a poluição atmosférica e/ou
sonora, que apesar da recente legislação que
limita o tráfego nas grandes cidades e das
alterações promovidas no trânsito por forma a
reduzir o elevado número de viaturas a
circular na cidade, não têm surtido efeito e
por isso continua a afetar a vida de cada um
de nós.
Litoralização
As consequências deste fenómeno
• Problemas de cariz social;
• Recursos insuficientes;
• Empregos insuficientes;
• Crescente aumento da pobreza e da
marginalidade;
• Diminuição da qualidade de vida e dos serviços
prestados;
• Aumento da poluição e da pressão demográfica;
• Aumento do stress.
Suburbanização
• Porém, o fenómeno da litoralização também leva à fixação da população na periferia das localidades, levando ao
processo de suburbanização, que por um lado poderá ser benéfico:
– Possibilita o descongestionamento dos grandes centros urbanos;
– Possibilita o desenvolvimento/crescimento dos subúrbios, através do aumento do seu poder competitivo.
• Contudo, verificam-se também consequências negativas:
– Custos Económicos e Sociais;
– Desperdício de tempo, fadiga e nervosismo provocado pela deslocação em transporte público ou particular;
– O elevado consumo de combustível ou despesa com o transporte;
– A frequente rutura das redes de saneamento básico, eletricidade, telefone por falta de planeamento;
– A ausência de emprego e equipamentos socioculturais mínimos, promovendo formas de habitação que
favorecem a violência e a marginalidade;
– A destruição de solos agrícolas férteis que no passado desempenhavam importante papel no abastecimento
de produtos frescos à população citadina.
Espaço Rural
• Com este factor de
migração, assistimos ao
abandono das explorações
agrícolas que eram o pilar da
estrutura económica e do tecido
social das regiões e passou-se a
ter uma agricultura de
subsistência.
• Os jovens agricultores que
existem nas regiões do
interior, tiveram que se adaptar
também eles às novas
tecnologias e fruto da
modernidade e das
contingências atuais, optaram
por se dedicar na sua grande
maioria à agricultura dos novos
tempos, a chamada agricultura
Espaço Rural
• Os problemas das zonas rurais, devido ao êxodo rural são, entre outros:
– Desertificação de aldeias;
– Envelhecimento da população;
– Decréscimo da natalidade;
– Perda de costumes e práticas locais;
– Uma agricultura não competitiva.
• Impactos económicos:
– Diminuição na arrecadação de impostos;
– Diminuição do Turismo;
– O desaproveitamento das potencialidades dos territórios (recursos
naturais, aptidão para a agricultura e agro-indústria, etc.).
Espaço Rural
• O abandono das regiões do interior, deve-se aos seguintes fatores:
– Reduzidas oportunidades de emprego;
– Fracas condições nos serviços sociais;
– Redução da oferta de serviços e respetiva degradação da qualidade dos mesmos.
• Face a estes problemas, o turismo no espaço rural (Turismo de
Habitação, Turismo Rural e Agroturismo – três géneros de alojamento de
turismo em espaço rural), tornou-se uma atividade com potencial para o
desenvolvimento de algumas localidades, nomeadamente daquelas que
possuem recursos de elevada qualidade natural e cultural.
• Existem três elementos essenciais no espaço rural, gerados e defendidos
pela população local:
1. O ambiente
2. A cultura local
3. O património
Espaço Urbano
• Por outro lado, surge também a necessidade de se
proceder à valorização do espaço urbano, também
como apelo ao turismo, requalificando-se
espaços, nascendo uma nova filosofia de
planeamento das cidades, assente no conceito de
“Projeto Urbano”, o qual se baseia nas seguintes
noções:
– Planeamento estratégico;
– Cidade sustentável;
– Espaço público;
– Qualidade de vida;
– Cultura urbana.
Espaço Urbano
• Nalgumas cidades portuguesas, o espaço
urbano está a ser modificado com o
objetivo de criar condições de apelo ao
Turismo Urbano, através das seguintes
ações:
– Redefinir estratégias de recuperação
dos centros urbanos (habitação
degradada e comércio);
– Preservação do património histórico
e cultural;
– Animação cultural dos centros
históricos;
– Criação de ruas pedonais e ciclovias;
– Requalificação das zonas ribeirinhas
(ex: frentes de água com
esplanadas);
– Criação de novas infra-estruturas (ex:
teleféricos, itinerários turísticos em
transportes públicos, etc.)
Conclusão
• Após a realização deste trabalho, podemos concluir
que Portugal, ao longo das últimas décadas, sofre
vários fenómenos demográficos.
• É visível a existência duma adaptação a costumes e
modos de vida diferentes por parte das
populações, nomeadamente das que se deslocaram
do interior para o litoral.
• Face a estes fenómenos, tanto as zonas rurais como
zonas as urbanas vêem-se “obrigadas” a adotar novas
estratégias, apostando nomeadamente no Turismo.
Bibliografia/Infografia
• www.ine.pt
• http://pt.scribd.com/doc/8508983/A-Distribuicao-Da-Populacao-Em-Portugal
• http://www.marktest.com/wap/a/n/id~390.aspx
• http://regioes.blogspot.pt/2010/10/o-fenomeno-da-litoralizacao-e-o.html
• http://turmagestoambiente.blogspot.pt/2008/05/os-problemas-da-
suburbanizao_11.html
• http://isabe.ionline.pt/conteudo/2224-condicoes-vida-dos-portugueses-vao-
continuar-piorar
• https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/19939/1/As%20Din%C3%A2micas%2
0do%20Mundo%20Rural%20no%20Virar%20do%20S%C3%A9culo%20-
%20O%20Concelho%20do%20Sabugal.pdf
• http://www.cpci.pt/wp-content/uploads/2011/10/Carlos_Cardoso.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptIlda Bicacro
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoIlda Bicacro
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalIdalina Leite
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...713773
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaAna Pais
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbanaIlda Bicacro
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano713773
 
A População Distribuição da População 2º Ano
A População  Distribuição da População   2º AnoA População  Distribuição da População   2º Ano
A População Distribuição da População 2º Anoguest27c000
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Distribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaDistribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaCatarina Castro
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasIlda Bicacro
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticosIlda Bicacro
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
9 Problemas Das Cidades
9  Problemas Das Cidades9  Problemas Das Cidades
9 Problemas Das CidadesMayjö .
 
Turismo no espaço rural 11-6
Turismo no espaço rural 11-6Turismo no espaço rural 11-6
Turismo no espaço rural 11-6Joao Paulo Curto
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano713773
 
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoÁreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoIdalina Leite
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Idalina Leite
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Joao Paulo Curto
 

Mais procurados (20)

As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
A População Distribuição da População 2º Ano
A População  Distribuição da População   2º AnoA População  Distribuição da População   2º Ano
A População Distribuição da População 2º Ano
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Distribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaDistribuição da População Portuguesa
Distribuição da População Portuguesa
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
9 Problemas Das Cidades
9  Problemas Das Cidades9  Problemas Das Cidades
9 Problemas Das Cidades
 
Turismo em espaço rural
Turismo em espaço ruralTurismo em espaço rural
Turismo em espaço rural
 
Turismo no espaço rural 11-6
Turismo no espaço rural 11-6Turismo no espaço rural 11-6
Turismo no espaço rural 11-6
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
 
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoÁreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
 

Destaque

A população portuguesa
A população portuguesaA população portuguesa
A população portuguesaSílvia Alves
 
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO abarros
 
Censos2011 resultados provisorios
Censos2011 resultados provisoriosCensos2011 resultados provisorios
Censos2011 resultados provisoriosMara Santos
 
Natalidade em Portugal
Natalidade em PortugalNatalidade em Portugal
Natalidade em Portugalm.jardim
 
Análise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAnálise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAna Vale Costa
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dadosclique
 
Taxa de natalidade
Taxa de natalidade Taxa de natalidade
Taxa de natalidade 8acv
 
Taxa bruta natalidade
Taxa bruta natalidadeTaxa bruta natalidade
Taxa bruta natalidadeDiabzie
 
Folder F amília na Escola 2011
Folder F amília na Escola 2011Folder F amília na Escola 2011
Folder F amília na Escola 2011atividadesempic
 
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 a
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 aSeminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 a
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 aatividadesempic
 
Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50atividadesempic
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalInês Espojeira
 
Portugal nos dias de hoje
Portugal nos dias de hojePortugal nos dias de hoje
Portugal nos dias de hojecruchinho
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição populaçãoPocarolas
 

Destaque (20)

A população portuguesa
A população portuguesaA população portuguesa
A população portuguesa
 
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
 
Censos2011 resultados provisorios
Censos2011 resultados provisoriosCensos2011 resultados provisorios
Censos2011 resultados provisorios
 
Natalidade em Portugal
Natalidade em PortugalNatalidade em Portugal
Natalidade em Portugal
 
Análise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de PortugalAnálise Demográfica de Portugal
Análise Demográfica de Portugal
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
 
Taxa de natalidade
Taxa de natalidade Taxa de natalidade
Taxa de natalidade
 
Taxa bruta natalidade
Taxa bruta natalidadeTaxa bruta natalidade
Taxa bruta natalidade
 
Folder F amília na Escola 2011
Folder F amília na Escola 2011Folder F amília na Escola 2011
Folder F amília na Escola 2011
 
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 a
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 aSeminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 a
Seminario mateus nicoli_renata_e_leticia1 a
 
Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em Portugal
 
Micro ondas
Micro ondasMicro ondas
Micro ondas
 
Portugal nos dias de hoje
Portugal nos dias de hojePortugal nos dias de hoje
Portugal nos dias de hoje
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
MigraçõEs
MigraçõEsMigraçõEs
MigraçõEs
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
 
A Poluição
A PoluiçãoA Poluição
A Poluição
 

Semelhante a População Portuguesa: Distribuição, Evolução e Adaptações

Trabalho de grupo tur população portuguesa
Trabalho de grupo tur população portuguesaTrabalho de grupo tur população portuguesa
Trabalho de grupo tur população portuguesaTina Lima
 
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdfExpansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdfVictria62
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaCarlamspc
 
Cidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteCidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteDébora Neves
 
Áreas de Fixação Humana
Áreas de Fixação HumanaÁreas de Fixação Humana
Áreas de Fixação HumanaAERM
 
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2anoCarladeOliveira25
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxGabriellyReis7
 
apontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfapontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfSilvia Couto
 
Urbanizacao final
Urbanizacao finalUrbanizacao final
Urbanizacao finallimananda
 
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptx
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptxApresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptx
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptxMariaFernandes905191
 
Sociedade rural e urbana 2
Sociedade rural e urbana 2Sociedade rural e urbana 2
Sociedade rural e urbana 2nonofrias
 
Revisão 2° fase da u f p e 2010
Revisão 2° fase da  u f p e  2010Revisão 2° fase da  u f p e  2010
Revisão 2° fase da u f p e 2010landipaula
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILAnderson Silva
 
Trabalho Sobre Urbanização
Trabalho Sobre UrbanizaçãoTrabalho Sobre Urbanização
Trabalho Sobre UrbanizaçãoTais Rocha
 

Semelhante a População Portuguesa: Distribuição, Evolução e Adaptações (20)

Trabalho de grupo tur população portuguesa
Trabalho de grupo tur população portuguesaTrabalho de grupo tur população portuguesa
Trabalho de grupo tur população portuguesa
 
Cidades (blog)
Cidades (blog)Cidades (blog)
Cidades (blog)
 
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdfExpansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humana
 
Cidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteCidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambiente
 
Áreas de Fixação Humana
Áreas de Fixação HumanaÁreas de Fixação Humana
Áreas de Fixação Humana
 
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano
2 ANO URBANIZAÇÕ.pptxaulaensinomedio2ano
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
 
urbanizacao (1).pdf
urbanizacao (1).pdfurbanizacao (1).pdf
urbanizacao (1).pdf
 
apontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfapontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdf
 
Urbanizacao final
Urbanizacao finalUrbanizacao final
Urbanizacao final
 
9º ano_Aula nº3
9º ano_Aula nº39º ano_Aula nº3
9º ano_Aula nº3
 
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptx
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptxApresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptx
Apresentação de HGP (1) (1) (3) (1).pptx
 
Sociedade rural e urbana 2
Sociedade rural e urbana 2Sociedade rural e urbana 2
Sociedade rural e urbana 2
 
1 Urbano Rural Cidade
1  Urbano Rural Cidade1  Urbano Rural Cidade
1 Urbano Rural Cidade
 
Turismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da CatiaTurismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da Catia
 
Urbanização silú
Urbanização silúUrbanização silú
Urbanização silú
 
Revisão 2° fase da u f p e 2010
Revisão 2° fase da  u f p e  2010Revisão 2° fase da  u f p e  2010
Revisão 2° fase da u f p e 2010
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Trabalho Sobre Urbanização
Trabalho Sobre UrbanizaçãoTrabalho Sobre Urbanização
Trabalho Sobre Urbanização
 

Mais de Tina Lima

Meios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalhoMeios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalhoTina Lima
 
Mass média manipulação
Mass média manipulaçãoMass média manipulação
Mass média manipulaçãoTina Lima
 
Má arquitetura
Má arquiteturaMá arquitetura
Má arquiteturaTina Lima
 
Formação profissional
Formação profissionalFormação profissional
Formação profissionalTina Lima
 
Expressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregarExpressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregarTina Lima
 
Elementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação textoElementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação textoTina Lima
 
Co incineração na arrábida
Co incineração na arrábidaCo incineração na arrábida
Co incineração na arrábidaTina Lima
 
Portugal um retrato social nós e os outros
Portugal um retrato social   nós e os outrosPortugal um retrato social   nós e os outros
Portugal um retrato social nós e os outrosTina Lima
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaTina Lima
 
Memórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frankMemórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frankTina Lima
 
Lendas síntese
Lendas sínteseLendas síntese
Lendas sínteseTina Lima
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaTina Lima
 
Batalha de estalinegrado
Batalha de estalinegradoBatalha de estalinegrado
Batalha de estalinegradoTina Lima
 
Arte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta respostaArte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta respostaTina Lima
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixTina Lima
 
Castelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolinaCastelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolinaTina Lima
 
Trabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTrabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTina Lima
 
Preferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas fériasPreferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas fériasTina Lima
 

Mais de Tina Lima (20)

Meios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalhoMeios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalho
 
Mass média manipulação
Mass média manipulaçãoMass média manipulação
Mass média manipulação
 
Má arquitetura
Má arquiteturaMá arquitetura
Má arquitetura
 
Formação profissional
Formação profissionalFormação profissional
Formação profissional
 
Expressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregarExpressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregar
 
Elementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação textoElementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação texto
 
Diário
DiárioDiário
Diário
 
Co incineração na arrábida
Co incineração na arrábidaCo incineração na arrábida
Co incineração na arrábida
 
Portugal um retrato social nós e os outros
Portugal um retrato social   nós e os outrosPortugal um retrato social   nós e os outros
Portugal um retrato social nós e os outros
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
Memórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frankMemórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frank
 
Lendas síntese
Lendas sínteseLendas síntese
Lendas síntese
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta resposta
 
Batalha de estalinegrado
Batalha de estalinegradoBatalha de estalinegrado
Batalha de estalinegrado
 
Arte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta respostaArte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta resposta
 
áBaco
áBacoáBaco
áBaco
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xix
 
Castelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolinaCastelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolina
 
Trabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTrabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificado
 
Preferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas fériasPreferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas férias
 

População Portuguesa: Distribuição, Evolução e Adaptações

  • 2. Trabalho de Grupo realizado por • Albertina Lima – N.º 1 • Ana Martins – N.º 3 • Elígia Ribeiro – N.º 8 • Lidia Arsova – N.º 19 Turma TAV – 1º Ano
  • 3. Introdução • Este trabalho tem como objetivo retratar a população portuguesa no geral e as suas transformações ao longo das últimas décadas, referindo as alterações sofridas a nível social e as adaptações ocorridas. • Nele serão focados vários temas, nomeadamente a distribuição geográfica da população, a sua evolução, o fenómeno da litoralização em consequência do abandono das regiões do interior e os novos enquadramentos do espaço rural e urbano, como estratégia para encontrar novas formas de vida e novas imagens para as cidades.
  • 5. Localização • Portugal está situado no Continente Europeu, com uma costa marítima de 1.793 Km e uma superfície total de 92,090 km2 (incluindo Açores e Madeira), divididos por: – Terra - 91,470 km2 – Água - 620 km2 • Em 31 de dezembro de 2011, (resultados censitários), residiam em Portugal: – 10 541 840 Indivíduos, tendo-se registado um crescimento negativo de -0,29% face aos números registados em 2010: • -0,06% - taxa de crescimento natural • -0,23% - taxa de crescimento migratório • Os fatores condicionantes da evolução da população portuguesa em geral, refeletem-se na: – Baixa natalidade – População envelhecida – Emigração
  • 6. Litoralização • É uma realidade, o facto que se assiste há décadas em Portugal, que a distribuição da sua população não é homogénea, havendo assim uma maior concentração de habitantes junto à faixa litoral (onde existe uma maior oferta de emprego, principalmente na área da indústria), em especial nas cidades de Lisboa e Porto, e uma menor concentração no interior do país. • Tal fator fez com que tenhamos assistido nos últimos 30 a 40 anos a uma desertificação do interior do país, ficando este com uma população envelhecida, havendo um decréscimo ou até ausência de natalidade em algumas regiões, que implicou fortes alterações quer ao nível social quer ao nível económico e ainda a nível psicológico (aumento do suicídio).
  • 7. Litoralização • O elevado número de habitantes nos grandes centros (Lisboa e Porto nomeadamente), provoca alguns constrangimentos na vida dos cidadãos. • Exemplos serão vários e podemos referir a dificuldade que é para as pessoas com menores capacidades financeiras, a procura de habitação (dado o valor elevado nas grandes cidades), levando-as a deslocarem-se para a periferia (normalmente bairros problemáticos), o que faz com que a sua vida sofra uma degradação na qualidade da mesma pois aumentam os tempos no trajeto casa-trabalho e vice- versa, aumentam os custos com transportes, aumenta o stress, enfim, acaba por se reflectir no seu rendimento no trabalho, e acaba por afetar inevitavelmente as relações familiares.
  • 8. Litoralização • Outro dos constrangimentos por exemplo, são fatores como a poluição atmosférica e/ou sonora, que apesar da recente legislação que limita o tráfego nas grandes cidades e das alterações promovidas no trânsito por forma a reduzir o elevado número de viaturas a circular na cidade, não têm surtido efeito e por isso continua a afetar a vida de cada um de nós.
  • 9. Litoralização As consequências deste fenómeno • Problemas de cariz social; • Recursos insuficientes; • Empregos insuficientes; • Crescente aumento da pobreza e da marginalidade; • Diminuição da qualidade de vida e dos serviços prestados; • Aumento da poluição e da pressão demográfica; • Aumento do stress.
  • 10. Suburbanização • Porém, o fenómeno da litoralização também leva à fixação da população na periferia das localidades, levando ao processo de suburbanização, que por um lado poderá ser benéfico: – Possibilita o descongestionamento dos grandes centros urbanos; – Possibilita o desenvolvimento/crescimento dos subúrbios, através do aumento do seu poder competitivo. • Contudo, verificam-se também consequências negativas: – Custos Económicos e Sociais; – Desperdício de tempo, fadiga e nervosismo provocado pela deslocação em transporte público ou particular; – O elevado consumo de combustível ou despesa com o transporte; – A frequente rutura das redes de saneamento básico, eletricidade, telefone por falta de planeamento; – A ausência de emprego e equipamentos socioculturais mínimos, promovendo formas de habitação que favorecem a violência e a marginalidade; – A destruição de solos agrícolas férteis que no passado desempenhavam importante papel no abastecimento de produtos frescos à população citadina.
  • 11. Espaço Rural • Com este factor de migração, assistimos ao abandono das explorações agrícolas que eram o pilar da estrutura económica e do tecido social das regiões e passou-se a ter uma agricultura de subsistência. • Os jovens agricultores que existem nas regiões do interior, tiveram que se adaptar também eles às novas tecnologias e fruto da modernidade e das contingências atuais, optaram por se dedicar na sua grande maioria à agricultura dos novos tempos, a chamada agricultura
  • 12. Espaço Rural • Os problemas das zonas rurais, devido ao êxodo rural são, entre outros: – Desertificação de aldeias; – Envelhecimento da população; – Decréscimo da natalidade; – Perda de costumes e práticas locais; – Uma agricultura não competitiva. • Impactos económicos: – Diminuição na arrecadação de impostos; – Diminuição do Turismo; – O desaproveitamento das potencialidades dos territórios (recursos naturais, aptidão para a agricultura e agro-indústria, etc.).
  • 13. Espaço Rural • O abandono das regiões do interior, deve-se aos seguintes fatores: – Reduzidas oportunidades de emprego; – Fracas condições nos serviços sociais; – Redução da oferta de serviços e respetiva degradação da qualidade dos mesmos. • Face a estes problemas, o turismo no espaço rural (Turismo de Habitação, Turismo Rural e Agroturismo – três géneros de alojamento de turismo em espaço rural), tornou-se uma atividade com potencial para o desenvolvimento de algumas localidades, nomeadamente daquelas que possuem recursos de elevada qualidade natural e cultural. • Existem três elementos essenciais no espaço rural, gerados e defendidos pela população local: 1. O ambiente 2. A cultura local 3. O património
  • 14. Espaço Urbano • Por outro lado, surge também a necessidade de se proceder à valorização do espaço urbano, também como apelo ao turismo, requalificando-se espaços, nascendo uma nova filosofia de planeamento das cidades, assente no conceito de “Projeto Urbano”, o qual se baseia nas seguintes noções: – Planeamento estratégico; – Cidade sustentável; – Espaço público; – Qualidade de vida; – Cultura urbana.
  • 15. Espaço Urbano • Nalgumas cidades portuguesas, o espaço urbano está a ser modificado com o objetivo de criar condições de apelo ao Turismo Urbano, através das seguintes ações: – Redefinir estratégias de recuperação dos centros urbanos (habitação degradada e comércio); – Preservação do património histórico e cultural; – Animação cultural dos centros históricos; – Criação de ruas pedonais e ciclovias; – Requalificação das zonas ribeirinhas (ex: frentes de água com esplanadas); – Criação de novas infra-estruturas (ex: teleféricos, itinerários turísticos em transportes públicos, etc.)
  • 16. Conclusão • Após a realização deste trabalho, podemos concluir que Portugal, ao longo das últimas décadas, sofre vários fenómenos demográficos. • É visível a existência duma adaptação a costumes e modos de vida diferentes por parte das populações, nomeadamente das que se deslocaram do interior para o litoral. • Face a estes fenómenos, tanto as zonas rurais como zonas as urbanas vêem-se “obrigadas” a adotar novas estratégias, apostando nomeadamente no Turismo.
  • 17. Bibliografia/Infografia • www.ine.pt • http://pt.scribd.com/doc/8508983/A-Distribuicao-Da-Populacao-Em-Portugal • http://www.marktest.com/wap/a/n/id~390.aspx • http://regioes.blogspot.pt/2010/10/o-fenomeno-da-litoralizacao-e-o.html • http://turmagestoambiente.blogspot.pt/2008/05/os-problemas-da- suburbanizao_11.html • http://isabe.ionline.pt/conteudo/2224-condicoes-vida-dos-portugueses-vao- continuar-piorar • https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/19939/1/As%20Din%C3%A2micas%2 0do%20Mundo%20Rural%20no%20Virar%20do%20S%C3%A9culo%20- %20O%20Concelho%20do%20Sabugal.pdf • http://www.cpci.pt/wp-content/uploads/2011/10/Carlos_Cardoso.pdf