A VISIBILIDADE NO GOOGLE SCHOLAR DOS REPOSITÓRIOS DIGITAIS DE ACESSO ABERTO BRASILEIROS E PORTUGUESES 
Michelli Costa 
Uni...
Introdução 
BOAI (2002) 
•Propõem como estratégico o depósito, pelos próprios acadêmicos, dos artigos publicados por revis...
Introdução 
Estudo de Arlitsch e O’Brien (2012) 
•Pesquisa sobre a visibilidade dos repositórios dos Estados Unidos da Amé...
Introdução 
Orduña-Malea e López-Cózar (2014) 
•Destacam a importância dos repositórios para o acesso aberto e citam o tra...
Problema da pesquisa 
Qual a taxa de visibilidade no Google Scholar dos repositórios brasileiros e portugueses listados pe...
Metodologia 
1º Passo 
•Seleção do universo de análise, que utilizou como fonte de informação o Ranking Web of Repositorie...
Metodologia 
2º Passo 
•Levantamento da quantidade total de documentos disponíveis em cada repositório. 
•As informações f...
Metodologia 
3º Passo 
•Identificação da quantidade total dos documentos nos repositórios recuperados pelo Google Scholar....
Metodologia 
4º Passo 
•Cálculo da taxa de visibilidade (TI) no Google Scholar dos repositórios selecionados. 
9 
Michelli...
Metodologia 
5º Passo 
•Elaboração dos rankings sobre os três aspectos analisados. 
•O conjunto destes resultados permitiu...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
Ranking Web of Repositories 
•Levantamentos nos dois principais diretório...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Na lista dos repositórios brasileiros foram apresentados 45 sistemas, ma...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Os repositórios foram brevemente caracterizados segundo a natureza dos s...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Caracterização dos repositórios brasileiros segundo a natureza dos docum...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Caracterização dos repositórios portugueses segundo a natureza dos docum...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Caracterização dos repositórios brasileiros segundo o software utilizado...
Repositórios digitais brasileiros e portugueses 
•Caracterização dos repositórios portugueses segundo o software utilizado...
Indexação dos repositórios brasileiros e portugueses 
18 
Michelli Costa
Quantidade de documentos disponíveis nos repositórios 
Brasil 
19 
Total: 
603.694 documentos 
17% 
11% 
9% 
9% 
8% 
46% 
...
Quantidade de documentos disponíveis nos repositórios 
Portugal 
20 
Total: 
212.422 documentos 
16% 
13% 
8% 
6% 
6% 
51%...
Quantidade de documentos recuperados pelo Google Scholar 
Brasil 
21 
27% 
16% 
15% 
11% 
8% 
23% 
Repositório Digital Uni...
Quantidade de documentos recuperados pelo Google Scholar 
Portugal 
22 
Total: 
144.281 documentos 
20% 
14% 
7% 
7% 
6% 
...
Taxa de indexação dos repositórios no Google Scholar 
23 
Michelli Costa
Taxa de indexação dos repositórios no Google Scholar 
24 
Michelli Costa
Discussão e considerações finais 
•Confirmaram do problema apontado por Arlitsch e O’Brien (2012) e por Orduña-Malea e Lóp...
Discussão e considerações finais 
Outros fatores 
•Problemas de configuração do sistema - Arlitsch e O’Brien (2012). 
•Uso...
Discussão e considerações finais 
Taxa de indexação foi superior a 100% 
•Hipóteses sobre este problema: 
1.Exclusão de do...
Discussão e considerações finais 
Tendência de 5 x 50 
•Tendência de distribuição dos documentos por países. 
•Os cinco re...
Discussão e considerações finais 
•Os resultados desse estudo demonstraram que a maioria dos repositórios brasileiros e po...
Referências 
AGUILLO, I. F., ORTEGA, J. L., FERNÁNDEZ, M., & UTRILLA, A. M. (2010) - Indicators for a webometric ranking o...
Obrigada! 
31 
Michelli Costa 
Universidade de Brasília 
michellicosta11@gmail.com 
Michelli Costa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A visibilidade no Google Scholar dos repositórios digitais de Acesso Aberto brasileiros e portugueses

620 visualizações

Publicada em

A visibilidade no Google Scholar dos repositórios digitais de Acesso Aberto brasileiros e portugueses - Michelli Costa

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
620
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
102
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A visibilidade no Google Scholar dos repositórios digitais de Acesso Aberto brasileiros e portugueses

  1. 1. A VISIBILIDADE NO GOOGLE SCHOLAR DOS REPOSITÓRIOS DIGITAIS DE ACESSO ABERTO BRASILEIROS E PORTUGUESES Michelli Costa Universidade de Brasília michellicosta11@gmail.com
  2. 2. Introdução BOAI (2002) •Propõem como estratégico o depósito, pelos próprios acadêmicos, dos artigos publicados por revistas arbitradas, em arquivos abertos e eletrônicos, que mais tarde foram nomeados de repositório digitais. •Orienta para que os repositórios estejam em conformidade com as recomendações Open Archives Initiative (OAI), de modo que possam ter seu conteúdo localizado por motores de busca na Internet. 2 Michelli Costa
  3. 3. Introdução Estudo de Arlitsch e O’Brien (2012) •Pesquisa sobre a visibilidade dos repositórios dos Estados Unidos da América •Identificou que eles possuíam baixas taxas de indexação no Google Scholar. 3 Michelli Costa
  4. 4. Introdução Orduña-Malea e López-Cózar (2014) •Destacam a importância dos repositórios para o acesso aberto e citam o trabalho de Archambault no qual constatou que 75% dos artigos disponíveis em acesso aberto na Internet estão nessa condição por meio dos repositórios e não pelas próprias revistas. •Realizaram um estudo para determinar a visibilidade e o impacto no Google e no Google Scholar dos repositórios institucionais da América Latina listados no Ranking Web of Repositories. •Como um dos resultados, identificaram uma baixa quantidade de arquivos PDF coletados pelo Google Scholar. 4 Michelli Costa
  5. 5. Problema da pesquisa Qual a taxa de visibilidade no Google Scholar dos repositórios brasileiros e portugueses listados pelo Ranking Web of Repositories? 5 Michelli Costa
  6. 6. Metodologia 1º Passo •Seleção do universo de análise, que utilizou como fonte de informação o Ranking Web of Repositories. •O Ranking Web of Repositories é o instrumento de avaliação de impacto na web com maior alcance para o contexto dos repositórios (López-Cózar e Robinson-Garcia, 2012). •Além do impacto o Ranking também avalia a indexação de documentos por motores de busca e a quantidade de links externos (Aguillo et al, 2010). 6 Michelli Costa
  7. 7. Metodologia 2º Passo •Levantamento da quantidade total de documentos disponíveis em cada repositório. •As informações foram identificadas nos índices de “Títulos” disponíveis nos sistemas, quando aplicável. •Nos sistemas que não dispunham desta funcionalidade foram pesquisadas as estatísticas sobre a quantidade de documentos informada pelos próprios sistemas. 7 Michelli Costa
  8. 8. Metodologia 3º Passo •Identificação da quantidade total dos documentos nos repositórios recuperados pelo Google Scholar. •Busca simples no Google Scholar. [site:urldorepositório] 8 Michelli Costa
  9. 9. Metodologia 4º Passo •Cálculo da taxa de visibilidade (TI) no Google Scholar dos repositórios selecionados. 9 Michelli Costa
  10. 10. Metodologia 5º Passo •Elaboração dos rankings sobre os três aspectos analisados. •O conjunto destes resultados permitiu uma análise descritiva e estatística dos resultados. 10 Michelli Costa
  11. 11. Repositórios digitais brasileiros e portugueses Ranking Web of Repositories •Levantamentos nos dois principais diretórios internacionais de repositórios: OpenDOAR e Registry for Open Access Repositories (ROAR). •Exclusão dos repositórios sem conteúdo acadêmico, portais de periódicos e repositórios que não possuem domínio ou subdomínios próprios. •Uso de indicadores gerados a partir de motores de busca para sua avaliação •Tamanho – número de páginas recuperadas no Google; •Visibilidade – número de links externos recebidos; •Arquivos ricos – quantidade de arquivos nos formatos .pdf, .doc, .docx, .ppt, .pptx, .ps, .eps recuperados no Google; •Google Scholar – número de artigos publicados entre 2007 e 2011. 11 Michelli Costa
  12. 12. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Na lista dos repositórios brasileiros foram apresentados 45 sistemas, mas três foram excluídos da análise. •Na lista portuguesa identificou-se 41 repositórios e foram excluídos quatro. 12 Michelli Costa
  13. 13. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Os repositórios foram brevemente caracterizados segundo a natureza dos seus documentos e o software utilizado. Natureza dos documentos •Três categorias de classificação: •“repositório institucional” - sistemas que apresentavam exclusivamente a produção científica de sua instituição; •“repositório digital” - sistemas que armazenavam, além da produção científica, documentação administrativas e de outras naturezas não-acadêmicas; •“repositório de teses e dissertações” - sistemas que se limitavam ao tratamento deste tipo de documento. 13 Michelli Costa
  14. 14. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Caracterização dos repositórios brasileiros segundo a natureza dos documentos. 14 53% 33% 14% repositório institucional (22) repositório digital (14) repositório de teses e dissertações (6) Total: 42 repositórios Michelli Costa
  15. 15. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Caracterização dos repositórios portugueses segundo a natureza dos documentos. 15 89% 11% repositório institucional (33) repositório digital (4) Total: 37 repositórios Michelli Costa
  16. 16. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Caracterização dos repositórios brasileiros segundo o software utilizado. 16 Total: 42 repositórios 76% 7% 12% 5% DSpace (32) TEDE (3) Nou-Raw (5) Outro (2) Michelli Costa
  17. 17. Repositórios digitais brasileiros e portugueses •Caracterização dos repositórios portugueses segundo o software utilizado. 17 Total: 42 repositórios 97% 3% DSpace (36) Digitool (1) Michelli Costa
  18. 18. Indexação dos repositórios brasileiros e portugueses 18 Michelli Costa
  19. 19. Quantidade de documentos disponíveis nos repositórios Brasil 19 Total: 603.694 documentos 17% 11% 9% 9% 8% 46% Repositório Digital Universidade Federal do Rio Grande do Sul LUME (99.632) Repositório Institucional UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (69.382) Biblioteca Digital da UNICAMP Universidade de Campinas (56.257) Alice Repository Open Access to Scientific Information Embrapa (51.981) Repositório Institucional Universidade Federal de Santa Catarina (50.340) Outros repositórios (276.102) Michelli Costa
  20. 20. Quantidade de documentos disponíveis nos repositórios Portugal 20 Total: 212.422 documentos 16% 13% 8% 6% 6% 51% Repositório Aberto Universidade do Porto (33.504) Universidade do Minho Repositorium (28.201) Estudo Geral Repositório Digital da Universidade de Coimbra (16.915) Repositório Institucional Universidade Católica Portuguesa Veritati (12.372) Repositorio Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (12.177) Outros repositórios (109.253) Michelli Costa
  21. 21. Quantidade de documentos recuperados pelo Google Scholar Brasil 21 27% 16% 15% 11% 8% 23% Repositório Digital Universidade Federal do Rio Grande do Sul LUME (75.600) Universidade de São Paulo Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (44.000) Repositório Institucional Universidade Federal de Santa Catarina (43.600) Alice Repository Open Access to Scientific Information Embrapa (30.100) Biblioteca Digital da UNICAMP Universidade de Campinas (22.500) Outros repositórios (66.429) Total: 282.229 documentos Michelli Costa
  22. 22. Quantidade de documentos recuperados pelo Google Scholar Portugal 22 Total: 144.281 documentos 20% 14% 7% 7% 6% 46% Repositório Aberto Universidade do Porto (28.100) Universidade do Minho Repositorium (20.400) Repositório Institucional Universidade Católica Portuguesa Veritati (10.200) Repositório Institucional da Universidade de Aveiro RIA (9.390) Repositório Universidade de Lisboa (9.190) Outros repositórios (67.001) Michelli Costa
  23. 23. Taxa de indexação dos repositórios no Google Scholar 23 Michelli Costa
  24. 24. Taxa de indexação dos repositórios no Google Scholar 24 Michelli Costa
  25. 25. Discussão e considerações finais •Confirmaram do problema apontado por Arlitsch e O’Brien (2012) e por Orduña-Malea e López-Cózar (2014). •A maioria dos repositórios brasileiros e portugueses obtiveram taxa de indexação superior a 50%. •Portugal teve, relativamente, mais repositórios (21%) com nota superior a 50% de taxa de indexação. •Em Portugal, 90% dos repositórios tratavam exclusivamente da produção científica de suas instituições, enquanto que no Brasil esta proporção é de apenas 65%. 25 Michelli Costa
  26. 26. Discussão e considerações finais Outros fatores •Problemas de configuração do sistema - Arlitsch e O’Brien (2012). •Uso do padrão do metadado Dublin Core por pelo menos 86% dos repositórios – repositórios que utilizam o software DSpace. •Resultados contraditórios apresentados pelos próprios buscadores - Orduña-Malea e López-Cózar (2014). 26 Michelli Costa
  27. 27. Discussão e considerações finais Taxa de indexação foi superior a 100% •Hipóteses sobre este problema: 1.Exclusão de documentos do repositório, que pode se manter na base, dependendo do método utilizado; 2.Período necessário para o Google Scholar atualizar sua própria base com a situação real dos repositórios. 3.Buscador indexa não só os documentos depositados, mas qualquer página do repositório, conforme apontado por Ordunã-Malea e López-Cózar. •A questão extrapola a discussão proposta por este estudo e por isso não foi explorada. 27 Michelli Costa
  28. 28. Discussão e considerações finais Tendência de 5 x 50 •Tendência de distribuição dos documentos por países. •Os cinco repositórios com as maiores quantidades reúnem 50% do total de documentos. •Tanto em Brasil quanto em Portugal. •A tendência foi observada nos dois aspectos observados: •Quantidade total de documentos no repositório; •Quantidade de documentos recuperados pelo Google Scholar. 28 Michelli Costa
  29. 29. Discussão e considerações finais •Os resultados desse estudo demonstraram que a maioria dos repositórios brasileiros e portugueses apresenta boa taxa de indexação no Google Scholar. •Alguns dos repositórios mais expressivos em quantidade de documentos podem aumentar consideravelmente a quantidade de documentos indexados pelo Google Scholar, ampliando ainda mais sua visibilidade na Internet. •“Repositório Digital Universidade Federal do Rio Grande do Sul LUME”; •“Repositório Aberto Universidade do Porto”. 29 Michelli Costa
  30. 30. Referências AGUILLO, I. F., ORTEGA, J. L., FERNÁNDEZ, M., & UTRILLA, A. M. (2010) - Indicators for a webometric ranking of open access repositories. Scientometrics, Vol 82, Nº 3. [Consult. 1 Set. 2014]. Disponível na Internet: doi:10.1007/s11192-010-0183-y. ARLITSCH, K.; O’BRIEN, P. (2012) - Invisible institutional repositories: addressing the low indexing ratios of IRs in Google. Library Hi Tech, Vol 30, Nº 1, p. 60-81. BOAI (2002) - Budapest Open Access Initiative. Budapeste. [Consult. 1 Set. 2014]. Disponível na Internet: http://www.opensocietyfoundations.org/openaccess/read LÓPEZ-CÓZAR, E. D, & ROBINSON-GARCÍA, N. (2012) - Repositories in google scholar metrics or what is this document type doing in a place as such? Cybermetrics, Vol 16, Nº 1. [Consult. 1 Set. 2014]. Disponível na Internet: http://hdl.handle.net/10481/22019. ORDUÑA-MALEA, E., & LÓPEZ-CÓZAR, E. D. (2014) - The dark side of open access in Google and Google Scholar: the case of Latin-American repositories. Scientometrics, Vol 1, Nº 18. [Consult. 1 Jul. 2014]. Disponível na Internet: doi:10.1007/s11192-014-1369-5. RUSSEL, I. (2011) - La visibilidad de los recursos académicos. Una revisión crítica del papel de los repositorios institucionales y el acceso abierto. Investigación Bibliotecológica, Vol 25, Nº 53. [Consult. 1 Jul. 2014]. Disponível na Internet: http://www.scielo.org.mx/pdf/ib/v25n53/v25n53a7.pdf 30 Michelli Costa
  31. 31. Obrigada! 31 Michelli Costa Universidade de Brasília michellicosta11@gmail.com Michelli Costa

×