SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
DANIEL DUNGLAS HOME (CURRIE, 20 DE MARÇO DE
      1833 — 21 DE JUNHO DE 1886) FOI UM
   ESPIRITUALISTA ESCOCÊS, FAMOSO POR SEUS
PODERES COMO MÉDIUM E POR SUA HABILIDADE DE
    LEVITAR ATÉ VÁRIAS ALTURAS, ESTICAR-SE E
  MANIPULAR FOGO E CARVÕES EM BRASA SEM SE
 MACHUCAR. ELE CONDUZIU CENTENAS DE SESSÕES
  DURANTE UM PERÍODO DE 35 ANOS — ÀS QUAIS
 COMPARECERAM MUITOS DOS MAIS CONHECIDOS
           NOMES DA ERA VITORIANA.
SUA FAMA CRESCEU, IMPULSIONADA
 PARTICULARMENTE PELOS SEUS EXTRAORDINÁRIOS
 FEITOS DE LEVITAÇÃO. WILLIAM CROOKES ALEGOU
  SABER DE MAIS DE 50 OCASIÕES NAS QUAIS HOME
TINHA LEVITADO, MUITAS DAS QUAIS A UMA ALTURA
DE UM METRO E MEIO A DOIS METROS DO SOLO E "A
  PLENA LUZ DO DIA" (DOYLE 1926: VOLUME 1, 195-
   197)[7]. TALVEZ OS FEITOS MAIS COMUNS FOSSEM
    COMO ESSE, RELATADO POR FRANK PODMORE:
   "TODOS O VIMOS ELEVAR-SE DO CHÃO ATÉ UMA
   ALTURA DE UM METRO E OITENTA, FICAR LÁ POR
     CERCA DE DEZ SEGUNDOS E, DEPOIS, DESCER
     VAGAROSAMENTE" (PODMORE 1902, P. 254).
                     VISTO ISSO…"
NOS ANOS SEGUINTES ELE VIAJOU PELA EUROPA
       CONTINENTAL, SEMPRE COMO CONVIDADO DE
 PATROCINADORES RICOS. EM PARIS ELE FOI CONVOCADO ÀS
     TULHERIAS PARA DESEMPENHAR UMA SESSÃO PARA
 NAPOLEÃO III. ELE DESEMPENHOU PARA A RAINHA SOFIA DA
  HOLANDA QUE ESCREVEU SOBRE A EXPERIÊNCIA: "EU O VI
  QUATRO VEZES … EU SENTI UMA MÃO TOCANDO A PONTA
DOS MEUS DEDOS, VI UM SINO DOURADO PESADO MOVENDO-
  SE SOZINHO DE UMA PESSOA PARA OUTRA, VI MEU LENÇO
MOVER-SE SOZINHO E RETORNAR PARA MIM COM UM LAÇO…
   ELE MESMO É UM JOVEM PÁLIDO, DOENTIO E BASTANTE
BONITO MAS SEM UMA APARÊNCIA OU QUALQUER COISA QUE
    PUDESSE QUER FASCINAR QUER ASSUSTAR ALGUÉM. É
MARAVILHOSO. EU ME SINTO TÃO FELIZ DE TER VISTO ISSO…"
NOS ANOS SEGUINTES ELE VIAJOU PELA EUROPA
       CONTINENTAL, SEMPRE COMO CONVIDADO DE
 PATROCINADORES RICOS. EM PARIS ELE FOI CONVOCADO ÀS
     TULHERIAS PARA DESEMPENHAR UMA SESSÃO PARA
 NAPOLEÃO III. ELE DESEMPENHOU PARA A RAINHA SOFIA DA
  HOLANDA QUE ESCREVEU SOBRE A EXPERIÊNCIA: "EU O VI
  QUATRO VEZES … EU SENTI UMA MÃO TOCANDO A PONTA
DOS MEUS DEDOS, VI UM SINO DOURADO PESADO MOVENDO-
  SE SOZINHO DE UMA PESSOA PARA OUTRA, VI MEU LENÇO
MOVER-SE SOZINHO E RETORNAR PARA MIM COM UM LAÇO…
   ELE MESMO É UM JOVEM PÁLIDO, DOENTIO E BASTANTE
BONITO MAS SEM UMA APARÊNCIA OU QUALQUER COISA QUE
    PUDESSE QUER FASCINAR QUER ASSUSTAR ALGUÉM. É
MARAVILHOSO. EU ME SINTO TÃO FELIZ DE TER VISTO ISSO…"

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRitaAntecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRitaPower Point
 
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma BadanA mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma BadanWilma Badan C.G.
 
O espiritismo, o que é, e de onde vem.
O espiritismo, o que é, e de onde vem.O espiritismo, o que é, e de onde vem.
O espiritismo, o que é, e de onde vem.Jose Moraes
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardeccontatodoutrina2013
 
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)Claudia Ruzicki Kremer
 
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina EspiritaO Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espiritacontatodoutrina2013
 
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoCeiClarencio
 
Aula - O Sonho de Cipião
Aula - O Sonho de CipiãoAula - O Sonho de Cipião
Aula - O Sonho de CipiãoBrian Kibuuka
 
Precursores da doutrina espírita no brasil
Precursores da doutrina espírita no brasilPrecursores da doutrina espírita no brasil
Precursores da doutrina espírita no brasilcontatodoutrina2013
 
Revista espírita 1863
Revista espírita   1863Revista espírita   1863
Revista espírita 1863anaccc2013
 
Auto de fé de barcelona
Auto de fé de barcelonaAuto de fé de barcelona
Auto de fé de barcelonaHelio Cruz
 
Conversas familiares descrição de Júpiter
Conversas familiares descrição de JúpiterConversas familiares descrição de Júpiter
Conversas familiares descrição de JúpiterGraça Maciel
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOSergio Menezes
 
A doutrina de Sócrates - Wilma Badan
A doutrina de Sócrates - Wilma BadanA doutrina de Sócrates - Wilma Badan
A doutrina de Sócrates - Wilma BadanWilma Badan C.G.
 

Mais procurados (20)

Antecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRitaAntecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRita
 
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma BadanA mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
 
O espiritismo, o que é, e de onde vem.
O espiritismo, o que é, e de onde vem.O espiritismo, o que é, e de onde vem.
O espiritismo, o que é, e de onde vem.
 
AUTO-DE-FÉ DE BARCELONA
AUTO-DE-FÉ DE BARCELONAAUTO-DE-FÉ DE BARCELONA
AUTO-DE-FÉ DE BARCELONA
 
18 abril 1857
18 abril 185718 abril 1857
18 abril 1857
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
 
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
 
Mesas Girantes
Mesas GirantesMesas Girantes
Mesas Girantes
 
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina EspiritaO Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
 
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
 
Aula - O Sonho de Cipião
Aula - O Sonho de CipiãoAula - O Sonho de Cipião
Aula - O Sonho de Cipião
 
Precursores da doutrina espírita no brasil
Precursores da doutrina espírita no brasilPrecursores da doutrina espírita no brasil
Precursores da doutrina espírita no brasil
 
ESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIROESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIRO
 
Abril
AbrilAbril
Abril
 
Revista espírita 1863
Revista espírita   1863Revista espírita   1863
Revista espírita 1863
 
Auto de fé de barcelona
Auto de fé de barcelonaAuto de fé de barcelona
Auto de fé de barcelona
 
Conversas familiares descrição de Júpiter
Conversas familiares descrição de JúpiterConversas familiares descrição de Júpiter
Conversas familiares descrição de Júpiter
 
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma BadanO Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
 
A doutrina de Sócrates - Wilma Badan
A doutrina de Sócrates - Wilma BadanA doutrina de Sócrates - Wilma Badan
A doutrina de Sócrates - Wilma Badan
 

Semelhante a Daniel home

Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.pptAndrPlez1
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptsolsioli
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxGANHADODINHEIRO
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptMnicaOliveira567571
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptaldair55
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptEdilmaBrando1
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptWandersonBarros16
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)espanhol1979a
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014Umberto Neves
 
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anos
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anosOs Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anos
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anosADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxDAYNARASANTOS3
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilBruna Wagner
 
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECAS
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECASCIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECAS
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECASDiego Bian Filo Moreira
 
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Paula Prata
 

Semelhante a Daniel home (20)

ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Caderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de OrdensCaderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de Ordens
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
Foto Clipe Final
Foto Clipe FinalFoto Clipe Final
Foto Clipe Final
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
 
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
 
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anos
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anosOs Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anos
Os Párias da Vida - Párias em Redenção - 50 anos
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
Slide - Monarquia.pdf
Slide - Monarquia.pdfSlide - Monarquia.pdf
Slide - Monarquia.pdf
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECAS
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECASCIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECAS
CIVILIZAÇÕES AMERICANAS -INCAS, MAIAS E ASTECAS
 
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
 

Mais de Bruno Caldas

Comentarios e discussões
Comentarios e discussõesComentarios e discussões
Comentarios e discussõesBruno Caldas
 
Recordações da mediunidade
Recordações da mediunidadeRecordações da mediunidade
Recordações da mediunidadeBruno Caldas
 
Recordações introd.
Recordações   introd.Recordações   introd.
Recordações introd.Bruno Caldas
 
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃO
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃONECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃO
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃOBruno Caldas
 
Theodor e katia é obsessão
Theodor e katia é obsessãoTheodor e katia é obsessão
Theodor e katia é obsessãoBruno Caldas
 
Powerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne PereiraPowerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne PereiraBruno Caldas
 
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoGrupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoBruno Caldas
 

Mais de Bruno Caldas (7)

Comentarios e discussões
Comentarios e discussõesComentarios e discussões
Comentarios e discussões
 
Recordações da mediunidade
Recordações da mediunidadeRecordações da mediunidade
Recordações da mediunidade
 
Recordações introd.
Recordações   introd.Recordações   introd.
Recordações introd.
 
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃO
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃONECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃO
NECESSIDADE DE SUBLIMAÇÃO
 
Theodor e katia é obsessão
Theodor e katia é obsessãoTheodor e katia é obsessão
Theodor e katia é obsessão
 
Powerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne PereiraPowerpoint obras Yvonne Pereira
Powerpoint obras Yvonne Pereira
 
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoGrupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfnestorsouza36
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 

Último (8)

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 

Daniel home

  • 1. DANIEL DUNGLAS HOME (CURRIE, 20 DE MARÇO DE 1833 — 21 DE JUNHO DE 1886) FOI UM ESPIRITUALISTA ESCOCÊS, FAMOSO POR SEUS PODERES COMO MÉDIUM E POR SUA HABILIDADE DE LEVITAR ATÉ VÁRIAS ALTURAS, ESTICAR-SE E MANIPULAR FOGO E CARVÕES EM BRASA SEM SE MACHUCAR. ELE CONDUZIU CENTENAS DE SESSÕES DURANTE UM PERÍODO DE 35 ANOS — ÀS QUAIS COMPARECERAM MUITOS DOS MAIS CONHECIDOS NOMES DA ERA VITORIANA.
  • 2.
  • 3.
  • 4. SUA FAMA CRESCEU, IMPULSIONADA PARTICULARMENTE PELOS SEUS EXTRAORDINÁRIOS FEITOS DE LEVITAÇÃO. WILLIAM CROOKES ALEGOU SABER DE MAIS DE 50 OCASIÕES NAS QUAIS HOME TINHA LEVITADO, MUITAS DAS QUAIS A UMA ALTURA DE UM METRO E MEIO A DOIS METROS DO SOLO E "A PLENA LUZ DO DIA" (DOYLE 1926: VOLUME 1, 195- 197)[7]. TALVEZ OS FEITOS MAIS COMUNS FOSSEM COMO ESSE, RELATADO POR FRANK PODMORE: "TODOS O VIMOS ELEVAR-SE DO CHÃO ATÉ UMA ALTURA DE UM METRO E OITENTA, FICAR LÁ POR CERCA DE DEZ SEGUNDOS E, DEPOIS, DESCER VAGAROSAMENTE" (PODMORE 1902, P. 254). VISTO ISSO…"
  • 5. NOS ANOS SEGUINTES ELE VIAJOU PELA EUROPA CONTINENTAL, SEMPRE COMO CONVIDADO DE PATROCINADORES RICOS. EM PARIS ELE FOI CONVOCADO ÀS TULHERIAS PARA DESEMPENHAR UMA SESSÃO PARA NAPOLEÃO III. ELE DESEMPENHOU PARA A RAINHA SOFIA DA HOLANDA QUE ESCREVEU SOBRE A EXPERIÊNCIA: "EU O VI QUATRO VEZES … EU SENTI UMA MÃO TOCANDO A PONTA DOS MEUS DEDOS, VI UM SINO DOURADO PESADO MOVENDO- SE SOZINHO DE UMA PESSOA PARA OUTRA, VI MEU LENÇO MOVER-SE SOZINHO E RETORNAR PARA MIM COM UM LAÇO… ELE MESMO É UM JOVEM PÁLIDO, DOENTIO E BASTANTE BONITO MAS SEM UMA APARÊNCIA OU QUALQUER COISA QUE PUDESSE QUER FASCINAR QUER ASSUSTAR ALGUÉM. É MARAVILHOSO. EU ME SINTO TÃO FELIZ DE TER VISTO ISSO…"
  • 6. NOS ANOS SEGUINTES ELE VIAJOU PELA EUROPA CONTINENTAL, SEMPRE COMO CONVIDADO DE PATROCINADORES RICOS. EM PARIS ELE FOI CONVOCADO ÀS TULHERIAS PARA DESEMPENHAR UMA SESSÃO PARA NAPOLEÃO III. ELE DESEMPENHOU PARA A RAINHA SOFIA DA HOLANDA QUE ESCREVEU SOBRE A EXPERIÊNCIA: "EU O VI QUATRO VEZES … EU SENTI UMA MÃO TOCANDO A PONTA DOS MEUS DEDOS, VI UM SINO DOURADO PESADO MOVENDO- SE SOZINHO DE UMA PESSOA PARA OUTRA, VI MEU LENÇO MOVER-SE SOZINHO E RETORNAR PARA MIM COM UM LAÇO… ELE MESMO É UM JOVEM PÁLIDO, DOENTIO E BASTANTE BONITO MAS SEM UMA APARÊNCIA OU QUALQUER COISA QUE PUDESSE QUER FASCINAR QUER ASSUSTAR ALGUÉM. É MARAVILHOSO. EU ME SINTO TÃO FELIZ DE TER VISTO ISSO…"