SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Arcadismo / Neoclassicismo /
Ilustração
Prof. André Plez
O termo Arcádia
Antiga região da Grécia habitada por pastores e
poetas.
* parte central do Peloponeso – relevo
montanhoso, paraíso rústico.
A Arcádia
Simboliza um lugar ideal para se viver.
A condição dos pastores:
•Conservantismo;
•Profissão milenar;
•Elementos do seu universo;
•Geografia;
•Ciúme amoroso.
Arcadismo e Mimese
A clareza da poesia pastoril e bucólica como
reação à complexidade obscura da poesia
barroca.
mas... como era o Século XVIII, quando surgiu
esse tipo de poesia arcaica e conservadora?
Século XVIII
Pensadores fizeram da razão o fio condutor da
vida humana – irradiar a luz do conhecimento!
(Montesquieu, Voltaire e Rousseau)
Período Progressista - novo Humanismo,
regido pela filosofia e pela ciência
Expandiu o Renascimento, impedido pela
Contra-Reforma
Século das
LUZES
Século XVIII
Século das LUZES!
*Iluminismo; *Fundação das Arcádias;
*Liberalismo; *Independência dos EUA;
*Enciclopedismo; *Conjuração Mineira;
*Revolução Industrial; *Mimese;
*Revolução Francesa; *Marquês de Pombal.
Revolução Francesa
• Cai todo Antigo Regime e o grupo de famílias
que dominavam as monarquias desde o
Renascimento.
• Queda da Nobreza!
A Burguesia
• Intensificação das atividades comerciais;
• Inventos modernos: tear mecânico,
máquina a vapor, meios de transporte
(estradas de ferro) – surgiram grandes
fábricas, o que levou à criação de
grandes Bancos e companhias de seguro.
Urbanização e as Arcádias
• Despertou nos poetas uma nostalgia pela vida
campestre – pastoralismo.
Jardins da Arcádia
Harmonia, simplicidade, clareza, concisão,
equilíbrio e presença da mitologia.
Clichês
inutilia truncat – cortar o supérfluo (o inútil)
fugere urbem – fuga da cidade (evitar o mundo urbano)
aurea mediocritas – equilíbrio (meio-termo) de ouro
locus amoenus – lugar prazeroso, sossegado
mimesis – imitação dos clássicos
Na idade que eu, brincando entre os pastores,
Andava pela mão e mal andava,
Uma ninfa comigo então brincava,
Da mesma idade e bela como as flores.
Eu, como vê-la, sentia mil ardores,
Ela punha-se a olhar e não falava;
Qualquer de nós podia ver que amava,
Mas quem sabia então que eram amores?
Mudar de sítio à ninfa já convinha,
Foi-se a outra ribeira; e eu naquela
Fiquei sentindo a dor que n’alma tinha.
Eu cada vez mais firme, ela mais bela;
Não se lembra ela já de que foi minha,
Eu ainda me lembro que sou dela!... (Basílio da Gama – Soneto XVIII)
Egotismo
• Tema do indivíduo solitário;
• Inquietudes do eu;
• Marcado pela presença da noite, da lua, de
corujas, cemitérios e outros ambientes
lúgubres (locus horrendus).
tendência pré-romântica
Nesta triste masmorra,
De um semivivo corpo sepultura,
Inda, Marília, adoro
A tua formosura.
Amor na minha ideia te retrata;
Busca extremoso que eu assim resista
À dor imensa que me cerca e mata.
Tomás Antonio Gonzaga. “Lira 22’ (2ª parte). Marília de Dirceu.
Meu ser evaporei na lida insana
Do tropel de paixões, que me arrastava.
Ah! Cego eu cria, ah! mísero eu sonhava
Em mim quase imortal a essência humana.
Bocage. Poesias
David (1748-1825) –pintura neoclássica, inspirou-se nas esculturas clássicas e em Rafael.
Os pastores da Arcádia (1638-1639) – Nicolas Poussin
A Arcádia Lusitana
• Fundação da Arcádia Lusitana (1756);
• O ideário iluminista foi apoiado pela ditadura
do Marquês de Pombal;
• Repressão aos Jesuítas da companhia de Jesus.
Bocage
O denso erotismo e a sátira mordaz
de seus versos, somados a um
certo liberalismo político, fizeram
com que Bocage fosse perseguido
e hostilizado.
1765 - 1805
Um escrivão fez um roubo:
Diz-lhe o juiz: “Que razão
Teve para fazer isto?”
Responde: -“Ser escrivão.”
A morte foi sensual
Quando ainda era menina
Co pecado original
Teve cópula carnal
E pariu a Medicina!
Arcadismo no Brasil
• Escritores formavam grupos: “Academia
Brasileira dos Esquecidos” (1724); dos
“Felizes”; dos “Seletos”, dos “Renascidos”.
• Libertas quae sera tamen – Inconfidência
Mineira (1789)
Poetas do Arcadismo no Brasil
• Cláudio Manoel da Costa (1729-1789) – Obras poéticas e
Vila Rica;
• Tomás Antônio Gonzaga (1744-1812) – Marília de Dirceu
e Cartas Chilenas;
• Alvarenga Peixoto (1744-1793) – Obras poéticas;
• Silva Alvarenga (1749-1814) – Glaura e o Desertor;
• Basílio da Gama (1741-1795) – O Uraguai;
• Santa Rita Durão (1722-1784) – Caramuru.
Epicédio I
O vasto empório das douradas Minas
Por mim o falará: quando mais finas
Se derramam as lágrimas do imposto
De uma capitação, clama o desgosto
De um país decadente.
Cláudio Manoel da Costa. Obras Poéticas
Tomás Antônio Gonzaga
(Miragaia, Porto, 11 de agosto de 1744 — Ilha de
Moçambique, 1810), cujo nome arcádico é Dirceu, foi
um jurista, poeta e ativista político luso-brasileiro.
Considerado o mais proeminente dos poetas árcades,
é ainda hoje estudado em escolas e universidades por
seu "Marília de Dirceu" (versos notadamente árcades
feitos para sua amada).
Durante sua permanência em Minas Gerais,
escreve Cartas Chilenas, poema satírico em
forma de epístolas, uma violenta crítica ao
governo colonial. Promovido a desembargador
da relação da Bahia em 1786, resolve pedir em
casamento Maria Doroteia dois anos depois. O
casamento é marcado para o final do mês de
maio de 1789. Como era pobre e bem mais
velho que ela, sofreu oposição da família da
noiva.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Arcadismo.ppt (20)

Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
Literatura no Brasil Colonial
Literatura no Brasil ColonialLiteratura no Brasil Colonial
Literatura no Brasil Colonial
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Cláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costaCláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costa
 
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. neves
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
Arcadismo 2010
Arcadismo 2010Arcadismo 2010
Arcadismo 2010
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
aula Arcadismo.ppt
aula Arcadismo.pptaula Arcadismo.ppt
aula Arcadismo.ppt
 

Mais de AndrPlez1

A literatura pré-modernista. (1).ppt
A literatura pré-modernista. (1).pptA literatura pré-modernista. (1).ppt
A literatura pré-modernista. (1).pptAndrPlez1
 
Encontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxEncontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxAndrPlez1
 
InfBasica_Modulo2.ppt
InfBasica_Modulo2.pptInfBasica_Modulo2.ppt
InfBasica_Modulo2.pptAndrPlez1
 
Murilo Mendes.ppt
Murilo Mendes.pptMurilo Mendes.ppt
Murilo Mendes.pptAndrPlez1
 
tilde diacrítica.ppt
tilde diacrítica.ppttilde diacrítica.ppt
tilde diacrítica.pptAndrPlez1
 
Reglas de acentuación.ppt
Reglas de acentuación.pptReglas de acentuación.ppt
Reglas de acentuación.pptAndrPlez1
 
imortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdfimortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdfAndrPlez1
 

Mais de AndrPlez1 (7)

A literatura pré-modernista. (1).ppt
A literatura pré-modernista. (1).pptA literatura pré-modernista. (1).ppt
A literatura pré-modernista. (1).ppt
 
Encontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxEncontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptx
 
InfBasica_Modulo2.ppt
InfBasica_Modulo2.pptInfBasica_Modulo2.ppt
InfBasica_Modulo2.ppt
 
Murilo Mendes.ppt
Murilo Mendes.pptMurilo Mendes.ppt
Murilo Mendes.ppt
 
tilde diacrítica.ppt
tilde diacrítica.ppttilde diacrítica.ppt
tilde diacrítica.ppt
 
Reglas de acentuación.ppt
Reglas de acentuación.pptReglas de acentuación.ppt
Reglas de acentuación.ppt
 
imortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdfimortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdf
 

Arcadismo.ppt

  • 1. Arcadismo / Neoclassicismo / Ilustração Prof. André Plez
  • 2. O termo Arcádia Antiga região da Grécia habitada por pastores e poetas. * parte central do Peloponeso – relevo montanhoso, paraíso rústico.
  • 3. A Arcádia Simboliza um lugar ideal para se viver. A condição dos pastores: •Conservantismo; •Profissão milenar; •Elementos do seu universo; •Geografia; •Ciúme amoroso.
  • 4. Arcadismo e Mimese A clareza da poesia pastoril e bucólica como reação à complexidade obscura da poesia barroca. mas... como era o Século XVIII, quando surgiu esse tipo de poesia arcaica e conservadora?
  • 5. Século XVIII Pensadores fizeram da razão o fio condutor da vida humana – irradiar a luz do conhecimento! (Montesquieu, Voltaire e Rousseau) Período Progressista - novo Humanismo, regido pela filosofia e pela ciência Expandiu o Renascimento, impedido pela Contra-Reforma
  • 7. Século XVIII Século das LUZES! *Iluminismo; *Fundação das Arcádias; *Liberalismo; *Independência dos EUA; *Enciclopedismo; *Conjuração Mineira; *Revolução Industrial; *Mimese; *Revolução Francesa; *Marquês de Pombal.
  • 8. Revolução Francesa • Cai todo Antigo Regime e o grupo de famílias que dominavam as monarquias desde o Renascimento. • Queda da Nobreza!
  • 9. A Burguesia • Intensificação das atividades comerciais; • Inventos modernos: tear mecânico, máquina a vapor, meios de transporte (estradas de ferro) – surgiram grandes fábricas, o que levou à criação de grandes Bancos e companhias de seguro.
  • 10. Urbanização e as Arcádias • Despertou nos poetas uma nostalgia pela vida campestre – pastoralismo.
  • 12.
  • 13. Harmonia, simplicidade, clareza, concisão, equilíbrio e presença da mitologia.
  • 14. Clichês inutilia truncat – cortar o supérfluo (o inútil) fugere urbem – fuga da cidade (evitar o mundo urbano) aurea mediocritas – equilíbrio (meio-termo) de ouro locus amoenus – lugar prazeroso, sossegado mimesis – imitação dos clássicos
  • 15. Na idade que eu, brincando entre os pastores, Andava pela mão e mal andava, Uma ninfa comigo então brincava, Da mesma idade e bela como as flores. Eu, como vê-la, sentia mil ardores, Ela punha-se a olhar e não falava; Qualquer de nós podia ver que amava, Mas quem sabia então que eram amores? Mudar de sítio à ninfa já convinha, Foi-se a outra ribeira; e eu naquela Fiquei sentindo a dor que n’alma tinha. Eu cada vez mais firme, ela mais bela; Não se lembra ela já de que foi minha, Eu ainda me lembro que sou dela!... (Basílio da Gama – Soneto XVIII)
  • 16. Egotismo • Tema do indivíduo solitário; • Inquietudes do eu; • Marcado pela presença da noite, da lua, de corujas, cemitérios e outros ambientes lúgubres (locus horrendus). tendência pré-romântica
  • 17. Nesta triste masmorra, De um semivivo corpo sepultura, Inda, Marília, adoro A tua formosura. Amor na minha ideia te retrata; Busca extremoso que eu assim resista À dor imensa que me cerca e mata. Tomás Antonio Gonzaga. “Lira 22’ (2ª parte). Marília de Dirceu. Meu ser evaporei na lida insana Do tropel de paixões, que me arrastava. Ah! Cego eu cria, ah! mísero eu sonhava Em mim quase imortal a essência humana. Bocage. Poesias
  • 18. David (1748-1825) –pintura neoclássica, inspirou-se nas esculturas clássicas e em Rafael.
  • 19. Os pastores da Arcádia (1638-1639) – Nicolas Poussin
  • 20. A Arcádia Lusitana • Fundação da Arcádia Lusitana (1756); • O ideário iluminista foi apoiado pela ditadura do Marquês de Pombal; • Repressão aos Jesuítas da companhia de Jesus.
  • 21. Bocage O denso erotismo e a sátira mordaz de seus versos, somados a um certo liberalismo político, fizeram com que Bocage fosse perseguido e hostilizado. 1765 - 1805
  • 22. Um escrivão fez um roubo: Diz-lhe o juiz: “Que razão Teve para fazer isto?” Responde: -“Ser escrivão.” A morte foi sensual Quando ainda era menina Co pecado original Teve cópula carnal E pariu a Medicina!
  • 23. Arcadismo no Brasil • Escritores formavam grupos: “Academia Brasileira dos Esquecidos” (1724); dos “Felizes”; dos “Seletos”, dos “Renascidos”. • Libertas quae sera tamen – Inconfidência Mineira (1789)
  • 24. Poetas do Arcadismo no Brasil • Cláudio Manoel da Costa (1729-1789) – Obras poéticas e Vila Rica; • Tomás Antônio Gonzaga (1744-1812) – Marília de Dirceu e Cartas Chilenas; • Alvarenga Peixoto (1744-1793) – Obras poéticas; • Silva Alvarenga (1749-1814) – Glaura e o Desertor; • Basílio da Gama (1741-1795) – O Uraguai; • Santa Rita Durão (1722-1784) – Caramuru.
  • 25. Epicédio I O vasto empório das douradas Minas Por mim o falará: quando mais finas Se derramam as lágrimas do imposto De uma capitação, clama o desgosto De um país decadente. Cláudio Manoel da Costa. Obras Poéticas
  • 26. Tomás Antônio Gonzaga (Miragaia, Porto, 11 de agosto de 1744 — Ilha de Moçambique, 1810), cujo nome arcádico é Dirceu, foi um jurista, poeta e ativista político luso-brasileiro. Considerado o mais proeminente dos poetas árcades, é ainda hoje estudado em escolas e universidades por seu "Marília de Dirceu" (versos notadamente árcades feitos para sua amada).
  • 27. Durante sua permanência em Minas Gerais, escreve Cartas Chilenas, poema satírico em forma de epístolas, uma violenta crítica ao governo colonial. Promovido a desembargador da relação da Bahia em 1786, resolve pedir em casamento Maria Doroteia dois anos depois. O casamento é marcado para o final do mês de maio de 1789. Como era pobre e bem mais velho que ela, sofreu oposição da família da noiva.