SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
ARCADISMO OU
NEOCLASSICISMO
SÉCULO XVIII
A ORIGEM DO NOME
 Arcadismo vem da palavra Arcádia – região do
Peloponeso na Grécia – considerada região de morada dos
deuses. Lá habitavam pastores que, além do pastoreio, se
dedicavam à poesia.
 As arcádias portuguesas foram grupos de poetas que
queriam redescobrir o equilíbrio e a sabedoria da
antiguidade greco-latina, também chamada de clássica.
Daí, então, o nome NEOCLASSICISMO.
Imagem: Badseed / public
domain
ENTENDENDO O CONTEXTO
 A luz da razão volta a brilhar forte sobre a Europa
do século XVIII. O cientista olha para o céu e se
pergunta sobre a configuração das estrelas, o
filósofo questiona o direito da nobreza a uma vida
privilegiada. Assim, razão e ciência iluminam a
trajetória humana, explicando fenômenos e
propondo novas formas de organizar a sociedade.
 Nesse sentido, como a literatura reflete essas
transformações? Vamos ver?
O SÉCULO DAS LUZES
O Iluminismo
Conjunto de tendências
ideológicas, filosóficas e
científicas desenvolvidas
no século XVIII, como
consequência da
recuperação de um espírito
experimental, racional, que
buscava o saber
enciclopédico.
Imagem:Nicolas Lancret / O Balanço, 1730.
DEFININDO NEOCLASSICISMO
Foi um movimento literário formado por artistas e
intelectuais que se concentraram no combate à
mentalidade religiosa e à arte barroca através do
resgate do racionalismo e do equilíbrio do Classicismo
do século XVI.
Imagem b:
Samuele Piazza /
Creative
Commons
Licença 3.0
Imagem a: Vincenzo
Camuccini / Portrait
des de:August Grahl
(1791-1868) /
domínio público
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
1 - EQUILÍBRIO
Os árcades propunham o retorno ao modelo
clássico porque neles encontravam o equilíbrio dos
sentimentos por meio da razão. Essa razão é a força
controladora dos excessos.
No Neoclassicismo, a linguagem simples, sem
muitas figuras de linguagem, combatia, então, os
exageros do Barroco.
BUCOLISMO
Inspirados pelo preceito do poeta latino Horácio,
(fugere urbem) fugir da cidade, os árcades
acreditavam que somente em contato com a
natureza o homem poderia alcançar o equilíbrio, a
sabedoria e a espiritualidade.
Em seus poemas, os árcades apresentavam temas
ligados a cenários de vida no campo. No entanto,
os poetas continuavam na cidade e usavam a
natureza como moldura para seus poemas.
CONVENCIONALISMO
Frases feitas, clichês, lugar comum. Combate ao
rebuscamento do Barroco.
Os árcades usam expressões como: Campos verdes,
árvores frondosas, ovelhas e gado, dias
ensolarados, regatos de água cristalina, aves que
cantam.
Carpe diem – aproveite o dia
Diferentemente do
Barroco que via o carpe
diem como referência à
fugacidade da vida, no
Arcadismo o pastor
chama a amada para que
juntos aproveitem o dia e
os momentos.
Imagem: Anselm Feuerbach / Gastmahl des Plato / domínio público
NEOCLASSICISMO EM
PORTUGAL
O século XVIII representou para Portugal o início de um
processo de modernização econômica, política,
administrativa, educacional e cultural. A produção cultural
foi ampla e variada, incentivada pelas academias literárias
árcades.
Manuel Maria du Bocage foi a principal expressão
literária desse período.
BOCAGE
Com uma vida marcada por
conflitos e desilusões, sua
trajetória literária começou em
1793, com seu primeiro volume
das “Rimas”.
Poesia lírica = presa aos valores
do Arcadismo (pastores, cenas
naturais);
Poesia satírica = voltada
principalmente contra o
absolutismo político e religioso;
Poesia ecomiástica – destinada à
bajulação;
Poesia erótica – muito
censurada, marcada por uma
linguagem direta, maliciosa,
trazendo, muitas vezes, cenas de
atos obscenos.
Imagem: Autor Desconhecido / Pintura do poeta Bocage /
public domain
SONETO DE TODAS AS PUTAS
Não lamentes, ó Nize, o teu estado;
Puta tem sido muita gente boa;
Putissimas fidalgas tem Lisboa,
Milhões de vezes putas teem
[reinado:
Dido foi puta, e puta d'um soldado;
Cleopatra por puta alcança a c'roa;
Tu, Lucrecia, com toda a tua proa,
O teu conno não passa por
honrado:
Essa da Russia imperatriz famosa,
Que inda há pouco morreu (diz a
[Gazeta)
Entre mil porras expirou vaidosa:
Todas no mundo dão a sua greta:
Não fiques, pois, ó Nize, duvidosa
Que isso de virgo e honra é tudo
[peta.
Momento histórico do
Neoclassicismo no Brasil
O Brasil no século XVIII
• Centro econômico da Colônia deslocou-se do
Nordeste para o Sudeste (Vila Rica e Rio de Janeiro);
• Uma pequena burguesia letrada, faz ecoar na colônia
as idéias do Iluminismo francês;
• Influenciados pelo Iluminismo francês, pelos ideais da
Revolução Americana (1776) e admiradores de Marques de
Pombal;
• Inconfidência Mineira (1789).
Marco inicial:
Publicação das "Obras Poéticas", de Cláudio Manuel da
Costa e fundação da Arcádia Ultramarina, movimento
poético-literário que dá início ao Arcadismo, em 1768.
Marco final:
Publicação do livro de poemas Suspiros Poéticos e
Saudades, de Gonçalves de Magalhães, em 1836.
(Romantismo)
Características do Arcadismo
Pastoralismo
Bucolismo
Nativismo
Subjetividade
Exploração satírica da realidade burguesa
Universalismo e respeito às formas fixas
Preferência pela cultura clássica
Adoção de pseudônimos pastoris.
Princípios do Arcadismo
Fugere Urben (Fuga da Cidade) –
voltaram-se para a natureza;
Lócus amoenus (lugar ameno) – fugir da
agitação dos centros urbanos;
Carpe diem (aproveite o dia) – aproveitar
o tempo presente;
Áurea mediocritas (áurea
mediocridade) – louvação à vida
equilibrada, espontânea, humilde, em
contato com a natureza;
Inutilia truncat (cortem-se as
inutilidades) – linguagem simples e
objetiva.
Produções Literárias no Arcadismo
 Poesia Épica
• Cláudio Manuel da Costa (poema Villa Rica)
• Santa Rita Durão (poema Caramuru)
• José Basílio da Gama (poema O Uraguai)
 Poesia Lírica
• Tomás Antônio Gonzaga (Poemas As Liras de Marília
de Dirceu).
 Poesia Satírica
• Tomás Antônio Gonzaga (Poemas Cartas Chilenas)
Tomás Antonio Gonzaga (Dirceu)
Nasceu em Minas Gerais, filho de Portugueses
ligados à mineração. Estudou humanidades no Rio
de Janeiro e Direito em Coimbra. Exerceu cargo de
jurisdição em Vila Rica (atual Ouro Preto), capital
da capitania de Minas Gerais. Aí começou sua
amizade com Cláudio Manuel da Costa e seu
romance com Maria Joaquina Dorotéia de Seixas,
que passaria a ser identificada com A Marília de
seus poemas.
CLÁUDIO MANUEL DA COSTA
 OBRAS: Obras poéticas (1768) +
Vila Rica (1839)
 PSEUDÔNIMO PASTORIL = GLAUCESTE
SATÚRNIO
 MUSA = NICE
CLÁUDIO MANUEL DA COSTA
(1729 – 1789)
 POETA DE TRANSIÇÃO:
 UTILIZAÇÃO DE PRINCÍPIOS ESTÉTICOS
DO ARCADISMO
 INFLUÊNCIAS BARROCAS: O SOFRIMENTO
 INFLUÊNCIA CAMONIANA: GOSTO PELA
ANTÍTESE E PELO SONETO
 É RACIONALMENTE ÁRCADE E
EMOTIVAMENTE BARROCO
 TEMAS BARROCOS: O DESENCANTO COM
A VIDA; A BREVIDADE DOLOROSA DO
AMOR; A RAPIDEZ COM QUE TODOS OS
SENTIMENTOS PASSAM
Lira I
Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que viva de guardar alheio gado;
De tosco trato, d’expressões grosseiro,
Dos frios gelos, e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal, e nele assisto;
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.
Graças, Marília bela,
Graças à minha Estrela!
Cláudio Manuel (Glauceste Satúrnio)
Nasceu em Mariana, MG, estudou no Rio de
Janeiro e em Coimbra. Em 1768, publicou Obras,
livro de poemas considerado o marco inicial do
Arcadismo brasileiro. Envolveu-se com a
Inconfidência Mineira.
A poesia lírica é a parte mais representativa de
sua obra, principalmente os sonetos. Produziu o
poema épico, Vila Rica, publicado somente em
1839.
Sonetos XIV
Quem deixa o trato pastoril amado
Pela ingrata, civil correspondência,
Ou desconhece o rosto da violência,
Ou do retiro a paz não tem provado.
Que bem é ver nos campos translado
No gênio do pastor, o da inocência!
E que mal é no trato, e na aparência
Ver sempre o cortesão dissimulado!
Ali respira amor sinceridade;
Aqui sempre a traição seu rosto encobre;
Um só trata a mentira, outro a verdade.
Ali não há fortuna, que soçobre....
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
(1744 – 1810)
 OBRAS: Marília de Dirceu (Parte I – 1792; Parte
II – 1799; Parte III – 1812);
Cartas Chilenas (1845)
 PSEUDÔNIMO PASTORIL = DIRCEU
 MUSA = MARÍLIA
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
MARÍLIA DE DIRCEU:
Texto árcade + dimensão romântica
SILVA ALVARENGA (1749-1814)
Considerado como o mais brasileiro dos
árcades, pela sensibilidade rítmica de seus
versos, Silva Alvarenga, cujo pseudônimo
árcade era Alcino Palmireno, ficou conhecido
por uma única obra, Glaura, publicada em
1799, composta de rondós e madrigais
(“composições poéticas que encerram um
pensamento delicado, terno ou
galante/canções pastoris”).
SILVA ALVARENGA
A obra Glaura revela um lirismo de inspiração
galante, onde o poeta Alcino celebra a
pastora Glaura, que se esquiva num clima de
galante sensualidade. O refinamento da
galanteria, o detalhismo acentuado e uma
relativa superficialidade temática permite que
se considere o estilo de Silva Alvarenga um
exemplo do chamado rococó (“excesso de
ornatos” - “acúmulo ornamental”).
SILVA ALVARENGA
Por outro lado, há quem defenda que
em função de sua espontaneidade e
pronuncia quase sentimental, aliadas
a uma certa melancolia, o poeta deva
ser incluído num espaço pré-
romântico.
BASÍLIO DA GAMA (1741-1795)
O ponto alto da obra literária de Basílio da Gama é o
texto O Uraguai, concebido originariamente como um
poema épico destinado a celebrar a vitória militar de
Gomes Freire de Andrade, Comissário Real, contra os
índios da Colônia de Sete Povos das Missões do
Uruguai. Localizadas a leste do rio Uruguai, em região
hoje pertencente ao estado do Rio Grande do Sul,
essas missões agrupavam sete povoações habitadas
por índios guaranis e jesuítas espanhóis.
BASÍLIO DA GAMA
O poema épico O Uraguai tem dois
objetivos básicos: a defesa e a
exaltação da política pombalina e a
crítica virulenta aos jesuítas, seus
antigos mestres.
O URAGUAI (1769)
No aspecto formal, O Uraguai não apresenta nenhum
esquema estrófico regular; seus versos são brancos (sem
rima) e, ainda que seja possível perceber a divisão nas
tradicionais partes do poema épico (proposição,
invocação, dedicatória, narração e epílogo), essas partes
não seguem as normas estritas do gênero, revelando-se
flexíveis.
O INDIANISMO EM O URAGUAI
Elemento temático muito importante: a exaltação da
figura do índio.
O poema O Uraguai, não enfatiza a guerra em si, nem
as ações dos vencedores, nem os vilões jesuítas -
tratados caricaturalmente. Ganham destaque, de fato,
e descrição física e moral do índio, o choque de
culturas e a paisagem nacional. Além disso, o autor
cria passagens de forte lirismo, como a do episódio da
morte de Lindóia.
O INDIANISMO EM O URAGUAI
A valorização do índio e da natureza
selvagem do Brasil corresponde, por um
lado, ao ideal de vida primitiva e natural
cultivado pelos iluministas e pelos
árcades. Por outro lado, porém, esses
aspectos, que podemos chamar de
nativistas, prenunciam as tendências da
literatura do século XIX: o Romantismo.
Frei José de Santa Rita Durão
Mineiro de Mariana, Minas Gerais. Sua obra
consiste basicamente no Caramuru, poema épico do
descobrimento da Bahia, que narra as aventuras de
Diogo Álvares Correia.
Entre os personagens destacam-se: o português
Diogo Correia, o Caramuru; e as índias Moema e
Paraguaçu. Moema era apaixonada por Diogo, mas é
Paraguaçu quem se casa com ele. Quando os dois estão
indo para Paris, Moema se lança ao mar nadando atrás
do navio e acaba morrendo afogada.
O INDIANISMO EM CARAMURU
Em Caramuru, Santa Rita procura apresentar a
natureza brasileira, descrevendo o clima, a fertilidade
da terra, as riquezas naturais. Assim, alia-se à tradição
dos cronistas e viajantes que descreveram a colônia no
século XVI. Interessa-se particularmente pelo indígena,
descreve seus costumes e instituições e ressalta sua
catequese. Visto que Diogo Álvarez, mesmo não sendo
padre, demonstra interesse em conduzir o índio ao
caminho do cristianismo, caracterizando-se como um
consciencioso evangelizador.
Caramuru
XLII
Perde o lume dos olhos, pasma e treme,
Pálida a cor, o aspecto moribundo;
Com mão já sem vigor, soltando o leme,
Entre as salsas escumas desce ao fundo.
Mas na onda do mar, que irado freme,
Tornando a aparecer desde o profundo,
-Ah! Diogo cruel! – disse com mágoa,
E, sem mais vista ser, sorveu-se n’água.
(Santa Rita Durão)
UMA CURIOSIDADE!
O ARCADISMO brasileiro
foi o primeiro movimento
literário a colocar o índio
como personagem
importante.
A presença do índio (forte
por natureza) na poesia
reflete o ideal do "bom
selvagem" e dá ao
Arcadismo brasileiro um
tom diferente do europeu. Imagem: Jean-Baptiste Debret / Sinal de retirada
1834-39 / domínio público
aula Arcadismo.ppt

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula Arcadismo.ppt

Arcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo IluministaArcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo Iluminista
Tays Souza
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
ISJ
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Gabriel Toledo
 

Semelhante a aula Arcadismo.ppt (20)

Arcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo IluministaArcadismo - Estilo Iluminista
Arcadismo - Estilo Iluminista
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. neves
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no BrasilArcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
Arcadismo/Neoclassicismo em Portugal e no Brasil
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Seminário_Arcadismo.pdf.pptx
Seminário_Arcadismo.pdf.pptxSeminário_Arcadismo.pdf.pptx
Seminário_Arcadismo.pdf.pptx
 
Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02Arcadismo 111020131556-phpapp02
Arcadismo 111020131556-phpapp02
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
ARCADISMO.ppt
ARCADISMO.pptARCADISMO.ppt
ARCADISMO.ppt
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Mais de AssisTeixeira2

carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptxcarlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
AssisTeixeira2
 
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.pptCOLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
AssisTeixeira2
 
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
AssisTeixeira2
 
conjunçõees e suas classificações aqui.pptx
conjunçõees e suas classificações aqui.pptxconjunçõees e suas classificações aqui.pptx
conjunçõees e suas classificações aqui.pptx
AssisTeixeira2
 
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.pptolho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
AssisTeixeira2
 
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptxadescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
AssisTeixeira2
 
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.pptaguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
AssisTeixeira2
 
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.pptADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
AssisTeixeira2
 
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
AssisTeixeira2
 
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.pptA RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
AssisTeixeira2
 
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.pptPolígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
AssisTeixeira2
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
AssisTeixeira2
 
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
AssisTeixeira2
 
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.pptfisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
AssisTeixeira2
 
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptxcampoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
AssisTeixeira2
 
335673 relação alimentar entre os seres.ppt
335673 relação alimentar entre os seres.ppt335673 relação alimentar entre os seres.ppt
335673 relação alimentar entre os seres.ppt
AssisTeixeira2
 
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptxCONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
AssisTeixeira2
 
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.pptSistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
AssisTeixeira2
 

Mais de AssisTeixeira2 (20)

carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptxcarlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
carlos drummond de andrade e algumas caracterisitcas.pptx
 
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.pptCOLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
COLÉGIO MASTER_QUADRILÁTERO e classificação.ppt
 
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
69679teoremadepitagorasecalculosespecificos.ppt
 
conjunçõees e suas classificações aqui.pptx
conjunçõees e suas classificações aqui.pptxconjunçõees e suas classificações aqui.pptx
conjunçõees e suas classificações aqui.pptx
 
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.pptolho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
 
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptxadescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
adescobertadaclulanovo-130424083511-phpapp02.pptx
 
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.pptaguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
aguaeseresvivos-150503210635-conversion-gate01.ppt
 
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.pptADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
ADAPTAÇÃO DO SERES VIVOS e outros tipos.ppt
 
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
8gbapklrsjmwdcuf4wt3-signature-ae128d4b777197c82aa4543ffce2b0f5131fc30439a024...
 
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.pptA RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
A RESENHA e valores especificos e alguns tipos.ppt
 
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.pptPolígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
Polígonos- quadriláteros- quadrado, retângulo, losango – conceitos iniciais.ppt
 
Wizard Magical Birthday by Slidesgo.pptx
Wizard Magical Birthday by Slidesgo.pptxWizard Magical Birthday by Slidesgo.pptx
Wizard Magical Birthday by Slidesgo.pptx
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
 
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
1- Óptica e Reflexão da Luz e participantes.ppt
 
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.pptfisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
fisica-e-novo-enem com aplicações para o médio.ppt
 
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptxcampoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
campoeltrico-110310114659-phpapp01-convertido.pptx
 
335673 relação alimentar entre os seres.ppt
335673 relação alimentar entre os seres.ppt335673 relação alimentar entre os seres.ppt
335673 relação alimentar entre os seres.ppt
 
1de136511508a3117c82512376efde4474485.ppt
1de136511508a3117c82512376efde4474485.ppt1de136511508a3117c82512376efde4474485.ppt
1de136511508a3117c82512376efde4474485.ppt
 
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptxCONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
 
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.pptSistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
Sistema Respiratório e os elementos que compõem.ppt
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

aula Arcadismo.ppt

  • 2. A ORIGEM DO NOME  Arcadismo vem da palavra Arcádia – região do Peloponeso na Grécia – considerada região de morada dos deuses. Lá habitavam pastores que, além do pastoreio, se dedicavam à poesia.  As arcádias portuguesas foram grupos de poetas que queriam redescobrir o equilíbrio e a sabedoria da antiguidade greco-latina, também chamada de clássica. Daí, então, o nome NEOCLASSICISMO. Imagem: Badseed / public domain
  • 3. ENTENDENDO O CONTEXTO  A luz da razão volta a brilhar forte sobre a Europa do século XVIII. O cientista olha para o céu e se pergunta sobre a configuração das estrelas, o filósofo questiona o direito da nobreza a uma vida privilegiada. Assim, razão e ciência iluminam a trajetória humana, explicando fenômenos e propondo novas formas de organizar a sociedade.  Nesse sentido, como a literatura reflete essas transformações? Vamos ver?
  • 4. O SÉCULO DAS LUZES O Iluminismo Conjunto de tendências ideológicas, filosóficas e científicas desenvolvidas no século XVIII, como consequência da recuperação de um espírito experimental, racional, que buscava o saber enciclopédico. Imagem:Nicolas Lancret / O Balanço, 1730.
  • 5. DEFININDO NEOCLASSICISMO Foi um movimento literário formado por artistas e intelectuais que se concentraram no combate à mentalidade religiosa e à arte barroca através do resgate do racionalismo e do equilíbrio do Classicismo do século XVI. Imagem b: Samuele Piazza / Creative Commons Licença 3.0 Imagem a: Vincenzo Camuccini / Portrait des de:August Grahl (1791-1868) / domínio público
  • 6. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 1 - EQUILÍBRIO Os árcades propunham o retorno ao modelo clássico porque neles encontravam o equilíbrio dos sentimentos por meio da razão. Essa razão é a força controladora dos excessos. No Neoclassicismo, a linguagem simples, sem muitas figuras de linguagem, combatia, então, os exageros do Barroco.
  • 7. BUCOLISMO Inspirados pelo preceito do poeta latino Horácio, (fugere urbem) fugir da cidade, os árcades acreditavam que somente em contato com a natureza o homem poderia alcançar o equilíbrio, a sabedoria e a espiritualidade. Em seus poemas, os árcades apresentavam temas ligados a cenários de vida no campo. No entanto, os poetas continuavam na cidade e usavam a natureza como moldura para seus poemas.
  • 8. CONVENCIONALISMO Frases feitas, clichês, lugar comum. Combate ao rebuscamento do Barroco. Os árcades usam expressões como: Campos verdes, árvores frondosas, ovelhas e gado, dias ensolarados, regatos de água cristalina, aves que cantam.
  • 9. Carpe diem – aproveite o dia Diferentemente do Barroco que via o carpe diem como referência à fugacidade da vida, no Arcadismo o pastor chama a amada para que juntos aproveitem o dia e os momentos. Imagem: Anselm Feuerbach / Gastmahl des Plato / domínio público
  • 10. NEOCLASSICISMO EM PORTUGAL O século XVIII representou para Portugal o início de um processo de modernização econômica, política, administrativa, educacional e cultural. A produção cultural foi ampla e variada, incentivada pelas academias literárias árcades. Manuel Maria du Bocage foi a principal expressão literária desse período.
  • 11. BOCAGE Com uma vida marcada por conflitos e desilusões, sua trajetória literária começou em 1793, com seu primeiro volume das “Rimas”. Poesia lírica = presa aos valores do Arcadismo (pastores, cenas naturais); Poesia satírica = voltada principalmente contra o absolutismo político e religioso; Poesia ecomiástica – destinada à bajulação; Poesia erótica – muito censurada, marcada por uma linguagem direta, maliciosa, trazendo, muitas vezes, cenas de atos obscenos. Imagem: Autor Desconhecido / Pintura do poeta Bocage / public domain
  • 12. SONETO DE TODAS AS PUTAS Não lamentes, ó Nize, o teu estado; Puta tem sido muita gente boa; Putissimas fidalgas tem Lisboa, Milhões de vezes putas teem [reinado: Dido foi puta, e puta d'um soldado; Cleopatra por puta alcança a c'roa; Tu, Lucrecia, com toda a tua proa, O teu conno não passa por honrado: Essa da Russia imperatriz famosa, Que inda há pouco morreu (diz a [Gazeta) Entre mil porras expirou vaidosa: Todas no mundo dão a sua greta: Não fiques, pois, ó Nize, duvidosa Que isso de virgo e honra é tudo [peta.
  • 13.
  • 14. Momento histórico do Neoclassicismo no Brasil O Brasil no século XVIII • Centro econômico da Colônia deslocou-se do Nordeste para o Sudeste (Vila Rica e Rio de Janeiro); • Uma pequena burguesia letrada, faz ecoar na colônia as idéias do Iluminismo francês; • Influenciados pelo Iluminismo francês, pelos ideais da Revolução Americana (1776) e admiradores de Marques de Pombal; • Inconfidência Mineira (1789).
  • 15. Marco inicial: Publicação das "Obras Poéticas", de Cláudio Manuel da Costa e fundação da Arcádia Ultramarina, movimento poético-literário que dá início ao Arcadismo, em 1768. Marco final: Publicação do livro de poemas Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães, em 1836. (Romantismo)
  • 16. Características do Arcadismo Pastoralismo Bucolismo Nativismo Subjetividade Exploração satírica da realidade burguesa Universalismo e respeito às formas fixas Preferência pela cultura clássica Adoção de pseudônimos pastoris.
  • 17. Princípios do Arcadismo Fugere Urben (Fuga da Cidade) – voltaram-se para a natureza; Lócus amoenus (lugar ameno) – fugir da agitação dos centros urbanos; Carpe diem (aproveite o dia) – aproveitar o tempo presente; Áurea mediocritas (áurea mediocridade) – louvação à vida equilibrada, espontânea, humilde, em contato com a natureza; Inutilia truncat (cortem-se as inutilidades) – linguagem simples e objetiva.
  • 18. Produções Literárias no Arcadismo  Poesia Épica • Cláudio Manuel da Costa (poema Villa Rica) • Santa Rita Durão (poema Caramuru) • José Basílio da Gama (poema O Uraguai)  Poesia Lírica • Tomás Antônio Gonzaga (Poemas As Liras de Marília de Dirceu).  Poesia Satírica • Tomás Antônio Gonzaga (Poemas Cartas Chilenas)
  • 19. Tomás Antonio Gonzaga (Dirceu) Nasceu em Minas Gerais, filho de Portugueses ligados à mineração. Estudou humanidades no Rio de Janeiro e Direito em Coimbra. Exerceu cargo de jurisdição em Vila Rica (atual Ouro Preto), capital da capitania de Minas Gerais. Aí começou sua amizade com Cláudio Manuel da Costa e seu romance com Maria Joaquina Dorotéia de Seixas, que passaria a ser identificada com A Marília de seus poemas.
  • 20. CLÁUDIO MANUEL DA COSTA  OBRAS: Obras poéticas (1768) + Vila Rica (1839)  PSEUDÔNIMO PASTORIL = GLAUCESTE SATÚRNIO  MUSA = NICE
  • 21. CLÁUDIO MANUEL DA COSTA (1729 – 1789)  POETA DE TRANSIÇÃO:  UTILIZAÇÃO DE PRINCÍPIOS ESTÉTICOS DO ARCADISMO  INFLUÊNCIAS BARROCAS: O SOFRIMENTO  INFLUÊNCIA CAMONIANA: GOSTO PELA ANTÍTESE E PELO SONETO  É RACIONALMENTE ÁRCADE E EMOTIVAMENTE BARROCO  TEMAS BARROCOS: O DESENCANTO COM A VIDA; A BREVIDADE DOLOROSA DO AMOR; A RAPIDEZ COM QUE TODOS OS SENTIMENTOS PASSAM
  • 22. Lira I Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Que viva de guardar alheio gado; De tosco trato, d’expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado. Tenho próprio casal, e nele assisto; Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Das brancas ovelhinhas tiro o leite, E mais as finas lãs, de que me visto. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  • 23. Cláudio Manuel (Glauceste Satúrnio) Nasceu em Mariana, MG, estudou no Rio de Janeiro e em Coimbra. Em 1768, publicou Obras, livro de poemas considerado o marco inicial do Arcadismo brasileiro. Envolveu-se com a Inconfidência Mineira. A poesia lírica é a parte mais representativa de sua obra, principalmente os sonetos. Produziu o poema épico, Vila Rica, publicado somente em 1839.
  • 24. Sonetos XIV Quem deixa o trato pastoril amado Pela ingrata, civil correspondência, Ou desconhece o rosto da violência, Ou do retiro a paz não tem provado. Que bem é ver nos campos translado No gênio do pastor, o da inocência! E que mal é no trato, e na aparência Ver sempre o cortesão dissimulado! Ali respira amor sinceridade; Aqui sempre a traição seu rosto encobre; Um só trata a mentira, outro a verdade. Ali não há fortuna, que soçobre....
  • 25. TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA (1744 – 1810)  OBRAS: Marília de Dirceu (Parte I – 1792; Parte II – 1799; Parte III – 1812); Cartas Chilenas (1845)  PSEUDÔNIMO PASTORIL = DIRCEU  MUSA = MARÍLIA
  • 26. TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA MARÍLIA DE DIRCEU: Texto árcade + dimensão romântica
  • 27. SILVA ALVARENGA (1749-1814) Considerado como o mais brasileiro dos árcades, pela sensibilidade rítmica de seus versos, Silva Alvarenga, cujo pseudônimo árcade era Alcino Palmireno, ficou conhecido por uma única obra, Glaura, publicada em 1799, composta de rondós e madrigais (“composições poéticas que encerram um pensamento delicado, terno ou galante/canções pastoris”).
  • 28. SILVA ALVARENGA A obra Glaura revela um lirismo de inspiração galante, onde o poeta Alcino celebra a pastora Glaura, que se esquiva num clima de galante sensualidade. O refinamento da galanteria, o detalhismo acentuado e uma relativa superficialidade temática permite que se considere o estilo de Silva Alvarenga um exemplo do chamado rococó (“excesso de ornatos” - “acúmulo ornamental”).
  • 29. SILVA ALVARENGA Por outro lado, há quem defenda que em função de sua espontaneidade e pronuncia quase sentimental, aliadas a uma certa melancolia, o poeta deva ser incluído num espaço pré- romântico.
  • 30. BASÍLIO DA GAMA (1741-1795) O ponto alto da obra literária de Basílio da Gama é o texto O Uraguai, concebido originariamente como um poema épico destinado a celebrar a vitória militar de Gomes Freire de Andrade, Comissário Real, contra os índios da Colônia de Sete Povos das Missões do Uruguai. Localizadas a leste do rio Uruguai, em região hoje pertencente ao estado do Rio Grande do Sul, essas missões agrupavam sete povoações habitadas por índios guaranis e jesuítas espanhóis.
  • 31. BASÍLIO DA GAMA O poema épico O Uraguai tem dois objetivos básicos: a defesa e a exaltação da política pombalina e a crítica virulenta aos jesuítas, seus antigos mestres.
  • 32. O URAGUAI (1769) No aspecto formal, O Uraguai não apresenta nenhum esquema estrófico regular; seus versos são brancos (sem rima) e, ainda que seja possível perceber a divisão nas tradicionais partes do poema épico (proposição, invocação, dedicatória, narração e epílogo), essas partes não seguem as normas estritas do gênero, revelando-se flexíveis.
  • 33. O INDIANISMO EM O URAGUAI Elemento temático muito importante: a exaltação da figura do índio. O poema O Uraguai, não enfatiza a guerra em si, nem as ações dos vencedores, nem os vilões jesuítas - tratados caricaturalmente. Ganham destaque, de fato, e descrição física e moral do índio, o choque de culturas e a paisagem nacional. Além disso, o autor cria passagens de forte lirismo, como a do episódio da morte de Lindóia.
  • 34. O INDIANISMO EM O URAGUAI A valorização do índio e da natureza selvagem do Brasil corresponde, por um lado, ao ideal de vida primitiva e natural cultivado pelos iluministas e pelos árcades. Por outro lado, porém, esses aspectos, que podemos chamar de nativistas, prenunciam as tendências da literatura do século XIX: o Romantismo.
  • 35. Frei José de Santa Rita Durão Mineiro de Mariana, Minas Gerais. Sua obra consiste basicamente no Caramuru, poema épico do descobrimento da Bahia, que narra as aventuras de Diogo Álvares Correia. Entre os personagens destacam-se: o português Diogo Correia, o Caramuru; e as índias Moema e Paraguaçu. Moema era apaixonada por Diogo, mas é Paraguaçu quem se casa com ele. Quando os dois estão indo para Paris, Moema se lança ao mar nadando atrás do navio e acaba morrendo afogada.
  • 36. O INDIANISMO EM CARAMURU Em Caramuru, Santa Rita procura apresentar a natureza brasileira, descrevendo o clima, a fertilidade da terra, as riquezas naturais. Assim, alia-se à tradição dos cronistas e viajantes que descreveram a colônia no século XVI. Interessa-se particularmente pelo indígena, descreve seus costumes e instituições e ressalta sua catequese. Visto que Diogo Álvarez, mesmo não sendo padre, demonstra interesse em conduzir o índio ao caminho do cristianismo, caracterizando-se como um consciencioso evangelizador.
  • 37. Caramuru XLII Perde o lume dos olhos, pasma e treme, Pálida a cor, o aspecto moribundo; Com mão já sem vigor, soltando o leme, Entre as salsas escumas desce ao fundo. Mas na onda do mar, que irado freme, Tornando a aparecer desde o profundo, -Ah! Diogo cruel! – disse com mágoa, E, sem mais vista ser, sorveu-se n’água. (Santa Rita Durão)
  • 38. UMA CURIOSIDADE! O ARCADISMO brasileiro foi o primeiro movimento literário a colocar o índio como personagem importante. A presença do índio (forte por natureza) na poesia reflete o ideal do "bom selvagem" e dá ao Arcadismo brasileiro um tom diferente do europeu. Imagem: Jean-Baptiste Debret / Sinal de retirada 1834-39 / domínio público