1
DIAGNOSTICO DIFERENCIAL ENTRE FERIDAS VITAIS
E PÓS MORTEM
Albino Gomes
Forensic Nurse Examiner
albinomanuelgomes@gmail.c...
2
1. Lesões Auto Infligidas -
• Frequentemente não são fatais.
• Frequentemente não fatais
• Auto-destruição
• Alterações ...
3
Fraude de Seguros -
ø Danos resultam normalmente mutilações com perda substância de um segmento
periférico
ø Nos casos...
4
Feridas Arma Branca:
Os ferimentos suicidas produzidos por facas tem locais de eleição: pescoço, pulsos e face
anterior ...
5
Suicídio por Armas de Fogo:
ø As mulheres raramente usam este meio (tiro em mulher até prova em contrario é
homicídio)
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diagnostico diferencial entre feridas vitais e pós mortem

396 visualizações

Publicada em

Diagnóstico Diferencial

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diagnostico diferencial entre feridas vitais e pós mortem

  1. 1. 1 DIAGNOSTICO DIFERENCIAL ENTRE FERIDAS VITAIS E PÓS MORTEM Albino Gomes Forensic Nurse Examiner albinomanuelgomes@gmail.com Feridas Pós Mortem: ø Acidentais: Feridas agónicas (feridas produzidas durante a manipulação do cadáver; feridas produzidas por acções mecânicas; feridas produzidas por animais) ø Intencionais – Ferida de origem médica; feridas de origem criminosa Peritagem: 1. Estudo macroscópico – Sinais especiais: processo trombótico ou embólico; aspiração (sangue, conteúdo gástrico, corpos estranhos). - Sinais gerais: Feridas vitais (lábios das feridas engrossados; bordos retraídos) - Pós Mortem: ausência de sangue coagulado; lábios feridos brancos - Hemorragia: é possível a ocorrência de hemorragia em ferimentos produzidos após a morte, até com um volume considerável; podem ocorrer hemorragias espontâneas pós mortem por factores autoliticos. - Coagulação do sangue: a coagulação pode manter-se até 6 horas após a morte. 2. Estudo Microscópio – Diagnostico histológico por reacções celulares à resposta inflamatória. O elemento melhor para a distinção é a microscopia electrónica, no entanto a microscopia é sensível aos fenómenos autoliticos e putrefactivos 3. Estudo Histoquimico – Estudo das enzimas que intervêm no processo inflamatório Factores que influenciam resposta inflamatória: 1. Factores Locais 2. Factores Sistémicos (idade, sexo) 3. Factores exógenos (drogas) Lesões Intencionais – 1. Lesões Auto infligidas 2. Abuso de direitos humanos 3. Abuso sexual 4. Agressão 5. Lesões Médicas
  2. 2. 2 1. Lesões Auto Infligidas - • Frequentemente não são fatais. • Frequentemente não fatais • Auto-destruição • Alterações Mentais • Perspectiva de Lucro • Devem ser diferenciadas umas das outras e de lesões de natureza acidental ou de etiologia homicida • Algumas vezes a distinção pode ser difícil ou até mesmo impossível Lesões sem fins suicidas: ø Indivíduos com patologia psiquiátrica que mutilam o próprio corpo ø Indivíduos com objectivos de obtenção de lucro ø Indivíduos que pretendem simular agressão. ø Síndrome de Murchausen Suspeitar: 1. Lesões superficiais 2. Lesões que não atingem áreas sensíveis (face) 3. Lesões regulares (profundidade igual na origem e no final) 4. Zonas mais frequentes: tórax, ombros e face 5. Lesões múltiplas e pancadas maiores das lesões localizadas à esquerda em dextros O Diagnóstico Baseia-se em: • Características da lesão (contusões, feridas, etc.) • Localização da lesão • Acessibilidade da zona onde se situa a lesão • Fisiopatologia e mecanismo lesivo • Análise de indícios Achados Típicos: Simulação de Ofensa - 1. Instrumentos pontiagudos ou unhas 2. Multiplicidade das lesões 3. Ausência de lesões de defesa 4. Cortes na roupa não coincidem com os cortes no corpo 5. Cortes do lado contrário da sua lateralidade dominante (dextro – lado esquerdo) 6. Lesões superficiais, paralelas com a mesma profundidade 7. Zonas não sensíveis 8. Forma semelhante 9. Agrupadas e/ou paralelas ou cruzadas 10. Simetria ou preferência pelo lado dominante
  3. 3. 3 Fraude de Seguros - ø Danos resultam normalmente mutilações com perda substância de um segmento periférico ø Nos casos típicos o polegar ou o indicador é amputado proximalmente em ângulo recto em relação ao seu eixo ø Circunstâncias que apontam para tentativa de fraude ø Seguro anormalmente aumentado, feito pouco tempo antes ø Múltiplos contratos de seguro de acidentes prévios ø Ausência de testemunhos ø Desaparecimento imediato da parte amputada e remoção de vestígios biológicos do local Feridas Defesa - ø Indicam que a vitima estava, pelo menos no início consciente. ø Indica que a vitima estava pelo menos inicialmente não imobilizada, ou capaz de usar os membros para se proteger das lesões, verificando-se antebraço e mãos. ø A vítima não foi apanhada completamente de surpresa ø Podem resultar de murros e pontapés ou agressões com objectos contundentes ou cortantes. ø Equimoses, escoriações, fracturas e feridas incisas. ø Podem ser infligidas nas coxas quando dirigidas aos genitais ø Lesões Passivas: desferidas quando a vitima levanta os braços ø Lesões Activas: quando a vitima agarra a faca com a mão (face interna das mãos O diagnóstico baseia-se em: 1. Características da lesão 2. Localização da lesão 3. Acessibilidade da zona onde se situa a lesão 4. Fisiopatologia e mecanismo lesivo 5. Analise dos indícios Lesões Suicidas: ø Intoxicação ø Trauma Físico Trauma Físico: ø Feridas perfurantes e cortantes ø Arma de fogo e explosivos ø Precipitação ø Afogamento ø Queimaduras ø Enforcamento; estrangulamento ø Electrocussão ø Lesões rodoviárias e trucidações (recolher depoimento de testemunhas e do maquinista)
  4. 4. 4 Feridas Arma Branca: Os ferimentos suicidas produzidos por facas tem locais de eleição: pescoço, pulsos e face anterior do tórax. Homem: degolação e facadas no tórax; Mulher: cortes no pulso. Ferimentos suicidas são normalmente múltiplos. Degolação Suicida: Uma ou duas feridas incisas ou várias feridas de ensaio. Uma ou duas feridas incisas mais profundas, sobrepostas que podem interpor-se nos trajectos dos ferimentos anteriores. A morte depende da natureza e extensão dos danos locais no pescoço. Causas de Morte: ø Morte por hemorragias severas - artéria carótida e veia jugular (menos frequentes) ø Morte por intromissão de sangue e coágulos nas vias aéreas. ø Morte por embolismo gasoso (raro) ø Morte por causas não relacionadas. Corte nos pulsos: ø Método suicida pouco eficaz quando isolado ø Localizações mais frequentes: nas regas de flexura ø Pode haver feridas de ensaio mas os ferimentos profundos normalmente não as apresentam ø Pulso esquerdo é o alvo mais frequente ø A presença de feridas de ensaio não exclui a etiologia homicida Facadas: ø Lesões suicidas no tórax são quase sempre devidas a facadas ø Mais frequentes no lado esquerdo, podem localizar-se ao longo do esterno ou mesmo do lado direito ø Normalmente o ferimento é único, mas ferimentos múltiplos não são raros ø Facadas no pescoço são pouco comuns, como meio suicida, mas há casos descritos ø Normalmente estes ferimentos são raros no abdómen, a evisceração geralmente está presente quando se trata de indivíduos com patologia psiquiátrica grave ø No suicídio habitualmente as roupas são afastadas expondo a área atingida, mas as excepções são comuns.
  5. 5. 5 Suicídio por Armas de Fogo: ø As mulheres raramente usam este meio (tiro em mulher até prova em contrario é homicídio) ø A arma deve estar sempre presente ø A distância do disparo não pode ser superior ao comprimento do braço, dependendo da natureza da arma e excluindo alguns dispositivos aplicados à arma ø Locais de eleição: têmporas, pescoço, boca tórax ø Raramente nos olhos ou abdómen ø Disparos em locais anatomicamente inacessíveis não podem ser suicidas ø Não é verdade que o disparo na cabeça seja sempre do lado dominante do individuo.

×