SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Curso de Letras
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Nome: Adriana Yuri Takamori Seichi
Abril 2015
Resenha do Livro
HANNA, Vera L. Harabagi. Línguas estrangeiras: o ensino em um
contexto cultural. São Paulo: Editora Mackenzie. 2012.
(Coleção Conexão Inicial; v.2)
Leitura bem aproveitada
• Slides usados como resenha:
como páginas de caderno de
anotações: sem atrativos
• Texto escrito: muito longo, sem
separação; sem subtemas
• Voz da pesquisadora ausente
• REVER O TEXTO ANTES DE
POSTAR
• 5,5 (em 7,0)
Introdução
Considerações acerca do ensino de
línguas estrangeiras
• Os capítulos a seguir abordam questões
relacionadas ao ensino de língua estrangeira e
as considerações que os professores devem
ter em mente para poder tirar o máximo
proveito do potencial de seus alunos e para
que o aprendizado se concretize de forma
eficaz.
Capítulo 4
Interação e criatividade num
ambiente comunicativo
p. 57-67
A interação é a melhor maneira de
aprender a interagir
A interação e a criação são atos complementares num
ambiente de ensino-aprendizagem.
Muitos educadores reiteram a importância desse ato.
Como a interação mais satisfatória se dá com um
sentido, este é produzido através da troca de
informações quando os interlocutores tentam se
comunicar.
Por isso é importante que se crie oportunidades para
que os aprendizes exerçam a interação de modo
genuíno e pratiquem com efeito a língua alvo.
As quatro habilidades básicas (ouvir, ler, falar e
escrever) se desenvolvem de modo efetivo
quando houver oportunidade de se produzir
uma linguagem mais verdadeira.
Dentre as técnicas interativas que segundo a
autora Brown (2007) aponta, estão:
• Empreender trabalhos em pares ou grupos
• Receber informações em linguagem autêntica
em contextos do mundo real.
• Produzir linguagem para comunicação
significativa e genuína.
• Praticar comunicação oral espontânea através
de conversas verdadeiras.
• Escrever para leitores reais, não imaginários.
Aulas com ambientes interativos são centradas
no aluno. O papel do professor é de iniciar a
interação, e ser também um intermediador do
aprendizado.
Mas há vários outros papéis que o professor há
de desempenhar para a condução de uma
aula interativa. Seriam as de: controlador,
condutor, gerente, facilitador e aconselhador.
Para que a competência comunicativa se
desenvolva bem, é necessário conhecimento
na habilidade de uso compreendida na
interatividade. É necessário que os elementos
gramaticais, discursivo, sociolinguístico e
estratégico estejam envolvidos.
Trabalhos em grupo são recompensadores pois
motivam o uso das habilidades pessoais e
incentivam a criatividade e autonomia.
A interatividade exige dos interlocutores
conhecimentos culturais para que acomodem
às situações na competência comunicativa.
Material Autêntico, Autenticidade
A Abordagem comunicativa propõe aprendizado
de línguas em contextos culturais, então o
material autêntica possui prioridade de uso,
sendo representantes dos falantes da língua-
alvo.
O texto autêntico refere-se a todo texto que foi
criado para preencher algum propósito
cultural na língua da comunidade que foi
produzido.
A exposição ao material autêntico e o contato
com a língua-alvo e levam ao
desenvolvimento da competência léxico-
gramatical e sociolinguísticos, com aspectos
culturais e sociais em evidência.
São textos que não foram criados com o aspecto
pedagógico, mas que devem ser levados à sala
de aula uma vez que naquela situação a língua
está sendo utilizada de forma natural.
O desinteresse dos alunos provêm muito do
artificialismo que o ensino estruturado possui.
Quão mais autêntica a linguagem, maior o
valor comunicativo da língua.
Os textos autênticos e contextos
socioculturais
Para que o professor possa trabalhar com o
contexto sociocultural, é necessário a
contextualização do momento e pessoa que
produziu determinado texto autêntico para
que não incorra falso entendimento e
formação de estereótipos.
Muitos teóricos defendem seu uso, mas a
autenticidade não estaria no texto em si, mas
no uso que os falantes e leitores fazem dele.
Muitos professores de língua tem certa
resistência na adoção de textos autênticos
pelo desafio que ele representa. Para isso,
seria necessária constante pesquisa, seleção e
também adaptibilidade e aplicabilidade que
tem de levar em consideração o
conhecimento dos alunos em relação a
aspectos linguísticos, conceituais e culturais.
A complexidade dos tópicos além da
imprevisibilidade dos rumos da aula podem
ser motivos dessa resistência. Muitos
docentes tem dificuldade na competência
cultural.
Não somente a autenticidade de textos escritos
é considerada no processo de ensino
aprendizado no dias de hoje como também o
ambiente virtual está sendo incluído, sendo
denominado autenticidade virtual, sendo mais
utilizado em ambientes com tecnologias da
informação e comunicação.
O sucesso da aquisição não depende somente
da escolha do material mas da relação entre o
usuário e o texto.
Dentre a escolha dos materiais culturais, hoje
em dia há vasta opção na internet.
Projetos de Trabalho
As características principais da Abordagem
Comunicativa , que são voltadas para a
natureza social da língua, junto com um
material autêntico, propiciam um ambiente
colaborativo.
O aluno tem autonomia e maior
responsabilidade na construção de seu
aprendizado e melhor preparação para aplicar
seus conhecimentos no mundo fora da sala de
aula.
A construção social do método da
abordagem comunicativa
O aprendizado baseado em projetos é uma
abordagem em que são apresentados
problemas que os alunos devem desenvolver
projetos para solucionar e desenvolver.
O caráter pragmático da abordagem
comunicativa foi o que levou a se tornar mais
aceita. As situações da vida real nessa prática
comunicativa é oque faz alcançar um
aprendizado de longa duração.
Pela própria interatividade, os linguistas e
professores concordam que não seja
propriamente um método ou abordagem ,
mas como uma construção social do método.
A partir da década de 80 discussões acerca da
artificialidade do métodos começaram a dar
abertura para novas percepções pedagógicas.
A terminologia era pós-método surge nessa
busca por uma nova abordagem, e estudos da
Abordagem Comunicativa sendo ela
pragmática.
Era Pós-Método
Refere-se a atuação do professor, que é o fato
do professor colocar sua própria abordagem
de ensino.
Noção de não-existe-mátodo-ideal. Tudo
depende a quem se destina , em quais
circunstâncias e para quais propósitos.
A plausabilidade do professor provêm da sua
percepção do que necessita seus aprendizes.
Um teórico o subdivide em particularidade,
praticabilidade e possibilidade.
A particularidade refere-se a determinado
professor, ensinando a determinado grupo de
alunos em contexto socio- cultural particular.
A praticabilidade é a união entre a ação e
pensamento do professor.
A possibilidade provêm do filósofo Paulo freire,
que leva em consideração o contexto sócio
econômico que o aluno vem e que pode
alterar as atividades de aprendizado.
Capítulo 5
Algumas questões
comunicacionais para
o terceiro milênio
p. 71- 78
Contexto do ensino-aprendizado
no mundo global
É decisivo nos dias atuais discorrer sobre o
ensino-aprendizado de uma língua estrangeira
num mundo plural e globalizado.
É objeto de análise observar a preferência pelo
inglês como língua preferível e a questão da
hegemonia do anglo-centrismo. São Assuntos
mandatórios para quem estuda o fenômeno
da linguagem.
É indispensável estudar também o surgimento
do Globbish.
O Globbish tem sido adotado por todos aqueles
que não tem o inglês como língua materna, e
é considerado como o dialeto do terceiro
milênio.
O mundo sendo mais interconectado torna
imperativo conhecer outras línguas.
Discute-se o desconhecimento da língua inglesa
nos dias atuais, levando-se em conta o mundo
atual, seria ser analfabeto na modernidade-
mundo, ou uma nova fronteira de exclusão.
Globalização,Glocalização; o Global
e o local
Glocal, seria o processo, os resultados e as
consequências das interconexões globais
modernas em termos de processos
tecnolígicos, econômicos, políticos e culturais.
Os debates se esse processo levaria a apagar ou
diminuir a cultura local para a cultura de
massa levou a se pensar sobre os glocalismos.
Ao se pensar sobre a diversidade, chegou-se a
conclusão que a globalização não apagaria,
mas surgiria híbridos dessas culturas locais.
Com o advento da internet, a comunicação
interpessoal se tornou mais evidente, fazendo
padrões sociais em situação de contato
linguístico ao lado da cultura passarem por
um hibridismo cultural. Nesse sentido,
representa algo significativo no ensino-
aprendizado de línguas.
Levando-se em conta o inglês como língua
mundial, é de se imaginar que ela se
fragmente em outras.
Tendo aprendido o idioma, uma pessoa sendo
nativa ou não imediatamente tem direito à
ela.
Os localismos estão presentes nos “novos
ingleses”. Exemplos como o Chinglish, Japlish,
Konglish, Singlish, e Spanglish apresentam
características próprias.
Destaca-se nesse caso o Spanglish, que tem até
registro em dicionário.
Juntamente com esses neologismos surge o
Globbish, ou inglês descafeinado.
Frequentemente descrito como uma
ferramenta para não nativos se comunicarem.
É uma versão do inglês simplificada e utilizada
na comunicação dos negócios internacionais e
entre a geração Y.
O ensino de línguas num espaço
virtual
As TIC se tornaram importantes ferramentas dos
professores. Muitos debates sobre a validade
de tais práticas foram colocados em questão,
mas de acordo com a abordagem
comunicativa esses recursos se mostraram
eficazes quando postos em prática num
ambiente de ensino.
Conclusão
O aprendizado no contexto da
transdisciplinaridade
O que depreende-se disso tudo é que a
abordagem comunicativa é a mais efetiva em
termos de linguagem e seu aprendizado.
O professor também tem de levar em conta a
situação em que está inserido, o contexto em
que ensina e para quem ensina, por esse
motivo seria ilusório crer que um único
método e modo de agir e pensar funcionaria
para todos.
O processo de ensino-aprendizado envolve
muito mais aspectos que tão somente uma
metodologia.
Assim como o aluno recebe a nova língua e sua
cultura, a própria cultura do aluno tem de ser
levada em consideração quando esse estiver
querendo aprender uma língua estrangeira.
Aspectos como sociedade, economia, cultura
são imprescindíveis para moldar um modo
adequado de procedimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa Miranda
 
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - Mackenzie
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - MackenzieLinguas estrangeiras - Vera Hanna - Mackenzie
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - MackenzieCamila Ferreira
 
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Leticia Costa
 
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis   thais pereira dos santos ferreiraAna claudia de assis   thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreiraAna Assis
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Monize Muniz
 
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5Línguas Estrangeiras cap 4 e 5
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5juescames
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraClaudio Luis
 
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICO
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS  NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICOPRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS  NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICO
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICOgepoteriko
 
Ensino da língua portuguesa
Ensino da língua portuguesa Ensino da língua portuguesa
Ensino da língua portuguesa Cleidson Macena
 
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...Joyce Fettermann
 
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasMetodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasEduardo Borges
 
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-201606171906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617Adriano Alves de Souza
 

Mais procurados (18)

Vanessa 4 a
Vanessa 4 aVanessa 4 a
Vanessa 4 a
 
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
 
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - Mackenzie
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - MackenzieLinguas estrangeiras - Vera Hanna - Mackenzie
Linguas estrangeiras - Vera Hanna - Mackenzie
 
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
 
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis   thais pereira dos santos ferreiraAna claudia de assis   thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
 
Erros ortográficos
Erros ortográficosErros ortográficos
Erros ortográficos
 
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5Línguas Estrangeiras cap 4 e 5
Línguas Estrangeiras cap 4 e 5
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeira
 
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICO
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS  NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICOPRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS  NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICO
PRODUÇÃO DE SÍNTESES, RESUMOS E RESENHAS NO CONTEXTO ESCOLAR E ACADÊMICO
 
Ensino da língua portuguesa
Ensino da língua portuguesa Ensino da língua portuguesa
Ensino da língua portuguesa
 
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...
O BLOG COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE GRAMÁTICA DA LÍNGUA INGLESA: P...
 
04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto
 
Literatura multicultual
Literatura multicultualLiteratura multicultual
Literatura multicultual
 
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasMetodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
 
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-201606171906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
 
Artigo especialização linguistica
Artigo especialização linguisticaArtigo especialização linguistica
Artigo especialização linguistica
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 

Destaque

Igor e lucas
Igor e lucasIgor e lucas
Igor e lucasAdriVCA
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCristina Ferreira
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesRadar Ufmg
 
Alive highoverview
Alive highoverviewAlive highoverview
Alive highoverviewVera Menezes
 
Unidade 3 aula_com_material_digital_angela
Unidade 3 aula_com_material_digital_angelaUnidade 3 aula_com_material_digital_angela
Unidade 3 aula_com_material_digital_angelaAngela Enns Torres
 
Curso BáSico De InglêS Como Estudar
Curso BáSico De InglêS Como EstudarCurso BáSico De InglêS Como Estudar
Curso BáSico De InglêS Como EstudarSpeaking in English
 
A transposição didática
A transposição didáticaA transposição didática
A transposição didáticaPedagogiasoft
 
LTW - Basic English I - Lesson 6
LTW - Basic English I - Lesson 6LTW - Basic English I - Lesson 6
LTW - Basic English I - Lesson 6Ingrid Petersen
 
Aula 02 Simple Past Parte 2
Aula 02 Simple Past   Parte 2Aula 02 Simple Past   Parte 2
Aula 02 Simple Past Parte 2ceap
 
Ensino e aprendizagem de língua inglesa
Ensino e aprendizagem de língua inglesaEnsino e aprendizagem de língua inglesa
Ensino e aprendizagem de língua inglesashaianebandeira
 
Verbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple PresentVerbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple Presentacessoriaem21ma
 
Didática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeDidática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeJulio Siqueira
 
Greetings and introductions by thais mendonça martins
Greetings and introductions   by thais mendonça martinsGreetings and introductions   by thais mendonça martins
Greetings and introductions by thais mendonça martinsthaisssmendonca
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorna educação
 
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...Concurseiro Audaz
 

Destaque (20)

Igor e lucas
Igor e lucasIgor e lucas
Igor e lucas
 
Curso online fundamentos do texto em lingua inglesa i
Curso online fundamentos do texto em lingua inglesa iCurso online fundamentos do texto em lingua inglesa i
Curso online fundamentos do texto em lingua inglesa i
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
 
Presente simples
Presente simplesPresente simples
Presente simples
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
 
Alive highoverview
Alive highoverviewAlive highoverview
Alive highoverview
 
Unidade 3 aula_com_material_digital_angela
Unidade 3 aula_com_material_digital_angelaUnidade 3 aula_com_material_digital_angela
Unidade 3 aula_com_material_digital_angela
 
Curso BáSico De InglêS Como Estudar
Curso BáSico De InglêS Como EstudarCurso BáSico De InglêS Como Estudar
Curso BáSico De InglêS Como Estudar
 
A transposição didática
A transposição didáticaA transposição didática
A transposição didática
 
LTW - Basic English I - Lesson 6
LTW - Basic English I - Lesson 6LTW - Basic English I - Lesson 6
LTW - Basic English I - Lesson 6
 
Aula 02 Simple Past Parte 2
Aula 02 Simple Past   Parte 2Aula 02 Simple Past   Parte 2
Aula 02 Simple Past Parte 2
 
Simple past
Simple pastSimple past
Simple past
 
Ensino e aprendizagem de língua inglesa
Ensino e aprendizagem de língua inglesaEnsino e aprendizagem de língua inglesa
Ensino e aprendizagem de língua inglesa
 
DidáTica Volume 1 2 e 3
DidáTica   Volume 1 2 e 3DidáTica   Volume 1 2 e 3
DidáTica Volume 1 2 e 3
 
Verbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple PresentVerbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple Present
 
Didática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeDidática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate Atualidade
 
Greetings and introductions by thais mendonça martins
Greetings and introductions   by thais mendonça martinsGreetings and introductions   by thais mendonça martins
Greetings and introductions by thais mendonça martins
 
Metodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensinoMetodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensino
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
 

Semelhante a Trabalho de Metodologia do ensino de Língua Inglesa - Adriana Yuri Takamori Seichi

Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...Gustavo Guimarães Gonçalves
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraBarto Freitas
 
Once Upon a Time um inglês. - Graziella, Laísa, Katharine.
Once Upon a Time um inglês. -  Graziella, Laísa, Katharine.Once Upon a Time um inglês. -  Graziella, Laísa, Katharine.
Once Upon a Time um inglês. - Graziella, Laísa, Katharine.Graziella Marino
 
Exemplos de ante projeto
Exemplos de ante projetoExemplos de ante projeto
Exemplos de ante projetoIzabelly Karine
 
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...Cristiane Trindade
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Biblioteca Campus VII
 
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptx
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptxAula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptx
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptxalessandrapereira773417
 
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)UyaraPortugal
 
Izabel maria de matos artigo sobre linguística
Izabel maria de matos artigo sobre linguísticaIzabel maria de matos artigo sobre linguística
Izabel maria de matos artigo sobre linguísticaIzabel Maria de Matos
 
Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1angelafreire
 
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1Gilberta Nogueira
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dialiterenata
 
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º anoCurrículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º anotecnicossme
 
Documento
DocumentoDocumento
Documentodricaaa
 
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaA construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaMarilene dos Santos
 
PROJETO DE LEITURA.docx
PROJETO DE LEITURA.docxPROJETO DE LEITURA.docx
PROJETO DE LEITURA.docxPaulaAraujo83
 
Flávia m. knebel
Flávia m. knebelFlávia m. knebel
Flávia m. knebelequipetics
 

Semelhante a Trabalho de Metodologia do ensino de Língua Inglesa - Adriana Yuri Takamori Seichi (20)

Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeira
 
Once Upon a Time um inglês. - Graziella, Laísa, Katharine.
Once Upon a Time um inglês. -  Graziella, Laísa, Katharine.Once Upon a Time um inglês. -  Graziella, Laísa, Katharine.
Once Upon a Time um inglês. - Graziella, Laísa, Katharine.
 
Exemplos de ante projeto
Exemplos de ante projetoExemplos de ante projeto
Exemplos de ante projeto
 
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...
Línguas estrangeiras: O ensino em um contexto cultural - Vera Lucia Harabagi ...
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
 
Plano de aula maria dimpina (2)
Plano de aula maria dimpina (2)Plano de aula maria dimpina (2)
Plano de aula maria dimpina (2)
 
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptx
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptxAula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptx
Aula 1 - Introdução ao estudo da linguagem na perspectiva psicológica.pptx
 
A linguagem com forma de interação
A linguagem com  forma de interaçãoA linguagem com  forma de interação
A linguagem com forma de interação
 
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)
 
Izabel maria de matos artigo sobre linguística
Izabel maria de matos artigo sobre linguísticaIzabel maria de matos artigo sobre linguística
Izabel maria de matos artigo sobre linguística
 
Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1
 
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dia
 
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º anoCurrículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaA construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
 
PROJETO DE LEITURA.docx
PROJETO DE LEITURA.docxPROJETO DE LEITURA.docx
PROJETO DE LEITURA.docx
 
Flávia m. knebel
Flávia m. knebelFlávia m. knebel
Flávia m. knebel
 
Ano 3 unidade_5_miolo
Ano 3 unidade_5_mioloAno 3 unidade_5_miolo
Ano 3 unidade_5_miolo
 

Trabalho de Metodologia do ensino de Língua Inglesa - Adriana Yuri Takamori Seichi

  • 1. Universidade Presbiteriana Mackenzie Curso de Letras Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Nome: Adriana Yuri Takamori Seichi Abril 2015 Resenha do Livro HANNA, Vera L. Harabagi. Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Editora Mackenzie. 2012. (Coleção Conexão Inicial; v.2) Leitura bem aproveitada • Slides usados como resenha: como páginas de caderno de anotações: sem atrativos • Texto escrito: muito longo, sem separação; sem subtemas • Voz da pesquisadora ausente • REVER O TEXTO ANTES DE POSTAR • 5,5 (em 7,0)
  • 3. Considerações acerca do ensino de línguas estrangeiras • Os capítulos a seguir abordam questões relacionadas ao ensino de língua estrangeira e as considerações que os professores devem ter em mente para poder tirar o máximo proveito do potencial de seus alunos e para que o aprendizado se concretize de forma eficaz.
  • 4. Capítulo 4 Interação e criatividade num ambiente comunicativo p. 57-67
  • 5. A interação é a melhor maneira de aprender a interagir A interação e a criação são atos complementares num ambiente de ensino-aprendizagem. Muitos educadores reiteram a importância desse ato. Como a interação mais satisfatória se dá com um sentido, este é produzido através da troca de informações quando os interlocutores tentam se comunicar. Por isso é importante que se crie oportunidades para que os aprendizes exerçam a interação de modo genuíno e pratiquem com efeito a língua alvo.
  • 6. As quatro habilidades básicas (ouvir, ler, falar e escrever) se desenvolvem de modo efetivo quando houver oportunidade de se produzir uma linguagem mais verdadeira. Dentre as técnicas interativas que segundo a autora Brown (2007) aponta, estão: • Empreender trabalhos em pares ou grupos • Receber informações em linguagem autêntica em contextos do mundo real. • Produzir linguagem para comunicação significativa e genuína.
  • 7. • Praticar comunicação oral espontânea através de conversas verdadeiras. • Escrever para leitores reais, não imaginários. Aulas com ambientes interativos são centradas no aluno. O papel do professor é de iniciar a interação, e ser também um intermediador do aprendizado. Mas há vários outros papéis que o professor há de desempenhar para a condução de uma aula interativa. Seriam as de: controlador, condutor, gerente, facilitador e aconselhador.
  • 8. Para que a competência comunicativa se desenvolva bem, é necessário conhecimento na habilidade de uso compreendida na interatividade. É necessário que os elementos gramaticais, discursivo, sociolinguístico e estratégico estejam envolvidos. Trabalhos em grupo são recompensadores pois motivam o uso das habilidades pessoais e incentivam a criatividade e autonomia. A interatividade exige dos interlocutores conhecimentos culturais para que acomodem às situações na competência comunicativa.
  • 9. Material Autêntico, Autenticidade A Abordagem comunicativa propõe aprendizado de línguas em contextos culturais, então o material autêntica possui prioridade de uso, sendo representantes dos falantes da língua- alvo. O texto autêntico refere-se a todo texto que foi criado para preencher algum propósito cultural na língua da comunidade que foi produzido.
  • 10. A exposição ao material autêntico e o contato com a língua-alvo e levam ao desenvolvimento da competência léxico- gramatical e sociolinguísticos, com aspectos culturais e sociais em evidência. São textos que não foram criados com o aspecto pedagógico, mas que devem ser levados à sala de aula uma vez que naquela situação a língua está sendo utilizada de forma natural. O desinteresse dos alunos provêm muito do artificialismo que o ensino estruturado possui. Quão mais autêntica a linguagem, maior o valor comunicativo da língua.
  • 11. Os textos autênticos e contextos socioculturais Para que o professor possa trabalhar com o contexto sociocultural, é necessário a contextualização do momento e pessoa que produziu determinado texto autêntico para que não incorra falso entendimento e formação de estereótipos. Muitos teóricos defendem seu uso, mas a autenticidade não estaria no texto em si, mas no uso que os falantes e leitores fazem dele.
  • 12. Muitos professores de língua tem certa resistência na adoção de textos autênticos pelo desafio que ele representa. Para isso, seria necessária constante pesquisa, seleção e também adaptibilidade e aplicabilidade que tem de levar em consideração o conhecimento dos alunos em relação a aspectos linguísticos, conceituais e culturais. A complexidade dos tópicos além da imprevisibilidade dos rumos da aula podem ser motivos dessa resistência. Muitos docentes tem dificuldade na competência cultural.
  • 13. Não somente a autenticidade de textos escritos é considerada no processo de ensino aprendizado no dias de hoje como também o ambiente virtual está sendo incluído, sendo denominado autenticidade virtual, sendo mais utilizado em ambientes com tecnologias da informação e comunicação. O sucesso da aquisição não depende somente da escolha do material mas da relação entre o usuário e o texto. Dentre a escolha dos materiais culturais, hoje em dia há vasta opção na internet.
  • 14. Projetos de Trabalho As características principais da Abordagem Comunicativa , que são voltadas para a natureza social da língua, junto com um material autêntico, propiciam um ambiente colaborativo. O aluno tem autonomia e maior responsabilidade na construção de seu aprendizado e melhor preparação para aplicar seus conhecimentos no mundo fora da sala de aula.
  • 15. A construção social do método da abordagem comunicativa O aprendizado baseado em projetos é uma abordagem em que são apresentados problemas que os alunos devem desenvolver projetos para solucionar e desenvolver. O caráter pragmático da abordagem comunicativa foi o que levou a se tornar mais aceita. As situações da vida real nessa prática comunicativa é oque faz alcançar um aprendizado de longa duração.
  • 16. Pela própria interatividade, os linguistas e professores concordam que não seja propriamente um método ou abordagem , mas como uma construção social do método. A partir da década de 80 discussões acerca da artificialidade do métodos começaram a dar abertura para novas percepções pedagógicas. A terminologia era pós-método surge nessa busca por uma nova abordagem, e estudos da Abordagem Comunicativa sendo ela pragmática.
  • 17. Era Pós-Método Refere-se a atuação do professor, que é o fato do professor colocar sua própria abordagem de ensino. Noção de não-existe-mátodo-ideal. Tudo depende a quem se destina , em quais circunstâncias e para quais propósitos. A plausabilidade do professor provêm da sua percepção do que necessita seus aprendizes. Um teórico o subdivide em particularidade, praticabilidade e possibilidade.
  • 18. A particularidade refere-se a determinado professor, ensinando a determinado grupo de alunos em contexto socio- cultural particular. A praticabilidade é a união entre a ação e pensamento do professor. A possibilidade provêm do filósofo Paulo freire, que leva em consideração o contexto sócio econômico que o aluno vem e que pode alterar as atividades de aprendizado.
  • 19. Capítulo 5 Algumas questões comunicacionais para o terceiro milênio p. 71- 78
  • 20. Contexto do ensino-aprendizado no mundo global É decisivo nos dias atuais discorrer sobre o ensino-aprendizado de uma língua estrangeira num mundo plural e globalizado. É objeto de análise observar a preferência pelo inglês como língua preferível e a questão da hegemonia do anglo-centrismo. São Assuntos mandatórios para quem estuda o fenômeno da linguagem. É indispensável estudar também o surgimento do Globbish.
  • 21. O Globbish tem sido adotado por todos aqueles que não tem o inglês como língua materna, e é considerado como o dialeto do terceiro milênio. O mundo sendo mais interconectado torna imperativo conhecer outras línguas. Discute-se o desconhecimento da língua inglesa nos dias atuais, levando-se em conta o mundo atual, seria ser analfabeto na modernidade- mundo, ou uma nova fronteira de exclusão.
  • 22. Globalização,Glocalização; o Global e o local Glocal, seria o processo, os resultados e as consequências das interconexões globais modernas em termos de processos tecnolígicos, econômicos, políticos e culturais. Os debates se esse processo levaria a apagar ou diminuir a cultura local para a cultura de massa levou a se pensar sobre os glocalismos. Ao se pensar sobre a diversidade, chegou-se a conclusão que a globalização não apagaria, mas surgiria híbridos dessas culturas locais.
  • 23. Com o advento da internet, a comunicação interpessoal se tornou mais evidente, fazendo padrões sociais em situação de contato linguístico ao lado da cultura passarem por um hibridismo cultural. Nesse sentido, representa algo significativo no ensino- aprendizado de línguas. Levando-se em conta o inglês como língua mundial, é de se imaginar que ela se fragmente em outras. Tendo aprendido o idioma, uma pessoa sendo nativa ou não imediatamente tem direito à ela.
  • 24. Os localismos estão presentes nos “novos ingleses”. Exemplos como o Chinglish, Japlish, Konglish, Singlish, e Spanglish apresentam características próprias. Destaca-se nesse caso o Spanglish, que tem até registro em dicionário. Juntamente com esses neologismos surge o Globbish, ou inglês descafeinado. Frequentemente descrito como uma ferramenta para não nativos se comunicarem. É uma versão do inglês simplificada e utilizada na comunicação dos negócios internacionais e entre a geração Y.
  • 25. O ensino de línguas num espaço virtual As TIC se tornaram importantes ferramentas dos professores. Muitos debates sobre a validade de tais práticas foram colocados em questão, mas de acordo com a abordagem comunicativa esses recursos se mostraram eficazes quando postos em prática num ambiente de ensino.
  • 27. O aprendizado no contexto da transdisciplinaridade O que depreende-se disso tudo é que a abordagem comunicativa é a mais efetiva em termos de linguagem e seu aprendizado. O professor também tem de levar em conta a situação em que está inserido, o contexto em que ensina e para quem ensina, por esse motivo seria ilusório crer que um único método e modo de agir e pensar funcionaria para todos.
  • 28. O processo de ensino-aprendizado envolve muito mais aspectos que tão somente uma metodologia. Assim como o aluno recebe a nova língua e sua cultura, a própria cultura do aluno tem de ser levada em consideração quando esse estiver querendo aprender uma língua estrangeira. Aspectos como sociedade, economia, cultura são imprescindíveis para moldar um modo adequado de procedimento.