Capítulo IV

54.578 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54.578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41.301
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capítulo IV

  1. 1. Memorial do Convento<br />Capítulo IV<br />Escola Mestre Martins Correia, Golegã<br />2010/2011<br />Realizado por: Ana Margarida Cardoso, 12ºAnº4<br />
  2. 2. Resumo<br />Apresentação de Baltasar Mateus, mais conhecido por Sete-Sóis, de 26 anos, natural de Mafra, que, na Batalha de Jerez de losCaballeros, em Espanha, perdeu a mão esquerda.<br />Baltasar encontra-se em Évora, onde pede esmola para pagar o gancho de ferro para substituir a mão esquerda.<br />Percurso até Lisboa, onde vive muitas dificuldades.<br />
  3. 3. Resumo (cont.)<br /><ul><li>Indecisão de Baltasar: regressar a Mafra ou ficar em Lisboa, no Terreiro do Paço, a pedir dinheiro pela mutilação na guerra.</li></ul>Reencontro de Baltasar com João<br /> Elvas, um amigo e antigo soldado.<br />Baltasar ouve, de João Elvas e de<br /> outros conhecidos as histórias dos<br /> crimes que têm acontecido na cidade<br /> de Lisboa.<br />
  4. 4. Citações<br />“… se pai e mãe se lembram dele, julgam-no vivo porque não têm notícias que esteja morto, ou morto porque as não têm de que seja vivo.”<br />“…a esmola sempre cai na mão que resta, é o que vale a Baltasar, ter ainda a mão direita.”<br />
  5. 5. A alcunha de Baltasar<br />Sete: sete é um número mágico, aponta para uma totalidade, - sete dias da criação do Mundo, sete dias da semana, sete cores do arco-íris, sete pecados mortais, sete virtudes.<br />Sol: símbolo da vida, da força, do <br /> poder do conhecimento.<br />Simbologia<br />
  6. 6. Conclusão<br /> Baltasar é um homem simples, elementar, fiel, carinhoso e maneta, que aceita a vida que lhe foi dada para viver, não tendo medo nem do trabalho, nem da morte.<br />Não é um herói nem um anti-herói é,<br />simplesmente, um homem.<br />
  7. 7. Fim<br />

×