Capítulo iii memorial do convento

26.190 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.190
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18.748
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capítulo iii memorial do convento

  1. 1. Escola B. 2,3/S Mestre Martins Correia, Golegã Ana Luísa Cota Mateiro da Silva, 12ºA, nº3 2010/2011Memorial do Convento Capítulo III
  2. 2. Capítulo III No decorrer do Entrudo quem pôde empanturrou-se, bebeu vinho até ao arroto e ao vómito. Agora “ Vai sair a procissão de penitência. Castigámos a carne pelo jejum, maceremo-la agora pelo açoite.” “(…) é tempo de pagar os cometidos excessos .“ “(…), a Quaresma, como o sol, quando nasce, é para todos”, por isso, no seu decorrer, as mulheres mesmo as casadas, tinham uma liberdade única no ano, podiam percorrer as igrejas sozinhas e assim tirar partido da liberdade que lhes permitia encontrarem-se com os seus amantes.  (referindo-se aos maridos) “E se ele pergunta, Então, já sabemos o que ela responderá, que vem morta de canseira, moidinha dos pés, arrastadinha dos joelhos mas consolada a alma, e diz o misterioso número, Sete igrejas visitei, tão apaixonadamente o disse que ou foi a devoção muita ou muita a falta dela.”
  3. 3. Capítulo III “De tais desafogamentos se vêem privadas as rainhas”, D.Maria Ana enquanto rainha não podia gozar dessa liberdade, assim, passou mais uma noite na cama coberta pelo seu cobertor de penas e sonhou com o seu cunhado D.Francisco. “Passou a Páscoa, que acordou toda a gente, mas reconduziu as mulheres à sombra dos quartos e ao carrego das saias.”
  4. 4. Simbologia Sete  O número sete indicia totalidade completa e perfeita: os sete dias da criação do mundo, os sete dias da semana, os sete pecados mortais, as sete cores do arco-íris, o número de dias de cada ciclo lunar, que regula os ciclos de vida e da morte na Terra.  Símbolo de sabedoria e de descanso no fim da criação. Cobertor  Símbolo de afastamento, da separação que marca o casamento de convivência entre o rei e a rainha.  Liga-se à frieza do amor, à ausência do prazer, esconde desejos insatisfeitos.
  5. 5. Resumindo  Ideias chave deste capítulo:  contrastes entre ricos e pobres;  liberdade na Quaresma;  procissão de penitência;  infidelidade das mulheres e o desinteresse dos maridos;  sonhos de D. Maria Ana com D. Francisco e a sua devoção.

×