Last PP - Cláudia

885 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
885
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
293
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Last PP - Cláudia

  1. 1. Um Estudo em EscarlateSir Arthur Conan Doyle Europa-América [s.d.] [s.l.] 1888
  2. 2. Nasceu em Edimburgo, a 22 deMaio de 1859. Foi escritor e médico britânico e émundialmente conhecido por ter criado odetective Sherlock Holmes, sendoconsiderado uma inovação na literaturapolicial, ao introduzir a lógica nainvestigação. Os seus trabalhos incluemhistórias de ficção científica, novelashistóricas, poesias, romances, peças e obrasde não-ficção, muitos deles fazendoreferência ao espiritualismo e aosobrenatural. Morreu aos 71 anos a 7 de Julho de1930 em Crowborough.
  3. 3. Através de um amigo em comum,Dr. Watson e Sherlock Holmes conhecem-se, a fim de dividirem um apartamento e asdespesas. Quando se mudaram, Dr. Watsonpercebeu imediatamente o ser genial quevivia com ele. Holmes demonstrava nas suasatitudes, um senso dedutivo elevadíssimo euma inteligência impressionante. O poder deligação dos factos que Holmes demonstravafazia com que o seu novo companheiro dequarto ficasse admiradíssimo. Foi umaquestão de tempo para Dr. Watson se tornarum fã incontestável e braço direito deHolmes.
  4. 4. A Scotland Yard tinha um caso muitocurioso em suas mãos e os agentes Lestrade eGregson procuraram o amador, mas muitocompetente Sherlock Holmes. Com a insistênciado seu novo parceiro, o detective amador aceitou odesafio. Deslocaram-se ao local do crime eSherlock Holmes investigou todo o exterior einterior do local. Drebber foi assassinado dentro da casa eos investigadores encontraram-no sem nenhumferimento e apenas com algumas manchas desangue em seu redor e uma aliança de mulher. Holmes encontrou também marcas de rodas de cabriolé, muitas pegadas de várias pessoas e a palavra “RACHE” escrita na parede com sangue.
  5. 5. Holmes a partir das suas próprias deduções, tinha todo o casoresolvido mas esperava o momento certo para dar a cartada final, enquantoos agentes secretos encontravam cada vez mais pistas sem nenhumfundamento. Quando tudo parecia resolvido, é noticiado outro assassinatoo que complicou mais ainda os factos. Stangerson, parceiro fiel do falecidoDrebber e principal suspeito segundo a investigação do inspector Lestrade,fora encontrado assassinado no hotel onde ficara alojado com golpes defaca. Entretanto, no seu apartamento e na presença dos dois inspectores da Sotland Yard, Sherlock Holmes é visitado por um rapaz, líder de um grupo de rapazes a que Holmes muitas vezes pede para lhe fazer recados a troco de dinheiro.
  6. 6. O rapaz avisa Holmes que o cocheiro que o detective solicitaraestava à sua espera. Dr. Watson fica um pouco baralhado pois não sabiaque Sherlock Holmes pretendia viajar. Holmes desce até à rua e pedeao cocheiro que suba até ao seu apartamento para o ajudar com asmalas. Assim que o cocheiro entra dentro de casa, Holmes agarra-o epedindo ajuda aos outros, capturam-no. “- Meus senhores – gritou ele, com os olhos brilhantes -,permitam que lhes apresente Mr. Jefferson Hope, o assassino de EnochDrebber e de Joseph Stangerson.”
  7. 7. Um homem e uma criança deambulamdesesperadamente pelos desertos dos EstadosUnidos. Depois de muito andarem decidemdescansar perto de uma rochas para se abrigarem dosol e acabam por adormecer. Milagrosamente um grupo muito grande deviajantes Mórmones passam por ali e acolhem-nos,mas têm de prometer que se convertem à suareligião. O homem dando-lhes o nome de JohnFerrier aceitou com algumas hesitações. À criança,devido à morte da sua família, Ferrier decideadoptá-la e baptizou-a como Lucy Ferrier.
  8. 8. O grupo de Mórmones continuou viagem e assim encontraram umlocal onde se podiam alojar nos campos de Utah, Salt Lake City. A Ferrier foram dados porções de campo para se instalar e construiruma casa onde viver. Os anos passaram e Lucy, a pequena criança, tornou-se numa belajovem. Assim conhece um jovem de aspecto selvagem pelo qual se apaixona. Sabendo deste amor, o chefe Young que governava o grupo deMórmones dirigiu-se a casa de Ferrier para o ameaçar de que a sua filhaestava a violar as regras da sua própria religião e por isso aquele amor teria determinar. Young acaba por dar dois nomes a Ferrier, candidatos aocasamento com Lucy: Drebber e Stangerson. Sabendo disto, Lucy pede ao pai adoptivo que não o permita. Avisam o amado de Lucy e no dia seguinte fogem.
  9. 9. Decidem parar para que o amado de Lucy pudesse caçar algo paracomerem. Demorou muito tempo, perto de cinco horas, pois acabou por seperder. Quando regressou não encontrou nem a sua amada, nem Ferrier oumesmo os cavalos. Ficou desesperado e depois de vasculhar oacampamento com a ajuda de um pequeno archote, encontra um monte deterra remexida. Aproximou-se e encontrou um papel preso num pequenopau espetado na terra. “John Ferrier Primitivamente de Salt Lake City, Morreu no dia 4 de Agosto de 1860” Rapidamente percebeu que ali jazia Ferrier e que Lucy tinha sidolevada juntamente com os cavalos.
  10. 10. Regressou a Salt Lake City e perguntando a um homem quepassava na rua, soube que Lucy tinha sido capturada por Drebber eStangerson e que depois de uma longa discussão, Drebber tinha casadocom Lucy. Desse modo jurou vingar-se. Semanas depois Lucy acaba por morrer de desgosto. No dia doseu funeral, o seu amado dirige-se até ela e, deitada no ataúde, beija-lhe atesta fria enquanto que agarrando na sua mão lhe tira o anel de casamento:“- Ela não será enterrada com isto.” e saiu da sala. O amado de Lucy, de nome Jefferson Hope perseguiu duranteanos Drebber e Stangerson, acabando por conseguir a sua vingança emLondres. Sherlock Holmes, Dr. Watson e os dois agentes levaram Jefferson Hope até ao escritório para o interrogarem acerca dos crimes cometidos. Hope acaba por lhes pedir para que o relatem pois tinha a certeza de que não chegaria com vida a tempo de o fazer em frente a um júri.
  11. 11. Jefferson Hope contou de que modo tinha assassinado Drebber. Depois de assistir a uma aula de química, roubou veneno dolaboratório e transformando-os em pequenos comprimidos, obrigou Drebbera escolher um dos que colocara dentro de um frasco. O seu acordo era que a vítima escolhesse e tomasse um doscomprimidos enquanto ele tomava o outro. O mesmo não se passou com Stangerson pois ele tentou defender-se assim que Hope entrou no seu apartamento. Todo o crime não passou de uma vingançaprometida à muito.
  12. 12. Depois de completo o seu discurso, Jefferson Hope sentia-se empaz com ele próprio. A vingança que jurara estava cumprida. Tal como previra, Hope nunca chegou a ser sentenciado, poismorreu antes do seu julgamento. Tendo sido a sua morte causada por umaneurisma da aorta. O caminho para encontrar a paz interior é terminar todas as coisas que foram começadas.
  13. 13. As pegadas encontradas pelo chão pertenciam a Drebber e a Jefferson Hope, o seu assassino. As manchas de sangue encontradas junto ao corpo de Drebber pertenciam também a Hope devido à sua doença, um aneurisma da aorta que lhe provocava hemorragias nasais. A aliança encontrada junto ao corpo de Drebber pertencia a Lucy Ferrier, a amada de Hope. A palavra “RACHE” que fora escrita na parede por Hope com o seu próprio sangue significa vingança na língua alemã, que levou os investigadores Lestrade e Gregson a investigarem pistas inúteis. As marcas de rodas de cabrioléencontradas por Sherlock Holmes, no exteriordo local do crime pertencem ao cabriolé queJefferson Hope guiava.
  14. 14. “As ideias de uma pessoa devem ser tão amplas como a natureza se se destinam a interpretar a natureza” “Un sot trouve toujours un plus sot qui l’admire.”(Um tolo encontra sempre um mais tolo que o admira.)“Populus me sibilat, at mihi plaudo/Ipse domi simul ac nummos contemplor in arca.” (O povo assobia-me, mas eu aplaudo-me em casa, logo que contemplo o dinheiro na arca.)

×