Luís Antonio Marcushi, doutor em                   Filosofia da Linguagem pela                   Universidade de Erlangen-...
Gêneros Textuais: definição e funcionalidadeGêneros textuais são fenômenos históricos vinculados àvida cultural e social, ...
Hoje presenciamos uma explosão de novos gêneros enovas formas de comunicação, tanto na oralidade comona escrita, situam-se...
Novos Gêneros e velhas basesAfirma-se que nos últimos dois séculos caracterizaram-secomo das novas tecnologias, em especia...
Ocorre também a redefinição de alguns aspectos centraisna linguagem em uso, desafiando as relações entreoralidade e escrit...
Definição de Tipo e Gênero Textual        Trata-se de distinguir entre o que  se convencionou chamar de tipo textual  , de...
• É impossível se comunicar verbalmente a não  ser por algum gênero, assim como é  impossível se comunicar verbalmente a n...
• Usamos uma expressão tipo textual para  designar uma espécie           de seqüência  teoricamente definida pela natureza...
Tipos Textuais                                     Gêneros Textuais1. Constructos teóricos definidos           por 1. Real...
Narrativo
• Mais uma noção interessante a se definir e vem  sendo um tanto vaga é a expressão domínio  discursivo para designar uma ...
• Texto : é uma entidade concreta realizada  materialmente e corporificada em algum  gênero textual .• Discurso : é aquilo...
• Para uma melhor noção de Tipo Textual  predomina a identificação de sequências  lingüísticas típicas como norteadoras.• ...
• A expressão “Tipo de texto”, designa um  gênero de texto como por exemplo: carta  pessoal, horóscopo, receita médica, bu...
OBSERVAÇOES SOBRE GÊNEROS TEXTUAISPara Bakhtin (1997), quando um indivíduo utiliza a língua,sempre o faz por meio de um ti...
Tomar um tipo textual como uma estrutura básicanormalmente usada em uma determinada situação o tornauma valiosa “ferrament...
Estudos feitos por lingüistas alemãs, constam que existammais ou menos 4.000 gêneros nomeados.De acordo com diversas pesqu...
Bronckart (1999) diz “Conhecer um gênero de textotambém é conhecer suas condições de uso, suapertinência, sua eficácia, ou...
INTERTEXTUALIDADE INTER – GÊNEROS.Se usa a para designar a situação em que um gênero assume afunção de outro.A questão da ...
GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO.-Os interlocutores seguem em geral três critérios paradesignarem seus textos:a. canal/ meio de c...
-Os gêneros são geralmente determinados com base nosobjetivos dos falantes e na natureza do tópico falado.- Deveria haver ...
Todos os textos surgem na sociedade e pertencem a gênerostextuais que se relacionam com atividades sociaisespecíficas, por...
É claro que contamos com uma imensidão de gêneros textuaisexistentes na sociedade e que, conforme as necessidadesdessa soc...
Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Grupo 06 generos textuais grupo 06

9.054 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.054
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
381
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Grupo 06 generos textuais grupo 06

  1. 1. Luís Antonio Marcushi, doutor em Filosofia da Linguagem pela Universidade de Erlangen- Nürenberg, Alemanha em 1976.Titular em linguística, no Dpto. De Letras e no Curso de Pós-Graduação em Linguística da UFPE. Publicou: “Linguagem e Classes Sociais”(1975) Porto Alegre, Ed. Movimento; “Linguística de Texto: O que é e como se Faz” (1983) Recife, UFPE; “Análise da Conversação” (1986) São Paulo,Ática; “Da Fala Para a Escrita. Atividades de Retextualização” (2001) São Paulo, Contexto e artigos científicos em periódicos especializados da área. Sua especialidade é na área de Linguística Textual, Análise da Conversação, Filosofia da Linguagem e Semântica.
  2. 2. Gêneros Textuais: definição e funcionalidadeGêneros textuais são fenômenos históricos vinculados àvida cultural e social, contribuem para ordenar eestabilizar as atividades comunicativas do dia-a-dia.Caracterizam-se como eventos textuais altamenteflexíveis, dinâmicos e práticos.Numa primeira fase, povos desenvolveram um conjuntolimitado de gêneros, após a invenção daescrita, multiplicam os gêneros, surgindo típicos daescrita e em uma terceira fase surgem os gêneros dacultura impressa, para na fase da industrialização darinício a uma grande ampliação.
  3. 3. Hoje presenciamos uma explosão de novos gêneros enovas formas de comunicação, tanto na oralidade comona escrita, situam-se e integram-se funcionalmente nasculturas que se desenvolvem, Caracterizam-se mais porsuas funções cognitivas, comunicativas e institucionais doque por peculariedades linguísticas e estruturais,tambémassim como surgem podem desaparecer.
  4. 4. Novos Gêneros e velhas basesAfirma-se que nos últimos dois séculos caracterizaram-secomo das novas tecnologias, em especial na área decomunicação como: rádio, TV, o jornal, a revista, ainternet, surgindo novos gêneros textuais a partir do usoconstante dessas tecnologias.Daí surgem novas formasdiscursivas, como editoriais,artigos defundo, notícias, telefonemas, e-mails, assimilando umgênero e gerando novos.Ex: o e-mail, que gera mensagenseletrônicas que têm as cartas, bilhetes como seusantecessores, contudo são gêneros novos com identidadespróprias.
  5. 5. Ocorre também a redefinição de alguns aspectos centraisna linguagem em uso, desafiando as relações entreoralidade e escrita,com um certo hibridismo.Ex: a misturade dois vocabulários.Num primeiro momento podemosdizer que as expressões “mesmo texto”e “mesmo gênero”não são automaticamente equivalentes, desde que nãoestejam no mesmo suporte.Estes aspectos sugerem cautela quanto a considerar opredomínio de formas ou funções para a determinação eidentificação de um gênero.
  6. 6. Definição de Tipo e Gênero Textual Trata-se de distinguir entre o que se convencionou chamar de tipo textual , de um lado, e gênero textual do outro.
  7. 7. • É impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum texto. Então a comunicação verbal só é possível por algum gênero textual.• É neste contexto que os gêneros textuais se constituem como ações sócio-discursivas para agir sobre o mundo e dizer o mundo, constituindo-o de algum modo.• A distinção entre gêneros e tipos textuais é fundamental em todo o trabalho com a produção e a compreensão textual.
  8. 8. • Usamos uma expressão tipo textual para designar uma espécie de seqüência teoricamente definida pela natureza lingüística.• Usamos a expressão gênero textual, como uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos e que apresentam caracteristicas sócio- comunicativas.
  9. 9. Tipos Textuais Gêneros Textuais1. Constructos teóricos definidos por 1. Realizações lingüísticas concretas definidaspropriedades lingüísticas intrísecas; por propriedades sócio-comunicativas;2. Constituem sequencias lingüísticas ou 2. Constituem textos empiricamente realizadossequencias de enunciados no interior dos cumprindo funções em situações comunicativasgeneros e não são textos empíricos3. Sua nomeação abrange um conjunto limitado 3. Sua nomeação abrange um conjunto aberto ede categorias teóricas determinadas por aspectos praticamente ilimitado de designações concretaslexicais, sintáticos, relações lógicas, tempo determinadas pelo canal, estilo, conteúdo,verbal; composição e função;4. Designações teóricas dos tipos: narração, 4. Exemplos de gêneros : Telefonema, sermão,argumentação, descrição, injunção e exposição. carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, aula expositiva, reunião de condomínio, horóscopo, receita culinária, bula de remédio, lista de compras, cardápio, manual de instruções, outdoor, inquérito policial, resenha, edital de concurso, piada, conversação espontânea, conferência, carta eletrônica, bate- papo virtual, aulas virtuais etc.
  10. 10. Narrativo
  11. 11. • Mais uma noção interessante a se definir e vem sendo um tanto vaga é a expressão domínio discursivo para designar uma esfera ou instância de produção discursiva ou de atividade humana. Estes domínios não são textos nem discursos, mas propiciam o surgimento de discursos específicos.• A jaculatória é um gênero textual que se caracteriza por um conteúdo de grande fervor religioso, composição curta com poucos enunciados, voltada para a obtenção de graças ou perdão.
  12. 12. • Texto : é uma entidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gênero textual .• Discurso : é aquilo que o texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva. O discurso se realiza nos textos, e os textos realizam discursos em situações institucionais, históricas, sociais e ideológicas.
  13. 13. • Para uma melhor noção de Tipo Textual predomina a identificação de sequências lingüísticas típicas como norteadoras.• Para uma noção de Gênero Textual, predominam os critérios de ação prática, circulação sócio-histórica, funcionalidade, conteúdo temático, estilo e composicionalidade.
  14. 14. • A expressão “Tipo de texto”, designa um gênero de texto como por exemplo: carta pessoal, horóscopo, receita médica, bula de remédio, entre outras. Pois em todos estes gêneros também se está realizando tipos textuais, fazendo com que o mesmo gênero realize dois ou mais tipos.
  15. 15. OBSERVAÇOES SOBRE GÊNEROS TEXTUAISPara Bakhtin (1997), quando um indivíduo utiliza a língua,sempre o faz por meio de um tipo de texto ainda que possa nãoter consciência dessa, ou seja, a escolha de um tipo é um dospassos- se não o primeiro- a ser seguido no processo decomunicação.Por isso, os tipos textuais podem ser uma ferramenta que está adisposição do falante, sendo por ele escolhidos da maneira quemelhor lhe convém para, no processo de comunicação, auxiliá-lo na sua expressão lingüística.
  16. 16. Tomar um tipo textual como uma estrutura básicanormalmente usada em uma determinada situação o tornauma valiosa “ferramenta” que o falante procura, guia econtrola para poder expressar a função maior da linguagemque é atingir uma comunicação, em maior ou menor grauargumentativo, ou seja, uma comunicação cujo objetivo éefetivamente alcançado e concretizado; daí dizer que aargumentação está inscrita no uso da língua.Sendo os gêneros fenômenos sócio – históricos eculturalmente sensíveis, não há como fazer um lista fechadade todos os gêneros.
  17. 17. Estudos feitos por lingüistas alemãs, constam que existammais ou menos 4.000 gêneros nomeados.De acordo com diversas pesquisas voltadas para a questãodos gêneros textuais, já se tornou evidente que os gêneros sãofenômenos históricos ligados à vida cultural e social, os quaiscontribui para a ordenar e estabilizar as atividadescomunicativas do dia-a-dia.Os gêneros não são entidade naturais com as borboletas, aspedras, os rios, as estrela... Mas sim são artefatos culturaisconstruídos historicamente por nós seres humanos.
  18. 18. Bronckart (1999) diz “Conhecer um gênero de textotambém é conhecer suas condições de uso, suapertinência, sua eficácia, ou de forma mais geral, suaadequação em relação às características desse contextosocial.”
  19. 19. INTERTEXTUALIDADE INTER – GÊNEROS.Se usa a para designar a situação em que um gênero assume afunção de outro.A questão da intertextualidade evidencia –se como uma mesclade funções e formas de gêneros diversos num dado gênero edeve ser distinguida da questão da diversidade tipológica dogênero realizando varias seqüências de tipos textuais.Resumidamente em relação aos gêneros:01- intertextualidade inter – gêneros: um gênero com a função deoutro02- heterogeneidade tipológica: um gênero com a presença devários tipos.
  20. 20. GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO.-Os interlocutores seguem em geral três critérios paradesignarem seus textos:a. canal/ meio de comunicação. ( Telefonema, carta, email)b. Critérios formais. ( conto, discussão, debate, ata, poema)c. Natureza do conteúdo.( Piada, Prefacio delivro, receita, bula de remédio)
  21. 21. -Os gêneros são geralmente determinados com base nosobjetivos dos falantes e na natureza do tópico falado.- Deveria haver na produção de cada gênero textual osseguintes aspectos:a. Natureza da informação ou conteúdo veiculado.b. Nível de linguagem.c. Tipo de situação em que o gênero se situa.d. Relação entre os participantes.e. Natureza dos objetivos das atividades desenvolvidas.- No ensino pode-se tratar dos gêneros e levar os alunos aproduzirem ou analisarem eventos lingüísticos os maisdiversos, tantos escrito quanto orais, e identificarem ascaracterísticas de gênero em cada um.
  22. 22. Todos os textos surgem na sociedade e pertencem a gênerostextuais que se relacionam com atividades sociaisespecíficas, portanto ele deve ser produzido e utilizado paraatingir um objetivo almejado.Muitos dos gêneros textuais são rotulados quanto a suaestrutura e organização ganhando assim uma significação.O trabalho com gêneros e tipos textuais fazcompreendermos as características estruturais de um texto etambém as condições sociais que levam ao funcionamentoe ao bom êxito de seu uso, por outro lado não podemosesquecer que a criatividade é uma ferramenta que deve serlevada em consideração.
  23. 23. É claro que contamos com uma imensidão de gêneros textuaisexistentes na sociedade e que, conforme as necessidadesdessa sociedade novos gêneros surgem e antigos desaparecemde acordo com suas funções lingüísticas e sociais no qual omercado de trabalho está inserido no contexto sócio-histórico.Concluímos que todo texto é um meio de comunicação e quediferem os gêneros e tipos textuais de acordo com suafuncionalidade que é flexível no processo de relacionamentosocial

×