Resumo Auto Da íNdia

25.286 visualizações

Publicada em

powerpoint

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
97
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
240
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo Auto Da íNdia

  1. 2. Caracterização das Personagens
  2. 3. Ama Ama é a personagem principal, e é em torno dela que se desenrola toda a acção. Revela-se uma mulher sensual e precipitada, incapaz de controlar os seus impulsos durante a ausência do marido. Essa sensualidade leva-a a aceitar sem dificuldade o assédio dos seus dois pretendentes, Castelhano e Lemos. Vós querieis ficar cá? Agora he cedo ainda; Tornareis vós outra vinda, E tudo bem se fará.
  3. 4. A sua hipocrisia e falsidade são evidentes, apesar do comportamento claramente imoral, procura por todos os meios preservar a imagem pública de uma mulher honesta e virtuosa. A imagem que ela procura transmitir para o exterior, para o marido e para os próprios amantes contrasta com o seu efectivo comportamento. Só nos monólogos e nos diálogos com a Moça é que ela revela sem disfarce a sua verdadeira maneira de ser. A Ama representa todas aquelas mulheres que, abandonadas pelos maridos empenhados na aventura ultramarina, se mostravam incapazes de resistir ao assédio dos pretendentes, caindo em adultério. As suas duas vertentes…
  4. 5. Moça Representa os trabalhadores domésticos, obrigados a submeter-se aos caprichos e maus tratos dos patrões, mas tendo um estatuto especial. Por um lado, é uma personagem, ao mesmo nível das outras, na medida em que intervém no desenrolar dos acontecimentos. Assume então o papel de confidente e amiga, a sua presença permite à Ama revelar o seu verdadeiro carácter, que ela esconde, quer do marido, quer dos amantes.
  5. 6. É fiel à sua ama, que nunca a denuncia, perspicaz e atenta aos comportamentos da sua senhora, sensata, pois não se deixa iludir pela grandeza das outras personagens, crítica, é a única personagem que mostra ser capaz de distinguir claramente o certo do errado. Continuação …
  6. 7. É uma personagem de origem social e humilde, oportunista procura imediatamente seduzir a Ama, assim que se apercebe da ausência do marido. Utiliza como estratégia de sedução o elogio e o seu estatuto humilde. Ao mesmo tempo revela-se um arrogante, e muito valente. A imagem de homem culto, civilizado, que procura transmitir com a sua grandiosa declaração, é desfeita ao reagir com grande violência verbal, quando se sente rejeitado pela Ama. É homem rico, apesar do aspecto que apresenta. Castelhano
  7. 8. Caracterização do Lemos <ul><li>Lemos entra em cena na 3ª parte da obra; </li></ul><ul><li>De nacionalidade portuguesa; </li></ul><ul><li>É pretendente da Ama; </li></ul><ul><li>É ingénuo e inocente nesta história toda, pois a Ama anda com o Castelhano e com ele. </li></ul><ul><li>Lemos, tal como o Castelhano é introduzido na peça para caracterizar a Ama como uma mulher leviana e adúltera; </li></ul><ul><li>É um rapaz pobre </li></ul>
  8. 9. <ul><li>O Lemos é ingénuo e inocente nesta história toda, porque a Ama anda com ele e com Castelhano ao mesmo tempo, sem eles sonharem com a existência de cada um, pois ela é bastante inteligente e sabe-os enganar muito bem. (vv.251-264). </li></ul><ul><li>Lemos, documenta o culto das aparências, com mais sucesso do que o Castelhano, visto que as suas maneiras delicadas seduzem a Ama e levam-na a preferi-lo ao Juan de Zamora (Castelhano). </li></ul><ul><li>Também ele procura (e consegue) aproveitar-se da ausência do Marido para obter os favores sexuais da Ama, que, aliás, mostra ter percebido há muito a corte distante de Lemos. </li></ul><ul><li>Lemos tal como o Castelhano, é introduzido na peça para caracterizar a Ama como uma mulher leviana e adúltera. </li></ul>
  9. 10. Lemos é um escudeiro pobre, que procura esconder a decadência, com modos delicados e um discurso galanteador. Ostenta um desafogo material que não engana a Moça, quando presunçosamente a manda fazer compras, pois de imediato rejeita os alimentos caros e dá-lhe muito pouco dinheiro para as despesas: (vv.273-283): Moça: “O que quiserdes comprarei.” Lemos: “Traze ua quarta de cerejas. E um ceitil de briguigões.” Moça: “Cabrito?” Lemos: “ tem mil barejas.” Moça: “E ostras, trazerei delas?” Lemos: “Se valerem caras, não.” Antes traze mais um pão E o vinho das estrelas.” Moça: “Quanto trazerei de vinho?” Lemos: “Três pichéis deste caminho.” Moça: “Dais-me um cinquinho, nô mais?” Lemos: “Toma aí mais dous reais. Vái e vem muito emproviso.”
  10. 11. Fim Trabalho realizado pelos alunos do 9º C e E: *

×