STRESS, EMOÇÕES E CANCRO
João Paulo Pestana
Núcleo de Psicologia AOA
psicologia@aoa.pt
Portimão, 10 de Julho 2010
O que é o stress?
O STRESS é uma reacção do organismo
(mente-corpo) perante uma situação
(estímulo) potencialmente ameaça...
O que é o stress?
Popularmente o termo stress está associado a algo de negativo. No entanto,
quando realizamos investigaç...
Síndrome Geral de Adaptação (SGA) de
Hans Selye (1956)
1. Reacção de alarme
(resposta Fuga ou Luta de Cannon)
2. Estado de...
Curva do Stress
Stress Agudo = Positivo (aumenta desempenho)
Stress Crónico = Negativo (contribui para o esgotamento fís...
Psicobiologia da Resposta
de “Luta ou Fuga”
Lutar… ou Fugir…
Stress como mecanismo fundamental de
sobrevivência e desenvolvimento da
espécie humana.
Face à ameaça d...
TESTE DO STRESS
STRESS
efeitos secundários
dos tratamentos
mudança nos
papéis familiares
mudanças a
nível social
decisões sobre
o tratamen...
Consequências Psicossociais Associadas ao
Diagnóstico e Tratamento do Cancro
Nível Psicológico
Medo do diagnóstico (morte...
Benefícios do Acompanhamento
Psicossocial
Melhoria da qualidade de vida do doente e da sua família.
Redução da depressão...
Stress, Emoções e Cancro
Cancro = Stress e Perturbações Emocionais √√
Stress e Perturbações Emocionais = Cancro ??
Psico-oncologia
Actualmente, a psico-oncologia é definida como uma sub-especialidade do
tratamento integral da pessoa com...
Investigações Pioneiras
1950 – primeiros trabalhos que tentam perceber a resposta psicológica
e a adaptação à doença de p...
Inventário de Stress de Holmes
& Rahe (1967)
Resultados:
0-149: sem problema.
150-199: stress ligeiro. 35% de
probabilid...
Mente & Corpo
Psiconeuroimunologia (Solomon e Moos, 1964)
Psiconeuroimunoendocrinologia (Ader e Cohen, 1975)
 Supressão...
Uma crença não é apenas uma ideia que a mente possui,
é uma ideia que possui a mente.
Robert Oxton Bolt
Stress crónico di...
Existência de depressão = maior probabilidade
de cancro nos 20 anos seguintes (Persky et al.,
1987)
Relação directa entr...
Características de personalidade mais comuns:
traumas emocionais infantis por resolver;
supressão de emoções fortes (re...
Apoio Social
Relações interpessoais fracas ou inexistentes e
maior probabilidade de desenvolvimento de
cancro (Reinolds &...
Investigação
Estudos efectuados em humanos, têm vindo a demonstrar que o
stress crónico pode provocar:
a activação contí...
Hoje sabemos que existe uma interligação
entre o sistema nervoso central, o sistema
endócrino e o sistema imunitário que ...
STRESS vs RELAXAMENTO
A Resposta de Relaxamento (Benson, 1996)
Estado psicofisiológico de relaxamento do
organismo que é...
Depressão
Ansiedade
Solidão
Agressividade
Ira/revolta
Culpa
Medo
Emoções “Negativas” Emoções “Positivas”
Stress Rel...
Factores de Risco Populacional
• Envelhecimento
• Antecedentes Familiares
• Mutações genéticas e hormonais
• Radiação ioni...
ETIOLOGIA
MODELO
BIOMÉDICO
Factores Genéticos
- Mutações genéticas
- Metabolismo
- Condições Imunitárias
Factores Ambienta...
MODELO
BIOPSICOSSOCIAL
Factores Genéticos
- Mutações genéticas
- Metabolismo
- Condições Imunitárias
Factores Ambientais
-...
EPIGENÉTICA
Epi – genética = acima do gene
“Estudo dos mecanismos moleculares pelos quais o meio ambiente
controla a activ...
EPIGENÉTICA E CANCRO
CANCRO
GENES
SINAIS
BIOQUÍMICOS
(extracelular)
COMPORTAMENTO
PERCEPÇÃO (interpretação)
CRENÇAS
Nutriç...
“Na vida, o mais importante não são as cartas que
a vida nos dá, o mais importante é a forma como
jogamos as cartas que a ...
Stress, emoções e cancro
Stress, emoções e cancro
Stress, emoções e cancro
Stress, emoções e cancro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Stress, emoções e cancro

1.809 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
155
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Stress, emoções e cancro

  1. 1. STRESS, EMOÇÕES E CANCRO João Paulo Pestana Núcleo de Psicologia AOA psicologia@aoa.pt Portimão, 10 de Julho 2010
  2. 2. O que é o stress? O STRESS é uma reacção do organismo (mente-corpo) perante uma situação (estímulo) potencialmente ameaçadora (interpretação) para a integridade física ou psicológica do indivíduo e que resulta em respostas psicofisiológicas e/ou comportamentais (Dhabhar & McEwen, 1997) O STRESS intensifica-se quando a pessoa não dispõe dos recursos suficientes para satisfazer as solicitações (Burnout) O STRESS é a ausência de homeostase (equilíbrio) no organismo.
  3. 3. O que é o stress? Popularmente o termo stress está associado a algo de negativo. No entanto, quando realizamos investigação nesta área importa distinguir entre: Eustress = stress positivo Distress = stress negativo
  4. 4. Síndrome Geral de Adaptação (SGA) de Hans Selye (1956) 1. Reacção de alarme (resposta Fuga ou Luta de Cannon) 2. Estado de adaptação ou resistência 3. Esgotamento (Burnout) Resposta ao stress de Walter Cannon, (1911) “Luta ou Fuga” O que é o stress?
  5. 5. Curva do Stress Stress Agudo = Positivo (aumenta desempenho) Stress Crónico = Negativo (contribui para o esgotamento físico e psicológico)
  6. 6. Psicobiologia da Resposta de “Luta ou Fuga”
  7. 7. Lutar… ou Fugir… Stress como mecanismo fundamental de sobrevivência e desenvolvimento da espécie humana. Face à ameaça de um animal selvagem ou de uma tribo inimiga, era crítico tomar decisões instantâneas quanto ao melhor comportamento a adoptar: “fugir ou atacar”, “matar ou morrer”, “comer ou ser comido”. Os antepassados que demoravam muito tempo a decidir o que fazer, tinham menos probabilidades de sobreviver e de, assim, poderem transmitir os seus genes aos seus descendentes.
  8. 8. TESTE DO STRESS
  9. 9. STRESS efeitos secundários dos tratamentos mudança nos papéis familiares mudanças a nível social decisões sobre o tratamento medo do sofrimento diagnóstico dor fantasma da morte CANCRO E STRESS capacidade física e funcional reduzida medo de recidiva
  10. 10. Consequências Psicossociais Associadas ao Diagnóstico e Tratamento do Cancro Nível Psicológico Medo do diagnóstico (morte) Depressão e ansiedade Luto patológico Medo da dor Questão existencial (planos de vida) Mudanças na imagem corporal Medo de recidiva Distress Psicossocial – 50%Distress Psicossocial – 50% Zabora J. (2001) Nível Social/Familiar Problemas familiares (dificuldades de comunicação e troca de papéis) Medo da rejeição e isolamento social Limitações físicas que podem comprometer o desempenho e estatuto sócio-profissional Medo de não conseguir cumprir com as obrigações financeiras
  11. 11. Benefícios do Acompanhamento Psicossocial Melhoria da qualidade de vida do doente e da sua família. Redução da depressão e da ansiedade associadas. Alívio do stress e de problemas físicos (dor, náuseas, vómitos) Aumento da capacidade de adaptação face à doença e aos seus tratamentos. Fortalecimento da adesão terapêutica e melhoria da comunicação médico-paciente. Fortalecimento do sistema imunitário. Aumento da sobrevida (inconclusivo)  Redução de custos (menos medicação e visitas ao médico por problemas emocionais). NCCN, (2007). Distress Management Clinical Practice Guidelines in Oncology
  12. 12. Stress, Emoções e Cancro Cancro = Stress e Perturbações Emocionais √√ Stress e Perturbações Emocionais = Cancro ??
  13. 13. Psico-oncologia Actualmente, a psico-oncologia é definida como uma sub-especialidade do tratamento integral da pessoa com cancro, que engloba duas dimensões:  Tratamento das perturbações psicológicas dos pacientes com cancro e seus familiares em todos os níveis de progressão da doença, bem como o stress dos próprios técnicos de saúde;  Estudo dos factores psicológicos, sociais e comportamentais que contribuem para o desenvolvimento do cancro e para a sobrevida dos doentes.
  14. 14. Investigações Pioneiras 1950 – primeiros trabalhos que tentam perceber a resposta psicológica e a adaptação à doença de pacientes internados nos EUA.  existência de uma correlação forte entre alguns factores psicológico, como a culpa e a vergonha, e o estigma do cancro (Holland, 2000). 1960 – Informar o doente ou não informar?  Psis. começam a falar com doentes e a trocar impressões com médicos. Intervenção clínica nos doentes com cancro monstrou a existência de:  características de personalidade semelhantes.  histórias de vida com um elevado número de acontecimentos de vida traumáticos não resolvidos.
  15. 15. Inventário de Stress de Holmes & Rahe (1967) Resultados: 0-149: sem problema. 150-199: stress ligeiro. 35% de probabilidade de desenvolver uma doença ou problema de saúde. 200-299: stress moderado: 50% de probabilidade de desenvolver uma doença ou problema de saúde. 300+: stress severo. 80% de probabilidade de desenvolver uma doença ou problema de saúde.
  16. 16. Mente & Corpo Psiconeuroimunologia (Solomon e Moos, 1964) Psiconeuroimunoendocrinologia (Ader e Cohen, 1975)  Supressão do sistema imunitário por condicionamento ambiental clássico.  Compreensão das náuseas e vómitos antecipatórios nos doentes de quimioterapia como um fenómeno aprendido (condicionado). 34 homens saudáveis foram condicionados durante quatro sessões em três dias consecutivos. Receberam o fármaco imunossupressor Ciclosporina A como estimulo incondicionado emparelhada com uma bebida com sabor característico (estimulo condicionado), cada 12 horas. Na semana seguinte, os indivíduos foram novamente expostos ao estímulo condicionado (bebida), mas desta vez emparelhada com um placebo. Como resultado, verificou-se que as cápsulas placebo induziram a uma supressão da resposta imunitária (Goebel et al., 2002)
  17. 17. Uma crença não é apenas uma ideia que a mente possui, é uma ideia que possui a mente. Robert Oxton Bolt Stress crónico diário activa mecanismo do stress, mas… Características de personalidade regulam a resposta ao stress. Acontecimentos de vida traumáticos por resolver provocam activação do mesmo mecanismo do stress (stress crónico). PORQUÊ? A mente não distingue a diferença entre uma imagem real e uma imagem vividamente imaginada. “Recordar é viver” – psicofisiologicamente. O pensamento “materializa-se” no corpo.
  18. 18. Existência de depressão = maior probabilidade de cancro nos 20 anos seguintes (Persky et al., 1987) Relação directa entre depressão e mortalidade (controverso) (Hjerl et al., 2003) Relação positiva entre depressão e cancro; - Relação negativa entre depressão clínica e cancro (Bieliauskas, 1980) Contradição entre resultados (Massie, 2004) Distinção entre depressão, depressividade e depressibilidade (Coimbra de Matos, 2001) Depressão
  19. 19. Características de personalidade mais comuns: traumas emocionais infantis por resolver; supressão de emoções fortes (revolta); tendência geral para o desespero; complacência com os desejos dos outros – “NÃO” evitamento de conflitos; auto-estima fragilizada . (Temoshok, 1987) Valores altos de acting out e de expressão emocional = -1% risco de cancro Inibição da expressão emocional = 16x maior propensão vir a desenvolver cancro (Shaffer et al., 1987) “O cancro é a doença das pessoas boas ” (Siegel, 2004) Personalidade Tipo C
  20. 20. Apoio Social Relações interpessoais fracas ou inexistentes e maior probabilidade de desenvolvimento de cancro (Reinolds & Kaplan, 1986) Importância do comportamento (Pereira & Lopes, 2002) Relações interpessoais fracas e maior desregulação do sistema neuroendócrino (Turner- Cobb et al., 2000) Relações interpessoais fracas e supressão do sistema imunitário (Kiecolt-Glaser et al., 2002)
  21. 21. Investigação Estudos efectuados em humanos, têm vindo a demonstrar que o stress crónico pode provocar: a activação contínua da resposta ao stress conduzindo à supressão do sistema imunitário e à desregulação do sistema endócrino (Cohen et al., 1999, 2001; (Boscarino & Chang, 1999; Coker et al., 2003; Nielsen et al., 2005). dificuldades na reparação do ADN (Kiecolt-Glaser & Glaser,1986)
  22. 22. Hoje sabemos que existe uma interligação entre o sistema nervoso central, o sistema endócrino e o sistema imunitário que é mantida por vários mensageiros químicos (peptídeos) segregados pelas células nervosas, por alguns órgãos do sistema endócrino ou por células imunitárias (Mendes, 2002) Stress Crónico = Supressão Imunitária e Desregulação Endócrina CANCRO Stress Emocional, Imunidade e Cancro
  23. 23. STRESS vs RELAXAMENTO A Resposta de Relaxamento (Benson, 1996) Estado psicofisiológico de relaxamento do organismo que é contrário à resposta de stress de Fuga-ou-Luta. Relaxamento homeostase Melhor Qualidade de Vida
  24. 24. Depressão Ansiedade Solidão Agressividade Ira/revolta Culpa Medo Emoções “Negativas” Emoções “Positivas” Stress Relaxamento Amor Felicidade Alegria Optimismo Esperança Perdão Fé (relig./espirit.) DOENÇA SAÚDE Psicologia Positiva
  25. 25. Factores de Risco Populacional • Envelhecimento • Antecedentes Familiares • Mutações genéticas e hormonais • Radiação ionizante • Substâncias Químicas Genética e Meio Ambiente • Tabaco • Álcool • Excesso de peso e sedentarismo • Tipo de alimentação • Factores Psicológicos(Comportamento) Cerca de 90% de todos os cancros podem atribuir-se a factores externos que, de forma geral, a pessoa pode modificar e assim diminuir o risco de desenvolver cancro.
  26. 26. ETIOLOGIA MODELO BIOMÉDICO Factores Genéticos - Mutações genéticas - Metabolismo - Condições Imunitárias Factores Ambientais - Radiação - Tabaco - Químicos Sintéticos Organismo = corpo (passivo) Cancro Indivíduo… - Vítima - Passivo -Powerless Os genes controlam a vida (saúde e doença)
  27. 27. MODELO BIOPSICOSSOCIAL Factores Genéticos - Mutações genéticas - Metabolismo - Condições Imunitárias Factores Ambientais - Radiação - Tabaco - Químicos Sintéticos Organismo = mente/corpo) (activo) Cancro Indivíduo… - Responsabilização - Activo -Empowerment Indivíduo - Características Personalidade -Acontecim. vida traumáticos - “Inteligência Emocional” Directa (Bioquímica) Indirecta (Comportamento) O “meio ambiente” controla a expressão dos genes (saúde e doença)
  28. 28. EPIGENÉTICA Epi – genética = acima do gene “Estudo dos mecanismos moleculares pelos quais o meio ambiente controla a actividade (expressão) genética”. Meio ambiente = extracelular (nutrição, hormonas, químicos artificiais, stress emocional) Ser Humano Organismo de 100 triliões de células que reagem continuamente a estímulos do ambiente. O comportamento intracelular é “determinado” pelo ambiente extracelular. Bruce Lipton, The Biology of Belief.
  29. 29. EPIGENÉTICA E CANCRO CANCRO GENES SINAIS BIOQUÍMICOS (extracelular) COMPORTAMENTO PERCEPÇÃO (interpretação) CRENÇAS Nutrição, hormonas, químicos artificiais, radiação, emoções Stress Crónico EXPERIÊNCIAS PRECOCES As nossas CRENÇAS controlam os nossos genes Genes orientam, mas não determinam! Fumar, beber, alimentação saudável, realizar exercício físico, descansar, exames médicos de rotina…
  30. 30. “Na vida, o mais importante não são as cartas que a vida nos dá, o mais importante é a forma como jogamos as cartas que a vida nos dá” Josh Billings

×