PROJETO
BASE ARTÍSTICA E REFLEXIVA
PROFESSORES: JÉSSICA DOS ANJOS, JOSIELIO MARINHO, MILÊNA DAFANNI,
PÂMELA MELO E RAABE Q...
Contatos do projeto:
http://pibidbar.blogspot.com.br/
http://www.facebook.com/ProjetoBar
Admirável chip novo ²
(Pitty)
Pan...
² http://www.vagalume.com.br/pitty/admiravel- chip-novo.htm
Rodo Cotidiano ³
(Rappa)
Ô Ô Ô Ô Ô My Brother
Ô Ô Ô Ô Ô My Bro...
mas não tem nome
é comum e é normal
Sou mais um no Brasil da Central
Da minhoca de metal
que corta as ruas
da minhoca de m...
Que só sabe roba
Passa a mão no que é do
outro
Foi aí que eu descobri
O porque de tanto imposto
O porque da corrupção
O po...
Poema
Canção do Exílio 5
(Gonçalves Dias)
"Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não g...
Paráfrase:
Meu país tinha palmeiras,
Lá cantava o Sabiá;
Que hoje quase não canta
Porque poucos deles há.
Nosso céu, tem s...
Antes de sairde casa, escolhaa língua portuguesa que você vai vestir!
Você já parou para pensar que saber usar a língua po...
de sair de casa, não se esqueça de “vestir” a modalidade (formal ou informal) que melhor se
encaixará em suas atividades!
...
PRECONCEITO
Quem planta preconceito
Racismo, indiferença
Não pode reclamar da
violência
Quem planta preconceito
Racismo, i...
Que está aí
Sequela a violência
Entrando pelo rádio
Pela tela
E você só sente quando
falta
O rango na panela
Nunca aprende...
Futucando bem
Todo mundo tem piolho
Ou tem cheiro de creolina
Todo mundo tem um irmão meio zarolho
Só a bailarina que não ...
Denúncia social em vários ritmos
Racismo é burrice
Não seja um imbecil
Não seja um ignorante
Não se importe com a origem o...
Pescadorde ilusões
(Gabriel, o pensador)
Se meus joelhos não doessem mais
Diante de um bom motivo
Que me traga fé, que me ...
Charge 1
Charge 2
Charge 3
Tirinha 2
Charge 4
Charge 5
Charge 6
Charge 7
PRODUÇÃO TEXTUAL
__________________________________________________________________________________
______________________...
Modulo 2015.2 revisado
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modulo 2015.2 revisado

165 visualizações

Publicada em

Modulo executado no segundo semestre de 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modulo 2015.2 revisado

  1. 1. PROJETO BASE ARTÍSTICA E REFLEXIVA PROFESSORES: JÉSSICA DOS ANJOS, JOSIELIO MARINHO, MILÊNA DAFANNI, PÂMELA MELO E RAABE QUEIROZ. MÓDULO II AS AULAS DE PORTUGUÊS NO RITMO DA DENUNCIA SOCIAL. ALUNO(A):________________________________________________________ ________
  2. 2. Contatos do projeto: http://pibidbar.blogspot.com.br/ http://www.facebook.com/ProjetoBar Admirável chip novo ² (Pitty) Pane no sistema alguém me desconfigurou Aonde estão meus olhos de robô? Eu não sabia, eu não tinha percebido Eu sempre achei que era vivo Parafuso e fluído em lugar de articulação Até achava que aqui batia um coração Nada é orgânico é tudo programado E eu achando que tinha me libertado Mas lá vem eles novamente, eu sei o que vão fazer: Reinstalar o sistema Pense, fale, compre, beba Leia,vote, não se esqueça Use, seja, ouça, diga Tenha, more, gaste, viva Pense, fale, compre, beba Leia,vote, não se esqueça Use, seja, ouça, diga Não senhor, Sim senhor, Não senhor, Sim senhor Admirável chip novo - Pitty Pane no sistema alguém me desconfigurou Aonde estão meus olhos de robô? Eu não sabia, eu não tinha percebido Eu sempre achei que era vivo Parafuso e fluído em lugar de articulação Até achava que aqui batia um coração Nada é orgânico é tudo programado E eu achando que tinha me libertado Mas lá vem eles novamente, eu sei o que vão fazer: Reinstalar o sistema Pense, fale, compre, beba Leia,vote, não se esqueça Use, seja, ouça, diga Tenha, more,gaste, viva Pense, fale, compre, beba Leia,vote, não se esqueça Use, seja, ouça, diga Não senhor, Sim senhor, Não senhor, Sim senhor Mas lá vem eles novamente, eu sei o que vão fazer: Reinstalar o sistema __________________________________
  3. 3. ² http://www.vagalume.com.br/pitty/admiravel- chip-novo.htm Rodo Cotidiano ³ (Rappa) Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother A ideia lá comia solta subia a manga amarrotada social no calor alumínio não tinha caneta nem papel e uma ideia fugia era o rodo cotidiano era o Rodo cotidiano 0 espaço é curto quase um curral na mochila amassada uma quentinha abafada meu troco é pouco (x2) é quase nada Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Não se anda por onde gosta mas por aqui nao tem jeito todo mundo se encosta ela some ela no ralo de gente ela é linda mas não tem nome é comum e é normal Sou mais um no Brasil da Central Da minhoca de metal que corta as ruas da minhoca de metal como um Concorde apressado cheio de força voa, voa pesado que o ar e o avião, o avião, avião do trabalhador Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother 0 espaço é curto quase um curral na mochila amassada uma vidinha abafada meu troco é pouco (x2) é quase nada Não se anda por onde gosta mas por aqui não tem jeito todo mundo se encosta ela some ela no ralo de gente ela é linda
  4. 4. mas não tem nome é comum e é normal Sou mais um no Brasil da Central Da minhoca de metal que corta as ruas da minhoca de metal que entorta as ruas como um Concorde apressado cheio de força Voa, voa pesado que o ar e o avião, o avião, avião do trabalhador Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother 3x Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Ô Ô Ô Ô Ô My Brother Rap Denuncia 4 (Rapaziada MC's) Ae ladrão, vem que vem, Vem com nóis na missão Fala da realidade Sem ter medo de prisão Voz de assalto Pra que? Se nóis tem voz pra canta rap Rap nacional, É assim que nóis segue Não cantamo porcaria Estilo hungria e mag Falamo da realidade Esse é o rap Falamo do tiozinho Catando papelão Fazendo a correria Pra compra o pão Falamo dos playboy Que só sabe ostenta Das mina interesseira Que com eles que ta Falamo do amor Da realidade O rap tem seu valor Trutão, na humildade Então tamo aqui Fazendo esse rap Pra você ouvir Então lembra e nunca esquece Que o rap tem seu valor Na batalha o sofredor Memo tamo na guerra Não esquece do amor Do amor da sua familia Do amor de seus amigos Do amor da sua mina Dos loko e dos primo O rap é assim, fala da realidade Sem ter medo de cair Nois segue com lealdade Policia embaça Pede pra nóis para Mais nós ignoramos Nós vamos continuar Porque assim que é o rap Assim que tem que ser Driblando as armadilhas Tanto eu quanto você Apologia ao crime Falam que nós fazemos Incentivamo a morte E o sangue escorrendo Olha bem playboy Compara seu olerite Com do pobre Que não tem nem o do dia seguinte Isso sim é apologia Desigualdade social Desses politico Vadio e imoral
  5. 5. Que só sabe roba Passa a mão no que é do outro Foi aí que eu descobri O porque de tanto imposto O porque da corrupção O porque da ladruage E esses vadio Sai só, na vantage Policia sai bantendo Dando porrada Em mano que tá queto Sem faze nada Policia corrupta Só para por propina Quero ver lembrar disso Quando passa pela esquina Do unibanco Com a rua da fome Os pm tão ali Pra canetia os home Dano multa em todo Pra junta dinheiro Pra esse governo Que todo mundo tem desprêzo O rap denuncia Não faz apologia Citamo a realidade Do dia-a-dia Morde o calcanhar Do presidente Que prende por apologia Um inocente Discontam do meu salário Vai tudo pro bolso Desses maldito salafrário O rap denuncia Não faz apologia Citamo a realidade Do dia-a-adia Charges
  6. 6. Poema Canção do Exílio 5 (Gonçalves Dias) "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossas flores têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite - Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá."
  7. 7. Paráfrase: Meu país tinha palmeiras, Lá cantava o Sabiá; Que hoje quase não canta Porque poucos deles há. Nosso céu, tem sim, estrelas, Mas, nas várzeas não há flores, Nossos bosques têm queimadas, Há mais ódio e desamores. Ao deitar, todas as noites, A lembrar ponho-me cá; Daquelas lindas palmeiras, Do canto do Sabiá. Meu país tinha primores, Mas já não os vejo cá. Ao lembrar –sozinho, à noite- Quanta tristeza me dá! Onde estão minhas palmeiras, Onde anda o Sabiá? Permita-me, Deus que eu morra, Sem que tenha de ver cá; Mais depredação das matas E a extinção do Sabiá, Destas matas brasileiras Qu’igual no mundo não há. (Mario Quintana) Paródia Minha terra não tem palmeiras... E em vez de um mero sabiá, Cantam aves invisíveis Nas palmeiras que não há. Minha terra tem relógios, Cada qual com sua hora Nos mais diversos instantes... Mas onde o instante de agora? Mas onde a palavra "onde"? Terra ingrata, ingrato filho, Sob os céus da minha terra Eu canto a Canção do Exílio!
  8. 8. Antes de sairde casa, escolhaa língua portuguesa que você vai vestir! Você já parou para pensar que saber usar a língua portuguesa é como saber vestir a roupa adequada para uma ocasião específica? Hein?! Como assim??Imagine uma pessoa, entrando numa igreja para assistir a uma cerimônia de casamento, usando roupas de banho como se estivesse na praia… Estranho, não? Agora, imagine uma pessoa preparada para esquiar, com todos aqueles equipamentos e roupas de frio, entrando no mar para aproveitar um dia ensolarado na praia! Ambas as situações nos causam estranheza pelo fato desses personagens estarem vestindo roupas inadequadas para as ocasiões em que se encontram. O mesmo ocorre com o uso da língua portuguesa. Podemos dizer que o português tem duas formas, uma coloquial, informal, e outra formal. Quando crianças, geralmente, aprendemos com nossos familiares a língua portuguesa informal, considerada “incorreta”. Já, quando vamos à escola, a professora nos ensina a língua portuguesa formal, culta, considerada gramaticalmente “correta”.Na verdade, não se trata de língua “correta” ou “incorreta”. Trata-se de língua em situação formal ou informal de uso. Quando estamos em casa ou entre amigos, não há problema em usarmos a modalidade informal. Logo, as frases “pra mim fazer” e “os caderno está na gaveta” podem ser ditas sem problemas. Mas, quando estamos no trabalho ou em situações que pedem formalidade, não podemos usar a modalidade informal, mas, necessariamente, a formal, a gramaticalmente “correta”. Imagine-se participando de uma palestra com o maior conhecedor de informática. Ele usa um terno de um estilista famoso e tem uma caneta Mont Blanc na mão. Todos os participantes estão maravilhados com a apresentação pessoal do palestrante. Provavelmente, alguns estão pensando “a palestra vai ser muito boa.” E, ainda, para auxiliar sua apresentação, o sujeito faz uso do melhor equipamento, do mais caro. Então, ele diz: “Bom dia! Estou aqui pra mostrá procêis uma nova tecnologia que a gente desenvolvemos. Mas, pra nóis quebrá o gelo, seria bom a gente fazermos uma apresentação breve. Cada um fala nome, cidade…” Com certeza, a caneta Mont Blanc e o terno caríssimo caem por terra. Será mesmo que um cara que fala desse jeito entende do assunto que vai falar? O que você pensaria se estivesse assistindo essa palestra? Lembre-se: fazer uso da norma culta é muito importante se você quer ter credibilidade no que diz e no que faz. E usar a norma culta compreende tanto a fala quanto a escrita. Antes
  9. 9. de sair de casa, não se esqueça de “vestir” a modalidade (formal ou informal) que melhor se encaixará em suas atividades!  A língua portuguesa no mercado de trabalho De cada dez pessoas que passam por uma entrevista de trabalho, sete são reprovadas porque falam e escrevem errado, segundo as agências de empregos. Esta é uma curiosa e assustadora estatística apresentada em uma reportagem do Jornal Hoje (30/10/2006). A reportagem mostra que as empresas têm exigido o domínio da língua portuguesa, tanto na fala, como na escrita. Para isso, elas realizam testes de português, que são eliminatórios. Os resultados são altos índices de reprovação: “62% dos candidatos de nível médio e 45% dos candidatos de nível superior não conseguem passar porque têm pouco vocabulário, não compreendem o texto e demonstram falta de leitura”. Entre os erros gramaticais mais comuns estão a concordância verbal (‘fazem cinco anos’); o gerundismo (‘vamos estar fazendo’); as gírias(‘dar uns toques’); os lugares comuns (‘a nível de Brasil’, ‘fechar com chave de ouro’); a pontuação e a acentuação. A propagação desses erros normalmente acontece através da repetição. Uma pessoa fala errado, a outra retransmite o que ouviu, tornando-se um círculo vicioso. É o caso do gerundismo, que surgiu de uma tradução mal feita do inglês e que foi implantado inicialmente pelas empresas de telemarketing, tornando-se um fenômeno linguístico irritante para os ouvidos. Como falar bem o português é uma exigência hoje em qualquer função, não podemos fugir dessa questão. A dica mais simples é a leitura. É lendo que se aumenta o vocabulário e se evita erros. Com relação aos diálogos, é indicado falar pausadamente, tomando cuidado com as palavras.
  10. 10. PRECONCEITO Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar Lembra da criança No sinal pedindo esmola? Não é problema meu Fecho o vidro Vou embora Lembra aquele banco Ainda era de dia Tem preto lá na porta Avisem a polícia E os milhões e milhões Que roubaram do povo Se foi político ou doutor Serão soltos de novo Ooooooooooooh! Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Impunidade, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Racismo, indiferença Não pode reclamar da violência Quem planta preconceito Impunidade, indiferença Não pode reclamar -"Ainda há muito O que aprender Com África Bambata E Salassiê Com Bob Marley e Chuck D O reggae, o hip hop Às vezes não é esse
  11. 11. Que está aí Sequela a violência Entrando pelo rádio Pela tela E você só sente quando falta O rango na panela Nunca aprende Só se prende, não se defende Se acorrenta, toma o mal Traga o mal, experimenta Por isso ainda há muito O que aprender Com África Bambata E Salassiê Com Bob Marley e Chuck D O reggae, o hip hop pode ser O que se expressa aqui Jamaica O ritmo no podium sua marca Várias medalhas Vários ouros, zero prata E no bater da lata Decreto morte é o gravata E no bater das palmas Viva a cultura rasta" Crianças não nascem más Crianças não nascem racistas Crianças não nascem más Aprendem o que A gente ensina -"Por isso ainda há muito O que aprender Com África Bambata E Salassiê Com Bob Marley e Chuck D Todo dia algo diferente Que não percebi E na lição um novo Dever de casa Mais brasa na fogueira E o comédia vaza A moda acaba A gravadora trai E o fã já não Te admira mais Ainda há muito O que aprender Lado a lado, aliados Natiruts, GOG O DF, o cerrado Um cenário descreve Do Riacho a Ceilândia Cansei de ver A repressão policial A criança sem presente De natal O parceiro se rendendo ao mal Quem planta a violência Colhe ódio no final" Ciranda da bailarina (Chico Buarque) Procurando bem Todo mundo tem pereba Marca de bexiga ou vacina E tem piriri, tem lombriga, tem ameba Só a bailarina que não tem E não tem coceira Verruga nem frieira Nem falta de maneira Ela não tem
  12. 12. Futucando bem Todo mundo tem piolho Ou tem cheiro de creolina Todo mundo tem um irmão meio zarolho Só a bailarina que não tem Nem unha encardida Nem dente com comida Nem casca de ferida Ela não tem Não livra ninguém Todo mundo tem remela Quando acorda às seis da matina Teve escarlatina Ou tem febre amarela Só a bailarina que não tem Medo de subir, gente Medo de cair, gente Medo de vertigem Quem não tem Confessando bem Todo mundo faz pecado Logo assim que a missa termina Todo mundo tem um primeiro namorado Só a bailarina que não tem Sujo atrás da orelha Bigode de groselha Calcinha um pouco velha Ela não tem O padre também Pode até ficar vermelho Se o vento levanta a batina Reparando bem, todo mundo tem pentelho Só a bailarina que não tem Sala sem mobília Goteira na vasilha Problema na família Quem não tem Procurando bem Todo mundo tem...
  13. 13. Denúncia social em vários ritmos Racismo é burrice Não seja um imbecil Não seja um ignorante Não se importe com a origem ou a cor do seu semelhante O quê que importa se ele é nordestino e você não? O quê que importa se ele é preto e você é branco Neste Brasil corrupção pontapé bundão puto saco de mau cheiro do Acre ao Rio de Janeiro Neste país de manda-chuvas cheio de mãos e luvas tem sempre alguém se dando bem
  14. 14. Pescadorde ilusões (Gabriel, o pensador) Se meus joelhos não doessem mais Diante de um bom motivo Que me traga fé, que me traga fé Se por alguns segundos eu observar E só observar A isca e o anzol, a isca e o anzol A isca e o anzol, a isca e o anzol Ainda assim estarei pronto pra comemorar Se eu me tornar menos faminto Que curioso, que curioso O mar escuro trará o medo lado a lado Com os corais mais coloridos Valeu a pena, eh eh Valeu a pena, eh eh Sou pescador de ilusões Sou pescador de ilusões Se eu ousar catar Na superfície de qualquer manhã As palavras de um livro sem final Sem final, sem final, sem final, final. ANEXOS Tirinha 1 - Mafalda
  15. 15. Charge 1 Charge 2 Charge 3
  16. 16. Tirinha 2 Charge 4 Charge 5
  17. 17. Charge 6 Charge 7
  18. 18. PRODUÇÃO TEXTUAL __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________

×