Nietzsche

5.604 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
286
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • E-mail do gruposaulocerqueira@hotmail.com.brleandrolopescarlos@hotmail.comjoao.paulo.mendonca@vale.comorafaelreis@gmail.com
  • Lê a primeira dissertação do livro A Genealogia da moral;Dividir os tópicos;Escrever o texto;
  • Nietzsche

    1. 1. Nietzsche João Paulo Leandro Lopes Rafael Reis Saulo CerqueiraProfessor: Guaracy
    2. 2. SUMÁRIO 1. Biografia 2. Genealogia da Moral 3. Pricipais Ideias 4. Niilismo
    3. 3. BIOGRAFIA Friedrich Nietzsche (1844-1900), alemão, crítico impiedoso do passado e acreditava-se profeta do futuro; Sofreu influência de Schopenhauer; Principais obras: Assim falou Zaratustra (1883) Além do bem e do mal (1886) A Genealogia da Moral (1887)
    4. 4. BIOGRAFIA 24 anos: professor de Filologia Definia-se não como um homem mas, como um dinamite; Proclamou a Morte de Deus, tratou da “moral dos escravos” e “moral dos aristocratas”; Transvalorização dos valores. Elizabeth, numa visita que fez a Hitler, lhe entregou a bengala de seu irmão Nietzsche.
    5. 5. BIOGRAFIA Ideias: negação ao humanismo; a democracia e idealização do “super-homem”; Morre em 1900, após transtorno psiquiátrico grave. Nietzsche em seu leito da morte.
    6. 6. INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO NIETZSCHIANO“Nós, que somos homens do conhecimento, não conhecemos a nós próprios; somos de nós mesmos desconhecidos e não sem ter motivo. Nunca nós nos procuramos: como poderia, então que nos encontrássemos algum dia? ”
    7. 7. GENEOLOGIA DA MORAL Crítica aos psicólogos e historiadoresReconstroem a gênese da moralEvidenciam o lado vergonhoso do mundo interiorIncapacidade de serem imparciais. Origens dos valores morais: o que é o bom?O bom “não egoísta” dos genealogistas da moralO sentido do que é bom conforme conveniência dos “nobres”A oposição entre os dois sentidos. Análise etmológica das palavras “bom” e “mau”Bom com o sentido de "espiritualmente nobre“Transformação do sentido de "comum“ ruimConsequências da moral escrava
    8. 8. GENEOLOGIA DA MORAL Moral dos dominadores x Moral dos dominados Moral Judaico-Cristã e a inversão da moral O problema da referência a outros para pensar e agir
    9. 9. Pricipais Ideias O Eterno Retorno “esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de novo” ("Gaia Ciência", IV, 341)  Viver como se tudo se repetisse novamente  Escolher seus atos como se vivesse isso inúmeras vezes mais
    10. 10. Pricipais Ideias A morte de Deus: Niilismo A criação do superhomem (Além do Homem)
    11. 11. Obras Em "O Nascimento da Tragédia" analisa a origem da tragédia e da cultura ocidental a partir dos conceitos: o apolíneo e o dionísiaco Apolo Dionísio deus do sonho, das deus do vinho, da dança, formas, das regras da música Racional Irracional Estático Dinâmico
    12. 12. Obras “Deus está morto. Deus continua morto. E fomos nós que o matamos” Apresenta o Eterno retorno. A figura de Zaratustra
    13. 13. Obras Linguagem poética, fictícia e metafórica A transformação do homem “Três transformações do espírito vos menciono: como o espírito se muda em camelo, e o camelo em leão, e o leão, finalmente, em criança.”
    14. 14. NIILISMO A palavra niilismo origina-se do latim nihil, que significa nada. É a desvalorização e a morte do sentido, a ausência de finalidade e de resposta ao “porquê”. As primeiras ocorrências do termo niilismo remontam à Revolução Francesa quando foram definidos como “niilistas” os grupos que não eram nem a favor nem contra a Revolução
    15. 15. NIILISMO A primeira vez que o termo foi utilizado como conceitofilosófico pode ser localizado no final do século XVIII, ao longodos debates e das disputas que caracterizam a fundaçãodo idealismo, mais especificamente na carta, escrita em 1799,de F. H. Jacobi a Johann Fichte na qual o idealismo é acusado deser um niilismo. Para Nietzsche todo idealismo é uma espécie de niilismo, na medida em que o idealista refugia-se num mundo que nega a realidade que o cerca.
    16. 16. Concepção nietzscheana de Niilismo NIETZSCHE não foi o criador do niilismo , e sim o seu maior idealizador Niilismo passivo - É a negação do desperdício da força vital na esperança vã de uma recompensa ou de um sentido para a vida; opondo-se frontalmente à moral cristã, nega que a vida deva ser regida por qualquer tipo de padrão moral tendo em vista um mundo superior, pois isso faz com que o homem minta a si próprio, falsifique-se, enquanto vive a vida fixado numa mentira. Niilismo ativo - É onde Nietzsche se coloca, segue o mesmo rumo do niilismo passivo, mas propõe uma atitude mais ativa: renegando os valores metafísicos, redirecionando a sua força vital para a destruição da moral. No entanto, após essa destruição, tudo cai no vazio: a vida é desprovida de qualquer sentido, reina o absurdo e o niilista não pode ver alternativa senão esperar pela morte ou provocá-la.
    17. 17. Obrigado

    ×