Lição 12 - O jovem e o estado

25.103 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.103
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22.064
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
181
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 12 - O jovem e o estado

  1. 1. Pare! Antes de iniciar a lição, favor se inscrever no meu blog “www.natalinodasneves.blogspot.com.br” e nos canais do Youtube e Slideshare, que podem ser acessados pelo próprio blog. Ao acessar o blog aproveite para assistir o vídeo com comentários referente a este arquivo de slides.
  2. 2. OBJETIVOS
  3. 3. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. MOSTRAR que todas as autoridades são constituídas com a permissão de Deus (13.1-2): 2. EXPLICAR que a submissão às autoridades constituídas, desde que não seja contra os princípios divinos, é bíblica (13.3-5): 3. SABER que precisamos ter uma atitude responsável diante das obrigações com as autoridades e o Estado.
  4. 4. INTERAÇÃO
  5. 5. • A recomendação de Paulo foi para que os cristãos de Roma fossem submissos às autoridades do Estado, pagassem os impostos e tributos estabelecidos e que a igreja mantivesse um bom relacionamento com o Estado para manter a paz relativa existente, bem como a liberdade religiosa. • Os conceitos bíblicos continuam os mesmos, o respeito pelas autoridades e o pagamento dos impostos e tributos, entretanto o contexto brasileiro é diferente do contexto do Império Romano na época do apóstolo Paulo. • Dessa forma, devemos incentivar o compromisso com os conceitos bíblicos, mas também uma participação maior dos membros das igrejas da gestão pública, com bom senso e contribuindo para uma sociedade mais justa.
  6. 6. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
  7. 7. • Para esta aula sugerimos a utilização da dinâmica chamada de "brainstorming" ou "tempestade cerebral", para os mineiros "toró de palpites". • Reproduza o quadro acima conforme as suas possibilidades. • Reserve uns 10 minutos da aula para a atividade. Solicite que os alunos façam suas considerações sobre quais as vantagens e desvantagens da relação entre igreja e Estado, mas antes oriente que ninguém poderá criticar a ideia de outra pessoa, todas as considerações deverão ser aceitas e anotadas. • Após a rodada de sugestões, juntamente com o grupo reflita sobre as considerações, buscando o consenso das prováveis. RELAÇÃO IGREJA E ESTADO NO SÉCULO XXI VANTAGENS DESVANTAGENS
  8. 8. INTRODUÇÃO
  9. 9. • O apóstolo Paulo, em Rm 13.1-7, recomenda à igreja de Roma certo cuidado no relacionamento com as autoridades. • Paulo defende a boa relação com as autoridades do Estado para que a igreja pudesse manter sua paz e liberdade para o cotidiano como para pregar o evangelho. • Nesta lição vamos refletir sobre: a) o estabelecimento de todas as autoridades por Deus; b) as autoridades como ministros a serviço de Deus; e c) a submissão às autoridades pelo jovem cristão.
  10. 10. I – AS AUTORIDADES DO ESTADO SÃO ESTABELECIDAS POR DEUS (RM 13.1-2)
  11. 11. A relação da igreja de Roma com o Estado • Quando Paulo escreveu a Carta aos Romanos havia relativa paz entre o Estado e a igreja, entretanto... • Nero (54-68) - por todo o império sugiram rebeliões contra o imperialismo romano, que eram sufocadas pelas legiões romanas. • Em 49 foram deflagradas algumas insurreições como a dos judeus de Alexandria, que influenciou no decreto do Imperador Claudio em 49 d. C., que expulsou os judeus de Roma, incluindo Priscila e Áquila. • A principal questão das revoltas eram os impostos e tributos impostos pelo império. • Preservação da liberdade p/ pregação do evangelho.
  12. 12. Todas as autoridades são constituídas por Deus (v.1) • A tradição do AT apresentava o poder como propriedade exclusiva de Deus (Sl 62) e a autoridade política como instrumento divino tanto para proteção como para o castigo (Jr 27; Is 10.5-6; Is 41.1-7; 44.28). • Paulo afirma que todas as autoridades estão debaixo da ordem divina e foram constituídas por Deus, por isso devem ser respeitadas. • No entanto, a afirmação de Paulo não significa uma obediência absoluta, pois iria contra os princípios éticos cristãos e sua própria afirmação em Rm 1.18. • No entanto, Paulo tinha como autoridade maior a Palavra de Deus.
  13. 13. A insubmissão às autoridades traz condenação (v. 2) • Paulo age com prudência, procurando evitar um mal pior, como ocorreu com a perseguição de Nero em 64 d. C. • A religião judaica estava legalmente registrada entre as permitidas. Algumas práticas e rituais judaicos estavam garantidos por lei, como a dieta alimentar, a lei do sábado, proibição de imagens de escultura, pena de morte para quem violasse os átrios internos do templo de Jerusalém. • Todavia, quando foram insubmissos às autoridades romanas, os judeus foram massacradas. • Paulo não queria isso para a igreja.
  14. 14. II – AS AUTORIDADES DO ESTADO ESTÃO A SERVIÇO DE DEUS (RM 12.3-5)
  15. 15. As autoridades são constituídas para proteger os bons cidadãos (v. 3) • Paulo recorre a tradição do AT (Pv 8.15-16 e Is 11.1-9) - constituição das autoridades por Deus para o exercício da justiça e manutenção da ordem na sociedade. • Na época da escrita da carta, a igreja era vista como uma ramificação do judaísmo, uma religião permitida. Devido a esta confusão, o cristianismo não era incomodado. • Desse modo, sendo uma religião “legalizada”, todo cuidado seria importante para manutenção dessa prerrogativa e liberdade.
  16. 16. As autoridades são constituídas para punir os maus cidadãos (v. 4) • “faze o bem e terás louvor dela” – se os cristãos não se envolvessem em nenhum delito não seriam incomodados pelos magistrados e vistos como bons cidadãos, que mereciam ser protegidos. • Uma vida sossegada, conforme o conselho de 1 Tm 2.1-2: “... para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade”. • No entanto, as pessoas de fora da igreja, ainda dominadas pelo pecado, tinham a tendência de descumprir as leis de ordem estabelecidas pelos magistrados, portanto passíveis de punição.
  17. 17. A submissão não deveria ser por medo do castigo, mas pela boa consciência (v.5). • O cristão verdadeiro não serve a Deus por ter medo de punições humanas ou de ir para o inferno, mas pelo amor e gratidão pela graça (salvação). • A recomendação paulina era uma submissão com foco em Deus e não somente na lei humana. • O cristão deve ter uma consciência: • pura e honrada (2 Tm 1.5; At 24.6; Hb 13.7; 1 Pe.16); • não fraca (1 Co 8.7,12); • boa (não má) (Hb 10.22; Tt 1,15); • não cauterizada (1 Tm 4.12). • Agindo assim, viverá em paz com Deus e com as autoridades constituídas.
  18. 18. III – O JOVEM CRISTÃO DEVE SE SUBMETER ÀS AUTORIDADES (RM 13.6-7)
  19. 19. Os jovens cristãos devem pagar os impostos e tributos (V. 6) • Necessidade de arrecadação para manutenção da ordem, infraestrutura e outros recursos necessários para sustentabilidade da sociedade. • Alguns grupos judaicos, tantos os menos radicais (fariseus) como os mais radicais e revolucionários (zelotes) consideravam uma afronta para a religião o pagamento de impostos ao um poder estrangeiro. • Não parecia ser preocupação para Jesus (Mt 22.21; 17.25-27; Lc 20.20-25), nem para Paulo que justifica o pgto para manutenção da ordem e proteção dos bons cidadãos (cristãos) pelos “ministros de Deus”. • E hoje, até que ponto se deve manter a passividade?
  20. 20. Os crentes devem pagar a todos o que é devido (v.7) • Provavelmente, práticas de alguns membros da comunidade preocupava Paulo. • Temor e a honra. Nos escritos atribuídos a Paulo quando se refere a: • Honra, a palavra grega usada é tíme (respeito, estima e consideração) e é sempre atribuída a pessoas. • Temor, a palavra grega usada é fobos, atribuída a Deus e a Jesus (Rm 3.18; 8.15; 2 Co 5.11; 7.1; Ef 5.21). • Devemos respeitar as pessoas, mas temer a Deus, a fonte de toda autoridade. • Alguns líderes abusam deste versículo para cobrar honra para si, que Deus os julgue.
  21. 21. A igreja e o Estado no século XXI • No Brasil, atualmente, a maneira de Deus estabelecer as autoridades para os cargos executivos e legislativos é por meio do voto de cada cidadão. • A responsabilidade pelo pagamento de impostos e tributos continua nos dias atuais. • Todavia, diferente da época de Paulo, os cristãos têm direito e o dever de acompanharem a gestão pública, bem como eclesiástica, cobrando transparência. • Nas últimas décadas, os brasileiros têm presenciado as mais variadas manifestações e protestos por meio dos mais diversos grupos. • Cuidado e bom senso são necessários ao cristão.
  22. 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  23. 23. Nesta lição nos aprendemos que: • todas as autoridades são constituídas por Deus e que a insubmissão a elas traz incômodo, pois elas foram estabelecidas para proteger os bons cidadãos e punir os maus.
  24. 24. Nesta lição nos aprendemos que: • todas as autoridades são constituídas por Deus e que a insubmissão a elas traz incômodo, pois elas foram estabelecidas para proteger os bons cidadãos e punir os maus. • as autoridades devem ser obedecidas, porém não de forma absoluta, pois o parâmetro da obediência são os princípios bíblicos, que devem ser observados. • Paulo recomenda a boa relação entre a igreja e o Estado, visando a manutenção da liberdade pessoal e religiosa dos cristãos.
  25. 25. Nesta lição nos aprendemos que: • todas as autoridades são constituídas por Deus e que a insubmissão a elas traz incômodo, pois elas foram estabelecidas para proteger os bons cidadãos e punir os maus. • as autoridades devem ser obedecidas, porém não de forma absoluta, pois o parâmetro da obediência são os princípios bíblicos, que devem ser observados. • Paulo recomenda a boa relação entre a igreja e o Estado, visando a manutenção da liberdade pessoal e religiosa dos cristãos.
  26. 26. REFERÊNCIAS
  27. 27. BALL, Charles Fergunson. A vida e os tempos do apóstolo Paulo. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. BARTH, Karl. Carta aos Romanos: Tradução e comentários Lindolfo K. Anders. São Paulo: Novo Século, 2003. BRUCE, F.F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. CABRAL, Elienai. Mordomia Cristã: aprenda como servir melhor a Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CABRAL, Elienai. Romanos: o evangelho da justiça de Deus. 7a edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CALVINO, João. Romanos. 2a Edição. São Paulo: Edições Parakletos, 2001. GABY, Wagner Tadeu dos Santos. As doenças do Século. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. GILBERTO, Antônio. O fruto do Espírito: a plenitude de Cristo na vida do crente. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
  28. 28. HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry. Tradução: Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2002 JEREMIAS, Joaquim. A mensagem central do Novo Testamento. São Paulo: Editora Academia Cristã, 2005 KASEMANN, Ernest. Perspectivas paulinas. 2a edição. São Paulo: Teológica, 2003. KÜMMEL, Werner Georg. Sintese teológica do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2003. LOHSE, E. Contexto e Ambiente do Novo Testamento. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2004. LUTERO, Martin. Comentarios de Martin Lutero: Romanos. Volumen I. Traducción de Erich Sexauer. Barcelona: Editorial Clie, 1998. MACARTHUR JR., John et all. Justificação pela fé somente: a marca da vitalidade espiritual da igreja. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2005. MOODY. Comentário bíblico Moody: Romanos à Apocalipse. V. 5. São Paulo: Editora Batista Regular, 2001.
  29. 29. • MURRAY, John. Romanos: comentário bíblico fiel. São Paulo: Editora Fiel, 2003. • POHL, Adolf. Carta aos romanos. Curitiba: Editora Evangélica Esperança, 1999. • REGA, Lourenço Stelio e BERGMANN, Johannes. Noções do Grego Bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. • RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Tradução de Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. • RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. • RIDDERBOS, Herman. A teologia do apóstolo Paulo: a obra definitiva sobre o pensamento do apóstolo dos gentios. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004. • RONIS, Osvaldo. Geografia bíblica. 3a Edição. Rio de Janeiro: SEGRAFE, 1978.
  30. 30. • SANDERS, E. P. Paulo, a lei e o povo judeu. São Paulo: Edições Paulinas, 1990. • SCHNELLE, Udo. A evolução do pensamento paulino. São Paulo: Edições Loyola, 1999. • STOTT, John. Romanos. São Paulo: ABU editora, 2000. • SCHRAGE, Wolfgang. Ética do Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1994. • STUHLMACHER, Peter. Lei e graça em Paulo: uma reafirmação da doutrina da justificação. São Paulo: Vida Nova, 2002. • TRASK, Thomas E.; GOODALL, Waide I. Um retorno à Vida Santificada. In: De volta para a Palavra: um chamado à autoridade da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, P. 187-205. • ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
  31. 31. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094

×