Eu Choro Poesia Pps Blog

750 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
750
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eu Choro Poesia Pps Blog

  1. 1. Eu choro Autoria: Rosângela do Valle Dias Arte e formatação: Michèle Christine Música: Son of the Light - Mike Rowland RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS Clicar
  2. 2. Choro a verdade que não se revela navegando em um barco sem rumo e sem vela. Não há vento na paisagem. Choro pelo desperdício da fome no alimento que não se consome. Choro a irresponsabilidade no poder... O mandante que oculta o saber. Clicar
  3. 3. Cerro os olhos para não ver a flor que nasce com espinhos de dor, sem perfume e incolor, pela ambição que contamina e ao acaso dissemina. Grito,  mesmo sem  vez e voz pelas letras que se unem em versos, para apagar a chama que queima e que ao mesmo tempo congela. Clicar
  4. 4. Rezo pela união de mãos, de olhos,  de vozes, de cantos... Quero devolver ao encanto   e à vida plena do ser, a esperança do renascer. Conto com você, poeta de coração, para unir-se a mim, em oração. Clicar
  5. 5. Salvemos o nosso Planeta . Nossa terra , amor de chão... Nossa floresta, "coração"! Enfim...a nossa Nação! BH/MG 1º de julho de 2007 Clicar
  6. 6. Rezo pela união de mãos, de olhos,  de vozes, de cantos... Quero devolver ao encanto   e à vida plena do ser, a esperança do renascer. Conto com você, poeta de coração, para unir-se a mim, em oração. Salvemos o nosso Planeta . Nossa terra , amor de chão... Nossa floresta, "coração"! Enfim...a nossa Nação! BH/MG-1º de julho de 2007 Choro a verdade que não se revela navegando em um barco sem rumo e sem vela. Não há vento na paisagem. Choro pelo desperdício da fome no alimento que não se consome. Choro a irresponsabilidade no poder... O mandante que oculta o saber. Cerro os olhos para não ver a flor que nasce com espinhos de dor, sem perfume e incolor, pela ambição que contamina e ao acaso dissemina. Grito,  mesmo sem  vez e voz pelas letras que se unem em versos, para apagar a chama que queima e que ao mesmo tempo congela. F i m Fechar

×