• Compartilhar
  • Email
  • Incorporado
  • Curtir
  • Salvar
  • Conteúdo privado
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
 

Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC

on

  • 44,582 visualizações

Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC

Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
44,582
Visualizações no SlideShare
38,002
Visualizações incorporadas
6,580

Actions

Curtidas
7
Downloads
441
Comentários
1

20 Incorporações 6,580

http://tremdascebs.blogspot.com.br 6066
http://tremdascebs.blogspot.com 273
http://tremdascebs.blogspot.pt 180
http://tremdascebs.blogspot.mx 13
http://www.tremdascebs.blogspot.com.br 7
http://tremdascebs.blogspot.it 7
http://tremdascebs.blogspot.ca 5
http://tremdascebs.blogspot.fi 5
http://tremdascebs.blogspot.jp 4
http://tremdascebs.blogspot.ru 4
http://tremdascebs.blogspot.com.es 3
http://webcache.googleusercontent.com 3
http://www.google.com.br 2
http://tremdascebs.blogspot.co.uk 2
http://tremdascebs.blogspot.fr 1
http://tremdascebs.blogspot.in 1
http://tremdascebs.blogspot.de 1
http://tremdascebs.blogspot.com.au 1
http://tremdascebs.blogspot.be 1
http://tremdascebs.blogspot.com.ar 1
Mais...

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar

11 de 1anterioresseguinte

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC Document Transcript

    • ÍNDICE Apresentação .......................................................................... 02 Encontro nas Casas • 1º Encontro ........................................................................ 03 • 2º Encontro ........................................................................ 06 • 3º Encontro ........................................................................ 09 • 4º Encontro ........................................................................ 12 • 5º Encontro ........................................................................ 16 • 6º Encontro ........................................................................ 20 • 7º Encontro ........................................................................ 23 • 8º Encontro ........................................................................ 27 • 9º Encontro ........................................................................ 32 • 10º Encontro ...................................................................... 36 Apresentação da CF 2014 ....................................................... 41 Via Sacra • 1ª Estação .......................................................................... 44 • 2ª Estação .......................................................................... 45 • 3ª Estação .......................................................................... 46 • 4ª Estação .......................................................................... 47 • 5ª Estação .......................................................................... 48 • 6ª Estação .......................................................................... 49 • 7ª Estação .......................................................................... 50 • 8ª Estação .......................................................................... 51 • 9ª Estação .......................................................................... 52 • 10ª Estação ........................................................................ 53 • 11 ª Estação ....................................................................... 54 • 12ª Estação ........................................................................ 55 • 13ª Estação ........................................................................ 56 • 14ª Estação ........................................................................ 57 • 15ª Estação ........................................................................ 58 • Músicas .............................................................................. 60 1
    • Apresentação Olá, queridos amigos e amigas das Comunidades Eclesiais de Base! A Campanha da Fraternidade de 2014 terá como tema “Fraternidade e Tráfico Humano”, e o lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou.” (Gl 5,1). O objetivo geral da Campanha da Fraternidade será identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humanas, mobilizando cristãos e pessoas de boa vontade para erradicar este mal com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus. Meus amigos, Deus, Criador Onipotente e Senhor da história, age de forma livre e gratuita, e nos convoca a vivermos também livres e empenhados a construir uma família liberta de todas as amarras, sejam elas quais forem. É necessário resgatar o valor do Ser Humano, não usá-lo como objeto e nem codificá-lo como uma coisa. Precisamos nos empenhar imensamente nesta árdua tarefa, pois o Senhor nos confiou a missão de Reeducar o Homem para o Amor. Sabemos que o Tráfico de Pessoas é uma chaga que fere os princípios evangélicos e humanos; não podemos compactuar com nenhuma condição favorável a esta prática e à violação da Vida Humana. Erradicar a chaga do tráfico humano exige muito mais que libertar suas vítimas imediatas; implica em arrancar suas raízes e eliminar os mecanismos que tornam possível sua reprodução: vulnerabilidade da extrema pobreza, ganância de agentes econômicos sem escrúpulo, permanência das desigualdades de gênero, impunidade selada em estruturas mortíferas. No irmão traficado, na irmã escravizada, é nossa própria filiação divina que vem sendo negada. É a fraternidade que é abolida. Oxalá a Campanha da Fraternidade 2014 possa acordar comunidades e autoridades do nosso país para uma vigilância redobrada e dinamizar o esforço coletivo para erradicar a chaga do tráfico humano em nosso meio! Um abraço e minha bênção a todo o povo de Deus que faz parte das Comunidades Eclesiais de Base. Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral Assessor Diocesano das CEBs 2
    • 1° Encontro 03 a 09 de fevereiro “Missionário: Luzeiro da Esperança” PREPARANDO O AMBIENTE: A Bíblia em destaque, velas, flores, fotos dos encontros nas casas, Capelinha Missionária. 1. CHEGADA: Silêncio, oração pessoal. Dirigente: Queridos(as) irmãos(ãs), renovados(as) pelo descanso, retornamos a caminhada em nossas comunidades. Voltamos às origens, pois foi nas pequenas comunidades que nasceu a Igreja. Recordemos as palavras do Papa Francisco, na cidade de Aparecida: como Discípulos, sejamos luzeiros da esperança, deixemo-nos surpreender por Deus e viver a alegria. Deus está atento e nos surpreende. Que a vivência do “Ano da Fé”, continue a nos impulsionar em 2014. Sejam todos e todas bem-vindos(as)! 2. ABERTURA. - Venham, ó nações ao Senhor, cantar! (bis) Ao Deus do universo venham festejar! (bis) - Seu amor por nós, firme para sempre, (bis) Sua fidelidade dura eternamente. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito! (bis) - Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Povo de sacerdotes, a Deus louvação! (bis) - Ao partir o pão ele apareceu, (bis) Fica, Senhor, conosco, já escureceu! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE. Dirigente: O Bem-Aventurado papa João Paulo II, em sua Encíclica Redemptoris Missio, afirma que, mesmo após 2000 anos da vinda de Jesus, “uma visão de conjunto da humanidade mostra que a Missão está ainda no começo, e que devemos empenhar-nos com todas as forças no seu serviço.” A causa missionária deve ser, para cada cristão, tal como para toda a Igreja, a primeira de todas as causas. A missão renova a Igreja, revigora a sua fé e identidade, dá-lhe novo entusiasmo e novas motivações. 3
    • 4. HINO: Eis-me aqui, Senhor! Eis-me aqui, Senhor! Eis-me aqui,Senhor! Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. Eis-me aqui, Senhor! 1- O Senhor é o pastor que me conduz, Por caminho nunca visto me enviou: Sou chamado a ser fermento, sal e luz E, por isso, respondi: “Aqui estou!” 2- Ele pôs em minha boca uma canção Me ungiu como profeta e trovador Da história e da vida do meu povo E por isso respondi: “Aqui estou!” 5. SALMO 112(111) – Na Bíblia – Cantado ou rezado. 6. EVANGELHO DE DOMINGO. Canto de Aclamação ao Evangelho Ler pausadamente Mateus 5,13-16. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente). 7. MOMENTO DE PARTILHA. a- O que o evangelista Mateus quis dizer quando afirma: ... “porque os pobres são o sal e a luz do mundo.” b- De que modo a nossa comunidade pode salgar e iluminar a sociedade em que vivemos? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Somos instrumentos de Deus. Como poderemos melhorar nossa ação? Repensar nossas ações, policiar nosso egoísmo e repartir a infinita riqueza que Deus nos deu “Dons” a serviço dos mais necessitados. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). Dirigente: A “pobreza” é a verdadeira condição da humanidade diante de Deus! Todos: Porque os pobres são o sal e a luz do mundo. ● Peçamos ao Deus da vida, para que nossas comunidades sejam o farol que ilumina o caminho da história e o cimento que constrói uma sociedade verdadeiramente justa e fraterna, rezemos. 4
    • ● Peçamos ao Deus da vida, para que os cristãos se empenhem com sabedoria e competência nas lutas para eliminar as causas da miséria, da fome, das guerras, origem das grandes tragédias da humanidade, rezemos. ● Pelos missionários e missionárias, que se compadecem das pessoas menos favorecidas e consagram a elas a sua vida, saem da sua terra e vão aonde é maior a necessidade dos irmãos e irmãs, rezemos. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Senhor, a Jeremias que resistia ao teu chamado por ser ainda jovem, tu respondeste: a quem Eu te enviar, irás, Eu estou contigo. Apesar de nossas limitações, envia-nos a tua Palavra e nos torna missionários e profetas do Reino. Amém! 11. AVISOS / COMEMORAÇÕES: (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) ● Evangelho do próximo encontro: Mateus 5, 17-37 ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos ● Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. ● Outros... 12. BÊNÇÃO / ORAÇÃO FINAL. Dirigente: O Deus da vida nos abençoe e confirme a obra de nossas mãos agora e sempre. Amém! Dirigente: Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. Formação Diocesana da CEBs - Março 2013 5
    • 2° Encontro 10 a 16 de fevereiro “Jesus e a nova justiça” PREPARANDO O AMBIENTE: Vela acesa, Bíblia, flores, crucifixo, novo catecismo da Igreja Católica. . 1. CHEGADA: Silêncio, oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) - O Senhor te guarde, ele é teu vigia, (bis) Quem te garante a noite e governa o dia! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: “O cristão no mundo” Leitor(a) 1: A América é o continente com o maior número de cristãos; mas é também o continente mais desigual. Isso é um escândalo, pois contraria frontalmente a mensagem de Jesus. Leitor(a) 2: Nos últimos anos muitos direitos passaram a ser reconhecidos por lei, mas, na prática, persistem abusos intoleráveis, principalmente contra pessoas e grupos mais vulneráveis. Nossa sociedade se mostra incapaz de garantir os direitos básicos dos cidadãos (alimentação, segurança, saúde, educação, dignidade...). Leitor(a) 3: O modelo de desenvolvimento imposto pelos governantes agride a natureza, ignora os direitos das populações tradicionais, não respeita as pessoas e visa unicamente o lucro do capital, produzindo multidões de excluídos. Todos: O documento de Aparecida nos recorda (143, 353): O reino de Deus é um reino de vida, de promoção humana e libertação, reino de defesa dos direitos humanos, reino onde Deus é tudo para todos, reino que nos conduz à vida eterna. 6
    • 4. HINO:“Momento Novo” 1- Deus chama a gente prá um momento novo/ De caminhar junto com o seu povo. É hora de transformar o que não dá mais sozinho, isolado, ninguém é capaz. Por isso vem, entra na roda com a gente, também. Você é muito importante, Vem! 2- Não é possível crer que tudo é fácil/ Há muita força que produz a morte. Gerando dor tristeza e desolação. É necessário unir o cordão. 3- A força que hoje faz brotar a vida/ Atua em nós pela tua graça. É Deus quem nos convida pra trabalhar. O amor repartir e as forças juntar. 5. SALMO 118 (117) - Na Bíblia - cantado ou rezado 6. EVANGELHO DE DOMINGO. Canto de Aclamação aoEvangelho Ler pausadamente Mateus 5, 17-37 (breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DE PARTILHA. a- O que você entendeu da atitude de Jesus, a respeito da lei? b-Como entendemos os mandamentos de Deus hoje? c- Diante do Evangelho. Quais são as leis que ferem a dignidade do homem e da mulher? Como está a família? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Diante da nossa reflexão, qual o nosso compromisso? Sugestão: Ler no novo Catecismo a respeito dos mandamentos. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Apresentemos ao Senhor nossa intercessão e o clamor de todo o povo. Todos: Escuta-nos, Senhor da Glória! • Senhor, olha com carinho para teu povo que procura viver a Palavra de Deus buscando força para enfrentar as dificuldades do dia a dia. • Senhor, que sejamos seus seguidores, ensina-nos a ser fraterno, a promover a justiça e distribuir melhor o que deve ser de todos. • Que nós cristãos e cristãs saibamos transmitir em nosso tempo o anúncio de teu Reino, respondendo aos desafios da nossa época Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Ó Deus da aliança, és guia do teu povo. Dá-nos a alegria da tua presença materna, para prosseguirmos na caminhada, fiéis ao 7
    • evangelho de Jesus Cristo. Por quem te pedimos, na unidade do Espírito Santo. Amém! 11. AVISOS / COMEMORAÇÕES: (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: Mateus 5, 38-48 • Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 14.02 – Franz de Castro Rolzwarth, mártir da Pastoral Carcerária Jacareí – SP. 12. BÊNÇÃO/ ORAÇÃO FINAL Dirigente: O Deus da paz, força da vida, nos firme na sua, agora e para sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Tosos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Formação Diocesana da CEBs - Março 2013 8
    • 3° Encontro 17 a 23 de fevereiro “Amar acima de tudo” PREPARANDO O AMBIENTE: Vela acesa, Bíblia, flores, uma cruz, balas para partilhar. 1. CHEGADA: Silêncio, oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) - Onde estiver teu tesouro, irmão, (bis) Lá estará inteiro o teu coração! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: “O amor traz a paz” Dirigente: Jesus nos apresenta uma proposta. Devemos ser humildes e misericordiosos(as), ter um bom coração e proclamar a paz. Esse é o caminho para construir uma comunidade mais feliz. Leitor(a) 1: Como cristãos e cristãs somos chamados(as) a seguir esses princípios como forma de superar a violência. Só o bem pode deter o mal. A força poderosa do amor é mais construtiva do que os ressentimentos, do que as ânsias de pagar na mesma moeda. Leitor(a) 2: Entretanto, isso não pode nos deixar passivos, sem cuidar de deter o mal na raiz. Devemos ser generosos e ternos para curar feridas pessoais e nos organizar para impedir o avanço dos males sociais. Os que erram de caminho, os que se perdem na violência precisam de ajuda para mudar de rumo. 4. HINO: Oração de São Francisco- cantado ou rezado Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz; Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver dis9
    • córdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz; Ó Mestre, fazei que eu procure mais; Consolar, que ser consolado; Compreender que ser compreendido; Amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe, É perdoando que se é perdoado; E é morrendo que se vive, para a vida eterna. 5. SALMO 102- Na Bíblia - cantado ou rezado 6. EVANGELHO DE DOMINGO. Canto de aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente Mateus 5, 38-48 (breve silêncio para que a palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DE PARTILHA. a- O que nos chama atenção neste evangelho? Qual o entendimento para nós hoje? b- Como querer o bem para uma pessoa que nos fez algum mal? c- Você conhece alguma pessoa que foi capaz de tratar com generosidade alguém que lhe fez o mal? d- Como o amor aos nossos inimigos pode nos ajudar a combater a violência? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS: Dirigente: Diante de nossa reflexão, qual nosso compromisso? Sugestão: Analisar nosso relacionamento com as pessoas que consideramos inimigas ou das quais temos alguma mágoa. Por que esse ressentimento existe? O que posso fazer para mudar esta situação? 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). Dirigente: Irmãos e irmãs, confiantes na graça de Deus, façamos nossas preces. Todos: Atendei-nos, Senhor! • Que a nossa vida seja uma continua busca de comunhão com Deus, por meio de um arrependimento sincero. Rezemos! • Para que a Palavra de Deus possa transformar nosso coração em terra boa, onde produza frutos abundantes de santidade e missão. Rezemos! • Acolhei em vosso amor os que lutam pela justiça e preparam os caminhos da paz. Rezemos! • Ensinai-nos a perdoar aqueles(as) que nos ofenderam. Rezemos! Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10
    • 10- ORAÇÃO: Ó Deus, desde o amanhecer, clareias nossos corações com a tua luz; dá-nos a força de preparar diante de Jesus, teu Filho, os caminhos da justiça e da paz. Por Cristo nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS / COMEMORAÇÕES: (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: Mateus 6, 24-34 • Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 20.02- Dia mundial da justiça social 12. BÊNÇÃO / ORAÇÃO FINAL Dirigente: Deus que é a nossa salvação, nos abençoe, faça brilhar sobre nós a sua paz, agora e sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Formação Diocesana da CEBs - Setembro 2013 11
    • 4° Encontro 24 de fevereiro a 2 de março “Ninguém pode servir a dois senhores” PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, flores, algumas moedas, panfleto de propaganda de produtos. 1. CHEGADA: silêncio e oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) - Toda humanidade, o Senhor chamou. (bis) À festa do seu Reino ele convocou! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Campanha da Fraternidade 2014 Dirigente: A campanha da Fraternidade 2014 tem como tema “Fraternidade e tráfico humano” e como lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou”(Gl 5,1). “O objetivo geral desta Campanha da Fraternidade é identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humanas, mobilizando cristãos e pessoas de boa vontade para erradicar este mal com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus”. Leitor(a) 1: Refletir teologicamente sobre o tráfico de pessoas é uma tarefa exigente. O sofrimento gerado pelo escândalo do mal faz emudecer a teologia (Metz). Mas a dor tem tanto direito à expressão como o torturado ao grito. A teologia torna-se linguagem do inaudível, do não-dito (Levinas). O sofrimento humano é também uma pergunta dirigida a Deus, misericórdia absoluta. Somente é possível refletir teologicamente diante do sofrimento porque Deus sofre com os sofredores. Leitor(a) 2: Todo pensamento situa-se em algum lugar e nasce de algum interesse: tem uma perspectiva, um para que e um para quem. As vítimas 12
    • do trabalho escravo e do tráfico de pessoas são a perspectiva, o lugar e ointeresse deste texto. Uma exigência que brota da Revelação de Deus e pela indignação diante de umarealidade cruel, em que o injusto se tornou desumano. Leitor(a) 3: O tráfico de pessoas e o trabalho escravo constituiu o cerne de sofisticados sistemas econômicos pré capitalistas. A civilização babilônica, greco-romana e grandes áreas do Oriente, estavam apoiadas em sistemas de produção escravagista. Adentrando o século XIX, enclaves econômicos coloniais espalhados por todo o mundo continuaram sustentando o tráfico de pessoas e a escravidão, momento mais cruel da história da humanidade. Atualmente, são espelho das mazelas do capitalismo global. Esta prática criminosa hedionda, mas organizada, estendeu-se por todo o mundo. Suas proporções levaram a ONU a aprovar oProtocolo da Convenção Contra o Crime Transnacional Organizado com ênfase no Tráfico de Pessoas. Leitor(a) 3: Não bastasse a exploração sexual e laboral, o avanço da biociência e das comunicações, traz o risco da utilização de seres humanos para a comercialização de órgãos por parte do assim chamado crime organizado. Estima-se que 700 mil mulheres e crianças são traficadas passando todos os anos pelas fronteiras internacionais. Isso sem contabilizar o tráfico interno, no interior de cada país. A indústria e o mercado do sexo intensificaram senos últimos anos a partir de quatro atividades: prostituição, tráfico, comércio de mulheres e pornografia. Todos:Sem uma leitura política da realidade é impossível uma aproximação coerente a esta tragédia. Não é uma questão que se esgota em si mesma. Está estreitamente conectado com mecanismos globais derivados de uma estrutura política e econômica alicerçada na injustiça e na violência. 4. HINO: Hino da CF 2010 - cantado ou rezado Jesus Cristo anunciava por primeiro Um novo reino de justiça e seus valores: (Mt4,17) “vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro E muito menos agradar a dois senhores”. (Mt 6,24) Voz de um profeta contra o ídolo e a cobiça: “endireitai hoje os caminhos do Senhor!” (Mt 3,3) Produzi frutos de partilha e de justiça! (Lc3,8.11) Chegou o reino: convertei-vos ao amor! (Mt 3,2) Não é a riqueza nem o lucro sem medida Que geram paz e laços de fraternidade; (Lc 16,19-31) Mas todo o gesto de partilha em nossa vida (Mc 12,42-44) 13
    • Que faz a fé se transformar em caridade. (Gl 5,6) No Evangelho encontrareis a luz divina, Não no supérfluo, na ganância e na ambição. Ide e vivei a boa-nova que ilumina (Mt 7,21) E a palavra da fraterna comunhão. (Mt 18,20) 5. SALMO 62 (61) - Na Bíblia: rezado ou cantado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente Mateus 6,24-34 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA. Dirigente: A comunidade de Mateus conhecia uma palavra de Jesus que indicava o que devia ser a grande meta de quem o seguia. Estava Lá nos ditos de Jesus: “Busquem o reino de Deus, e o mais será dado a vocês’ Lucas 12, 31). A comunidade de Mateus não teve dúvidas em deixar claro como esta palavra soava aos seus ouvidos e o que ela significava: ‘Busquem em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais será dado a vocês” (Mt 6,33). a- repetir o versículo 6,33.Comentar. b- Temos acolhido as mensagens que Deus nos envia? Que tipo de mensagens temos levado aos nossos irmãos? c- Em nossas casas, em nossas comunidades, evitamos o consumismo? Ou somos também ávidos por novidades, por adquirir coisas e renovar tudo? d- Como esta a pratica da justiça em nossas famílias? Em nossas comunidades? Em nosso Estado? E em nosso país? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Jesus soube assumir as causas populares. Um desafio para nós: como podemos conhecer melhor os movimentos camponeses? E os urbanos? Sugestão: Buscar conhecer o MMC – Movimento das Mulheres Camponesas; MST –Movimento dos Sem Terra; MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens; MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores; Comunidades e Povos Tradicionais( quilombolas, ribeirinhos, indígenas, pescadores). E em nosso meio, quais lutas podemos assumir? Da saúde, Movimento Popular da Saúde? Da Educação? Outras? 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Coloquemos diante do Senhor nossas vidas e a vida de todo universo. 14
    • Todos: Santifica teu povo, Senhor! • Em tuas mãos, Senhor, entregamos o peso e calor do dia, nossas atividades e nossas alegrias. • Sustenta, ó Deus da vida, os sofredores da rua que, assim como Jesus, não tem onde descansar e reclinar a cabeça. • Fortalece os grupos e comunidades que se reúnem hoje e se alimentam da tua Palavra. Que sejam sinais da tua salvação. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Visita, Senhor, esta comunidade e afasta as injustiças. Abre os corações ao Amor. Que a proteção confortadora de teu Espírito habite conosco e nos fortaleça no trabalho pela justiça. Por Cristo, nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: Mateus 4, 1-11 Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 23.03 - Formação Diocesana das CEBs, fichas com coordenação paroquial das CEBs. • Outros... 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: Deus, fonte de toda graça, que nos chamou a comunhão por Jesus Cristo, nos fortaleça em nossas provações e nos firme na fé, agora e para sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja, nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. Formação Diocesana da CEBs - Março 2013 15
    • 5° Encontro 03 a 09 de março “Em Cristo venceremos as tentações” PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia, vela, cruz, colcha de retalho, um cartaz com as palavras: Ser, Ter, Poder. 1. CHEGADA: Silêncio e oração pessoal 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição. (bis) - Vence as nossas trevas, nossa escuridão, (bis) Transforma nossas pela conversão. (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Dignidade do trabalho Dirigente: A Encíclica “Rerum Novarum” de autoria do Papa Leão XIII, é um dos marcos na conquista dos operários por melhores condições de trabalho. Leitor(a) 1: Quanto aos deserdados da fortuna, aprendam da Igreja que, segundo o juízo do próprio Deus, a pobreza não é um opróbrio e que não deve corar por ter de ganhar o pão com o suor do seu rosto. Leitor(a) 2: É o que Jesus Cristo nosso senhor confirmou com o seu exemplo. Ele, que “de muito rico que era se fez indigente” para a salvação dos homens. Leitor(a) 3: É para as classes desafortunadas que o coração de Deus parece inclinar se mais. Jesus Cristo chama os pobres bem-aventurados: convida com amor a virem a ele, a fim de consolar a todos os que sofrem e que choram, abraça com caridade mais terna os pequenos e os oprimidos. 16
    • Leitor(a) 4: O tema da CF é fraternidade e tráfico humano, as vítimas são mulheres, crianças e homens, normalmente aliciados nos países de origem para diversos fins. Os mais comuns, entretanto, são a exploração sexual e o trabalho escravo. TODOS: No dia 8 de março reserve um momento do dia e faça uma oração, pense em todas as mulheres que lutaram para conseguir mais dignidade, as mulheres que se sacrificaram em prol de seus direitos. Pense nas mulheres que vivem ao seu redor, a mulher mãe, a mulher amiga, a mulher namorada, a mulher esposa, todas devem ser tratadas com respeito e carinho, dia 8 de março é uma data simbólica, na verdade, todos os dias são dias da mulher. Orar é elevar os pensamentos, é desejar o bem. 4. HINO: (cantado ou rezado) Dirigente: Reconheçamos que somos pecadores e peçamos a Deus que crie em nós um coração novo e nos dê seu Espírito de Santidade. Refrão: Piedade, ó Senhor, tende piedade, pois pecamos contra vós! 1- Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Do meu pecado, todo inteiro, me lavai E apagai completamente a minha culpa. 2- Eu reconheço toda a minha iniqüidade, O meu pecado está sempre à minha frente, Foi contra vós, só contra vós que eu pequei E pratiquei o que é mau aos vossos olhos! 3- Criai em mim um coração que seja puro, Dai-me de novo um espírito decidido. Ó senhor, não me afasteis de vossa face Nem retireis de mim o vosso santo espírito! 4- Dai-me de novo a alegria de ser salvo E confirmai-me com espírito generoso! Abri meus lábios, ó senhor, para cantar E minha boca anunciará vosso louvor! 5. SALMO 51 (50) – Na Bíblia - cantado ou rezado 17
    • 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente: Mateus 4,1-11 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA a- O que nos chamou atenção nesse Evangelho? b- Diante das tentações no deserto, Jesus carregou consigo a certeza de que muito facilmente o mal nos invade e estraga o que Deus planeja para cada um de nós. O que temos feito de concreto para que isso não aconteça conosco? c- Jesus experimentou o encontro com o Pai em sua totalidade no silencio e na solidão do deserto.Quais são as maiores tentações de hoje? d- Todas as legislações do mundo demonstram preocupações com a condição de trabalho da mulher. Conseguimos enxergar alguma mudança, com relação ao trabalho da mulher? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: A partir da reflexão, qual o nosso compromisso para a semana? Sugestão: Juntos, homens e mulheres, vamos lutar pelos nossos direitos. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Guiados pelo Espírito de Jesus, com a Palavra e a Eucaristia, queremos fortalecer nossa vida cristã para superar toda tentação que possa surgir ao longo de nossa caminhada. Todos: Ouve-nos, ó Pai! • A fim de que, vivendo intensamente esta quaresma, nos santifiquemos no caminho do Evangelho. • A fim de que sejamos compreensivos com os que erram e ajudemos a recuperar. • Senhor, que no corpo e na alma de cada mulher, possamos continuar encontrando os sinais de MÃE que nela plantaste. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Ó Deus de bondade, escuta o clamor do teu povo. Faze que, no meio dos conflitos e das aflições deste mundo, nos consagremos mais profundamente ao trabalho pela paz e pela justiça. Por Cristo, nosso Senhor. Amém! 18
    • 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES. (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) •Evangelho do próximo encontro: Mateus 17, 1-9. • Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 08.03 – Dia Interacional da Mulher. • 23.03 - Formação Diocesana das CEBs, fichas com coordenação paroquial das CEBs. • Outros... 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: Deus nos abençoe e nos guarde. Amém! - Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém! - Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém! - Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém! CANTO FINAL. Campanha da Fraternidade 2014 Fonte: Texto Base 6. O tráfico humano é um crime que atenta contra a dignidade da pessoa humana, já que explora o filho e a filha de Deus, limita suas liberdades, despreza sua honra, agride seu amor próprio, ameaça e subtrai sua vida, quer seja da mulher, da criança, do adolescente, do trabalhador ou da trabalhadora - de cidadãs e cidadãos que, fragilizados por sua condição socioeconômica e/ ou por suas escolhas, tornam-se alvo fácil para as ações criminosas de traficantes. 7. O Papa Francisco assim se referiu a essa prática: “O tráfico de pessoas é uma atividade ignóbil, uma vergonha para as nossas sociedades que se dizem civilizadas!” O tráfico humano é uma das questões sociais mais graves da atualidade. “Não há país livre do tráfico de pessoas, seja como ponto de origem do crime, seja como destino dos traficados”. 19
    • 6° Encontro 10 a 16 de março “Tua face resplandece sobre nós” PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia, vela, cruz, colcha de retalho, recorte de jornais retratando o trabalho escravo. 1. CHEGADA: Silêncio e oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis) Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis) - Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis) Que ele nos converta pelo seu perdão! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: “Fraternidade e trabalho escravo” Dirigente: Oxalá a Campanha da Fraternidade possa acordar comunidades e autoridades do nosso País para uma vigilância redobrada e dinamizar o esforço coletivo para erradicar a chaga do trabalho escravo! Leitor(a) 1: Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea que pretendia libertar todos os escravos, cuja força de trabalho tanto enriqueceu senhores de engenho e a elite cafeeira. Leitor(a) 2: Estamos em 2014, ainda hoje é realidade consumada, de norte a sul, o rasto de trabalho escravo acompanha o empreendimento de grandes projetos (como barragens, ferrovias), a expansão das monoculturas do agronegócio ( soja, cana, eucalipto) e o contínuo avanço da pecuária sobre a floresta. Leitor(a) 3: Uma outra realidade que afeta a cidade: bolivianos e peruanos traficados para o Brasil são escravizados em oficinas clandestinas, a serviço inclusive de grifes famosas. 20
    • Leitor(a) 4: A organização Internacional do Trabalho calcula que atualmente, haja no mundo de 12 a 27 milhões de trabalhadores escravos, no Brasil estima-se em 25 mil o número de pessoas submetidas a condições degradantes de trabalho, inclusive crianças. TODOS: Persistem alguns desafios para o Estado, a Igreja e a Sociedade civil, voltados na perspectiva de enfrentamento e superação desta situação e como Igreja devemos ajudar denunciando as irregularidades e as injustiças. 4. HINO: Campanha da Fraternidade 2014 - cantado ou rezado. É para a liberdade que Cristo nos libertou, Jesus libertador! É para a liberdade que Cristo nos libertou! (GI 5,1) 1- Deus não quer ver seus filhos sendo escravizados, À semelhança e à sua imagem, os criou. (Cf. Gn 1,27) Na cruz de Cristo, foram todos resgatados Pra liberdade é que Jesus nos libertou! (Gl 5,1) 2- Há tanta gente que, ao buscar nova alvorada, Sai pela estrada a procurar libertação; Mas como é triste ver, ao fim da caminhada, Que foi levada a trabalhar na escravidão! 3- E quantos chegam a perder a dignidade, Sua cidade, a família, o seu valor. Falta justiça, falta mais fraternidade Pra libertá-Ias para a vida e para o amor! 4- Que abracemos a certeza da esperança, (Cf. Hb 6,11) Que já nos lança, nessa marcha em comunhão. Pra novo céu e nova terra da aliança, (Cf. Ap 21, 1) De liberdade e vida plena para o irmão ... (Cf Jo 10, 10) 5. SALMO 33 (32). Na Bíblia: cantado ou rezado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente: Mateus 17,1-9 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA. Dirigente: O Evangelho nos diz que o rosto de Jesus brilhou como o sol e as roupas ficaram brancas como a luz. O que nos remete logo às palavras do profeta Isaias: “não será mais o sol a lua do teu dia, nem será a lua que vai te iluminar a noite; o próprio Senhor será para ti luz permanente, e o teu brilho será o teu Deus”. 21
    • a- O que nos chamou atenção nesse Evangelho? b- Pedro em nome dos outros discípulos exclamou, “senhor é bom ficarmos aqui”, mas teve que descer do monte junto com Jesus e continuar o caminho. Também nós somos convidados/as a fazer essa descida e ir ao encontro de nossos irmãos e irmãs injustiçados pela sociedade. Comente. c- Em busca de forças para o trecho final de seu caminho, Jesus sobe a montanha. É no silêncio que mais brilha a relação de intimidade com seu Pai. Acostumamos silenciar e escutar a voz de Deus? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: A partir da reflexão, qual o nosso compromisso para a semana? Sugestão: Levar esperança e consolo aos aflitos que estão próximos de nós e ajudá-los com gesto concreto. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio que eu leve o amor, Onde houver ofensa, que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve união, Onde Houver dúvida, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperança,Onde houver tristeza, que eu leve alegria,Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, fazei que eu procure mais Consolar que ser consolado; Compreender que ser compreendido, Amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe; É perdoando que se é perdoado; E é morrendo que se nasce para a vida eterna... Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Nós te damos graças, ó Deus santo, pela vida que recebemos de ti! Nós te louvamos e te bendizemos pela Ressurreição de Jesus e pela esperança que fizeste nascer em nossos corações! Caminha conosco hoje e sempre. Por Cristo nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: João 4, 5-42 Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 23.03 - Formação Diocesana das CEBs, fichas com coordenação paroquial das CEBs. • Outros... 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: O Deus da vida nos abençoe e confirme a obra de nossas mãos agora e sempre. Amém! CANTO FINAL. 22
    • 7° Encontro 17 a 23 de março “Fonte de Vida” PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia, vela, recortes de reportagens que façam memória de escravidão, água para ser partilhada com todos, cartaz da Campanha da Fraternidade 2014. 1. CHEGADA: silêncio e oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Venham adoremos a nosso Senhor, (bis) É tempo de quaresma que ele consagrou. (bis) - Não fechemos hoje nosso coração (bis) Sua voz escutemos com toda a atenção! (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Onde nasce o trafico para escravidão? Leitor(a) 1: O pecado foi formulado pela teologia Joanina como assassinato e mentira (Jo 8, 44) e, nesta ordem, entendido por Paulo, como oprimir a verdade e agir com arrogância diante de Deus. O pecado do mundo (Jo 1,29; 15,18) encarnado em tais estruturas, rompe com qualquer possibilidade de humanização: Há uma elite triunfante e exibicionista, que trafega em seus jatinhos, banqueiros, empresários, senhores da mídia que deram as costas aos milhares de seres humanos empurrados para os vales da morte do capitalismo. Aí se escondem os crimes mais cruéis contra a vida humana, como a escravidão e o tráfico de seres humanos. Leitor(a) 2: O capitalismo sustenta esta máquina de pilhagem de miseráveis com a indiferença da sociedade e a cumplicidade do sistema financeiro. Ao aceitar o dinheiro do tráfico, os bancos se omitem ante o terror imposto a pessoas indefesas. É dinheiro sujo procedente de bordéis, masmorras, carvoarias, mansões,fábricas tailandesas, garimpos de Serra Leoa, do algodão das lingeries da Victoria’s Secret, das grifes da Zara, dos tablets da Apple/Foxconn made in China, etc. 23
    • Leitor(a) 3: São dólares de sangue extraído de reféns dos criminosos vorazes cujo poder está longe de esgotar-se. Encobrimento comum – porém real – é o fato de que os agentes dessa crueldade sejam organizações e instâncias, muitas vezes, aceitas no mundo. A que tribunal se pode pedir conta da cumplicidade dos paraísos fiscais e dos grandes bancos? Leitor(a) 1: O capitalismo serve-se dos miseráveis para aumentar seu poder, transformando milhões de seres humanos em mercadoria. Em nome do lucro, se negociam pessoas. É o princípio da acumulação ilimitada a todo vapor. Quanto mais os traficantes enriquecem, mais se empenham em traficar, mais querem aumentar suas contas na Suíça, Bahamas, Caribe, Londres e Wall Street. Leitor(a) 2: Na raiz do tráfico de seres humanos e do trabalho escravo está a idolatria. O pecado mortal do capitalismo não é o ateísmo, mas a idolatria. A civilização do século XXI é profundamente idolátrica, seja na economia, como na cultura e na política: “A riqueza absolutizada é obstáculo à verdadeira liberdade” (Puebla, 494). 4. HINO: Campanha da Fraternidade 2014 - cantado ou rezado É para a liberdade que Cristo nos libertou, Jesus libertador! É para a liberdade que Cristo nos libertou! (GI 5,1) 1- Deus não quer ver seus filhos sendo escravizados, À semelhança e à sua imagem, os criou. (Cf. Gn 1,27) Na cruz de Cristo, foram todos resgatados Pra liberdade é que Jesus nos libertou! (Gl 5,1) 2- Há tanta gente que, ao buscar nova alvorada, Sai pela estrada a procurar libertação; Mas como é triste ver, ao fim da caminhada, Que foi levada a trabalhar na escravidão! 3- E quantos chegam a perder a dignidade, Sua cidade, a família, o seu valor. Falta justiça, falta mais fraternidade Pra libertá-Ias para a vida e para o amor! 4- Que abracemos a certeza da esperança, (Cf. Hb 6,11) Que já nos lança, nessa marcha em comunhão. Pra novo céu e nova terra da aliança, (Cf. Ap 21, 1) De liberdade e vida plena para o irmão ... (Cf Jo 10, 10) 5. SALMO 95(94) - Na Bíblia: rezado ou cantado. 24
    • 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente João 4, 5-42. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA. Dirigente: Tudo se passa ao redor de um poço – figura da Lei e das instituições – no qual se acreditava estivesse a vida (água). O poço era símbolo da sabedoria, o sentido da ida que todos procuravam. Para o povo da Bíblia, o poço era lugar de encontros que marcam para sempre a vida das pessoas. a- repetir o versículo 23. Conversar. b- Nossas comunidades são fontes de água viva? c- O que mais chamou atenção no item olhando a realidade? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: As comunidades precisam cultivar as atitudes da acolhida, da misericórdia, da profecia e da solidariedade. Nossas comunidades devem receber e introduzir na vida comunitária as pessoas que chegam de outros lugares. Sugestão: Realmente notar, perceber, conhecer as pessoas que chegam à comunidade, nunca permitindo que haja injustiça em nossas comunidades. Fazer firme propósito de não adquirir de modo algum artigos produzidos em empresas que utilizam mão de obra escrava. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Peçamos ao Senhor que o seu Espírito de ternura nos conduza nesta Quaresma, nos purifique e nos renove em seu amor, por isso, cantemos: Todos: Recria o teu povo, Senhor! • Abre os nossos olhos, para enxergarmos tudo o que deve mudar em nossa vida, em nosso bairro, em nosso país... • Abre as nossas mãos, para criarmos juntos, com a tua graça, um mundo fraterno, onde haja terra e trabalho, casa e pão, justiça e liberdade para todos... • Abre o nosso coração, para que sejamos capazes de nos reconciliar contigo com os nossos irmãos, perdoando em teu nome, aqueles que nos ofenderam ou nos prejudicaram... Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Ó Deus, Mãe da Compaixão, tu és fonte de toda ação justa e de toda palavra boa. Neste tempo de deserto, ensina-nos a rezar; neste tempo de penitencia, ensina-nos a praticar verdadeiro jejum; neste tempo de caridade, ensina-nos a repartir com os irmãos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém! 25
    • Oração da Campanha da Fraternidade 2014 Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados. Fazei que experimentem a libertação da cruz e a ressurreição de Jesus. Nós vos pedimos pelos que sofrem o flagelo do tráfico humano. Convertei-nos pela força do vosso Espírito, e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos. Comprometidos na superação deste mal, vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) •Evangelho do próximo encontro: João 9, 1-41 Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • 21.03 - Dia Internacional contra a Discriminação Racial • 22.03 - Dia Internacional da Água • 23.03 - Formação Diocesana das CEBs, fichas com coordenação paroquial das CEBs. • Outros... Partilha da água. 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: Que o Deus da paz nos faça capazes de cumprir sua vontade fazendo tudo que é bom, agora e para sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja, nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. A Via Sacra é uma devoção milenar na Igreja Católica. Faz parte da piedade popular participar da Via Sacra durante a Quaresma. 26
    • 8° Encontro 24 a 30 de março “Luz do Mundo” PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque,cruz,vela, colcha de retalhos. 1. CHEGADA: silêncio e oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição. (bis) - Vence as nossas trevas, nossa escuridão, (bis) Transforma nossas pela conversão. (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Tráfico de pessoas. Leitor(a) 1: Para Jesus, o ídolo é uma realidade histórica concreta, o dinheiro (Mt 6, 24; Lc 16,13). Converter o dinheiro em poder supremo significa negar radicalmente ao Deus da vida (Cl 3,5). O apóstolo Paulo ensina que, por trás da idolatria, se esconde a opressão da verdade e a ocultação da injustiça. Suas consequências sobre o próximo são imediatas: perversidade, injustiça, ganância, maldade, assassinato (Rm 1,18ss). Na raiz do tráfico de pessoas está a idolatria do dinheiro (1Tm 6,10; Ef 5, 5). Leitor(a) 2: Portanto, o tráfico de pessoas e o trabalho escravo não podem ser considerados apenas um dano colateral de um sistema econômico, ou um problema político. A idolatria os converte em questão religiosa: “a adoração do não-adorável, e a absolutização do relativo, leva à violação do mais íntimo da pessoa humana. Eis a palavra libertadora por excelência: ao Senhor Deus adorarás e só a Ele darás culto” (Mt 4,10) (Puebla, 493). Enfrentar, denunciar e combater o tráfico de pessoas é confessar a fé no verdadeiro Deus. A mensagem de Jesus é essencialmente uma mensagem 27
    • de libertação: “A queda dos ídolos restitui ao homem seu campo de liberdade essencial” (Puebla, 491). Leitor(a) 3: Se o capitalismo fosse ateu, talvez a fé cristã não tivesse tanta força subversiva. A fé no Deus de Jesus exige confessar o ateísmo diante dos ídolos do capital (cf. Mt 6, 24; Lc 16, 13). Estar contra os ídolos como resposta ao estar dos idólatras contra Deus. São falsos deuses não porque sejam ineficazes, mas por produzirem violência e morte. O Novo Testamento não só confessa Jesus como Senhor, mas como único Senhor: “Há muitos deuses e senhores (...) mas para nós só há um Deus (...) e um só Senhor, Jesus Cristo” (1Cor 8,6). Leitor(a) 1: O sofrimento e humilhação das vítimas é a chave de leitura para a oração, a reflexão e a ação. Na esperança da sua libertação, a fé cristã pode convergir com a fé das vítimas. Então, na solidariedade com as vítimas, apoiando-se mutuamente na fé, abrem-se os olhos das não-vítimas para verem as coisas de outramaneira. As vítimas oferecem uma luz específica para “ver” os conteúdos da fé. O Ressuscitado aparece com as chagas do torturado e crucificado. Elas trazem a luz para que a fé possa ser compreendidaadequadamente. Mais ainda: ajuda a ler o seguimento de Jesus, o Reino de Deus, o amor ao próximo, a vidada Igreja. Elas entendem melhor o que significa esperança, redenção, vida nova, nascer de novo. Leitor(a) 2: A fé desemboca na ética da compaixão indignada e libertadora. A consciência cristã não pode sentirse livre enquanto existirem escravos. O ethos cristão coloca o cristão junto com todas as vítimas do tráfico e do trabalho escravo. O cristão está sendo vendido em cada ser humano traficado; o cristão está sendo explorado e torturado junto com cada trabalhador e trabalhadora escravizada. O cristão está sendo espoliado em cada pessoa espoliada. A violência sobre as vítimas dói em mim: amar as vítimas do tráfico como a nós mesmos (Lv 19, 33-34). Leitor(a) 3: A Igreja nos convoca a resgatar dos calabouços do capitalismo a imagem viva de Deus refletida no rosto das vítimas: Eu estive preso (Mt 25, 35). É contemplar seu rosto no rosto de todo prisioneiro clamando por libertação (Mt 25, 35): “A Igreja recebeu de Jesus a missão de cuidar do ser humano. Ao se fazer serhumano, Jesus revela o valor sagrado da pessoa. Tal missão pertence ao mais profundo de sua consciênciaevangélica” (CNBB, Doc.40, 203-204). Contribuir “com a dignificação de todos os seres humanos,juntamente com demais pessoas e instituições que trabalham pela mesma causa” (DAp, 398) é parte da identidade eclesial. 28
    • 4. HINO: Campanha da Fraternidade 2014 - cantado ou rezado. É para a liberdade que Cristo nos libertou, Jesus libertador! É para a liberdade que Cristo nos libertou! (GI 5,1) 1- Deus não quer ver seus filhos sendo escravizados, À semelhança e à sua imagem, os criou. (Cf. Gn 1,27) Na cruz de Cristo, foram todos resgatados Pra liberdade é que Jesus nos libertou! (Gl 5,1) 2- Há tanta gente que, ao buscar nova alvorada, Sai pela estrada a procurar libertação; Mas como é triste ver, ao fim da caminhada, Que foi levada a trabalhar na escravidão! 3- E quantos chegam a perder a dignidade, Sua cidade, a família, o seu valor. Falta justiça, falta mais fraternidade Pra libertá-Ias para a vida e para o amor! 4- Que abracemos a certeza da esperança, (Cf. Hb 6,11) Que já nos lança, nessa marcha em comunhão. Pra novo céu e nova terra da aliança, (Cf. Ap 21, 1) De liberdade e vida plena para o irmão ... (Cf Jo 10, 10) 5. SALMO 23(22). Na Bíblia: rezado ou cantado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente João 9, 1-41. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA. a- Quais são os preconceitos que pesam hoje sobre os povos empobrecidos e doentes? b- Quem são em nossos dias responsáveis pela cegueira do povo? Por que os poderosos não querem que o povo enxergue? O que os poderosos fazem para manter o povo na cegueira? c- Como os poderosos tentam mascarar a luta do povo para livrar-se da exploração e opressão? Como desmascarar o sistema econômico, político, social e religioso que obriga o povo a pedir esmolas? d- Quais os riscos que a nossa fé precisa enfrentar? 29
    • 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Precisamos estar sempre atentos, enxergar e denunciar as propagandas enganosas, libertar nossos jovens para que não sejam vitimas do trafico de pessoas. Sugestão: Conhecer a internet, explorar o mundo virtual e adquirir segurança, para poder educar as crianças no seu uso. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Irmãos e irmãs, bendigamos ao Senhor: Todos: Bendito sejas, Senhor, nosso Deus! • Durante quarenta anos guiastes pelo deserto o povo de Israel; da mesma forma tu nos guia hoje pelos desertos da vida, alimentando-nos com a tua palavra. Bendito sejas! • Senhor nosso Deus, tu nos dás o Cristo como rocha e como fonte viva em nossa caminhada. Bendito sejas! • Senhor, nesta Santa Quaresma nos dás a oportunidade de participar do mistério de Jesus, que pela cruz chegou à ressurreição. Bendito sejas! Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Ó Deus de ternura, Mãe de bondade, por teu Cristo nos convidas a viver intensamente em tempo da Quaresma. Reanima teu povo na força da fé para podermos celebrar, na alegria do Espírito Santo, a Páscoa de Jesus, nosso Senhor. Amém! Oração da Campanha da Fraternidade 2014. Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados. Fazei que experimentem a libertação da cruz e a ressurreição de Jesus. Nós vos pedimos pelos que sofrem o flagelo do tráfico humano. Convertei-nos pela força do vosso Espírito, e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos. Comprometid os na superação deste mal, vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo nosso Senhor. Amém! 30
    • 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES. (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: João 11, 1-45 Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • Outros... 24.03 – Assassinado ‘São Romero da América’, arcebispo de San Salvador, profeta e mártir. 24.03 – Dia Internacional do Direito à Verdade sobre as Violações dos Direitos Humanos e da Dignidade das Vítimas 27.03 – em 2011, faleceu Pe. José Comblin, profeta radical, comprometido com os pobres. 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: Que o Deus da paz nos faça capazes de cumprir sua vontade, fazendo tudo que é bom, agora e para sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. Campanha da Fraternidade 2014 Fonte: Texto Base 9. O tráfico humano condiciona as pessoas à escravidão e fere a dignidade da pessoa humana, a qual perde todos os seus direi¬tos inalienáveis: de estar livre de toda forma de exploração; de estar livre de tratamento desumano e cruel; de estar livre de todas as formas de violências e torturas fisicas e psicológicas; de estar livre de discriminações baseadas em origem, raça, sexo, cor, idade; a garantia da liberdade de ir e vir, de permanecer e ficar; a garantia de exercer sua personalidade, sua aptidão legal, para fazer valer seus direitos enquanto filho e filha de Deus. 10. No Brasil, são formas bem conhecidas do tráfico humano: a exploração, que atinge principalmente mulheres, mas também crianças e adolescentes, no mercado do sexo, e a exploração de trabalhadores escravizados em atividades produtivas. 31
    • 9° Encontro 31 de março a 06 de abril “O humano é lugar de encontro com Deus” PREPARANDO O AMBIENTE: preparar um ambiente simples e acolhedor. No centro pode-se colocar Bíblia, vela, flores e várias fotos (ou recortes de revistas) de crianças e adolescentes. 1. CHEGADA: Com muita alegria acolher a todos com um abraço se dizendo frases de boas vindas. Em seguida silêncio e oração pessoal. 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis) Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis) - Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis) Que ele nos converta pelo seu perdão! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Onde estão nossas crianças? Dirigente: O tráfico de seres humanos constitui um terrível delito contra a dignidade humana e uma grave violação dos direitos humanos fundamentais. O aumento alarmante do comércio de seres humanos é um dos prementes problemas econômicos, sociais e políticos associados ao capitalismo. O capitalismo serve-se dos miseráveis para aumentar seu poder, transformando milhões de seres humanos em mercadoria. Em nome do lucro, se negociam pessoas. É o princípio da acumulação ilimitada a todo vapor. Quanto mais os traficantes enriquecem, mais se empenham em traficar. Leitor(a) 1: Hoje não é difícil ler nas entrelinhas das matérias o clamor de centenas de milhares de jovens, crianças e adolescentes, vítimas da violência, do tráfico, do crime organizado, sem acesso à escola com qualidade, ao lazer e divertimento, vivendo em condições precárias. Muitos deles obrigados a enveredar pelo caminho do crime e da prostituição como forma de superar a fome e ludibriar a aflição de suas famílias desprovidas de tudo. 32
    • Todos: No clamor silencioso e angustiante em que vivem centena de milhares de meninos e meninas, está a voz de Cristo que sofre nos pequeninos. Leitor(a) 2: Dados divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, UNICEF, revelam que milhões de crianças são vítimas da exploração sexual em todo o mundo. A cada ano, um milhão e duzentas mil crianças são vítimas de tráfico e venda. Mais de 100 mil meninas são vítimas de exploração sexual no Brasil, conforme dados da Organização Internacional do Trabalho, OIT. A exploração sexual de crianças e adolescentes no País ocorre em duas frentes: - nas cidades litorâneas, estando ligado ao turismo sexual realizado por estrangeiros; e - nas cidades do interior das regiões Norte e Nordeste, onde a necessidade desesperada de renda pela pobreza leva os pais a venderem suas filhas. Todos: As vítimas desconhecidas e anônimas do tráfico de pessoas e do trabalho escravo irrompem na consciência humana clamando por uma resposta ética e de justiça: Sou o guardião do meu irmão (Gn 4,9). Leitor(a) 3: Como cristãos sentimo-nos desafiados a fazer todo o possível para mudar o rumo do mundo, transformar as estruturas de morte para o pleno respeito da dignidade humana a propor e lutar por novos modelos de desenvolvimento e convivência que favoreçam a integridade da pessoa. Precisamos ser o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5, 13-16), para transformar a realidade que estamos vivendo em uma realidade de Vida e liberdade. Enfrentar, denunciar e combater o tráfico de pessoas é confessar a fé no verdadeiro Deus. Em todo o ser humano está a imagem viva de Deus esperando para ser amado e acolhido 4. HINO: Coração Civil Quero a utopia, quero tudo e mais. Quero a felicidade nos olhos de um pai. Quero a alegria, muita gente feliz, quero que a justiça reine em, meu país./ Quero a liberdade, quero vinho e pão?Quero ter a amizade, quero amor, prazer./ Quero que nossa cidade, sempre ensolarada. / Os meninos e o povo no poder, eu quero ver. / São José da Costa Rica, coração civil, /me inspire no meu sonho de amor, Brasil./ Se o poeta é o que sonha o que vai ser real,/vou sonhar coisas boas que o homem faz/ e esperar pelos frutos no quintal. / Sem polícia, nem milícia, sem feitiço, cadê o poder? / Viva a preguiça, viva a malícia / Que só a gente é que sabe ter. / Assim vivendo a minha utopia/Eu vou levando a vida. / Eu vou vivendo bem melhor / Doido pra ver o meu sonho teimoso um dia se realizar. 5. SALMO 130(129). Na Bíblia: cantado ou rezado. 33
    • 6. EVANGELHO DE DOMINGO. Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente João 11, 1-45. 7. MOMENTO DA PARTILHA. a- Diga em uma palavra ou uma frase ou que mais lhe chamou a atenção no evangelho. b- O olhando a realidade nos revela situações de morte vividas pelas nossas crianças. Conhece outras situações vividas por elas em nosso bairro e em nossa cidade? c- No seu entender o que Jesus faria diante dessas situações? E nós, o que vamos fazer? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Numa comunidade marcada por relações de afeto e amor ativo, ninguém tem medo do perigo ou de se comprometer quando se trata de ajudar o irmão necessitado. A acolhida do ser humano que aparece no rosto e no grito das vítimas do tráfico humano e trabalho escravo nos pede uma resposta ética, afeta, inquieta, desinstala. Combinar no grupo um gesto concreto. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: irmãos e irmãs, neste tempo favorável, neste dia da salvação, apresentemos ao Senhor nossas súplicas confiantes e digamos: Todos: Ouve, Senhor, eu estou chamando, tem piedade de mim e me responde! • Ouve, Senhor, o clamor das vítimas do tráfico de pessoas e trabalho escravo; que eles sintam a tua presença e vivam na esperança da sua libertação.... • Ouve, Senhor, o grito de todas as crianças da exploração sexual e de todas as crianças que vivem na extrema pobreza; que sintam sua proteção e seu amor infinito.... • Ouve, Senhor, o grito de nossa Comunidade Eclesial que quer ser sinal de tua presença a todas as vítimas do tráfico principalmente as crianças; que possamos ir ao vosso encontro a partir do encontro do humano..... Preces espontâneas...Pai nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Ó Deus de ternura e Mãe da compaixão, és fonte de toda ação justa e toda palavra boa. Vivendo a Quaresma como um tempo de deserto, ensina-nos a orar. Tu nos chama à penitência. Converte, então, nosso coração para que possamos nos empenhar na transformação dessa realidade tão cruel da pessoa humana, que é o tráfico de pessoas. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém! 34
    • 11. AVISO/COMEMORAÇÕES (aniversário, nascimento, acolhida de gente nova...) • Evangelho do próximo encontro: Mateus 21, 1-11. • Traga a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho e lendo até o dia em que nos reuniremos. • Dia 04.04 – Dia contra a Prostituição Infantil 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus da paz nos faça capazes de cumprir sua vontade, fazendo tudo o que é bom, agora e para sempre. Amém! Dirigente: Que todos os irmãos que adormeceram no Senhor descansem em paz. Amém! Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. Campanha da Fraternidade 2014 Fonte: Texto Base 1.1. As principais modalidades do tráfico humano 15. Tráfico para a exploração no trabalho - Conforme conceituação do Ministério do Trabalho: “Diversas são as denominações dadas ao fenômeno de exploração ilícita e precária do trabalho, ora chamado de trabalho forçado, trabalho escravo, exploração do trabalho, semiescravidão, trabalho degradante, entre outros, que são utilizados indistintamente para tratar da mesma realidade jurídica. Malgrado as diversas denominações, qualquer trabalho que não reúna as mínimas condições necessárias para garantir os direitos do trabalhador, ou seja, cerceie sua liberdade, avilte a sua dignidade, sujeite-o a condições degradantes, inclusive em relação ao meio ambiente de trabalho, há que ser considerado trabalho em condição análoga à de escravo........... 35
    • 10° Encontro 07 a 13 de abril “Deus nos criou para sermos livres” PREPARANDO O AMBIENTE: preparar um ambiente simples e acolhedor. No centro Bíblia, vela, flores(pode ser ramos) e objetos que a família gosta muito. 1. CHEGADA: Acolher a todos com alegria, cantando: Seja bendito quem chega, seja bendito quem chega, trazendo a paz, trazendo a paz do Senhor! 2. ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) - Venham adoremos a nosso Senhor, (bis) É tempo de quaresma que ele consagrou. (bis) - Não fechemos hoje nosso coração (bis) Sua voz escutemos com toda a atenção! (bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis) - Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Que herança destinaremos às nossas crianças? Dirigente: Que legado deixaremos para nossas crianças? Segundo a Organização Internacional do Trabalho, OIT, mais de 220 milhões de crianças trabalham no mundo. Mais da metade delas em funções perigosas e em condições e horários precários, em jornadas de trabalho de até 17hs. No Paquistão, crianças com idade de 4 a 6 anos, trabalham em fábrica de tijolos. O seu desgastante trabalho consiste em virar os tijolos para que sequem mais rapidamente ao sol. O seu peso de criança permite que realizem seu penoso trabalho sem amassar os tijolos em que se apóiam. Leitor(a) 1: A Organização Mundial da Saúde, estima existirem 100milhões de crianças vivendo nas ruas do mundo subdesenvolvido ou em desenvolvimento, das quais 10 milhões no Brasil. Muitas dessas crianças mantêm algum tipo de laço familiar, porém, despendem a maior parte do tempo 36
    • nas ruas, -pedindo esmolas, vendendo coisas de pouco valor, engraxando sapatos, lavando vidros de carro-, a fim de complementar o ganho familiar. Leitor(a) 2: Tão perversas quanto persistentes, as desigualdades sociais e a pobreza atingem particularmente a população infanto-juvenil no país. Estudos têm mostrado que as condições de vida das crianças é mais severa em lugares onde a infra-estrutura escolar é de baixa qualidade. Faz-se necessário, portanto, criar condições que estimulam um aumento na freqüência escolar, com a conseqüente ampliação dos seus horizontes e o desenvolvimento das suas potencialidades. As políticas destinadas a acabar com o trabalho infantil também devem procurar eliminar a necessidade da família pela venda da criança. Leitor(a) 3: A consciência Cristã não pode sentir-se livre enquanto existirem crianças escravizadas. O Cristão está sendo vendido em cada ser humano traficado. O Cristão está sendo explorado e torturado junto com cada trabalhador e trabalhadora escravizada. O Cristão está sendo vendido, explorado e espoliado em cada criança que tem sua infância roubada, interrompida pelos crimes cruéis. Devemos amar as vítimas do tráfico e do trabalho escravo como a nós mesmos. Leitor(a) 4: Todo Cristão é ungido no batismo para ser abolicionista como Jesus. Ungido para proclamar e defender a liberdade e levar a Boa Notícia da libertação para todas as vítimas da escravidão. É missão divina! Deve ser assumida com a consciência de que o alcance da escravidão vai além das vítimas do tráfico e do trabalho escravo no mundo. É toda a sociedade que precisa ser libertada do jugo das estrutu8ras de pecado enraizado no pecado mortal da idolatria do deus capital. 4. HINO: Vence a Tristeza– cantado ou rezado. Vence a tristeza, enxuga o pranto, ó meu povo / Vem cantar um canto novo, Deus da vida aqui está: / Quem ama a Deus e está unido ao seu irmão, / Não há porque ficar com medo e sem saber: / O que vai ser do mundo amanhã / quem da fome vai sobreviver. / Está em nós a luz do amor que vai vencer.: / O pobre grita/ e o seu grito não é em vão. / E cada esforço / em nome dele vai valer.:/ É por isso que vou a cantar.:/ Deus amigo me escuta e me vê. / Semente boa está na terra e vai nascer.:/ Como é bonito, ó meu Deus, a terra , o mar, a flor, o pássaro, / E uma mão plantando a paz.: / Tudo é nosso e nós somos irmãos / O futuro é a gente que faz. Deus é amor / E quem amar sempre é capaz.:/ 37
    • 5. SALMO 22 (21) Bíblia: cantado ou rezado. 6. EVANGELHO DE DOMINGO. Canto de aclamação ao Evangelho. Ler pausadamente Mateus 21, 1-11 7. MOMENTO DA PARTILHA. a- Ao entrar em Jerusalém, Jesus vai confrontar-se com um sistema de sociedade apoiado na violência da força militar. Como está nossa sociedade hoje? b- Deus nos criou para sermos livres. Por que existem tantas pessoas, tantas crianças sendo escravizadas? c- O que podemos fazer para levar a Boa notícia de libertação, o Reino da verdadeira Justiça, nos dias de hoje? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: A comunidade que se reúne em torno da memória de Jesus, comunga com Jesus. A eucaristia é a expressão maior do compromisso pessoal e comunitário. Diante de tanta violência e escravidão com nossas crianças não podemos ficar calados. Denuncie qualquer tipo de exploração contra crianças: - Disque 100 – Ministério Público Federal que encaminha para o Ministério Público das cidades alvo ou nos Conselhos Tutelares de sua cidade. O futuro dependerá do que agora fizermos, e, com certeza, há muito por se fazer. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Senhor, fonte de toda vida, abre nossos corações para acolher com todo amor os rostos de todas as vítimas do tráfico e do trabalho escravo. Que sejamos movidos pelo Espírito de liberdade para enfrentar e denunciar todas as situações de injustiças. Todos: Senhor, conduza-nos pelos caminhos do seu amor. • Pai de Bondade, nos fortaleça no seu amor para que sejamos Cristãos autênticos e comprometidos com o seu Reino de Justiça levando a todos os povos e a todas as vítimas da escravidão a boa noticia da libertação, rezemos. • Deus da vida, teu Reino é de liberdade, de fraternidade, protege-nos de toda crueldade e ilumina nossas mentes e corações para lutar contra toda opressão e miséria, buscando um mundo mais justo e solidário, rezemos. • Senhor, perdoa-nos quando por medo ficamos calados, diante das várias situações de violência e escravidão, guiai-nos para irmos ao encontro de todas as pessoas que sofrem com o mesmo amor de Jesus, rezemos. 38
    • Preces espontâneas..... Pai nosso dos mártires cantado.... 10. ORAÇÃO: Ò Deus, fiel às tuas promessas, aumenta a fé de todas as pessoas que crêem em ti. Livra-nos de toda a escravidão e dá-nos a graça de caminharmos ao teu encontro como o povo que, com ramos nas mãos, aclamou o Cristo como teu enviado. Por ele nós te pedimos, Jesus Cristo, Nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS/ COMEMORAÇÕES. (Aniversário,nascimento, acolhida de gente nova). • Evangelho do próximo encontro: João 20, 19-31. Trazer a Bíblia no próximo encontro. Prepare-se, marcando o texto do Evangelho, o Salmo e lendo-os até o dia em que nos reuniremos • Marcar o próximo encontro e anotar no início do subsídio. • Outros....... • Estaremos iniciando a Semana Santa, procure saber os horários em sua comunidade e paróquia, participe e convide a todos. 12. BÊNÇÃO/ORAÇÃO FINAL. Dirigente: Ó Deus, proteção dos pequenos e dos pobres, nos dê a graça de caminhar com o Cristo na sua entrega de amor por toda a humanidade, agora e sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL. Campanha da Fraternidade 2014 Fonte: Texto Base 264. Que a Campanha da Fraternidade suscite, com as luzes do Espírito de Deus, muitas ações e parcerias que contribuam para a erradicação da nossa sociedade dessa chaga desumanizante, que impede pessoas de trilharem seus caminhos e crescerem como filhos e filhas de Deus. Afinal, foi para a liberdade que Cristo nos libertou. 265. A Virgem das Dores, que amparou seu Filho crucificado, faça crescer entre os cristãos e pessoas de boa vontade a solicitude pelos irmãos e irmãs explorados cruelmente pelo tráfico humano. E, sob sua intercessão, sejam frutuosas as ações de enfrentamento desse crime, de cuidado com os resgatados e de ajuda na sua prevenção, para a edificação de uma sociedade verdadeiramente humana e fraterna. 39
    • Oração da CF 2014 Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados. Fazei que experimentem a libertação da cruz e a ressurreição de Jesus. Nós vos pedimos pelos que sofrem o flagelo do tráfico humano. Convertei-nos pela força do vosso Espírito, e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos. Comprometidos na superação deste mal, vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo nosso Senhor. Amém! Hino da CF 2014 É para a liberdade que Cristo nos libertou, Jesus libertador! É para a liberdade que Cristo nos libertou! (GI 5,1) 1- Deus não quer ver seus filhos sendo escravizados, À semelhança e à sua imagem, os criou. (Cf. Gn 1,27) Na cruz de Cristo, foram todos resgatados Pra liberdade é que Jesus nos libertou! (Gl 5,1) 2- Há tanta gente que, ao buscar nova alvorada, Sai pela estrada a procurar libertação; Mas como é triste ver, ao fim da caminhada, Que foi levada a trabalhar na escravidão! 3- E quantos chegam a perder a dignidade, Sua cidade, a família, o seu valor. Falta justiça, falta mais fraternidade Pra libertá-Ias para a vida e para o amor! 4- Que abracemos a certeza da esperança, (Cf. Hb 6,11) Que já nos lança, nessa marcha em comunhão. Pra novo céu e nova terra da aliança, (Cf. Ap 21, 1) De liberdade e vida plena para o irmão ... (Cf Jo 10, 10) 40
    • Apresentação DA cf 2014 “É para liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1) A liberdade nos foi doada na cruz de Cristo. Ele nos libertou e, por isso, concedeu-nos participar da plenitude de sua vida. Na morte, deu-nos a vida; no sofrimento, conquistou para nós a plena liberdade dos filhos e filhas de Deus. O tempo quaresmal, por ser tempo de conversão, possibilita o caminho da verdadeira liberdade. Os exercícios quaresmais do jejum, da oração e da esmola nos abrem silenciosamente para o encontro com Aquele que é a plenitude da vida, com Aquele que é a luz e a vida de toda pessoa que vem a este mundo (cf. Jo 1,10). Jejum, muito mais do que uma privação, é esvaziamento, uma expropriação; tentativa de deixar-nos atingir pela graça da liberdade com que Cristo nos presenteou. O jejum abre o nosso ser para a receptividade da vida nova, da liberdade. A oração é a exposição de quem espera ser atingido pela misericórdia d’Aquele que nos amou primeiro e até o fim (cf. Jo 4,10). A esmola é o amor partilhado; é deixar-se tomar pela dinâmica da caridade; é sair de si mesmo; é deixar-se tocar pela presença do outro, especialmente do mais necessitado. No caminho de conversão quaresmal, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) nos apresenta a Campanha da Fraternidade como itinerário de libertação pessoal, comunitária e social. Tráfico Humano e Fraternidade é o tema da Campanha para a quaresma em 2014. O lema é inspirado na carta aos Gálatas: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (5,1). O tráfico humano é o cerceamento da liberdade e o desprezo da dignidade dos filhos e filhas de Deus. Jesus recorda que o conhecimento da verdade liberta: “conhecereis a verdade, e a verdade vos tornará livres” 00 8,32). A verdade liberta, pois traz à luz o sentido da grandeza, da beleza, da dignidade da pessoa humana. Ser filho, filha de Deus é a verdade que liberta, torna livres, deixa viver na liberdade! A liberdade deixa entrever a dignidade única e transparente da pessoa humana. Todos os laços, amarras que impedem a liberdade desfiguram o homem e a mulher criados à “imagem e semelhança de Deus” (cf. Gn 1,26). O tráfico humano é um dos modos atuais da escravidão. O tráfico humano de hoje é, certamente, fruto da cultura m que vivemos. A Campanha da Fraternidade, ao trazer à luz este verdadeiro drama humano, deseja despertar a sensibilidade de todas as pessoas de boa vontade. “A cultura do bem-estar, que nos leva a pensar em nós 41
    • mesmos, torna-nos insensíveis aos gritos dos outros; faz-nos viver como se fôssemos bolhas de sabão: são bonitas, mas não são nada, são pura ilusão do fútil, do provisório. Esta cultura do bem-estar leva à indiferença a respeito dos outros; antes, leva à globalização da indiferença. Neste mundo da globalização, caímos na globalização da indiferença. Habituamonos ao sofrimento do outro; não nos diz respeito, não nos interessa, não é responsabilidade nossa!” (Papa Francisco, Lampedusa, Itália, 8 de julho de 2013) O tráfico humano viola a grandeza de filhos, destrói a imagem de Deus, cerceia a liberdade daqueles que foram resgatados por Cristo. As comunidades, as famílias, as pessoas certamente buscarão superar a globalização da indiferença em relação ao tráfico humano. Provavelmente, diante do desespero das pessoas traficadas, despertaremos para o “padecer com”. E, assim, não seremos tomados pela globalização da indiferença que nos tirou a capacidade de chorar (cf. Papa Francisco, Lampedusa, Itália, 8 de julho de 2013). “Peçamos ao Senhor a graça de chorar pela nossa indiferença, de chorar pela crueldade que há no mundo, em nós, incluindo aqueles que, no anonimato, tomam decisões socioeconômicas que abrem a estrada a dramas como este” (Papa Francisco, Lampedusa, Itália, 8 de julho de 2013). Maria das Dores nos acompanhe no caminho de conversão! Jesus Cristo crucificado-ressuscitado, que nos libertou do pecado e da morte, anime nossos passos na participação em sua morte e ressurreição. A todos, irmãos e irmãs, famílias e Comunidades, uma abençoada Páscoa! Brasília, 6 de agosto de 2013. Festa da Transfiguração do Senhor. + Leonardo Ulrich Steiner Bispo Auxiliar de Brasília Secretário Geral da CNBB 42
    • Celebração da Via Sacra A Cruz do Senhor, com uma faixa de tecido branco nos braços, é levada à frente pelos participantes, acompanhada de velas acesas. Acolhida Dirigente: Meus irmãos e minhas irmãs, celebrar a Via Sacra é seguir os passos de Jesus. São passos de quem teve a coragem de enfrentar a morte por amor, pois resultam em libertação dos males. A morte de Jesus na cruz se reverte em vida para todos, especialmente os pobres e oprimidos. Tomar a cruz a cada dia é condição para ser discípulo ou discípula de Jesus. Como Ele, não devemos ter medo da cruz. Vamos pedir a Deus que nos ajude a viver este compromisso. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Todos: Amém! Leitor(a) 1: Vamos meditar os passos de Jesus rumo ao Calvário, refletindo sobre os passos de tantos filhos e filhas de Deus condenados à morte pela humilhação e pela violência do tráfico: de órgãos, de adoção ilegal de crianças para o trabalho escravo e para exploração sexual. Leitor(a) 2: A Campanha da Fraternidade 2014 quer nos dar a consciência de que devemos lutar com todas as nossas forças contra as injustiças, violências e abusos à dignidade humana. Leitor(a) 3: A Igreja do Brasil quer que sejamos profetas, corajosos em denunciar e impedir essas situações contrárias à vontade e ao amor de Deus. Dirigente: Em nossa Via Sacra, rezemos pedindo a Deus a conversão do nosso coração para sermos fraternos ao próximo. E nos façamos solidários aos sofrimentos dos irmãos e irmãs vitimados pelo tráfico humano. Canto: Hino da CF 2014. Pagina 40 43
    • 1 Estação ª Jesus é condenado à morte Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Eles, porém, continuaram a gritar com toda a força, pedindo que fosse crucificado. E a gritaria deles prevaleceu. Então Pilatos decidiu que fosse feito o que eles pediam (...) e entregou Jesus à vontade deles” (Lc 23,23-25b). Leitor(a) 2: A multidão pede que Jesus seja pregado na cruz. Quando o povo não se une para lutar e defender a vida, fica a favor da morte, deixa que o mal vença. Quem se cala diante da opressão se coloca do lado do opressor! Leitor(a) 3: Muitas pessoas são traficadas, abusadas e humilhadas porque os cristãos cruzam os braços diante da injustiça no mundo e têm medo de denunciar e combater a maldade. Dirigente: Ó, Deus, nosso Pai e Criador, tende piedade de nós, quando condenamos vosso Filho à morte na carne dos irmãos e irmãs traficados. Perdoai-nos quando nos silenciamos diante da crueldade humana e não somos capazes de denunciar e combater o mal como teu Filho o fez. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Mãe dos desamparados, ajuda-nos a sermos solidários com os que sofrem! Canto: A morrer crucificado / teu Jesus é condenado, / por teus crimes, pecador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 44
    • 2 Estação ª Jesus carrega a cruz Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a)1: “Cuspiram nele e, pegando a vara, bateram-lhe na cabeça. Depois de zombar dele, tiraram-lhe o manto vermelho e o vestiram com suas próprias roupas” (Mt 27,30-31). Leitor(a) 2: Os soldados humilhavam Jesus. Na mesma situação de humilhação, vemos hoje tantos irmãos e irmãs traficados, por vezes retirados de sua família e forçados a agirem contra a própria vontade. Leitor(a) 3: Os cristãos não podem se conformar com tais humilhações contra o outro; devem combater, a exemplo de Jesus, explorações e violências como essas, que destroem as vidas dos filhos e filhas de Deus. Dirigente: Ó, Deus, Pai amoroso, na força do Espírito Santo, ajudai-nos a defender a família como o lugar da vida, da partilha e do amor. Que nenhuma família seja destruída pela humilhação, pela violência e pelo tráfico humano. Isso vos pedimos, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Mãe de Nazareth, vela pelas famílias, para que sejam imagens de tua Família Sagrada. Canto: Com a cruz é carregado / e do peso acabrunhado, / vai morrer por teu amor. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus 45
    • 3 Estação ª Jesus cai pela primeira vez Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Ele foi um pouco mais adiante, caiu com o rosto por terra e orou: ‘Meu pai, se possível, que este cálice passe de mim. Contudo, não seja feito como eu quero, mas como tu queres’” (Mt 26,39). Leitor(a) 2: Jesus, caído na terra, orava. Tantos irmãos e irmãs traficados só têm a oração como conforto. Rezam dia e noite pedindo a libertação de seu sofrimento. Leitor(a) 3: Ao pedir que o Pai faça a sua vontade, Jesus sabe que o Pai não quer a sua morte, mas sabe também que, se é preciso morrer para libertar os filhos e filhas do Pai, então aceita por amor essa vontade e os liberta. Dirigente: Ó, Deus de compaixão, que não quereis a morte de ninguém, mas a vida em abundância, olhai com misericórdia os irmãos e irmãs que oram a vós dia e noite, caídos na opressão. E ajudai a nós, cristãos, para agirmos como teu Filho no auxílio e libertação dos que sofrem. Isso vos pedimos em nome de Jesus, Nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Consoladora dos aflitos, teu coração de Mãe nos ensine a sermos filhos como teu Filho. Canto: Pela cruz tão oprimido, / cai Jesus desfalecido / pela tua salvação. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus 46
    • 4 Estação ª Jesus se encontra com sua mãe Dirigente: Nós vos adoramos, ó, Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe: ‘Este menino será causa de queda e de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição ¬uma espada traspassará a tua alma! - e assim serão revelados os pensamentos de muitos corações’” (Lc 2,34-35). Leitor(a) 2: Uma espada há de lhe atravessar a alma. Ó, como é grande a dor de uma mãe e de um pai que têm o seu filho ou sua filha traficados, tirados de seu lar para serem escravizados e abusados! Leitor(a) 3: Quem não chora ao ver uma mãe assim como a Mãe de Jesus? Dói no peito, dá um aperto na garganta! Maria está ali junto ao Filho que sofre. O discípulo e a discípula de Jesus devem estar onde Ele está sofrendo! Dirigente: Ó, Deus, vós que tendes um coração de mãe, amparai as mães e os pais que sofrem pelos filhos tirados de seu convívio. E dai aos cristãos e cristãs um coração sensível à dor de vosso Filho, que sofre no próximo. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Mãe Dolorosa, ensina-nos a termos um coração como o teu: ainda que transpassado de dor, sempre presente junto aos que sofrem. Canto: De Maria lacrimosa / no encontro lastimoso /vê a viva compaixão. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus 47
    • 5 Estação ª Simão, o “Cirineu”, ajuda Jesus a carregar a cruz Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor (a) 1: “Enquanto levavam Jesus, pegaram um certo Simão, de Cirene, que voltava do campo, e mandaram-no carregar a cruz atrás de Jesus” (Lc 23,26). Leitor(a) 2: Forçaram o “Cireneu” a carregar a cruz de Jesus. A tradição cristã nos fala da atitude de compaixão do “Cireneu”. Embora obrigado a ajudar Jesus, quando dele se aproxima, tem o coração convertido e passa a compartilhar aquele sofrimento no gesto concreto de ajudar a carregar a cruz. Leitor(a) 3: Tomar a cruz de Jesus implica sofrer como Ele e com Ele! Quem carrega a cruz, libertando os que sofrem, compartilha dos sofrimentos deles. Assim deu-nos o exemplo a Bem-Aventurada Ma¬dre Tereza de Calcutá, que compartilhou os sofrimentos de Cristo servindo aos mais pobres. Em nossa realidade, esse serviço se volta para os atingidos pelas diferentes modalidades de tráfico humano. Dirigente: Ó, Deus, Pai misericordioso, tocai o nosso coração como tocastes o coração do Cireneu, fazendo-o amar e sofrer com vosso Filho. Dai viver como tantos santos homens e santas mulheres vive¬ram: carregando a cruz dos pobres e sofredores deste mundo. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Mãe dos pobres e desvalidos, ajuda-nos a servir como serviste na casa de Isabel. Canto Em extremo, desmaiado, / deve auxilio tão cansado / receber do Cireneu. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 48
    • 6 Estação ª Verônica enxuga o rosto de Jesus Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Não fazia vista, nem tinha beleza a atrair o olhar, não tinha aparência que agradasse. Era o mais desprezado e abandonado de todos, homem do sofrimento, experimentado na dor, indivíduo de quem a gente desvia o olhar, repelente, dele nem tomamos conhecimento. Eram na verdade os nossos sofrimentos que ele carregava, eram as nossas dores, que levava às costas” (Is 53,2-4). Uma piedosa mulher enxugou o rosto de Jesus. Leitor(a) 2: Muitos “enxugam o rosto de Jesus” libertando, salvando e compartilhando as dores dos que sofrem: muitas comunidades, pastorais e movimentos da Igreja levam vida aos que nada têm, como as tantas iniciativas eclesiais voltadas ao cuidado com as pessoas vi-timadas pelo tráfico humano. Leitor(a) 3: Podemos e devemos reforçar essas iniciativas que põem em prática radicalmente a palavra de Jesus: “todas as vezes que fizestes isso a um destes mais pequenos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes!” (Mt 25,40). Dirigente: Ó, Deus, vós que sois a nossa fortaleza e continuais a renovar a vossa Igreja chamando homens e mulheres a realizar o projeto de amor de vosso Reino, fazei com que surjam cada vez mais comunidades de discípulos autênticos de vosso Filho. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Mãe dos discípulos de Jesus, ensina-nos a ver-mos nos pobres e sofredores o rosto de teu bendito Filho. Canto O seu rosto ensanguentado / por Verônica enxugado, / contemplemos com amor. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus 49
    • 7 Estação ª Jesus cai pela segunda vez Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” (Hb 2,18). Leitor(a) 2: Jesus não suporta a dor e o peso da cruz: cai pela segunda vez. Jesus cai por terra para levantar o homem e a mulher caídos pelo peso dos males e pecados. Todos os dias somos tentados a viver no egoísmo, na maldade, na mentira, na falta de amor e compaixão. Alguns pensam que a riqueza a qualquer custo está acima da vida humana, a ponto de atentarem contra a sua dignidade, escravizando pessoas. Leitor(a) 3: Jesus morreu para destruir o pecado em nós. Ele nos deu o seu Espírito Santo para nos fortalecer e podermos dizer não ao mal, abandonando a vida de pecado! Dirigente: Ó, Deus, vós que em Jesus tirastes o pecado do mundo, olhai para nós qual filhos pródigos que tantas vezes enveredamos por caminhos geradores de morte e destruição. Concedei-nos o re¬torno à vossa casa, o arrependimento sincero e a mudança de vida. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, refúgio dos pecadores, vela por nós que acabamos caindo, nos perdendo e levando outros a se perder; ajuda-nos a voltar para os braços do Pai misericordioso. Canto Outra vez desfalecido, / pelas dores abatido, / cai por terra o Salvador. Pela Virgem Dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 50
    • 8 Estação ª Jesus consola as mulheres Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Seguia-o uma grande multidão do povo, bem como de mulheres que batiam no peito e choravam por ele. Jesus, porém, voltou-se para elas e disse: ‘Mulheres de Jerusalém, não choreis por mim! Chorai por vós mesmas e por vossos filhos! ( ... ) Pois, se fazem assim com a árvore verde, o que não farão com a árvore seca?’” (Lc 23,27-28). Leitor(a) 2: Jesus diz às mulheres: “chorai por vós mesmas e vossos filhos”. Ele diz isso porque o ser humano se faz preguiçoso e deixa-se vencer e abater pelo mal. A consolação que Jesus faz a essas mulheres é uma advertência: “se matam um filho assim, que coisa pior não farão com os pais?” Leitor(a) 3: Se não lutarmos com todas as forças contra o mal, ele cresce a cada dia. É preciso lutar contra a ganância, a violência e a opressão. Se não, continuaremos a chorar por nós mesmos e por nossos filhos! Dirigente: Ó, Deus, a cruz de Jesus é um grito contra a violência do coração do homem. Vós que sois o bem invencível, ajudai-nos a vencer o mal praticando o bem e combatendo a miséria, a injustiça e a violência. Isso nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Senhora das Dores, com Jesus teu coração foi morto na cruz. Ajuda-nos a sermos corajosos para vencer o mal com a fé que Jesus nos deu! Canto: Das mulheres piedosas, / de Sião filhas chorosas, / é Jesus consolador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 51
    • 9 Estação ª Jesus cai pela terceira vez Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Eram na verdade os nossos sofrimentos que ele carregava, eram as nossas dores que levava às costas. E a gente achava que ele era um castigado, alguém por Deus ferido e massacrado” (Is 53,4). Leitor(a) 2: As pessoas que acompanhavam Jesus ao calvário pensavam que Ele era ferido e castigado por Deus. Muitas pessoas pensam que a violência, a guerra e a fome são culpa dele, castigo divino, e não consequência da injustiça social. Leitor (a) 3: Jesus nos ensinou que a violência, a maldade, a falta de solidariedade vêm de dentro do coração orgulhoso e egoísta do ser humano. Essas atitudes não fazem parte do projeto de Deus! Dirigente: Ó, Deus, vós que desejais vida digna a todos os vossos fi¬lhos e filhas, ajudai-nos a expressar o amor a Vós amando nossos irmãos e irmãs, principalmente os vitimados pelo tráfico humano. Isso nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, que tiveste um coração imaculado e manso, ajuda-nos a sermos bons e amar-nos uns aos outros. Canto: Cai terceira vez prostrado / pelo peso redobrado / dos pecados e da cruz. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus 52
    • 10 Estação ª Jesus é despido de suas vestes Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Depois que crucificaram Jesus, os soldados pegaram suas vestes e as dividiram em quatro partes, uma para cada soldado. A túnica era feita sem costura, uma peça só de cima em baixo. Eles combinaram: ‘Não vamos rasgar a túnica. Vamos tirar sorte para ver de quem será’. Assim cumpriu-se a Escritura: ‘Repartiram entre si as minhas vestes e tiraram a sorte sobre minha túnica’” (Jo 19,23-24). Leitor(a) 2: A túnica de Jesus representa a sua dignidade. Os soldados a tiraram, repartiram-na entre eles e jogaram-na à sorte, como se ela fosse um objeto qualquer. Leitor(a) 3: A mesma coisa acontece com os irmãos e irmãs sequestrados, traficados, explorados e abusados. Suas vidas e dignidade são desrespeitadas como se eles fossem objetos. Dirigente: Ó, Deus, vós que sois o doador da vida e nos criastes a vossa e semelhança daí a cada homem e mulher reconhecer o valor inestimável da vida e da dignidade humana. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Senhora do Amparo, ampara os que são espoliados e que têm suas vidas tiradas antes do tempo. Canto Das suas vestes despojado, / por algozes maltratado, / eu vos vejo, meu Jesus. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 53
    • 11 Estação ª Jesus é pregado na cruz Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “E chegaram a um lugar chamado Gólgota, que quer dizer Calvário. Deram-lhe de beber vinho misturado com fel. Ele provou, mas não quis beber. Depois de o crucificarem, repartiram as suas vestes tirando a sorte. E ficaram ali sentados, montando guarda” (Mt 27,33-36). Leitor(a) 2: Crucificaram Jesus e ficaram vigiando. Tinham medo que alguém o libertasse da cruz. Nossas leis muitas vezes são injustas, protegem aqueles que fazem o mal impedindo que a justiça aconteça. Leitor(a) 3: Devemos cobrar de nossos governantes leis justas, que defendam os princípios da ética e da igualdade. Dirigente: Ó, Deus, vós que sois justo e conheceis os caminhos dos homens e mulheres deste mundo, iluminai nossos governantes para que, com prudência e justiça, exerçam sua vocação de políticos e legisladores. Isso nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Sede da Sabedoria, ensina-nos a procurar o bem com todas as nossas forças. Canto: Sois por mim na cruz pregado / insultado, blasfemado/ com ce¬gueira e com furor. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedo¬sa, / perdoai-me, meu Jesus. 54
    • 12 Estação ª Jesus morre na cruz Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Jesus deu um forte grito: ‘Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito’. Dizendo isto, expirou. O centurião, vendo o que acontecera, glorificou a Deus dizendo: ‘Realmente! Este homem era justo!’” (Lc 23,4648). Leitor(a) 2: A morte natural é parte da nossa trajetória. Mas muitos os assassinados, morreram não porque “chegou a hora”, como muitos costumam dizer, mas foram vítimas da injustiça. Jesus e muitos que foram traficados e escravizados perdem a vida antes do tempo! Leitor(a) 3: O quinto mandamento da lei de Deus proíbe matar. Ninguém possui esse direito. Peçamos perdão por tantas vidas tiradas antes do tempo. Todos: Senhor, tende piedade de nós! Dirigente: Ó, Deus, a morte do vosso Filho é um grito levantado ao céu como o sangue de Abel, o justo, que foi assassinado por seu ir¬mão. Dai a cada um de nós a consciência de que a morte do justo não passará despercebida e nem ficará impune diante de vós. Isso nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Rainha dos Mártires, ensina-nos a lutar pela justiça e a não ficar indiferentes diante da morte de inocentes. Canto: Por meus crimes padecestes, / meu Jesus, por mim morrestes. / Ó, quão grande é minha dor. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 55
    • 13 Estação ª Jesus é descido da cruz Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Um dos soldados, vendo que Jesus já estava morto, furou o seu lado com uma lança. No mesmo instante, saiu sangue e água. José de Arimatéia pediu licença a Pilatos para tirar o corpo de Jesus, e retirou-o. (cf. Jo 19,34;38). A mãe de Jesus recebe o Filho morto em seus braços. Leitor(a) 2: A dor de Maria nesse momento, ao receber o filho morto nos braços, é como a dor de tantas mães, que veem seus filhos maltratados por uma vivência de privações, exauridos pelo trabalho escravo, assassinados por matadores de aluguel. A dor é muito profunda. Leitor(a) 3: Do coração de Jesus sai sangue e água, símbolos do nascimento da Igreja, que é alimentada com o Corpo e Sangue de Jesus. Leitor(a) 1: Na Eucaristia, recebemos esse mesmo Corpo torturado, assassinado, que José de Arimatéia tirou da cruz, mas que está ressuscitado e glorioso pelo poder de Deus. Leitor(a) 2: Comungamos o “Corpo da vida”, porque Deus quer que todos os seus filhos e filhas tenham “a vida em abundância” (cf.Jo 10,10)! Dirigente: Ó, Deus, que do lado aberto de Jesus fiz estes nascer a vossa Igreja, dai-nos que, ao comungar do Corpo e Sangue do vosso Filho, participemos de sua morte e ressurreição e, assim, também nos doemos para que os que sofrem possam viver e ressuscitar. Isso vos pedimos em nome ele Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Senhora Aparecida, ajuda-nos a não deixar faltar o pão de cada dia aos nossos irmãos e irmãs que morrem de fome, assim como vosso Filho nos alimentou com o Pão da vida. Canto: Do madeiro vos tiraram / e à Mãe vos entregaram / com que dor e compaixão. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 56
    • 14 Estação ª Jesus é sepultado Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Nicodemos e José de Arimatéia pegaram o corpo de Jesus e o enrolaram em lençóis nos quais haviam espalhado perfumes. Era assim que os judeus preparavam os corpos para serem enterrados. E sepultaram Jesus num túmulo novo num jardim. (Cf.Jo 19,39-41). Leitor(a) 2: O jardim onde sepultaram Jesus e onde ele ressuscitou é imagem daquele Jardim do Êden, do qual Adão e Eva foram expulsos pelo pecado. Jesus devolve ao ser humano “a vida no jardim”, isto é, a vida junto com Deus. Leitor(a) 3: O amor de Deus é mais forte que o pecado e a morte! O amor Dele nos quer felizes e a felicidade verdadeira só é possível quando estamos ligados a Ele. Leitor(a) 1: Ainda que no mundo tenhamos sofrimentos, lembremo-nos o que disse Jesus: “em mim, tenhais a paz. No mundo terei aflições. Mas tende coragem! Eu venci o mundo” (Jo16,33). Dirigente: Ó, Deus da esperança, fortalecei a nossa fé e o desejo de libertação. Ajudai-nos a sermos profetas da esperança, como foi São Francisco de Assis, e instrumentos de vossa paz, levando amor onde há ódio, perdão onde há ofensas, união onde há discórdias, fé onde há duvida, verdade onde há erros, esperança onde há desespero, alegria onde há tristeza, luz onde há trevas. Isso vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Ó, Maria, Virgem da Esperança, ajuda-nos a nunca desanimar na luta pelo bem, pela paz e pela promoção da dignidade humana. Canto: No sepulcro vos puseram, / mas os homens tudo esperam / do mistério da paixão. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 57
    • 15 Estação ª Jesus ressuscitou Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui. Ressuscitou! Lembrai-vos do que Ele vos falou, quando ainda estava na Galiléia: ‘Ê necessário o Filho do Homem ser entregue nas mãos dos pecadores, ser crucificado e, no terceiro dia, ressuscitar’” (Lc 24,5b-7). Leitor(a) 2: “Lembrai-vos do que Ele falou”, disseram os anjos às mulheres que foram procurar o corpo de Jesus morto. Experimentar a ressurreição de Jesus em nós mesmos é ter sempre presente em nós as Palavras dEle. É recordar e praticar o que Ele fez, ensinou e revelou. Leitor(a) 3: “Vitorioso, Ressuscitou! Após três dias à vida Ele voltou! Ressuscitado, não morre mais. Está junto do Pai, pois Ele é o Filho eterno. Mas Ele vive em cada lar e onde se encontrar um coração fraterno!” *1 Todos: “Proclamamos que Jesus de Nazaré, glorioso e triunfante, Deus conosco está! Ele é o Cristo e a razão da nossa fé e um dia voltará.” *2 Dirigente: Ó, Deus da ressurreição, fazei com que nossos irmãos e irmãs que sofrem a violência do tráfico humano, da opressão e da injustiça experimentem a ressurreição do vosso Filho, por meio do testemunho libertador dos cristãos e cristãs. Ajudai-nos, através da nossa fé e esperança na ressurreição, a transformar este mundo, fazendo com que seja mais justo e fraterno. Isso nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor . Amém! Todos: Ó, Maria, bendita para sempre, ajuda-nos a recordar sempre a misericórdia que Deus teve com nosso pai Abraão e todos nós seus descendentes. Canto: Meu Jesus, por vossos passos, / recebei em vossos braços / a mim, pobre pecador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus. 58
    • Dirigente: Irmãos e irmãs, ao concluirmos nossa Via Sacra, peçamos ao Senhor que a contemplação dos mistérios de sua Paixão Redentora possa gerar em nós frutos de conversão pessoal e social. Sejamos agentes de libertação, como Jesus o foi. Para isso, vamos rezar com fé, amor e confiança a oração que Ele mesmo nos ensinou e a oração da Campanha da Fraternidade. - Pag. 40 Pai-nosso. 1 e 2 – Padre Zezinho –“ Um certo galileu” Campanha da Fraternidade 2013 Fonte: Texto Base 235. Para agir, podemos tomar como exemplo Bartimeu (cf. Mc 10,46ss), o homem que gritou à beira do caminho quando Jesus passava. Grito de protesto contra aqueles que não o deixavam chegar até Jesus, grito de reivindicação de sua dignidade roubada por uma sociedade preconceituosa. Bartimeu gritou para entrar “no caminho”, gritou por não se contentar com a condição que lhe fora dada: ficar à margem da sociedade e da cidadania. O grito de Bartimeu era um grito de denúncia. A proposta de conscientização e prevenção parte do princípio que orientou Bartimeu. 236. A conscientização sobre a realidade do tráfico humano sugere às pessoas traficadas a não acomodação, o grito e a ação consequente por inclusão cidadã. Cabe à Igreja amplificar este grito, ou mesmo emprestar sua voz para quem não consegue gritar. E num segundo momento será preciso denunciar. A denúncia deve ecoar na sociedade, em suas diferentes organizações, na perspectiva de se construírem iniciativas que dificultem a predominância das condições que propiciam a prática do tráfico humano: miséria, ganância e impunidade. 237. A Igreja Católica pode ajudar a superar esse ditrcil problema global e local que é o tráfico humano. No Brasil, a Igreja delineou três caminhos de ações principais, começando pela prevenção, cuidado pastoral das vítimas e a sua proteção e reintegração na sociedade. 238. Uma das formas de atuação da Igreja será utilizar sua imensa rede de fiéis e sua presença em todo território brasileiro, para divulgar e conscientizar os filhos e filhas de Deus sobre a questão do tráfico humano. 59
    • HINO PROVA DE AMOR Refrão: Prova de amor maior não há Que doar a vida pelo irmão 1- Eis que eu vos dou o novo mandamento: Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado. 2- Vós sereis os meus amigos se seguirdes meu preceito: Amai-vos uns aos outros como eu vós tenho amado. 3- Como o Pai sempre me ama assim eu também vos amei: Amai-vos uns aos outros como eu vós tenho amado. 4- Permanecei em meu amor e segui meu mandamento: Amai-vos uns aos outros como eu vós tenho amado. 5- E, chegando a minha Páscoa, vos amei até o fim: Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado. 6- Nisto todos saberão que vós sois os meus discípulos:A mai-vos uns aos outros como eu vós tenho amado. ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO Senhor, fazeide mim instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor. Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. Onde houver discórdia, que eu leve a união. Onde houver dúvida, que eu leve a fé. Onde houver erro, que eu leve a verdade. Onde houver desespero, que eu leve a esperança. Onde houver tristeza, que eu leve a alegria. Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó mestre,fazei que eu procure mais consolar que ser consolado; Compreender que ser compreendido; Amar que ser amado.Pois é dando que se recebe; É perdoando que se é perdoado e é morrendo que se vive para a vida eterna VÓS SOIS O CAMINHO Refrão: Vós sois o caminho, a verdade e a vida; o pão da alegria descido do céu 1- Nós somos caminheiros que marcham para os céus; Jesus é o caminho que nos conduz a Deus 2- Da noite da mentira, das trevas para a luz, busquemos a verdade, verdade é só Jesus. 3- Pecar é não ter vida, pecar é não ter luz; tem vida só quem segue os passos de Jesus 4- Jesus, verdade e vida, caminho que conduz as almas peregrinas que marcham para a luz. EIS SENHOR TEU POVO Refrão: Senhor, eis aqui o teu povo ,Que vem implorar teu perdão; É grande o nosso pecado, Porem é maior o teu coração. 1-Sabendo que acolheste Zaqueu o cobrador, E assim lhe devolveste tua paz e teu amor, Também nos colocamos ao lado dos que vão/ Buscar no teu altar a graça e o perdão. 2- Revendo em Madalena a nossa própria fé, Chorando nossas penas diante dos seus pés/ Também nós desejamos o nosso amor te dar, Porque só muito amor nos pode libertar. 60
    • O VOSSO CORAÇÃO Refrão: O vosso coração De se converterá Em novo, em novo coração. 1- Tirarei de vosso peito Vosso coração de pedra, No lugar colocarei novo Coração de carne. 2- Dentro em vós eu plantarei, Plantarei o meu espírito: Amareis os meus preceitos, Seguireis o meu amor. 3- Dentre todas as nações, Com amor vos tirarei, Qual pastor vos guiarei, Para a terra, a vossa pátria. 4-Esta terra habitareis: Foi presente a vossos pais E sereis sempre o meu povo, Eu serei o vosso Deus. PECADOR, AGORA É TEMPO 1- Pecador, agora é tempo / De pesar e de temor: / Serve a Deus, acolhe a graça, / Já não sejas pecador! 2- Neste tempo sacrossanto / O pecado faz horror; / Contemplando a cruz de Cristo / Já não sejas pecador! 3- Pecador arrependido Volta para teu Senhor,Vem, abraça-te, contritoCom teu Pai, teu criador! 4- Compaixão, misericórdia Vos Pedimos, Redentor:/ Pela Virgem, Mãe das Dores, / Perdoai-nos, Deus de Amor! ACLAMAÇÃO - TEMPO COMUM OUVIR COM ATENÇÂO Aleluia, Aleluia / Vamos todos escutar Aleluia, Aleluia / Sua Palavra proclamar Vamos ouvir com atenção / A Palavra de Deus Pai / Que ensina amar o irmão / E nos quer todos iguais. EU VIM PARA ESCUTAR Tua Palavra, Tua Palavra, Tua Palavra de amor 1- Eu vim para escutar 2- Eu gosto de escutar. 3- Eu quero entender melhor 4- O mundo inda vai viver 61
    • ACLAMAÇÃO - QUARESMA LOUVOR E GLORIA Refrão: Louvor e gloria a ti, Senhor, Cristo palavra, palavra de Deus! 1- O Homem não vive Somente de pão, Mas de toda palavra Da boca de Deus! 2- Numa nuvem Resplendente fez-se Ouvir a voz do Pai. Eis meu filho amado, Escutai-o, todos vós! 3- Na verdade, sois Senhor, O Salvador do mundo. Senhor, dai-me água viva A fim de eu não ter sede! 4- Pois eu sou a luz do mundo, Quem nos diz é o Senhor. E vai ter a luz da vida quem Se faz meu seguidor! 5- Eu sou ressurreição, Eu sou a vida. Quem crê em mim não Morrerá eternamente. PROCISSÃO DA BÍBLIA A PALAVRA CHEGANDO A palavra de Deus vai chegando, vai 1- É Jesus que hoje vem nos falar. 2- É a palavra de deus aos pequenos. 3- É a palavra de libertação. 4- Como o sol a brilhar no horizonte. 5- É semente fecunda na terra. VAMOS OUVIR 1- Vamos ouvir a Palavra de Deus Que vem chegando, chegando É ela a Palavra de Jesus Em toda Igreja vai se espalhando 2- Com as palavras do Evangelho Os oprimidos vão se libertando Ouvindo o que diz Jesus Cristo Toda gente vai caminhando. 62
    • ESCUTA Escuta, Israel, Javé teu Deus falar Escuta, Israel, Javé teu Deus vai falar Fala, Senhor Javé, Israel quer te escutar Fala, Senhor Javé, Israel quer te escutar A PALAVRA QUE É LUZ E nós vamos ouvir / A Palavra que é Luz / E que vem nos unir 1- A palavra de Deus / Vem chegando no meio do povo 2- A palavra que traz boa nova / E renova a esperança 3- A palavra vai ser partilhada / Partilhada em comunidade CANTO FINAL LENTA E CALMA 1- Lenta e calma sobre a terra, Desce a noite e foge a luz, Vem Brilhar em nossas trevas, Vem conosco, bom Jesus! (bis) 2- Em silêncio passa a noite, Vão-se as trevas, chega a luz! Amanhã é novo dia, Vem conosco, bom Jesus! (bis) 3- Vem conosco, Cristo amigo, Quem vem do alto nos conduz. Sê a Luz dos nossos passos, Vem conosco, bom Jesus! (bis) Via Sacra nas Comunidades 63
    • Encontro de delegados e delegadas do 13º Intereclesial das CEBs CNBB Sul. Delegação da sub região Aparecida, em Pirajui - SP Subsídio Palavra de Deus no Meio do Povo LIVRETO Nº 1 – Ano XXIV - 2014 Revisão Teológica Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral Revisão Redacional Diác. José Aparecido de Oliveira (Cido) Impressão Katú Editora Gráfica Diagramação Fabrício Gustavo Flausino Tiragem 40.000 exemplares. 64