Aspectos Teóricos da Economia
Ambiental e Economia Ecológica
Marcio A. Nicknig 05/06
Inserção do Capital Natural na
Economia
Já é recorrente a necessidade de inserção do
capital natural dentro do fluxo monet...
Duas Correntes Metodológicas
Principais
•Economia Ambiental
•Economia Ecológica
Princípios da Economia Ambiental
• Recursos naturais são infinitos;
• Os recursos naturais são parte da função
de custo de...
Uma das principais implicações da Economia
Ambiental, a inserção dos recursos naturais na
função de produção já havia sido...
Segundo Martins e Felicidade (2001), “a
valoração dos recursos ambientais seria um
mecanismo eficaz para refletir no merca...
O valor econômico total (VET) dos ativos
ambientais, segundo Tietenberg (2000), pode ser
dividido em três componentes:
Val...
Fundamentos da Economia Ecológica
A Economia Ecológica apresenta duas
diferenças fundamentais com a Economia
Ambiental, ap...
Mundo Vazio
O chamado “Mundo Vazio” representa uma
economia de pequenas proporções, que ainda
pode se expandir, pois ainda...
Mundo Cheio
No “Mundo cheio”, a escala de utilização é
elevada, o que faz com que o sistema econômico
esteja cada vez mais...
Bem Estar =
Bem Estar Econômico + Bem
Estar não-Econômico
Características dos Recursos Ambientais
Exclusividade: ocorre sempre que houver a
possibilidade de se excluir algumas pess...
Rivalidade: os bens considerados rivais são
aqueles em que a utilização de uma unidade por
uma pessoa proíbe o uso da mesm...
Congestionabilidade: Bens
congestionáveis são aqueles que se comportam
como não rivais até o ponto em que esgotam sua
carg...
Stock-flow: Os recursos stock-flow são
aqueles que se transformam em produto
durante o processo produtivo.
Fund-service: O...
Os elementos estruturais de um ecossistema
são estoques de recursos bióticos e abióticos
que, quando combinados, geram fun...
Conclusões
Nitidamente, a corrente chamada por ambiental
é ainda ligada aos aspectos neoliberais e sem cunho
preservacioni...
Bibliografia
• Economia do Meio ambiente: Aspectos teóricos
da Economia Ambiental e da Economia
Ecológica; Paes de Souza, ...
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica

6.363 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado na disciplina de Valoração do Meio Ambiente, onde foram estudas as metodologias e correntes econômicas que tangem a valoração de bens naturais, assim como os valores de indenizações, restituições e multas por agressão ao meio ambiente, através da estimação econômica de seus ativos ambientais.

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.363
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
178
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica

  1. 1. Aspectos Teóricos da Economia Ambiental e Economia Ecológica Marcio A. Nicknig 05/06
  2. 2. Inserção do Capital Natural na Economia Já é recorrente a necessidade de inserção do capital natural dentro do fluxo monetário das instituições. O principal impasse nesse processo, como tanto temos visto ao longo da disciplina, é o encontro de um consenso teórico para realizar esse procedimento.
  3. 3. Duas Correntes Metodológicas Principais •Economia Ambiental •Economia Ecológica
  4. 4. Princípios da Economia Ambiental • Recursos naturais são infinitos; • Os recursos naturais são parte da função de custo de qualquer produto; • Busca da alocação ótima de recursos; • Mercado livre;
  5. 5. Uma das principais implicações da Economia Ambiental, a inserção dos recursos naturais na função de produção já havia sido apresentada anteriormente na disciplina. Onde: Y = produto; K = capital; L = trabalho; N = capital natural;
  6. 6. Segundo Martins e Felicidade (2001), “a valoração dos recursos ambientais seria um mecanismo eficaz para refletir no mercado os níveis de escassez de parte dos recursos naturais, propiciando condições para que a “livre” negociação nos mercados de commodities ambientais pudesse definir o nível ótimo de exploração e alocação desses recursos”.
  7. 7. O valor econômico total (VET) dos ativos ambientais, segundo Tietenberg (2000), pode ser dividido em três componentes: Valor de Uso (VU):Reflete o uso direto dos recursos ambientais. Como exemplo, temos o valor dos peixes retirados dos rios, a madeira retirada da floresta, a água extraída para a irrigação, a beleza de uma cena conferida por uma bela vista. Valor de Opção (VO): Reflete a disposição das pessoas a utilizar o recurso no futuro, deixando de utilizá-lo no presente. Valor de Não Uso ou Valor de Existência (VE): Tem-se como o valor derivado da satisfação que as pessoas obtêm pelo simples fato de que um recurso natural existe e está sendo preservado.
  8. 8. Fundamentos da Economia Ecológica A Economia Ecológica apresenta duas diferenças fundamentais com a Economia Ambiental, apresentada anteriormente: - Considera os recursos naturais finitos; - Além da melhor alocação econômica, também se preocupa com a distribuição justa dos recursos naturais;
  9. 9. Mundo Vazio O chamado “Mundo Vazio” representa uma economia de pequenas proporções, que ainda pode se expandir, pois ainda há quantidades de recursos a serem utilizadas.
  10. 10. Mundo Cheio No “Mundo cheio”, a escala de utilização é elevada, o que faz com que o sistema econômico esteja cada vez mais próximo do seu limite. Sendo assim, deve-se pensar na viabilidade ou não da utilização dos recursos, já que a mesma será responsável por maior throughput. A utilização dos recursos fornecidos pelo ecossistema de forma irracional faz com que possa haver perdas e danos irreversíveis ao mesmo, o que prejudicaria sua utilizaçãopresente e futura, tornando talvez as condições de existência de algumas espécies impossíveis.
  11. 11. Bem Estar = Bem Estar Econômico + Bem Estar não-Econômico
  12. 12. Características dos Recursos Ambientais Exclusividade: ocorre sempre que houver a possibilidade de se excluir algumas pessoas do uso de algum bem. Tal característica não se aplica aos bens públicos, que são considerados não-exclusivos, o que dificulta a adoção de medidas que visem a preservação dos mesmos e sua alocação eficiente e em escala sustentável. A resolução de tal problema se daria através da existência de instituições que possibilitassem a exclusão do uso dos recursos.
  13. 13. Rivalidade: os bens considerados rivais são aqueles em que a utilização de uma unidade por uma pessoa proíbe o uso da mesma unidade por outra pessoa (comida, carros, casas, ...). Tal característica é importante e deve ser observada no processo de decisão, já que a distribuição dos recursos depende disso.
  14. 14. Congestionabilidade: Bens congestionáveis são aqueles que se comportam como não rivais até o ponto em que esgotam sua carga comportando-se, depois disso, rivais. Irreversibilidade: Irreversíveis são aqueles recursos que, após sua utilização e degradação, o retorno às condições anteriores é lento, podendo ser até impossível.
  15. 15. Stock-flow: Os recursos stock-flow são aqueles que se transformam em produto durante o processo produtivo. Fund-service: Os recursos fund-service são aqueles utilizados durante o processo produtivo mas que não se transformam em produto. Ao se distribuir o capital natural nessas duas categorias dá-se um passo importante para a adoção de políticas.
  16. 16. Os elementos estruturais de um ecossistema são estoques de recursos bióticos e abióticos que, quando combinados, geram funções ecossistêmicas, ou serviços. Diferentemente dos recursos renováveis, os serviços ecossistêmicos são utilizados para possibilitar a produção econômica, mas não são transformados no produto, nem precisam ser transformados para que os produtos sejam produzidos, ou seja, são fund-services.
  17. 17. Conclusões Nitidamente, a corrente chamada por ambiental é ainda ligada aos aspectos neoliberais e sem cunho preservacionista, apenas tratando o recurso natural como um bem mensurável. A Economia Ecológica apresenta um arcabouço mais condizente com a preocupação ambienta, preservacionista, ao dar enfoque na distribuição justa e alocação eficiente dos recursos naturais. A idéia sistêmica apresentada também é mais condizente com o que é observado pelos profissionais da área ambiental.
  18. 18. Bibliografia • Economia do Meio ambiente: Aspectos teóricos da Economia Ambiental e da Economia Ecológica; Paes de Souza, R. F. – 2010;

×